Wednesday, 31 March 2010

"The Professional"...

Ja' varias vezes mencionei neste blog este proverbio Africano, segundo o qual "nao e' o que me chamam, mas aquilo a que respondo que mais importa". Pois bem (...camaradas, compatriotas, companheiros de luta e amigos, senhoras e senhores...), pessoal e profissionalmente, nao e' a isto, nem a isto, e muito menos a isto, que respondo, mas sim a isto [*]:


A encerrar este Marco Mulher, trago para aqui um testemunho (editado, por razoes compreensiveis) de uma Mulher (e devo acrescentar, Motswana) com quem tive o prazer e o privilegio de trabalhar. Faco-o apenas com o fito de ilustrar como, "malgre tout", sao possiveis relacoes pessoais e de trabalho baseadas em profissionalismo e respeito mutuo entre mulheres. Por isso (tambem) o muito que devo ao Botswana, embora continue at odds com algumas "burocratas do genero"!

I have worked for the (…) since 2001, and I believe AS joined the organization
just shortly after me. Our offices were next door to each other, and though we
worked on separate projects, we occasionally would exchange pleasantries about
our work, in between the pressure of work that is so typical of a organization
such as the one we work for. What we had in common was that we both worked as Technical Advisory staff contracted by separate institutions to enhance the
capacity of the (…).

Like A, I work in an area that is cross-cutting, in my case its gender, and in the case of A, it is policy and protocol implementation. Unlike A, though, I came in to join an already existing Unit that (...), while A had to start up the whole process of reviewing the status of implementation of policies and protocols with a view to establishing likely existing challenges and coming up with recommendations, guidelines and tools to facilitate processes of incorporating these regional legal commitments to domestic law, and monitoring their implementation.

A worked hard and tirelessly on her assignment that could not have been easy, as she only had her terms of reference to refer to, and no precedent to follow from previous work in this area, at least not in the organization. I came in contact with A's work for the first time when she convened an internal working session to share her report, findings and recommendations, and get feedback and input from colleagues to enable her to further refine and finalize the paper with buy-in and ownership of the whole (…).

In my opinion the work presented by A was sterling, and confirmed the impression I had carried observing A working in the office next door to mine. The report was well-researched, drawing from international examples and experiences. It was well-presented, both in written form and in the actual presentation in the working session, proving A's good presentation and facilitation skills. The report and presentation material were both very well written in English, which I believe is A's second official language, Portuguese being the first.

I subsequently participated in the second phase of A's project, which was a regional workshop to develop Guidelines for Policy and Protocol Implementation that was held in Cape Town in May 2005. As Technical Advisor for Gender, protocol and policy implementation is particularly of interest to me, as its implementation would have direct differential impact on men and women, and gender considerations would need to be taken into consideration at the various levels of development and implementation of the tools and guidelines.

Prior to the regional workshop organized and convened by A, I had had opportunity to attend another regional workshop with her convened to review the implementation strategy for the Protocol on Education and Training. At this meeting, held in Johannesburg, I was again struck by A's presentation and communication skills. I believe she also has strong networking skills as well, as I am aware that the Cape Town meeting was co-organized with another organization, entirely as A's effort.

I believe therefore that A has the right skills-mix (…), I also think that she is the kind of person that would carry out her assignment diligently and with absolute commitment. She's a highly qualified person in her area of expertise and (…). The rather exclusionist environment, and professional isolation that might have been a result of the transitional state the (…) has been going through in its restructuring process particularly impacted negatively on both old and new staff.

The state of tension, brought about by a situation such as this affects people in different ways, and causes people to react in various ways. I personally get on very well with A. I believe like all of us, A would particularly thrive in a professional environment that values and respects individuals and the contribution they bring to the process, while at the same time promoting dialogue to address any differences in opinions.










Algumas das "reunioes de peritos em que me infiltrei"...



ADENDA

E porque "as questoes de genero" pendem sempre sobre uma balanca de equilibrios entre os dois sexos, ao testemunho acima decidi juntar os de dois Homens com quem tive igualmente o prazer e o privilegio de trabalhar - um Economista/Secretario Executivo, outro Jurista/Professor Universitario Catedratico.
(E note-se que nenhum deles alguma vez se mostrou exclusivamente interessado no meu corpo ou no meu perfume...)

I confirm that Ms S. worked with me for almost three years. During that period she was involved in research studies and writing of reports as well as advising on protocol implementation. Her work has always been professional and well documented. However, she would always be ready to listen to good advise and make adjustments to her submissions.
(…)
She also facilitated and organised a major workshop on protocol implementation during which she demonstated her ability to interact and network with member states of (…) as well as other institutions. She was one of the key presenters during this workshop and organized it with great care and devotion.
(…)
I have no doubt in my mind that Ms S. will be an asset to (…). She is fluent in both English and Portuguese. She is also someone who stands firm in her beliefs and will speak her mind without fear.

*****

I have known Ms. Santana for about 2 years while she was employed at the (…). I have worked closely with her on one project (Incorporation of international agreements into national legal systems of member states).
I found her a competent person and a good organizer of the one international workshop in which we cooperated. It was well-organized and the background documentation was of a high standard.
(…) When we worked together she clearly had a full and clear command of rather complex issues; with the ability to identify appropriate responses.
She presented two papers at the workshop referred to above and that went well. She is originally from Angola and if it is taken into account that English is probably her third language, it testifies to her abilities. She has a strong personality and may perhaps have rather strong views on how things should be done. I did not find that a problem.
The documentation prepared by her read well and my impression is that she has good writing and analytical skills.



*[N.B.: As referencias aqui transcritas foram passadas em estrita confidencia a um na altura prospectivo novo empregador, sem o meu conhecimento e sem copia para mim. Seria posteriormente aquele novo empregador quem, perante circunstancias extraordinarias, viria a copia-las para mim, por email, para o meu conhecimento...]


Posts Relacionados:

Memorandum [de (des)Entendimento] II

SADC Macroeconomic Convergence & Stability Policy

Do Que As Mulheres Africanas Realmente Precisam

A Irresponsabilidade do Vazio
Ja' varias vezes mencionei neste blog este proverbio Africano, segundo o qual "nao e' o que me chamam, mas aquilo a que respondo que mais importa". Pois bem (...camaradas, compatriotas, companheiros de luta e amigos, senhoras e senhores...), pessoal e profissionalmente, nao e' a isto, nem a isto, e muito menos a isto, que respondo, mas sim a isto [*]:


A encerrar este Marco Mulher, trago para aqui um testemunho (editado, por razoes compreensiveis) de uma Mulher (e devo acrescentar, Motswana) com quem tive o prazer e o privilegio de trabalhar. Faco-o apenas com o fito de ilustrar como, "malgre tout", sao possiveis relacoes pessoais e de trabalho baseadas em profissionalismo e respeito mutuo entre mulheres. Por isso (tambem) o muito que devo ao Botswana, embora continue at odds com algumas "burocratas do genero"!

I have worked for the (…) since 2001, and I believe AS joined the organization
just shortly after me. Our offices were next door to each other, and though we
worked on separate projects, we occasionally would exchange pleasantries about
our work, in between the pressure of work that is so typical of a organization
such as the one we work for. What we had in common was that we both worked as Technical Advisory staff contracted by separate institutions to enhance the
capacity of the (…).

Like A, I work in an area that is cross-cutting, in my case its gender, and in the case of A, it is policy and protocol implementation. Unlike A, though, I came in to join an already existing Unit that (...), while A had to start up the whole process of reviewing the status of implementation of policies and protocols with a view to establishing likely existing challenges and coming up with recommendations, guidelines and tools to facilitate processes of incorporating these regional legal commitments to domestic law, and monitoring their implementation.

A worked hard and tirelessly on her assignment that could not have been easy, as she only had her terms of reference to refer to, and no precedent to follow from previous work in this area, at least not in the organization. I came in contact with A's work for the first time when she convened an internal working session to share her report, findings and recommendations, and get feedback and input from colleagues to enable her to further refine and finalize the paper with buy-in and ownership of the whole (…).

In my opinion the work presented by A was sterling, and confirmed the impression I had carried observing A working in the office next door to mine. The report was well-researched, drawing from international examples and experiences. It was well-presented, both in written form and in the actual presentation in the working session, proving A's good presentation and facilitation skills. The report and presentation material were both very well written in English, which I believe is A's second official language, Portuguese being the first.

I subsequently participated in the second phase of A's project, which was a regional workshop to develop Guidelines for Policy and Protocol Implementation that was held in Cape Town in May 2005. As Technical Advisor for Gender, protocol and policy implementation is particularly of interest to me, as its implementation would have direct differential impact on men and women, and gender considerations would need to be taken into consideration at the various levels of development and implementation of the tools and guidelines.

Prior to the regional workshop organized and convened by A, I had had opportunity to attend another regional workshop with her convened to review the implementation strategy for the Protocol on Education and Training. At this meeting, held in Johannesburg, I was again struck by A's presentation and communication skills. I believe she also has strong networking skills as well, as I am aware that the Cape Town meeting was co-organized with another organization, entirely as A's effort.

I believe therefore that A has the right skills-mix (…), I also think that she is the kind of person that would carry out her assignment diligently and with absolute commitment. She's a highly qualified person in her area of expertise and (…). The rather exclusionist environment, and professional isolation that might have been a result of the transitional state the (…) has been going through in its restructuring process particularly impacted negatively on both old and new staff.

The state of tension, brought about by a situation such as this affects people in different ways, and causes people to react in various ways. I personally get on very well with A. I believe like all of us, A would particularly thrive in a professional environment that values and respects individuals and the contribution they bring to the process, while at the same time promoting dialogue to address any differences in opinions.










Algumas das "reunioes de peritos em que me infiltrei"...



ADENDA

E porque "as questoes de genero" pendem sempre sobre uma balanca de equilibrios entre os dois sexos, ao testemunho acima decidi juntar os de dois Homens com quem tive igualmente o prazer e o privilegio de trabalhar - um Economista/Secretario Executivo, outro Jurista/Professor Universitario Catedratico.
(E note-se que nenhum deles alguma vez se mostrou exclusivamente interessado no meu corpo ou no meu perfume...)

I confirm that Ms S. worked with me for almost three years. During that period she was involved in research studies and writing of reports as well as advising on protocol implementation. Her work has always been professional and well documented. However, she would always be ready to listen to good advise and make adjustments to her submissions.
(…)
She also facilitated and organised a major workshop on protocol implementation during which she demonstated her ability to interact and network with member states of (…) as well as other institutions. She was one of the key presenters during this workshop and organized it with great care and devotion.
(…)
I have no doubt in my mind that Ms S. will be an asset to (…). She is fluent in both English and Portuguese. She is also someone who stands firm in her beliefs and will speak her mind without fear.

*****

I have known Ms. Santana for about 2 years while she was employed at the (…). I have worked closely with her on one project (Incorporation of international agreements into national legal systems of member states).
I found her a competent person and a good organizer of the one international workshop in which we cooperated. It was well-organized and the background documentation was of a high standard.
(…) When we worked together she clearly had a full and clear command of rather complex issues; with the ability to identify appropriate responses.
She presented two papers at the workshop referred to above and that went well. She is originally from Angola and if it is taken into account that English is probably her third language, it testifies to her abilities. She has a strong personality and may perhaps have rather strong views on how things should be done. I did not find that a problem.
The documentation prepared by her read well and my impression is that she has good writing and analytical skills.



*[N.B.: As referencias aqui transcritas foram passadas em estrita confidencia a um na altura prospectivo novo empregador, sem o meu conhecimento e sem copia para mim. Seria posteriormente aquele novo empregador quem, perante circunstancias extraordinarias, viria a copia-las para mim, por email, para o meu conhecimento...]


Posts Relacionados:

Memorandum [de (des)Entendimento] II

SADC Macroeconomic Convergence & Stability Policy

Do Que As Mulheres Africanas Realmente Precisam

A Irresponsabilidade do Vazio

IMAGINATIVE TRESPASSER [R]*



I so hate myself to be pinned down. My mind is always leaping ahead. People sense this. They resent it. Their little bit of truth is enough. Their life stops on their doorstep... I'd like to get a head start. I'd like to be a confederator in this new world. I've long outgrown my small little one. They have the signs up all over - trespassers will be prosecuted - but I am an imaginative trespasser. There are no real barriers then.

(Bessie Head, 3 October 1965)




(Souls) From Cape Town to Serowe and Back...

(...) There’s Bessie Head, of course, in extracts from “Imaginative Trespasser” (Letters between Bessie Head, Patrick and Wendy Cullinan 1963 - 1977) – a true literary treasure for me. I found it some three weeks ago and it took me to the good old days of the fine art of letter writing, which is all but dead nowadays, and has probably renewed in me this “bad habit” of writing to people… BJ, you certainly know her story: she eventually made peace with the ‘biggest African village’ and the village with her; she even came to deeply love the country, having at some point ‘fallen in love’ with the images and legacy of Khama the Great and Tshekedi – the very founder of the school where she had been given so much grief; built a little house with the proceedings of one of her books, became a citizen of the country and some sort of ‘honorary Mangwato’ even if only in her own complex and challenging (challenged?) mind…
You are one of the few I told about that afternoon I stormed out of Gabs and ended up in Serowe for the first time, where I spent a pleasant night in a thatched rondavel and the next day went around the place: visited the Kgotla, where the Chief (also a member of the clans Khama and Seretse) kindly received me, told me about the History of the place and the country and then offered to take me to the Khama graves, having walked me half the way till I asked him not to make the effort all the way uphill; went to the Khama Museum and even passed by the Tshekedi Memorial School. Unfortunately, at the time I didn’t know about the details of Bessie’s life in all those places, or of her arquives in the Museum, otherwise I would have certainly spent more time there just to find out more about her. I’m even tempted to go there again to complete the visit before I leave for Cape Town.
I had been wanting to go there since I read a book about a year ago by Gasebalwe Seretse, “Tshekedi Khama: The Master Whose Dogs Barked at - A critical look at Ngwato Politics”… Now, picture this: just now, I went to fetch this book to double check the author’s name and just ‘discovered’ that, among an all bunch of books on the Khamas and Botswana that I bought in the last year but still haven’t had the time to read, I have “A Question of Power” by Bessie, which I was in the last few days thinking about buying after reading “Imaginative Trespasser”… and more: Seretse actually quotes from Bessie's twice in his book to help the reader visualise Serowe… What a find!

(From a letter from me to some friends, SEP 2005)


*[First posted 25/01/07]


I so hate myself to be pinned down. My mind is always leaping ahead. People sense this. They resent it. Their little bit of truth is enough. Their life stops on their doorstep... I'd like to get a head start. I'd like to be a confederator in this new world. I've long outgrown my small little one. They have the signs up all over - trespassers will be prosecuted - but I am an imaginative trespasser. There are no real barriers then.

(Bessie Head, 3 October 1965)




(Souls) From Cape Town to Serowe and Back...

(...) There’s Bessie Head, of course, in extracts from “Imaginative Trespasser” (Letters between Bessie Head, Patrick and Wendy Cullinan 1963 - 1977) – a true literary treasure for me. I found it some three weeks ago and it took me to the good old days of the fine art of letter writing, which is all but dead nowadays, and has probably renewed in me this “bad habit” of writing to people… BJ, you certainly know her story: she eventually made peace with the ‘biggest African village’ and the village with her; she even came to deeply love the country, having at some point ‘fallen in love’ with the images and legacy of Khama the Great and Tshekedi – the very founder of the school where she had been given so much grief; built a little house with the proceedings of one of her books, became a citizen of the country and some sort of ‘honorary Mangwato’ even if only in her own complex and challenging (challenged?) mind…
You are one of the few I told about that afternoon I stormed out of Gabs and ended up in Serowe for the first time, where I spent a pleasant night in a thatched rondavel and the next day went around the place: visited the Kgotla, where the Chief (also a member of the clans Khama and Seretse) kindly received me, told me about the History of the place and the country and then offered to take me to the Khama graves, having walked me half the way till I asked him not to make the effort all the way uphill; went to the Khama Museum and even passed by the Tshekedi Memorial School. Unfortunately, at the time I didn’t know about the details of Bessie’s life in all those places, or of her arquives in the Museum, otherwise I would have certainly spent more time there just to find out more about her. I’m even tempted to go there again to complete the visit before I leave for Cape Town.
I had been wanting to go there since I read a book about a year ago by Gasebalwe Seretse, “Tshekedi Khama: The Master Whose Dogs Barked at - A critical look at Ngwato Politics”… Now, picture this: just now, I went to fetch this book to double check the author’s name and just ‘discovered’ that, among an all bunch of books on the Khamas and Botswana that I bought in the last year but still haven’t had the time to read, I have “A Question of Power” by Bessie, which I was in the last few days thinking about buying after reading “Imaginative Trespasser”… and more: Seretse actually quotes from Bessie's twice in his book to help the reader visualise Serowe… What a find!

(From a letter from me to some friends, SEP 2005)


*[First posted 25/01/07]

MARIA LUISA DOLBETH E COSTA E “O PORTUGUES K’ESTAMOS KUM ELE” (R)*

Se ha’ alguem a quem tenho que pedir desculpas pelos meus pontapes na lingua de Camoes, esse alguem e’ a Professora Maria Luisa Dolbeth e Costa. Ela foi minha professora de Portugues, ainda no tempo colonial, no entao Liceu Feminino D. Guiomar de Lencastre, hoje Nzinga Mbandi, em Luanda. Mas nao e’ para falar dela, ou de mim, que aqui trago a entrevista que ela concedeu recentemente ao Jornal de Angola sobre o Acordo Ortografico da Lingua Portuguesa.
Ou melhor, sobre ela nao posso deixar de dizer o seguinte: num liceu de esmagadora maioria de alunas brancas e de professoras todas brancas, ela apareceu-nos naqueles tempos, pelo menos a mim, salvaguardadas as devidas distancias e proporcoes, como uma especie de Barack Obama...

“Eu gosto de grafar maka com k, para distinguir do vocábulo maca com "c", que nos remete para um instrumento hospitalar. Eu diria, então, que esta maka, com "k", neologismo nosso, deveria ser melhor discutida e reflectida no nosso caso, não apenas por razões económicas.”


"Acordo ortográfico, tudo bem, mas para nos unir na diferença"

A pessoa com quem falámos tem um alto nível de competência técnica para falar, como peixe na água, da Língua Portuguesa, num português fluente. Linguista de formação, a angolana Maria Luísa Dolbeth e Costa dá aulas de português há 36 anos. Antiga aluna de Lindley Cintra, co-autora da Nova Gramática do Português Contemporâneo, Maria Luísa Dolbeth e Costa foi procurada pelo Vida Cultural para uma abordagem à volta do polémico, como ela também considerou, Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A entrevistada, pessoa de trato fácil, oferece, ao longo da entrevista, subsídios interessantes sobre o Acordo Ortográfico, sobre o qual afirma, peremptoriamente: "não concordo é com este Acordo nos termos em que ele está feito, porque me permite abrir espaço para dúvidas sobre o grau de subjectividade que terá dominado muitas das suas decisões".

[Aqui]
*(First posted 07/09/08)
Se ha’ alguem a quem tenho que pedir desculpas pelos meus pontapes na lingua de Camoes, esse alguem e’ a Professora Maria Luisa Dolbeth e Costa. Ela foi minha professora de Portugues, ainda no tempo colonial, no entao Liceu Feminino D. Guiomar de Lencastre, hoje Nzinga Mbandi, em Luanda. Mas nao e’ para falar dela, ou de mim, que aqui trago a entrevista que ela concedeu recentemente ao Jornal de Angola sobre o Acordo Ortografico da Lingua Portuguesa.
Ou melhor, sobre ela nao posso deixar de dizer o seguinte: num liceu de esmagadora maioria de alunas brancas e de professoras todas brancas, ela apareceu-nos naqueles tempos, pelo menos a mim, salvaguardadas as devidas distancias e proporcoes, como uma especie de Barack Obama...

“Eu gosto de grafar maka com k, para distinguir do vocábulo maca com "c", que nos remete para um instrumento hospitalar. Eu diria, então, que esta maka, com "k", neologismo nosso, deveria ser melhor discutida e reflectida no nosso caso, não apenas por razões económicas.”


"Acordo ortográfico, tudo bem, mas para nos unir na diferença"

A pessoa com quem falámos tem um alto nível de competência técnica para falar, como peixe na água, da Língua Portuguesa, num português fluente. Linguista de formação, a angolana Maria Luísa Dolbeth e Costa dá aulas de português há 36 anos. Antiga aluna de Lindley Cintra, co-autora da Nova Gramática do Português Contemporâneo, Maria Luísa Dolbeth e Costa foi procurada pelo Vida Cultural para uma abordagem à volta do polémico, como ela também considerou, Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A entrevistada, pessoa de trato fácil, oferece, ao longo da entrevista, subsídios interessantes sobre o Acordo Ortográfico, sobre o qual afirma, peremptoriamente: "não concordo é com este Acordo nos termos em que ele está feito, porque me permite abrir espaço para dúvidas sobre o grau de subjectividade que terá dominado muitas das suas decisões".

[Aqui]
*(First posted 07/09/08)

Sim Sra. Ministra!



Carolina Cerqueira

Ministra da Comunicacao Social de Angola:


(...)

Constatamos com preocupação que a qualidade jornalística e obviamente a qualidade editorial da nossa comunicação social, tanto pública como privada carece de mais inovação em termos de pesquisa, de isenção, de respeito pela verdade dos factos, de investigação, de divulgação de conhecimentos, de valores culturais e de princípios de identidade, suportes essenciais para o desenvolvimento socioeconómico sustentado do futuro. O profissionalismo jornalístico, expresso na pretensão da veracidade deve expressar na sua objectividade.

A regulamentação do vasto pacote legislativo que irá traçar o figurino de actuação da comunicação social à luz dos desafios e propósitos da III República é uma tarefa que envolve já os representantes da classe de todos os órgãos da Comunicação Social públicos e privados, de forma a que os direitos da classe sejam legalmente protegidos mas que os seus deveres não permitam a proliferação de informações caluniosas que atentam muitas vezes contra a moral pública, a integridade e a dignidade das pessoas, o desrespeito pelos titulares dos órgãos de soberania a própria soberania do Estado e a unidade Nacional.

(...)

Os média podem e devem promover a cultura de responsabilização e de prestação de contas, ajudar a cultivar o espírito de cidadania, de inclusão e de participação, estimular a auto estima e acarinhar a criatividade dos angolanos.

Todos estamos conscientes que os média são cada vez mais um elemento incontornável na formação das culturas, de socialização e na constituição de personalidades assumindo uma responsabilidade importante no estabelecimento da força coesiva que garante a integração social, independentemente da participação dos agentes sociais.

(...)

Os média dispõem de uma capacidade que pode despoletar dinâmicas sociais alternativas tendentes a aprofundar o exercício da democracia e é nesse sentido que apelo a todos para uma cultura nova na conduta dos jornalistas, cultura que promova a inclusão e a participação de todos na construção da nova Angola, cultura que promova e acarinhe o esforço de todos os angolanos, desde o mais humilde aos esforços de desenvolvimento nacional, atitude que reprove os actos de violência, em todas as suas dimensões e que seja capaz atraves de exemplos positivos de contribuir para a educação civica das populações, complementando o papel da familia, da Escola e da Igreja, enquanto mecanismos que tambem asseguram a regularidade nas dinâmicas sociais.

O que torna a Comunicação Social mais forte e pluralista é garantir uma comunicação que previlegie uma relação dinamica com o público, aberta à critica e à partilha de saberes, ao confronto de opiniões e de argumentos e à pluralidade de discursos, numa base de segurança, confiança e respeito pela diversidade.

(...)

Enquanto espaço público, os media deverão desempenhar um papel importante como espaços de aprofundamento de cidadania, interagindo com a sociedade civil como instância de mediação entre o público e o privado, contribuindo para uma globalização de cultura, expondo-se aos ventos das mudanças que auxilia o aprofundamento da democracia, o reforço das instituições de forma a responder inteligentemente a fluidez das dinamicas sociais.

A relação local/global resultante da articulação entre comunidades e espaços públicos, e uma cultura politica global informado pelos papeis da diversidade, do respeito pelos actos humanos e na universalidade no reconhecimento das pretensões legitimas não será realidade sem reconhecimento de uma dimensão cívica na actividade dos media, que assegurem o pluralismo e a equidade, o aprofundamento de uma reflexão acerca do modo como o próprio jornalismo pode influenciar positivamente a vida pública.

(...)

Por exemplo verificamos que as noticias do trabalho jornalístico, na abordagem das questões da violência estão mais orientadas para a cobertura e tratamento do que é pontual e episódico do que para o contexto em que os acontecimentos ocorrem.As poucas tentativas de descrever um tema com mais profundidade são geralmente desprovidas de sistematicidade e pouco incisivas.

Aquilo que geralmente é transmitido ao público é a localização dos acontecimentos, os indivíduos que nele estão envolvidos e pormenores, com frequência, estes elementos ocupam, automaticamente o 1º lugar na memoria dos destinatários enquanto que a causa dos acontecimentos permanece em fundo.

O que dai resulta é uma memória fragmentada , cheia de pormenores isolados e a que falta o contexto. Cai-se assim num ciclo vicioso e normalmente a abordagem dos temas sobre a violência são mais sensacionalistas do que educativos, suscitando mais curiosidade do que repulsa.

Sensibilizar e consciencializar a população assim como potenciar acções de apoio social que contribuam para superar o impacto de uma situação de violência, é o desafio que lançamos a cada um de vós, conscientes de que será possível assim fazer uma informação mais humana e mais adequada a actual conjuntura nacional.


[Informacao daqui]



Carolina Cerqueira

Ministra da Comunicacao Social de Angola:


(...)

Constatamos com preocupação que a qualidade jornalística e obviamente a qualidade editorial da nossa comunicação social, tanto pública como privada carece de mais inovação em termos de pesquisa, de isenção, de respeito pela verdade dos factos, de investigação, de divulgação de conhecimentos, de valores culturais e de princípios de identidade, suportes essenciais para o desenvolvimento socioeconómico sustentado do futuro. O profissionalismo jornalístico, expresso na pretensão da veracidade deve expressar na sua objectividade.

A regulamentação do vasto pacote legislativo que irá traçar o figurino de actuação da comunicação social à luz dos desafios e propósitos da III República é uma tarefa que envolve já os representantes da classe de todos os órgãos da Comunicação Social públicos e privados, de forma a que os direitos da classe sejam legalmente protegidos mas que os seus deveres não permitam a proliferação de informações caluniosas que atentam muitas vezes contra a moral pública, a integridade e a dignidade das pessoas, o desrespeito pelos titulares dos órgãos de soberania a própria soberania do Estado e a unidade Nacional.

(...)

Os média podem e devem promover a cultura de responsabilização e de prestação de contas, ajudar a cultivar o espírito de cidadania, de inclusão e de participação, estimular a auto estima e acarinhar a criatividade dos angolanos.

Todos estamos conscientes que os média são cada vez mais um elemento incontornável na formação das culturas, de socialização e na constituição de personalidades assumindo uma responsabilidade importante no estabelecimento da força coesiva que garante a integração social, independentemente da participação dos agentes sociais.

(...)

Os média dispõem de uma capacidade que pode despoletar dinâmicas sociais alternativas tendentes a aprofundar o exercício da democracia e é nesse sentido que apelo a todos para uma cultura nova na conduta dos jornalistas, cultura que promova a inclusão e a participação de todos na construção da nova Angola, cultura que promova e acarinhe o esforço de todos os angolanos, desde o mais humilde aos esforços de desenvolvimento nacional, atitude que reprove os actos de violência, em todas as suas dimensões e que seja capaz atraves de exemplos positivos de contribuir para a educação civica das populações, complementando o papel da familia, da Escola e da Igreja, enquanto mecanismos que tambem asseguram a regularidade nas dinâmicas sociais.

O que torna a Comunicação Social mais forte e pluralista é garantir uma comunicação que previlegie uma relação dinamica com o público, aberta à critica e à partilha de saberes, ao confronto de opiniões e de argumentos e à pluralidade de discursos, numa base de segurança, confiança e respeito pela diversidade.

(...)

Enquanto espaço público, os media deverão desempenhar um papel importante como espaços de aprofundamento de cidadania, interagindo com a sociedade civil como instância de mediação entre o público e o privado, contribuindo para uma globalização de cultura, expondo-se aos ventos das mudanças que auxilia o aprofundamento da democracia, o reforço das instituições de forma a responder inteligentemente a fluidez das dinamicas sociais.

A relação local/global resultante da articulação entre comunidades e espaços públicos, e uma cultura politica global informado pelos papeis da diversidade, do respeito pelos actos humanos e na universalidade no reconhecimento das pretensões legitimas não será realidade sem reconhecimento de uma dimensão cívica na actividade dos media, que assegurem o pluralismo e a equidade, o aprofundamento de uma reflexão acerca do modo como o próprio jornalismo pode influenciar positivamente a vida pública.

(...)

Por exemplo verificamos que as noticias do trabalho jornalístico, na abordagem das questões da violência estão mais orientadas para a cobertura e tratamento do que é pontual e episódico do que para o contexto em que os acontecimentos ocorrem.As poucas tentativas de descrever um tema com mais profundidade são geralmente desprovidas de sistematicidade e pouco incisivas.

Aquilo que geralmente é transmitido ao público é a localização dos acontecimentos, os indivíduos que nele estão envolvidos e pormenores, com frequência, estes elementos ocupam, automaticamente o 1º lugar na memoria dos destinatários enquanto que a causa dos acontecimentos permanece em fundo.

O que dai resulta é uma memória fragmentada , cheia de pormenores isolados e a que falta o contexto. Cai-se assim num ciclo vicioso e normalmente a abordagem dos temas sobre a violência são mais sensacionalistas do que educativos, suscitando mais curiosidade do que repulsa.

Sensibilizar e consciencializar a população assim como potenciar acções de apoio social que contribuam para superar o impacto de uma situação de violência, é o desafio que lançamos a cada um de vós, conscientes de que será possível assim fazer uma informação mais humana e mais adequada a actual conjuntura nacional.


[Informacao daqui]

Tuesday, 30 March 2010

The Burden of The Black Woman




{...rio correndo do fundo do utero pelos olhos...}

*


This book examines the historical endeavors to regulate Black female sexuality and reproduction in the United States, through methods of exploitation, control, repression, and coercion. To that end, this book further explores the continued impact of labeling and stereotyping on the development of policies that lead to the construction of national, racial, and gender identities for Black women.


“A well researched, well written, and historically imperative work that adds racial, political, and economic context to the issue of reproductive rights. Black Women’s Burden will likely inform future reproductive rights research in considering the relevance of social rhetoric, and political and economic climates in the examination of women’s experiences.”—Journal of African American Studies

“Black Woman’s Burden is a book that should be read by everyone who believes in human rights. It is that rare book that marries political economy with the reproductive rights of an oppressed class. Once more we see in her brilliant work that the personal experiences have political and historical antecedents. Despite the fact that black women are the most dedicated, educated, and stable members of the black community, they remain the most devalued and stigmatized group among the panorama of sub-groups in the United States. This book explores how a predatory political and economic system operates to deprive her of control over her body, a condition that has existed since her introduction to the new world. This book is worth our reading and, more importantly, needs our action to redress these acts of oppression that remain a fundamental part of her life.”--Robert Staples, Emeritus Professor, Graduate Program in Sociology, University of California, San Francisco

“Nicole Rousseau brings a powerful critical lens to a topic frequently ignored, except as a problem rooted in bad behavior: Black Women’s reproduction. In Black Women’s Burden, Professor Rousseau deploys a cogent historical materialist analysis to Black women’s sexual and reproductive histories. Centrally, her point of departure is political economic, articulating Black women’s historical relations with the capitalist state. Herein is rooted, she argues, the regulation of Black women’s reproduction and resistance to such regulation. Rousseau makes quite a compelling case.”--Rose M. Brewer, Professor of African American & African Studies, University of Minnesota-Twin Cities


[More details here]




{...rio correndo do fundo do utero pelos olhos...}

*


This book examines the historical endeavors to regulate Black female sexuality and reproduction in the United States, through methods of exploitation, control, repression, and coercion. To that end, this book further explores the continued impact of labeling and stereotyping on the development of policies that lead to the construction of national, racial, and gender identities for Black women.


“A well researched, well written, and historically imperative work that adds racial, political, and economic context to the issue of reproductive rights. Black Women’s Burden will likely inform future reproductive rights research in considering the relevance of social rhetoric, and political and economic climates in the examination of women’s experiences.”—Journal of African American Studies

“Black Woman’s Burden is a book that should be read by everyone who believes in human rights. It is that rare book that marries political economy with the reproductive rights of an oppressed class. Once more we see in her brilliant work that the personal experiences have political and historical antecedents. Despite the fact that black women are the most dedicated, educated, and stable members of the black community, they remain the most devalued and stigmatized group among the panorama of sub-groups in the United States. This book explores how a predatory political and economic system operates to deprive her of control over her body, a condition that has existed since her introduction to the new world. This book is worth our reading and, more importantly, needs our action to redress these acts of oppression that remain a fundamental part of her life.”--Robert Staples, Emeritus Professor, Graduate Program in Sociology, University of California, San Francisco

“Nicole Rousseau brings a powerful critical lens to a topic frequently ignored, except as a problem rooted in bad behavior: Black Women’s reproduction. In Black Women’s Burden, Professor Rousseau deploys a cogent historical materialist analysis to Black women’s sexual and reproductive histories. Centrally, her point of departure is political economic, articulating Black women’s historical relations with the capitalist state. Herein is rooted, she argues, the regulation of Black women’s reproduction and resistance to such regulation. Rousseau makes quite a compelling case.”--Rose M. Brewer, Professor of African American & African Studies, University of Minnesota-Twin Cities


[More details here]

Monday, 29 March 2010

Just Poetry (XIV)

ROSA EM TEMPO DE CHUVA

Rosa de há tempos
quando voltaste
uma rede de amor
amuletos de sedução
no balaio de certezas
carne em festa e
um certo coração,

rosa de agora que ficaste
a magia esquecida
entre os dedos sofrida
energia detida
em frasco de perfume,

quero-te rosa,
mas, a esterilidade do gesto
e a superficialidade do toque
um fogo quase afogado
encubado,

rosa, quero que voltes
mas não fiques,
cumpre a tua missão
de nuvem carregada e
dá-me a tua chuva. Apenas.

{A.S. in S.O.S.}



A Rosa era uma jovem mulher negra. E tenho para mim que o seu apelido era Bonita. Dizia-se que tinha estado em Portugal a estudar e de la’ voltado assim: feita Joana Maluca dos anos 80. Rosa Bonita e Joana Maluca, duas mulheres-simbolo do pior tipo de violencia que pode ser exercido sobre a mulher: a sua coisificacao sexual enquanto deficiente mental; Rosa Bonita e Joana Maluca, duas mulheres-testemunho do pior mal de que pode enfermar toda uma cidade, toda uma sociedade: a total indiferenca, quando nao "divertimento", com que os seus casos eram “olhados”…
Enquanto a Joana Maluca “exercia o seu mister” nas ruas e bordeis do Bairro Operario dos anos 60 e 70, servindo os contingentes de tropa portuguesa que ali eram despejados em camioes, a Rosa Bonita “exercia-o” nas ruas e hoteis da Baixa Luandense, servindo os cooperantes estrangeiros do pos-independencia.
Mas, se da Joana Maluca dos meus tempos de miuda eu tinha medo, fugia dela quando a via, da Rosa Bonita nao: era muito simpatica, trazia sempre um sorriso nos labios e uma flor no cabelo. Vi-a varias vezes gravida – nao sei o que foi feito dos filhos…
Um dia quis ter uma conversa com ela. Uma conversa como um banho de chuva que lhe lavasse o corpo e a alma e soltasse o seu perfume original. Uma conversa que a fizesse voltar a si. Apenas.


ROSA EM TEMPO DE CHUVA

Rosa de há tempos
quando voltaste
uma rede de amor
amuletos de sedução
no balaio de certezas
carne em festa e
um certo coração,

rosa de agora que ficaste
a magia esquecida
entre os dedos sofrida
energia detida
em frasco de perfume,

quero-te rosa,
mas, a esterilidade do gesto
e a superficialidade do toque
um fogo quase afogado
encubado,

rosa, quero que voltes
mas não fiques,
cumpre a tua missão
de nuvem carregada e
dá-me a tua chuva. Apenas.

{A.S. in S.O.S.}



A Rosa era uma jovem mulher negra. E tenho para mim que o seu apelido era Bonita. Dizia-se que tinha estado em Portugal a estudar e de la’ voltado assim: feita Joana Maluca dos anos 80. Rosa Bonita e Joana Maluca, duas mulheres-simbolo do pior tipo de violencia que pode ser exercido sobre a mulher: a sua coisificacao sexual enquanto deficiente mental; Rosa Bonita e Joana Maluca, duas mulheres-testemunho do pior mal de que pode enfermar toda uma cidade, toda uma sociedade: a total indiferenca, quando nao "divertimento", com que os seus casos eram “olhados”…
Enquanto a Joana Maluca “exercia o seu mister” nas ruas e bordeis do Bairro Operario dos anos 60 e 70, servindo os contingentes de tropa portuguesa que ali eram despejados em camioes, a Rosa Bonita “exercia-o” nas ruas e hoteis da Baixa Luandense, servindo os cooperantes estrangeiros do pos-independencia.
Mas, se da Joana Maluca dos meus tempos de miuda eu tinha medo, fugia dela quando a via, da Rosa Bonita nao: era muito simpatica, trazia sempre um sorriso nos labios e uma flor no cabelo. Vi-a varias vezes gravida – nao sei o que foi feito dos filhos…
Um dia quis ter uma conversa com ela. Uma conversa como um banho de chuva que lhe lavasse o corpo e a alma e soltasse o seu perfume original. Uma conversa que a fizesse voltar a si. Apenas.


"Questoes de Genero"... (II)




… Na Pratica!


Apenas para registar algumas experiencias pessoais que tive ao longo dos anos e que, pelo menos quanto a mim, exemplificam algumas das questoes a volta da “problematica do genero”:

- Uma vez, em Luanda, candidatei-me a um curso de “avaliadores de diamantes” que deveria ter lugar em Londres, oferecido por uma empresa diamantifera nacional. Fui, como todos os outros candidatos, submetida aos mais diversos testes. No fim, fui classificada entre os tres melhores candidatos, sendo que os outros dois eram homens. Mas os decisores, que eram Ingleses, comunicaram-me, “com muita pena”, que eu nao fora seleccionada por ser ainda “uma jovem mulher” e que, portanto, “depois podia casar e/ou engravidar e aquela profissao nao se compadecia com esse tipo de situacoes”…

- Alguns anos depois, participei pela transportadora aerea nacional, de um curso de “programacao de computadores” patrocinado por uma multinacional Americana. No inicio do curso, em que eu era a unica mulher entre 6 ou 7 homens, um dos tecnicos (Angolano) que o dirigia disse-me que “apostava que eu nunca iria conseguir conclui-lo”. Perguntei-lhe porque e ele respondeu-me, sem papas na lingua: “porque tu nao tens peito para isto”! Acontece que quando chegou a hora dos exames finais (conduzidos independentemente pela multinacional Americana) eu fui a unica do grupo que passei, tendo os meus colegas homens tido que cumprir um periodo extra de treino e serem submetidos a um segundo exame…

- De uma outra vez, em Portugal, como parte do processo de seleccao para um determinado emprego, fui submetida a testes psicotecnicos por uma empresa especializada. No fim, os managers da empresa chamaram-me em particular para me comunicarem que estavam espantados com os meus “extraordinarios resultados, dos melhores que eles ja’ tinham visto em muito tempo” e para me aconselharem a candidatar-me a um emprego melhor do que aquele para o qual tinha feito os testes…

- Mais alguns anos depois, em Londres, participei num concurso promovido por uma petrolifera para um emprego em Angola. Foi um longo processo, tanto em termos burocraticos como dos testes e entrevistas envolvidos, mas, to cut a long story short, no final acabei por ser informada de que “apesar de eu ter tido as melhores classificacoes nos testes tecnicos, psicotecnicos e linguisticos e de ter tido uma classificacao geral excelente – muito boa para um Angolano, acrescentaram para meu total desconforto e ate' "ofensa em nome de terceiros"! – eu nao tinha sido seleccionada naquela ocasiao”. Porque? Ao contrario do estipulado nos regulamentos do mercado de trabalho deste pais, nunca me deram qualquer explicacao! Nao sei se alguem chegou mesmo a ser seleccionado, sei apenas que, tambem naquela ocasiao, eu tinha sido a unica mulher participante daquele concurso…

P.S.: E, ja' agora, de registar tambem a experiencia que relato num dos comentarios a este post.


Post Relacionado:




… Na Pratica!


Apenas para registar algumas experiencias pessoais que tive ao longo dos anos e que, pelo menos quanto a mim, exemplificam algumas das questoes a volta da “problematica do genero”:

- Uma vez, em Luanda, candidatei-me a um curso de “avaliadores de diamantes” que deveria ter lugar em Londres, oferecido por uma empresa diamantifera nacional. Fui, como todos os outros candidatos, submetida aos mais diversos testes. No fim, fui classificada entre os tres melhores candidatos, sendo que os outros dois eram homens. Mas os decisores, que eram Ingleses, comunicaram-me, “com muita pena”, que eu nao fora seleccionada por ser ainda “uma jovem mulher” e que, portanto, “depois podia casar e/ou engravidar e aquela profissao nao se compadecia com esse tipo de situacoes”…

- Alguns anos depois, participei pela transportadora aerea nacional, de um curso de “programacao de computadores” patrocinado por uma multinacional Americana. No inicio do curso, em que eu era a unica mulher entre 6 ou 7 homens, um dos tecnicos (Angolano) que o dirigia disse-me que “apostava que eu nunca iria conseguir conclui-lo”. Perguntei-lhe porque e ele respondeu-me, sem papas na lingua: “porque tu nao tens peito para isto”! Acontece que quando chegou a hora dos exames finais (conduzidos independentemente pela multinacional Americana) eu fui a unica do grupo que passei, tendo os meus colegas homens tido que cumprir um periodo extra de treino e serem submetidos a um segundo exame…

- De uma outra vez, em Portugal, como parte do processo de seleccao para um determinado emprego, fui submetida a testes psicotecnicos por uma empresa especializada. No fim, os managers da empresa chamaram-me em particular para me comunicarem que estavam espantados com os meus “extraordinarios resultados, dos melhores que eles ja’ tinham visto em muito tempo” e para me aconselharem a candidatar-me a um emprego melhor do que aquele para o qual tinha feito os testes…

- Mais alguns anos depois, em Londres, participei num concurso promovido por uma petrolifera para um emprego em Angola. Foi um longo processo, tanto em termos burocraticos como dos testes e entrevistas envolvidos, mas, to cut a long story short, no final acabei por ser informada de que “apesar de eu ter tido as melhores classificacoes nos testes tecnicos, psicotecnicos e linguisticos e de ter tido uma classificacao geral excelente – muito boa para um Angolano, acrescentaram para meu total desconforto e ate' "ofensa em nome de terceiros"! – eu nao tinha sido seleccionada naquela ocasiao”. Porque? Ao contrario do estipulado nos regulamentos do mercado de trabalho deste pais, nunca me deram qualquer explicacao! Nao sei se alguem chegou mesmo a ser seleccionado, sei apenas que, tambem naquela ocasiao, eu tinha sido a unica mulher participante daquele concurso…

P.S.: E, ja' agora, de registar tambem a experiencia que relato num dos comentarios a este post.


Post Relacionado:

“Questoes de Genero”… (I)



… Na Pratica!

Era uma vez… uma chefe (Protocol & Policy Adviser – PPA) que, embora pudesse dispensar os servicos de uma PA, a dada altura se viu forcada a contratar um(a) Research Assistant (RA). Entao, obtidos os necessarios consensos e approvals, desencadeou todo o processo de concepcao, advertising, seleccao e entrevistas para o posto. E… em cada uma dessas fases, encontrou entraves.

Na fase de advertising, que havia sido concebida para ter uma abrangencia internacional, embora com requisitos que implicitamente indicavam uma preferencia por candidatos regionais ou continentais, levantaram-se vozes que entendiam que aquela posicao deveria “estatutariamente” ser preenchida por um nacional do pais em que iria ser exercida. A PPA conseguiu ignora-las (mesmo porque elas nao tinham nenhum respaldo “estatutario” ou institucional) ate’ que, um belo dia, ja’ em plena fase de seleccao, viu o seu gabinete literalmente invadido por uma ‘senhora’, com a postura e linguagem mais agressivas que se podem imaginar, que nao se havia conformado com o facto de lhe ter sido comunicado por email que a sua candidatura nao poderia ser considerada por ela a ter submetido depois da deadline

Nao satisfeita com a inflexibilidade da PPA em relacao a sua pretendida “imposicao”, a ‘senhora’ dirigiu-se entao ao gabinete ao lado – que era ocupado por um individuo branco-europeu que, por esse facto, a ‘senhora’ achava que era quem mandava na PPA – para “apresentar queixa” dela… Tambem nao tendo obtido ali a satisfacao desejada, continuou o seu periplo de queixumes por varios gabinetes, especialmente daqueles seus conterraneos que haviam levantado as suas vozes "proteccionistas" durante a fase de advertising… Tao “poderosas” eram tais vozes que conseguiram fazer com que a chefe fosse chamada a “instancias superiores” para “explicacoes” sobre o caso da ‘senhora’ alegadamente por ela “discriminada”…
Bom, a questao acabou por ser resolvida pela forca da razao e a ‘senhora’ e o ‘seu caso’ acabaram por ser devidamente arquivados.

Ate’ que chegou o tao ansiado dia das entrevistas, conduzidas por um painel especialmente indicado por 3 paises membros e em que a PPA, embora nele tivesse um papel orientador e de supervisao, nao tinha, por inerencia de funcoes e para evitar conflitos de interesses, poder de decisao. Well, to cut a long story short, a decisao final acabou por pender entre dois candidatos: um homem que, apesar de ser originario da regiao, residia e se havia candidatado a partir dos EUA e que, para alem de um PhD e de alguma experiencia professional na area, apresentava uma postura incontestavelmente profissional, e uma mulher muito menos qualificada, tanto academica como profissionalmente, mas que se havia candidatado a partir da regiao.

A PPA, apesar de nao ter poder de decisao no painel, nao deixou de tornar claras as suas preferencias pelo primeiro (mesmo em face da advertencia do seu colega branco europeu vizinho de gabinete, sugerindo-lhe que aquele, com o seu PhD, lhe poderia disputar o lugar…), enquanto pelo menos dois outros membros do painel se mostravam movidos a favor da segunda. E tal devia-se fundamentalmente a forma insistente como ela havia mencionado durante a entrevista o facto de ser “mae solteira de uma crianca deficiente”… Acontece que a PPA, sendo igualmente “mae solteira” e nao tendo deixado de se sentir comovida pela situacao da candidata, teria preferido que ela tivesse demonstrado um maior empenho em defender as suas qualificacoes academicas e profissionais para a funcao, as quais, mesmo nao se tendo demonstrado as melhores naquelas circunstancias, lhe permitiriam facilmente (embora ela nem sequer estivesse desempregada…) arranjar um emprego similar, ou ate’ melhor, quer naquela, quer noutra organizacao regional.

Ora, tendo a candidata sido informada por um dos membros do painel que lhe eram favoraveis, no caso tambem uma mulher, de que a decisao final poderia nao lhe ser favoravel, dirigiram-se as duas ao "gabinete do genero" para se queixarem de que a PPA nao se estava a demonstrar “suficientemente gender-sensitive”… E… a partir do “gabinete do genero” foram entao desencadeadas, em nome da “politica de quotas”, as “devidas pressoes” para que o lugar fosse oferecido a candidata…

Mas, finalmente, depois de um longo debate entre os membros do painel e a PPA, a decisao final acabou por ser em favor do candidato - decisao que tambem ia de encontro as politicas (pelo menos no plano das intencoes) das organizacoes regionais e continentais no sentido de promoverem o regresso e integracao profissional dos quadros Africanos na diaspora. Mas… as "pressoes em contrario" acumuladas ao longo do processo acabaram por conseguir obstruir a sua contratacao…
E, assim, era uma vez uma chefe que – depois de muito tempo, energia e recursos gastos – acabou por nao conseguir contratar um(a) RA!


… Na Pratica!

Era uma vez… uma chefe (Protocol & Policy Adviser – PPA) que, embora pudesse dispensar os servicos de uma PA, a dada altura se viu forcada a contratar um(a) Research Assistant (RA). Entao, obtidos os necessarios consensos e approvals, desencadeou todo o processo de concepcao, advertising, seleccao e entrevistas para o posto. E… em cada uma dessas fases, encontrou entraves.

Na fase de advertising, que havia sido concebida para ter uma abrangencia internacional, embora com requisitos que implicitamente indicavam uma preferencia por candidatos regionais ou continentais, levantaram-se vozes que entendiam que aquela posicao deveria “estatutariamente” ser preenchida por um nacional do pais em que iria ser exercida. A PPA conseguiu ignora-las (mesmo porque elas nao tinham nenhum respaldo “estatutario” ou institucional) ate’ que, um belo dia, ja’ em plena fase de seleccao, viu o seu gabinete literalmente invadido por uma ‘senhora’, com a postura e linguagem mais agressivas que se podem imaginar, que nao se havia conformado com o facto de lhe ter sido comunicado por email que a sua candidatura nao poderia ser considerada por ela a ter submetido depois da deadline

Nao satisfeita com a inflexibilidade da PPA em relacao a sua pretendida “imposicao”, a ‘senhora’ dirigiu-se entao ao gabinete ao lado – que era ocupado por um individuo branco-europeu que, por esse facto, a ‘senhora’ achava que era quem mandava na PPA – para “apresentar queixa” dela… Tambem nao tendo obtido ali a satisfacao desejada, continuou o seu periplo de queixumes por varios gabinetes, especialmente daqueles seus conterraneos que haviam levantado as suas vozes "proteccionistas" durante a fase de advertising… Tao “poderosas” eram tais vozes que conseguiram fazer com que a chefe fosse chamada a “instancias superiores” para “explicacoes” sobre o caso da ‘senhora’ alegadamente por ela “discriminada”…
Bom, a questao acabou por ser resolvida pela forca da razao e a ‘senhora’ e o ‘seu caso’ acabaram por ser devidamente arquivados.

Ate’ que chegou o tao ansiado dia das entrevistas, conduzidas por um painel especialmente indicado por 3 paises membros e em que a PPA, embora nele tivesse um papel orientador e de supervisao, nao tinha, por inerencia de funcoes e para evitar conflitos de interesses, poder de decisao. Well, to cut a long story short, a decisao final acabou por pender entre dois candidatos: um homem que, apesar de ser originario da regiao, residia e se havia candidatado a partir dos EUA e que, para alem de um PhD e de alguma experiencia professional na area, apresentava uma postura incontestavelmente profissional, e uma mulher muito menos qualificada, tanto academica como profissionalmente, mas que se havia candidatado a partir da regiao.

A PPA, apesar de nao ter poder de decisao no painel, nao deixou de tornar claras as suas preferencias pelo primeiro (mesmo em face da advertencia do seu colega branco europeu vizinho de gabinete, sugerindo-lhe que aquele, com o seu PhD, lhe poderia disputar o lugar…), enquanto pelo menos dois outros membros do painel se mostravam movidos a favor da segunda. E tal devia-se fundamentalmente a forma insistente como ela havia mencionado durante a entrevista o facto de ser “mae solteira de uma crianca deficiente”… Acontece que a PPA, sendo igualmente “mae solteira” e nao tendo deixado de se sentir comovida pela situacao da candidata, teria preferido que ela tivesse demonstrado um maior empenho em defender as suas qualificacoes academicas e profissionais para a funcao, as quais, mesmo nao se tendo demonstrado as melhores naquelas circunstancias, lhe permitiriam facilmente (embora ela nem sequer estivesse desempregada…) arranjar um emprego similar, ou ate’ melhor, quer naquela, quer noutra organizacao regional.

Ora, tendo a candidata sido informada por um dos membros do painel que lhe eram favoraveis, no caso tambem uma mulher, de que a decisao final poderia nao lhe ser favoravel, dirigiram-se as duas ao "gabinete do genero" para se queixarem de que a PPA nao se estava a demonstrar “suficientemente gender-sensitive”… E… a partir do “gabinete do genero” foram entao desencadeadas, em nome da “politica de quotas”, as “devidas pressoes” para que o lugar fosse oferecido a candidata…

Mas, finalmente, depois de um longo debate entre os membros do painel e a PPA, a decisao final acabou por ser em favor do candidato - decisao que tambem ia de encontro as politicas (pelo menos no plano das intencoes) das organizacoes regionais e continentais no sentido de promoverem o regresso e integracao profissional dos quadros Africanos na diaspora. Mas… as "pressoes em contrario" acumuladas ao longo do processo acabaram por conseguir obstruir a sua contratacao…
E, assim, era uma vez uma chefe que – depois de muito tempo, energia e recursos gastos – acabou por nao conseguir contratar um(a) RA!

(Exoticos) Bailarinos Classicos Europeus


"mente capt@s e complexad@s"

[Tal como manda a cultura dos nossos ancestrais!
E' que isto e' como o funge: e' so' ingredientes importados!]


Posts Relacionados:

O CAN da "Nossa" Globalizacao

Music & Identity

Dance?

"mente capt@s e complexad@s"

[Tal como manda a cultura dos nossos ancestrais!
E' que isto e' como o funge: e' so' ingredientes importados!]


Posts Relacionados:

O CAN da "Nossa" Globalizacao

Music & Identity

Dance?

Sunday, 28 March 2010

"Tara Tribal"?

PERSONAGENS (VII)



O TIO

Nunca se soube muito bem por que vias afectivas se tornara tio daquelas maninhas.
Nem de onde lhe vinha a kigila que parecia ter com uma delas…
Sabia-se apenas que a conhecia de um tempo de tragedias revolucionarias e de uma idade de inocencias pueris. O tempo era o dele; a idade a dela. Figura paterna, projectava ela; coisa a explorar, vislumbrava ele.
E assim se foram ondulando entre o sul e o norte do tempo e da idade; se foram cidadaniando entre picadeiros e largos; se foram confrontando em tabuleiros de xadrez; se foram contando entre letras de musicas, prosas e versos. Um dia ele disse que queria explorar mais os dela. Ela que nao, que ainda andava em busca de certezas da idade de brigadistas. Ele que sim, qual brigada qual que, ia logo-logo po-los entre os do tempo dele. E assim se lhe impos com sua certeza de figura paterna
Qual figura paterna qual que, olha maze’ pra mim com outros olhos; esses com que devias ver que aquele a quem dedicas todas as suas lagrimas anda por ai com outras – ainda ha’ pouco o vi com uma branca! Sera' que e’ a Kianda que mora aqui por baixo do predio que te tras assim toda fitiçada ou que?! Ralhou.
Mas, agora mudando de assunto, ha’ uns gajos do meu tempo que tambem me andam a fazer chorar, mas garanto-te aqui neste kubico onde a Kianda me pode ouvir, que nao hei-de morrer sem escrever um livro numa lingua nacional, do sul ou do norte nao importa!
E se assim falou o tio, assim o fez, num tempo em que nem ele sabia bem porque (talvez a globalizacao, talvez a democracia, talvez o ela nunca o ter conseguido olhar com outros olhos, talvez a perene falta de alianca no anelar dela…) as palavras que mais o excitavam e inspiravam eram ‘desconhecimento’ e ‘promiscuidade’. Era a idade da razao dela e as lagrimas e os ouvidos da Kianda estavam entao longe de ambos. Talvez por essas vias se encontrem as razoes de todas as kigilas.



O TIO

Nunca se soube muito bem por que vias afectivas se tornara tio daquelas maninhas.
Nem de onde lhe vinha a kigila que parecia ter com uma delas…
Sabia-se apenas que a conhecia de um tempo de tragedias revolucionarias e de uma idade de inocencias pueris. O tempo era o dele; a idade a dela. Figura paterna, projectava ela; coisa a explorar, vislumbrava ele.
E assim se foram ondulando entre o sul e o norte do tempo e da idade; se foram cidadaniando entre picadeiros e largos; se foram confrontando em tabuleiros de xadrez; se foram contando entre letras de musicas, prosas e versos. Um dia ele disse que queria explorar mais os dela. Ela que nao, que ainda andava em busca de certezas da idade de brigadistas. Ele que sim, qual brigada qual que, ia logo-logo po-los entre os do tempo dele. E assim se lhe impos com sua certeza de figura paterna
Qual figura paterna qual que, olha maze’ pra mim com outros olhos; esses com que devias ver que aquele a quem dedicas todas as suas lagrimas anda por ai com outras – ainda ha’ pouco o vi com uma branca! Sera' que e’ a Kianda que mora aqui por baixo do predio que te tras assim toda fitiçada ou que?! Ralhou.
Mas, agora mudando de assunto, ha’ uns gajos do meu tempo que tambem me andam a fazer chorar, mas garanto-te aqui neste kubico onde a Kianda me pode ouvir, que nao hei-de morrer sem escrever um livro numa lingua nacional, do sul ou do norte nao importa!
E se assim falou o tio, assim o fez, num tempo em que nem ele sabia bem porque (talvez a globalizacao, talvez a democracia, talvez o ela nunca o ter conseguido olhar com outros olhos, talvez a perene falta de alianca no anelar dela…) as palavras que mais o excitavam e inspiravam eram ‘desconhecimento’ e ‘promiscuidade’. Era a idade da razao dela e as lagrimas e os ouvidos da Kianda estavam entao longe de ambos. Talvez por essas vias se encontrem as razoes de todas as kigilas.

CUBA! AFRICA! REVOLUTION! [R]*

[Em memoria da Batalha do Kuito Kwanavale]


A segunda parte desta serie foi exibida ontem, como previsto, e concentrou-se exclusivamente no periodo imediatamente anterior ao 11 de Novembro e ao pos-independencia de Angola.

Um dos primeiros intervenientes foi Jorge Valentim, que relatou o ambiente de desconfianca existente durante as negociacoes de Penina em que, citando-o, “no hotel de quatro andares em que as partes foram hospedadas, o r/c era destinado as reunioes plenarias, o primeiro andar a UNITA, o segundo a FNLA, o terceiro ao MPLA e o quarto aos Portugueses”… o que, para alem da ideia de hierarquia, tera’ criado nos hospedados nos primeiro e segundo andares um clima de suspeicao em relacao aos hospedados nos andares de cima ou, para usar a sua expressao, uma constante sensacao de “plotting going on up there”…

Outro interveniente pela UNITA foi Tony da Costa Fernandes, que relatou o encontro entre Savimbi e Reagan alguns anos mais tarde, ao fim do qual Reagan tera’ ordenado aos seus assistentes militares: “o homem quer os Stingers… nos nao os demos nem sequer aos nossos amigos Sul-Koreanos... but, if he wants the Stingers, give him the Stingers”! Outros intervenientes de destaque foram Ngola Kabango pela FNLA, Paulo Jorge, Ndalu e Onambwe pelo MPLA, Chester Crocker pelos Americanos, Jorge Risquet pelos Cubanos e Pik Botha pelos Sul-Africanos.

O episodio foi marcado por uma remarcavel boa disposicao, sobretudo por parte de Onambwe e Ndalu (“o sorriso dos vencedores”?), com anedotas a volta do relato de alguns dos episodios mais criticos do periodo em analise. Por qualquer razao, as anedotas foram quase todas a volta de charutos cubanos… Onambwe conta como Neto, que nunca tinha fumado na vida, uma vez acende um charuto cubano durante uma reuniao e quando da’ conta de que esta’ toda a gente a olhar para ele, levanta o charuto e diz: foi o Fidel que me mandou! ... Ndalu recorda a poluicao provocada nas salas de reunioes das negociacoes a volta da batalha do Kuito Kwanavale pelos charutos de Jorge Risquet, enquanto este explica que o fazia so’ para irritar Americanos e Sul-Africanos…

Uma das poucas anedotas que nao teve a ver com charutos cubanos foi contada por Crocker que recorda como era facil monitorar os movimentos dos cubanos: segundo ele, sempre que aparecia um campo de baseball algures, era sinal de que os cubanos tinham chegado, ou estavam para chegar, aquela localidade; sempre que desaparecia um campo de baseball, era porque os cubanos tinham abandonado a localidade... O que me fez lembrar de um "ditado", tipo nota "precaucionaria" para automobilistas, que se usava (sera' que ainda se usa?) la' na banda: "tal como atras de uma bola vem sempre uma crianca, atras de um porco vem sempre um cubano"!


Os momentos mais serios sao trazidos por Pik Botha que acusa Risquet de, para alem de poluir o ambiente com os seus charutos, ter sido “vicious” logo no inicio das tais reunioes, acusando os Sul-Africanos de serem “racistas, fascistas e de so’ provocarem dissabores onde quer que se envolvessem” (… como se isso fosse alguma mentira!). Entretanto, Ndalu recorda das mesmas reunioes, sempre com o seu sorriso, ter perguntado a Botha, depois de este ter acusado os Cubanos de “adoptarem falsa nacionalidade Angolana e de se casarem com Angolan(a)os para permanecerem em Angola”, “quantos negros estavam encarcerados na Africa do Sul”… ao que Botha tera’ arregacado as mangas e dito: “se eu fosse mais jovem, respondia a essa pergunta com socos! Eu nao tenho medo de ti!... Vamos la' para fora!...”

Mas no fim de tudo, Botha afirma que num dos bares do Cairo, onde teve lugar uma das ultimas sessoes das negociacoes despoletadas pela batalha do Kuito Kwanavale, ele tera’ dito a Risquet: “Ja’ imaginou que poderemos os dois sair vencedores desta disputa? Cuba retira-se e podera’ reclamar ter permitido a independencia da Namibia e eu posso voltar e dizer ao eleitorado branco Sul-Africano que nos livramos dos Cubanos. Isso fara’ de nos ambos vencedores!”… Ao que Risquet se tera’ engasgado na sua bebida e decidido ponderar sobre o assunto, dando lugar ao acordo que finalmente consagrou a total retirada das tropas Cubanas de Angola, a independencia da Namibia e a libertacao de Mandela...

O episodio termina com esta afirmacao de Risquet: “… de 24 de Abril de 1965, quando Che atravessou o Lago Tanganyka e chegou ao Congo, ate’ 25 de Maio de 1991, quando foi assinado o acordo de retirada das tropas Cubanas de Angola, transcorreu a grande epopeia de Cuba em Africa… exactamente um quarto de seculo, um ano, um mes e um dia!”

Entretanto, no computo final, pelo menos 10 mil Cubanos sao contabilizados como mortos em Angola...

E eu tive a oportunidade de ouvir algo de que quase me tinha esquecido: Fidel referir-se a nosotros como “los Angoleños”…

(Ler sobre a primeira parte aqui)


*[First posted 03/05/07]


Post relacionado: Jacob Zuma in Angola
[Em memoria da Batalha do Kuito Kwanavale]


A segunda parte desta serie foi exibida ontem, como previsto, e concentrou-se exclusivamente no periodo imediatamente anterior ao 11 de Novembro e ao pos-independencia de Angola.

Um dos primeiros intervenientes foi Jorge Valentim, que relatou o ambiente de desconfianca existente durante as negociacoes de Penina em que, citando-o, “no hotel de quatro andares em que as partes foram hospedadas, o r/c era destinado as reunioes plenarias, o primeiro andar a UNITA, o segundo a FNLA, o terceiro ao MPLA e o quarto aos Portugueses”… o que, para alem da ideia de hierarquia, tera’ criado nos hospedados nos primeiro e segundo andares um clima de suspeicao em relacao aos hospedados nos andares de cima ou, para usar a sua expressao, uma constante sensacao de “plotting going on up there”…

Outro interveniente pela UNITA foi Tony da Costa Fernandes, que relatou o encontro entre Savimbi e Reagan alguns anos mais tarde, ao fim do qual Reagan tera’ ordenado aos seus assistentes militares: “o homem quer os Stingers… nos nao os demos nem sequer aos nossos amigos Sul-Koreanos... but, if he wants the Stingers, give him the Stingers”! Outros intervenientes de destaque foram Ngola Kabango pela FNLA, Paulo Jorge, Ndalu e Onambwe pelo MPLA, Chester Crocker pelos Americanos, Jorge Risquet pelos Cubanos e Pik Botha pelos Sul-Africanos.

O episodio foi marcado por uma remarcavel boa disposicao, sobretudo por parte de Onambwe e Ndalu (“o sorriso dos vencedores”?), com anedotas a volta do relato de alguns dos episodios mais criticos do periodo em analise. Por qualquer razao, as anedotas foram quase todas a volta de charutos cubanos… Onambwe conta como Neto, que nunca tinha fumado na vida, uma vez acende um charuto cubano durante uma reuniao e quando da’ conta de que esta’ toda a gente a olhar para ele, levanta o charuto e diz: foi o Fidel que me mandou! ... Ndalu recorda a poluicao provocada nas salas de reunioes das negociacoes a volta da batalha do Kuito Kwanavale pelos charutos de Jorge Risquet, enquanto este explica que o fazia so’ para irritar Americanos e Sul-Africanos…

Uma das poucas anedotas que nao teve a ver com charutos cubanos foi contada por Crocker que recorda como era facil monitorar os movimentos dos cubanos: segundo ele, sempre que aparecia um campo de baseball algures, era sinal de que os cubanos tinham chegado, ou estavam para chegar, aquela localidade; sempre que desaparecia um campo de baseball, era porque os cubanos tinham abandonado a localidade... O que me fez lembrar de um "ditado", tipo nota "precaucionaria" para automobilistas, que se usava (sera' que ainda se usa?) la' na banda: "tal como atras de uma bola vem sempre uma crianca, atras de um porco vem sempre um cubano"!


Os momentos mais serios sao trazidos por Pik Botha que acusa Risquet de, para alem de poluir o ambiente com os seus charutos, ter sido “vicious” logo no inicio das tais reunioes, acusando os Sul-Africanos de serem “racistas, fascistas e de so’ provocarem dissabores onde quer que se envolvessem” (… como se isso fosse alguma mentira!). Entretanto, Ndalu recorda das mesmas reunioes, sempre com o seu sorriso, ter perguntado a Botha, depois de este ter acusado os Cubanos de “adoptarem falsa nacionalidade Angolana e de se casarem com Angolan(a)os para permanecerem em Angola”, “quantos negros estavam encarcerados na Africa do Sul”… ao que Botha tera’ arregacado as mangas e dito: “se eu fosse mais jovem, respondia a essa pergunta com socos! Eu nao tenho medo de ti!... Vamos la' para fora!...”

Mas no fim de tudo, Botha afirma que num dos bares do Cairo, onde teve lugar uma das ultimas sessoes das negociacoes despoletadas pela batalha do Kuito Kwanavale, ele tera’ dito a Risquet: “Ja’ imaginou que poderemos os dois sair vencedores desta disputa? Cuba retira-se e podera’ reclamar ter permitido a independencia da Namibia e eu posso voltar e dizer ao eleitorado branco Sul-Africano que nos livramos dos Cubanos. Isso fara’ de nos ambos vencedores!”… Ao que Risquet se tera’ engasgado na sua bebida e decidido ponderar sobre o assunto, dando lugar ao acordo que finalmente consagrou a total retirada das tropas Cubanas de Angola, a independencia da Namibia e a libertacao de Mandela...

O episodio termina com esta afirmacao de Risquet: “… de 24 de Abril de 1965, quando Che atravessou o Lago Tanganyka e chegou ao Congo, ate’ 25 de Maio de 1991, quando foi assinado o acordo de retirada das tropas Cubanas de Angola, transcorreu a grande epopeia de Cuba em Africa… exactamente um quarto de seculo, um ano, um mes e um dia!”

Entretanto, no computo final, pelo menos 10 mil Cubanos sao contabilizados como mortos em Angola...

E eu tive a oportunidade de ouvir algo de que quase me tinha esquecido: Fidel referir-se a nosotros como “los Angoleños”…

(Ler sobre a primeira parte aqui)


*[First posted 03/05/07]


Post relacionado: Jacob Zuma in Angola

Wednesday, 24 March 2010

"Tremores de Terra" no Lubango...


... por obra e graca do "camartelo dos anjos"!


[Mais detalhes aqui e aqui]


... por obra e graca do "camartelo dos anjos"!


[Mais detalhes aqui e aqui]

An African Postcard (2)

Stellenbosch - Where Apartheid Was Born




[South Africa]

Monday, 22 March 2010

Celebrating Others' Victories! (3)

Around this time last year, Martyn (then CCS Executive Director at Stellenbosch University – South Africa) and I (then its Research Director) were anguished about my field trip to Angola to conduct one of the legs of our project on China-Africa Economic Relations.

We have both, as well as the rest of our team, moved on to other ventures since. But there will always be the memory of a glass of (chilled) Stellenbosch Chardonnay or Chenin Blanc under a oak tree to bring up a smile to our faces. So, I could only smile, while congratulating Martyn, when I got this news:

We are proud to announce that our CEO, Dr Martyn Davies has been selected as a Young Global Leader by the World Economic Forum for 2010. Martyn is also a Faculty Member of the Gordon Institute of Business Science (GIBS), University of Pretoria, South Africa.


The honour, bestowed each year by the WEF, recognizes and acknowledges up to 200 outstanding young leaders from around the world for their professional accomplishments, commitment to society and potential to contribute to shaping the future of the world. For 2010, the Forum has selected 197 Young Global Leaders from 72 countries and all stakeholders of society (business, civil society, social entrepreneurs, politics & government, arts & culture, and opinion & media). The new class represents all regions: East Asia (43), South Asia (21), Europe (46), Middle East and North Africa (14), sub-Saharan Africa (17), North America (38) and Latin America (18). This year’s selection has more gender parity than ever, with 38% women.

“The World Economic Forum is a true multi-stakeholder community of global decision-makers in which the Young Global Leaders represent the voice for the future and the hopes of the next generation. The diversity of the YGL community and its commitment to shaping a better future through action-oriented initiatives of public interest is even more important at a time when the world is in need of new energy to solve intractable challenges,” said Klaus Schwab, Founder and Executive Chairman of the World Economic Forum.

Drawn from a pool of almost 5,000 candidates, the Young Global Leaders 2010 were chosen by a selection committee, chaired by H.M. Queen Rania Al Abdullah of the Hashemite Kingdom of Jordan and comprised of 30 eminent international media leaders. The 2010 honourees will become part of the broader Forum of Young Global Leaders community that currently comprises 660 outstanding individuals.



[More details here]
Around this time last year, Martyn (then CCS Executive Director at Stellenbosch University – South Africa) and I (then its Research Director) were anguished about my field trip to Angola to conduct one of the legs of our project on China-Africa Economic Relations.

We have both, as well as the rest of our team, moved on to other ventures since. But there will always be the memory of a glass of (chilled) Stellenbosch Chardonnay or Chenin Blanc under a oak tree to bring up a smile to our faces. So, I could only smile, while congratulating Martyn, when I got this news:

We are proud to announce that our CEO, Dr Martyn Davies has been selected as a Young Global Leader by the World Economic Forum for 2010. Martyn is also a Faculty Member of the Gordon Institute of Business Science (GIBS), University of Pretoria, South Africa.


The honour, bestowed each year by the WEF, recognizes and acknowledges up to 200 outstanding young leaders from around the world for their professional accomplishments, commitment to society and potential to contribute to shaping the future of the world. For 2010, the Forum has selected 197 Young Global Leaders from 72 countries and all stakeholders of society (business, civil society, social entrepreneurs, politics & government, arts & culture, and opinion & media). The new class represents all regions: East Asia (43), South Asia (21), Europe (46), Middle East and North Africa (14), sub-Saharan Africa (17), North America (38) and Latin America (18). This year’s selection has more gender parity than ever, with 38% women.

“The World Economic Forum is a true multi-stakeholder community of global decision-makers in which the Young Global Leaders represent the voice for the future and the hopes of the next generation. The diversity of the YGL community and its commitment to shaping a better future through action-oriented initiatives of public interest is even more important at a time when the world is in need of new energy to solve intractable challenges,” said Klaus Schwab, Founder and Executive Chairman of the World Economic Forum.

Drawn from a pool of almost 5,000 candidates, the Young Global Leaders 2010 were chosen by a selection committee, chaired by H.M. Queen Rania Al Abdullah of the Hashemite Kingdom of Jordan and comprised of 30 eminent international media leaders. The 2010 honourees will become part of the broader Forum of Young Global Leaders community that currently comprises 660 outstanding individuals.



[More details here]

Celebrating Others' Victories! (2)

Katori Hall wins Best New Play title at Olivier Awards


The theatre world ought to be accustomed to sudden plot twists and reversals of fate, but the most celebrated stars of the British stage were still caught by surprise at the Olivier Awards last night as they watched a series of unexpected winners walk past them to the podium.

Not only did actors such as Jude Law and Keira Knightley have to remain seated while fellow nominees gave gleeful speeches, but the Royal Court, which seemed all but certain to triumph in the Best New Play category, was upstaged by a pub theatre in Battersea.

The Mountaintop, Katori Hall’s fanciful reconstruction of Martin Luther King’s last night in an hotel room before his murder on April 4, 1968, beat both Jez Butterworth’s Jerusalem and Lucy Prebble’s Enron, the favourites. The play, which transferred from the 65-seat Theatre503 to Trafalgar Studios, is Hall’s second play to be performed and her first to reach the West End.

Hall, 28, is the first black woman to receive the prize since the awards began in 1976, and only the fourth female. August Wilson became the first black male writer to win the award in 2002. Hall’s triumph will propel her from being an unknown — who “did not have a Wikipedia entry before this” — to a playwright whose work will command international attention.


[More Here]
Katori Hall wins Best New Play title at Olivier Awards


The theatre world ought to be accustomed to sudden plot twists and reversals of fate, but the most celebrated stars of the British stage were still caught by surprise at the Olivier Awards last night as they watched a series of unexpected winners walk past them to the podium.

Not only did actors such as Jude Law and Keira Knightley have to remain seated while fellow nominees gave gleeful speeches, but the Royal Court, which seemed all but certain to triumph in the Best New Play category, was upstaged by a pub theatre in Battersea.

The Mountaintop, Katori Hall’s fanciful reconstruction of Martin Luther King’s last night in an hotel room before his murder on April 4, 1968, beat both Jez Butterworth’s Jerusalem and Lucy Prebble’s Enron, the favourites. The play, which transferred from the 65-seat Theatre503 to Trafalgar Studios, is Hall’s second play to be performed and her first to reach the West End.

Hall, 28, is the first black woman to receive the prize since the awards began in 1976, and only the fourth female. August Wilson became the first black male writer to win the award in 2002. Hall’s triumph will propel her from being an unknown — who “did not have a Wikipedia entry before this” — to a playwright whose work will command international attention.


[More Here]

Celebrating Others' Victories! (1)

Thank you, Ana
Monday, 22 March, 2010 5:44
From:
"Barack Obama"
To:
"Ana Santana"

Ana --

For the first time in our nation's history, Congress has passed comprehensive health care reform. America waited a hundred years and fought for decades to reach this moment. Tonight, thanks to you, we are finally here.

Consider the staggering scope of what you have just accomplished:

Because of you, every American will finally be guaranteed high quality, affordable health care coverage.

Every American will be covered under the toughest patient protections in history. Arbitrary premium hikes, insurance cancellations, and discrimination against pre-existing conditions will now be gone forever.

And we'll finally start reducing the cost of care -- creating millions of jobs, preventing families and businesses from plunging into bankruptcy, and removing over a trillion dollars of debt from the backs of our children.

But the victory that matters most tonight goes beyond the laws and far past the numbers.

It is the peace of mind enjoyed by every American, no longer one injury or illness away from catastrophe.

It is the workers and entrepreneurs who are now freed to pursue their slice of the American dream without fear of losing coverage or facing a crippling bill.

And it is the immeasurable joy of families in every part of this great nation, living happier, healthier lives together because they can finally receive the vital care they need.

This is what change looks like.

My gratitude tonight is profound. I am thankful for those in past generations whose heroic efforts brought this great goal within reach for our times. I am thankful for the members of Congress whose months of effort and brave votes made it possible to take this final step. But most of all, I am thankful for you.

This day is not the end of this journey. Much hard work remains, and we have a solemn responsibility to do it right. But we can face that work together with the confidence of those who have moved mountains.

Our journey began three years ago, driven by a shared belief that fundamental change is indeed still possible. We have worked hard together every day since to deliver on that belief.

We have shared moments of tremendous hope, and we've faced setbacks and doubt. We have all been forced to ask if our politics had simply become too polarized and too short-sighted to meet the pressing challenges of our time. This struggle became a test of whether the American people could still rally together when the cause was right -- and actually create the change we believe in.

Tonight, thanks to your mighty efforts, the answer is indisputable: Yes we can.

Thank you,

President Barack Obama


*****


Ana, add your name to mine
Tuesday, 23 March, 2010 20:01
From:
"Barack Obama"
To:
"Ana Santana"

Ana --

I'm writing to you on a great day for America.

This morning, I gathered with members of Congress, my administration, and hardworking volunteers from every part of the country to sign comprehensive health care reform into law. Thanks to the immeasurable efforts of so many, the dream of reform is now a reality.

The bill I just signed puts Americans in charge of our own health care by enacting three key changes:

It establishes the toughest patient protections in history.

It guarantees all Americans affordable health insurance options, extending coverage to 32 million who are currently uninsured.

And it reduces the cost of care -- cutting over 1 trillion dollars from the federal deficit over the next two decades.

To ensure a successful, stable transition, many of these changes will phase into full effect over the next several years.

But for millions of Americans, many of the benefits of reform will begin this year -- some even taking effect this afternoon. Here are just a few examples:

Small businesses will receive significant tax cuts, this year, to help them afford health coverage for all their employees.

Seniors will receive a rebate to reduce drug costs not yet covered under Medicare.

Young people will be allowed coverage under their parents' plan until the age of 26.

Early retirees will receive help to reduce premium costs.

Children will be protected against discrimination on the basis of medical history.

Uninsured Americans with pre-existing conditions can join a special high-risk pool to get the coverage they need, starting in just 90 days.

Insured Americans will be protected from seeing their insurance revoked when they get sick, or facing restrictive annual limits on the care they receive.

All Americans will benefit from significant new investments to train primary care doctors, nurses, and public health professionals, and the creation of state-level consumer assistance programs to help all patients understand and defend our new rights.

As I've said many times, and as I know to be true, this astounding victory could not have been achieved without your tireless efforts.

So as we celebrate this great day, I want to invite you to add your name where it belongs: alongside mine as a co-signer of this historic legislation. Organizing for America will record the names of co-signers as a permanent commemoration of those who came together to make this moment possible -- all of you who refused to give up until the dream of many generations for affordable, quality care for all Americans was finally fulfilled.

Please accept my thanks for your voice, for your courage, and for your indispensable partnership in the great work of creating change.

History, and I, are in your debt.

President Barack Obama
Thank you, Ana
Monday, 22 March, 2010 5:44
From:
"Barack Obama"
To:
"Ana Santana"

Ana --

For the first time in our nation's history, Congress has passed comprehensive health care reform. America waited a hundred years and fought for decades to reach this moment. Tonight, thanks to you, we are finally here.

Consider the staggering scope of what you have just accomplished:

Because of you, every American will finally be guaranteed high quality, affordable health care coverage.

Every American will be covered under the toughest patient protections in history. Arbitrary premium hikes, insurance cancellations, and discrimination against pre-existing conditions will now be gone forever.

And we'll finally start reducing the cost of care -- creating millions of jobs, preventing families and businesses from plunging into bankruptcy, and removing over a trillion dollars of debt from the backs of our children.

But the victory that matters most tonight goes beyond the laws and far past the numbers.

It is the peace of mind enjoyed by every American, no longer one injury or illness away from catastrophe.

It is the workers and entrepreneurs who are now freed to pursue their slice of the American dream without fear of losing coverage or facing a crippling bill.

And it is the immeasurable joy of families in every part of this great nation, living happier, healthier lives together because they can finally receive the vital care they need.

This is what change looks like.

My gratitude tonight is profound. I am thankful for those in past generations whose heroic efforts brought this great goal within reach for our times. I am thankful for the members of Congress whose months of effort and brave votes made it possible to take this final step. But most of all, I am thankful for you.

This day is not the end of this journey. Much hard work remains, and we have a solemn responsibility to do it right. But we can face that work together with the confidence of those who have moved mountains.

Our journey began three years ago, driven by a shared belief that fundamental change is indeed still possible. We have worked hard together every day since to deliver on that belief.

We have shared moments of tremendous hope, and we've faced setbacks and doubt. We have all been forced to ask if our politics had simply become too polarized and too short-sighted to meet the pressing challenges of our time. This struggle became a test of whether the American people could still rally together when the cause was right -- and actually create the change we believe in.

Tonight, thanks to your mighty efforts, the answer is indisputable: Yes we can.

Thank you,

President Barack Obama


*****


Ana, add your name to mine
Tuesday, 23 March, 2010 20:01
From:
"Barack Obama"
To:
"Ana Santana"

Ana --

I'm writing to you on a great day for America.

This morning, I gathered with members of Congress, my administration, and hardworking volunteers from every part of the country to sign comprehensive health care reform into law. Thanks to the immeasurable efforts of so many, the dream of reform is now a reality.

The bill I just signed puts Americans in charge of our own health care by enacting three key changes:

It establishes the toughest patient protections in history.

It guarantees all Americans affordable health insurance options, extending coverage to 32 million who are currently uninsured.

And it reduces the cost of care -- cutting over 1 trillion dollars from the federal deficit over the next two decades.

To ensure a successful, stable transition, many of these changes will phase into full effect over the next several years.

But for millions of Americans, many of the benefits of reform will begin this year -- some even taking effect this afternoon. Here are just a few examples:

Small businesses will receive significant tax cuts, this year, to help them afford health coverage for all their employees.

Seniors will receive a rebate to reduce drug costs not yet covered under Medicare.

Young people will be allowed coverage under their parents' plan until the age of 26.

Early retirees will receive help to reduce premium costs.

Children will be protected against discrimination on the basis of medical history.

Uninsured Americans with pre-existing conditions can join a special high-risk pool to get the coverage they need, starting in just 90 days.

Insured Americans will be protected from seeing their insurance revoked when they get sick, or facing restrictive annual limits on the care they receive.

All Americans will benefit from significant new investments to train primary care doctors, nurses, and public health professionals, and the creation of state-level consumer assistance programs to help all patients understand and defend our new rights.

As I've said many times, and as I know to be true, this astounding victory could not have been achieved without your tireless efforts.

So as we celebrate this great day, I want to invite you to add your name where it belongs: alongside mine as a co-signer of this historic legislation. Organizing for America will record the names of co-signers as a permanent commemoration of those who came together to make this moment possible -- all of you who refused to give up until the dream of many generations for affordable, quality care for all Americans was finally fulfilled.

Please accept my thanks for your voice, for your courage, and for your indispensable partnership in the great work of creating change.

History, and I, are in your debt.

President Barack Obama

Sunday, 21 March 2010

1960-2010: “The Year of Africa” 50 Years On (IV)

This Day in 1960

The Sharperville Massacre


This Day in 2010

A man walks past a mural depicting the Sharpville massacre at the human right precinct in Sharpville, Sunday, March 21, 2010. 50 years ago the massacre brought the country's black rights movements to the world's attention when 69 blacks were shot dead by police for peacefully protesting apartheid laws.
(Sourced from
here)


[In memory of the Sharperville Massacre, March 21 was declared by the UN International Day for the Elimination of Racial Discrimination and Human Rights Day in South Africa by the first post-Apartheid government - more details here]
This Day in 1960

The Sharperville Massacre


This Day in 2010

A man walks past a mural depicting the Sharpville massacre at the human right precinct in Sharpville, Sunday, March 21, 2010. 50 years ago the massacre brought the country's black rights movements to the world's attention when 69 blacks were shot dead by police for peacefully protesting apartheid laws.
(Sourced from
here)


[In memory of the Sharperville Massacre, March 21 was declared by the UN International Day for the Elimination of Racial Discrimination and Human Rights Day in South Africa by the first post-Apartheid government - more details here]

Saturday, 20 March 2010

Me, Myself & I {*}

{When the winter of my (utter) discontent is (almost) over}







{Boots}



















{Pointing to Angolan Queen Nzinga's name in a long list that ends with "...and Me >:-)"}



{*}THIS IS MY 1000TH POST TO THIS BLOG!
{When the winter of my (utter) discontent is (almost) over}







{Boots}



















{Pointing to Angolan Queen Nzinga's name in a long list that ends with "...and Me >:-)"}



{*}THIS IS MY 1000TH POST TO THIS BLOG!

When Wise Women Grow Old

In April, Maya Angelou was interviewed by Oprah on her 70+ birthday. Oprah asked her what she thought of growing older.
And, there on television, she said it was 'exciting...'
Regarding body changes, she said there were many, occurring every day......like her breasts. They seem to be in a race to see which will reach her waist, first.

The audience laughed so hard they cried. She is such a simple and honest woman, with so much wisdom in her words!

Maya Angelou said this:
'I've learned that no matter what happens, or how bad it seems today, life does go on, and it will be better tomorrow.'

'I've learned that you can tell a lot about a person by the way he/she handles these three things: a rainy day, lost luggage, and tangled Christmas tree lights.'

'I've learned that regardless of your relationship with your parents, you'll miss them when they're gone from your life.'

'I've learned that making a 'living' is not the same thing as making a life.'

'I've learned that life sometimes gives you a second chance.'

'I've learned that you shouldn't go through life with a catcher's mitt on both hands; you need to be able to throw some things back...'

'I've learned that whenever I decide something with an open heart, I usually make the right decision.'

'I've learned that even when I have pains, I don't have to be one.'

'I've learned that every day you should reach out and touch someone. People love a warm hug, or just a friendly pat on the back....'

'I've learned that I still have a lot to learn..'

'I've learned that people will forget what you said, people will forget what you did, but people will never forget how you made them feel.'
In April, Maya Angelou was interviewed by Oprah on her 70+ birthday. Oprah asked her what she thought of growing older.
And, there on television, she said it was 'exciting...'
Regarding body changes, she said there were many, occurring every day......like her breasts. They seem to be in a race to see which will reach her waist, first.

The audience laughed so hard they cried. She is such a simple and honest woman, with so much wisdom in her words!

Maya Angelou said this:
'I've learned that no matter what happens, or how bad it seems today, life does go on, and it will be better tomorrow.'

'I've learned that you can tell a lot about a person by the way he/she handles these three things: a rainy day, lost luggage, and tangled Christmas tree lights.'

'I've learned that regardless of your relationship with your parents, you'll miss them when they're gone from your life.'

'I've learned that making a 'living' is not the same thing as making a life.'

'I've learned that life sometimes gives you a second chance.'

'I've learned that you shouldn't go through life with a catcher's mitt on both hands; you need to be able to throw some things back...'

'I've learned that whenever I decide something with an open heart, I usually make the right decision.'

'I've learned that even when I have pains, I don't have to be one.'

'I've learned that every day you should reach out and touch someone. People love a warm hug, or just a friendly pat on the back....'

'I've learned that I still have a lot to learn..'

'I've learned that people will forget what you said, people will forget what you did, but people will never forget how you made them feel.'

OH, OPRAH WOMAN… (R)*

Why, oh why, can’t you get to grips with the fact that YOU ARE FAT?
What’s wrong with BEING FAT?
Who made you believe that FAT means NOT BEAUTIFUL?
And what is BEING FAT anyway?
Everybody in the world must have heard by now things like “beauty is in the eye of the beholder” and that there are as many concepts of beauty as there are cultures and societies in the world. Why, how come, apparently NOT YOU OPRAH?

I mean, I am a Oprah admirer, for her beauty and her accomplishments – yes, we out here in the world outside the US of A watch and know about Oprah’s existence, life history and… weight problems! But, really, what and how much do we care about her weight problems, except perhaps to the extent that they make any sense in some of our own cultures?

I must confess that, in my teens, I had a weight problem. And what was it? It was that I was too skinny for the prevailing notions of beauty of that particular time in Luanda – Angola. So, I went on to the pharmacy to buy what I was told were 'fattening pills'… but I never gained any weight worth noting by anyone around me. The fact was simply that my genetic make-up didn’t make me as curvaceous as all the girls about my age who attracted the most attention. These days, I often feel weightier than I was made up to be – could it be that those alleged 'fattening pills' I took in my youth only now started to make effect? I don’t know. But I know exactly why and when that comes about and how to control it if I feel like or absolutely need to, without necessarily becoming paranoiac about it, provided that I feel healthy, both physically and psychologically.

So, I keep asking myself why can't Oprah come to terms with the fact that her genetic make-up made her fatter than others or just than what she would like to?


*[First posted 14/12/08]
Why, oh why, can’t you get to grips with the fact that YOU ARE FAT?
What’s wrong with BEING FAT?
Who made you believe that FAT means NOT BEAUTIFUL?
And what is BEING FAT anyway?
Everybody in the world must have heard by now things like “beauty is in the eye of the beholder” and that there are as many concepts of beauty as there are cultures and societies in the world. Why, how come, apparently NOT YOU OPRAH?

I mean, I am a Oprah admirer, for her beauty and her accomplishments – yes, we out here in the world outside the US of A watch and know about Oprah’s existence, life history and… weight problems! But, really, what and how much do we care about her weight problems, except perhaps to the extent that they make any sense in some of our own cultures?

I must confess that, in my teens, I had a weight problem. And what was it? It was that I was too skinny for the prevailing notions of beauty of that particular time in Luanda – Angola. So, I went on to the pharmacy to buy what I was told were 'fattening pills'… but I never gained any weight worth noting by anyone around me. The fact was simply that my genetic make-up didn’t make me as curvaceous as all the girls about my age who attracted the most attention. These days, I often feel weightier than I was made up to be – could it be that those alleged 'fattening pills' I took in my youth only now started to make effect? I don’t know. But I know exactly why and when that comes about and how to control it if I feel like or absolutely need to, without necessarily becoming paranoiac about it, provided that I feel healthy, both physically and psychologically.

So, I keep asking myself why can't Oprah come to terms with the fact that her genetic make-up made her fatter than others or just than what she would like to?


*[First posted 14/12/08]

Friday, 19 March 2010

“Questao Politica” ou “Questao de Genero”?









Ou Ambas?*





Neste mes consagrado as mulheres, nao pode deixar de me merecer algum reparo a “bronca” que culminou na recente “mini-reestruturacao” de um governo ainda mal acomodado aos seus “novos aposentos”...

Trata-se, obviamente, do reportado “bilo” entre Idalina Valente e Pedro Mutindi a volta da cadeira de Ministro do Comercio, Hotelaria e Turismo, o qual acabou por ser resolvido, pelo PR, com a “abortagem” da pretendida fusao de dois ministerios e a volta a “estaca zero”, ou seja, de Valente para o Ministerio do Comercio e de Mutindi para o da Hotelaria e Turismo.

Mas ter-se-a’, efectivamente, tratado de um “bilo” entre duas partes iguais, ou de um “bullying” (“trungunguismo” sera’ talvez a traducao mais adequada...) de uma das partes, em que imperou a “lei do mais forte”?

Antes de mais, impoem-se-me aqui duas notas previas: i) nao posso ser considerada “suspeita” nesta materia, uma vez que sempre tornei claras as minhas reservas quanto a questao das “quotas” com base no “genero” (o que, alias, me tem custado alguns "desafectos"...), como pode ser constatado num dos meus comentarios a este post; ii) nao conheco pessoalmente nenhuma das partes, nem as suas trajectorias politica ou tecnico-profissional.

Assim, a pergunta com que titulo este apontamento e’-me suscitada principalmente pelo que ate’ agora me foi dado ler na imprensa local, em particular no SA, onde (edicao # 356) se pode ler algo como isto: “Fontes familiares ao caso disseram ao Semanário Angolense que além de não ter «engolido» a despromoção a que foi sujeito, pois passou de ministro a secretário de Estado colocado debaixo da alçada de um ministro, Pedro Mutindi não aceita a ideia de se subordinar a uma mulher. Educado à moda das famílias tradicionais do Cunene, onde, à semelhança de muitos outros pontos de Angola, o homem é a primeira figura, Pedro Mutindi mantém-se irredutível neste ponto.” Antes (edicao # 353), o mesmo SA havia feito o seguinte comentario a inicial constituicao deste executivo: “Nota-se também que o novo executivo se verga à ditadura do género. Em nome do equilíbrio entre homens e mulheres no Governo sacrificou-se a lógica da competência que deve prevalecer na escolha dos titulares de cargos governativos. Sem necessitar de apontar nomes, vê-se a olho nu que há uma insistência em determinadas ministras só para «encher a fotografia» e chegar, forçosamente, à mágica fasquia dos 30% de mulheres no executivo.”

Ora, se admitirmos que, a ser uma “questao cultural”, ela nao sera’ exclusiva das “famílias tradicionais do Cunene” e nem sequer dos Angolanos, ou dos Africanos – de facto, o papel do patriarcado na estruturacao das sociedades ja’ vem, pelo menos em termos teoricos, de “A Origem da Familia, da Propriedade Privada e do Estado”, de Engels (… primeiro “livro serio” que li, tinha eu os meus 15/16 anos, entre “O Amante de Lady Chatterley” e um qualquer livro de, ou sobre, Freud, de que ja’ nao me lembro o titulo e que me valeu uma tremenda reprimenda da minha mae porque esses “eram so’ livros sobre sexo”… esta perdoada, Mae! - e, ja' agora, outro livro inolvidavel que li naqueles tempos foi "A Mae" de Gorki) – resta-nos abrir o leque de hipoteses explicativas as questoes de ordem politica e do "genero", sendo que ambas acabam por se confundir neste caso.

Senao vejamos: na vertente estritamente politica, teriamos que se tratou apenas de um ex-ministro que, justificadamente, nao se teria conformado com a sua subalternizacao a posicao de secretario de estado no “seu proprio ministerio”. Portanto, nada que pudesse, ou devesse, levantar suspeicoes, infimas que fossem, de uns quaisquer “monstro racial e tara tribal” como estando na base do suposto “bilo”… Mas isso leva-nos, inevitavelmente, a questionar a “racionalidade” do apontamento de Idalina Valente para aquela posicao, o que – descartando a hipotese de se ter tratado apenas de parte da (nao propriamente bem-sucedida…) “receita de emagrecimento” do governo, uma vez que para esse efeito havia muito mais e menos “potencialmente explosivas” areas por onde se escolher… (e devo tambem notar aqui, en passant, que, do meu ponto de vista, a haver fusao do Ministerio do Comercio com algum outro, ela deveria ser com o da Industria...) – nos leva a logica das “quotas” com base no “genero”.

E uma vez que aquelas correspondem a uma politica do Estado Angolano (muito embora se tenha que admitir, em abono da verdade, que essa particular politica lhe tera’ sido em grande medida “imposta” pela SADC…), temos tambem que nos questionar ate’ que ponto esse mesmo estado esta’ “cometido” as suas proprias politicas, nao permitindo que elas sejam “varridas para debaixo do tapete” ao primeiro contratempo… E e’ aqui que a “questao politica” e a “questao do genero” se confundem.

Mas, tendo ambas sido resolvidas, aparentemente, a contento de todas as partes, resta-nos a esperanca de que efectivamente nao tenhamos estado perante um mau precedente que venha aumentar a “propensao marginal” de todo e qualquer “misogino embarrado e machista empedernido” (… e isto lembra-me, de repente, um professor de econometria que tive, que se achava muito “funny” e que, no quadro, trocava propositadamente ‘mpc’ por ‘mcp’, virando-se depois para os alunos e, olhando particularmente para os do sexo feminino, dizia: "Voces acham que isto significa ‘male chauvinist pig’, nao e'? No, it’s the ‘marginal propensity to consume’!...") para justificar os seus mais obtusos actos de “bullying” contra a ascencao de mulheres a certas posicoes, dentro ou fora do governo…


*[Sendo que ambas aqui sao consideradas "questoes de poder"]


ADENDA: Acabo de tomar nota desta outra hipotese explicativa na corrente edicao do SA, #359, (talvez por falta de expressao equivalente e/ou mais apropriada em Portugues, eles chamam-lhe ≪out-look≫: sem duvida, "muito bom" Ingles venho eu aprendendo com esse jornal!...).
No entanto, ela nao me parece colher completamente, porque essa seria precisamente a razao que levaria JES, em primeiro lugar, a nem sequer contemplar a possibilidade de "afrontar" Mutindi como o fez com a nomeacao de Valente para aquela posicao... E o mesmo raciocinio se aplica a "democao" de Kundi Paihama do Ministerio da Defesa para o dos Antigos Combatentes - alias, nesta senda, nao estarao a ser encaminhados para esse estatuto os "antigos bravos defensores de JES", que vao sendo progressivamente substituidos por nuestros hermanos?





Ou Ambas?*





Neste mes consagrado as mulheres, nao pode deixar de me merecer algum reparo a “bronca” que culminou na recente “mini-reestruturacao” de um governo ainda mal acomodado aos seus “novos aposentos”...

Trata-se, obviamente, do reportado “bilo” entre Idalina Valente e Pedro Mutindi a volta da cadeira de Ministro do Comercio, Hotelaria e Turismo, o qual acabou por ser resolvido, pelo PR, com a “abortagem” da pretendida fusao de dois ministerios e a volta a “estaca zero”, ou seja, de Valente para o Ministerio do Comercio e de Mutindi para o da Hotelaria e Turismo.

Mas ter-se-a’, efectivamente, tratado de um “bilo” entre duas partes iguais, ou de um “bullying” (“trungunguismo” sera’ talvez a traducao mais adequada...) de uma das partes, em que imperou a “lei do mais forte”?

Antes de mais, impoem-se-me aqui duas notas previas: i) nao posso ser considerada “suspeita” nesta materia, uma vez que sempre tornei claras as minhas reservas quanto a questao das “quotas” com base no “genero” (o que, alias, me tem custado alguns "desafectos"...), como pode ser constatado num dos meus comentarios a este post; ii) nao conheco pessoalmente nenhuma das partes, nem as suas trajectorias politica ou tecnico-profissional.

Assim, a pergunta com que titulo este apontamento e’-me suscitada principalmente pelo que ate’ agora me foi dado ler na imprensa local, em particular no SA, onde (edicao # 356) se pode ler algo como isto: “Fontes familiares ao caso disseram ao Semanário Angolense que além de não ter «engolido» a despromoção a que foi sujeito, pois passou de ministro a secretário de Estado colocado debaixo da alçada de um ministro, Pedro Mutindi não aceita a ideia de se subordinar a uma mulher. Educado à moda das famílias tradicionais do Cunene, onde, à semelhança de muitos outros pontos de Angola, o homem é a primeira figura, Pedro Mutindi mantém-se irredutível neste ponto.” Antes (edicao # 353), o mesmo SA havia feito o seguinte comentario a inicial constituicao deste executivo: “Nota-se também que o novo executivo se verga à ditadura do género. Em nome do equilíbrio entre homens e mulheres no Governo sacrificou-se a lógica da competência que deve prevalecer na escolha dos titulares de cargos governativos. Sem necessitar de apontar nomes, vê-se a olho nu que há uma insistência em determinadas ministras só para «encher a fotografia» e chegar, forçosamente, à mágica fasquia dos 30% de mulheres no executivo.”

Ora, se admitirmos que, a ser uma “questao cultural”, ela nao sera’ exclusiva das “famílias tradicionais do Cunene” e nem sequer dos Angolanos, ou dos Africanos – de facto, o papel do patriarcado na estruturacao das sociedades ja’ vem, pelo menos em termos teoricos, de “A Origem da Familia, da Propriedade Privada e do Estado”, de Engels (… primeiro “livro serio” que li, tinha eu os meus 15/16 anos, entre “O Amante de Lady Chatterley” e um qualquer livro de, ou sobre, Freud, de que ja’ nao me lembro o titulo e que me valeu uma tremenda reprimenda da minha mae porque esses “eram so’ livros sobre sexo”… esta perdoada, Mae! - e, ja' agora, outro livro inolvidavel que li naqueles tempos foi "A Mae" de Gorki) – resta-nos abrir o leque de hipoteses explicativas as questoes de ordem politica e do "genero", sendo que ambas acabam por se confundir neste caso.

Senao vejamos: na vertente estritamente politica, teriamos que se tratou apenas de um ex-ministro que, justificadamente, nao se teria conformado com a sua subalternizacao a posicao de secretario de estado no “seu proprio ministerio”. Portanto, nada que pudesse, ou devesse, levantar suspeicoes, infimas que fossem, de uns quaisquer “monstro racial e tara tribal” como estando na base do suposto “bilo”… Mas isso leva-nos, inevitavelmente, a questionar a “racionalidade” do apontamento de Idalina Valente para aquela posicao, o que – descartando a hipotese de se ter tratado apenas de parte da (nao propriamente bem-sucedida…) “receita de emagrecimento” do governo, uma vez que para esse efeito havia muito mais e menos “potencialmente explosivas” areas por onde se escolher… (e devo tambem notar aqui, en passant, que, do meu ponto de vista, a haver fusao do Ministerio do Comercio com algum outro, ela deveria ser com o da Industria...) – nos leva a logica das “quotas” com base no “genero”.

E uma vez que aquelas correspondem a uma politica do Estado Angolano (muito embora se tenha que admitir, em abono da verdade, que essa particular politica lhe tera’ sido em grande medida “imposta” pela SADC…), temos tambem que nos questionar ate’ que ponto esse mesmo estado esta’ “cometido” as suas proprias politicas, nao permitindo que elas sejam “varridas para debaixo do tapete” ao primeiro contratempo… E e’ aqui que a “questao politica” e a “questao do genero” se confundem.

Mas, tendo ambas sido resolvidas, aparentemente, a contento de todas as partes, resta-nos a esperanca de que efectivamente nao tenhamos estado perante um mau precedente que venha aumentar a “propensao marginal” de todo e qualquer “misogino embarrado e machista empedernido” (… e isto lembra-me, de repente, um professor de econometria que tive, que se achava muito “funny” e que, no quadro, trocava propositadamente ‘mpc’ por ‘mcp’, virando-se depois para os alunos e, olhando particularmente para os do sexo feminino, dizia: "Voces acham que isto significa ‘male chauvinist pig’, nao e'? No, it’s the ‘marginal propensity to consume’!...") para justificar os seus mais obtusos actos de “bullying” contra a ascencao de mulheres a certas posicoes, dentro ou fora do governo…


*[Sendo que ambas aqui sao consideradas "questoes de poder"]


ADENDA: Acabo de tomar nota desta outra hipotese explicativa na corrente edicao do SA, #359, (talvez por falta de expressao equivalente e/ou mais apropriada em Portugues, eles chamam-lhe ≪out-look≫: sem duvida, "muito bom" Ingles venho eu aprendendo com esse jornal!...).
No entanto, ela nao me parece colher completamente, porque essa seria precisamente a razao que levaria JES, em primeiro lugar, a nem sequer contemplar a possibilidade de "afrontar" Mutindi como o fez com a nomeacao de Valente para aquela posicao... E o mesmo raciocinio se aplica a "democao" de Kundi Paihama do Ministerio da Defesa para o dos Antigos Combatentes - alias, nesta senda, nao estarao a ser encaminhados para esse estatuto os "antigos bravos defensores de JES", que vao sendo progressivamente substituidos por nuestros hermanos?

Monday, 15 March 2010

E pudim, nao ha'?!...







[Black & White Pudding]

***

Era assim nos casamentos no salao de festas do Desportivo de Sao Paulo (nao aquele perto da Igreja; o outro, nas imediacoes da Cadeia):

- No salao de danca, nao podiam faltar, depois da "musica de constituir familia" escolhida pelos noivos, com que abriam o salao, pelo menos um tango (invariavelmente La Cumparsita), alguns rumbas e afins (imprescindivelmente o Cafe' & Cola) e, depois, os nossos merengues da moda;

- Na principal mesa de comes e bebes, para alem do inevitavel bolo de noiva e todos os kitutes da praxe, pelo menos um leitao assado, recheado com arroz de cabidela e com batata no cu, batata na boca e, nao fosse a familia da noiva ficar "mal falada", pelo menos um pudim!...

Entao, havia um "camarada", que era mulato de suas estranhezas e pato de suas aptidoes, que aparecia em todas as bodas, nunca se soube bem por que convites (mas tambem ninguem lhe barrava a entrada, antes pelo contrario... era um pato qualificado!), que depois de "encher o bandulho", mesmo que o dito estivesse a frente dele, perguntava sempre bem alto:

"E Pudim, Nao Ha'?!"

Claro que nem ele, nem nenhum dos presentes sabia a origem da palavra "pudim"!...







[Black & White Pudding]

***

Era assim nos casamentos no salao de festas do Desportivo de Sao Paulo (nao aquele perto da Igreja; o outro, nas imediacoes da Cadeia):

- No salao de danca, nao podiam faltar, depois da "musica de constituir familia" escolhida pelos noivos, com que abriam o salao, pelo menos um tango (invariavelmente La Cumparsita), alguns rumbas e afins (imprescindivelmente o Cafe' & Cola) e, depois, os nossos merengues da moda;

- Na principal mesa de comes e bebes, para alem do inevitavel bolo de noiva e todos os kitutes da praxe, pelo menos um leitao assado, recheado com arroz de cabidela e com batata no cu, batata na boca e, nao fosse a familia da noiva ficar "mal falada", pelo menos um pudim!...

Entao, havia um "camarada", que era mulato de suas estranhezas e pato de suas aptidoes, que aparecia em todas as bodas, nunca se soube bem por que convites (mas tambem ninguem lhe barrava a entrada, antes pelo contrario... era um pato qualificado!), que depois de "encher o bandulho", mesmo que o dito estivesse a frente dele, perguntava sempre bem alto:

"E Pudim, Nao Ha'?!"

Claro que nem ele, nem nenhum dos presentes sabia a origem da palavra "pudim"!...

Sunday, 14 March 2010

O Que Nosotros Andamos Pr'aki a Perder... (20)


Just Poetry (XIII)

Criação

Crê-se que Deus
maior artista de todos os tempos
e céus
criou
entre outros seres
os humanos
[esses que vivem, morrem e são]
numa simples, mas precisa
mística operação
de barros, sopros e ceres
em dias prenhes de mistérios
num ritual labor
de água, sangue e pão.

E assim o terá feito
por uma simples razão:
que suas criações
fossem entendidas
tanto em prosas como em versos
entre outros seres
pelos evolucionistas
[esses que pensam, formulam e teorizam]
de todas as gerações
e universos.

E assim
simples e misteriosamente
o são.

A.S.



Escultura de autor anonimo, obtida a beira de uma estrada poeirenta do Botswana, nas coordenadas 23°26′S 20°0′E / 23.433°S do Tropico de Capricornio: a fronteira mais a sul da zona torrida dos tropicos, e a latitude mais austral em que o sol brilha directamente sobre a cabeça ao meio dia.
Criação

Crê-se que Deus
maior artista de todos os tempos
e céus
criou
entre outros seres
os humanos
[esses que vivem, morrem e são]
numa simples, mas precisa
mística operação
de barros, sopros e ceres
em dias prenhes de mistérios
num ritual labor
de água, sangue e pão.

E assim o terá feito
por uma simples razão:
que suas criações
fossem entendidas
tanto em prosas como em versos
entre outros seres
pelos evolucionistas
[esses que pensam, formulam e teorizam]
de todas as gerações
e universos.

E assim
simples e misteriosamente
o são.

A.S.



Escultura de autor anonimo, obtida a beira de uma estrada poeirenta do Botswana, nas coordenadas 23°26′S 20°0′E / 23.433°S do Tropico de Capricornio: a fronteira mais a sul da zona torrida dos tropicos, e a latitude mais austral em que o sol brilha directamente sobre a cabeça ao meio dia.

Saturday, 13 March 2010

Curiosidades... (I)

Sabia que?...


... Ele ha' gente que (tal como um certo jornal que a dada altura defendia esta posicao sobre a mencao da raca no BI e, mais recentemente, fez uma reviravolta de 360 graus sobre a questao...) vem defendendo a obra de Redinha como se da "palavra de Deus ou do Tchibinda Ilunga" se tratasse e usando-a a saciedade como escudo de proteccao e fonte de justificacao para uma defesa "racional" da sua "incontestavel e inalienavel pertenca", por supostos "merito e direito", ao grupo etno-linguistico Tchokwe', mas... que agora acha "sensata e inteligente" esta posicao de Fernando Pacheco?!?

(Porra!!!)

... Nao, ele ha' com cada um e com cada um@ que ate' parecem tres!!!
Eu einh?!

[... onde e' que eu ja' li algo como "(racistas estruturais) tentando mostrar porventura que os exercícios intelectuais não são para todos, isto é , tentando demonstrar que não podem ter a opinião livre dos habituais situacionistas que, consoante os tempos vão mudando, eles e elas mudam logo de ideias em nome do actualismo, nomeadamente quando passam a ter alguma visibilidade..."?]


N.B.: Este "desabafo" nao constitui qualquer comentario, quer ao artigo de Fernando Pacheco, quer a materia que lhe deu origem.

Sabia que?...


... Ele ha' gente que (tal como um certo jornal que a dada altura defendia esta posicao sobre a mencao da raca no BI e, mais recentemente, fez uma reviravolta de 360 graus sobre a questao...) vem defendendo a obra de Redinha como se da "palavra de Deus ou do Tchibinda Ilunga" se tratasse e usando-a a saciedade como escudo de proteccao e fonte de justificacao para uma defesa "racional" da sua "incontestavel e inalienavel pertenca", por supostos "merito e direito", ao grupo etno-linguistico Tchokwe', mas... que agora acha "sensata e inteligente" esta posicao de Fernando Pacheco?!?

(Porra!!!)

... Nao, ele ha' com cada um e com cada um@ que ate' parecem tres!!!
Eu einh?!

[... onde e' que eu ja' li algo como "(racistas estruturais) tentando mostrar porventura que os exercícios intelectuais não são para todos, isto é , tentando demonstrar que não podem ter a opinião livre dos habituais situacionistas que, consoante os tempos vão mudando, eles e elas mudam logo de ideias em nome do actualismo, nomeadamente quando passam a ter alguma visibilidade..."?]


N.B.: Este "desabafo" nao constitui qualquer comentario, quer ao artigo de Fernando Pacheco, quer a materia que lhe deu origem.

Friday, 12 March 2010

Caso BNA

Por tras da imponente fachada e por cima dos telhados de vidro, pairam por la' passaros de todas as latitudes fazendo seus ninhos...
Estes, no entanto, sao prob(i)os... e desprotegidos e nao ganham premios The Banker.
Por tras da imponente fachada e por cima dos telhados de vidro, pairam por la' passaros de todas as latitudes fazendo seus ninhos...
Estes, no entanto, sao prob(i)os... e desprotegidos e nao ganham premios The Banker.

Thursday, 11 March 2010

Kinaxixi e seus amores

Entre a "Feira" da Maria da Fonte...

Uma mulher do Norte chegou ali. Vinha fazer uma guerra de armas de repetição e
carros de bois. Chamava-se Maria da Fonte (uma das sete, dizia-se) e montou ali
o seu kilombo. Kinaxixi meu amor falou, Kinaxixi Kiami aprendeu.
Um dia, olhou para trás e virou estátua, não de sal como a mulher da outra história (de amor, salvação, caminho de luz, fogo e cadela Minerva, a que morreu de
seus próprios partos), mas estátua de mármore, mulher e todos os membros do
kilombo mais as armas e peças de artilharia, tornados pedras no meio do
Kinaxixi, que é como quem diz no meio dos nossos corações e da cidade. Alguns
anos mais tarde, trezentas cargas de nitroglicerina transformaram o kilombo em
pedaços de pedra muito pequeninos. No chão nasceu erva de arranca pedras e chá,
outras histórias para contar.

Ana Paula Tavares, extracto
de "Kinaxixi, meu amor", in A Cabeça de Salomé - Editorial Nzila,
Luanda, 2004


...e o "Kilombo" da Nzinga Mbandi


Onde nao houve cargas de nitroglicerina - bastaram os pedacos de pedra muito pequeninos para fazerem a estatua virar sal de "mbakar" uteros e chao: nem partos de cadelas, nem gemidos de carros de bois (as armas de repeticao, essas ja' haviam sido caladas pela 'Maria do Blindado'); nem erva de arranca pedras, nem cha'... so' o vacuo, o nada e outras historias do meio do nosso coracao e da cidade para nao contar - Kinaxixi Kiami.
[Mas o olho d'agua da Kianda, esse continua la'...]


Obs.: Soube pelo amigo Augusto Nascimento, que a ela assistiu, da defesa de tese de doutoramento, no inicio desta semana em Lisboa, da Paula Tavares (de quem, ha' alguns meses, depois de muitos anos sem qualquer contacto, recebi uma bonita mensagem entitulada "Amizade", a que se seguiu uma interessante mutua "redescoberta": sobre este blog, nossas vidas, paradeiros, anseios, filhos, futuros...) - para ela os meus sinceros parabens!
Uma mulher do Norte chegou ali. Vinha fazer uma guerra de armas de repetição e
carros de bois. Chamava-se Maria da Fonte (uma das sete, dizia-se) e montou ali
o seu kilombo. Kinaxixi meu amor falou, Kinaxixi Kiami aprendeu.
Um dia, olhou para trás e virou estátua, não de sal como a mulher da outra história (de amor, salvação, caminho de luz, fogo e cadela Minerva, a que morreu de
seus próprios partos), mas estátua de mármore, mulher e todos os membros do
kilombo mais as armas e peças de artilharia, tornados pedras no meio do
Kinaxixi, que é como quem diz no meio dos nossos corações e da cidade. Alguns
anos mais tarde, trezentas cargas de nitroglicerina transformaram o kilombo em
pedaços de pedra muito pequeninos. No chão nasceu erva de arranca pedras e chá,
outras histórias para contar.

Ana Paula Tavares, extracto
de "Kinaxixi, meu amor", in A Cabeça de Salomé - Editorial Nzila,
Luanda, 2004


...e o "Kilombo" da Nzinga Mbandi


Onde nao houve cargas de nitroglicerina - bastaram os pedacos de pedra muito pequeninos para fazerem a estatua virar sal de "mbakar" uteros e chao: nem partos de cadelas, nem gemidos de carros de bois (as armas de repeticao, essas ja' haviam sido caladas pela 'Maria do Blindado'); nem erva de arranca pedras, nem cha'... so' o vacuo, o nada e outras historias do meio do nosso coracao e da cidade para nao contar - Kinaxixi Kiami.
[Mas o olho d'agua da Kianda, esse continua la'...]


Obs.: Soube pelo amigo Augusto Nascimento, que a ela assistiu, da defesa de tese de doutoramento, no inicio desta semana em Lisboa, da Paula Tavares (de quem, ha' alguns meses, depois de muitos anos sem qualquer contacto, recebi uma bonita mensagem entitulada "Amizade", a que se seguiu uma interessante mutua "redescoberta": sobre este blog, nossas vidas, paradeiros, anseios, filhos, futuros...) - para ela os meus sinceros parabens!