Saturday, 30 April 2011

Black Women, Wigs, Race, Identity, Brandy & Pan-Africanism




(...)

There was Okeoma (*), who came most often and stayed the longest. He looked younger than the other guests, always wore a pair of shorts, and had bushy hair with a parting at the side that stood higher than Master’s. It looked rough and tangled, unlike Master’s, as if Okeoma did not like to comb it. Okeoma drank Fanta. He read his poetry loud on some evenings, holding a sheaf of papers, and Ugwu would look through the kitchen door to see all the guests watching him, their faces half frozen, as if they did not dare breathe. Afterwards, Master would clap and say, in his loud voice, ‘The voice of our generation!’ and the clapping would go on until Okeoma said sharply, ‘That’s enough!’

And there was Miss Adebayo, who drank brandy like Master and was nothing like Ugwu had expected a university woman to be. His aunty had told him a little about university women. She would know because she worked as a cleaner at the Faculty of Sciences during the day and as a waitress at the staff club in the evenings; sometimes, too, the lecturers paid her to come in and clean their homes. She said university women kept framed photos of their student days in Ibadan and Britain and America on their shelves. For breakfast, they had eggs that were not cooked well, so that the yolk danced around, and they wore bouncy, straight-hair wigs and maxi-dresses that grazed their ankles. She told a story once about a couple at a cocktail party in the staff club who climbed out of a nice Peugeot 404, the man in an elegant cream suit, the woman in a green dress. Everybody turned to watch them, walking hand in hand, and then the wind blew the woman’s wig off her head. She was bald. They used hot combs to straighten their hair, his aunty had said, because they wanted to look like white people, although the combs ended up burning their hair off.

(…)

One Saturday night, Okeoma dropped a glass and Ugwu came in to clean up the shards that lay on the floor. He took his time cleaning. The conversation was clearer from here and it was easier to make out what Professor Ezeka said. It was almost impossible to hear the man from the kitchen.
‘We should have a bigger pan-African response to what is happening in the American South really –‘ Professor Ezeka said.
Master cut him short. ‘You know, pan-Africanism is fundamentally a European notion.’
‘You are digressing,’ Professor Ezeka said, and shook his head in his usual superior manner.
‘Maybe it is a European notion,’ Miss Adebayo said, ‘but in the bigger picture, we are all one race.’
‘What bigger picture?’ Master asked. ‘The bigger picture of the white man! Can’t you see that we are not all alike except to white eyes?’ Master’s voice rose easily, Ugwu had noticed, and by his third glass of brandy, he would start to gesture with his glass, leaning forwards until he was seated on the very edge of his armchair. Late at night, after Master was in bed, Ugwu would sit on the same chair and imagine himself speaking swift English, talking to rapt imaginary guests, using words like decolonize and pan-African, moulding his voice after Master’s, and he would shift and shift until he too was on the edge of the chair.
‘Of course we are all alike, we all have white oppression in common,’ Miss Adebayo said dryly. ‘Pan-Africanism is simply the most sensible response.’
‘Of course, of course, but my point is that the only authentic identity for the African is the tribe,’ Master said. ‘I am Nigerian because a white man created Nigeria and gave me that identity. I am black because the white man constructed black to be different as possible from his white. But I was Igbo before the white man came.’
Professor Ezeka snorted and shook his head, thin legs crossed. ‘But you became aware that you were Igbo because of the white man. The pan-Igbo idea itself came only in the face of white domination. You must see that tribe as it is today is as colonial a product as nation and race.’ Professor Ezeka recrossed his legs.
‘The pan-Igbo idea existed long before the white man!’ Master shouted. ‘Go and ask the elders in your village about your history.’


(*) The character Okeoma is based on the life and poetry of acclaimed Igbo poet Christopher Okigbo.


[Excerpts from Chimamanda Ngozi Adichie's Half of a Yellow Sun]


Related Posts:


A Minha Patria...

Dear Prince William...

Olhares ao Espelho

A Irresponsabilidade do Vazio

Kada Um E' Kumo Kada Kual...

O Novo B.I.



"Other References":

"Os Falsaportes"





(...)

There was Okeoma (*), who came most often and stayed the longest. He looked younger than the other guests, always wore a pair of shorts, and had bushy hair with a parting at the side that stood higher than Master’s. It looked rough and tangled, unlike Master’s, as if Okeoma did not like to comb it. Okeoma drank Fanta. He read his poetry loud on some evenings, holding a sheaf of papers, and Ugwu would look through the kitchen door to see all the guests watching him, their faces half frozen, as if they did not dare breathe. Afterwards, Master would clap and say, in his loud voice, ‘The voice of our generation!’ and the clapping would go on until Okeoma said sharply, ‘That’s enough!’

And there was Miss Adebayo, who drank brandy like Master and was nothing like Ugwu had expected a university woman to be. His aunty had told him a little about university women. She would know because she worked as a cleaner at the Faculty of Sciences during the day and as a waitress at the staff club in the evenings; sometimes, too, the lecturers paid her to come in and clean their homes. She said university women kept framed photos of their student days in Ibadan and Britain and America on their shelves. For breakfast, they had eggs that were not cooked well, so that the yolk danced around, and they wore bouncy, straight-hair wigs and maxi-dresses that grazed their ankles. She told a story once about a couple at a cocktail party in the staff club who climbed out of a nice Peugeot 404, the man in an elegant cream suit, the woman in a green dress. Everybody turned to watch them, walking hand in hand, and then the wind blew the woman’s wig off her head. She was bald. They used hot combs to straighten their hair, his aunty had said, because they wanted to look like white people, although the combs ended up burning their hair off.

(…)

One Saturday night, Okeoma dropped a glass and Ugwu came in to clean up the shards that lay on the floor. He took his time cleaning. The conversation was clearer from here and it was easier to make out what Professor Ezeka said. It was almost impossible to hear the man from the kitchen.
‘We should have a bigger pan-African response to what is happening in the American South really –‘ Professor Ezeka said.
Master cut him short. ‘You know, pan-Africanism is fundamentally a European notion.’
‘You are digressing,’ Professor Ezeka said, and shook his head in his usual superior manner.
‘Maybe it is a European notion,’ Miss Adebayo said, ‘but in the bigger picture, we are all one race.’
‘What bigger picture?’ Master asked. ‘The bigger picture of the white man! Can’t you see that we are not all alike except to white eyes?’ Master’s voice rose easily, Ugwu had noticed, and by his third glass of brandy, he would start to gesture with his glass, leaning forwards until he was seated on the very edge of his armchair. Late at night, after Master was in bed, Ugwu would sit on the same chair and imagine himself speaking swift English, talking to rapt imaginary guests, using words like decolonize and pan-African, moulding his voice after Master’s, and he would shift and shift until he too was on the edge of the chair.
‘Of course we are all alike, we all have white oppression in common,’ Miss Adebayo said dryly. ‘Pan-Africanism is simply the most sensible response.’
‘Of course, of course, but my point is that the only authentic identity for the African is the tribe,’ Master said. ‘I am Nigerian because a white man created Nigeria and gave me that identity. I am black because the white man constructed black to be different as possible from his white. But I was Igbo before the white man came.’
Professor Ezeka snorted and shook his head, thin legs crossed. ‘But you became aware that you were Igbo because of the white man. The pan-Igbo idea itself came only in the face of white domination. You must see that tribe as it is today is as colonial a product as nation and race.’ Professor Ezeka recrossed his legs.
‘The pan-Igbo idea existed long before the white man!’ Master shouted. ‘Go and ask the elders in your village about your history.’


(*) The character Okeoma is based on the life and poetry of acclaimed Igbo poet Christopher Okigbo.


[Excerpts from Chimamanda Ngozi Adichie's Half of a Yellow Sun]


Related Posts:


A Minha Patria...

Dear Prince William...

Olhares ao Espelho

A Irresponsabilidade do Vazio

Kada Um E' Kumo Kada Kual...

O Novo B.I.



"Other References":

"Os Falsaportes"


Friday, 29 April 2011

No Dia Mundial da Danca: Danca Contemporanea: Outros Curriculos, Outras Performances, Outras Modernidades:




VANIA GALA





"Não sou branca e toda a minha experiência – e mesmo no mundo artístico na sua grande maioria – está relacionada com esses monstros. A cultura dominante no mundo – ou dos palcos dominantes – ainda hoje é a europeia ou do ocidente."

"Estudei uma economia especial. Não a dos números, mas a que está ligada à sociologia, à economia internacional e à relação entre os países. Continua a ser uma área que me interessa e que até está presente nos meus trabalhos."

"Só trabalho com dança contemporânea, mas já experimentei outras vertentes. Já trabalhei com yoga. Na última peça de MiamiLuanda [2008], houve um bailarino de Angola que trouxe passos de kuduro e no próximo trabalho vou colaborar com breakdance. Como venho de uma área de improvisação, isso permite-me experimentar um leque enorme de coisas. Nas aulas estou a dar ballet. Como vejo os alunos a progredir lanço iniciativas para ver como os corpos reagem. Mas não tenho um corpo moldado a uma só técnica. Uso-as todas."






Vânia Gala é angolano-portuguesa. Completa a sua licenciatura em dança em 1999 na E.D.D.C. (European Dance Development Center) - Arnhem. Colabora como intérprete com os Les ballets C. de La B. - Koen Augustijnen e Christine De Smedt, Constanza Macras, Nationale Scene - Bergen, Morten Traavik, Kompani B.Valiente, entre outros.
Automatic Id (AID) trabalho da sua autoria foi apresentado em Portugal, Noruega, Alemanha, Federação Russa, Reino Unido, Angola e Irlanda e foi premiado com "Best Female Performance Award" no Dublin Fringe Festival. O mesmo trabalho foi apresentado no The Place Theater e na Trienal de Luanda, Angola. Em 2007 apresenta performance no Pavilhão Africano na Bienal de Veneza e em 2008 estrearia MiamiLuanda, em coprodução com o Teatro Académico Gil Vicente. MiamiLuanda apresentou-se na Plataforma Portuguesa de Artes Performativas no Espaço do Tempo.
8º10’30” o seu último trabalho foi apresentado no Teatro Académico Gil Vicente e Centro Cultural de Belém.
Desde 2000 que ensina regularmente dança a profissionais, nomeadamente, Prof i – Tanzer training Tanzfabrik, k77 Studios ambos em Berlim, Companhia de Dança de Almada, Gratis D. Trening GDT – Bergen e Oslo, Nairobi Goethe Institute.

Em 2006 inicia o projecto de formação Semana(d)ança em colaboração com o Teatro
Académico de Gil Vicente. Já em 2009 o projecto de formação amplia-se e renova-se com o Corpus lab.

[Mais detalhes aqui]




Sempre quis que a dança fizesse parte da sua vida e nunca teve dúvidas disso. Nem mesmo aos 21 anos, quando decidiu sair de Coimbra e rumar a Lisboa para estudar aquela arte, enquanto já andava entretida com livros de economia.
Conseguiu o primeiro trabalho em Colónia, na Alemanha e já foi notícia no jornal britânico “The Guardian”, mas não se diz surpreendida. Levou espectáculos à Bélgica, Dinamarca, Holanda e Suécia, e foi distinguida como “Melhor Performance Feminina” em Dublin, Irlanda. Os nervos antes de pisar um palco, esses, continuam a acontecer. Lecciona a sua arte a “artistas em potência” – é assim que chama os seus alunos. Nega ser professora, antes oferece aos outros as suas ferramentas do corpo. De raízes luso-angolonas, Vânia Gala é, aos 38 anos, bailarina, coreógrafa e directora artística. Apresentou recentemente em Lisboa, no Centro Cultural de Belém (CCB), o seu último trabalho: 8º 10’30. Foi por aí que começámos a conversa.

[Aqui]





Posts Relacionados:

Pina

Maqoma's Beautiful Me

Kinani

O Verdadeiro Icone

Festival Mondial des Arts Negres

Dance?

Furiously Dancing With Alice Walker




VANIA GALA





"Não sou branca e toda a minha experiência – e mesmo no mundo artístico na sua grande maioria – está relacionada com esses monstros. A cultura dominante no mundo – ou dos palcos dominantes – ainda hoje é a europeia ou do ocidente."

"Estudei uma economia especial. Não a dos números, mas a que está ligada à sociologia, à economia internacional e à relação entre os países. Continua a ser uma área que me interessa e que até está presente nos meus trabalhos."

"Só trabalho com dança contemporânea, mas já experimentei outras vertentes. Já trabalhei com yoga. Na última peça de MiamiLuanda [2008], houve um bailarino de Angola que trouxe passos de kuduro e no próximo trabalho vou colaborar com breakdance. Como venho de uma área de improvisação, isso permite-me experimentar um leque enorme de coisas. Nas aulas estou a dar ballet. Como vejo os alunos a progredir lanço iniciativas para ver como os corpos reagem. Mas não tenho um corpo moldado a uma só técnica. Uso-as todas."






Vânia Gala é angolano-portuguesa. Completa a sua licenciatura em dança em 1999 na E.D.D.C. (European Dance Development Center) - Arnhem. Colabora como intérprete com os Les ballets C. de La B. - Koen Augustijnen e Christine De Smedt, Constanza Macras, Nationale Scene - Bergen, Morten Traavik, Kompani B.Valiente, entre outros.
Automatic Id (AID) trabalho da sua autoria foi apresentado em Portugal, Noruega, Alemanha, Federação Russa, Reino Unido, Angola e Irlanda e foi premiado com "Best Female Performance Award" no Dublin Fringe Festival. O mesmo trabalho foi apresentado no The Place Theater e na Trienal de Luanda, Angola. Em 2007 apresenta performance no Pavilhão Africano na Bienal de Veneza e em 2008 estrearia MiamiLuanda, em coprodução com o Teatro Académico Gil Vicente. MiamiLuanda apresentou-se na Plataforma Portuguesa de Artes Performativas no Espaço do Tempo.
8º10’30” o seu último trabalho foi apresentado no Teatro Académico Gil Vicente e Centro Cultural de Belém.
Desde 2000 que ensina regularmente dança a profissionais, nomeadamente, Prof i – Tanzer training Tanzfabrik, k77 Studios ambos em Berlim, Companhia de Dança de Almada, Gratis D. Trening GDT – Bergen e Oslo, Nairobi Goethe Institute.

Em 2006 inicia o projecto de formação Semana(d)ança em colaboração com o Teatro
Académico de Gil Vicente. Já em 2009 o projecto de formação amplia-se e renova-se com o Corpus lab.

[Mais detalhes aqui]




Sempre quis que a dança fizesse parte da sua vida e nunca teve dúvidas disso. Nem mesmo aos 21 anos, quando decidiu sair de Coimbra e rumar a Lisboa para estudar aquela arte, enquanto já andava entretida com livros de economia.
Conseguiu o primeiro trabalho em Colónia, na Alemanha e já foi notícia no jornal britânico “The Guardian”, mas não se diz surpreendida. Levou espectáculos à Bélgica, Dinamarca, Holanda e Suécia, e foi distinguida como “Melhor Performance Feminina” em Dublin, Irlanda. Os nervos antes de pisar um palco, esses, continuam a acontecer. Lecciona a sua arte a “artistas em potência” – é assim que chama os seus alunos. Nega ser professora, antes oferece aos outros as suas ferramentas do corpo. De raízes luso-angolonas, Vânia Gala é, aos 38 anos, bailarina, coreógrafa e directora artística. Apresentou recentemente em Lisboa, no Centro Cultural de Belém (CCB), o seu último trabalho: 8º 10’30. Foi por aí que começámos a conversa.

[Aqui]





Posts Relacionados:

Pina

Maqoma's Beautiful Me

Kinani

O Verdadeiro Icone

Festival Mondial des Arts Negres

Dance?

Furiously Dancing With Alice Walker

Thursday, 28 April 2011

Dear Prince William...





A couple of weeks ago, on Saturday the 16th April, I was walking down Oxford Street when, approaching Oxford Circus, I saw a gathering of excited people taking pictures of something obviously “unusual”... The centre of all the fuss, it turned out, was a black woman holding – along with posters showing pictures of blonde people (royal and not so) hanging on her head and down her shoulders – a placard with these words:


Dear Prince William

Please put a stop to this wedding.
The people are demanding a natural blonde princess.
Please do not go ahead with it.
Thank you.

Because the natural blonde is the appropriated complexion to represent the natives of the country at the palace.



I joined the crowd with a mixture of puzzlement and amusement, laughed, exchanged brief comments with other people, stood there for a while and then moved on my walking down the street.

After about an hour or so of window-shopping in the surrounding streets (where, by the way, most front shops are featuring the upcoming royal wedding of William and Kate, or just the wedding theme in general), I went back to Oxford Circus to see if the woman and the large crowd were still there. She was but the crowd was much smaller this time. So I decided to approach her and started a conversation:

- Hello… Why are you doing this? Do you actually believe in it?
- Yes, I do…
- Are you doing it for an organization or by yourself?
- No, I’m doing it by myself.
- Why?
- Just to help this white people, because sometimes they don’t understand
these things…
- So, you took the initiative to help them voice what they think?
- Yes, to help the community.
- Where are you from?
- Angola…

... There, I almost suspended my breathing!

- Angola? Really? Nao pode ser! Where in Angola?
- Luanda. Are you angolan?
- Yes, I am! Por esta e' que eu nao esperava... eu so' perguntei porque de repente me pareceu que as suas feicoes eram algures da Africa Austral, estava a pensar no Botswana... afinal e' minha compatriota!
- E' verdade, sou de Luanda, da Samba. Mas nasci em Malange, so' que fui para Luanda pequena e nunca conheci bem Malange. E voce?
- Eu tambem sou de Luanda, embora tambem nao tenha nascido la', mas na Gabela, que tambem nunca conheci porque sai de la' aos dois meses de idade... E entao agora vive ca'?
- Sim.
- Ha' quanto tempo?
- Oh, ja' ha' muitos anos. Eu tenho uma filha de 15 anos que ja' nasceu ca', portanto esta' a ver...
- E entao esta' a fazer esta campanha por sua propria iniciativa, porque acredita nisso?
- Sim...
- Porque?
- E' aquela coisa do negro ajudar o branco e o branco ajudar o negro, sabe?...
- E comecou hoje, ou ja' ha' mais tempo?
- Nao, eu ja' venho fazendo isto ha' 6 meses. Aqui e no Hyde Park, no Speakers' Corner, mas ali eu nao gosto muito porque e' mais para a politica e a religiao...

Meanwhile a new crowd, this time comprising mainly young black women, started gathering again and perhaps encouraged by our conversation, also started addressing her. But... they were not as friendly as I had been: "Why are you doing this? Do you think you have the right to do this? You have a lot of explaining to do to me!... You are not even from this country (...apparently, they'd picked up a bit of our conversation...), but I was born here, I'm a native of this country and it wouldn't cross my mind to come up with something like this! I mean, "a natural blonde"? What are you talking about?!", shouted one, while others proceeded: "This woman is crazy, she is with the devil, she needs to go to church!... or it's the church that turned her into this!"

Well, at this point they started to become so aggressive towards her, talking (shouting!) all at the same time and moving closer and closer to her, that I felt compelled to intervene...

A long and heated discussion ensued, where I argued that "wrong as she could be, she had the right to express her views; this is a free country, where everybody has that right, why not her?" The girls argued back that "if she was brave enough to stand on Oxford circus holding such an offensive message she should be prepared to be confronted!", having one of them thrown this at her: "Look at you, you're black, carrying a plastic bag, your shoes are worn out as if there was no Top Shop right here... and you're standing here for a blonde princess in a country that's not even yours?!... Shame on you!"

And I said to this girl: - Look, I personally have a problem with black girls who permanently wear wigs and weaves like you do, yet I don’t feel that I have the right to attack you on the street because of that…
- But weaves are not offensive, she shouted back at me.
- They are offensive to me! I returned, while lifting my hat to show her my dreadlocks and adding: look, I wear my hair like this and for it I am often discriminated against, so I feel offended by black girls wearing weaves who then show ‘outrage’ on the face of a black woman arguing for a ‘natural blonde’!
- But my weave is black and my natural hair is black too!
- It doesn’t matter, I argued, you could be wearing a blonde weave or wig as many black women do just because you don't have the courage to show your natural hair and want to look white… it’s the same with white women dying their hair blonde. And to me it all amounts to the same thing that this woman is standing here for! Therefore, I don’t think that you have the 'high moral ground' to be attacking her in this way…
- But do you agree with her? Another one asked to me.
- No, I don’t and I regret what she is doing. In fact I think that she might have a mental health problem of some sort, because no one in their right mind would stand in Oxford Circus holding a message like this…
- So why are you defending her?! I don’t understand what your point is!
- My point is simply ‘leave the woman alone’! The message is not directed at you, so you shouldn’t be attacking her freedom of expression!

Well, the discussion went on and on, starting at some point to become really threatening, until I turned my back on them, saying "I don't play silly games with silly girls", and joined another conversation with a young white brunette, L., who told me that she was born in France of a North African mother and a Israeli father. She was also critical of the woman’s message calling it “narrow-minded” and “dangerous”, but this turned out to be a much more productive conversation between me, her and Maria de Jesus (that’s how my compatriot told me she is called) – it was L. who took the picture of the two of us illustrating this post.

Maria de Jesus’s main argument was to the effect that “if you want to be the Prime Minister or a member of the Cabinet in this country, it’s OK not to be white or blonde, but to be a member of the Royal Family it’s a different story, you have to preserve the royal lineage and have the same DNA as the country’s natives. It’s the same in Africa, China, or anywhere in the world where there is a Monarchy.”

Mas pelo meio da discussao com as raparigas negras, a Maria de Jesus so’ me dizia: “nao liga; essas sao umas sanzaleiras que nao entendem nada, eu ja’ estou habituada”!

No fim de tudo fiquei com pena da Maria de Jesus, porque – a menos que, como tambem admito como hipotese provavel, ela esteja de facto a ser paga para se prestar a esse papel ridiculo, especialmente com aquele chapeu de espantalho, por alguma organizacao de cidadaos brancos deste pais (e talvez mais provavelmente, de mulheres “louras naturais”…), ja’ que muitos sao os que defendem esse ponto de vista, mas nao teem a coragem de o expressar publicamente... mesmo perante o facto de haver muito poucos "louros naturais" neste pais e o proprio Principe William ser mais ruivo do que louro, sendo a ascendencia da sua Familia Real, onde tambem praticamente nao ha' "louros naturais", muito mais "nativa" do Imperio Austro-Hungaro do que destas Ilhas! –, ela deve ter mesmo problemas psiquicos e precisa de ajuda!

Uma coisa, no entanto, ficou registada na minha mente durante todo aquele episodio: de todas as pessoas que se manifestaram ultrajadas e ofendidas, a esmagadora maioria eram jovens negras usando tissagens de longos cabelos lisos artificiais… Sera' que todas elas acreditam secretamente que poderiam ser "elegiveis" para serem escolhidas pelo Principe William para suas noivas/esposas e aceites pela Familia Real Britanica e pelos seus subditos? I wonder...


Related Post:


Black Women, Wigs, Race, Identity, Brandy & Pan-Africanism

Makas na Sanzala Global

Remembering Diana 10 Years On





A couple of weeks ago, on Saturday the 16th April, I was walking down Oxford Street when, approaching Oxford Circus, I saw a gathering of excited people taking pictures of something obviously “unusual”... The centre of all the fuss, it turned out, was a black woman holding – along with posters showing pictures of blonde people (royal and not so) hanging on her head and down her shoulders – a placard with these words:


Dear Prince William

Please put a stop to this wedding.
The people are demanding a natural blonde princess.
Please do not go ahead with it.
Thank you.

Because the natural blonde is the appropriated complexion to represent the natives of the country at the palace.



I joined the crowd with a mixture of puzzlement and amusement, laughed, exchanged brief comments with other people, stood there for a while and then moved on my walking down the street.

After about an hour or so of window-shopping in the surrounding streets (where, by the way, most front shops are featuring the upcoming royal wedding of William and Kate, or just the wedding theme in general), I went back to Oxford Circus to see if the woman and the large crowd were still there. She was but the crowd was much smaller this time. So I decided to approach her and started a conversation:

- Hello… Why are you doing this? Do you actually believe in it?
- Yes, I do…
- Are you doing it for an organization or by yourself?
- No, I’m doing it by myself.
- Why?
- Just to help this white people, because sometimes they don’t understand
these things…
- So, you took the initiative to help them voice what they think?
- Yes, to help the community.
- Where are you from?
- Angola…

... There, I almost suspended my breathing!

- Angola? Really? Nao pode ser! Where in Angola?
- Luanda. Are you angolan?
- Yes, I am! Por esta e' que eu nao esperava... eu so' perguntei porque de repente me pareceu que as suas feicoes eram algures da Africa Austral, estava a pensar no Botswana... afinal e' minha compatriota!
- E' verdade, sou de Luanda, da Samba. Mas nasci em Malange, so' que fui para Luanda pequena e nunca conheci bem Malange. E voce?
- Eu tambem sou de Luanda, embora tambem nao tenha nascido la', mas na Gabela, que tambem nunca conheci porque sai de la' aos dois meses de idade... E entao agora vive ca'?
- Sim.
- Ha' quanto tempo?
- Oh, ja' ha' muitos anos. Eu tenho uma filha de 15 anos que ja' nasceu ca', portanto esta' a ver...
- E entao esta' a fazer esta campanha por sua propria iniciativa, porque acredita nisso?
- Sim...
- Porque?
- E' aquela coisa do negro ajudar o branco e o branco ajudar o negro, sabe?...
- E comecou hoje, ou ja' ha' mais tempo?
- Nao, eu ja' venho fazendo isto ha' 6 meses. Aqui e no Hyde Park, no Speakers' Corner, mas ali eu nao gosto muito porque e' mais para a politica e a religiao...

Meanwhile a new crowd, this time comprising mainly young black women, started gathering again and perhaps encouraged by our conversation, also started addressing her. But... they were not as friendly as I had been: "Why are you doing this? Do you think you have the right to do this? You have a lot of explaining to do to me!... You are not even from this country (...apparently, they'd picked up a bit of our conversation...), but I was born here, I'm a native of this country and it wouldn't cross my mind to come up with something like this! I mean, "a natural blonde"? What are you talking about?!", shouted one, while others proceeded: "This woman is crazy, she is with the devil, she needs to go to church!... or it's the church that turned her into this!"

Well, at this point they started to become so aggressive towards her, talking (shouting!) all at the same time and moving closer and closer to her, that I felt compelled to intervene...

A long and heated discussion ensued, where I argued that "wrong as she could be, she had the right to express her views; this is a free country, where everybody has that right, why not her?" The girls argued back that "if she was brave enough to stand on Oxford circus holding such an offensive message she should be prepared to be confronted!", having one of them thrown this at her: "Look at you, you're black, carrying a plastic bag, your shoes are worn out as if there was no Top Shop right here... and you're standing here for a blonde princess in a country that's not even yours?!... Shame on you!"

And I said to this girl: - Look, I personally have a problem with black girls who permanently wear wigs and weaves like you do, yet I don’t feel that I have the right to attack you on the street because of that…
- But weaves are not offensive, she shouted back at me.
- They are offensive to me! I returned, while lifting my hat to show her my dreadlocks and adding: look, I wear my hair like this and for it I am often discriminated against, so I feel offended by black girls wearing weaves who then show ‘outrage’ on the face of a black woman arguing for a ‘natural blonde’!
- But my weave is black and my natural hair is black too!
- It doesn’t matter, I argued, you could be wearing a blonde weave or wig as many black women do just because you don't have the courage to show your natural hair and want to look white… it’s the same with white women dying their hair blonde. And to me it all amounts to the same thing that this woman is standing here for! Therefore, I don’t think that you have the 'high moral ground' to be attacking her in this way…
- But do you agree with her? Another one asked to me.
- No, I don’t and I regret what she is doing. In fact I think that she might have a mental health problem of some sort, because no one in their right mind would stand in Oxford Circus holding a message like this…
- So why are you defending her?! I don’t understand what your point is!
- My point is simply ‘leave the woman alone’! The message is not directed at you, so you shouldn’t be attacking her freedom of expression!

Well, the discussion went on and on, starting at some point to become really threatening, until I turned my back on them, saying "I don't play silly games with silly girls", and joined another conversation with a young white brunette, L., who told me that she was born in France of a North African mother and a Israeli father. She was also critical of the woman’s message calling it “narrow-minded” and “dangerous”, but this turned out to be a much more productive conversation between me, her and Maria de Jesus (that’s how my compatriot told me she is called) – it was L. who took the picture of the two of us illustrating this post.

Maria de Jesus’s main argument was to the effect that “if you want to be the Prime Minister or a member of the Cabinet in this country, it’s OK not to be white or blonde, but to be a member of the Royal Family it’s a different story, you have to preserve the royal lineage and have the same DNA as the country’s natives. It’s the same in Africa, China, or anywhere in the world where there is a Monarchy.”

Mas pelo meio da discussao com as raparigas negras, a Maria de Jesus so’ me dizia: “nao liga; essas sao umas sanzaleiras que nao entendem nada, eu ja’ estou habituada”!

No fim de tudo fiquei com pena da Maria de Jesus, porque – a menos que, como tambem admito como hipotese provavel, ela esteja de facto a ser paga para se prestar a esse papel ridiculo, especialmente com aquele chapeu de espantalho, por alguma organizacao de cidadaos brancos deste pais (e talvez mais provavelmente, de mulheres “louras naturais”…), ja’ que muitos sao os que defendem esse ponto de vista, mas nao teem a coragem de o expressar publicamente... mesmo perante o facto de haver muito poucos "louros naturais" neste pais e o proprio Principe William ser mais ruivo do que louro, sendo a ascendencia da sua Familia Real, onde tambem praticamente nao ha' "louros naturais", muito mais "nativa" do Imperio Austro-Hungaro do que destas Ilhas! –, ela deve ter mesmo problemas psiquicos e precisa de ajuda!

Uma coisa, no entanto, ficou registada na minha mente durante todo aquele episodio: de todas as pessoas que se manifestaram ultrajadas e ofendidas, a esmagadora maioria eram jovens negras usando tissagens de longos cabelos lisos artificiais… Sera' que todas elas acreditam secretamente que poderiam ser "elegiveis" para serem escolhidas pelo Principe William para suas noivas/esposas e aceites pela Familia Real Britanica e pelos seus subditos? I wonder...


Related Post:


Black Women, Wigs, Race, Identity, Brandy & Pan-Africanism

Makas na Sanzala Global

Remembering Diana 10 Years On

Saturday, 23 April 2011

On Easter: Music & Poetry




"No African poet to date has so successfully registered the delights of discovering classical music. 'Into easter with Bach' is a thoughtful meditation on the Easter Oratorio, while 'Beethoven and Us' attempts, perhaps rather arbitrarily, to interpret Beethoven's life through his music. It is not Beethoven's mood which the poet discerns, however, but his own, since Mensah attributes to the German composer a fulfilment and a completeness in love he never knew. (...) Though the tone sometimes waxes over-philosophical, the reader is constantly buoyed up by Mensah's description of aural delights as one by one they assault the imagination:

Time for new music and new shapes
New colours of sound from voice to noise:
The one pure note's pirouette,
Its beauty showing through, in light;
The mixed notes, which overlapping,
Yield, for joy and sad reflection,
Wider, steep perspectives of the spirit.

[The Dark Wanderer]

The balance maintained in this description of baroque counterpoint between physical almost dizzying sensation and intellectual interpretation of musical structure is a delicate one, depending on a willingness to let feeling follow its course before the mind intervenes."


[Extract from 'Continuity and adaptation in Ghanaian verse: on the poetry of A.W. Kayper-Mensah' - West African Poetry, A Critical History by Robert Fraser]






[Mozart- Requiem Aeternam]

This Requiem was written for a mysterious patron who commissioned it anonymously. Mozart, by now in failing health, came to see the Requiem as an omen of his own death. He uses the Latin texts of the Roman Catholic mass, opening with this prayer that God will grant us eternal rest - Requiem aeternam. The introduction of a soaring soprano line is short lived and the formal, grave mood, is soon re-established.



[Mozart - Hostias]

The gentle melody of the Hostias - meaning sacrifice - is the last music Mozart composed. Accompanied by an arching orchestral line, the choir offers prayer and praise to God, in the hope that they will pass from death into eternal life. After Mozart's own death, the Requiem was completed by his friend and pupil, Süssmayr.




"No African poet to date has so successfully registered the delights of discovering classical music. 'Into easter with Bach' is a thoughtful meditation on the
Easter Oratorio, while 'Beethoven and Us' attempts, perhaps rather arbitrarily, to interpret Beethoven's life through his music. It is not Beethoven's mood which the poet discerns, however, but his own, since Mensah attributes to the German composer a fulfilment and a completeness in love he never knew. (...) Though the tone sometimes waxes over-philosophical, the reader is constantly buoyed up by Mensah's description of aural delights as one by one they assault the imagination:

Time for new music and new shapes
New colours of sound from voice to noise:
The one pure note's pirouette,
Its beauty showing through, in light;
The mixed notes, which overlapping,
Yield, for joy and sad reflection,
Wider, steep perspectives of the spirit.

[The Dark Wanderer]

The balance maintained in this description of baroque counterpoint between physical almost dizzying sensation and intellectual interpretation of musical structure is a delicate one, depending on a willingness to let feeling follow its course before the mind intervenes."


[Extract from 'Continuity and adaptation in Ghanaian verse: on the poetry of A.W. Kayper-Mensah' - West African Poetry, A Critical History by Robert Fraser]






[Mozart- Requiem Aeternam]

This Requiem was written for a mysterious patron who commissioned it anonymously. Mozart, by now in failing health, came to see the Requiem as an omen of his own death. He uses the Latin texts of the Roman Catholic mass, opening with this prayer that God will grant us eternal rest - Requiem aeternam. The introduction of a soaring soprano line is short lived and the formal, grave mood, is soon re-established.



[Mozart - Hostias]

The gentle melody of the Hostias - meaning sacrifice - is the last music Mozart composed. Accompanied by an arching orchestral line, the choir offers prayer and praise to God, in the hope that they will pass from death into eternal life. After Mozart's own death, the Requiem was completed by his friend and pupil, Süssmayr.

Wednesday, 20 April 2011

Black Fashion Month



“We collectively felt that people of color (not just African-Americans) have contributed so much to the fashion industry, yet at times our contributions are not as apparent in mainstream media or at key fashion events... so, we thought why wait for others to highlight our fashion icons, why not do it ourselves.”
- the Block Association








The “April is Black Fashion Month” campaign will kick off with a PSA and short video doc that will premier at this year’s Fashion 500 taking place on Saturday, April 23rd at No. 1 Front Street in Dumbo, Brooklyn. The Block Association will then roll out a series of videos featuring thought leaders and key influencers of color within in the NYC fashion industry. Starting off the campaign in NYC, the goal is to eventually roll out ‘Black Fashion Month” in other cities.


[details]


Related Posts:

Celebrating Afrika(s) Beauty(ies) with Pride

"Sao Paulo Fashion Week Great for White Girls"



“We collectively felt that people of color (not just African-Americans) have contributed so much to the fashion industry, yet at times our contributions are not as apparent in mainstream media or at key fashion events... so, we thought why wait for others to highlight our fashion icons, why not do it ourselves.”
- the Block Association








The “April is Black Fashion Month” campaign will kick off with a PSA and short video doc that will premier at this year’s Fashion 500 taking place on Saturday, April 23rd at No. 1 Front Street in Dumbo, Brooklyn. The Block Association will then roll out a series of videos featuring thought leaders and key influencers of color within in the NYC fashion industry. Starting off the campaign in NYC, the goal is to eventually roll out ‘Black Fashion Month” in other cities.


[details]


Related Posts:

Celebrating Afrika(s) Beauty(ies) with Pride

"Sao Paulo Fashion Week Great for White Girls"

Saturday, 16 April 2011

PINA




A Film for Pina Bausch by Wim Wenders




PINA is a feature-length dance film in 3D (UK Release: 22 April 2011)
with the ensemble of the Tanztheater Wuppertal Pina Bausch, featuring the unique and inspiring art of the great German choreographer, who died in the summer of 2009.



He takes the audience on a sensual, visually stunning journey of discovery into a new dimension: straight onto the stage with the legendary ensemble and follows the dancers out of the theatre into the city and the surrounding areas of Wuppertal – the place, which for 35 years was the home to Pina and her Tanztheater.





A Film for Pina Bausch by Wim Wenders




PINA is a feature-length dance film in 3D (UK Release: 22 April 2011)
with the ensemble of the Tanztheater Wuppertal Pina Bausch, featuring the unique and inspiring art of the great German choreographer, who died in the summer of 2009.



He takes the audience on a sensual, visually stunning journey of discovery into a new dimension: straight onto the stage with the legendary ensemble and follows the dancers out of the theatre into the city and the surrounding areas of Wuppertal – the place, which for 35 years was the home to Pina and her Tanztheater.


Wednesday, 13 April 2011

Endogenous knowledge and the construction of the future in Africa



In the last century, particularly after the decolonisation of Africa, people started to discuss and study 'endogenous', 'indigenous' and 'subjugated' knowledge - very often simply referred to as 'know-how'. In the more developed countries, these issues were systematically ignored, and despite Michael Polanyi having developed his theory of tacit knowledge in 1966, it was not until the 1990s that this theory became more widely recognised, though not greatly esteemed, by researchers, managers and politicians.
Today, these concepts are finally gaining epistemological currency. Researchers from different scientific backgrounds are becoming aware that diversity of knowledge is important, where such knowledge is the fruit of many different cultures over the centuries. This is a positive input into new discoveries and has helped relativise the scientific knowledge spawned by Greco-Latin and Jewish-Christian cultures.
Some people - especially those linked to the business world - regard the exploitation of this sort of knowledge as part of their innovation and competition strategies. Others, however, view it as the abusive patenting of knowledge and practices that belong to the thousand-year-old heritage of many peoples. Others, still, consider it a field of research about which little is yet known.
It is therefore essential that we learn more about this type of knowledge, its forms of expression, its importance in peoples' daily lives, and its potential future developments in a world where the tendency is towards greater homogeneity.
Endogenous knowledge becomes particularly visible, relevant and politically meaningful at times of rupture and deep social change. Independence movements in Africa extolled endogenous knowledge and skills and enhanced the value of these resources, which became fertile ground for building the future. Thus, this type of knowledge can contribute to the making of Africa's future in many areas such as education, the preservation of existing languages, medicine, agriculture, the economy and all kinds of other cultural manifestations.
This conference is therefore crucial for deepening and expanding the debate on this transversal, multidisciplinary topic, in all its dimensions. The scientific interest of the meeting is immense, since research on endogenous knowledge by Portuguese scholars is sparse and scattered. In Africa, on the other hand, there is huge asymmetry in this field; there are countries where this topic is well advanced and others where it is barely taking off. The meeting of a large group of researchers from various countries will thus provide the perfect environment for participants to discuss and exchange ideas, thereby creating a first-rate opportunity to establish an international multidisciplinary network devoted to this issue, as well as to form fruitful partnerships and synergies.
Moreover, considering the relevance of this conference to a whole range of issues associated with development, the debate must be open not only to the academic community but also to other sectors, in particular those of cooperation and business. The participation of all these players will lead to a richer debate and a wider range of interpretations of how various African countries can ensure the construction of their future.
Building bridges between the scientific community and other sectors of society is thus a major goal, with endogenous knowledge being crucial to their activities and practices.

[Details Here]



Conhecimentos Endógenos e a Construcao do Futuro de Africa

No século passado, sobretudo após a descolonização e tomando como referência esses espaços, começou-se a referir e a estudar o conhecimento "endógeno", "indígena", "subjugado", muitas vezes tão-somente designado "saber-fazer". Nos países mais desenvolvidos estas problemáticas eram sistematicamente ignoradas e apesar de Michael Polanyi ter teorizado em 1966 o conhecimento tácito, foi preciso esperar pelos anos noventa do século passado, para ele ser mais frequentemente reconhecido, apesar de pouco considerado pelos investigadores, gestores e políticos.
Hoje estes conceitos vão ganhando cidadania epistemológica.
Os investigadores de diferentes ciências vão descobrindo a importância da diversidade de conhecimentos trazidos pelas mais diversas culturas ao longo dos tempos, contribuindo deste modo positivamente para novas descobertas e relativizando os conhecimentos científicos nascidos na cultura greco-latina, judaico-cristã.
Para alguns, os mais ligados ao mundo empresarial o aproveitamento desta forma de conhecimento começa a fazer parte da estratégia de inovação e concorrência. Para outros pode traduzir o abusivo registo de patentes de conhecimentos e práticas que constituíram o património milenar dos povos. Para outros ainda começa a entrar no campo de atenção da investigação do qual se conhece ainda pouco.
Importa conhecer esta realidade, as suas formas de manifestação, a sua importância na vida quotidiana dos povos, as suas tendências de evolução neste mundo que tende para a uniformização.
Os conhecimentos endógenos assumem particular visibilidade, importância e significado político em momentos de ruptura, em momentos de transformação profunda da sociedade.
Os processos de independência em África representaram momentos de exaltação das capacidades endógenas, de valorização destes recursos, tornando-se um campo fértil para a construção do futuro.
Os conhecimentos endógenos e a multiplicidade de campos em que se manifestam na construção do futuro em África levam-nos a olhar para a sua importância na educação, na preservação de línguas existentes, na medicina, na agricultura, na economia, nas diversas manifestações culturais, outras.
A importância desta conferência é, pois, central para aprofundar e alargar o debate deste tema transversal e multidisciplinar em todas as suas dimensões. O interesse científico da reunião é enorme pois o trabalho sobre conhecimentos endógenos em Portugal é diminuto e disperso. Em África verifica-se uma grande assimetria, havendo países onde esta temática está profundamente avançada e outros onde está a dar os primeiros passos. A reunião de um grande grupo de investigadores de diversas origens proporcionará, assim, as condições ideais para o debate e troca de ideias entre os participantes criando uma excelente oportunidade para a criação de uma rede internacional e multidisciplinar dedicada a este tema, construindo novas parcerias e sinergias que enriquecerão a investigação.
No entanto, sendo uma conferência de natureza científica, pela relevância do tema e a sua importância nas questões associadas ao desenvolvimento, pretende-se que a discussão seja alargada a vários sectores, nomeadamente ao da Cooperação e ao Empresarial, por forma a enriquecer a reflexão e a explorar as leituras possíveis sobre a forma como os diferentes países africanos são capazes de garantir a construção do seu futuro em todas as dimensões.
Neste sentido é também um objectivo importante criar pontes entre o conhecimento e a reflexão científica e outros sectores da sociedade para os quais os conhecimentos endógenos assumem um carácter fundamental nas suas actividades e práticas.


[Detalhes Aqui]


Related Posts:


Markets and Other Allocation Systems in History: The Challenge of Karl Polanyi

The East Asian Tigers in Africa?

E Por Falar em Hippos

Cronica de Uma Maka Anunciada

Festival Mondial des Artes Negres

E Por Falar em Representacoes

E Se os Paises Africanos Fossem os EUA?

A Irresponsabilidade do Vazio

Ao Nosso Carnaval Voltemos Pois

Meio Ano Adentro no Annus Angolensis

Simone de Beauvoir in Africa: Issues of African Feminist Thought

Feminismo Negro Brasileiro



In the last century, particularly after the decolonisation of Africa, people started to discuss and study 'endogenous', 'indigenous' and 'subjugated' knowledge - very often simply referred to as 'know-how'. In the more developed countries, these issues were systematically ignored, and despite Michael Polanyi having developed his theory of tacit knowledge in 1966, it was not until the 1990s that this theory became more widely recognised, though not greatly esteemed, by researchers, managers and politicians.
Today, these concepts are finally gaining epistemological currency. Researchers from different scientific backgrounds are becoming aware that diversity of knowledge is important, where such knowledge is the fruit of many different cultures over the centuries. This is a positive input into new discoveries and has helped relativise the scientific knowledge spawned by Greco-Latin and Jewish-Christian cultures.
Some people - especially those linked to the business world - regard the exploitation of this sort of knowledge as part of their innovation and competition strategies. Others, however, view it as the abusive patenting of knowledge and practices that belong to the thousand-year-old heritage of many peoples. Others, still, consider it a field of research about which little is yet known.
It is therefore essential that we learn more about this type of knowledge, its forms of expression, its importance in peoples' daily lives, and its potential future developments in a world where the tendency is towards greater homogeneity.
Endogenous knowledge becomes particularly visible, relevant and politically meaningful at times of rupture and deep social change. Independence movements in Africa extolled endogenous knowledge and skills and enhanced the value of these resources, which became fertile ground for building the future. Thus, this type of knowledge can contribute to the making of Africa's future in many areas such as education, the preservation of existing languages, medicine, agriculture, the economy and all kinds of other cultural manifestations.
This conference is therefore crucial for deepening and expanding the debate on this transversal, multidisciplinary topic, in all its dimensions. The scientific interest of the meeting is immense, since research on endogenous knowledge by Portuguese scholars is sparse and scattered. In Africa, on the other hand, there is huge asymmetry in this field; there are countries where this topic is well advanced and others where it is barely taking off. The meeting of a large group of researchers from various countries will thus provide the perfect environment for participants to discuss and exchange ideas, thereby creating a first-rate opportunity to establish an international multidisciplinary network devoted to this issue, as well as to form fruitful partnerships and synergies.
Moreover, considering the relevance of this conference to a whole range of issues associated with development, the debate must be open not only to the academic community but also to other sectors, in particular those of cooperation and business. The participation of all these players will lead to a richer debate and a wider range of interpretations of how various African countries can ensure the construction of their future.
Building bridges between the scientific community and other sectors of society is thus a major goal, with endogenous knowledge being crucial to their activities and practices.

[
Details Here]



Conhecimentos Endógenos e a Construcao do Futuro de Africa

No século passado, sobretudo após a descolonização e tomando como referência esses espaços, começou-se a referir e a estudar o conhecimento "endógeno", "indígena", "subjugado", muitas vezes tão-somente designado "saber-fazer". Nos países mais desenvolvidos estas problemáticas eram sistematicamente ignoradas e apesar de Michael Polanyi ter teorizado em 1966 o conhecimento tácito, foi preciso esperar pelos anos noventa do século passado, para ele ser mais frequentemente reconhecido, apesar de pouco considerado pelos investigadores, gestores e políticos.
Hoje estes conceitos vão ganhando cidadania epistemológica.
Os investigadores de diferentes ciências vão descobrindo a importância da diversidade de conhecimentos trazidos pelas mais diversas culturas ao longo dos tempos, contribuindo deste modo positivamente para novas descobertas e relativizando os conhecimentos científicos nascidos na cultura greco-latina, judaico-cristã.
Para alguns, os mais ligados ao mundo empresarial o aproveitamento desta forma de conhecimento começa a fazer parte da estratégia de inovação e concorrência. Para outros pode traduzir o abusivo registo de patentes de conhecimentos e práticas que constituíram o património milenar dos povos. Para outros ainda começa a entrar no campo de atenção da investigação do qual se conhece ainda pouco.
Importa conhecer esta realidade, as suas formas de manifestação, a sua importância na vida quotidiana dos povos, as suas tendências de evolução neste mundo que tende para a uniformização.
Os conhecimentos endógenos assumem particular visibilidade, importância e significado político em momentos de ruptura, em momentos de transformação profunda da sociedade.
Os processos de independência em África representaram momentos de exaltação das capacidades endógenas, de valorização destes recursos, tornando-se um campo fértil para a construção do futuro.
Os conhecimentos endógenos e a multiplicidade de campos em que se manifestam na construção do futuro em África levam-nos a olhar para a sua importância na educação, na preservação de línguas existentes, na medicina, na agricultura, na economia, nas diversas manifestações culturais, outras.
A importância desta conferência é, pois, central para aprofundar e alargar o debate deste tema transversal e multidisciplinar em todas as suas dimensões. O interesse científico da reunião é enorme pois o trabalho sobre conhecimentos endógenos em Portugal é diminuto e disperso. Em África verifica-se uma grande assimetria, havendo países onde esta temática está profundamente avançada e outros onde está a dar os primeiros passos. A reunião de um grande grupo de investigadores de diversas origens proporcionará, assim, as condições ideais para o debate e troca de ideias entre os participantes criando uma excelente oportunidade para a criação de uma rede internacional e multidisciplinar dedicada a este tema, construindo novas parcerias e sinergias que enriquecerão a investigação.
No entanto, sendo uma conferência de natureza científica, pela relevância do tema e a sua importância nas questões associadas ao desenvolvimento, pretende-se que a discussão seja alargada a vários sectores, nomeadamente ao da Cooperação e ao Empresarial, por forma a enriquecer a reflexão e a explorar as leituras possíveis sobre a forma como os diferentes países africanos são capazes de garantir a construção do seu futuro em todas as dimensões.
Neste sentido é também um objectivo importante criar pontes entre o conhecimento e a reflexão científica e outros sectores da sociedade para os quais os conhecimentos endógenos assumem um carácter fundamental nas suas actividades e práticas.


[Detalhes Aqui]


Related Posts:


Markets and Other Allocation Systems in History: The Challenge of Karl Polanyi

The East Asian Tigers in Africa?

E Por Falar em Hippos

Cronica de Uma Maka Anunciada

Festival Mondial des Artes Negres

E Por Falar em Representacoes

E Se os Paises Africanos Fossem os EUA?

A Irresponsabilidade do Vazio

Ao Nosso Carnaval Voltemos Pois

Meio Ano Adentro no Annus Angolensis

Simone de Beauvoir in Africa: Issues of African Feminist Thought

Feminismo Negro Brasileiro

Man in Space: 50th Anniversary

Tuesday, 12 April 2011

Gbagbo's Arrest: "When Dictatorship Falls From Grace"












"Stripped of Dignity, Stripped of Power"

[Details Here]


Related Post:

Africa and the (digital) Democratic Revolution












"Stripped of Dignity, Stripped of Power"

[Details Here]


Related Post:

Africa and the (digital) Democratic Revolution

Sunday, 10 April 2011

Just Poetry XXXIX



"Imaginative work... is like a spider's web, attached ever so lightly perhaps, but still attached to life at all four corners.... But when the web is pulled askew, hooked up at the edge, torn in the middle, one remembers that these webs are not spun in midair by incorporeal creatures, but are the work of suffering, human beings, and are attached to the grossly material things, like health and money and the houses we live in."
[Virginia Woolf]















Com Alma

dos cantos da vida
parte um véu
cobrindo corpos
e almas

um braço se estende
tentando romper
o véu

conseguirá
porque o véu
é frágil,

talvez não consiga
talvez não tenha
força para romper

talvez o véu
não se rompa
porque o braço demora
demora

a esperança
é depositada apenas
na alma,

se a alma existir
pode-se esperar
que o braço
rompa o véu
com a alma.


[A.S. in S.O.S.]


Post Relacionado:

Epifania




"Imaginative work... is like a spider's web, attached ever so lightly perhaps, but still attached to life at all four corners.... But when the web is pulled askew, hooked up at the edge, torn in the middle, one remembers that these webs are not spun in midair by incorporeal creatures, but are the work of suffering, human beings, and are attached to the grossly material things, like health and money and the houses we live in."
[
Virginia Woolf]















Com Alma

dos cantos da vida
parte um véu
cobrindo corpos
e almas

um braço se estende
tentando romper
o véu

conseguirá
porque o véu
é frágil,

talvez não consiga
talvez não tenha
força para romper

talvez o véu
não se rompa
porque o braço demora
demora

a esperança
é depositada apenas
na alma,

se a alma existir
pode-se esperar
que o braço
rompa o véu
com a alma.


[A.S. in S.O.S.]


Post Relacionado:

Epifania


Saturday, 9 April 2011

A Proposito dos "Monologos da Vagina" (*)



... Ou...

Quando o Sexo (ou a falta dele) Comanda a Vida!




[Ana Paula Tavares, in "Ritos de Passagem" - Poema transcrito daqui]


N.B.: A maka e' quando "todos os rapazes" (e tambem algumas "raparigas"), especialmente quando julgam ja' ter passado "com sucesso" os "ritos de passagem" para "homens" e/ou "jornalistas", comecam a acreditar que "p(h)odem desaguar" em "todas as aboboras" (ou "meloes"?) seja como for, nem que seja atraves da violacao sexual, real ou simbolica! E, pior do que isso, quando o desconseguem por qualquer razao, "viram bicho" e vao queixar-se a casa das suas "mamas da OMA", que depois aparecem com eles em mesas redondas e nas paginas dos seus pasquins a "ralhar" com as suas vitimas, a insulta-las, a difama-las, a calunia-las e a injuria-las, e depois viram surdo(a)s-mudo(a)s e comecam a atacar as portadoras de tais "aboboras" (ou "meloes") com pornografia e outros "amores" como a calunia e difamacao, assassinio de caracter e ate' ameacas de morte, por entre o seu linchamento publico, em nome dos "valores e principios" (quais, de quem e para quem?) e em seguida fazem-nas desaparecer da vista juntamente com as suas obras e ideais, das quais se apropriam e passam a assinar como suas!... A velha estoria do "quem desdenha quer comprar"!...





Nao pretendendo entrar aqui em outro tipo de consideracoes (como estas, ou estas, ou ainda estas), parece-me ser relativamente consensual e pacifico que o lancamento simultaneo, em 1985, pela Uniao dos Escritores Angolanos (UEA), dos livros Ritos de Passagem de Ana Paula Tavares e Sabores, Odores & Sonho da humilde autora destas linhas, marcou tambem o lancamento de, na altura, novas linguagens na abordagem das questoes da feminilidade e da sexualidade da Mulher por autoras Angolanas (e, perante algumas outras versoes da historia, nunca sera' demais notar que nao nos conheciamos pessoalmente, nem 'as nossas respectivas poesias - certamente eu nao conhecia a da Paula Tavares - antes da publicacao desses livros). E isso, pelo menos "oficial ou oficiosamente" tera' sido reconhecido, mas... nos bastidores (como, alias, o surgimento deste blog acabou por trazer a tona), as coisas nunca foram assim tao consensuais nem pacificas!

De facto, se Ana Paula Tavares tera' sido "acusada de ter falta de homem, ressabiada, pornógrafa", etc., como ela propria aqui revelou, no meu caso, os ecos mais marcantes que me chegaram de Luanda pouco depois do lancamento do meu livro (eu na altura ja' me encontrava a estudar em Portugal - e a esse proposito, lembro-me de durante umas ferias minhas em Luanda naquele periodo ter dito a Luandino Vieira que estava arrependida de ter publicado o meu livro, ao que ele me respondeu, com um ar grave de mais-velho, pouco caracteristico dele nas nossas conversas: "nunca se arrependa de nada do que faca em literatura"!) e continuam ate' hoje a ressoar aos meus ouvidos foram: que um grupo de homens, entre escritores e outros "intelectuais", se andavam a vangloriar de "se terem masturbado ao le-lo" e, enquanto isso, um grupo de mulheres, supostamente tambem "intelectuais", tinha encenado uma peca de teatro cujo tema eram uns "sabores, odores e sonhos" que tinham a ver exclusivamente com "receitas de culinaria" e assuntos de "cama e mesa"!... E nao, elas nao tinham exactamente em mente a exortacao de Natalia Correia: "oh sub-alimentados do sonho, a poesia e' para se comer"!


[imagem daqui]

E, depois disso, que ninguem sequer me pergunte, quantas vezes e por quem, ao longo dos anos e ate' muito recentemente, fui chamada, aberta ou veladamente, de nada mais nada menos do que "prostituta", "promiscua", ou "poluta", por nenhuma outra razao do que a publicacao desse livro (... e talvez tambem - pasme-se, ria-se ou chore-se - apenas devido aos meus labios: ouvi uma vez de uma dessas 'cavalheiras', naquele jeito so' delas de atirarem insultos a cara como se estivessem a falar de outra pessoa, que eu tinha "labios de puta"!!!... - e "com a agravante" de nunca ter sido "casada de papel passado e alianca no dedo" e ser "mae solteira"!...

Tudo isso acrescido por ressaibos, raivas, invejas, ciumes, despeitos e odios descontrolados por supostamente eu "ter ido para a cama com todos os escritores que tinham poder de decisao na UEA", alegadamente "unica razao pela qual o meu livro tinha sido publicado em vez de outros" e eu ter sido "promovida" a membro da UEA "e nao outros"!... Embora o unico escritor com quem a visada dormira/vivera nao tivesse qualquer ligacao aos circulos da UEA e quando soube da publicacao do livro 4/5 anos depois de separados, tenha sido, apenas por despeito, o que mais fez para tentar sabotar a sua possivel futura carreira literaria, enquanto tudo fazia para "promover" precisamente os que hoje se dizem "preteridos a seu favor"...

E isso para nao mencionar que, aparentemente, para "todo o mundo" eu nao passava de uma "catorzinha", "miuda", ou "rapariga", que "nao tinha nascido mulher, nem me tinha ainda feito mulher" (viz. De Beauvoir, ou "A Senhora Professora"...), ou "a insustentavel diferenca de idades", supostamente "ao contrario delas proprias", que eram "mais velhas" e aparentemente por isso "preteridas em meu beneficio" pelos homens mais proximos da sua faixa etaria... E isto para falar apenas "na generalidade", porque na "especialidade", ha', por exemplo, o caso proeminente de uma certa "alta representante da negritude branca pos-colonial" que alega ter tido "uma relacao afectiva" com um certo politico, intelectual e critico literario de nomeada, ja' falecido, que nao me perdoa o facto de a dada altura ter visto o "objecto dos seus afectos" virar as suas "atencoes e intencoes afectivas" para "todo o mundo", ou seja... para mim!...

Embora, que se saiba, nao tenham apresentado a UEA, na altura ou em qualquer outra ocasiao, qualquer proposta de publicacao das suas "mui maturas, vetustas, academicas e intelectuais obras"! Mas nao e' curioso que elas continuem a pensar o mesmo e a agir em conformidade ainda hoje quando eu ja' tenho 50 anos de idade? E quando lhes deixei o ultimo quarto de seculo (!), com o meu silencio, o campo completamente livre e aberto para afirmarem, demonstrarem e consolidarem toda a sua "imensa mais-velhice"! ... E quando contaram sempre com o(s) apoio(s) de todos os p(h)oderes?!... E isto para falar apenas nas "velhotas", "velhacas" e "bruacas", porque agora tenho tambem que aturar as "novatas", "neofitas" e "sanguitas" que comecaram (finalmente!) a tentar "sair da casca" e entendem que para se afirmarem como "mulheres" dignas desse nome teem que passar pelo 'rito de passagem' de "medir forcas" comigo!... Porque... "eu tambem sou poeta (poetisa?) e se publicaste 25 poemas eu publico 25+1, tambem sou jornalista, tambem sou economista, tambem escrevo ingles, tambem sou intelectual, cientista e academica, tambem sou adviser/consultora, tambem sou bonita e tambem viajo em primeira classe" e "nao podem ser sempre os mesmos a beneficiar", "e tambem quero ter os teus amigos (mas so' os brancos e mulatos!...)", caso contrario... "convem sabermos sempre o que nos espera"! Ou, recorrendo, mais uma vez, a letra de uma das cancoes do Afroman: "todos querem aparecer, todos querem dar show!; mesmo que nao es, todos dizem: eu tambem sou!"

Mas desde ja' vos aviso a todas:
NAO ESTOU DISPONIVEL!

Portanto, se alguem quiser perceber mais claramente as razoes mais profundas (...como se elas nao fossem suficientemente auto-evidentes!...) do ultraje e repugnancia que manifesto perante a pornografia em geral e, em particular, a certas "interpretacoes", "apropriacoes", "vulturacoes" e outros "usos e abusos" dos meus poemas com que continuo a ser atormentada psicologicamente ate' hoje, 25 anos depois da sua publicacao (... por isso "fui arranjar esta maka" e fiz as afirmacoes que fiz aqui a proposito do "sucesso da Chimamanda"!...), por entre orgias como esta e kampanhas como esta e a falta de conhecimento/entendimento de, e sensibilidade para, questoes como as abordadas aqui, aqui e aqui , entre outros posts e comentarios neste blog (como aqui ), queira por favor tomar boa nota desses factos...





(*) Chegam-me noticias de que a peca "The Vagina Monologues" encontra-se neste momento a ser "angolanizada" e em vias de subir aos palcos luandenses... Gostava de la' estar so' para ver as reaccoes, mas, como e' bom de ver e a menos que as mentalidades locais tenham mudado significativamente desde os anos 80 - do que nao tenho qualquer evidencia, a nao ser para pior e... pior ainda! - o melhor teatro faz-se, e as reaccoes mais "genuinas" a ele expressam-se, sempre nos bastidores...
GOOD LUCK GIRLS!




ADENDA


"THEY ARE SO INCOMPETENT THAT EVERY TIME THEY FEEL THE HEAT BECAUSE WOMEN ARE CHALLENGING THEM THEY HAVE TO CHECK THEIR GENITALIA IF ONLY TO REASSURE THEMSELVES… I AM NOT INTERESTED IN THAT PART OF THE ANATOMY, THE ISSUES I AM DEALING WITH REQUIRE THE UTILISATION OF WHAT IS ABOVE THE NECK." - Wangari Maathai




Aos Homens da Noite


Queria dizer-vos
do melhor retrato que colhi
do vosso mais querido fantasma

Mas
eis que o escárnio irrompe
de dentro das vossas braguilhas
descaradas

Vale-me a sensatez da música
dizendo em ritmo de semba
da mulata côr muamba
e lábios pitanga

e solta-se a minha gargalhada
na noite.


[A.S. in S.O.S. - poema transcrito daqui]


[Jornalismo de Tesao]


Algumas sugestoes para uns possiveis (…e recomendaveis…)
“Monologos do Penis”:


- O ‘minion’ sexagenario que, de tao complexado pelo seu "tamanhinho", achava que tinha perdido a sua mulher para outro(s) home(ns)m apenas por aquele(s) “o ter(em) grande”… e por isso sentia tanta necessidade de se "elevar" a antigo combatente do quartier latin, ja' que os seus permanentes suspensorios nunca o conseguiram elevar a lugar algum...

- O 'tio-padrinho do coitado' que, apesar de o ter "velho e sobre-usado",
uma vez quiz abusar da confianca e inocencia de uma 'miuda' que o via como a um pai e tentou forcar-se sobre ela, tendo-o esta rejeitado pronta e decididamente naquele momento, "pondo-o no seu devido lugar", sendo que por isso ele nunca viria a aceitar de bom grado o posterior relacionamento da 'miuda' com o seu sobrinho, de quem ela viria a ter um filho...

- O ‘coitado’ que o tinha tao "diminuto" que a unica forma que encontrara para provar ‘a sociedade (e em particular aos seus “amigos do copo”) a sua "masculinidade" foi fazer-se rodear permanentemente de mulheres e fazer filhos aqui e ali ‘a saciedade sem qualquer sentido de responsabilidade…

- O ‘svengali’ que, apesar de o ter “bem abonado”, achava que tinha perdido a sua ‘gazela’ de volta para o seu ‘coitado’ por este “o ter maior que o dele”…

- O ‘escriba’ que o tinha “tao ilusionista” que a unica forma que encontrou para preencher “o vazio” deixado na sua ‘musa intermitente’ foi dedicar-lhe um livro de poemas 'a sua revelia…

- O ‘outro escriba’ que apesar de casado “com mais de uma mulher”, tinha-o "tao insatisfeito" que escrevia cartas a uma ‘miuda’, que por acaso havia sido uma das melhores amigas da “sua casada”, descrevendo-lhe as partes do seu corpo que mais o excitavam e que lhe apetecia “comer pela primeira vez” (…nunca o conseguiria, no entanto…), como se este fosse uma peca de carne exposta num qualquer talho do seu bairro…

- O ‘diplomata’ que tinha “tantos problemas” com o seu e vivia tao obcecado com a ideia de 'sexo' que ao ver a sua ‘paixao’ (...ou pelo menos uma delas...) escapar-se-lhe para um 'homem humilde' e mais jovem que manifestamente nao tinha tais problemas nem obcessoes, tratou de difama-la e desfeitea-la perante “todo o mundo”…

- O 'outro diplomata' e 'poeta' que tinha fama de "garanhao" e que tentou forcar a entrada no quarto de hotel de uma 'miuda' durante uma conferencia na "sua ilha", tendo a 'miuda' posto toda a sua forca contra dele e conseguido fechar-lhe a porta na cara... Para Sempre!

- O 'radialista' que se deixou envolver e incentivou uma "relacao afectiva estritamente profissional" com uma ouvinte-participante do seu programa e que, enquanto "se recusava" a conhece-la pessoalmente, lhe fazia telefonemas noturnos (..."pelo postigo"...) a dizer-lhe obscenidades e a masturbar-se, ao que ela imediatamente lhe desligava o telefone na cara... o que, interestingly enough, me faz lembrar um certo 'oficial de kampanha'...

- O 'estagiario' que ao sentir-se “diminuido e atacado” na sua masculinidade por uma mulher mais educada, mais qualificada, mais experiente e melhor remunerada do que ele, entendeu que a melhor forma de a “diminuir” tambem e "coloca-la ao seu nivel" era fazer-lhe um ataque pornografico no local de trabalho…

- O ‘oficial de kampanha’ que, em nome de um qualquer “amor ficticio, fantasioso, fantasista, fantasmagorico e falacioso” e da sua manifesta necessidade de demonstrar a sua masculinidade atraves da procriacao descontrolada, enquanto se travestia (masturbava?) em multiplas "inteligentes todas-poderosas identidades femininas" tentando "engrossar" a sua "cortina de fumo", entendeu transformar o (um dos?... “cada caso e’ um caso”, ou "cada paixao e' uma paixao" como tambem dizia o ‘outro escriba’…) objecto(s) dos seus “desejos insatisfeitos” (sobretudo sociais e academico-profissionais) em “homem em corpo de mulher” ou “mulher em corpo de homem”… porque, afinale, a "unica forma" de placar a ascensao (ou "pretensao/presuncao" como lhe chamava o 'minion'?) academico-profissional de uma mulher, especialmente quando se pretende "competir" na sua area de especialidade mesmo sem qualificacoes para tal, e' "objectifica-la sexualmente" e/ou "enche-la de filhos", real ou virtualmente, mesmo quando se e' casado com (muitos!) filhos e ela ja' tenha idade para ser avo!...

-Os ‘kabungados’, 'kafajestes', 'kanalhas', 'kamundongos', 'kissondes', 'kamafeus', 'kifumbis', 'karrapatos', 'kachorros', 'kaxikos', 'mabekos', 'makakos', 'meketrefes', 'malaikos', 'parasitas', 'tarados', ‘execraveis putos pes-descalcos’, 'atrasados mentais', ‘pachecos’, 'pompilhos' e outros ‘rapazes’ (ou 'boys'), que, com razao ou sem ela, se sentiam tao “castrados” pelo poder de estado e pelo seu "pai grande" (ou pelos seus patroes?!... ou pelos seus "ex-novos colonos"?!... ou pelas suas "mulheres"?!... ou pelas suas "mabundas"?!... ou pelas suas "baronas"?!... ou pelas suas "latonas"?!... ou pelas suas "loirinhas"?!... ou pelas suas "belles de jour"?!... ou pelas suas "professoras"?!... ou pelas suas "maes"?!...) - enquanto 'chupavam' abundantemente da sua mesa, sacos azuis, envelopes castanhos, cabazes e pactos de regime -, que a unica forma de tentarem recuperar e demonstrar a sua “imensa masculinidade” e prencherem os seus "super-deficitarios e hiper-inflacionados egos" era usarem totalitaria, criminosa e impunemente o seu ‘quarto p(h)oder’ (... qual bando ou matilha de ton-tons makutes feios, porcos e maus, selvagens sem lei, rei nem roque e muito menos escrupulos ou caracter, trapaceiros e arruaceiros, mercadores e sacristas, bufos, social e comunicacionalmente incompetentes, verbal e sexualmente incontinentes, debochados, embriagados, drogados e irresponsaveis, complexados e cobardemente escondidos por detras das suas cortinas de fumo e de ferro...) sobre uma mulher que sentiam "fazer-lhes sombra" profissionalmente, na qual projectavam as suas frustracoes, insatisfacoes, inadequacoes, incompetencias e insegurancas e sobre a qual fantasiavam que os havia “coisificado”, apesar de nem sequer a conhecerem pessoalmente de parte alguma, enquanto colocavam pelo meio, "para lhe fazer ciumes" (wankers and silly boys indeed!), entre outras "bonitonas" bem acomodadas nas poltronas do p(h)oder, "impolutas", "academicas" e "intelectuais a prova de bala, espinafre e kizaka", uma certa ninfa, ninfomaniaca, lesbica, pornografa, sado-masoquista, racista supremacista branca de extrema direita, vulta, psicopata e assassina blonde bombshell barbie doll e bailarina classica metida a genuina katchokwe'-cum-Jessica Rabbit (silly girl indeed!) …

[... e repare-se que nao mencionei 'racas', nem falei em 'melaninas'...]






“We have to respect every woman, even a woman who is one day old. Why? Because some day she will grow up to be somebody’s mother.”
Stokely Carmichael (aka Kwame Toure), cited by Miriam Makeba (aka Mama Afrika)

"(...) Age was respected among his people, but achievement was revered. As the elders said, if a child washed his hands he could eat with kings. Okonkwo had clearly washed his hands and so he ate with kings and elders."
Biyi Bandele [in Introduction to Chinua Achebe's Things Fall Apart - Penguim, 2001 edition]

N.B.: Chinua Achebe started writing Things Fall Apart, his magnum opus published three years later, in 1958, which has earned him the title of 'The Grandfather of African Literature', at the age of 25.


"We cannot trample upon the humanity of others without devaluing our own. The Igbo, always practical, put it concretely in their proverb Onye ji onye n'ani ji onwe ya: "He who will hold another down in the mud must stay in the mud to keep him down."
[Chinua Achebe]

Ou, alternativamente, em Portugues: Yanick Ngombo, a.k.a. Afroman, membro da etnia Bakongo (tal como os Igbo, igualmente com um sentido bastante pratico das coisas mundanas, para que lhes sobre tempo suficiente para as coisas do espirito, como a metafisica ou a filosofia), diz numa das suas cancoes algo como isto: "... e' como o porco que arrasta o javali para uma luta na lama: os dois vao se sujar, mas o porco gosta porque assim ganha fama!



... Ou...

Quando o Sexo (ou a falta dele) Comanda a Vida!



[Ana Paula Tavares, in "Ritos de Passagem" - Poema transcrito daqui]


N.B.: A maka e' quando "todos os rapazes" (e tambem algumas "raparigas"), especialmente quando julgam ja' ter passado "com sucesso" os "ritos de passagem" para "homens" e/ou "jornalistas", comecam a acreditar que "p(h)odem desaguar" em "todas as aboboras" (ou "meloes"?) seja como for, nem que seja atraves da violacao sexual, real ou simbolica! E, pior do que isso, quando o desconseguem por qualquer razao, "viram bicho" e vao queixar-se a casa das suas "mamas da OMA", que depois aparecem com eles em mesas redondas e nas paginas dos seus pasquins a "ralhar" com as suas vitimas, a insulta-las, a difama-las, a calunia-las e a injuria-las, e depois viram surdo(a)s-mudo(a)s e comecam a atacar as portadoras de tais "aboboras" (ou "meloes") com pornografia e outros "amores" como a calunia e difamacao, assassinio de caracter e ate' ameacas de morte, por entre o seu linchamento publico, em nome dos "valores e principios" (quais, de quem e para quem?) e em seguida fazem-nas desaparecer da vista juntamente com as suas obras e ideais, das quais se apropriam e passam a assinar como suas!... A velha estoria do "quem desdenha quer comprar"!...





Nao pretendendo entrar aqui em outro tipo de consideracoes (como estas, ou estas, ou ainda estas), parece-me ser relativamente consensual e pacifico que o lancamento simultaneo, em 1985, pela Uniao dos Escritores Angolanos (UEA), dos livros Ritos de Passagem de Ana Paula Tavares e Sabores, Odores & Sonho da humilde autora destas linhas, marcou tambem o lancamento de, na altura, novas linguagens na abordagem das questoes da feminilidade e da sexualidade da Mulher por autoras Angolanas (e, perante algumas outras versoes da historia, nunca sera' demais notar que nao nos conheciamos pessoalmente, nem 'as nossas respectivas poesias - certamente eu nao conhecia a da Paula Tavares - antes da publicacao desses livros). E isso, pelo menos "oficial ou oficiosamente" tera' sido reconhecido, mas... nos bastidores (como, alias, o surgimento deste blog acabou por trazer a tona), as coisas nunca foram assim tao consensuais nem pacificas!

De facto, se Ana Paula Tavares tera' sido "acusada de ter falta de homem, ressabiada, pornógrafa", etc., como ela propria aqui revelou, no meu caso, os ecos mais marcantes que me chegaram de Luanda pouco depois do lancamento do meu livro (eu na altura ja' me encontrava a estudar em Portugal - e a esse proposito, lembro-me de durante umas ferias minhas em Luanda naquele periodo ter dito a Luandino Vieira que estava arrependida de ter publicado o meu livro, ao que ele me respondeu, com um ar grave de mais-velho, pouco caracteristico dele nas nossas conversas: "nunca se arrependa de nada do que faca em literatura"!) e continuam ate' hoje a ressoar aos meus ouvidos foram: que um grupo de homens, entre escritores e outros "intelectuais", se andavam a vangloriar de "se terem masturbado ao le-lo" e, enquanto isso, um grupo de mulheres, supostamente tambem "intelectuais", tinha encenado uma peca de teatro cujo tema eram uns "sabores, odores e sonhos" que tinham a ver exclusivamente com "receitas de culinaria" e assuntos de "cama e mesa"!... E nao, elas nao tinham exactamente em mente a exortacao de Natalia Correia: "oh sub-alimentados do sonho, a poesia e' para se comer"!


[imagem daqui]

E, depois disso, que ninguem sequer me pergunte, quantas vezes e por quem, ao longo dos anos e ate' muito recentemente, fui chamada, aberta ou veladamente, de nada mais nada menos do que "prostituta", "promiscua", ou "poluta", por nenhuma outra razao do que a publicacao desse livro (... e talvez tambem - pasme-se, ria-se ou chore-se - apenas devido aos meus labios: ouvi uma vez de uma dessas 'cavalheiras', naquele jeito so' delas de atirarem insultos a cara como se estivessem a falar de outra pessoa, que eu tinha "labios de puta"!!!... - e "com a agravante" de nunca ter sido "casada de papel passado e alianca no dedo" e ser "mae solteira"!...

Tudo isso acrescido por ressaibos, raivas, invejas, ciumes, despeitos e odios descontrolados por supostamente eu "ter ido para a cama com todos os escritores que tinham poder de decisao na UEA", alegadamente "unica razao pela qual o meu livro tinha sido publicado em vez de outros" e eu ter sido "promovida" a membro da UEA "e nao outros"!... Embora o unico escritor com quem a visada dormira/vivera nao tivesse qualquer ligacao aos circulos da UEA e quando soube da publicacao do livro 4/5 anos depois de separados, tenha sido, apenas por despeito, o que mais fez para tentar sabotar a sua possivel futura carreira literaria, enquanto tudo fazia para "promover" precisamente os que hoje se dizem "preteridos a seu favor"...

E isso para nao mencionar que, aparentemente, para "todo o mundo" eu nao passava de uma "catorzinha", "miuda", ou "rapariga", que "nao tinha nascido mulher, nem me tinha ainda feito mulher" (viz. De Beauvoir, ou "A Senhora Professora"...), ou "a insustentavel diferenca de idades", supostamente "ao contrario delas proprias", que eram "mais velhas" e aparentemente por isso "preteridas em meu beneficio" pelos homens mais proximos da sua faixa etaria... E isto para falar apenas "na generalidade", porque na "especialidade", ha', por exemplo, o caso proeminente de uma certa "alta representante da negritude branca pos-colonial" que alega ter tido "uma relacao afectiva" com um certo politico, intelectual e critico literario de nomeada, ja' falecido, que nao me perdoa o facto de a dada altura ter visto o "objecto dos seus afectos" virar as suas "atencoes e intencoes afectivas" para "todo o mundo", ou seja... para mim!...

Embora, que se saiba, nao tenham apresentado a UEA, na altura ou em qualquer outra ocasiao, qualquer proposta de publicacao das suas "mui maturas, vetustas, academicas e intelectuais obras"! Mas nao e' curioso que elas continuem a pensar o mesmo e a agir em conformidade ainda hoje quando eu ja' tenho 50 anos de idade? E quando lhes deixei o ultimo quarto de seculo (!), com o meu silencio, o campo completamente livre e aberto para afirmarem, demonstrarem e consolidarem toda a sua "imensa mais-velhice"! ... E quando contaram sempre com o(s) apoio(s) de todos os p(h)oderes?!... E isto para falar apenas nas "velhotas", "velhacas" e "bruacas", porque agora tenho tambem que aturar as "novatas", "neofitas" e "sanguitas" que comecaram (finalmente!) a tentar "sair da casca" e entendem que para se afirmarem como "mulheres" dignas desse nome teem que passar pelo 'rito de passagem' de "medir forcas" comigo!... Porque... "eu tambem sou poeta (poetisa?) e se publicaste 25 poemas eu publico 25+1, tambem sou jornalista, tambem sou economista, tambem escrevo ingles, tambem sou intelectual, cientista e academica, tambem sou adviser/consultora, tambem sou bonita e tambem viajo em primeira classe" e "nao podem ser sempre os mesmos a beneficiar", "e tambem quero ter os teus amigos (mas so' os brancos e mulatos!...)", caso contrario... "convem sabermos sempre o que nos espera"! Ou, recorrendo, mais uma vez, a letra de uma das cancoes do Afroman: "todos querem aparecer, todos querem dar show!; mesmo que nao es, todos dizem: eu tambem sou!"

Mas desde ja' vos aviso a todas:
NAO ESTOU DISPONIVEL!

Portanto, se alguem quiser perceber mais claramente as razoes mais profundas (...como se elas nao fossem suficientemente auto-evidentes!...) do ultraje e repugnancia que manifesto perante a pornografia em geral e, em particular, a certas "interpretacoes", "apropriacoes", "vulturacoes" e outros "usos e abusos" dos meus poemas com que continuo a ser atormentada psicologicamente ate' hoje, 25 anos depois da sua publicacao (... por isso "fui arranjar esta maka" e fiz as afirmacoes que fiz aqui a proposito do "sucesso da Chimamanda"!...), por entre orgias como esta e kampanhas como esta e a falta de conhecimento/entendimento de, e sensibilidade para, questoes como as abordadas aqui, aqui e aqui , entre outros posts e comentarios neste blog (como aqui ), queira por favor tomar boa nota desses factos...





(*) Chegam-me noticias de que a peca "The Vagina Monologues" encontra-se neste momento a ser "angolanizada" e em vias de subir aos palcos luandenses... Gostava de la' estar so' para ver as reaccoes, mas, como e' bom de ver e a menos que as mentalidades locais tenham mudado significativamente desde os anos 80 - do que nao tenho qualquer evidencia, a nao ser para pior e... pior ainda! - o melhor teatro faz-se, e as reaccoes mais "genuinas" a ele expressam-se, sempre nos bastidores...
GOOD LUCK GIRLS!




ADENDA


"THEY ARE SO INCOMPETENT THAT EVERY TIME THEY FEEL THE HEAT BECAUSE WOMEN ARE CHALLENGING THEM THEY HAVE TO CHECK THEIR GENITALIA IF ONLY TO REASSURE THEMSELVES… I AM NOT INTERESTED IN THAT PART OF THE ANATOMY, THE ISSUES I AM DEALING WITH REQUIRE THE UTILISATION OF WHAT IS ABOVE THE NECK." - Wangari Maathai




Aos Homens da Noite


Queria dizer-vos
do melhor retrato que colhi
do vosso mais querido fantasma

Mas
eis que o escárnio irrompe
de dentro das vossas braguilhas
descaradas

Vale-me a sensatez da música
dizendo em ritmo de semba
da mulata côr muamba
e lábios pitanga

e solta-se a minha gargalhada
na noite.


[A.S. in S.O.S. - poema transcrito daqui]


[Jornalismo de Tesao]


Algumas sugestoes para uns possiveis (…e recomendaveis…)
“Monologos do Penis”:


- O ‘minion’ sexagenario que, de tao complexado pelo seu "tamanhinho", achava que tinha perdido a sua mulher para outro(s) home(ns)m apenas por aquele(s) “o ter(em) grande”… e por isso sentia tanta necessidade de se "elevar" a antigo combatente do quartier latin, ja' que os seus permanentes suspensorios nunca o conseguiram elevar a lugar algum...

- O 'tio-padrinho do coitado' que, apesar de o ter "velho e sobre-usado",
uma vez quiz abusar da confianca e inocencia de uma 'miuda' que o via como a um pai e tentou forcar-se sobre ela, tendo-o esta rejeitado pronta e decididamente naquele momento, "pondo-o no seu devido lugar", sendo que por isso ele nunca viria a aceitar de bom grado o posterior relacionamento da 'miuda' com o seu sobrinho, de quem ela viria a ter um filho...

- O ‘coitado’ que o tinha tao "diminuto" que a unica forma que encontrara para provar ‘a sociedade (e em particular aos seus “amigos do copo”) a sua "masculinidade" foi fazer-se rodear permanentemente de mulheres e fazer filhos aqui e ali ‘a saciedade sem qualquer sentido de responsabilidade…

- O ‘svengali’ que, apesar de o ter “bem abonado”, achava que tinha perdido a sua ‘gazela’ de volta para o seu ‘coitado’ por este “o ter maior que o dele”…

- O ‘escriba’ que o tinha “tao ilusionista” que a unica forma que encontrou para preencher “o vazio” deixado na sua ‘musa intermitente’ foi dedicar-lhe um livro de poemas 'a sua revelia…

- O ‘outro escriba’ que apesar de casado “com mais de uma mulher”, tinha-o "tao insatisfeito" que escrevia cartas a uma ‘miuda’, que por acaso havia sido uma das melhores amigas da “sua casada”, descrevendo-lhe as partes do seu corpo que mais o excitavam e que lhe apetecia “comer pela primeira vez” (…nunca o conseguiria, no entanto…), como se este fosse uma peca de carne exposta num qualquer talho do seu bairro…

- O ‘diplomata’ que tinha “tantos problemas” com o seu e vivia tao obcecado com a ideia de 'sexo' que ao ver a sua ‘paixao’ (...ou pelo menos uma delas...) escapar-se-lhe para um 'homem humilde' e mais jovem que manifestamente nao tinha tais problemas nem obcessoes, tratou de difama-la e desfeitea-la perante “todo o mundo”…

- O 'outro diplomata' e 'poeta' que tinha fama de "garanhao" e que tentou forcar a entrada no quarto de hotel de uma 'miuda' durante uma conferencia na "sua ilha", tendo a 'miuda' posto toda a sua forca contra dele e conseguido fechar-lhe a porta na cara... Para Sempre!

- O 'radialista' que se deixou envolver e incentivou uma "relacao afectiva estritamente profissional" com uma ouvinte-participante do seu programa e que, enquanto "se recusava" a conhece-la pessoalmente, lhe fazia telefonemas noturnos (..."pelo postigo"...) a dizer-lhe obscenidades e a masturbar-se, ao que ela imediatamente lhe desligava o telefone na cara... o que, interestingly enough, me faz lembrar um certo 'oficial de kampanha'...

- O 'estagiario' que ao sentir-se “diminuido e atacado” na sua masculinidade por uma mulher mais educada, mais qualificada, mais experiente e melhor remunerada do que ele, entendeu que a melhor forma de a “diminuir” tambem e "coloca-la ao seu nivel" era fazer-lhe um ataque pornografico no local de trabalho…

- O ‘oficial de kampanha’ que, em nome de um qualquer “amor ficticio, fantasioso, fantasista, fantasmagorico e falacioso” e da sua manifesta necessidade de demonstrar a sua masculinidade atraves da procriacao descontrolada, enquanto se travestia (masturbava?) em multiplas "inteligentes todas-poderosas identidades femininas" tentando "engrossar" a sua "cortina de fumo", entendeu transformar o (um dos?... “cada caso e’ um caso”, ou "cada paixao e' uma paixao" como tambem dizia o ‘outro escriba’…) objecto(s) dos seus “desejos insatisfeitos” (sobretudo sociais e academico-profissionais) em “homem em corpo de mulher” ou “mulher em corpo de homem”… porque, afinale, a "unica forma" de placar a ascensao (ou "pretensao/presuncao" como lhe chamava o 'minion'?) academico-profissional de uma mulher, especialmente quando se pretende "competir" na sua area de especialidade mesmo sem qualificacoes para tal, e' "objectifica-la sexualmente" e/ou "enche-la de filhos", real ou virtualmente, mesmo quando se e' casado com (muitos!) filhos e ela ja' tenha idade para ser avo!...

-Os ‘kabungados’, 'kafajestes', 'kanalhas', 'kamundongos', 'kissondes', 'kamafeus', 'kifumbis', 'karrapatos', 'kachorros', 'kaxikos', 'mabekos', 'makakos', 'meketrefes', 'malaikos', 'parasitas', 'tarados', ‘execraveis putos pes-descalcos’, 'atrasados mentais', ‘pachecos’, 'pompilhos' e outros ‘rapazes’ (ou 'boys'), que, com razao ou sem ela, se sentiam tao “castrados” pelo poder de estado e pelo seu "pai grande" (ou pelos seus patroes?!... ou pelos seus "ex-novos colonos"?!... ou pelas suas "mulheres"?!... ou pelas suas "mabundas"?!... ou pelas suas "baronas"?!... ou pelas suas "latonas"?!... ou pelas suas "loirinhas"?!... ou pelas suas "belles de jour"?!... ou pelas suas "professoras"?!... ou pelas suas "maes"?!...) - enquanto 'chupavam' abundantemente da sua mesa, sacos azuis, envelopes castanhos, cabazes e pactos de regime -, que a unica forma de tentarem recuperar e demonstrar a sua “imensa masculinidade” e prencherem os seus "super-deficitarios e hiper-inflacionados egos" era usarem totalitaria, criminosa e impunemente o seu ‘quarto p(h)oder’ (... qual bando ou matilha de ton-tons makutes feios, porcos e maus, selvagens sem lei, rei nem roque e muito menos escrupulos ou caracter, trapaceiros e arruaceiros, mercadores e sacristas, bufos, social e comunicacionalmente incompetentes, verbal e sexualmente incontinentes, debochados, embriagados, drogados e irresponsaveis, complexados e cobardemente escondidos por detras das suas cortinas de fumo e de ferro...) sobre uma mulher que sentiam "fazer-lhes sombra" profissionalmente, na qual projectavam as suas frustracoes, insatisfacoes, inadequacoes, incompetencias e insegurancas e sobre a qual fantasiavam que os havia “coisificado”, apesar de nem sequer a conhecerem pessoalmente de parte alguma, enquanto colocavam pelo meio, "para lhe fazer ciumes" (wankers and silly boys indeed!), entre outras "bonitonas" bem acomodadas nas poltronas do p(h)oder, "impolutas", "academicas" e "intelectuais a prova de bala, espinafre e kizaka", uma certa ninfa, ninfomaniaca, lesbica, pornografa, sado-masoquista, racista supremacista branca de extrema direita, vulta, psicopata e assassina blonde bombshell barbie doll e bailarina classica metida a genuina katchokwe'-cum-Jessica Rabbit (silly girl indeed!) …

[... e repare-se que nao mencionei 'racas', nem falei em 'melaninas'...]






“We have to respect every woman, even a woman who is one day old. Why? Because some day she will grow up to be somebody’s mother.”
Stokely Carmichael (aka Kwame Toure), cited by Miriam Makeba (aka Mama Afrika)

"(...) Age was respected among his people, but achievement was revered. As the elders said, if a child washed his hands he could eat with kings. Okonkwo had clearly washed his hands and so he ate with kings and elders."
Biyi Bandele [in Introduction to Chinua Achebe's Things Fall Apart - Penguim, 2001 edition]

N.B.: Chinua Achebe started writing Things Fall Apart, his magnum opus published three years later, in 1958, which has earned him the title of 'The Grandfather of African Literature', at the age of 25.


"We cannot trample upon the humanity of others without devaluing our own. The Igbo, always practical, put it concretely in their proverb Onye ji onye n'ani ji onwe ya: "He who will hold another down in the mud must stay in the mud to keep him down."
[Chinua Achebe]

Ou, alternativamente, em Portugues: Yanick Ngombo, a.k.a. Afroman, membro da etnia Bakongo (tal como os Igbo, igualmente com um sentido bastante pratico das coisas mundanas, para que lhes sobre tempo suficiente para as coisas do espirito, como a metafisica ou a filosofia), diz numa das suas cancoes algo como isto: "... e' como o porco que arrasta o javali para uma luta na lama: os dois vao se sujar, mas o porco gosta porque assim ganha fama!

AO QUE (ALGUMAS) ‘BLOGGERS’ ESTAO SUJEITAS… [R]*



AMEACAS SEXUAIS ABAFAM ALGUMAS ‘BLOGGERS’*

Uma escritora freelancer que blogava sobre a industria pornografica foi ameacada com violacao sexual. Uma mae solteira que blogava sobre “os ins and outs de ser mama” foi atacada por um ciber-perseguidor furtivo com acusacoes difamatorias e ameacas de a manter sob vigilancia constante. Kathy Sierra, que obteve um grande sucesso blogando sobre o design de software capaz de tornar as pessoas felizes, tornou-se alvo de ataques anonimos online que incluiram fotos dela com uma corda ao pescoco e uma mordaca sobre a boca.


A medida que as mulheres ganham mais visibilidade na blogosfera, elas vao-se tornando alvos preferenciais de assedio sexual e ameacas. Homens tambem sao assediados e a falta de civilidade e’ uma constante na Web. Mas as mulheres, que constituem cerca de metade da comunidade online, sao particularmente visadas em termos sexualmente ameacadores de forma mais acentuada – uma tendencia que inicialmente se manifestou em chat rooms no inicio dos anos 90 e que se esta’ agora a arrastar para a blogosfera, afirmam peritos e bloggers. Um estudo de 2006 sobre chat rooms, pela Universidade de Maryland, revelou que participantes femininas recebiam 25 vezes mais mensagens sexualmente explicitas e maliciosas do que os masculinos. Um estudo de 2005, pelo Pew Internet & American Life Project, revelou que a proporcao de usuarios da Internet que participavam em grupos de conversa e discussao diminuiu de 28 porcento em 2000 para 17 porcento em 2005, exclusivamente devido ao exodo de mulheres. O estudo atribuiu essa tendencia a “sensibilidade a comportamentos intimidatorios nos chat rooms.”



Joan Walsh, editora em chefe da revista online Salon, afirma que desde que a seccao de cartas do seu site foi automatizada ha’ um ano atras, “tem sido muito dificil ignorar que as criticas a mulheres escritoras sao muito mais brutais e viciosas do que as feitas aos homens.” Arianna Huffington, cujo site Huffington Post esta’ entre os mais destacados blogs fundados por mulheres, afirma que o anonimato online permitiu que “muitos dos preconceitos escuros sobre as mulheres viessem a tona.”
Sierra, cujo recente caso atraiu atencao internacional, teve que suspender o blogging. Outras mulheres comecaram a auto-censurar-se, mudaram para foruns privados ou fecharam os comentarios nos seus blogs. Muitas usam pseudonimos genero-neutrais. Algumas simplesmente tentam aguentar-se. Mas, segundo bloggers e peritos entrevistados, o efeito de repetido assedio e’ tornar as mulheres relutantes em participar online – destruindo a promessa da Internet como um forum igualitario.
Dois factores contribuem particularmente para tal virulencia, segundo os peritos: bloggar num campo tradicionalmente dominado por homens, como a tecnologia, e atingir um certo grau de notoriedade. Ha’ um grande numero de mulheres a serem intimidadas, incluindo academicas, programadoras profissionais e outras mulheres normalmente sem receio de expressarem os seus pontos de vista.


*Extracto por mim traduzido de um relatorio publicado em Abril deste ano pelo Washington Post.

{N.B.: Se, por um lado, este artigo – de que apenas tive conhecimento nos ultimos dias, na sequencia do meu post sobre o racismo na blogosfera – me tras a “consolacao” de ficar a saber que “afinal ate’ nao estou assim tao sozinha” enquanto mulher vitima de assedio sexual e racial na blogosfera e que ha’, pelo menos no mundo civilizado, gente atenta e preocupada com essa questao, por outro lado, lamento que os estudiosos desse fenomeno ainda nao tenham “descoberto” que tambem ha’ “mulheres” envolvidas nesse tipo de ataques contra outras mulheres na blogosfera… E que um estudo que ainda esta’ por fazer e’ sobre em que medida esse nefasto fenomeno afecta particularmente as, ainda relativamente poucas, bloggers negras...}

*[First posted 07/08/07]


Posts relacionados:

Abrindo a Caixa de Pandora (I)

E a Implementacao dessa Lei?



AMEACAS SEXUAIS ABAFAM ALGUMAS ‘BLOGGERS’*

Uma escritora freelancer que blogava sobre a industria pornografica foi ameacada com violacao sexual. Uma mae solteira que blogava sobre “os ins and outs de ser mama” foi atacada por um ciber-perseguidor furtivo com acusacoes difamatorias e ameacas de a manter sob vigilancia constante. Kathy Sierra, que obteve um grande sucesso blogando sobre o design de software capaz de tornar as pessoas felizes, tornou-se alvo de ataques anonimos online que incluiram fotos dela com uma corda ao pescoco e uma mordaca sobre a boca.


A medida que as mulheres ganham mais visibilidade na blogosfera, elas vao-se tornando alvos preferenciais de assedio sexual e ameacas. Homens tambem sao assediados e a falta de civilidade e’ uma constante na Web. Mas as mulheres, que constituem cerca de metade da comunidade online, sao particularmente visadas em termos sexualmente ameacadores de forma mais acentuada – uma tendencia que inicialmente se manifestou em chat rooms no inicio dos anos 90 e que se esta’ agora a arrastar para a blogosfera, afirmam peritos e bloggers. Um estudo de 2006 sobre chat rooms, pela Universidade de Maryland, revelou que participantes femininas recebiam 25 vezes mais mensagens sexualmente explicitas e maliciosas do que os masculinos. Um estudo de 2005, pelo Pew Internet & American Life Project, revelou que a proporcao de usuarios da Internet que participavam em grupos de conversa e discussao diminuiu de 28 porcento em 2000 para 17 porcento em 2005, exclusivamente devido ao exodo de mulheres. O estudo atribuiu essa tendencia a “sensibilidade a comportamentos intimidatorios nos chat rooms.”



Joan Walsh, editora em chefe da revista online Salon, afirma que desde que a seccao de cartas do seu site foi automatizada ha’ um ano atras, “tem sido muito dificil ignorar que as criticas a mulheres escritoras sao muito mais brutais e viciosas do que as feitas aos homens.” Arianna Huffington, cujo site Huffington Post esta’ entre os mais destacados blogs fundados por mulheres, afirma que o anonimato online permitiu que “muitos dos preconceitos escuros sobre as mulheres viessem a tona.”
Sierra, cujo recente caso atraiu atencao internacional, teve que suspender o blogging. Outras mulheres comecaram a auto-censurar-se, mudaram para foruns privados ou fecharam os comentarios nos seus blogs. Muitas usam pseudonimos genero-neutrais. Algumas simplesmente tentam aguentar-se. Mas, segundo bloggers e peritos entrevistados, o efeito de repetido assedio e’ tornar as mulheres relutantes em participar online – destruindo a promessa da Internet como um forum igualitario.
Dois factores contribuem particularmente para tal virulencia, segundo os peritos: bloggar num campo tradicionalmente dominado por homens, como a tecnologia, e atingir um certo grau de notoriedade. Ha’ um grande numero de mulheres a serem intimidadas, incluindo academicas, programadoras profissionais e outras mulheres normalmente sem receio de expressarem os seus pontos de vista.


*Extracto por mim traduzido de um relatorio publicado em Abril deste ano pelo Washington Post.

{N.B.: Se, por um lado, este artigo – de que apenas tive conhecimento nos ultimos dias, na sequencia do meu post sobre o racismo na blogosfera – me tras a “consolacao” de ficar a saber que “afinal ate’ nao estou assim tao sozinha” enquanto mulher vitima de assedio sexual e racial na blogosfera e que ha’, pelo menos no mundo civilizado, gente atenta e preocupada com essa questao, por outro lado, lamento que os estudiosos desse fenomeno ainda nao tenham “descoberto” que tambem ha’ “mulheres” envolvidas nesse tipo de ataques contra outras mulheres na blogosfera… E que um estudo que ainda esta’ por fazer e’ sobre em que medida esse nefasto fenomeno afecta particularmente as, ainda relativamente poucas, bloggers negras...}

*[First posted 07/08/07]


Posts relacionados:

Abrindo a Caixa de Pandora (I)

E a Implementacao dessa Lei?

Friday, 8 April 2011

O Desespero e a Tragedia de uma Mae Solteira







No dia em que Fadua Larui, de 20 anos, foi até diante da Câmara Municipal da cidade onde morava, lançou gasolina sobre seu corpo e acendeu um isqueiro para se queimar, estava há muito tempo a lutar por uma habitação digna que lhe tinha sido negada pelo facto de ser mãe solteira.
“A minha filha não era uma suicida. Só fez isso para protestar e para defender o direito dos seus filhos”, disse à Agência Efe Fatna Ait Bontaib, mãe da jovem.
Entre quatro muros levantados com tijolos, Bontaib, rodeada pelos seus filhos e netos, afirma que Fadua, uma jovem séria, se via forçada a sair à rua para mendigar.
A sua vida reflecte o desespero que pode desencadear a pobreza, mas, sobretudo, o repúdio que ainda existe em Marrocos pelas mulheres solteiras e divorciadas.
Segundo uma pesquisa sobre prevalência da violência de género, apresentada no início do ano, uma em cada quatro marroquinas – ou seja, 2,1 milhões de mulheres – sofreram um acto de violência sexual em algum momento da sua vida. Em lugares públicos, 10,8 por cento de divorciadas e 9,2 por cento de solteiras foram violadas, relativamente a 2,2 por cento das mulheres casadas.

O destino trágico de Fadua começou a ser traçado quando, aos 15 anos, foi violada e ficou grávida do primeiro dos seus dois filhos. Consciente da vergonha que a gravidez nessas circunstâncias representaria para a sua família, optou por se mudar para a cidade de Agadir, no sudoeste do país, e tempo depois foi para Souk Sebt.
Em 2010, o Governo lançou nesta região uma campanha contra a “mussequização”, que obrigou as pessoas a saírem das casas nas quais viviam em troca de um pequeno terreno, mas não gratuito.
Os responsáveis da Associação Marroquina de Direitos Humanos (AMDH) em Souk Sebt asseguram que o terreno que Fadua pretendia comprar lhe foi negado por ela não ter marido.

“Existe um grande problema com as mulheres solteiras em Marrocos. O número é muito elevado e são marginalizadas”, disse à Efe Hassan Ismaili, membro da AMDH.
A jovem reivindicou durante seis meses o seu direito a um terreno, mas não obteve qualquer resposta das autoridades. No dia 21 de Fevereiro, dirigiu-se de manhã à Câmara Municipal de Souk Sebt para voltar a exigir os seus direitos. A AMDH afirma que foi ela humilhada e insultada. Depois disso, Fadua nunca mais voltou para casa.
Um vídeo que circula no YouTube mostra a jovem a gritar que era vítima de uma enorme injustiça. “Não tenho ninguém. Só tenho Deus”, dizia.

[Texto daqui]


Post Relacionado:

Relendo Samora...







No dia em que Fadua Larui, de 20 anos, foi até diante da Câmara Municipal da cidade onde morava, lançou gasolina sobre seu corpo e acendeu um isqueiro para se queimar, estava há muito tempo a lutar por uma habitação digna que lhe tinha sido negada pelo facto de ser mãe solteira.
“A minha filha não era uma suicida. Só fez isso para protestar e para defender o direito dos seus filhos”, disse à Agência Efe Fatna Ait Bontaib, mãe da jovem.
Entre quatro muros levantados com tijolos, Bontaib, rodeada pelos seus filhos e netos, afirma que Fadua, uma jovem séria, se via forçada a sair à rua para mendigar.
A sua vida reflecte o desespero que pode desencadear a pobreza, mas, sobretudo, o repúdio que ainda existe em Marrocos pelas mulheres solteiras e divorciadas.
Segundo uma pesquisa sobre prevalência da violência de género, apresentada no início do ano, uma em cada quatro marroquinas – ou seja, 2,1 milhões de mulheres – sofreram um acto de violência sexual em algum momento da sua vida. Em lugares públicos, 10,8 por cento de divorciadas e 9,2 por cento de solteiras foram violadas, relativamente a 2,2 por cento das mulheres casadas.

O destino trágico de Fadua começou a ser traçado quando, aos 15 anos, foi violada e ficou grávida do primeiro dos seus dois filhos. Consciente da vergonha que a gravidez nessas circunstâncias representaria para a sua família, optou por se mudar para a cidade de Agadir, no sudoeste do país, e tempo depois foi para Souk Sebt.
Em 2010, o Governo lançou nesta região uma campanha contra a “mussequização”, que obrigou as pessoas a saírem das casas nas quais viviam em troca de um pequeno terreno, mas não gratuito.
Os responsáveis da Associação Marroquina de Direitos Humanos (AMDH) em Souk Sebt asseguram que o terreno que Fadua pretendia comprar lhe foi negado por ela não ter marido.

“Existe um grande problema com as mulheres solteiras em Marrocos. O número é muito elevado e são marginalizadas”, disse à Efe Hassan Ismaili, membro da AMDH.
A jovem reivindicou durante seis meses o seu direito a um terreno, mas não obteve qualquer resposta das autoridades. No dia 21 de Fevereiro, dirigiu-se de manhã à Câmara Municipal de Souk Sebt para voltar a exigir os seus direitos. A AMDH afirma que foi ela humilhada e insultada. Depois disso, Fadua nunca mais voltou para casa.
Um vídeo que circula no YouTube mostra a jovem a gritar que era vítima de uma enorme injustiça. “Não tenho ninguém. Só tenho Deus”, dizia.

[Texto daqui]


Post Relacionado:

Relendo Samora...

Thursday, 7 April 2011

E a Implementacao dessa Lei?...




Divulgação de fotografias sem consentimento será punida com prisão de até oito anos


A divulgação e oferta, sem consentimento, de filmes e fotografias de outra pessoa através de um sistema de informação poderá ser punido com pena de prisão de dois a oito anos ou com multa correspondente.

A medida consta da Proposta de Lei de Combate à Criminalidade no domínio das Tecnologias de Informação e Comunicação, aprovada recentemente, na generalidade, pelo Parlamento.

O documento elucida que a pena será a mesma ainda que as gravações, filmes e fotografias sejam produzidas licitamente.

O diploma condena com pena de prisão de dois a oito anos quem enviar mensagens electrónicas com intenção de perturbar a paz, o sossego ou vida pessoal, familiar ou sexual de outra pessoa.

A lei considera uma agravante quem cometer crimes de difamação, injúria ou calúnia através de um sistema de informação, sendo punido com as penas previstas no Código Penal, elevadas de um terço dos seus limites mínimos e máximos.

O assédio e exibicionismo sexual com recurso a sistemas de informação poderá ser punido com pena de prisão de três dias a dois anos ou com multa correspondente.

Do mesmo modo, poderão ser condenados os cidadãos que sem permissão legal ou do proprietário do sistema de informação acederem a totalidade ou parte dele.


A referida proposta de lei tem em conta o facto do avanço das Tecnologias de Informação e Comunicação, para além de propiciar o aumento da produção e a melhoria dos métodos de trabalho, através do uso da informática e Internet, facilitar também o surgimento de novas formas de crime informático.

A mesma tem ainda em consideração o facto de Angola se direccionar para um evidente crescimento das Tecnologias de Informação, bem como para um progresso socioeconómico, que consequentemente trará o risco da utilização das redes de informática para a prática de infracções.


[AQUI]


… Tera’ jurisdicao "geograficamente limitada"? Ou, colocado de outra forma, protegera'/beneficiara’ apenas os “angolanos de dentro” ou a “mui respeitavel prata da casa”?


Do que falo?


[imagem daqui]

Por exemplo e so' para citar o caso mais explicito do que tambem faz parte de uma certa sordida e criminosa campanha (... se e' que nao esteve mesmo na sua origem!...), disto e disto e mais, no que constitui apenas uma das ultimas “novidades” da mesma "p(h)onte criativa" (kontemporanea? ... certamente psicopata!...), desta "kamanga", ou “elogio funebre” que fui recuperar ao spam de comentarios deste blog [N.B.: o comentario em questao foi feito aqui , por esta minha irma , que na altura escolheu o seu direito ao anonimato...]:


This blog is one of those places I visit and leave feeling intrigued and enriched in one way or another! AHAHAHHAHAHAHAHAHAHHAHA. Ó barata tonta, és mesmo uma totó, mais triste que a morte. Coitada de ti que até tens de te auto-elogiar e inventar coisas que escreves a fingir que são outras pessoas. Para lá de enganar o pessoal, ó londrina solitária e vem para a tua terra mandar as bocas que mandas aí no bem bom. Tás armada em africana mas a esta hora já deves ter passaporte tuga ou mesmo inglês. Assim também eu ó exiladazita de meia tigela. Ahahahhahaha. Manda aí mais umas puésias,pá! Que para isso tens tu jeitinho. Para te auto-promoveres que eu faço-te isso de borla. Os fãs aumentam e já sabem que a Doutora Paula Santana é uma reputada economista muangolê no exílio. Anda lá pá! A tua bela foto de carapinha postiça entrançada já cá canta. É o que dá por a fronha no blogue. Com outro corpinho, mas a carinha laroca é a tua. Também pus a da gorda vestida de inverno. Essa ficou na rubrica antes e depois.E publica lá este meu elogio fúnebre eheheheheheheheh. Imorgado,Isaurita ou Malonguito para os amigos.
Monday, February 28, 2011
By Anonymous on Systematic Rape Reported on the border Angola-DRC on 03/03/11


[...] Ahahahahahahahhahahahahahahahahahhaa. Um dia destes vou enviar para o email do senhor desnudado um cheirinho das poesias ilustradas da sua ilustre amigota afro-anglo-saxónoica. Vai morrer de desejo!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Já percebi que é um pato culto mas alegre! Melhor, vou mandar-lhe um convite para ser um dos participantes desse blog privado! Vá continuem lá a trocar mensagens românticas com os meus comentários. Este vou deixar aos dois e a mais alguns quantos onde também já tenho deixado. Uahahahahahha. Maluki é a minha vítima preferida. E o meu blog privé já tem umas boas centenas de fãs de porno-erotismo. Aliás está inscrito em quase tudo quanto é matéria desta deliciosa natureza por esta blogosfera fora e dentro. Uuuuuuuuahhhhhhhhh!!!!!!! Acabei este ride. Voltarei!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Imorgadinha dos Canaviais
By Anonymous on Just Poetry (xxxvii) on 20/02/11







TESTAMENTO


… quero dançar, dançar sempre até me evaporar, até os meus pés e a minha alma se rasgarem em fragmentos que se espalharão pela terra de todas as vidas que vivi, de todas as vidas que pisei, de todas as vidas que construí e destruí. De todas as vidas que sonhei e nem conheci.

Que o céu me arranque os olhos castanhos e os faça azuis de mar e cinzentos de tempestade. Que os ogros me levem o coração inscrito de sinuosas cicatrizes. E que tu me guardes a pele transparente e inofensiva e dela faças uma janela para coar o sol. O meu sol.

E que a raiva do meu corpo, te deite brutalmente sobre a areia de uma praia qualquer, onde te arrancarei a roupa e os complexos, onde te amputarei o génio e a identidade, onde te extirparei a serenidade e o sorriso, para te possuir, selvagem, extinguindo-me na vontade de te engolir para sempre.

Na intensidade de um orgasmo lúgubre, conseguirei então o que desejo, afinal, e que há de mais belo em ti:

a tua alma pura e frágil!..



[Ana Clara Guerra Marques - "Premio Nacional de Cultura e Artes" de Angola - a.k.a. "A Diva das Kostas Largas (Nuas) do P(h)oder" - publicado no seu blog a 06 de Marco de 2008 , mas de que so' ontem (28/05/11) me apercebi...]






Posts Relacionados:


"O Testamento"...

Media Freedom(s) Quo Vadis?

Important Announcement

Ao Que Algumas Bloggers Estao Sujeitas

Imperial Leather...




Divulgação de fotografias sem consentimento será punida com prisão de até oito anos


A divulgação e oferta, sem consentimento, de filmes e fotografias de outra pessoa através de um sistema de informação poderá ser punido com pena de prisão de dois a oito anos ou com multa correspondente.

A medida consta da Proposta de Lei de Combate à Criminalidade no domínio das Tecnologias de Informação e Comunicação, aprovada recentemente, na generalidade, pelo Parlamento.

O documento elucida que a pena será a mesma ainda que as gravações, filmes e fotografias sejam produzidas licitamente.

O diploma condena com pena de prisão de dois a oito anos quem enviar mensagens electrónicas com intenção de perturbar a paz, o sossego ou vida pessoal, familiar ou sexual de outra pessoa.

A lei considera uma agravante quem cometer crimes de difamação, injúria ou calúnia através de um sistema de informação, sendo punido com as penas previstas no Código Penal, elevadas de um terço dos seus limites mínimos e máximos.

O assédio e exibicionismo sexual com recurso a sistemas de informação poderá ser punido com pena de prisão de três dias a dois anos ou com multa correspondente.

Do mesmo modo, poderão ser condenados os cidadãos que sem permissão legal ou do proprietário do sistema de informação acederem a totalidade ou parte dele.


A referida proposta de lei tem em conta o facto do avanço das Tecnologias de Informação e Comunicação, para além de propiciar o aumento da produção e a melhoria dos métodos de trabalho, através do uso da informática e Internet, facilitar também o surgimento de novas formas de crime informático.

A mesma tem ainda em consideração o facto de Angola se direccionar para um evidente crescimento das Tecnologias de Informação, bem como para um progresso socioeconómico, que consequentemente trará o risco da utilização das redes de informática para a prática de infracções.


[AQUI]


… Tera’ jurisdicao "geograficamente limitada"? Ou, colocado de outra forma, protegera'/beneficiara’ apenas os “angolanos de dentro” ou a “mui respeitavel prata da casa”?


Do que falo?


[imagem daqui]

Por exemplo e so' para citar o caso mais explicito do que tambem faz parte de uma certa sordida e criminosa campanha (... se e' que nao esteve mesmo na sua origem!...), disto e disto e mais, no que constitui apenas uma das ultimas “novidades” da mesma "p(h)onte criativa" (kontemporanea? ... certamente psicopata!...), desta "kamanga", ou “elogio funebre” que fui recuperar ao spam de comentarios deste blog [N.B.: o comentario em questao foi feito aqui , por esta minha irma , que na altura escolheu o seu direito ao anonimato...]:


This blog is one of those places I visit and leave feeling intrigued and enriched in one way or another! AHAHAHHAHAHAHAHAHAHHAHA. Ó barata tonta, és mesmo uma totó, mais triste que a morte. Coitada de ti que até tens de te auto-elogiar e inventar coisas que escreves a fingir que são outras pessoas. Para lá de enganar o pessoal, ó londrina solitária e vem para a tua terra mandar as bocas que mandas aí no bem bom. Tás armada em africana mas a esta hora já deves ter passaporte tuga ou mesmo inglês. Assim também eu ó exiladazita de meia tigela. Ahahahhahaha. Manda aí mais umas puésias,pá! Que para isso tens tu jeitinho. Para te auto-promoveres que eu faço-te isso de borla. Os fãs aumentam e já sabem que a Doutora Paula Santana é uma reputada economista muangolê no exílio. Anda lá pá! A tua bela foto de carapinha postiça entrançada já cá canta. É o que dá por a fronha no blogue. Com outro corpinho, mas a carinha laroca é a tua. Também pus a da gorda vestida de inverno. Essa ficou na rubrica antes e depois.E publica lá este meu elogio fúnebre eheheheheheheheh. Imorgado,Isaurita ou Malonguito para os amigos.
Monday, February 28, 2011
By Anonymous on Systematic Rape Reported on the border Angola-DRC on 03/03/11


[...] Ahahahahahahahhahahahahahahahahahhaa. Um dia destes vou enviar para o email do senhor desnudado um cheirinho das poesias ilustradas da sua ilustre amigota afro-anglo-saxónoica. Vai morrer de desejo!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Já percebi que é um pato culto mas alegre! Melhor, vou mandar-lhe um convite para ser um dos participantes desse blog privado! Vá continuem lá a trocar mensagens românticas com os meus comentários. Este vou deixar aos dois e a mais alguns quantos onde também já tenho deixado. Uahahahahahha. Maluki é a minha vítima preferida. E o meu blog privé já tem umas boas centenas de fãs de porno-erotismo. Aliás está inscrito em quase tudo quanto é matéria desta deliciosa natureza por esta blogosfera fora e dentro. Uuuuuuuuahhhhhhhhh!!!!!!! Acabei este ride. Voltarei!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Imorgadinha dos Canaviais
By Anonymous on Just Poetry (xxxvii) on 20/02/11







TESTAMENTO


… quero dançar, dançar sempre até me evaporar, até os meus pés e a minha alma se rasgarem em fragmentos que se espalharão pela terra de todas as vidas que vivi, de todas as vidas que pisei, de todas as vidas que construí e destruí. De todas as vidas que sonhei e nem conheci.

Que o céu me arranque os olhos castanhos e os faça azuis de mar e cinzentos de tempestade. Que os ogros me levem o coração inscrito de sinuosas cicatrizes. E que tu me guardes a pele transparente e inofensiva e dela faças uma janela para coar o sol. O meu sol.

E que a raiva do meu corpo, te deite brutalmente sobre a areia de uma praia qualquer, onde te arrancarei a roupa e os complexos, onde te amputarei o génio e a identidade, onde te extirparei a serenidade e o sorriso, para te possuir, selvagem, extinguindo-me na vontade de te engolir para sempre.

Na intensidade de um orgasmo lúgubre, conseguirei então o que desejo, afinal, e que há de mais belo em ti:

a tua alma pura e frágil!..



[Ana Clara Guerra Marques - "Premio Nacional de Cultura e Artes" de Angola - a.k.a. "A Diva das Kostas Largas (Nuas) do P(h)oder" - publicado no seu blog a 06 de Marco de 2008 , mas de que so' ontem (28/05/11) me apercebi...]






Posts Relacionados:


"O Testamento"...

Media Freedom(s) Quo Vadis?

Important Announcement

Ao Que Algumas Bloggers Estao Sujeitas

Imperial Leather...

Wednesday, 6 April 2011

Ola’ Matadi!…



Este e’ um ola’ atirado “as cegas” ‘a cortina, por vezes de fumo, por vezes de ferro, que nos vai transformando cada vez mais em “surdos-mudos” (e “cegos”?), mesmo quando usamos meios, como este, inventados supostamente para “nos aproximar e facilitar-nos a comunicacao”…

E’ um ola’ a um velho amigo que, ‘a falta de outra referencia mais recente, incluiria na minha Geracao R – uma geracao em que alguns interiorizaram de tal modo a “rejeicao” que, talvez por nao encontrarem outra saida, nela se 'perderam', enquanto outros, contra ventos, mares e calemas decidiram “rejeita-la” e passar ao largo dela para se afirmarem pessoal, cultural, social e profissionalmente como cidadaos dignos, responsaveis, validos e uteis a sociedade.

Mas creio que todos teremos passado, embora uns mais do que outros e cada um a seu modo, pelos dois lados da reaccao a tal “rejeicao”, e andamos por ai, com maior ou menor sucesso, fazendo a vida e tratando dela – menos os que ficaram pelo caminho e nos abandonaram neste mundo (como este nosso contemporaneo).

E’ um ola’ a um amigo, do que chamaria um pequeno circulo, embora nao exclusivo nem exclusivista e, em grande medida, precario e intermitente, que se manteve em contacto desde os tempos do movimento associativo estudantil de 74/75, se separou entretanto e se voltou a reencontrar, apenas brevemente em alguns casos, na primeira parte da decada de 80.

Ele era um dos poucos que me visitava regularmente sem constrangimentos no(s) meu(s) kubiko(s), quer no do predio da Novembro/Sociborda, quer no do Kinaxixi. Ficavamos a conversa um pouco sobre tudo e nada, ou jogavamos xadrez – demonstrando a nos proprios e a ‘todo o mundo’ que nisso pudesse estar interessado que e’ (sim!) possivel a Amizade e o Respeito Mutuo entre um Homem e uma Mulher sem que a sua relacao tenha forcosamente que envolver sexo e sem que por isso as suas respectivas masculinidade e feminilidade, ou mais precisamente a sua sexualidade, tenham que ser "questionadas"! … Mesmo quando “sozinhos em casa”… o que me lembra aqui, en passant, de uma outra grande amizade masculina nos mesmos moldes na minha vida, que “herdara” das amizades da minha mae, portanto de uma geracao que se separava da nossa por pelo menos uma decada: o Victor Simoes Alexandre (...que saudades…)!

[But, again, that's what separates de The Men from the boys and The Women from the girls!...]

Ja’ nao vejo o Matadi desde aqueles tempos, uns bons 25-30 anos, e apenas voltei a ouvir falar dele pela primeira vez brevemente quando o Buca, outro nosso contemporaneo, esteve comigo em Cape Town ha’ cerca de 5 anos e, mais recentemente, no ano passado, quando soube desta iniciativa dele e de outros seus colegas aquando da tragedia do Haiti. E agora, ha’ alguns dias, atraves desta entrevista, que, para alem de noticias da minha geracao, tambem me deu outras noticias do meu pais.

Mas talvez mais do que um ola’ a um contemporaneo, trata-se de um ola’ a um tempo de angustias ‘a mistura com esperancas; um tempo de desenganos e de busca de certezas…



Este e’ um ola’ atirado “as cegas” ‘a cortina, por vezes de fumo, por vezes de ferro, que nos vai transformando cada vez mais em “surdos-mudos” (e “cegos”?), mesmo quando usamos meios, como este, inventados supostamente para “nos aproximar e facilitar-nos a comunicacao”…

E’ um ola’ a um velho amigo que, ‘a falta de outra referencia mais recente, incluiria na minha Geracao R – uma geracao em que alguns interiorizaram de tal modo a “rejeicao” que, talvez por nao encontrarem outra saida, nela se 'perderam', enquanto outros, contra ventos, mares e calemas decidiram “rejeita-la” e passar ao largo dela para se afirmarem pessoal, cultural, social e profissionalmente como cidadaos dignos, responsaveis, validos e uteis a sociedade.

Mas creio que todos teremos passado, embora uns mais do que outros e cada um a seu modo, pelos dois lados da reaccao a tal “rejeicao”, e andamos por ai, com maior ou menor sucesso, fazendo a vida e tratando dela – menos os que ficaram pelo caminho e nos abandonaram neste mundo (como este nosso contemporaneo).

E’ um ola’ a um amigo, do que chamaria um pequeno circulo, embora nao exclusivo nem exclusivista e, em grande medida, precario e intermitente, que se manteve em contacto desde os tempos do movimento associativo estudantil de 74/75, se separou entretanto e se voltou a reencontrar, apenas brevemente em alguns casos, na primeira parte da decada de 80.

Ele era um dos poucos que me visitava regularmente sem constrangimentos no(s) meu(s) kubiko(s), quer no do predio da Novembro/Sociborda, quer no do Kinaxixi. Ficavamos a conversa um pouco sobre tudo e nada, ou jogavamos xadrez – demonstrando a nos proprios e a ‘todo o mundo’ que nisso pudesse estar interessado que e’ (sim!) possivel a Amizade e o Respeito Mutuo entre um Homem e uma Mulher sem que a sua relacao tenha forcosamente que envolver sexo e sem que por isso as suas respectivas masculinidade e feminilidade, ou mais precisamente a sua sexualidade, tenham que ser "questionadas"! … Mesmo quando “sozinhos em casa”… o que me lembra aqui, en passant, de uma outra grande amizade masculina nos mesmos moldes na minha vida, que “herdara” das amizades da minha mae, portanto de uma geracao que se separava da nossa por pelo menos uma decada: o Victor Simoes Alexandre (...que saudades…)!

[But, again, that's what separates de The Men from the boys and The Women from the girls!...]

Ja’ nao vejo o Matadi desde aqueles tempos, uns bons 25-30 anos, e apenas voltei a ouvir falar dele pela primeira vez brevemente quando o Buca, outro nosso contemporaneo, esteve comigo em Cape Town ha’ cerca de 5 anos e, mais recentemente, no ano passado, quando soube desta iniciativa dele e de outros seus colegas aquando da tragedia do Haiti. E agora, ha’ alguns dias, atraves desta entrevista, que, para alem de noticias da minha geracao, tambem me deu outras noticias do meu pais.

Mas talvez mais do que um ola’ a um contemporaneo, trata-se de um ola’ a um tempo de angustias ‘a mistura com esperancas; um tempo de desenganos e de busca de certezas…