Sunday, 30 December 2007

SUNDAY COVER & POETRY (X)


[Get Content Here]





{Poem: A Martian Sends a Postcard Home, by Craig Raine. Raine is founder and editor of the literary magazine Arete'. His poetry collections include The Onion, Memory (1978), A Martian Sends a Postcard Home (1979), and History: The Home Movie (1994). His latest book is T.S. Eliot: Image, Text and Context (2007) - in Life Lines 2/Poets for Oxfam/Edited by Todd Swift, 2007}

HAPPY NEW YEAR EVERYONE!
BOAS ENTRADAS!
KANDANDOS!

[Get Content Here]





{Poem: A Martian Sends a Postcard Home, by Craig Raine. Raine is founder and editor of the literary magazine Arete'. His poetry collections include The Onion, Memory (1978), A Martian Sends a Postcard Home (1979), and History: The Home Movie (1994). His latest book is T.S. Eliot: Image, Text and Context (2007) - in Life Lines 2/Poets for Oxfam/Edited by Todd Swift, 2007}

HAPPY NEW YEAR EVERYONE!
BOAS ENTRADAS!
KANDANDOS!

15 comments:

Kimang said...

Somos manos nascidos na era bloguiana.
Renovo aqui a admiração pelo trabalho que desenvolveste.

Agradeço a tua atenção e retribuo os teus desejos.

Kambas somos.
Estamos juntos,

Kandandos
Kim

Diasporense said...

O MEU FORTE KANDANDO E VOTOS DE UM ANO NOVO CHEIO DE ENERGIAS RENOVADAS PARA ENFRENTAR OS DESAFIOS COM A CORAGEM E CLARIVIDENCIA DE SEMPRE!

Helder de Sousa said...

quando a qualidade o saber e o bom gosto vão de maõs dadas sobra pouco espaço...talvez caiba um voto de mais,sempre mais em 2008...

Denudado said...

Para que entre em 2008 com muita esperança no amanhã, aqui lhe mando um bem remexido semba de Voto Gonçalves, um intérprete que dispensa apresentações.

Kandandu konene

Denudado

Maria Muadié said...

Feliz ano novo, Koluki.
Um beijo,
Martha

Nick said...

ALL THE BEST FOR 2008!

AC said...

Espero ques as festas tenham sido felizes e as entradas boas!

Koluki said...

Caros Amigos,

Muito obrigada pelos votos que inteiramente vos retribuo. Desculpem-me apenas hoje os publicar porque estive 'offline' nos ultimos dias...
;-)

(Denudado: o link nao parece estar a funcionar)

Denudado said...

Epa! Coloquei o link fora do sítio. Peço desculpa. O link é este:

http://www.youtube.com/watch?v=FOvgmzFaFvM

Espero que goste.

Koluki said...

Denudado...
Com esse tipo de 'mistakes' pouco caracteristicos do perfeccionista que e', estou a ver que tem mesmo que recomecar rapidamente a "blogar"...

Obrigada pelo video. Gostei sim senhor e ate' me deu para dancar!
Mas acho que aquela musica tem mais kizomba do que semba. E reparou na 'introducao' do Martinho da Vila no fim, com o refrao "a vida vai melhorar"?

Ja' agora, ainda nao tive oportunidade de saber a sua opiniao sobre a Cesaria (now playing). Se nao se importa, quer partilha-la aqui?

Denudado said...

(Ena! Agora tem novo visual! O da rainha Ginga! Ou Nzinga Mbandi, se preferir chamar-lhe assim!)

Koluki, eu não sou perfeccionista. Tive que ser. O que eu sou é um grande trapalhão que, se não fizer as coisas com muito cuidado, baralha tudo, confunde tudo e põe tudo fora do sítio. A fazer contas, então, sou um completo desastre... O que me vale é que para as contas existem as máquinas de calcular e o Excel... Na verdade, na Matemática os números nem sequer são o mais importante, embora muita gente pense que são. Se fossem, eu não poderia nunca ter-me licenciado em engenharia electrotécnica.

Quanto ao facto de a Koluki achar que a canção do Voto Gonçalves que lhe indiquei ter mais de kizomba do que de semba, sinto-me inclinado a dar-lhe alguma razão. Esta peça está um pouco na fronteira entre os dois géneros. Mas como foi no semba que o Voto Gonçalves se distinguiu, resolvi chamar semba à música, à semelhança dos comentaristas do Youtube. Podemos dizer que o ritmo desta peça é mais kizomba do que semba, enquanto que a melodia é mais semba do que kizomba.

A respeito da Cesária Évora, eu não estou a conseguir ouvir nada! Nenhum dos links que estão no fundo da página parece funcionar. Não sei o que se passa.

Conheci uma senhora caboverdiana que me contou uma vez que, quando era pequena, costumava escapar à vigilância da família para ir a um bar do cais de S. Vicente ouvir uma mulher que cantava muito bem, para grande consternação dos pais, que achavam que uma menina como ela não deveria frequentar aqueles ambientes muito pouco próprios. Ela ia ouvir a Cesária, evidentemente, senão eu não estaria a contar isto aqui... A Cesária era então uma cantora completamente desconhecida, que não tinha onde cair morta e que cantava nos bares do porto a troco de um prato de comida e mais nada. De resto, é bem visível no rosto da Cesária que ela comeu o pão que o diabo amassou. Isso também se reflecte na sua forma tão profundamente sentida de cantar. É uma artista verdadeiramente extraordinária, que canta como quem respira. Parece que tudo aquilo que ela interpreta é muito fácil de cantar e de exprimir, mas não é. Sou um grande fã dela.

Koluki said...

Denudado,

(Claro: Novo Ano, Novo Visual!)

Olhe, depois respondo-lhe com mais atencao, mas o que me deixa agora preocupada e' o que me diz sobre nao conseguir ouvir nada.
Nao sei o que sera' porque eu consigo ouvir muito bem de varios 'servers' e ainda nao recebi outras queixas.
Creio que deste lado esta' tudo em ordem, mas se continuar a ter esse problema, por favor diga-me a ver o que se podera' fazer, ok?

Continuacao de bom fim de semana!

Koluki said...

Denudado, kamba dya me: Uma vez que nao voltou a dizer nada, presumo que esta' tudo em ordem quanto a audicao...

Mas, voltando a nossa 'vaca fria', concordo com a sua apreciacao da musica da Cesaria. Ela canta "Com Alma" (no sentido em que uso essa expressao num dos meus poemas com esse titulo).
Tive, por acaso, o prazer de a ver cantar num desses bares no Mindelo, onde fui levada pelo saudoso Mario Pinto de Andrade, quando ela ainda era virtualmente desconhecida fora de Cabo Verde.
Vi-a mais uma vez, varios anos depois, aqui em Londres, no Barbican - quando ela ja' gozava do estatuto mundial de "Diva de Pes Descalcos". Claro que a alma continuava intacta, mas faltava ao espaco a morabezza do Mindelo...

Abraco!

Denudado said...

Koluki, pange ami, eu consegui ouvir a Cesária mais tarde. Como o seu blogue tem muito material a ser descarregado de outros links, pode ter acontecido que um desses links não estivesse disponível naquele momento e isso tivesse "encravado" o resto, incluindo a Cesária. Isto é uma mera suposição minha, que eu não sou informático.

Eu ouço muita música enquanto trabalho e anteontem lembrei-me de ouvir um outro grande músico caboverdiano, o Tito Paris. Fui ao Youtube e encontrei esta gravação de uma das edições do programa "Kandandu", da RTP África, apresentado por Guilherme Galiano. Tenho a certeza de que vai gostar.

Também na RTP, vi ontem uma reportagem sobre os Buraka Som Sistema e o fenómeno do kuduro em Portugal. Tavez estejamos agora a viver o princípio de uma revolução musical neste país, protagonizada pelos novos ritmos que estão a chegar de Angola, quem sabe.

Quando vir a reportagem, a Koluki não se espante ao ouvir um adolescente francês de ascendência portuguesa dizer que a música de Portugal é, não o fado, mas a kizomba!!! Com efeito, os adolescentes portugueses estão a aderir em grande escala à kizomba e também ao kuduro, como se pode ver no programa. Mas o melhor mesmo é a Koluki ver e ouvir a reportagem. Vá, por favor, a esta página e procure o programa "Em Reportagem" de 8 de Janeiro de 2008. Tanto pode vê-lo em Windows Media Video como em Real Video.

Um abraço

Koluki said...

Bom Denudado...

Ainda estou sob o efeito das prendas que aqui me deixou.
Comecando pela revolucao kudurista em Portugal e crescente globalizacao: fantastico! Nao sabia realmente que a 'coisa' com o kuduro estava assim...
Bom, continuo sem ter ainda encontrado os meus famosos CDs de kuduro - qd. os encontrar vou ver se faco aqui um post com eles.

Agora, aquela versao do 'Muxima' esta' verdadeiramente extraordinaria - muito bem interpretada (com alma q.b.) e... com um caboverdiano a cantar Kimbundu, UAUUU!
So' nao me senti muito confortavel com a 'fusao afro-latina' que se segue ao solo do Tito Paris - ainda sou muito conservadora em relacao aos nossos classicos.

Para lhe retribuir, deixo-lhe ai duas cancoes do Paulo Flores com o Tito Paris, de um espectaculo gravado ao vivo em Luanda no Cine Teatro Karl Marx (ex-Avis) em Maio de 2004.

E por falar em Pange Ami, ja' ouviu este CD em que participa a Lourdes Vandunem com a musica "Panguiamie"? - o que tb. nos leva de volta a conversa sobre as varias grafias das linguas africanas...

Kandandus mil!