Thursday, 29 March 2012

ON PORNOGRAPHY AS ‘VIOLENCE AGAINST WOMEN’ (Revised and Updated)





On my previous post, I presented extracts from a recent interview by one of Angola’s most prominent writers, Pepetela, including one that made the local headlines where he states that “there is pornographic wealth in Angola.”

For anyone who knows the Angola of the past two or three decades, or reads articles like this one in the international media, that statement doesn’t require much of an explanation. However, the use of the word ‘pornographic’ outside a strictly sexual context may raise in some minds the question of its very definition: “what is pornography?”

For someone instinctively averse to pornography of any kind (as I noted here on the early days of this blog), the answer is straightforward: “pornography is something, anything, which intently seeks to pervert, corrupt and degrade – visually, verbally, graphically, physically, psychologically, or by any other means – the object or subject-matter to which it is inflicted upon, be it love, affection, sex, privacy, identity, or one’s own humanity... And it becomes criminal when is perpetrated against the will, without the consent and under the protest of its victim!
For others, the answers may vary according to their own philosophies of life, or just their degrees of exposure to different kinds of pornography.

Personally, although I had been pornographically attacked before on two occasions, I had never been exposed to pornography, whatever its definition, so persistently and viciously as since I started this blog … It’s a long and painful story that can be traced back to this post, reached a high with this one, then evolved to this one and this one, and this one... until exploding on this one!...

And behind it all was a white woman at the forefront (and the first post I mentioned above, preceded by this one, had on the background my questioning of her gratuitous, obscene, voyeuristic, indecent - in short: pornographic! - exposure on her blog of the most intimate sexuality of a group of Angolan female rural traditional dancers... having done so while revealing that the women in question had expressly said to her that in their culture no men should see or be informed of what they had exceptionally allowed her to see!...), with some men and women of different races and ages on the sidelines and the background - the most 'machista', misogynist, male chauvinist pig, inverted and reverted racist, obnoxious, arrogant ignorant, venal, bullish, bigot and criminal of whom eventually leading me to open this page on Facebook!

So, what do all of them have in common? The simple answer is: being from Angola or Portugal, or just from the Lusophone world in general, where the concept of ‘Black Feminism’ (and, within it, 'Post-Colonial Feminism' in particular) is virtually unheard of, except perhaps for Brazil



And it is at this juncture – Black Feminism/Post-Colonial Feminism – that the issue of “pornography as violence against women” connects with the wider issues of sex, sexuality, sexism, race, ethnicity, gender, class and identity in social interactions.

Again: being instinctively averse to pornography, I cannot tell of the extreme violence the ordeal I have been subject to by that horrendously pervert, despicable white sorry excuse for a woman has constituted to my personal and professional life over the past 5 years!... Not the least because it came on the sequence of another pornographic attack by a black male in the work place which led me to leave a organization I worked for, as I mentioned here; not the least because, with a sordid combination of white supremacy and sexism and amidst the display of disturbing images of Nito Alves before being executed and of Jonas Savimbi dead (two political figures branded by some sectors in Angolan society as "extreme black racists"...) she obsessively targeted her vicious pornographic attacks and vitriol at what I have of most precious: my creative work, my poetry!... Which, by the way, had been from the onset of its publication, back in 1985, subject to "pornographic treatment" of all sorts, as I recalled here... So, she knew exactly what she was doing!... So much so that had no qualms about making it patently clear on her blog:

"E que a raiva do meu corpo, te deite brutalmente sobre a areia de uma praia qualquer, onde te arrancarei a roupa e os complexos, onde te amputarei o génio e a identidade, onde te extirparei a serenidade e o sorriso, para te possuir, selvagem, extinguindo-me na vontade de te engolir para sempre. Na intensidade de um orgasmo lúgubre, conseguirei então o que desejo, afinal, e que há de mais belo em ti: a tua alma pura e frágil!..."
[recorded here]



Worse than that, I cannot put into words what seeing black men and women alike siding with her, particularly when knowing that, some years ago, she had been served with a public letter subscribed by a number of prominent Angolan citizens accusing her of racist practices at the local classical ballet dance school then under her direction!... And worst of all, I’m afraid I will never come past the fact that her arrogance and blatant racism have been fuelled by state-sponsorship (to use her own words, "tenho as costas largas"!...) - not the least because she is one of the recipients of an Angolan "National Prize for Culture and the Arts"!...

And state-sponsorship led to other sponsorship - that of the corporate kind: corporate finance, corporate politics and corporate media alike all went out of their way to roll up their sleeves and get up in arms as a 'multitute of seven dwarfs' in defense and support of the “innocent Snow White in the Jungle” supposedly “molested” by a “deranged, ignorant and predatory Black Woman”!...
And to add insult to injury, through a barrage of insults, I was silenced down, humiliated, demonised, denigrated, tormented, vilified, injured, dehumanised and even received death threats, while my blog was sabotaged, my email hacked, my privacy violated and all my life invaded!
In short: I was publicly lynched in a most unbelievable orgy of hatred - all of which throwing me into a deep depression and forced exile more than ever before!...

Well, as I said, that’s a long story!...



Let’s then go back to the short story: “pornography as violence against women”…
As this year’s March – internationally devoted to Woman in all her dimensions – draws to the end, this issue takes me back to the beginning of the month, when I attended the first event the British Academy dedicated to International Women’s Day, and started an exploration of Nancy Spero’s work. In my account of that event, I briefly mentioned the issue of race: including me, there were only three black women in there and, incidentally, none of us was in the panel. And (need to say?) there were no black men to be seen...

What I didn’t mention then was that during the drinks reception following the formal talks, while the three of us were getting to know each other, one of the panellists, Lisa Tickner, who had presented Nancy Spero, approached our group and one of the other two of us, a writer, questioned her over the legitimacy, or lack thereof, of white women to represent all women, to which I said something to the effect that “maybe that is just because we, black women, are generally under-represented in the academy (noting, in passing, that when I did my MSc at the Economic History Department at the LSE I had been only the third black person, and the first black woman, to have been admitted to that department since its creation), rather than necessarily a result of a conscious unwillingness on the part of the members of the panel, or the British Academy for that matter, to be sensitive to black women’s views and accounts of their own lives, experiences and histories”.

Well, I was left under the impression that my views didn’t sink well with my sista, but I felt somehow justified when I came across this interview by Nancy Spero with Sue Williams. Through it you will be able to relate to all the questions around the issue of “pornography as violence against women” I have raised so far. You will also be able to better understand what “Black Feminism” is all about – particularly if you pay attention to what they say on Lorna Simpson’s art work.

And, hopefully, you will also understand why is it that, at least in my experience, it is from the Lusophone countries, with Portugal and Angola at the forefront, that most resistance to contemporary notions of Black Feminism (and I say this while not considering myself a “feminist tout court”, as once I’ve noted here and, as much as I sympathise with the concept, not even a "womanist" as Alice Walker would have it, but quite simply a "humanist"), or Post-Colonial Feminism, comes from: post-colonial Angola is just an offspring of the brand of absolutist and totalitarian communist amoral/immoral left, which, from Portugal, has hold sway over our shores since 1974/75 (and then 'implemented' over the years by Cuba), and now with a renewed impetus under the novel winds of “recolonisation”:

Proud of its 'lusotropicalist and assimilationist ancestry', amidst confused/confusing notions and practices of "white negritude" and the replacement of "humanist ethics" by "ideological ethics" and of the Human and Social Sciences with ideologically inspired fictional literature and poetry and vulturistic art, not to mention the 'traditional' practice established by the founding father of the nation of 'educated' black men predominantly marrying white or light-skinned women, it very simplistically and insensitively, yet totally self-righteously (as Carlos Moore put it: "with Tarzan complex"), made ‘tabua rasa’ [or to use Sue William's words on her painting, After the Revolution, at the top of this post: "After the Revolution (the 'homage to women's groups') is Viva no Differencia and the Fascists are Left"!...] of all issues that composed the various dimensions of the colonial experience (e.g., while keeping pretty much a conservative view towards women's sexuality and reproductive rights - as in here and here - it wiped off gender issues from its discourse, except to 'proclaim' that men and women "ought to be equal" from the war fields, political prison cells and "re-education camps" to the literary production... it swept all race and ethnic-related issues under the rug of "monstros raciais e taras tribais", or "complexos de colonizado"!...), even though these issues have manifestly underpinned the long protracted post-independence conflict in the country, except for the “class struggle” - and not even that it was able to "manage" to its "ultimate consequences": the old top-down class stratification has never ceased to dictate all sorts of social relations in Angola in the post-colonial period, as the existing 'pornographic wealth' mentioned at the start of this post clearly states, or indeed the entire posture of 'that white evil sorry excuse for a woman', who has allways been privileged both in the colonial and the post-colonial periods, towards me leaves no room for doubt, or as it can be gathered from this story about a "friend" that I used to have, written "at the request" of this 'new' friend of hers!...
In fact, all the MPLA history is drenched in that same old race-based class stratification of the "O Mundo Que o Portugues Criou" and has always been determined by it. Hence my questioning of the Marxist theory's empirical basis as it relates to African History, Cultures and Societies, as I have expressed a while back here.

[As Mozambican sociologist Elísio Macamo argues in a recent article, Social Criticism and Contestation: Reflections on the Politics of Anger and Outrage: "If one looks at the context of politics in these two countries (Angola and Mozambique) in terms of the descriptive framework suggested here, one aspect comes immediately to light. At no point in their political history did they really manage to create the conditions for moral debate to take place. While they fought the wars of independence in the name of citizenship, their post-independence policies failed to define the citizenry in ways which would have given them a stake in moral argument. The commitment to building socialist societies meant in effect that the moral obligations of individuals were defined by those wielding political power. Angolans and Mozambicans remained subjects, not citizens, of a system of domination that took the burden of moral responsibility away from the individual and invested it on a vanguard party of cadres who were held to be in a position to interpret the will of the people.]

Thus, it just has this to say to us, Black Women: “on the face of racial, ethnic, sexual, gender or any other kind of abuse and attacks on your personality, integrity, dignity, identity and humanity, be calm, cool and collected, otherwise you’ll be branded a ‘ignorant, racist, extremist, terrorist, predatory and deranged black woman’!...
And we will brand the spectra of Nito Alves and Jonas Savimbi all over you and then invoke Simone de Beauvoir to deny your 'womanhood from the birth', Gilberto Freyre to strip you of your identity and  Nelson Mandela to put you to rest once and for all!... As for your attackers, abusers and persecutors they can just get away with murder and end of story!...”

That's, after all, all they had to say along the centuries of colonial rule to all the Black Mothers of their "beloved" skin-deep, fair and straight long-haired "Creole Nation"!...

So… I’ll just shut up and leave you with extracts from that enlightening conversation (and this is not to mean that I totally subscribe to all their views) between Nancy Spero (NS) and Sue Williams (SW):



(NS) I express anger, dissatisfaction, in my art work. I also show women enjoying their own sexual pleasure. But let’s say in conversation I will not be as confidential or expose myself to the degree that I do in my art. So, with that in mind, I’ll ask you a few questions that could refer to both of us.

(SW) People think that I’m like my paintings, liberated and aggressive. When they meet me, they find that I’m shy and not too in control of my life. The work helps me to evolve.

(…)

(NS) Your work is critical of abuse of women, is it a call for action, getting out on the streets?

(SW) It’s different than wanting to do real things. They’re my babies, those paintings, so they’re not strictly teaching tools. They’re things that I create, and I like to. Somebody had told me that women thought my show was negative, which I had never heard before, since most people only want to say nice things to your face. And I thought, negative? I had always thought it was kind of happy.

(…)

(NS) Canadian law has taken over Catherine McKinnon’s definition of pornography as, “Material that subordinates or degrades women.”

We cannot ignore the threat to equality, resulting in exposure to all audiences of certain types of violent and degrading material. Material portraying women as a class, as objects for sexual exploitation and abuse, and the negative impact on the individual’s sense of self-worth and acceptance. (from The Nation)

When you depict a baseball bat shoved up a woman’s butt, that could be vicious porn. Let’s say you are showing in a Toronto gallery—Canada is the first place in the world that says what is legally obscene and what harms women. How do they know that your piece harms women?

(SW) They lay out little doilies. (laughter)

(NS) There’s a slogan: “Pornography is violence against women.” It doesn’t say that it causes violence. If it depicts it, is that in itself, violence against women?

(SW) You can say that men cause violence to women, so they should be banned, not just the photos. The photos aren’t the violence.

(…)

(NS) In the early ‘70s that was true too, but it was more conceptual. And now, the body in art has returned. During the ‘80s, I was attacked for using images of women. This has to do with one feminist theory that women artists should avoid creating a woman’s image for men.

(SW) Right, that’s the party line.

(NS) I could not abide more limits and regulations — you and other women like Kiki Smith, Lorna Simpson, Clarisa Sligh are all involved in the images of the female body in very different ways. Shifting times and interests.

(SW) I never thought of that, not being able to use the body, but your work is conceptual. You take from what’s already out there, don’t really alter it a lot—you’re not messing with it. The work becomes a whole new language; it’s not male art.

(NS) It’s a tool to investigate, to attack, to celebrate. In The Second Sex, Simone de Beauvoir discusses women and their smiles, smiles to please, to accommodate. A woman has to be ready with a smile to ward off potential aggressors, not to give signals of fear.

(…)

(NS) I’m married to Leon Golub, and we have three grown sons. I would imagine that some women who don’t know me but have seen my art work wonder how I have been associated with a male artist all these years. Or male artists, or men in general wonder how he could be associated with me. It may seem illogical to them, but that’s not the point. We respect the straight forwardness of each other.

We were discussing how, in the ‘80s, a few feminists condemned the visual depiction of the female body because the woman’s image had been so subsumed under the “mastery” of the male artists’ gaze. An interesting point, but not necessarily to turn it on ourselves, once more limiting emotionally what “good girl” artists are supposed to represent. But I wanted to investigate women’s conditions from the extreme repression and torture of political prisoners to that of women as protagonist, activators freed of male control. I am trying to set things in motion, to re-inscribe women in history. We’ve always been there but we’ve been written out.

(…)

(NS) … Do you think that your work would be less appreciated by some women of color? Would there be a resentment towards your experience as a white woman? You might even still, in this terrible situation, be more privileged.

(SW) Yeah, I probably am more privileged in some ways, but then again, the system is the system. A busload of predominantly black women from Atlanta who had been abused came in to the show and wrote some comments. That’s quite a compliment for them to come and see my work, for them to see what an artist is saying about them. That made me feel really proud. At the same time, I saw Lorna Simpson’s show. It was really heavy work and it made me mad because it was true, and I don’t want to feel privileged. Maybe they had resentments because the lady was white.

(NS) Allegiances are mixed, many black women feel white women have not treated them equitably. All these differences of class, race, ethnicity, age, culture.

(SW) Males see my show and they don’t like it, they almost don’t believe it. I had the same reaction when I saw Lorna’s (Simpson) show. She was saying things as a black woman that I don’t know about. Each little thing was representative of her culture.

(…) I wanted to ask you, do you feel like you have a voice and you can speak?

(NS) It took decades but now I get my message out. I’d been working as an artist for 30 years without much response. Then around ‘83 the situation changed, or partially changed. The work reverberated, the same stuff hidden all those years. I infiltrate and subvert and celebrate, as I wish. Earlier in my career, I was excluded, ignored. I was angry and frustrated in my attempts to get some sort of dialogue going. I used fragmented writings of Antonin Artaud collaged with painted images as a means to express my rage at being silenced as an artist [1969-72, the Artaud Paintings and Codex Artaud]. Artaud’s tirades and screams of rage and anguish, his extreme introspection of physical and mental states resonated for me. If his hysterical and insane ravings would have been written by a woman, they would not have survived nor gained this recognition. Women artists are in the world too and will not be silenced.

(SW) I had no world. I could not function in the world I was in.

(NS) It’s tough entering the art world, becoming a participant. It’s a small elitist enclave—a special world, but then one may find a place.

(SW) It’s such a relief. I almost feel like a human being. I still have a prejudice against women. I mean why would I want to look at the past of women; it’s boring. They are not the ones who really did anything.

(NS) It’s a matter of learning the histories of other women—how women have been written out of history. How the struggle for equality has to be fought and won, over and over. It’s as if we always have to start from zero.

(SW) That’s what happened to all our energy. It’s gone somewhere else, not into the world.


“As far as I knew white women were never lonely, except in books. White men adored them, Black men desired them, and Black women worked for them” - Maya Angelou


RELATED POSTS:

Just... Injustice!

Human Rights: Looking Beyond the Declaration(s)

Parafraseando

A Proposito dos Monologos da Vagina

Poder no Feminino

Mulheres de Domingo

Mulheres a Preto e Branco

A Orgia

De Volta a Muxima

The Burden of The Black Woman

BULLIES!!!...





On my previous post, I presented extracts from a recent interview by one of Angola’s most prominent writers, Pepetela, including one that made the local headlines where he states that “there is pornographic wealth in Angola.”

For anyone who knows the Angola of the past two or three decades, or reads articles like this one in the international media, that statement doesn’t require much of an explanation. However, the use of the word ‘pornographic’ outside a strictly sexual context may raise in some minds the question of its very definition: “what is pornography?”

For someone instinctively averse to pornography of any kind (as I noted here on the early days of this blog), the answer is straightforward: “pornography is something, anything, which intently seeks to pervert, corrupt and degrade – visually, verbally, graphically, physically, psychologically, or by any other means – the object or subject-matter to which it is inflicted upon, be it love, affection, sex, privacy, identity, or one’s own humanity... And it becomes criminal when is perpetrated against the will, without the consent and under the protest of its victim!
For others, the answers may vary according to their own philosophies of life, or just their degrees of exposure to different kinds of pornography.

Personally, although I had been pornographically attacked before on two occasions, I had never been exposed to pornography, whatever its definition, so persistently and viciously as since I started this blog … It’s a long and painful story that can be traced back to this post, reached a high with this one, then evolved to this one and this one, and this one... until exploding on this one!...

And behind it all was a white woman at the forefront (and the first post I mentioned above, preceded by this one, had on the background my questioning of her gratuitous, obscene, voyeuristic, indecent - in short: pornographic! - exposure on her blog of the most intimate sexuality of a group of Angolan female rural traditional dancers... having done so while revealing that the women in question had expressly said to her that in their culture no men should see or be informed of what they had exceptionally allowed her to see!...), with some men and women of different races and ages on the sidelines and the background - the most 'machista', misogynist, male chauvinist pig, inverted and reverted racist, obnoxious, arrogant ignorant, venal, bullish, bigot and criminal of whom eventually leading me to open this page on Facebook!

So, what do all of them have in common? The simple answer is: being from Angola or Portugal, or just from the Lusophone world in general, where the concept of ‘Black Feminism’ (and, within it, 'Post-Colonial Feminism' in particular) is virtually unheard of, except perhaps for Brazil



And it is at this juncture – Black Feminism/Post-Colonial Feminism – that the issue of “pornography as violence against women” connects with the wider issues of sex, sexuality, sexism, race, ethnicity, gender, class and identity in social interactions.

Again: being instinctively averse to pornography, I cannot tell of the extreme violence the ordeal I have been subject to by that horrendously pervert, despicable white sorry excuse for a woman has constituted to my personal and professional life over the past 5 years!... Not the least because it came on the sequence of another pornographic attack by a black male in the work place which led me to leave a organization I worked for, as I mentioned here; not the least because, with a sordid combination of white supremacy and sexism and amidst the display of disturbing images of Nito Alves before being executed and of Jonas Savimbi dead (two political figures branded by some sectors in Angolan society as "extreme black racists"...) she obsessively targeted her vicious pornographic attacks and vitriol at what I have of most precious: my creative work, my poetry!... Which, by the way, had been from the onset of its publication, back in 1985, subject to "pornographic treatment" of all sorts, as I recalled here... So, she knew exactly what she was doing!... So much so that had no qualms about making it patently clear on her blog:

"E que a raiva do meu corpo, te deite brutalmente sobre a areia de uma praia qualquer, onde te arrancarei a roupa e os complexos, onde te amputarei o génio e a identidade, onde te extirparei a serenidade e o sorriso, para te possuir, selvagem, extinguindo-me na vontade de te engolir para sempre. Na intensidade de um orgasmo lúgubre, conseguirei então o que desejo, afinal, e que há de mais belo em ti: a tua alma pura e frágil!..."
[recorded here]



Worse than that, I cannot put into words what seeing black men and women alike siding with her, particularly when knowing that, some years ago, she had been served with a public letter subscribed by a number of prominent Angolan citizens accusing her of racist practices at the local classical ballet dance school then under her direction!... And worst of all, I’m afraid I will never come past the fact that her arrogance and blatant racism have been fuelled by state-sponsorship (to use her own words, "tenho as costas largas"!...) - not the least because she is one of the recipients of an Angolan "National Prize for Culture and the Arts"!...

And state-sponsorship led to other sponsorship - that of the corporate kind: corporate finance, corporate politics and corporate media alike all went out of their way to roll up their sleeves and get up in arms as a 'multitute of seven dwarfs' in defense and support of the “innocent Snow White in the Jungle” supposedly “molested” by a “deranged, ignorant and predatory Black Woman”!...
And to add insult to injury, through a barrage of insults, I was silenced down, humiliated, demonised, denigrated, tormented, vilified, injured, dehumanised and even received death threats, while my blog was sabotaged, my email hacked, my privacy violated and all my life invaded!
In short: I was publicly lynched in a most unbelievable orgy of hatred - all of which throwing me into a deep depression and forced exile more than ever before!...

Well, as I said, that’s a long story!...



Let’s then go back to the short story: “pornography as violence against women”…
As this year’s March – internationally devoted to Woman in all her dimensions – draws to the end, this issue takes me back to the beginning of the month, when I attended the first event the British Academy dedicated to International Women’s Day, and started an exploration of Nancy Spero’s work. In my account of that event, I briefly mentioned the issue of race: including me, there were only three black women in there and, incidentally, none of us was in the panel. And (need to say?) there were no black men to be seen...

What I didn’t mention then was that during the drinks reception following the formal talks, while the three of us were getting to know each other, one of the panellists, Lisa Tickner, who had presented Nancy Spero, approached our group and one of the other two of us, a writer, questioned her over the legitimacy, or lack thereof, of white women to represent all women, to which I said something to the effect that “maybe that is just because we, black women, are generally under-represented in the academy (noting, in passing, that when I did my MSc at the Economic History Department at the LSE I had been only the third black person, and the first black woman, to have been admitted to that department since its creation), rather than necessarily a result of a conscious unwillingness on the part of the members of the panel, or the British Academy for that matter, to be sensitive to black women’s views and accounts of their own lives, experiences and histories”.

Well, I was left under the impression that my views didn’t sink well with my sista, but I felt somehow justified when I came across this interview by Nancy Spero with Sue Williams. Through it you will be able to relate to all the questions around the issue of “pornography as violence against women” I have raised so far. You will also be able to better understand what “Black Feminism” is all about – particularly if you pay attention to what they say on Lorna Simpson’s art work.

And, hopefully, you will also understand why is it that, at least in my experience, it is from the Lusophone countries, with Portugal and Angola at the forefront, that most resistance to contemporary notions of Black Feminism (and I say this while not considering myself a “feminist tout court”, as once I’ve noted here and, as much as I sympathise with the concept, not even a "womanist" as Alice Walker would have it, but quite simply a "humanist"), or Post-Colonial Feminism, comes from: post-colonial Angola is just an offspring of the brand of absolutist and totalitarian communist amoral/immoral left, which, from Portugal, has hold sway over our shores since 1974/75 (and then 'implemented' over the years by Cuba), and now with a renewed impetus under the novel winds of “recolonisation”:

Proud of its 'lusotropicalist and assimilationist ancestry', amidst confused/confusing notions and practices of "white negritude" and the replacement of "humanist ethics" by "ideological ethics" and of the Human and Social Sciences with ideologically inspired fictional literature and poetry and vulturistic art, not to mention the 'traditional' practice established by the founding father of the nation of 'educated' black men predominantly marrying white or light-skinned women, it very simplistically and insensitively, yet totally self-righteously (as Carlos Moore put it: "with Tarzan complex"), made ‘tabua rasa’ [or to use Sue William's words on her painting, After the Revolution, at the top of this post: "After the Revolution (the 'homage to women's groups') is Viva no Differencia and the Fascists are Left"!...] of all issues that composed the various dimensions of the colonial experience (e.g., while keeping pretty much a conservative view towards women's sexuality and reproductive rights - as in here and here - it wiped off gender issues from its discourse, except to 'proclaim' that men and women "ought to be equal" from the war fields, political prison cells and "re-education camps" to the literary production... it swept all race and ethnic-related issues under the rug of "monstros raciais e taras tribais", or "complexos de colonizado"!...), even though these issues have manifestly underpinned the long protracted post-independence conflict in the country, except for the “class struggle” - and not even that it was able to "manage" to its "ultimate consequences": the old top-down class stratification has never ceased to dictate all sorts of social relations in Angola in the post-colonial period, as the existing 'pornographic wealth' mentioned at the start of this post clearly states, or indeed the entire posture of 'that white evil sorry excuse for a woman', who has allways been privileged both in the colonial and the post-colonial periods, towards me leaves no room for doubt, or as it can be gathered from this story about a "friend" that I used to have, written "at the request" of this 'new' friend of hers!...
In fact, all the MPLA history is drenched in that same old race-based class stratification of the "O Mundo Que o Portugues Criou" and has always been determined by it. Hence my questioning of the Marxist theory's empirical basis as it relates to African History, Cultures and Societies, as I have expressed a while back here.

[As Mozambican sociologist Elísio Macamo argues in a recent article, Social Criticism and Contestation: Reflections on the Politics of Anger and Outrage: "If one looks at the context of politics in these two countries (Angola and Mozambique) in terms of the descriptive framework suggested here, one aspect comes immediately to light. At no point in their political history did they really manage to create the conditions for moral debate to take place. While they fought the wars of independence in the name of citizenship, their post-independence policies failed to define the citizenry in ways which would have given them a stake in moral argument. The commitment to building socialist societies meant in effect that the moral obligations of individuals were defined by those wielding political power. Angolans and Mozambicans remained subjects, not citizens, of a system of domination that took the burden of moral responsibility away from the individual and invested it on a vanguard party of cadres who were held to be in a position to interpret the will of the people.]

Thus, it just has this to say to us, Black Women: “on the face of racial, ethnic, sexual, gender or any other kind of abuse and attacks on your personality, integrity, dignity, identity and humanity, be calm, cool and collected, otherwise you’ll be branded a ‘ignorant, racist, extremist, terrorist, predatory and deranged black woman’!...
And we will brand the spectra of Nito Alves and Jonas Savimbi all over you and then invoke Simone de Beauvoir to deny your 'womanhood from the birth', Gilberto Freyre to strip you of your identity and  Nelson Mandela to put you to rest once and for all!... As for your attackers, abusers and persecutors they can just get away with murder and end of story!...”

That's, after all, all they had to say along the centuries of colonial rule to all the Black Mothers of their "beloved" skin-deep, fair and straight long-haired "Creole Nation"!...

So… I’ll just shut up and leave you with extracts from that enlightening conversation (and this is not to mean that I totally subscribe to all their views) between Nancy Spero (NS) and Sue Williams (SW):



(NS) I express anger, dissatisfaction, in my art work. I also show women enjoying their own sexual pleasure. But let’s say in conversation I will not be as confidential or expose myself to the degree that I do in my art. So, with that in mind, I’ll ask you a few questions that could refer to both of us.

(SW) People think that I’m like my paintings, liberated and aggressive. When they meet me, they find that I’m shy and not too in control of my life. The work helps me to evolve.

(…)

(NS) Your work is critical of abuse of women, is it a call for action, getting out on the streets?

(SW) It’s different than wanting to do real things. They’re my babies, those paintings, so they’re not strictly teaching tools. They’re things that I create, and I like to. Somebody had told me that women thought my show was negative, which I had never heard before, since most people only want to say nice things to your face. And I thought, negative? I had always thought it was kind of happy.

(…)

(NS) Canadian law has taken over Catherine McKinnon’s definition of pornography as, “Material that subordinates or degrades women.”

We cannot ignore the threat to equality, resulting in exposure to all audiences of certain types of violent and degrading material. Material portraying women as a class, as objects for sexual exploitation and abuse, and the negative impact on the individual’s sense of self-worth and acceptance. (from The Nation)

When you depict a baseball bat shoved up a woman’s butt, that could be vicious porn. Let’s say you are showing in a Toronto gallery—Canada is the first place in the world that says what is legally obscene and what harms women. How do they know that your piece harms women?

(SW) They lay out little doilies. (laughter)

(NS) There’s a slogan: “Pornography is violence against women.” It doesn’t say that it causes violence. If it depicts it, is that in itself, violence against women?

(SW) You can say that men cause violence to women, so they should be banned, not just the photos. The photos aren’t the violence.

(…)

(NS) In the early ‘70s that was true too, but it was more conceptual. And now, the body in art has returned. During the ‘80s, I was attacked for using images of women. This has to do with one feminist theory that women artists should avoid creating a woman’s image for men.

(SW) Right, that’s the party line.

(NS) I could not abide more limits and regulations — you and other women like Kiki Smith, Lorna Simpson, Clarisa Sligh are all involved in the images of the female body in very different ways. Shifting times and interests.

(SW) I never thought of that, not being able to use the body, but your work is conceptual. You take from what’s already out there, don’t really alter it a lot—you’re not messing with it. The work becomes a whole new language; it’s not male art.

(NS) It’s a tool to investigate, to attack, to celebrate. In The Second Sex, Simone de Beauvoir discusses women and their smiles, smiles to please, to accommodate. A woman has to be ready with a smile to ward off potential aggressors, not to give signals of fear.

(…)

(NS) I’m married to Leon Golub, and we have three grown sons. I would imagine that some women who don’t know me but have seen my art work wonder how I have been associated with a male artist all these years. Or male artists, or men in general wonder how he could be associated with me. It may seem illogical to them, but that’s not the point. We respect the straight forwardness of each other.

We were discussing how, in the ‘80s, a few feminists condemned the visual depiction of the female body because the woman’s image had been so subsumed under the “mastery” of the male artists’ gaze. An interesting point, but not necessarily to turn it on ourselves, once more limiting emotionally what “good girl” artists are supposed to represent. But I wanted to investigate women’s conditions from the extreme repression and torture of political prisoners to that of women as protagonist, activators freed of male control. I am trying to set things in motion, to re-inscribe women in history. We’ve always been there but we’ve been written out.

(…)

(NS) … Do you think that your work would be less appreciated by some women of color? Would there be a resentment towards your experience as a white woman? You might even still, in this terrible situation, be more privileged.

(SW) Yeah, I probably am more privileged in some ways, but then again, the system is the system. A busload of predominantly black women from Atlanta who had been abused came in to the show and wrote some comments. That’s quite a compliment for them to come and see my work, for them to see what an artist is saying about them. That made me feel really proud. At the same time, I saw Lorna Simpson’s show. It was really heavy work and it made me mad because it was true, and I don’t want to feel privileged. Maybe they had resentments because the lady was white.

(NS) Allegiances are mixed, many black women feel white women have not treated them equitably. All these differences of class, race, ethnicity, age, culture.

(SW) Males see my show and they don’t like it, they almost don’t believe it. I had the same reaction when I saw Lorna’s (Simpson) show. She was saying things as a black woman that I don’t know about. Each little thing was representative of her culture.

(…) I wanted to ask you, do you feel like you have a voice and you can speak?

(NS) It took decades but now I get my message out. I’d been working as an artist for 30 years without much response. Then around ‘83 the situation changed, or partially changed. The work reverberated, the same stuff hidden all those years. I infiltrate and subvert and celebrate, as I wish. Earlier in my career, I was excluded, ignored. I was angry and frustrated in my attempts to get some sort of dialogue going. I used fragmented writings of Antonin Artaud collaged with painted images as a means to express my rage at being silenced as an artist [1969-72, the Artaud Paintings and Codex Artaud]. Artaud’s tirades and screams of rage and anguish, his extreme introspection of physical and mental states resonated for me. If his hysterical and insane ravings would have been written by a woman, they would not have survived nor gained this recognition. Women artists are in the world too and will not be silenced.

(SW) I had no world. I could not function in the world I was in.

(NS) It’s tough entering the art world, becoming a participant. It’s a small elitist enclave—a special world, but then one may find a place.

(SW) It’s such a relief. I almost feel like a human being. I still have a prejudice against women. I mean why would I want to look at the past of women; it’s boring. They are not the ones who really did anything.

(NS) It’s a matter of learning the histories of other women—how women have been written out of history. How the struggle for equality has to be fought and won, over and over. It’s as if we always have to start from zero.

(SW) That’s what happened to all our energy. It’s gone somewhere else, not into the world.


“As far as I knew white women were never lonely, except in books. White men adored them, Black men desired them, and Black women worked for them” - Maya Angelou


RELATED POSTS:

Just... Injustice!

Human Rights: Looking Beyond the Declaration(s)

Parafraseando

A Proposito dos Monologos da Vagina

Poder no Feminino

Mulheres de Domingo

Mulheres a Preto e Branco

A Orgia

De Volta a Muxima

The Burden of The Black Woman

BULLIES!!!...

Wednesday, 28 March 2012

Gostei de Ler [5]



(...)

Para já eu estou cada vez mais velho, cada mais anarquista, e acredito muito pouco na fórmula partido.
Antes dizia que tinha dúvidas sobre a fórmula partido, hoje digo que acredito cada vez menos nesta fórmula. Não me parece que seja uma fórmula que avance muito. Acaba por ser sempre um aparelho que condiciona tudo o resto, um partido pode ter muitos militantes, mas há um aparelhozinho que condiciona tudo o resto. A Revolução francesa fez-se sem partidos, mas com clubes de pensadores. É claro que também era tudo anárquico, mas eu acho que devia haver possibilidades sem estar amarrado a um partido, mas estamos a tender cada vez mais para a consolidação da fórmula partido.
Eu não sei deste caso que falou do Abel Chivukuvuku, mas será interessante seguir e ver o que vai dar. Se conseguir apanhar pessoas que foram do partido A, B e C será interessante ver isso.

(...)

Hoje as pessoas dentro do MPLA exteriorizam mais facilmente ideias contrárias?

Eu acho que têm mais essa possibilidade. Duvido que o façam, mas ai há outro problema.

Qual?

Começa a tocar em interesses. E as pessoas ficam à espera, na expectativa. Criou-se a obsessão do que só o chefe pensa. E fica a impressão de que cinco milhões de pessoas não pensam, à espera que o chefe pense. É a ideia que dá. E depois o chefe diz uma frase e essa frase vira slogan que aparece em todo o lado. Só não aparece nas paredes porque agora a malta deixou de pintar as paredes.
É um certo seguidismo que se instalou, sem dúvida alguma. Mas depende das épocas. Agora é época de eleições portanto o seguidismo tem de ser muito forte, temos de estar todos unidos. Depois há maior dispersão. Isso nota-se nos comentários de algumas pessoas que mudam o discurso conforme a época política e os interesses pessoais. Sem dúvida, uma coisa que foi discutida há muitos anos no MPLA é o direito das tendências.

(...)

Em certa medida e em relação a uns tantos membros, o MPLA parece clientelista, pois eles se aproveitam do facto de serem militantes para obterem benefícios. Não falo da grande massa de militantes e simpatizantes que pouco ganham com o facto de o serem. Mas a nível de responsáveis, muitos têm negócios que só prosperam por causa da sua posição política. E ostentam as riquezas de forma pornográfica, por isso não há como enganar.

(...)

A oposição parlamentar dá-me a ideia que está apenas pelo dinheiro do Estado. É verdade que também não se dá muito espaço à oposição para dar a conhecer todas as suas ideias. Eles queixam-se muito disso, que a imprensa favorece o partido no poder, mas parece-me que com esta oposição o MPLA está tranquilo: tem mais cem anos. Portanto será interessante vermos esta experiência de um novo partido e ver se agita um bocado as águas.

(...)

O que lhe parece a “ousadia” de Lukoki durante a última reunião do Comité central onde terá levantado a questão da distribuição da riqueza nacional e a da sucessão como pontos para uma próxima reunião do CC, por sinal agendada para esta sexta-feira.

O Ambrósio Lukoki, de quem me orgulho de ser amigo, é um homem vertical, de grande coragem e frontalidade, qualidades essas que lhe têm valido problemas sérios. Ele só teve a ousadia de dizer o que mais de metade da sala pensava mas, como sempre, cala. Fora, batem-lhe nas costas a dizer, falaste bem. Lá dentro, nem o defendem dos mesmos mabecos de sempre, a tentar morder as canelas dos grandes homens.
Como é que se processará a transição de JES para um novo PR?

Esta é outra questão que devia ser pacifica, banal e que se torna um problema quase divino. O mundo acaba quando se pensa na sucessão. Deveria ser uma coisa quase banal porque as pessoas vão, deixam os cargos, vão descansar, é normal essa substituição de geração. E tem havido essa substituição de geração ao nível do MPLA, nas estruturas intermédias e mesmo ao nível do Bureau Político onde hoje há pessoas que são bastante mais novas do que aqueles que fizeram a luta de libertação. Agora, realmente esta é uma questão que acaba por se tornar complicada e quanto mais há segredos a volta disso, mais secretismo mais complicado fica.

E já é hora de se desmistificar essa questão?

Exactamente, abre-se o jogo tranquilamente. O Presidente não é eterno, ninguém é eterno, só Deus para os crentes. Nem o planeta terra é eterno. Acreditamos que tem de haver uma substituição, vamos ver quando, como e falamos sobre isso. Mas é um tabu, é um sacrilégio, mas é claro que toda a gente anda a murmurar nos cantos.

Não será por causa de algumas resistências internas?

Provavelmente haverá várias forcas a querer ganhar mais poder, representadas por pessoas, essa é uma realidade que acontece nos partidos, há lutas. Agora podem ser lutas mais abertas ou mais tranquilas.

E neste caso?

Neste caso é um tabu. E eu acho que as pessoas têm medo que AB ou C estejam a pensar qualquer coisa. Houve umas pessoas que aqui há uns anos atrás admitiam a hipótese de ser candidatos, mas isso é normal, mas as pessoas normalmente criam uma onda de indignação que percorre as fileiras porque alguém ousou dizer que pode substituir o presidente.

(...)

Quando falamos do impacto das manifestações e em face dos novos desenvolvimentos o que lhe pergunto é: Será mesmo que a visão de que os militantes despertaram pelo facto de serem muito mais contra o exíguo número de manifestantes é verdade, quando vemos as imagens da porrada a que foram alvos na sua última manifestação. Ou como explicar isso?

O MPLA de facto aparenta ter mais medo dos jovens que tentam se manifestar que dos partidos da oposição. Estes são aparelhos e como tal podem ser controlados, manobrados, enfraquecidos, etc... Já os manifestantes, mobilizados por meios mais difíceis de controlar, podem aparecer como um perigo muito maior, imprevisível. Parece absurdo um partido que diz ter cinco milhões de membros tremer perante um pequeno grupo de jovens que quer gritar a sua revolta, mas é um facto. Por outro lado, esse pequeno grupo poderá crescer por causa da resposta inadequada das autoridades. Não é aceitável que apareçam pessoas, que se declaram organizadas, atacando os manifestantes, impedindo que eles exerçam um direito constitucional, perante órgãos do Estado, impávidos e serenos. Assim não se aprofunda a democracia, antes pelo contrário, indica uma regressão que acabará por sair muito cara num futuro mais ou menos breve. Quem impede uma manifestação legítima e pacífica tem de ser processado e posto em situação de não voltar a repetir o gesto, seja quem for o seu mandante. Este filme já foi visto, demasiado parecido com os lumpens recrutados por Mussolini e Hitler para atacar os verdadeiros democratas e progressistas. Para que não seja o caso, o Estado tem de ser claro: está do lado da Constituição ou contra ela?

(...)

Como avalia as relações entre Angola e Portugal?

De um modo geral são boas. Foram más e estão melhores. Acho que há equívocos. Bastantes equívocos.

Que equívocos?

Acho que há algumas pessoas na parte angolana. Por um lado, um certo saudosismo e, por outro lado, uma espécie de revanche e em termos económicos há uma vontade de comprar coisas em Portugal fazendo por vezes péssimos negócios. Eu também vi que a Sonangol comprou coisas no Iraque e no Irão que foram um desastre, nem se fala nisso, mas temos de ter atenção porque está-se a meter dinheiro do Estado. Agora, os particulares se querem ter um castelo, isso ai é com eles. Acho que devia haver maior transparência. Que a nação fosse informada que foram compradas quotas ou empresas e que não saibamos disso só quando há uma maka lá fora. E no caso de Portugal há negócios muito escuros e muitos deles serão prejudiciais a Angola e entretanto vemos algumas pessoas que nunca gostaram de nós e que agora abraçam-nos e só não bejam na boca porque parece mal. São relações de conveniência, no discurso oficial são relações de amizade e o passado comum. Mas isso é conversa. O negócio entre os países é feito apenas na base de interesses. E não há aqui sentimentos, sentimentos há entre nós intelectuais, mas os assuntos de Estado são negócios.

(...)

4 anos depois, como avalia o mandato de Barack Obama?

Eu sou um dos que ficou muito entusiasmado por Obama antes dele ser eleito. Eu conheci o Obama em 2004 quando estive uma época nos EUA e em que ele começava a despontar no partido democrata.
Vários amigos meus chamavam-me atenção e quando ele profere aquele discurso magnifico de apresentação do John Terry então diziam que eche homo (ai está o homem!). eu torci por ele. E sempre disse que no dia seguinte à sua eleição estaria contra ele porque a partir do momento em que ele é o Presidente dos Estados Unidos faria uma política da qual não estaria de acordo.
De qualquer modo acho que foi um avanço civilizacional ele ter sido eleito, mas para uma pessoa que recebe o prémio nobel logo no primeiro ano de mandato acho que já fez guerras há mais. E ainda se está a preparar para fazer outra. Gostaria de dizê-lo isso na cara. É verdade que já havia muito prémio nobel mal atribuído, mas para quem não tinha feito nada ainda pela paz e ele recebeu logo é porque o mundo ou o comité nobel, queria que ele fizesse mais. Também é verdade que ele é muito travado nos EUA por preconceitos por uma série de governadores.

Acha que ele tem menos poderes do que Bush?

Tem porque ele está a governar sem maioria.

Mas ele só perdeu a maioria há meio do mandato?

Tinha uma ligeira maioria, mas que perdeu logo.

Será reeleito.

Acho que sim. Porque este ano a economia irá melhorar um bocadinho.

Não será por ter morto Bin Laden, Kadaffi e outros?

Não, isso é importante durante um ou dois meses, mas depois esquecese, perde-se. O que é importante nos EUA é mesmo a economia. O americano só pensa em dólares, só dólares e mais nada. É isso que temos de saber. Se a economia estiver a andar bem como está a acontecer com a diminuição do emprego, ele ganha. Por outro lado, também não tem oposição. Aquela oposição, francamente...

Pior do que a nossa?

(Risos)... Pior do que a nossa... está lá perto, mas parece que o Obama em dois debate rebenta o Romney milionário e se ele adopta aquele discurso populista do eu negro vindo de uma família media que tive de trabalhar muito ao contrário de ti que nasceste já no meio do ouro,
arruma-o...

Acha que a China conseguirá atingir o estatuto de superpotência?

Está a fazer tudo por isso. Até aumentou bastante o seu orçamento militar, que era o que faltava. Portanto, penso que sim.

Neste caso teremos um mundo bipolar?

Depende um bocado da evolução da India que é um outro país que pode fazer frente aos EUA e a China. Eu não conto mais com a União Europeia que está em declínio total. Começa a parecer-se com a União Africana, qualquer dia acaba, porque a União africana já acabou há muito tempo.
E agora, a India é uma outra potencia que está a despontar tal como o Brasil que com a Argentina podem tornar a América Latina uma zona ouvida, uma outra fonte para distribuir melhor o poder no mundo.

Faltaria apenas África.

África ainda está longe. Não há nenhum país no continente que ascenda assim, talvez uma região, o sul do continente, mais ou menos a SADC que poderá vir a ser uma potencia e isso ainda demorará muito tempo. Tem que se estabelecer o Estado nação e depois avançar-se para a integração regional e isso levará uns bons anos.

(...)

O que lhe parece esta reforma educativa?

Para lhe dizer a verdade, conheço mal e não posso entrar, com profundidade em termos técnicos. Agora, eu acho que ela vem muito tarde. Deveria ter sido feita há muito mais tempo. Eu fiz parte da equipa que concebeu o sistema que substitui o sistema colonial e ao fim de quarto anos nós reconhecíamos que havia ali coisas a mudar. Entretanto, a equipa dispersou-se e ninguém pegou no assunto estes últimos anos. Saúdo o facto de se ter feito uma reforma porque o sistema estava desfasado da realidade actual do país.

Esta é a polémica da inexistência de exames em muitas classes?

E mesmo a matéria que é dada. Os programas são demasiado leves. Dá-me a impressão. Agora não sou muito categórico porque não estudei e não sou propriamente um pedagogo. Trabalhei na educação, mas nunca fui pedagogo. Eu espero que funcione e se há coisas há mudar que seja o mais rapidamente possível do que foi anteriormente. Por exemplo, eu tenho algumas dúvidas sobre essa questão de um professor conseguir dar seis classes, que é a grande discussão que tem havido. Parece-me de mais e no sistema anterior o professor acompanhava os alunos em quatro classes e tínhamos problemas de falta de professores. Quer-se prolonger até à sexta classe, mas isso exige professores melhores preparados e, para lhe ser franco, não sei se temos. Do que oiço ultimamente, a matéria que se dá nestas seis classes corresponde ao que se dava nas quatro primeiras anteriores e aí acho que, se isso é verdade, é muito pouca exigência.

Nem condiz com aquilo que é a tendência mundial onde os estudantes ficam cada vez menos tempo no sistema de ensino, ao passo que aqui estamos a prolongar o tempo dos estudantes no sistema, com todas as consequências disso até mesmo em termos de custos?

Se isso continuar assim, duvido que o aluno, ao fim dos 12 ou 13 anos esteja preparado para entrar para a Universidade. É verdade que nunca tivemos, em Angola, em termos gerais, alunos devidamente preparados para estar na Universidade, apesar dos extraordinários. É preciso que se altere rapidamente isso, colocando rigor na base e no topo também. Bons professores devem estar na base desta pirâmide e em cima ao mesmo tempo, mas na base tem de haver rigor.

(...)

Nem sempre Luanda mas utiliza muitas vezes uma cidade que denomina “Calpe”.

Calpe é qualquer coisa que não é nada.

Ou que é Luanda?

Às vezes parece Luanda, outras vezes não. A primeira vez que eu utilizei Calpé foi em Mwana Puó que foi escrita em 1969 e eu só conheci Luanda em 1974. Tinha passado por Luanda quando fui estudar em Portugal, mas não conheci. Mas em “Parábola do Cagado Velho”, Calpe é Luanda na parte má, um tom ameaçador, os vícios, mas em “Quase fim do Mundo” terá alguma coisa, mas não está muito definido. Quando quero fugir um bocado a que se situe ponho Calpe. Não me importa nada que se caracterize do modo diferente.

[Extractos de entrevista de Pepetela ao Novo Jornal # 218 - 23/03/2012]


POSTS RELACIONADOS:

Resultados das Legislativas Voto de Confianca na Situacao, ou de Desconfianca na Oposicao?

A Tarefa de Substituir JES

Angola "Em Estado de Coma"?

Bullies!!!...

Sobre o Estado da Nacao

Noticias do Meu Pais

Angola: When Increasing Wealth Doesn't Trickle Down

Para Angola Rapidamente e em Forca

Ecos da Vitoria de Obama no SA

'It's The Economy, Stupid!'

"Segundo Um Novo Relatorio do Banco Mundial"...

Falando de Intelectualismos [II]

Angola: Pais Xenofobo?

Conferencia Internacional sobre Cultura Tchokwe'

Gostei de Ler (?)... [3]



(...)

Para já eu estou cada vez mais velho, cada mais anarquista, e acredito muito pouco na fórmula partido.
Antes dizia que tinha dúvidas sobre a fórmula partido, hoje digo que acredito cada vez menos nesta fórmula. Não me parece que seja uma fórmula que avance muito. Acaba por ser sempre um aparelho que condiciona tudo o resto, um partido pode ter muitos militantes, mas há um aparelhozinho que condiciona tudo o resto. A Revolução francesa fez-se sem partidos, mas com clubes de pensadores. É claro que também era tudo anárquico, mas eu acho que devia haver possibilidades sem estar amarrado a um partido, mas estamos a tender cada vez mais para a consolidação da fórmula partido.
Eu não sei deste caso que falou do Abel Chivukuvuku, mas será interessante seguir e ver o que vai dar. Se conseguir apanhar pessoas que foram do partido A, B e C será interessante ver isso.

(...)

Hoje as pessoas dentro do MPLA exteriorizam mais facilmente ideias contrárias?

Eu acho que têm mais essa possibilidade. Duvido que o façam, mas ai há outro problema.

Qual?

Começa a tocar em interesses. E as pessoas ficam à espera, na expectativa. Criou-se a obsessão do que só o chefe pensa. E fica a impressão de que cinco milhões de pessoas não pensam, à espera que o chefe pense. É a ideia que dá. E depois o chefe diz uma frase e essa frase vira slogan que aparece em todo o lado. Só não aparece nas paredes porque agora a malta deixou de pintar as paredes.
É um certo seguidismo que se instalou, sem dúvida alguma. Mas depende das épocas. Agora é época de eleições portanto o seguidismo tem de ser muito forte, temos de estar todos unidos. Depois há maior dispersão. Isso nota-se nos comentários de algumas pessoas que mudam o discurso conforme a época política e os interesses pessoais. Sem dúvida, uma coisa que foi discutida há muitos anos no MPLA é o direito das tendências.

(...)

Em certa medida e em relação a uns tantos membros, o MPLA parece clientelista, pois eles se aproveitam do facto de serem militantes para obterem benefícios. Não falo da grande massa de militantes e simpatizantes que pouco ganham com o facto de o serem. Mas a nível de responsáveis, muitos têm negócios que só prosperam por causa da sua posição política. E ostentam as riquezas de forma pornográfica, por isso não há como enganar.

(...)

A oposição parlamentar dá-me a ideia que está apenas pelo dinheiro do Estado. É verdade que também não se dá muito espaço à oposição para dar a conhecer todas as suas ideias. Eles queixam-se muito disso, que a imprensa favorece o partido no poder, mas parece-me que com esta oposição o MPLA está tranquilo: tem mais cem anos. Portanto será interessante vermos esta experiência de um novo partido e ver se agita um bocado as águas.

(...)

O que lhe parece a “ousadia” de Lukoki durante a última reunião do Comité central onde terá levantado a questão da distribuição da riqueza nacional e a da sucessão como pontos para uma próxima reunião do CC, por sinal agendada para esta sexta-feira.

O Ambrósio Lukoki, de quem me orgulho de ser amigo, é um homem vertical, de grande coragem e frontalidade, qualidades essas que lhe têm valido problemas sérios. Ele só teve a ousadia de dizer o que mais de metade da sala pensava mas, como sempre, cala. Fora, batem-lhe nas costas a dizer, falaste bem. Lá dentro, nem o defendem dos mesmos mabecos de sempre, a tentar morder as canelas dos grandes homens.
Como é que se processará a transição de JES para um novo PR?

Esta é outra questão que devia ser pacifica, banal e que se torna um problema quase divino. O mundo acaba quando se pensa na sucessão. Deveria ser uma coisa quase banal porque as pessoas vão, deixam os cargos, vão descansar, é normal essa substituição de geração. E tem havido essa substituição de geração ao nível do MPLA, nas estruturas intermédias e mesmo ao nível do Bureau Político onde hoje há pessoas que são bastante mais novas do que aqueles que fizeram a luta de libertação. Agora, realmente esta é uma questão que acaba por se tornar complicada e quanto mais há segredos a volta disso, mais secretismo mais complicado fica.

E já é hora de se desmistificar essa questão?

Exactamente, abre-se o jogo tranquilamente. O Presidente não é eterno, ninguém é eterno, só Deus para os crentes. Nem o planeta terra é eterno. Acreditamos que tem de haver uma substituição, vamos ver quando, como e falamos sobre isso. Mas é um tabu, é um sacrilégio, mas é claro que toda a gente anda a murmurar nos cantos.

Não será por causa de algumas resistências internas?

Provavelmente haverá várias forcas a querer ganhar mais poder, representadas por pessoas, essa é uma realidade que acontece nos partidos, há lutas. Agora podem ser lutas mais abertas ou mais tranquilas.

E neste caso?

Neste caso é um tabu. E eu acho que as pessoas têm medo que AB ou C estejam a pensar qualquer coisa. Houve umas pessoas que aqui há uns anos atrás admitiam a hipótese de ser candidatos, mas isso é normal, mas as pessoas normalmente criam uma onda de indignação que percorre as fileiras porque alguém ousou dizer que pode substituir o presidente.

(...)

Quando falamos do impacto das manifestações e em face dos novos desenvolvimentos o que lhe pergunto é: Será mesmo que a visão de que os militantes despertaram pelo facto de serem muito mais contra o exíguo número de manifestantes é verdade, quando vemos as imagens da porrada a que foram alvos na sua última manifestação. Ou como explicar isso?

O MPLA de facto aparenta ter mais medo dos jovens que tentam se manifestar que dos partidos da oposição. Estes são aparelhos e como tal podem ser controlados, manobrados, enfraquecidos, etc... Já os manifestantes, mobilizados por meios mais difíceis de controlar, podem aparecer como um perigo muito maior, imprevisível. Parece absurdo um partido que diz ter cinco milhões de membros tremer perante um pequeno grupo de jovens que quer gritar a sua revolta, mas é um facto. Por outro lado, esse pequeno grupo poderá crescer por causa da resposta inadequada das autoridades. Não é aceitável que apareçam pessoas, que se declaram organizadas, atacando os manifestantes, impedindo que eles exerçam um direito constitucional, perante órgãos do Estado, impávidos e serenos. Assim não se aprofunda a democracia, antes pelo contrário, indica uma regressão que acabará por sair muito cara num futuro mais ou menos breve. Quem impede uma manifestação legítima e pacífica tem de ser processado e posto em situação de não voltar a repetir o gesto, seja quem for o seu mandante. Este filme já foi visto, demasiado parecido com os lumpens recrutados por Mussolini e Hitler para atacar os verdadeiros democratas e progressistas. Para que não seja o caso, o Estado tem de ser claro: está do lado da Constituição ou contra ela?

(...)

Como avalia as relações entre Angola e Portugal?

De um modo geral são boas. Foram más e estão melhores. Acho que há equívocos. Bastantes equívocos.

Que equívocos?

Acho que há algumas pessoas na parte angolana. Por um lado, um certo saudosismo e, por outro lado, uma espécie de revanche e em termos económicos há uma vontade de comprar coisas em Portugal fazendo por vezes péssimos negócios. Eu também vi que a Sonangol comprou coisas no Iraque e no Irão que foram um desastre, nem se fala nisso, mas temos de ter atenção porque está-se a meter dinheiro do Estado. Agora, os particulares se querem ter um castelo, isso ai é com eles. Acho que devia haver maior transparência. Que a nação fosse informada que foram compradas quotas ou empresas e que não saibamos disso só quando há uma maka lá fora. E no caso de Portugal há negócios muito escuros e muitos deles serão prejudiciais a Angola e entretanto vemos algumas pessoas que nunca gostaram de nós e que agora abraçam-nos e só não bejam na boca porque parece mal. São relações de conveniência, no discurso oficial são relações de amizade e o passado comum. Mas isso é conversa. O negócio entre os países é feito apenas na base de interesses. E não há aqui sentimentos, sentimentos há entre nós intelectuais, mas os assuntos de Estado são negócios.

(...)

4 anos depois, como avalia o mandato de Barack Obama?

Eu sou um dos que ficou muito entusiasmado por Obama antes dele ser eleito. Eu conheci o Obama em 2004 quando estive uma época nos EUA e em que ele começava a despontar no partido democrata.
Vários amigos meus chamavam-me atenção e quando ele profere aquele discurso magnifico de apresentação do John Terry então diziam que eche homo (ai está o homem!). eu torci por ele. E sempre disse que no dia seguinte à sua eleição estaria contra ele porque a partir do momento em que ele é o Presidente dos Estados Unidos faria uma política da qual não estaria de acordo.
De qualquer modo acho que foi um avanço civilizacional ele ter sido eleito, mas para uma pessoa que recebe o prémio nobel logo no primeiro ano de mandato acho que já fez guerras há mais. E ainda se está a preparar para fazer outra. Gostaria de dizê-lo isso na cara. É verdade que já havia muito prémio nobel mal atribuído, mas para quem não tinha feito nada ainda pela paz e ele recebeu logo é porque o mundo ou o comité nobel, queria que ele fizesse mais. Também é verdade que ele é muito travado nos EUA por preconceitos por uma série de governadores.

Acha que ele tem menos poderes do que Bush?

Tem porque ele está a governar sem maioria.

Mas ele só perdeu a maioria há meio do mandato?

Tinha uma ligeira maioria, mas que perdeu logo.

Será reeleito.

Acho que sim. Porque este ano a economia irá melhorar um bocadinho.

Não será por ter morto Bin Laden, Kadaffi e outros?

Não, isso é importante durante um ou dois meses, mas depois esquecese, perde-se. O que é importante nos EUA é mesmo a economia. O americano só pensa em dólares, só dólares e mais nada. É isso que temos de saber. Se a economia estiver a andar bem como está a acontecer com a diminuição do emprego, ele ganha. Por outro lado, também não tem oposição. Aquela oposição, francamente...

Pior do que a nossa?

(Risos)... Pior do que a nossa... está lá perto, mas parece que o Obama em dois debate rebenta o Romney milionário e se ele adopta aquele discurso populista do eu negro vindo de uma família media que tive de trabalhar muito ao contrário de ti que nasceste já no meio do ouro,
arruma-o...

Acha que a China conseguirá atingir o estatuto de superpotência?

Está a fazer tudo por isso. Até aumentou bastante o seu orçamento militar, que era o que faltava. Portanto, penso que sim.

Neste caso teremos um mundo bipolar?

Depende um bocado da evolução da India que é um outro país que pode fazer frente aos EUA e a China. Eu não conto mais com a União Europeia que está em declínio total. Começa a parecer-se com a União Africana, qualquer dia acaba, porque a União africana já acabou há muito tempo.
E agora, a India é uma outra potencia que está a despontar tal como o Brasil que com a Argentina podem tornar a América Latina uma zona ouvida, uma outra fonte para distribuir melhor o poder no mundo.

Faltaria apenas África.

África ainda está longe. Não há nenhum país no continente que ascenda assim, talvez uma região, o sul do continente, mais ou menos a SADC que poderá vir a ser uma potencia e isso ainda demorará muito tempo. Tem que se estabelecer o Estado nação e depois avançar-se para a integração regional e isso levará uns bons anos.

(...)

O que lhe parece esta reforma educativa?

Para lhe dizer a verdade, conheço mal e não posso entrar, com profundidade em termos técnicos. Agora, eu acho que ela vem muito tarde. Deveria ter sido feita há muito mais tempo. Eu fiz parte da equipa que concebeu o sistema que substitui o sistema colonial e ao fim de quarto anos nós reconhecíamos que havia ali coisas a mudar. Entretanto, a equipa dispersou-se e ninguém pegou no assunto estes últimos anos. Saúdo o facto de se ter feito uma reforma porque o sistema estava desfasado da realidade actual do país.

Esta é a polémica da inexistência de exames em muitas classes?

E mesmo a matéria que é dada. Os programas são demasiado leves. Dá-me a impressão. Agora não sou muito categórico porque não estudei e não sou propriamente um pedagogo. Trabalhei na educação, mas nunca fui pedagogo. Eu espero que funcione e se há coisas há mudar que seja o mais rapidamente possível do que foi anteriormente. Por exemplo, eu tenho algumas dúvidas sobre essa questão de um professor conseguir dar seis classes, que é a grande discussão que tem havido. Parece-me de mais e no sistema anterior o professor acompanhava os alunos em quatro classes e tínhamos problemas de falta de professores. Quer-se prolonger até à sexta classe, mas isso exige professores melhores preparados e, para lhe ser franco, não sei se temos. Do que oiço ultimamente, a matéria que se dá nestas seis classes corresponde ao que se dava nas quatro primeiras anteriores e aí acho que, se isso é verdade, é muito pouca exigência.

Nem condiz com aquilo que é a tendência mundial onde os estudantes ficam cada vez menos tempo no sistema de ensino, ao passo que aqui estamos a prolongar o tempo dos estudantes no sistema, com todas as consequências disso até mesmo em termos de custos?

Se isso continuar assim, duvido que o aluno, ao fim dos 12 ou 13 anos esteja preparado para entrar para a Universidade. É verdade que nunca tivemos, em Angola, em termos gerais, alunos devidamente preparados para estar na Universidade, apesar dos extraordinários. É preciso que se altere rapidamente isso, colocando rigor na base e no topo também. Bons professores devem estar na base desta pirâmide e em cima ao mesmo tempo, mas na base tem de haver rigor.

(...)

Nem sempre Luanda mas utiliza muitas vezes uma cidade que denomina “Calpe”.

Calpe é qualquer coisa que não é nada.

Ou que é Luanda?

Às vezes parece Luanda, outras vezes não. A primeira vez que eu utilizei Calpé foi em Mwana Puó que foi escrita em 1969 e eu só conheci Luanda em 1974. Tinha passado por Luanda quando fui estudar em Portugal, mas não conheci. Mas em “Parábola do Cagado Velho”, Calpe é Luanda na parte má, um tom ameaçador, os vícios, mas em “Quase fim do Mundo” terá alguma coisa, mas não está muito definido. Quando quero fugir um bocado a que se situe ponho Calpe. Não me importa nada que se caracterize do modo diferente.

[Extractos de entrevista de Pepetela ao Novo Jornal # 218 - 23/03/2012]


POSTS RELACIONADOS:

Resultados das Legislativas Voto de Confianca na Situacao, ou de Desconfianca na Oposicao?

A Tarefa de Substituir JES

Angola "Em Estado de Coma"?

Bullies!!!...

Sobre o Estado da Nacao

Noticias do Meu Pais

Angola: When Increasing Wealth Doesn't Trickle Down

Para Angola Rapidamente e em Forca

Ecos da Vitoria de Obama no SA

'It's The Economy, Stupid!'

"Segundo Um Novo Relatorio do Banco Mundial"...

Falando de Intelectualismos [II]

Angola: Pais Xenofobo?

Conferencia Internacional sobre Cultura Tchokwe'

Gostei de Ler (?)... [3]

Tuesday, 27 March 2012

As “Maravilhas” do Facebook…





Havera’ muitas certamente, mas para quem, como eu, apenas la’ entrou ha’ pouco mais de um mes, elas constituem ainda todo um mundo por descobrir. Mas, da infinitesima parte do que ate’ agora la’ pude descobrir, nao posso deixar de assinalar aqui um verdadeiro “acontecimento” para mim: ficar a saber que o meu filho tem uma pagina no Facebook (descobrio-o este fim de semana) e… ve-lo pela primeira vez… dancar!



E’ verdade: nunca tinha visto o meu filho dancar… ate’ ontem no Facebook. E para mim, para todos os efeitos e propositos, ate’ ontem ele “nao sabia dancar”, porque assim me indicaram todas as tentativas que fiz de com ele dar uns passos de danca, tendo a ultima sido na festa de passagem de ano de que aqui postei duas fotos…



Mas, eis que ontem descubro atraves do Facebook que… nao so’ ele danca, como… danca kizomba e… sei la’ mais o que!...



Uma verdadeira DESCOBERTA para mim! E nao tenho duvidas de que para ele proprio tambem, uma vez que teve que ir a aulas desses generos de musica/danca para finalmente se “soltar” e “dar uma de mwangole”!...



Nao tenho nada contra, antes pelo contrario, ate’ acho saudavel, mesmo porque conheco o meu filho suficientemente bem para saber que essa e’ apenas, tal como o que ate’ agora pude descobrir no Facebook, uma infinitesima parte da sua vida, interesses e inclinacoes pessoais – e’ tal e qual como a infinitesima proporcao de kuduro que nas ultimas semanas se conseguiu infiltrar na BBC Radio 3: nao mudou a sua feicao nem o seu caracter. Pelo contrario, apenas os enriqueceu!



So’ que… no seu entusiasmo pela “socializacao ‘a mwangole’”, ele esta’ completamente unaware (... tal como eu estava ate’ muito recentemente...) da existencia de uns certos “patrulheiros” do Facebook, que nunca o conheceram de parte nenhuma, mas que nao se coibem de ir debitar "bocas" destas, destas e destas nos ‘novos jornais’ da banda…



E ainda bem que assim e’ porque, perante o pesadelo de ele poder ter sido vitima das “medidas de caracter profilatico” (ou "pornografico"?) para as “classes mais baixas” que resultam em casos como este… prefiro milhoes de vezes ve-lo dancar pela primeira vez na vida, descontraida e alegremente, sem kijila, com jovens raparigas de todas as racas e culturas e… ainda por cima… kizomba e sei la’ mais o que!!!



A unica coisa que talvez lamente e’ que, por um lado, no geral se tenda a tomar uma pagina no Facebook e as fotos nele postadas como um “retrato fiel e integral” do que as pessoas verdadeiramente sao e do que e’ o seu lifestyle e, por outro lado, que o meu filho, no seu ‘afa’ de “socializacao ‘a mwangole’” e de se tentar tornar “popular” junto da sua geracao, tenha “priorizado” alguns dos seus “interesses mais apelativos e mediaticos” em detrimento de outros que sao seguramente mais reveladores da sua forma de ser e estar na vida, e.g.: os livros que le/leu, o facto de ele ouvir, tocar e ter mais discos de musica classica do que todas as pessoas que conheco, excepto uma (o Rainer), ou o facto de desde a infancia ele ter ido (comigo) a mais concertos de jazz e de conhecer melhor a musica dos Beatles, Pink Floyd, Oasis ou REM do que a media dos jovens da sua idade, ou ainda o facto de ha’ muitos anos ele circular pela cidade mais de bicicleta do que por qualquer outro meio de transporte…



Enfim, questoes de “gestao de imagem” que, manifestamente, nao constituem a sua preocupacao central no putting together da sua pagina no Facebook… o que nao lamento de todo, quanto mais nao seja porque o que a descoberta dessa sua “imagem” no facebook me revelou foi algo de perfeitamente natural, por que regra geral os jovens passam de uma maneira ou de outra em algum momento das suas vidas: no processo de afirmacao de e por si proprios, ou seja, da sua propria identidade e personalidade, tenderem a “renegar” aquilo que sabem que os seus pais (neste caso a sua mae) mais gostariam de ver neles, ou de ve-los expressar e valorizar…



... Ou talvez seja a revelacao de algo mais natural ainda: o fading do lado “introvertido” herdado da sua mae e a emergencia do lado “extrovertido” que era a 'trademark' do seu pai, particularmente quando tinha a idade que ele tem agora…



In any case… gostei de “descobrir”!



Ah!... Mas, sobretudo, gostei de ver o video do Tupac que ele dedicou "to all mothers out there" - que me transportou ao nosso "rough encounter" nos meus primeiros anos londrinos que acabou com ele a ensinar-me a pronunciar correctamente hiphop... Appreciated!





Havera’ muitas certamente, mas para quem, como eu, apenas la’ entrou ha’ pouco mais de um mes, elas constituem ainda todo um mundo por descobrir. Mas, da infinitesima parte do que ate’ agora la’ pude descobrir, nao posso deixar de assinalar aqui um verdadeiro “acontecimento” para mim: ficar a saber que o meu filho tem uma pagina no Facebook (descobrio-o este fim de semana) e… ve-lo pela primeira vez… dancar!



E’ verdade: nunca tinha visto o meu filho dancar… ate’ ontem no Facebook. E para mim, para todos os efeitos e propositos, ate’ ontem ele “nao sabia dancar”, porque assim me indicaram todas as tentativas que fiz de com ele dar uns passos de danca, tendo a ultima sido na festa de passagem de ano de que aqui postei duas fotos…



Mas, eis que ontem descubro atraves do Facebook que… nao so’ ele danca, como… danca kizomba e… sei la’ mais o que!...



Uma verdadeira DESCOBERTA para mim! E nao tenho duvidas de que para ele proprio tambem, uma vez que teve que ir a aulas desses generos de musica/danca para finalmente se “soltar” e “dar uma de mwangole”!...



Nao tenho nada contra, antes pelo contrario, ate’ acho saudavel, mesmo porque conheco o meu filho suficientemente bem para saber que essa e’ apenas, tal como o que ate’ agora pude descobrir no Facebook, uma infinitesima parte da sua vida, interesses e inclinacoes pessoais – e’ tal e qual como a infinitesima proporcao de kuduro que nas ultimas semanas se conseguiu infiltrar na BBC Radio 3: nao mudou a sua feicao nem o seu caracter. Pelo contrario, apenas os enriqueceu!



So’ que… no seu entusiasmo pela “socializacao ‘a mwangole’”, ele esta’ completamente unaware (... tal como eu estava ate’ muito recentemente...) da existencia de uns certos “patrulheiros” do Facebook, que nunca o conheceram de parte nenhuma, mas que nao se coibem de ir debitar "bocas" destas, destas e destas nos ‘novos jornais’ da banda…



E ainda bem que assim e’ porque, perante o pesadelo de ele poder ter sido vitima das “medidas de caracter profilatico” (ou "pornografico"?) para as “classes mais baixas” que resultam em casos como este… prefiro milhoes de vezes ve-lo dancar pela primeira vez na vida, descontraida e alegremente, sem kijila, com jovens raparigas de todas as racas e culturas e… ainda por cima… kizomba e sei la’ mais o que!!!



A unica coisa que talvez lamente e’ que, por um lado, no geral se tenda a tomar uma pagina no Facebook e as fotos nele postadas como um “retrato fiel e integral” do que as pessoas verdadeiramente sao e do que e’ o seu lifestyle e, por outro lado, que o meu filho, no seu ‘afa’ de “socializacao ‘a mwangole’” e de se tentar tornar “popular” junto da sua geracao, tenha “priorizado” alguns dos seus “interesses mais apelativos e mediaticos” em detrimento de outros que sao seguramente mais reveladores da sua forma de ser e estar na vida, e.g.: os livros que le/leu, o facto de ele ouvir, tocar e ter mais discos de musica classica do que todas as pessoas que conheco, excepto uma (o Rainer), ou o facto de desde a infancia ele ter ido (comigo) a mais concertos de jazz e de conhecer melhor a musica dos Beatles, Pink Floyd, Oasis ou REM do que a media dos jovens da sua idade, ou ainda o facto de ha’ muitos anos ele circular pela cidade mais de bicicleta do que por qualquer outro meio de transporte…



Enfim, questoes de “gestao de imagem” que, manifestamente, nao constituem a sua preocupacao central no putting together da sua pagina no Facebook… o que nao lamento de todo, quanto mais nao seja porque o que a descoberta dessa sua “imagem” no facebook me revelou foi algo de perfeitamente natural, por que regra geral os jovens passam de uma maneira ou de outra em algum momento das suas vidas: no processo de afirmacao de e por si proprios, ou seja, da sua propria identidade e personalidade, tenderem a “renegar” aquilo que sabem que os seus pais (neste caso a sua mae) mais gostariam de ver neles, ou de ve-los expressar e valorizar…



... Ou talvez seja a revelacao de algo mais natural ainda: o fading do lado “introvertido” herdado da sua mae e a emergencia do lado “extrovertido” que era a 'trademark' do seu pai, particularmente quando tinha a idade que ele tem agora…



In any case… gostei de “descobrir”!



Ah!... Mas, sobretudo, gostei de ver o video do Tupac que ele dedicou "to all mothers out there" - que me transportou ao nosso "rough encounter" nos meus primeiros anos londrinos que acabou com ele a ensinar-me a pronunciar correctamente hiphop... Appreciated!

Friday, 23 March 2012

"Segundo um Novo Relatorio do Banco Mundial"...



Nao e’ por nada (... certamente nao pela minha alegada “mania do sabetudismo”!...), mas...



Este novo relatorio do Banco Mundial lancado ontem – “De-fragmentando o Comercio Africano”: Aprofundando a Integracao Regional do Comercio de Bens e Servicos – levou-me de volta a esta “revisitacao da SADC”, porque diz fundamentalmente o seguinte (minha traducao livre):

“Os paises Africanos teem vindo a perder bilioes de dolares por ano em potenciais ganhos do comercio devido as elevadas barreiras comerciais com os paises vizinhos, sendo-lhes mais facil comerciar com o resto do mundo do que entre si.

A existente fragmentacao regional priva o continente de novas fontes de crescimento economico, novos empregos e diminuicao acentuada da pobreza – factores que acompanharam a significativa integracao do comercio na Asia Oriental e outras regioes. As redes de producao trans-fronteirica que activaram o dinamismo economico noutras regioes, especialmente na Asia Oriental, ainda teem que se materializar em Africa.”


- Capitulos de especial interesse para a regiao da SADC:

6. Facilitating Cross-border Mobile Banking in Southern Africa

7. Why Trade Facilitation Is Important for Africa

8. Deepening Regional Integration to Eliminate the Fragmented
Goods Market in Southern Africa

11. The Business Environment in Southern Africa: Issues in Trade
and Market Integration

12. Africa’s Trade in Services and the Opportunities and Risks of Economic
Partnership Agreements

13. Developing Professional Services in Africa

[Relatorio integral aqui]


QUESTAO: sera’ que ainda “vamos” a tempo de recuperar o tempo perdido, dada a ‘deadline’ de 2017 para a criacao de uma Area de Comercio Livre no continente estabelecida pela Uniao Africana, para fomentar o comercio intra e inter-regional?


POSTS RELACIONADOS:

SADC: Trade Facilitation Issues

SADC: Protocol & Policy Implementation Issues

The EU-ACP Economic Partnership Agreements

The East-Asian Tigers Model in Africa?



Nao e’ por nada (... certamente nao pela minha alegada
“mania do sabetudismo”!...), mas...



Este novo relatorio do Banco Mundial lancado ontem – “De-fragmentando o Comercio Africano”: Aprofundando a Integracao Regional do Comercio de Bens e Servicos – levou-me de volta a esta “revisitacao da SADC”, porque diz fundamentalmente o seguinte (minha traducao livre):

“Os paises Africanos teem vindo a perder bilioes de dolares por ano em potenciais ganhos do comercio devido as elevadas barreiras comerciais com os paises vizinhos, sendo-lhes mais facil comerciar com o resto do mundo do que entre si.

A existente fragmentacao regional priva o continente de novas fontes de crescimento economico, novos empregos e diminuicao acentuada da pobreza – factores que acompanharam a significativa integracao do comercio na Asia Oriental e outras regioes. As redes de producao trans-fronteirica que activaram o dinamismo economico noutras regioes, especialmente na Asia Oriental, ainda teem que se materializar em Africa.”


- Capitulos de especial interesse para a regiao da SADC:

6. Facilitating Cross-border Mobile Banking in Southern Africa

7. Why Trade Facilitation Is Important for Africa

8. Deepening Regional Integration to Eliminate the Fragmented
Goods Market in Southern Africa

11. The Business Environment in Southern Africa: Issues in Trade
and Market Integration

12. Africa’s Trade in Services and the Opportunities and Risks of Economic
Partnership Agreements

13. Developing Professional Services in Africa

[Relatorio integral aqui]


QUESTAO: sera’ que ainda “vamos” a tempo de recuperar o tempo perdido, dada a ‘deadline’ de 2017 para a criacao de uma Area de Comercio Livre no continente estabelecida pela Uniao Africana, para fomentar o comercio intra e inter-regional?


POSTS RELACIONADOS:

SADC: Trade Facilitation Issues

SADC: Protocol & Policy Implementation Issues

The EU-ACP Economic Partnership Agreements

The East-Asian Tigers Model in Africa?

Reality Bites!...





"E aqui abro um parentesis para notar uma 'observacao empirica' que se vem solidificando com as minhas experiencias a este respeito: o facto de o comportamento obcessivamente persecutorio desse individuo em relacao a mim se ter demonstrado muito similar ao de um outro sujeito na mesma organizacao, um sul-africano tambem casado com uma branca (a qual, por sinal, volta e meia aparecia pelo gabinete do genero da organizacao com um dos bracos em gesso, a queixar-se dos "afectos" que o marido lhe dava em casa...), e de o comportamento de ambos, por sua vez, se assemelhar bastante ao de certos PhDs e Kabungados Novo-Jornaleiros habitues deste blog - aos quais devo acrescentar o de um dos "epigonos ex-brigadistas especialista em poemarios" a quem aqui me refiro e, ja' agora e en passant, certos homo democraticus 'activistas do social' aqui mencionados... - , vem confirmando a minha percepcao de que os negros "mais assanhados" em ataques canalhas, baixos e soezes contra certo tipo de mulheres negras (como as que aqui sao retratadas) sao, geralmente, casados (ou com relacionamentos proximos/intimos) com brancas ou mesticas, ou que a isso sempre aspiraram - como que, com tal comportamento, exteriorizando algo (nomeadamente o seu misto de recalcamentos, insegurancas e complexos de superioridade/inferioridade...) que sempre tentaram dissimular atraves de tais casamentos ou relacionamentos e as frustracoes neles acumuladas, ou apenas buscando uma justificacao para as suas "escolhas mais profundas"... ou, simplesmente, apenas reflectindo o 'racismo aprendido por osmose' com as suas parceiras/amigas ... ou, mais simplesmente ainda, apenas tentando provar beyond any reasonable doubt o seu "inquestionavel amor por elas"... ou, sem mais ques nem porques, apenas porque, para todos os efeitos reais e praticos, com todo o seu racismo invertido, sao "brancos por dentro e negros por fora"... (veja-se, a titulo de exemplo, este caso...) - claro que me refiro aqui apenas aos que ostentam esse tipo de comportamento, porque tambem os ha' casados e/ou envolvidos saudavelmente com mulheres nao negras e que nao demonstram qualquer necessidade de o fazer! E o facto de eu propria ter tido envolvimentos formais com nao negros sem que por isso alguma vez me tenha sentido compelida a hostilizar qualquer negro, apenas me torna mais perceptiva em relacao a esses bizarros e psicopaticos comportamentos... E, ja' agora, um pouco mais de "psicanalise": nao soubesse eu que pelo menos o sul-africano nao leu este meu artigo, diria que os outros estariam (estarao) a reagir a esta afirmacao de Rousseau que nele citei: "(...) E sobretudo, pertence-vos corrigir os defeitos que os nossos jovens vao buscar a outros paises, donde, em vez de tantas coisas uteis de que poderiam aproveitar, com ares ridiculos aprendidos no meio de mulheres estrangeiras, nao trazem senao admiracao de nao sei que pretensas grandezas, frivolas compensacoes da escravidao, que nunca terao o valor da excelsa liberdade." - E la' diz o ditado: "quem se ofendeu, carapuca lhe serviu!"... Estou certa, ou estou errada?!"

[Aqui]

...OR JUST...



Easy...



Peasy...



Lemon Squeezy!!!


POSTS RELACIONADOS

Bullies!!!...

Reality Bites from the Youth

Mulheres a Preto e Branco

De Bebados, Bufos & Big Brothers

Reginaldo Silva: Um Caso de Psiquiatria!

Reginaldo Silva: Um Kriminoso Muito Especial!

Denuncia Publica contra Reginaldo Silva

Queixa Crime contra Reginaldo Silva





"E aqui abro um parentesis para notar uma 'observacao empirica' que se vem solidificando com as minhas experiencias a este respeito: o facto de o comportamento obcessivamente persecutorio desse individuo em relacao a mim se ter demonstrado muito similar ao de um outro sujeito na mesma organizacao, um sul-africano tambem casado com uma branca (a qual, por sinal, volta e meia aparecia pelo gabinete do genero da organizacao com um dos bracos em gesso, a queixar-se dos "afectos" que o marido lhe dava em casa...), e de o comportamento de ambos, por sua vez, se assemelhar bastante ao de certos PhDs e Kabungados Novo-Jornaleiros habitues deste blog - aos quais devo acrescentar o de um dos "epigonos ex-brigadistas especialista em poemarios" a quem aqui me refiro e, ja' agora e en passant, certos homo democraticus 'activistas do social' aqui mencionados... - , vem confirmando a minha percepcao de que os negros "mais assanhados" em ataques canalhas, baixos e soezes contra certo tipo de mulheres negras (como as que aqui sao retratadas) sao, geralmente, casados (ou com relacionamentos proximos/intimos) com brancas ou mesticas, ou que a isso sempre aspiraram - como que, com tal comportamento, exteriorizando algo (nomeadamente o seu misto de recalcamentos, insegurancas e complexos de superioridade/inferioridade...) que sempre tentaram dissimular atraves de tais casamentos ou relacionamentos e as frustracoes neles acumuladas, ou apenas buscando uma justificacao para as suas "escolhas mais profundas"... ou, simplesmente, apenas reflectindo o 'racismo aprendido por osmose' com as suas parceiras/amigas ... ou, mais simplesmente ainda, apenas tentando provar beyond any reasonable doubt o seu "inquestionavel amor por elas"... ou, sem mais ques nem porques, apenas porque, para todos os efeitos reais e praticos, com todo o seu racismo invertido, sao "brancos por dentro e negros por fora"... (veja-se, a titulo de exemplo, este caso...) - claro que me refiro aqui apenas aos que ostentam esse tipo de comportamento, porque tambem os ha' casados e/ou envolvidos saudavelmente com mulheres nao negras e que nao demonstram qualquer necessidade de o fazer! E o facto de eu propria ter tido envolvimentos formais com nao negros sem que por isso alguma vez me tenha sentido compelida a hostilizar qualquer negro, apenas me torna mais perceptiva em relacao a esses bizarros e psicopaticos comportamentos... E, ja' agora, um pouco mais de "psicanalise": nao soubesse eu que pelo menos o sul-africano nao leu este meu artigo, diria que os outros estariam (estarao) a reagir a esta afirmacao de Rousseau que nele citei: "(...) E sobretudo, pertence-vos corrigir os defeitos que os nossos jovens vao buscar a outros paises, donde, em vez de tantas coisas uteis de que poderiam aproveitar, com ares ridiculos aprendidos no meio de mulheres estrangeiras, nao trazem senao admiracao de nao sei que pretensas grandezas, frivolas compensacoes da escravidao, que nunca terao o valor da excelsa liberdade." - E la' diz o ditado: "quem se ofendeu, carapuca lhe serviu!"... Estou certa, ou estou errada?!"

[Aqui]

...OR JUST...



Easy...



Peasy...



Lemon Squeezy!!!


POSTS RELACIONADOS

Bullies!!!...

Reality Bites from the Youth

Mulheres a Preto e Branco

De Bebados, Bufos & Big Brothers

Reginaldo Silva: Um Caso de Psiquiatria!

Reginaldo Silva: Um Kriminoso Muito Especial!

Denuncia Publica contra Reginaldo Silva

Queixa Crime contra Reginaldo Silva

Tuesday, 20 March 2012

Sunday, 18 March 2012

BULLIES... vs... KAENCHES!!!... [*]




... Ha' uns que atingem "orgasmos lugubres" com coisas...

destas



destas



destas



e
destas



... Ha' outros que o fazem com coisas...

destas



destas



destas



destas



destas



destas



e
destas



... E outros ainda, com coisas...



destas



destas



destas



destas



destas



e
destas!



PERGUNTO:



KWAL A DIFERENCA, KWAL E' ELA?!!!



*[... Feios, Porcos e Maus, Ton-Tons Makutes sem Lei, nem Rei, nem Roke e muito menos Eskrupulos!!!... Portanto: Convem sabermos sempre o que nos espera... Cicatrizes no cerebro!!!...]







... Ha' uns que atingem "orgasmos lugubres" com coisas...

destas



destas



destas



e
destas



... Ha' outros que o fazem com coisas...

destas



destas



destas



destas



destas



destas



e
destas



... E outros ainda, com coisas...



destas



destas



destas



destas



destas



e
destas!



PERGUNTO:



KWAL A DIFERENCA, KWAL E' ELA?!!!



*[... Feios, Porcos e Maus, Ton-Tons Makutes sem Lei, nem Rei, nem Roke e muito menos Eskrupulos!!!... Portanto: Convem sabermos sempre o que nos espera... Cicatrizes no cerebro!!!...]




Saturday, 17 March 2012

KUDURO kum XIDI & Outras Mixturas na BBC Radio 3





Numa estacao de radio dedicada 'a musica classica na ordem dos 99% em relacao a qualquer outro tipo de musica, ouvir Kuduro... e'... Obra!

E ouvir kuduro duas vezes no espaco de uma semana... e'... Xidi!!!

Bom, foi o que aconteceu ontem e na sexta feira passada na BBC Radio 3, com o "Tirei o Chapeu" do DJ Mpula, em que se pode ouvir uma 'mixtura' de kuduro e musica urbana angolana 'vintage', que, em dois programas diferentes, passou 'mixturado' com musicos como a Americana Esperanza Spalding, o Cubano Roberto Fonseca e o Franco-Americano de origem Chinesa Yo-Yo Ma!...

E nao...num fui eu ki rekomendei, ue'!!!...

Purisso... Xe', num me batem so'!!!...

... Nem me matem so', ue'?!!!


Posts Relacionados:

Kuduro no FT

Kuduro kum Xidi & Otras Mixturas na BBC Radio 3

"Uma 'Duplicidade' Sem Nome"

Meio Ano Adentro no 'Annus Angolensis'

Dama de Xangai Pra Presidencia Ja'

Reflectindo





Numa estacao de radio dedicada 'a musica classica na ordem dos 99% em relacao a qualquer outro tipo de musica, ouvir Kuduro... e'... Obra!

E ouvir kuduro duas vezes no espaco de uma semana... e'... Xidi!!!

Bom, foi o que aconteceu ontem e na sexta feira passada na BBC Radio 3, com o "Tirei o Chapeu" do DJ Mpula, em que se pode ouvir uma 'mixtura' de kuduro e musica urbana angolana 'vintage', que, em dois programas diferentes, passou 'mixturado' com musicos como a Americana Esperanza Spalding, o Cubano Roberto Fonseca e o Franco-Americano de origem Chinesa Yo-Yo Ma!...

E nao...num fui eu ki rekomendei, ue'!!!...

Purisso... Xe', num me batem so'!!!...

... Nem me matem so', ue'?!!!


Posts Relacionados:

Kuduro no FT

Kuduro kum Xidi & Otras Mixturas na BBC Radio 3

"Uma 'Duplicidade' Sem Nome"

Meio Ano Adentro no 'Annus Angolensis'

Dama de Xangai Pra Presidencia Ja'

Reflectindo