Monday, 30 April 2007

ALAN JOHNSTON: UPDATE

Alan Johnston banner

Two weeks ago, I posted here an appeal for support to the release of kidnapped BBC Gaza correspondent Alan Johnston.

Today, the good news is that Members of the European Parliament (MEPs) were told by Palestinian leaders that "he is still alive" (see here).

Meanwhile, among various initiatives to support his immediate release, the BBC has launched a petition and an online service to keep all those interested updated on any developments on the case.

You can access that service by clicking the picture above.


Alan Johnston banner

Two weeks ago, I posted here an appeal for support to the release of kidnapped BBC Gaza correspondent Alan Johnston.

Today, the good news is that Members of the European Parliament (MEPs) were told by Palestinian leaders that "he is still alive" (see here).

Meanwhile, among various initiatives to support his immediate release, the BBC has launched a petition and an online service to keep all those interested updated on any developments on the case.

You can access that service by clicking the picture above.


Sunday, 29 April 2007

Saturday, 28 April 2007

INTERESTING READINGS FOR THE SOCIAL RESEARCHER...

... OR JUST THE INTERESTED LAY READER



Critique of Anthropology is dedicated to the development of anthropology as a discipline that subjects social reality to critical analysis. The journal challenges received wisdoms inside academic anthropology and in society at large, presenting work that is innovative, challenging, sometimes experimental and often uncomfortable.

For more reading suggestions CLICK HERE.
... OR JUST THE INTERESTED LAY READER



Critique of Anthropology is dedicated to the development of anthropology as a discipline that subjects social reality to critical analysis. The journal challenges received wisdoms inside academic anthropology and in society at large, presenting work that is innovative, challenging, sometimes experimental and often uncomfortable.

For more reading suggestions CLICK HERE.

OH D(G)EAR!


Bom, isto e' que sao sortes ou azares...

Entao nao e' que o bom do Richard Gere, apesar dos ultimos longos anos de endoutrinacao Budista que supostamente lhe deviam ter ensinado suficientes licoes de contencao de impulsos, se deixou levar pelos mais "basic instincts" e vai de beijocar assim a Shilpa Shetty - lembram-se dela, de boa 'Big Brother UK' fame?

Nao foi nos labios nem nada, apenas na face, mas nem isso o safou de um mandato de prisao por alegada ofensa as sensibilidades conservadoras Indianas... com direito a queima de efigies na rua e tudo! A continuar assim, a boa da Shilpa ainda acaba por deitar toda a India em chamas... Mas antes disso, ela tambem tera' que comparecer perante um tribunal local daqui ha uns dias para dizer de sua justica sobre os beijinhos... Sempre gostava de saber o que, quando a coitada foi assim "assaltada" por um beijoqueiro todo tomado de "amores" durante um show televisivo de sensibilizacao para os perigos de contracao do virus HIV que ela apresentava?!

Coisas...

Bom, isto e' que sao sortes ou azares...

Entao nao e' que o bom do Richard Gere, apesar dos ultimos longos anos de endoutrinacao Budista que supostamente lhe deviam ter ensinado suficientes licoes de contencao de impulsos, se deixou levar pelos mais "basic instincts" e vai de beijocar assim a Shilpa Shetty - lembram-se dela, de boa 'Big Brother UK' fame?

Nao foi nos labios nem nada, apenas na face, mas nem isso o safou de um mandato de prisao por alegada ofensa as sensibilidades conservadoras Indianas... com direito a queima de efigies na rua e tudo! A continuar assim, a boa da Shilpa ainda acaba por deitar toda a India em chamas... Mas antes disso, ela tambem tera' que comparecer perante um tribunal local daqui ha uns dias para dizer de sua justica sobre os beijinhos... Sempre gostava de saber o que, quando a coitada foi assim "assaltada" por um beijoqueiro todo tomado de "amores" durante um show televisivo de sensibilizacao para os perigos de contracao do virus HIV que ela apresentava?!

Coisas...

Friday, 27 April 2007

AFRIKA: WHAT PRICE A BRAIN?


The attached two articles report on the on-going International Labour Organisation’s 11th Africa Regional meeting in Addis Ababa, Ethiopia. While the first puts a price on the brain drain affecting the continent, the second blames the International Financial Institutions (IFI) for the poverty caused by lack of jobs in African countries.

Are the two interrelated? One would think so, although the causality links are not as clear cut as it might seem at a first approach. In fact, it is not entirely clear that stemming the brain drain is an item, let alone a priority, in both the IFIs and African governments agendas. And this is so because while much is made of the brain drain, little is seriously investigated about its root causes in the societies where it occurs – and these are a complex mix of social, political, economic and cultural factors that cannot be exclusively blamed on the IFIs' policies.

Interestingly enough, in the first article, a UNDP Administrator says that "African institutions are increasingly dependent on foreign expertise"... Has anyone ever cared to look closely at the recruitment practices of African institutions such as the AU, the ADB or any of the regional organisations spread across the continent? Has anyone asked why is it that such organisations (just like the member states that constitute them) are so reluctant, if not absolutely averse, to recruiting Africans in the diaspora, giving absolute preference to expatriates from other regions of the world, even when such Africans are more qualified both technically and culturally for many of the internationally advertised posts both in their headquarters and country or regional offices? Even when such posts are subsidised, or fully paid for, by institutions such as the EU, within programmes specifically aimed at repatriating Africans in the diaspora?

No one can truly understand the full dimension of this problem until they experience the institutional (or, in some cases, casual but not less hard-hitting) levels, open or disguised, of xenophobia and active systemic exclusion practices - to the point of denying them their own nationality of origin, even when they were forced by the very systems that institute such practices to leave the country and remain abroad - directed at African expatriates by the residents in their own country of origin, the self-entitled "insiders", all self-justified in their self-righteous "more african than thou" attitude... their fellow nationals or not! Clearly indicating that the average African brain, even if under-used and also treated as an "outsider" in the host countries, might be more valued/valuable, or just better preserved, out of Africa, particularly if it does not belong to someone clearly affiliated to the prevailing political system in their country of origin. And so the brain drain goes!

The attached two articles report on the on-going International Labour Organisation’s 11th Africa Regional meeting in Addis Ababa, Ethiopia. While the first puts a price on the brain drain affecting the continent, the second blames the International Financial Institutions (IFI) for the poverty caused by lack of jobs in African countries.

Are the two interrelated? One would think so, although the causality links are not as clear cut as it might seem at a first approach. In fact, it is not entirely clear that stemming the brain drain is an item, let alone a priority, in both the IFIs and African governments agendas. And this is so because while much is made of the brain drain, little is seriously investigated about its root causes in the societies where it occurs – and these are a complex mix of social, political, economic and cultural factors that cannot be exclusively blamed on the IFIs' policies.

Interestingly enough, in the first article, a UNDP Administrator says that "African institutions are increasingly dependent on foreign expertise"... Has anyone ever cared to look closely at the recruitment practices of African institutions such as the AU, the ADB or any of the regional organisations spread across the continent? Has anyone asked why is it that such organisations (just like the member states that constitute them) are so reluctant, if not absolutely averse, to recruiting Africans in the diaspora, giving absolute preference to expatriates from other regions of the world, even when such Africans are more qualified both technically and culturally for many of the internationally advertised posts both in their headquarters and country or regional offices? Even when such posts are subsidised, or fully paid for, by institutions such as the EU, within programmes specifically aimed at repatriating Africans in the diaspora?

No one can truly understand the full dimension of this problem until they experience the institutional (or, in some cases, casual but not less hard-hitting) levels, open or disguised, of xenophobia and active systemic exclusion practices - to the point of denying them their own nationality of origin, even when they were forced by the very systems that institute such practices to leave the country and remain abroad - directed at African expatriates by the residents in their own country of origin, the self-entitled "insiders", all self-justified in their self-righteous "more african than thou" attitude... their fellow nationals or not! Clearly indicating that the average African brain, even if under-used and also treated as an "outsider" in the host countries, might be more valued/valuable, or just better preserved, out of Africa, particularly if it does not belong to someone clearly affiliated to the prevailing political system in their country of origin. And so the brain drain goes!

Thursday, 26 April 2007

"DRUM JAM" IN THE WHITE HOUSE...

... ON THE PATH TO SELF-RIGHTEOUS "MORE AFRICAN THAN THOU"?








President Bush, accompanied by First Lady Laura Bush, plays the drums and dances with Assan Ronte (second from right) of the Kankouran West African Dance Company during a ceremony acknowledging Malaria Awareness Day in the Rose Garden of the White House in Washington, D.C.
(AP/Getty) Apr 25, 2007

... ON THE PATH TO SELF-RIGHTEOUS "MORE AFRICAN THAN THOU"?








President Bush, accompanied by First Lady Laura Bush, plays the drums and dances with Assan Ronte (second from right) of the Kankouran West African Dance Company during a ceremony acknowledging Malaria Awareness Day in the Rose Garden of the White House in Washington, D.C.
(AP/Getty) Apr 25, 2007

ANGOLA NAO E' SO' LU(A)NDA...

JA' ACONTECEU HA' MAIS DE UM MES
MAS APENAS ONTEM TIVE ACESSO AS IMAGENS
DAS INUNDACOES DO PRINCIPIO DE MARCO
NO SOYO

(AS FOTOS SAO DE MFUMA N'KONGO)












MAIS FOTOS AQUI

Wednesday, 25 April 2007

NO 25 DE ABRIL


CUBA! AFRICA! REVOLUTION!

Jihan El Tahri, 2007 Part 1: Tuesday 24 April 10.30pm-11.30pm; rpt 2.30am-3.30am; Part 2: Tuesday 1 May 10.30pm-11.30pm; rpt 2am-3am. Jihan El Tahri documents Cuba's interventions in Africa from Che Guevara's Congo campaign to Castro's role in Angola, and shows how the country's efforts to carve out an alternative path for Third World nations, and the USA's response to it, are still felt today.
The programme contains unique archive stills and footage of Che Guevara and Fidel Castro, and features interviews and testimony from the men who fought with them.

Acabo de ver, na BBC 4, a primeira parte deste documentario sobre a longa relacao entre revolucionarios Cubanos e nacionalistas Africanos. Esta primeira parte refere-se especialmente aos principios dos anos 60, detendo-se particularmente no Congo de Patrice Lumumba (incluindo o seu discurso, considerado de "lesa-majestade" pelos Belgas - que desde ali terao "jurado vinganca" contra ele - durante a cerimonia de independencia, em frente ao Rei Balduino; o papel dos recursos naturais do Congo, em especial o cobalto, no 'complot' ocidental contra Lumumba; depoimentos do oficial da CIA, Larry Devlin, instruido directamente por Eisenhower para assassinar Lumumba e o apoio dado a Mobutu nesse contexto), passando pela experiencia do primeiro grupo de 'internacionalistas cubanos' liderados por Che Guevara, chegados ao Congo via Tanzania, para apoiar a guerrilha anti-Mobutu liderada por Joseph Kabila (incluindo depoimentos de Fidel, do comandante do grupo cubano, Victor Dreke, do tradutor de Che e do seu assistente pessoal).

Registado o relativo falhanco da missao cubana no Congo, o documentario segue para a Guine-Bissau de Amilcar Cabral, em meados da decada de 60 (incluindo depoimentos de Paulo Jorge, dirigente do MPLA e primeiro Ministro das Relacoes Exteriores de Angola, de Luis Cabral, irmao de Amilcar e antigo Presidente da Guine-Bissau, Herman Cohen, antigo Secretario de Estado Americano Adjunto para Africa, entre outros).

O episodio termina com evocativas imagens do 25 de Abril de 1974 em Portugal. Como musica de fundo foi usado o "Balumukeno" do Bonga. Note-se que alguns documentarios da BBC, nao sei se sera’ o caso deste, podem ser obtidos em DVD.

[Segunda Parte]


CUBA! AFRICA! REVOLUTION!

Jihan El Tahri, 2007 Part 1: Tuesday 24 April 10.30pm-11.30pm; rpt 2.30am-3.30am; Part 2: Tuesday 1 May 10.30pm-11.30pm; rpt 2am-3am. Jihan El Tahri documents Cuba's interventions in Africa from Che Guevara's Congo campaign to Castro's role in Angola, and shows how the country's efforts to carve out an alternative path for Third World nations, and the USA's response to it, are still felt today.
The programme contains unique archive stills and footage of Che Guevara and Fidel Castro, and features interviews and testimony from the men who fought with them.

Acabo de ver, na BBC 4, a primeira parte deste documentario sobre a longa relacao entre revolucionarios Cubanos e nacionalistas Africanos. Esta primeira parte refere-se especialmente aos principios dos anos 60, detendo-se particularmente no Congo de Patrice Lumumba (incluindo o seu discurso, considerado de "lesa-majestade" pelos Belgas - que desde ali terao "jurado vinganca" contra ele - durante a cerimonia de independencia, em frente ao Rei Balduino; o papel dos recursos naturais do Congo, em especial o cobalto, no 'complot' ocidental contra Lumumba; depoimentos do oficial da CIA, Larry Devlin, instruido directamente por Eisenhower para assassinar Lumumba e o apoio dado a Mobutu nesse contexto), passando pela experiencia do primeiro grupo de 'internacionalistas cubanos' liderados por Che Guevara, chegados ao Congo via Tanzania, para apoiar a guerrilha anti-Mobutu liderada por Joseph Kabila (incluindo depoimentos de Fidel, do comandante do grupo cubano, Victor Dreke, do tradutor de Che e do seu assistente pessoal).

Registado o relativo falhanco da missao cubana no Congo, o documentario segue para a Guine-Bissau de Amilcar Cabral, em meados da decada de 60 (incluindo depoimentos de Paulo Jorge, dirigente do MPLA e primeiro Ministro das Relacoes Exteriores de Angola, de Luis Cabral, irmao de Amilcar e antigo Presidente da Guine-Bissau, Herman Cohen, antigo Secretario de Estado Americano Adjunto para Africa, entre outros).

O episodio termina com evocativas imagens do 25 de Abril de 1974 em Portugal. Como musica de fundo foi usado o "Balumukeno" do Bonga. Note-se que alguns documentarios da BBC, nao sei se sera’ o caso deste, podem ser obtidos em DVD.

[Segunda Parte]

Friday, 20 April 2007

IT’S FRIDAY!!!!


It was with this ‘jumpy shout’ conjuring up happiness and excitement at the beginning of the weekend that my favourite radio station in Botswana, Gabz fm, started its programmes on Fridays, while suggesting interesting things to do in the weekend: It’s Friday!!!! How I miss it sometimes…

One thing that particularly springs to mind at the weekend is dance: in a club, at home, wherever! It’s not just about happiness and excitement, it also acts therapeutically to cleanse body, mind and soul of all impurities accumulated during the week.

When thinking about dance, I recall my sparse dabbles at “structured” ways of doing this thing that always comes to me naturally, impulsively and instinctively since I was born, which is not to mean that my dance is not “naturally structured” by any sound I move to…

One such instance was in the early 80s in Luanda at a weekly “jazz dance” class given by the Swedish UN representative’s wife in her need to use her idle time. Another, also for “jazz dance”, was in the early 90s in Lisbon, at a formal dance company, where I had as teachers a female dancer/choreographer of French-Algerian origin and a Russian male former professional classical dancer, who had been forced out of the big stages and spotlights by a permanent knee injury. In both cases, I felt, with very rare exceptions, somewhat uncomfortable, due to being constrained to "perform" moves in ways that didn’t come naturally to my mind or to my body, added to the rigidity and extreme competitiveness characteristics of such environments…


Then, some 8 years ago, I attended a series of special African dance classes at the Africa Centre in London, given by one of the main female dancers/choreographers from Ghana. The music was played by African drummers from West Africa, including Ghana, Senegal and Cameroon, and the classes were attended by people of all races, ages and nationalities… it was my best “structured” dance experience so far! Unfortunately, it was cut short by the decision of its directors at the time to stop all “noisy” activities at the Centre (because the dance classes, which were accompanied by drums, were followed by African drum classes…), arguing that they interfered with the more “serious” events going on in there, such as conferences, workshops, roundtables and the like… Such a shame!

Anyway, I didn’t feel “lost in dance” because of that, since I always carry my natural dance and my music, as an intrinsic part of my life, everywhere I go…
Did I say anything about "art"?


I don’t know if the African drum’s classes were ever retaken at the Africa Centre, but one thing is for sure: you can catch them pretty much anywhere in London these days. They’ve joined activities such as yoga, pottery, etc. in the common menu of healthy things to do in your leisure time!

You can find them at such places as the Drum Jam or the evocatively named Nzinga Dance.


(All pictures © Nzinga Dance™)


It was with this ‘jumpy shout’ conjuring up happiness and excitement at the beginning of the weekend that my favourite radio station in Botswana, Gabz fm, started its programmes on Fridays, while suggesting interesting things to do in the weekend: It’s Friday!!!! How I miss it sometimes…

One thing that particularly springs to mind at the weekend is dance: in a club, at home, wherever! It’s not just about happiness and excitement, it also acts therapeutically to cleanse body, mind and soul of all impurities accumulated during the week.

When thinking about dance, I recall my sparse dabbles at “structured” ways of doing this thing that always comes to me naturally, impulsively and instinctively since I was born, which is not to mean that my dance is not “naturally structured” by any sound I move to…

One such instance was in the early 80s in Luanda at a weekly “jazz dance” class given by the Swedish UN representative’s wife in her need to use her idle time. Another, also for “jazz dance”, was in the early 90s in Lisbon, at a formal dance company, where I had as teachers a female dancer/choreographer of French-Algerian origin and a Russian male former professional classical dancer, who had been forced out of the big stages and spotlights by a permanent knee injury. In both cases, I felt, with very rare exceptions, somewhat uncomfortable, due to being constrained to "perform" moves in ways that didn’t come naturally to my mind or to my body, added to the rigidity and extreme competitiveness characteristics of such environments…


Then, some 8 years ago, I attended a series of special African dance classes at the Africa Centre in London, given by one of the main female dancers/choreographers from Ghana. The music was played by African drummers from West Africa, including Ghana, Senegal and Cameroon, and the classes were attended by people of all races, ages and nationalities… it was my best “structured” dance experience so far! Unfortunately, it was cut short by the decision of its directors at the time to stop all “noisy” activities at the Centre (because the dance classes, which were accompanied by drums, were followed by African drum classes…), arguing that they interfered with the more “serious” events going on in there, such as conferences, workshops, roundtables and the like… Such a shame!

Anyway, I didn’t feel “lost in dance” because of that, since I always carry my natural dance and my music, as an intrinsic part of my life, everywhere I go…
Did I say anything about "art"?


I don’t know if the African drum’s classes were ever retaken at the Africa Centre, but one thing is for sure: you can catch them pretty much anywhere in London these days. They’ve joined activities such as yoga, pottery, etc. in the common menu of healthy things to do in your leisure time!

You can find them at such places as the Drum Jam or the evocatively named Nzinga Dance.


(All pictures © Nzinga Dance™)

JEAN-MICHEL BASQUIAT, OR… THOSE “SIX DEGREES OF SEPARATION”

“Every line means something”


There is that fine line between reality and fiction, truth and untruth, face and mask, genuine and fake, real and imagined which we all claim to know… and it seems to me that nowhere in life that line is more blurred than in art… fortunately, or unfortunately. In fact, there’s those ‘six degrees of separation’ which some claim to have we all in the planet at a short distance from each other through a chain of interconnections, but in reality always seem to keep us apart… as if at such a short distance we could all claim to ‘know’ each other, but never quite so… or maybe not! Whatever the case, I always think of these things when I think about Jean-Michel Basquiat. And, when I think about Basquiat, I always think of the strange, often devious, ways in which issues of identity, authenticity and the like are resolved, or unresolved, in (or through) art and in life in general…

“I cross out words so you will see them more – the fact that they are obscured makes you want to read them”
"The History of Black People"
In the words of Robert Knafo, one of his biographers, “In his short life (1960-1988), Jean-Michel Basquiat came to personify the art scene of the 80s, with its merging of youth culture, money, hype, excess, and self-destruction. And then there was the work, which the public image tended to overshadow: paintings and drawings that conjured up marginal urban black culture and black history, as well as the artist's own conflicted sense of identity. He was, all at once it seemed, the ultimate party animal, a wannabe street kid and graffitist hiding his black Brooklyn middle class roots, an advocate and interpreter of the marginal and dispossessed at the court of the mainstream, an angry black aspirant to the all-white art canon, a precocious talent, a creature of cynical marketing and a fraud, a proto-multiculturalist, an American original.”


Indeed, in his angry aspiration to that "all-white art canon” he met Andy Warhol, the ring-master of the so called 'Neo-Expressionist movement' and of clever, cynical marketing fakery - some, certainly Knafo, would call it fraud - to whom in their first encounter he sold a postcard for one dollar, and went on to date Madonna while keeping his “real life” heroes Malcolm X, Jimi Hendrix and Charlie Parker close to heart until he died of a drugs overdose aged 28. Born of a Haitian father and a Puerto-Rican mother, his art is perhaps the best, albeit most disturbing, expression of a misplaced Black/African identity in spite of Knafo's claim of him being “an American original”… or maybe not… or maybe yes... because that’s what makes for “American originality”: misplaced identities, isn't it? Anyway, I’m not an art critic and after all here’s what he thought of them: “I don’t think about art when I’m working. I try to think about life… I don’t listen to what art critics say. I don’t know anybody who needs a critic to find out what art is.”

I also always think of Basquiat when I think of that movie, made out of a stage play, “Six Degrees of Separation” (1993), featuring Will Smith (in what I think is his best role ever!), Donald Sutherland and (Sir) Ian McKellen among other fine actors such as Stockard Channing, who was nominated for a Golden Globe and an Oscar for her role in it. Why? I haven’t got the faintest idea! Having seen it twice, I don’t recall anything in it relating to Basquiat… but maybe he was just away from the plot by six degrees... because Paul (Smith) - while presenting himself as "the son" of Sidney Poitier (something also evocative of "Guess Who's Coming to Dinner"), whose father was in reality, as Basquiat's, of Haitian descent - plays the ultimate faker and double-crosser in his angry quest for an all-white cultural "background" and behavioural and literary canon... or just because Louisa (Channing) and Flanders (Sutherland) play rich NYC art dealers, while their South African business partner Miller (Mckellen) brings them all to his “reality” about race relations… or, probably, because Paul eventually dies, just as Basquiat very young but not of drugs, in prison, when he was finally taken back to the "reality" of his own social and racial condition, or, put shortly, when he was taken back to "where he came from"!... I don’t know. There’s a movie that’s really about him though, “Basquiat” (1996), starring David Bowie, Dennis Hopper and Benicio del Toro, which I haven’t seen yet.

You can find Basquiat works (mostly print copies) and memorabilia pretty much everywhere these days. And it can come cheap too, from as low as ₤3 to an average ₤30 per print, on eBay for instance, unless you are well off enough to get a signed copy at something like ₤1200… but it doesn’t seem really to go over ₤2000-₤3000 on average, so apparently you don’t need to be very rich to buy something signed Basquiat these days (of course I'm not talking about the really pricey originals here - most of them held in museums and not for sale anyway; or auctioned by big houses, where they can get to millions of pounds)*.
I’m not rich, old or new, so I got mine some 12 years ago (a print copy titled “1960”, which apparently is rare since I couldn’t find it anywhere on the web…) for ₤10 at the ever so popular Camden Market!
[See more about Basquiat here and here]
*E.g. his Untitled (1981) sold one month after this post was written by Sotheby's (New York) for $14,600,000 or his Grillo (1984) sold by Phillips de Pury & Company (London) yet a month later that same year for £4,948,000!
“Every line means something”


There is that fine line between reality and fiction, truth and untruth, face and mask, genuine and fake, real and imagined which we all claim to know… and it seems to me that nowhere in life that line is more blurred than in art… fortunately, or unfortunately. In fact, there’s those ‘six degrees of separation’ which some claim to have we all in the planet at a short distance from each other through a chain of interconnections, but in reality always seem to keep us apart… as if at such a short distance we could all claim to ‘know’ each other, but never quite so… or maybe not! Whatever the case, I always think of these things when I think about Jean-Michel Basquiat. And, when I think about Basquiat, I always think of the strange, often devious, ways in which issues of identity, authenticity and the like are resolved, or unresolved, in (or through) art and in life in general…

“I cross out words so you will see them more – the fact that they are obscured makes you want to read them”
"The History of Black People"
In the words of Robert Knafo, one of his biographers, “In his short life (1960-1988), Jean-Michel Basquiat came to personify the art scene of the 80s, with its merging of youth culture, money, hype, excess, and self-destruction. And then there was the work, which the public image tended to overshadow: paintings and drawings that conjured up marginal urban black culture and black history, as well as the artist's own conflicted sense of identity. He was, all at once it seemed, the ultimate party animal, a wannabe street kid and graffitist hiding his black Brooklyn middle class roots, an advocate and interpreter of the marginal and dispossessed at the court of the mainstream, an angry black aspirant to the all-white art canon, a precocious talent, a creature of cynical marketing and a fraud, a proto-multiculturalist, an American original.”


Indeed, in his angry aspiration to that "all-white art canon” he met Andy Warhol, the ring-master of the so called 'Neo-Expressionist movement' and of clever, cynical marketing fakery - some, certainly Knafo, would call it fraud - to whom in their first encounter he sold a postcard for one dollar, and went on to date Madonna while keeping his “real life” heroes Malcolm X, Jimi Hendrix and Charlie Parker close to heart until he died of a drugs overdose aged 28. Born of a Haitian father and a Puerto-Rican mother, his art is perhaps the best, albeit most disturbing, expression of a misplaced Black/African identity in spite of Knafo's claim of him being “an American original”… or maybe not… or maybe yes... because that’s what makes for “American originality”: misplaced identities, isn't it? Anyway, I’m not an art critic and after all here’s what he thought of them: “I don’t think about art when I’m working. I try to think about life… I don’t listen to what art critics say. I don’t know anybody who needs a critic to find out what art is.”

I also always think of Basquiat when I think of that movie, made out of a stage play, “Six Degrees of Separation” (1993), featuring Will Smith (in what I think is his best role ever!), Donald Sutherland and (Sir) Ian McKellen among other fine actors such as Stockard Channing, who was nominated for a Golden Globe and an Oscar for her role in it. Why? I haven’t got the faintest idea! Having seen it twice, I don’t recall anything in it relating to Basquiat… but maybe he was just away from the plot by six degrees... because Paul (Smith) - while presenting himself as "the son" of Sidney Poitier (something also evocative of "Guess Who's Coming to Dinner"), whose father was in reality, as Basquiat's, of Haitian descent - plays the ultimate faker and double-crosser in his angry quest for an all-white cultural "background" and behavioural and literary canon... or just because Louisa (Channing) and Flanders (Sutherland) play rich NYC art dealers, while their South African business partner Miller (Mckellen) brings them all to his “reality” about race relations… or, probably, because Paul eventually dies, just as Basquiat very young but not of drugs, in prison, when he was finally taken back to the "reality" of his own social and racial condition, or, put shortly, when he was taken back to "where he came from"!... I don’t know. There’s a movie that’s really about him though, “Basquiat” (1996), starring David Bowie, Dennis Hopper and Benicio del Toro, which I haven’t seen yet.

You can find Basquiat works (mostly print copies) and memorabilia pretty much everywhere these days. And it can come cheap too, from as low as ₤3 to an average ₤30 per print, on eBay for instance, unless you are well off enough to get a signed copy at something like ₤1200… but it doesn’t seem really to go over ₤2000-₤3000 on average, so apparently you don’t need to be very rich to buy something signed Basquiat these days (of course I'm not talking about the really pricey originals here - most of them held in museums and not for sale anyway; or auctioned by big houses, where they can get to millions of pounds)*.
I’m not rich, old or new, so I got mine some 12 years ago (a print copy titled “1960”, which apparently is rare since I couldn’t find it anywhere on the web…) for ₤10 at the ever so popular Camden Market!
[See more about Basquiat here and here]
*E.g. his Untitled (1981) sold one month after this post was written by Sotheby's (New York) for $14,600,000 or his Grillo (1984) sold by Phillips de Pury & Company (London) yet a month later that same year for £4,948,000!

Thursday, 19 April 2007

READY?... STEADY?... GO!!!


OK, SATURDAY HAS COME, AS MY GOOD FRIEND SAILOR GIRL JUST REMINDED ME!!!

SO...

HERE...

ARE...

THE RESULTS!!!!

1ro PREMIO: "ARTE AFRICANA ("O QUE QUER QUE ISSO SEJA")"

(EX-AEQUO)

***SAILOR GIRL***

***JUCA***

***MARTHA***

*****NO ENTANTO, POR TER SIDO A PRIMEIRA E MAIS ENTUSIASTICA PARTICIPANTE, A SAILOR GIRL LEVA UM PREMIO ESPECIAL DO JURI COM 5 ESTRELAS E SEM O "O QUE QUER QUE ISSO SEJA", POR TER DEMONSTRADO SABER BEM O QUE E' ARTE AFRICANA!*****

2do PREMIO: "GENERALISTA"

**ANONYMOUS**

3ro PREMIO: "ESPECIALISTA"

*NAO ATRIBUIDO - por isso guardo-o para mim!*

PARABENS A TODOS!!!!!!!

PALMAS!!!!!!!!!!!!!!

[N.B.: As pinturas genuinas estiveram aqui expostas num slideshow durante algum tempo. As imitacoes podem ser vistas neste site.]
...

Ver detalhes do Passatempo
AQUI.


OK, SATURDAY HAS COME, AS MY GOOD FRIEND SAILOR GIRL JUST REMINDED ME!!!

SO...

HERE...

ARE...

THE RESULTS!!!!

1ro PREMIO: "ARTE AFRICANA ("O QUE QUER QUE ISSO SEJA")"

(EX-AEQUO)

***SAILOR GIRL***

***JUCA***

***MARTHA***

*****NO ENTANTO, POR TER SIDO A PRIMEIRA E MAIS ENTUSIASTICA PARTICIPANTE, A SAILOR GIRL LEVA UM PREMIO ESPECIAL DO JURI COM 5 ESTRELAS E SEM O "O QUE QUER QUE ISSO SEJA", POR TER DEMONSTRADO SABER BEM O QUE E' ARTE AFRICANA!*****

2do PREMIO: "GENERALISTA"

**ANONYMOUS**

3ro PREMIO: "ESPECIALISTA"

*NAO ATRIBUIDO - por isso guardo-o para mim!*

PARABENS A TODOS!!!!!!!

PALMAS!!!!!!!!!!!!!!

[N.B.: As pinturas genuinas estiveram aqui expostas num slideshow durante algum tempo. As imitacoes podem ser vistas neste site.]
...

Ver detalhes do Passatempo
AQUI.

Tuesday, 17 April 2007

MAGAÍÇA... OU "QUANTO CUSTA UMA NOIVA?"




Foto: 'O sol nascendo a Oriente' by Ana Santana

MAGAÍÇA

A manhã azul e ouro dos folhetos de propaganda
engoliu o mamparra,
entontecido todo pela algazarra
incompreensível dos brancos da estação
e pelo resfolegar trepidante dos comboios
Tragou seus olhos redondos de pasmo,
seu coração apertado na angústia do desconhecido,
sua trouxa de farrapos
carregando a ânsia enorme, tecida
de sonhos insatisfeitos do mamparra.

E um dia,
o comboio voltou, arfando, arfando...
oh nhanisse, voltou.
e com ele, magaíça,
de sobretudo, cachecol e meia listrada
e um ser deslocado
embrulhado em ridículo.

Ás costas - ah onde te ficou a trouxa de sonhos, magaíça?
trazes as malas cheias do falso brilho
do resto da falsa civilização do compound do Rand.
E na mão,
magaíça atordoado acendeu o candeeiro,
á cata das ilusões perdidas,
da mocidade e da saúde que ficaram soterradas
lá nas minas do Jone...

A mocidade e a saúde,
as ilusões perdidas
que brilharão como astros no decote de qualquer lady
nas noites deslumbrantes de qualquer City.

(Noemia de Sousa)


A publicacao deste poema, que aqui fiz ha alguns dias, e agora tambem publicado no blog “A Materia do Tempo”, sugeriu-me uma das formas em que a blogosfera pode ser resgatada de uma certa tendencia de se a transformar em lugar de rivalidades, conflitos e “apartheids”.

O facto de o Denudado ter apresentado um breve glossario dos termos usados por Noemia de Sousa neste poema e o ter ilustrado com uma fotografia de “mamparras/magaicas” nas minas da Africa do Sul, sugeriu-me que talvez fosse oportuno ir desengavetar o texto em anexo (aqui), constituido por breves extractos de uma serie, que publiquei no Semanario Angolense (Luanda) em 2002, sobre a Historia Economica da Africa Austral. Nele faco uma breve analise historico-economica dos fluxos de trabalho migrante oscilatorio nas minas da Africa do Sul, de que o “mamparra/magaica” foi e, em grande medida, continua a ser, a figura central.

Com este post pretendo, portanto, contribuir para essa funcao de complementaridade, interaccao e partilha em que a blogosfera pode ser, positiva e produtivamente, usada e, tambem, salientar a funcao de analise e mensagem social que a poesia, quando escrita por poetas atenta(o)s e lucida(o)s, pode ter para o registo, ainda que apenas parcial, pontual e pictorico, da realidade social, economica, cultural e historica em qualquer pais ou regiao do mundo.



Stimela (Hugh Masekela)


“A análise económica, ou mesmo social, do trabalho migrante falhará em revelar o quadro completo dos seus custos em termos de miséria humana. Para apreender essa realidade, temos que ouvir a esposa solitária, a criança insegura... É ao nível familiar que o maior sofrimento é sentido e não nos podemos esquecer que a herança cultural Africana engloba um conceito de família mais abrangente e nobre do que a do Ocidente. A família alargada demonstrou-se uma excelente fonte de segurança para aqueles que, de outro modo, não teriam segurança alguma. O trabalho migrante destrói [esse tecido humano e social], ao retirar por longos períodos, o pai, o irmão, o marido e o amigo... e que ninguém tenha a ilusão de que esses homens podem viver vidas decentes num vacuum sexual.” (Barker: 1970)

“Há muito poucas dúvidas de que se grandes números de mineiros migrantes não especializados e com baixos salários não tivessem sido recrutados em todo o sub-continente, jamais teria havido uma indústria de extracção do ouro na África do Sul. Se depósitos similares aos da África do Sul tivessem sido encontrados na Austrália, no Canada, ou nos EUA, eles teriam certamente ficado por explorar devido à impossibilidade de mobilização da força de trabalho adequada. Ainda hoje, depois dos grandes avanços tecnológicos e da dramática mudança da estrutura de custos da indústria mineira, isso continua a ser verdade.” (Crush et al: 1991)

“De certo modo é até humilhante observar os mineiros a trabalhar... Levanta-se em nós uma momentânea dúvida sobre o nosso próprio status como ‘intelectuais’, ou pessoas superiores em geral. Faz-nos lembrar, pelo menos enquanto olhamos, que é apenas porque esses mineiros transpiram as suas entranhas até à exaustão que as pessoas superiores podem permanecer superiores. Você e eu, o editor do Times Literary Supplement e os poetas, o Arcebispo de Canterbury e o Camarada X, autor de ‘Marxismo para Infantes’ – todos nós devemos realmente a decência comparativa das nossas vidas aos pobres condenados nos subterrâneos... com as suas gargantas cheias de... poeira, erguendo e baixando as suas pás com braços e músculos de ferro” (George Orwell, Down the Mine, 1937)







Foto: 'O sol nascendo a Oriente' by Ana Santana

MAGAÍÇA

A manhã azul e ouro dos folhetos de propaganda
engoliu o mamparra,
entontecido todo pela algazarra
incompreensível dos brancos da estação
e pelo resfolegar trepidante dos comboios
Tragou seus olhos redondos de pasmo,
seu coração apertado na angústia do desconhecido,
sua trouxa de farrapos
carregando a ânsia enorme, tecida
de sonhos insatisfeitos do mamparra.

E um dia,
o comboio voltou, arfando, arfando...
oh nhanisse, voltou.
e com ele, magaíça,
de sobretudo, cachecol e meia listrada
e um ser deslocado
embrulhado em ridículo.

Ás costas - ah onde te ficou a trouxa de sonhos, magaíça?
trazes as malas cheias do falso brilho
do resto da falsa civilização do compound do Rand.
E na mão,
magaíça atordoado acendeu o candeeiro,
á cata das ilusões perdidas,
da mocidade e da saúde que ficaram soterradas
lá nas minas do Jone...

A mocidade e a saúde,
as ilusões perdidas
que brilharão como astros no decote de qualquer lady
nas noites deslumbrantes de qualquer City.

(Noemia de Sousa)


A publicacao deste poema, que aqui fiz ha alguns dias, e agora tambem publicado no blog “A Materia do Tempo”, sugeriu-me uma das formas em que a blogosfera pode ser resgatada de uma certa tendencia de se a transformar em lugar de rivalidades, conflitos e “apartheids”.

O facto de o Denudado ter apresentado um breve glossario dos termos usados por Noemia de Sousa neste poema e o ter ilustrado com uma fotografia de “mamparras/magaicas” nas minas da Africa do Sul, sugeriu-me que talvez fosse oportuno ir desengavetar o texto em anexo (aqui), constituido por breves extractos de uma serie, que publiquei no Semanario Angolense (Luanda) em 2002, sobre a Historia Economica da Africa Austral. Nele faco uma breve analise historico-economica dos fluxos de trabalho migrante oscilatorio nas minas da Africa do Sul, de que o “mamparra/magaica” foi e, em grande medida, continua a ser, a figura central.

Com este post pretendo, portanto, contribuir para essa funcao de complementaridade, interaccao e partilha em que a blogosfera pode ser, positiva e produtivamente, usada e, tambem, salientar a funcao de analise e mensagem social que a poesia, quando escrita por poetas atenta(o)s e lucida(o)s, pode ter para o registo, ainda que apenas parcial, pontual e pictorico, da realidade social, economica, cultural e historica em qualquer pais ou regiao do mundo.



Stimela (Hugh Masekela)


“A análise económica, ou mesmo social, do trabalho migrante falhará em revelar o quadro completo dos seus custos em termos de miséria humana. Para apreender essa realidade, temos que ouvir a esposa solitária, a criança insegura... É ao nível familiar que o maior sofrimento é sentido e não nos podemos esquecer que a herança cultural Africana engloba um conceito de família mais abrangente e nobre do que a do Ocidente. A família alargada demonstrou-se uma excelente fonte de segurança para aqueles que, de outro modo, não teriam segurança alguma. O trabalho migrante destrói [esse tecido humano e social], ao retirar por longos períodos, o pai, o irmão, o marido e o amigo... e que ninguém tenha a ilusão de que esses homens podem viver vidas decentes num vacuum sexual.” (Barker: 1970)

“Há muito poucas dúvidas de que se grandes números de mineiros migrantes não especializados e com baixos salários não tivessem sido recrutados em todo o sub-continente, jamais teria havido uma indústria de extracção do ouro na África do Sul. Se depósitos similares aos da África do Sul tivessem sido encontrados na Austrália, no Canada, ou nos EUA, eles teriam certamente ficado por explorar devido à impossibilidade de mobilização da força de trabalho adequada. Ainda hoje, depois dos grandes avanços tecnológicos e da dramática mudança da estrutura de custos da indústria mineira, isso continua a ser verdade.” (Crush et al: 1991)

“De certo modo é até humilhante observar os mineiros a trabalhar... Levanta-se em nós uma momentânea dúvida sobre o nosso próprio status como ‘intelectuais’, ou pessoas superiores em geral. Faz-nos lembrar, pelo menos enquanto olhamos, que é apenas porque esses mineiros transpiram as suas entranhas até à exaustão que as pessoas superiores podem permanecer superiores. Você e eu, o editor do Times Literary Supplement e os poetas, o Arcebispo de Canterbury e o Camarada X, autor de ‘Marxismo para Infantes’ – todos nós devemos realmente a decência comparativa das nossas vidas aos pobres condenados nos subterrâneos... com as suas gargantas cheias de... poeira, erguendo e baixando as suas pás com braços e músculos de ferro” (George Orwell, Down the Mine, 1937)




Monday, 16 April 2007

FREE ALAN!!!


Como muita gente no UK e no mundo, tenho estado nos ultimos dias quase paralizada pela ansiedade e angustia perante a possibilidade de, como reclama um qualquer grupo militar em Gaza desde ontem, Alan Johnston, nascido na Tanzania ha' 44 anos e de ascendencia Escocesa, correspondente da BBC na Palestina durante os ultimos 3 anos (depois de o ter sido no Uzbequistao e no Afeganistao), ter sido assassinado depois de ter sido raptado ha' pouco mais de um mes!


I would dread to have to post here an R.I.P. for Alan any time from now: SO PLEASE, WHOEVER HAS HIM, OR KNOWS HIS WHEREABOUTS, PLEASE HELP FREE ALAN JOHNSTON! He is just a humane, friendly and likeable journalist professionally performing his duty, in short, A HUMAN BEING: not any sort of "enemy"!!!


P.S.: Entretanto, um qualquer maluco acaba de cometer o maior "mass murder" na historia dos EUA, numa universidade da Virginia, tendo abatido a tiro cerca de 33 pessoas, incluindo a si proprio... gratuitamente! Porque tanta violencia???!!!

Como muita gente no UK e no mundo, tenho estado nos ultimos dias quase paralizada pela ansiedade e angustia perante a possibilidade de, como reclama um qualquer grupo militar em Gaza desde ontem, Alan Johnston, nascido na Tanzania ha' 44 anos e de ascendencia Escocesa, correspondente da BBC na Palestina durante os ultimos 3 anos (depois de o ter sido no Uzbequistao e no Afeganistao), ter sido assassinado depois de ter sido raptado ha' pouco mais de um mes!


I would dread to have to post here an R.I.P. for Alan any time from now: SO PLEASE, WHOEVER HAS HIM, OR KNOWS HIS WHEREABOUTS, PLEASE HELP FREE ALAN JOHNSTON! He is just a humane, friendly and likeable journalist professionally performing his duty, in short, A HUMAN BEING: not any sort of "enemy"!!!


P.S.: Entretanto, um qualquer maluco acaba de cometer o maior "mass murder" na historia dos EUA, numa universidade da Virginia, tendo abatido a tiro cerca de 33 pessoas, incluindo a si proprio... gratuitamente! Porque tanta violencia???!!!

IMPORTANT ANNOUNCEMENT/ ANUNCIO IMPORTANTE (II)



DEAR ALL

AS YOU’VE NOTICED, IN THE LAST FEW DAYS, FOR PONDEROUS REASONS, I HAVE HAD THIS BLOG TEMPORARILY RE-OPEN TO THE GENERAL PUBLIC.
AS I MENTIONED IN MY FIRST POST ON THIS ISSUE (HERE), I INTENDED TO RESTRICT ITS ACCESS AT LEAST UNTIL BLOGGER/GOOGLE TOOK ACTION ON MY COMPLAINT. HOWEVER, DUE TO THE BUREAUCRACY INVOLVED, THIS IS PROVING TO BE A VERY LENGHTY PROCESS, EVEN THOUGH THEY’VE ALREADY TAKEN SIGNIFICANT MEASURES AGAINST THE OFFENDING BLOGGER. IN THE MEANTIME, I’VE SERIOUSLY CONSIDERED KEEPING ACCESS TO THIS BLOG PERMANENTLY RESTRICTED BUT UP UNTIL THIS MOMENT I HAVEN’T REACHED A FINAL DECISION ON THAT, SINCE, FROM THE OUTSET, I NEVER INTENDED TO RESTRICT ACCESS TO THIS BLOG IN ANY FORM WHATSOEVER.

I AM, THEREFORE, ANNOUNCING TO ALL OF YOU THAT FOR ONE MONTH FROM THIS DATE I WILL KEEP THE BLOG UNRESTRICTLY OPEN TO ALL VISITORS, ONLY KEEPING ‘COMMENTS MODERATION’ ACTIVATED. IF, BY THE END OF THAT PERIOD, I AM SATISFIED WITH GOOGLE/BLOGGER’S ACTION ON MY COMPLAINTS AND IF NO MORE OFFENSES/INFRINGEMENTS ARE REGISTERED, I WILL THEN DISACTIVATE ‘COMMENTS MODERATION’ AND KEEP THE BLOG UNRESTRICTLY OPEN.

I TAKE THIS OPPORTUNITY TO THANK ALL OF YOU WHO HAVE REGISTERED YOUR INTEREST IN CONTINUING VISITING THIS BLOG.
I WILL KEEP ALL OF YOU AS SPECIAL FRIENDS OF THIS BLOG. WHATEVER HAPPENS YOU ARE MEMBERS OF THE VISITORS LIST AND WON’T NEED TO RE-REGISTER IN CASE I HAVE TO RESTRICT ACCESS TO THE BLOG AGAIN.

MANY THANKS FOR YOUR PATIENCE, FRIENDSHIP AND UNDERSTANDING!




CAROS AMIGOS

COMO TERAO NOTADO, POR RAZOES PONDEROSAS, NOS ULTIMOS DIAS DECIDI REABRIR TEMPORARIAMENTE O ACESSO A ESTE BLOG AO PUBLICO EM GERAL. COMO MENCIONEI NO PRIMEIRO ANUNCIO SOBRE ESTA QUESTAO (AQUI), TENCIONAVA RESTRINGIR O ACESSO PELO MENOS ATE’ QUE O BLOGGER/GOOGLE TOMASSEM MEDIDAS SOBRE A MINHA QUEIXA. NO ENTANTO, DEVIDO A BUROCRACIA ENVOLVIDA, ESTE ESTA’ A DEMONSTRAR-SE UM LONGO PROCESSO, APESAR DE ELES JA’ TEREM TOMADO ALGUMAS MEDIDAS SIGNIFICATIVAS CONTRA O BLOG OFENSIVO. NO ENTRETANTO, TENHO ESTADO SERIAMENTE A CONSIDERAR MANTER O ACESSO A ESTE BLOG PERMANENTEMENTE RESTRICTO, MAS AINDA NAO TOMEI UMA DECISAO FINAL SOBRE ISSO, UMA VEZ QUE, DESDE O INICIO, NUNCA PRETENDI ESTABELECER QUALQUER TIPO DE RESTRICCAO AO ACESSO A ESTE BLOG.

POR ISSO ANUNCIO A TODOS QUE, DURANTE UM MES A PARTIR DESTA DATA MANTEREI O BLOG ABERTO SEM RESTRICOES A TODOS OS VISITANTES, MAS COM A ‘MODERACAO DE COMENTARIOS’ ACTIVADA. SE, AO FINAL DESSE PERIODO, ESTIVER SATISFEITA COM AS MEDIDAS DO GOOGLE/BLOGGER E SE NAO SE REGISTAREM OFENSAS/INFRINGIMENTOS ADICCIONAIS, DESACTIVAREI ENTAO A ‘MODERACAO DE COMENTARIOS’ E MANTEREI O BLOG ABERTO SEM QUALQUER RESTRICAO.

APROVEITO ESTA OPORTUNIDADE PARA AGRADECER A TODOS QUE EXPRESSARAM INTERESSE EM CONTINUAR A VISITAR ESTE BLOG.
MANTER-VOS-EI A TODOS (COM A OBVIA EXCEPCAO DE M. SILVERA) COMO AMIGOS ESPECIAIS DESTE BLOG. ACONTECA O QUE ACONTECER VOCES SAO MEMBROS DA LISTA DE VISITANTES E NAO PRECISARAO DE VOLTAR A REGISTAR-SE CASO, POR QUALQUER RAZAO, EU TENHA QUE VOLTAR A RESTRINGIR O ACESSO AO BLOG.

MUITO OBRIGADA PELA VOSSA PACIENCIA, AMIZADE E COMPREENSAO!


DEAR ALL

AS YOU’VE NOTICED, IN THE LAST FEW DAYS, FOR PONDEROUS REASONS, I HAVE HAD THIS BLOG TEMPORARILY RE-OPEN TO THE GENERAL PUBLIC.
AS I MENTIONED IN MY FIRST POST ON THIS ISSUE (HERE), I INTENDED TO RESTRICT ITS ACCESS AT LEAST UNTIL BLOGGER/GOOGLE TOOK ACTION ON MY COMPLAINT. HOWEVER, DUE TO THE BUREAUCRACY INVOLVED, THIS IS PROVING TO BE A VERY LENGHTY PROCESS, EVEN THOUGH THEY’VE ALREADY TAKEN SIGNIFICANT MEASURES AGAINST THE OFFENDING BLOGGER. IN THE MEANTIME, I’VE SERIOUSLY CONSIDERED KEEPING ACCESS TO THIS BLOG PERMANENTLY RESTRICTED BUT UP UNTIL THIS MOMENT I HAVEN’T REACHED A FINAL DECISION ON THAT, SINCE, FROM THE OUTSET, I NEVER INTENDED TO RESTRICT ACCESS TO THIS BLOG IN ANY FORM WHATSOEVER.

I AM, THEREFORE, ANNOUNCING TO ALL OF YOU THAT FOR ONE MONTH FROM THIS DATE I WILL KEEP THE BLOG UNRESTRICTLY OPEN TO ALL VISITORS, ONLY KEEPING ‘COMMENTS MODERATION’ ACTIVATED. IF, BY THE END OF THAT PERIOD, I AM SATISFIED WITH GOOGLE/BLOGGER’S ACTION ON MY COMPLAINTS AND IF NO MORE OFFENSES/INFRINGEMENTS ARE REGISTERED, I WILL THEN DISACTIVATE ‘COMMENTS MODERATION’ AND KEEP THE BLOG UNRESTRICTLY OPEN.

I TAKE THIS OPPORTUNITY TO THANK ALL OF YOU WHO HAVE REGISTERED YOUR INTEREST IN CONTINUING VISITING THIS BLOG.
I WILL KEEP ALL OF YOU AS SPECIAL FRIENDS OF THIS BLOG. WHATEVER HAPPENS YOU ARE MEMBERS OF THE VISITORS LIST AND WON’T NEED TO RE-REGISTER IN CASE I HAVE TO RESTRICT ACCESS TO THE BLOG AGAIN.

MANY THANKS FOR YOUR PATIENCE, FRIENDSHIP AND UNDERSTANDING!




CAROS AMIGOS

COMO TERAO NOTADO, POR RAZOES PONDEROSAS, NOS ULTIMOS DIAS DECIDI REABRIR TEMPORARIAMENTE O ACESSO A ESTE BLOG AO PUBLICO EM GERAL. COMO MENCIONEI NO PRIMEIRO ANUNCIO SOBRE ESTA QUESTAO (AQUI), TENCIONAVA RESTRINGIR O ACESSO PELO MENOS ATE’ QUE O BLOGGER/GOOGLE TOMASSEM MEDIDAS SOBRE A MINHA QUEIXA. NO ENTANTO, DEVIDO A BUROCRACIA ENVOLVIDA, ESTE ESTA’ A DEMONSTRAR-SE UM LONGO PROCESSO, APESAR DE ELES JA’ TEREM TOMADO ALGUMAS MEDIDAS SIGNIFICATIVAS CONTRA O BLOG OFENSIVO. NO ENTRETANTO, TENHO ESTADO SERIAMENTE A CONSIDERAR MANTER O ACESSO A ESTE BLOG PERMANENTEMENTE RESTRICTO, MAS AINDA NAO TOMEI UMA DECISAO FINAL SOBRE ISSO, UMA VEZ QUE, DESDE O INICIO, NUNCA PRETENDI ESTABELECER QUALQUER TIPO DE RESTRICCAO AO ACESSO A ESTE BLOG.

POR ISSO ANUNCIO A TODOS QUE, DURANTE UM MES A PARTIR DESTA DATA MANTEREI O BLOG ABERTO SEM RESTRICOES A TODOS OS VISITANTES, MAS COM A ‘MODERACAO DE COMENTARIOS’ ACTIVADA. SE, AO FINAL DESSE PERIODO, ESTIVER SATISFEITA COM AS MEDIDAS DO GOOGLE/BLOGGER E SE NAO SE REGISTAREM OFENSAS/INFRINGIMENTOS ADICCIONAIS, DESACTIVAREI ENTAO A ‘MODERACAO DE COMENTARIOS’ E MANTEREI O BLOG ABERTO SEM QUALQUER RESTRICAO.

APROVEITO ESTA OPORTUNIDADE PARA AGRADECER A TODOS QUE EXPRESSARAM INTERESSE EM CONTINUAR A VISITAR ESTE BLOG.
MANTER-VOS-EI A TODOS (COM A OBVIA EXCEPCAO DE M. SILVERA) COMO AMIGOS ESPECIAIS DESTE BLOG. ACONTECA O QUE ACONTECER VOCES SAO MEMBROS DA LISTA DE VISITANTES E NAO PRECISARAO DE VOLTAR A REGISTAR-SE CASO, POR QUALQUER RAZAO, EU TENHA QUE VOLTAR A RESTRINGIR O ACESSO AO BLOG.

MUITO OBRIGADA PELA VOSSA PACIENCIA, AMIZADE E COMPREENSAO!

Sunday, 15 April 2007

SUNDAY PAPER


"GETTING TOUGH WITH THE PETRO-ELITES"



That's the title of the attached article, which my friend Luis, based in Lisbon, kindly sent to me during the week.

Inicially appeared four days ago in the International Herald Tribune, it has since been disseminated and quoted throughout other media.

I should perhaps note that one of its co-authors, Ricardo Soares de Oliveira, has contributed an article to the 2007 Norwegian Council for Africa Anthology, in which I've also participated (see here), making us the only two contributors from the lusophone world to that anthology. Hoping that some more will contribute in years to come.


Click here for some food for thought


"GETTING TOUGH WITH THE PETRO-ELITES"



That's the title of the attached article, which my friend Luis, based in Lisbon, kindly sent to me during the week.

Inicially appeared four days ago in the International Herald Tribune, it has since been disseminated and quoted throughout other media.

I should perhaps note that one of its co-authors, Ricardo Soares de Oliveira, has contributed an article to the 2007 Norwegian Council for Africa Anthology, in which I've also participated (see here), making us the only two contributors from the lusophone world to that anthology. Hoping that some more will contribute in years to come.


Click here for some food for thought

MAKAS NA SANZALA GLOBAL

Durante a semana que hoje termina, de tao absorvida que estive em "makas de sanzala", fui seguindo apenas de soslaio algumas das interessantes makas que se desenrolavam na sanzala global. Um pouco para "acabar de vez com a cultura", isto e', com a maka na sanzala local, deixo aqui este resumo das makas globais da semana.


I. IMUS FURORE


Don Imus, de 67 anos de idade, apresentador de um popular programa de radio da cadeia americana MSNBC, afirmou aos seus microfones que as atletas da equipa feminina de basquetebol do Colegio Rutgers (jovens negras de cerca de 19/20 anos) nao passavam de umas “nappy-headed hos”… intraduzivel, mas altamente ofensivo para as vizadas e nao so’! Porque disse ele isso? Aparentemente, por nenhuma outra razao senao porque lhe apeteceu… E tambem, ao que parece, porque se sentiu justificado pela moda de assim se tratar as jovens mulheres negras no mundo da musica rap e hip-hop (lembram-se da maka Ophra vs. 50 Cent que AQUI relatei nas primeiras semanas deste blog?).

("I got a little 50 cent in my i-pod")
Seguiu-se um furor nacional em que praticamente toda a gente que tem alguma coisa a dizer sobre sexismo e racismo nos EUA apareceu nas networks televisivas a dizer de sua justica, desde Whoopi Goldberg, a varios dirigentes do NAACP, passando pelos Revs. Jesse Jackson e Al Sharpleton. Barack Obama, por exemplo, disse: "He didn't just cross the line, he fed into some of the worst stereotypes." Por seu lado, Snoop Dogg, defendendo a sua “dama” (i.e. o rap e hip-hop), saiu-se com esta: "It's a completely different scenario, first of all, we ain't no old-a— white men that sit up on MSNBC going hard on black girls. We are rappers that have these songs coming from our minds and our souls that are relevant to what we feel. I will not let them mother—s say we in the same league." O que levou alguns analistas a considerarem se pelo menos parte da confusao de “linhas de demarcacao” nao adviria de as ofensas terem sido proferidas fora de um "contexto artistico"…

Resultado: apesar de se ter desculpado perante as ofendidas e o pais, Don Imus foi sumariamente despedido da MSNBC! ... Indeed, outros mundos!!!


II. PRESIDENTE DO BANCO MUNDIAL EM SARILHOS...


O Presidente do Banco Mundial, Paul Wolfowitz tem estado envolvido em grandes makas nos ultimos dias por ter sido apanhado em “flagrante delito”… Bom, nao exactamente, mas o que acontece e’ que ele e’ acusado pelo seu board e staff de usar o pior tipo de favoritismo para com uma sua ex(?) namorada, Shaha Riza, funcionaria do BM, facultando-lhe uma imerecida promocao e um aumento de salario que a pos a ganhar cerca de USD 200 mil/ano, o que se diz ser mais do que a remuneracao de Condolezza Rice…

Resultado: Wolfowitz emitiu um pedido publico de desculpas, mas nao parece que as tenha ainda obtido de todos quantos pedem a sua demissao imediata, a excepcao de George Bush que e’ o seu mais firme apoiante… Por isso vai dar hoje uma conferencia de imprensa e talvez durante a proxima semana se saiba o desfecho desta maka.


III. KASPAROV: DO XADREZ A POLITICA... AO XADREZ... AND BACK!


Gary Kasparov emergiu ha poucas horas do que parecia ser uma longa obscuridade, depois de ter feito as headlines mundiais como campeao mundial de xadrez durante varios anos, como um dos mais determinados oponentes do actual presidente Russo. Enquanto escrevia este post, ele estava a ser entrevistado, numa sessao pre-gravada do programa “Hardtalk” da BBC News 24 (... uma especie de combate de boxe entre entrevistador e entrevistado, nao aconselhavel aos de tensao alta ou de espirito enfraquecido por decadas de censura stalinista...), onde explicava como pretende aplicar as suas tacticas e estrategias de xadrez para dar um xeque-mate a Putin e como, possivelmente, ainda voltara' ao top do xadrez mundial… Mas nao foi por isso que ele fez as headlines.

Kasparov foi levado para o xadrez nas ultimas horas de ontem, entre varias dezenas de outros manifestantes que, em Moscovo, protestavam, no que apelidaram a “Marcha da Dissidencia” contra o regime de Putin, na historica Praca Pushkin, nas imediacoes do Kremlin, gritando: “precisamos de uma nova Russia”! Kasparov era um dos lideres da manifestacao, como dirigente do movimento “The Other Russia” (uma coligacao que engloba um vasto espectro de participantes, desde liberais pro-ocidentais a esquerdistas radicais) que acusa Putin de estar a desmantelar a democracia no pais.

A manifestacao aconteceu poucas horas depois de Boris Berezovsky, um bilionario russo que se tem destacado na oposicao a Putin, ter afirmado ontem ao ‘Guardian’ estar a planear uma revolucao a partir do seu exilio em Londres, o que contribuiu para uma ainda maior tensao nas relacoes Londres/Moscovo desde a misteriosa (?) morte por envenenamento ha’ alguns meses de um outro opositor do regime de Putin exilado em Londres, Alexander Litvinenko.

Kasparov foi, entretanto, posto em liberdade.


IV. WILLS & KATE JA' ERAM...


Finalmente, a grande historia que eclodiu nas ultimas horas e que certamente fara’ as headlines por muito tempo ainda: “Prince William and Kate Middleton are no longer an item!” Assim surgiu ontem a noticia como um exclusivo do tabloide londrino “The Sun” que, entretanto, se difundiu por toda a imprensa mundial.
Aparentemente, depois de 4 anos de namoro e alguns meses de quase noivado, o filho de Diana e a sua namorada, apenas um pouco acima da "middle England" no sistema de classes Britanico, decidiram seguir cada um o seu caminho. Do lado dele sugere-se que as razoes terao a haver com a prioridade que decidiu dar a sua carreira militar e, do lado dela, ao intenso escrutinio dos media e a perseguicao dos papparazzi (ring any bells?)…

Durante a semana que hoje termina, de tao absorvida que estive em "makas de sanzala", fui seguindo apenas de soslaio algumas das interessantes makas que se desenrolavam na sanzala global. Um pouco para "acabar de vez com a cultura", isto e', com a maka na sanzala local, deixo aqui este resumo das makas globais da semana.


I. IMUS FURORE


Don Imus, de 67 anos de idade, apresentador de um popular programa de radio da cadeia americana MSNBC, afirmou aos seus microfones que as atletas da equipa feminina de basquetebol do Colegio Rutgers (jovens negras de cerca de 19/20 anos) nao passavam de umas “nappy-headed hos”… intraduzivel, mas altamente ofensivo para as vizadas e nao so’! Porque disse ele isso? Aparentemente, por nenhuma outra razao senao porque lhe apeteceu… E tambem, ao que parece, porque se sentiu justificado pela moda de assim se tratar as jovens mulheres negras no mundo da musica rap e hip-hop (lembram-se da maka Ophra vs. 50 Cent que AQUI relatei nas primeiras semanas deste blog?).

("I got a little 50 cent in my i-pod")
Seguiu-se um furor nacional em que praticamente toda a gente que tem alguma coisa a dizer sobre sexismo e racismo nos EUA apareceu nas networks televisivas a dizer de sua justica, desde Whoopi Goldberg, a varios dirigentes do NAACP, passando pelos Revs. Jesse Jackson e Al Sharpleton. Barack Obama, por exemplo, disse: "He didn't just cross the line, he fed into some of the worst stereotypes." Por seu lado, Snoop Dogg, defendendo a sua “dama” (i.e. o rap e hip-hop), saiu-se com esta: "It's a completely different scenario, first of all, we ain't no old-a— white men that sit up on MSNBC going hard on black girls. We are rappers that have these songs coming from our minds and our souls that are relevant to what we feel. I will not let them mother—s say we in the same league." O que levou alguns analistas a considerarem se pelo menos parte da confusao de “linhas de demarcacao” nao adviria de as ofensas terem sido proferidas fora de um "contexto artistico"…

Resultado: apesar de se ter desculpado perante as ofendidas e o pais, Don Imus foi sumariamente despedido da MSNBC! ... Indeed, outros mundos!!!


II. PRESIDENTE DO BANCO MUNDIAL EM SARILHOS...


O Presidente do Banco Mundial, Paul Wolfowitz tem estado envolvido em grandes makas nos ultimos dias por ter sido apanhado em “flagrante delito”… Bom, nao exactamente, mas o que acontece e’ que ele e’ acusado pelo seu board e staff de usar o pior tipo de favoritismo para com uma sua ex(?) namorada, Shaha Riza, funcionaria do BM, facultando-lhe uma imerecida promocao e um aumento de salario que a pos a ganhar cerca de USD 200 mil/ano, o que se diz ser mais do que a remuneracao de Condolezza Rice…

Resultado: Wolfowitz emitiu um pedido publico de desculpas, mas nao parece que as tenha ainda obtido de todos quantos pedem a sua demissao imediata, a excepcao de George Bush que e’ o seu mais firme apoiante… Por isso vai dar hoje uma conferencia de imprensa e talvez durante a proxima semana se saiba o desfecho desta maka.


III. KASPAROV: DO XADREZ A POLITICA... AO XADREZ... AND BACK!


Gary Kasparov emergiu ha poucas horas do que parecia ser uma longa obscuridade, depois de ter feito as headlines mundiais como campeao mundial de xadrez durante varios anos, como um dos mais determinados oponentes do actual presidente Russo. Enquanto escrevia este post, ele estava a ser entrevistado, numa sessao pre-gravada do programa “Hardtalk” da BBC News 24 (... uma especie de combate de boxe entre entrevistador e entrevistado, nao aconselhavel aos de tensao alta ou de espirito enfraquecido por decadas de censura stalinista...), onde explicava como pretende aplicar as suas tacticas e estrategias de xadrez para dar um xeque-mate a Putin e como, possivelmente, ainda voltara' ao top do xadrez mundial… Mas nao foi por isso que ele fez as headlines.

Kasparov foi levado para o xadrez nas ultimas horas de ontem, entre varias dezenas de outros manifestantes que, em Moscovo, protestavam, no que apelidaram a “Marcha da Dissidencia” contra o regime de Putin, na historica Praca Pushkin, nas imediacoes do Kremlin, gritando: “precisamos de uma nova Russia”! Kasparov era um dos lideres da manifestacao, como dirigente do movimento “The Other Russia” (uma coligacao que engloba um vasto espectro de participantes, desde liberais pro-ocidentais a esquerdistas radicais) que acusa Putin de estar a desmantelar a democracia no pais.

A manifestacao aconteceu poucas horas depois de Boris Berezovsky, um bilionario russo que se tem destacado na oposicao a Putin, ter afirmado ontem ao ‘Guardian’ estar a planear uma revolucao a partir do seu exilio em Londres, o que contribuiu para uma ainda maior tensao nas relacoes Londres/Moscovo desde a misteriosa (?) morte por envenenamento ha’ alguns meses de um outro opositor do regime de Putin exilado em Londres, Alexander Litvinenko.

Kasparov foi, entretanto, posto em liberdade.


IV. WILLS & KATE JA' ERAM...


Finalmente, a grande historia que eclodiu nas ultimas horas e que certamente fara’ as headlines por muito tempo ainda: “Prince William and Kate Middleton are no longer an item!” Assim surgiu ontem a noticia como um exclusivo do tabloide londrino “The Sun” que, entretanto, se difundiu por toda a imprensa mundial.
Aparentemente, depois de 4 anos de namoro e alguns meses de quase noivado, o filho de Diana e a sua namorada, apenas um pouco acima da "middle England" no sistema de classes Britanico, decidiram seguir cada um o seu caminho. Do lado dele sugere-se que as razoes terao a haver com a prioridade que decidiu dar a sua carreira militar e, do lado dela, ao intenso escrutinio dos media e a perseguicao dos papparazzi (ring any bells?)…

Saturday, 14 April 2007

MAFIKIZOLO'S EMLANJENI

The "videotrack" to 'Caminhos do Rio', Emlanjeni, is available at the bottom of the page.

"During an event sponsored by the South African Tour Board in London, I had the honor of hearing live one of the top Pop groups from South Africa, Mafikizolo. The audience, predominantly South African, who were singing and dancing along with the group, tells you that the band is very well known and carries a strong following in South Africa. Listening to them live and watching the energy they possessed, you could understand the attraction. This genre of music is known as Kwaito, African and carries a rhythm and beat that has you tapping your fingers, swinging and dancing to the sound, which we all did on the dance floor as we cruised down the Thames. I was honored when the group presented me a copy of their current recording entitled Kwela, of which many of the songs were performed live during the event. I have had time to sit back and enjoy this recording with my favorite cuts being Kwela Kwela, Udakwa Njalo, Ndizolila, Soka Lami and Emlanjeni. This was a unique evening of sights and sounds, and I was thankful I was a part of it. You can see into a culture from their music, and this group showed a passion, energy and love for their language, people and heritage that you could hear in the music and view in the dance."

(Review taken from here)
The "videotrack" to 'Caminhos do Rio', Emlanjeni, is available at the bottom of the page.

"During an event sponsored by the South African Tour Board in London, I had the honor of hearing live one of the top Pop groups from South Africa, Mafikizolo. The audience, predominantly South African, who were singing and dancing along with the group, tells you that the band is very well known and carries a strong following in South Africa. Listening to them live and watching the energy they possessed, you could understand the attraction. This genre of music is known as Kwaito, African and carries a rhythm and beat that has you tapping your fingers, swinging and dancing to the sound, which we all did on the dance floor as we cruised down the Thames. I was honored when the group presented me a copy of their current recording entitled Kwela, of which many of the songs were performed live during the event. I have had time to sit back and enjoy this recording with my favorite cuts being Kwela Kwela, Udakwa Njalo, Ndizolila, Soka Lami and Emlanjeni. This was a unique evening of sights and sounds, and I was thankful I was a part of it. You can see into a culture from their music, and this group showed a passion, energy and love for their language, people and heritage that you could hear in the music and view in the dance."

(Review taken from here)

Friday, 13 April 2007

PAVEMENT ART

(SPECIALLY DEDICATED TO MARIO & DIDI)


BATMAN & ROBIN




Vs.

SPIDERMAN





DOGGY LIFE


Men Are Easy

SINGLE BLACK FEMALE seeks male companionship, ethnicity unimportant.

I'm a very good looking girl who LOVES to play. I love long walks in the woods, riding in your pickup truck, hunting, camping, and fishing trips, cozy winter nights relaxing by the fire.
Candlelight dinners will have me eating out of your hand.
I'll be at your front door when you come home from work, wearing only what nature gave me. Kiss me, and I'm all yours. Call 591-1234 and ask for Daisy.

{Over 15,000 men found themselves talking to the local Humane Society about an 8 week old Labrador Retriever.
Men are so easy.}

(story & picture from here)

...

VIDA DE CÃO

Algures na Park Avenue
mister Bull-Dog, imponente
e severo,
trincou a nádega do menino.

Nao era esfomeado o dog,
nem assaltante o menino,
o Bull apenas se enganara
ao aflorar o cravo
que sua ama para ele plantara
ali no jardim

onde o menino, impávido
e sereno,
se aliviava da desinteria
causada pelo leite
que ao bull-dog roubara
quando decidira
levar vida de cão.

A.S., “S.O.S.”, Luanda - 1984


N.B.: Coloquei aqui este poema ja' depois de ter feito o post e de ele ter sido comentado, por ter a ver com o titulo do post e nao porque tenha qualquer intencao ou sentido humoristicos. Quanto muito ele pretendeu ser uma satira. O menino aqui referido e', na actual realidade social angolana, um "menino de rua". Na altura em que este poema foi escrito, o fenomeno "menino de rua" em Luanda ainda nao era a desgraca a que hoje se assiste, mas ja' existia... embora o tipo de assimetrias sociais e economicas que o provoca, associadas ou nao a guerra, fosse considerado por muitos em Angola, incluindo alguns que hoje se reclamam de "criticos do sistema", como uma caracteristica exclusiva dos "paises capitalistas ocidentais". Dai que tenha colocado a estoria "algures na Park Avenue" (que na altura ainda nao conhecia e que podera' ser a de NY ou qualquer outra, porque ha varias no mundo)... E com isto acho que iniciei a minha "carreira" como 'critica literaria' da minha propria poesia... ;-)

Men Are Easy

SINGLE BLACK FEMALE seeks male companionship, ethnicity unimportant.

I'm a very good looking girl who LOVES to play. I love long walks in the woods, riding in your pickup truck, hunting, camping, and fishing trips, cozy winter nights relaxing by the fire.
Candlelight dinners will have me eating out of your hand.
I'll be at your front door when you come home from work, wearing only what nature gave me. Kiss me, and I'm all yours. Call 591-1234 and ask for Daisy.

{Over 15,000 men found themselves talking to the local Humane Society about an 8 week old Labrador Retriever.
Men are so easy.}

(story & picture from here)

...

VIDA DE CÃO

Algures na Park Avenue
mister Bull-Dog, imponente
e severo,
trincou a nádega do menino.

Nao era esfomeado o dog,
nem assaltante o menino,
o Bull apenas se enganara
ao aflorar o cravo
que sua ama para ele plantara
ali no jardim

onde o menino, impávido
e sereno,
se aliviava da desinteria
causada pelo leite
que ao bull-dog roubara
quando decidira
levar vida de cão.

A.S., “S.O.S.”, Luanda - 1984


N.B.: Coloquei aqui este poema ja' depois de ter feito o post e de ele ter sido comentado, por ter a ver com o titulo do post e nao porque tenha qualquer intencao ou sentido humoristicos. Quanto muito ele pretendeu ser uma satira. O menino aqui referido e', na actual realidade social angolana, um "menino de rua". Na altura em que este poema foi escrito, o fenomeno "menino de rua" em Luanda ainda nao era a desgraca a que hoje se assiste, mas ja' existia... embora o tipo de assimetrias sociais e economicas que o provoca, associadas ou nao a guerra, fosse considerado por muitos em Angola, incluindo alguns que hoje se reclamam de "criticos do sistema", como uma caracteristica exclusiva dos "paises capitalistas ocidentais". Dai que tenha colocado a estoria "algures na Park Avenue" (que na altura ainda nao conhecia e que podera' ser a de NY ou qualquer outra, porque ha varias no mundo)... E com isto acho que iniciei a minha "carreira" como 'critica literaria' da minha propria poesia... ;-)

RECENT PUBLICATIONS ON ANGOLA AND MOZAMBIQUE


John K. Thornton, "Elite Women in the Kingdom of Kongo: Historical Perspectives on Women's Political Power," Journal of African History 47, 3 (2006): 437-60

Armando Marques Guedes and Maria José Lopes (eds.), _State and Traditional Law in Angola and Mozambique_ Coimbra: Edições Almedina, 2006 (261 pages)

Linda Ledford-Miller, "'So Few and Yet So Little Known': Historical Recovery and Reconstruction in the Work of Lilia Momplé," in Africa Rivista trimestrale di studi e documentazione dell''Istituto italiano per l'Africa e l'Oriente, 61, 3-4 (Settembre - Dicembre 2006):564-582

Joao Milando, _Desenvolvimento e Resiliencia Social em Africa: Dinamicas Rurais de Cabinda_, Coleccao Sociedades Africanas, Periploi (Instituto de Investigacao Aplicada), 2007

José Soares Tavares, _O campo de concentração do Tarrafal, 1936-1954, a origem e o quotidiano_ (Lisboa : Edições Colibri,2007)


Compiled by Kathleen Sheldon (UCLA/ H-Net)
Picture: "Encyclopedia of Pleasure" (Ghada Amer, Egypt)

ADENDA:
IMPORTANTE ESPÓLIO CULTURAL LUSO-BRASILEIRO
Informacao gentilmente enviada por e-mail pela amiga Bato' (Veja Aqui)

John K. Thornton, "Elite Women in the Kingdom of Kongo: Historical Perspectives on Women's Political Power," Journal of African History 47, 3 (2006): 437-60

Armando Marques Guedes and Maria José Lopes (eds.), _State and Traditional Law in Angola and Mozambique_ Coimbra: Edições Almedina, 2006 (261 pages)

Linda Ledford-Miller, "'So Few and Yet So Little Known': Historical Recovery and Reconstruction in the Work of Lilia Momplé," in Africa Rivista trimestrale di studi e documentazione dell''Istituto italiano per l'Africa e l'Oriente, 61, 3-4 (Settembre - Dicembre 2006):564-582

Joao Milando, _Desenvolvimento e Resiliencia Social em Africa: Dinamicas Rurais de Cabinda_, Coleccao Sociedades Africanas, Periploi (Instituto de Investigacao Aplicada), 2007

José Soares Tavares, _O campo de concentração do Tarrafal, 1936-1954, a origem e o quotidiano_ (Lisboa : Edições Colibri,2007)


Compiled by Kathleen Sheldon (UCLA/ H-Net)
Picture: "Encyclopedia of Pleasure" (Ghada Amer, Egypt)

ADENDA:
IMPORTANTE ESPÓLIO CULTURAL LUSO-BRASILEIRO
Informacao gentilmente enviada por e-mail pela amiga Bato' (Veja Aqui)

Thursday, 12 April 2007

SLOWLY BUT SURELY... THIS GOES!



I received yesterday the following message from the Blogger Team:

(Recebi ontem a seguinte mensagem do Blogger Team):


"Re: [#133347283] Blogger DMCA Complaint received

In accordance with the DMCA, we have completed processing your infringement complaint and the content in question no longer appears on the following URL(s):

{list of forcefully removed posts}

Please let us know if we can assist you further.


Sincerely,

The Blogger Team
Wed, 11 Apr 2007 15:05:20 -0700".


DEVAGAR MAS BEM... ISTO VAI!


I received yesterday the following message from the Blogger Team:

(Recebi ontem a seguinte mensagem do Blogger Team):


"Re: [#133347283] Blogger DMCA Complaint received

In accordance with the DMCA, we have completed processing your infringement complaint and the content in question no longer appears on the following URL(s):

{list of forcefully removed posts}

Please let us know if we can assist you further.


Sincerely,

The Blogger Team
Wed, 11 Apr 2007 15:05:20 -0700".


DEVAGAR MAS BEM... ISTO VAI!

Tuesday, 10 April 2007

HAPPY HOUR!!!

(SPECIALLY DEDICATED TO SAILOR GIRL)



(A Foggy Day - George & Ira Gershwin)



Billie Holiday (1915-1959) left us one of the most transcendent bodies of work in all of Western culture. Like Sinatra, who revered her, and unlike Sarah Vaughan, who followed her in the regal line of American female singers, Holiday did not read music – she simply is music.

There are those who aver that her voice, never a magnificent instrument but always a strikingly honest one, had by the Fifties lost the new-penny shininess of the Thirties and the woody warmth of the Forties. By the Fifties, though her voice had coarsened and her intonation tended to wobble. Miss Holiday knew her business in much the way that a knockout-fighter-turned-crafty-counterpuncher knows his. Revisiting tunes that she’d done in two previous decades, her stick-and-move, bob-and-weave phrasing made her mostly a winner. And, as always, her time was of championship caliber.

The majority of the songs herein are reconsiderations of familiar fare and some – notably “Everything I Have Is Yours”, “Comes Love”, “Speak Low”, and “I’ve Got My Love to Keep Me Warm” – stand with the best work of her twenty-five-year recording career. The instrumentalists, including old friends (Ben Webster, Charlie Shavers, Benny Carter, Harry “Sweets” Edison, Jimmy Rowles, and Tony Scott) and rising young stars (Oscar Peterson’s trio, Wynton Kelly, and Kenny Burrell) are knights attending a Lady.

Though she knew these numbers inside and out, Billie Holiday continued to uncover new shadings, nuances, and meanings. What she may have lost vocally is more than offset by the feeling we gain.

James Isaacs
(Introduction to Billie’s Best, 1992 PolyGram Records)


(SPECIALLY DEDICATED TO SAILOR GIRL)



(A Foggy Day - George & Ira Gershwin)



Billie Holiday (1915-1959) left us one of the most transcendent bodies of work in all of Western culture. Like Sinatra, who revered her, and unlike Sarah Vaughan, who followed her in the regal line of American female singers, Holiday did not read music – she simply is music.

There are those who aver that her voice, never a magnificent instrument but always a strikingly honest one, had by the Fifties lost the new-penny shininess of the Thirties and the woody warmth of the Forties. By the Fifties, though her voice had coarsened and her intonation tended to wobble. Miss Holiday knew her business in much the way that a knockout-fighter-turned-crafty-counterpuncher knows his. Revisiting tunes that she’d done in two previous decades, her stick-and-move, bob-and-weave phrasing made her mostly a winner. And, as always, her time was of championship caliber.

The majority of the songs herein are reconsiderations of familiar fare and some – notably “Everything I Have Is Yours”, “Comes Love”, “Speak Low”, and “I’ve Got My Love to Keep Me Warm” – stand with the best work of her twenty-five-year recording career. The instrumentalists, including old friends (Ben Webster, Charlie Shavers, Benny Carter, Harry “Sweets” Edison, Jimmy Rowles, and Tony Scott) and rising young stars (Oscar Peterson’s trio, Wynton Kelly, and Kenny Burrell) are knights attending a Lady.

Though she knew these numbers inside and out, Billie Holiday continued to uncover new shadings, nuances, and meanings. What she may have lost vocally is more than offset by the feeling we gain.

James Isaacs
(Introduction to Billie’s Best, 1992 PolyGram Records)


Saturday, 7 April 2007

HAPPY EASTER!



PASCOA FELIZ A TODOS!


PASCOA FELIZ A TODOS!

Friday, 6 April 2007

CRONICA DE UMA MAKA ANUNCIADA



"CRONICA DE UMA MAKA ANUNCIADA”



”(...) Quando alguém mostra a visibilidade do mito acha-se ao serviço de pretextos (... qualquer coisa tirada de passagem à Cultura) para, com seu uso, desencadear a explosão mítica. (...) Só não percebe quem vive mergulhado na cultura. Talvez se perceba numa certa África ainda. (...) Estou no mundo, a esquizofrenia fica longe, na cultura.”

Para que fique registado neste blog o que deu lugar a esta maka (e por isso voltei hoje, 11/04/07, a reabrir temporariamente o blog ao publico em geral, mas com os espacos de comentarios a este e ao post anterior encerrados), decidi publicar aqui, no espaco de comentarios a este post, NA INTEGRA, os iniciais comentarios, publicados e nao publicados (digo iniciais porque houve outros posteriormente, 3 ou 4, dos quais apenas 2 foram publicados). Apesar de ja' ter considerado o assunto encerrado, com isto pretendo apenas sugerir aos leitores que, enquanto esta maka se desenrolava "por tras da cortina", foram seguindo os meus pontos de vista, quer aqui no meu blog, quer no blog “A Materia do Tempo” (nao pretendendo com isto de qualquer forma implicar o Denudado ou envolve-lo involuntariamente nesta maka, mas apenas porque as minhas primeiras “manifestacoes” sobre essas questoes foram registadas no blog dele) , sobre alguns dos argumentos da ACGM no seu post entitulado “Vulto Said:”, nomeadamente a volta dos conceitos de “apropriacao cultural”, “partilha” e “racismo”, facam as suas proprias avaliacoes e formulem os seus proprios pontos de vista e/ou juizos de valor.

Sugeriria que o fizessem a luz do meu artigo anexado ao post anterior a este (“Maka de Sanzala!!!” ) entitulado “A Minha Patria nao e’ a Lingua Portuguesa”, com particular referencia a "alguns exímios praticantes do impressivo, mas de questionável honestidade intelectual, ofício do 'vulturismo cultural' (i.e., a apropriação de simbologias e narrativas antropológicas, sociológicas ou rituais Africanas, para seu uso e abuso como instrumentos, máscaras, de legitimação cultural de discursos artístico-literários raramente condicentes com as experiências vivenciais, as convicções político-ideológicas, as preferências estéticas, ou a praxis social, passada ou presente, dos seus autores)."

Pedir-vos-ia tambem que, tanto quanto possivel, tentassem prestar mais atencao ao CONTEUDO e menos a FORMA como os meus comentarios foram feitos, porque, sinceramente, incialmente para mim tratava-se apenas de expressar um ponto de vista e algumas interrogacoes perante quem, apesar de nao conhecer pessoalmente mas sobre quem sabia o suficiente para me expressar como o fiz sem grandes constrangimentos, nao me sentia com qualquer particular obrigacao de enderecar com “alturas e mesuras” e por quem, depois das suas respostas e a luz do que antes sabia dela e da leitura de alguns dos seus posts e comentarios no seu e noutros blogs, perdi todo o respeito…

Finalmente, impoe-se-me notar particularmente que uma das minhas leituras desta "maka" encaixa-se perfeitamente na frase de Herberto Helder acima citada (e por isso a tive destacada neste blog, no fim do 'News & Views', durante aquele periodo...). Isto e':

Eu expus a visibilidade do mito da "Phwo", ao tentar "destapar-lhe a mascara" e, imediatamente me achei ao servico de pretextos (e.g. acusacoes, ou melhor, insultos, de 'racismo', 'cobardia', 'grosseria', 'falta de educacao', 'atrevimento', 'ignorancia', 'incultura', 'patetice', 'estupidez', 'complexo', 'recalcamento', 'constrangimento', 'retrogredismo' ou 'retroaccao', 'rancor', 'ressaibo', 'raiva', 'ressentimento', 'parasitismo', 'insignificancia', 'besta, quadrada ou nao', 'disparatada', 'aquela coisa', 'vomito', 'pecadora capital', 'terrorista', 'instigadora de assassinatos', 'petit rien', etc, etc, etc...) que pudessem justificar que eu "cometesse um suicidio em grande estilo"... ou seria que alguem "cometesse um assassinato em grande estilo" sobre mim?!

Ao mesmo tempo, na sua resposta ao meu comentario (parcialmente) publicado (triplamente censurado) sob o titulo "Vulto said", ela tira "qualquer coisa" (de facto, varias coisas) de passagem a Cultura, particularmente a filologia, a antropologia e a etnologia (em nenhuma das quais ela e' especialista... e, ja' agora, como especialista em economia, devo dizer-lhe que nem nesta disciplina cientifica o conceito de "negociacao" e' equivalente a "negocio"... por isso, mas infelizmente nao so' por isso, a considero arrogante ignorante!) para com seu uso desencadear a explosao mitica (i.e. todos os episodios da "maka" que se seguiu e que explodiram nesta cena final...).

De facto, so' nao percebe quem vive mergulhado na cultura - com minuscula... ACGM da' mostras de viver mergulhada na "cultura" la' "dentro" do seu ministerio, da sua academia, dos livros que teve que ler e das licoes que teve que aprender para fazer um curso universitario... e tradu-los a letra para a sua "realidade"... como se a Vida, como se a Cultura, como se a Poesia, como se a Arte, como se a Danca, como se a Literatura, como se a Ciencia, como se a Partilha, como se a Criacao, como se a Geracao, como se a Gestacao, como se a Mukanda... se pudessem alguma vez reduzir a isso! Como se a Educacao, a Investigacao, o Ensino, a Aprendizagem, o Raciocinio, o Pensamento, a Intelectualidade ou a Inteligencia se pudessem limitar a ver, constatar, descrever, copiar, decorar, recitar, relatar e afirmar dogmaticamente o "obvio" a partir de algumas inconsistentes e superficiais observacoes empiricas aleatorias, dirigidas, enviezadas, exogenas, extemporaneas e esporadicas!

Talvez se perceba numa certa Africa ainda (eu percebi-o na "minha" Afrika, imediatamente...). (com minuscula... sem mais comentarios, porque o obvio dispensa-os...)!

So' para introduzir aqui uma pitadinha de "humor seco": houve uma vez, em Estocolmo, que me senti movida a "escrever" um poema transcrevendo os caracteres e simbolos (e seus significados) que encontrei num livro de Redinha... claro que nao o fiz a serio, porque mesmo quem nao domine os conceitos de "etic e emic", se for suficientemente honesto intelectualmente, reconhecera' que a "mimica" jamais podera' ser levada com seriedade, ou tida como Arte, por quem seja seriamente inteligente e culto!

Tenho ainda uma outra leitura (e com ela nao se esgotam todas as leituras que tenho desta "maka"), que igualmente se encaixa naquela frase, a qual, para mim, descreve perfeitamente o fenomeno "vulturismo cultural" e a esquizofrenia individual e social a ele associada. E por isso a usei no fim do meu artigo acima mencionado, tendo-o feito tambem para ressaltar a forma como a frase de Pessoa "a minha patria e' a lingua portuguesa" e' geralmente usada fora do contexto em que foi escrita, isto e', como "qualquer coisa tirada de passagem a Cultura para com seu uso desencadear a explosao mitica..." (e.g. o mito do "lusotropicalismo"). Isto, sobretudo, porque me recuso a acreditar que a totalidade das pessoas que, em qualquer parte do mundo, teem a lingua portuguesa como a sua patria, possam igualmente dizer, como Pessoa, "nao tenho nenhum sentimento politico ou social". Eu certamente nao o posso dizer e lamento-o, por varias razoes, mas principalmente porque respeito profundamente a sua poesia e a Lingua Portuguesa!

Vamos a "ela"? 'A leitura, claro!
Nesta segunda leitura, o que os "vultos culturais" fazem, na sua busca de uma "identidade" que os corporize, lhes finque os pes no chao, lhes crie raizes, os valide culturalmente, os valorize intelectualmente e os legitime politicamente numa sociedade em que se sentem "deslocados", "a pairar no ar" (vizualizar aqui), com a qual nao se identificam (ou recusam-se a identificar-se, apesar de terem contribuido activamente para o estado em que ela se encontra actualmente, ou terem assistido passivamente a sua progressiva degradacao, ao longo dos anos desde a independencia) e da qual por isso se auto-marginalizam, e' tirar da Cultura (Africana) qualquer coisa (fenomeno "apropriacao"), como um "nome", um "pseudonimo", um "cognome", um "nick", uma indumentaria, um penteado, ou a mascara Pwo, e usa-la para desencadear a explosao mitica (... que, entre outras coisas, lhes permite auto-convencer-se de que sao mais conhecedores dessa Cultura do que os seus proprios criadores/detentores e ser "mimados" com premios literarios e "nacionais de cultura" por isso; enquanto aqueles com quem aprenderam sobre tal Cultura sao relegados a extincao ou transformados em "atraccao turistica exotica" nesse processo de apropriacao que os usa, abusa e desusa como "objectos de estudo" e nao sujeitos da sua propria cultura e identidade; ao mesmo tempo que fazem muita questao de corrigir o meu "pretogues", nao percebo bem se em nome do Pessoa, do Camoes, ou do Tchibinda Ilunga, como o fez um tal "Diamante"!).

Como se a Cultura Angolana se pudesse confinar a Cultura Tchokwe! Por isso me refiro a ela frequentemente como 'miuda', 'menina' e 'fedelha' atrevida, mal-educada, mimada, inculta e irresponsavel... (mas sera' que dentre os 'mais velhos' do mundo do "nacional-premialismo" da ACGM ninguem ainda lhe explicou de onde partem, regra geral, os "cronicos conflitos etnico-raciais" em Africa?!). Mas da' para perceber, obviamente, que nunca ninguem lhe ensinou, nem ela parece capaz de aprender, apreender, compreender, interiorizar, pensar, raciocinar, interagir e agir por si propria e pela sua propria cabeca e nao apenas pelas dos seus professores, seja em que lingua ou cultura for, de acordo com o significado mais profundo de "it ain't necessarily so"... ou reduzir-se a sua insignificancia e sela-la com o mais simplorio conceito de "shallow mind"!

Eu percebi-o ha' muito na "minha" Afrika, tanto "dentro" como "fora" de Angola! ... Minha Afrika onde nunca confundi "identidade" com "etnicidade", nem alguma vez limitei a "identidade" as "sociedades tradicionais", nem nunca opus qualquer delas aos conceitos de "modernidade", "evolucao", "progresso", ou "desenvolvimento" (que, ja' agora, teem muito pouco a ver com a adopcao de objectos materiais, como televisores, shampoos, gel de banho, ou espelhos por sociedades que antes nao os produziam e que continuaram depois da sua "adopcao" a nao os produzir... vejam-se, por exemplo, os efeitos "desenvolvimentistas" e "progressistas" que esse tipo de "adopcao" teve no Kongo de 500, como vivamente o ilustra a carta que anexei ao meu post "Late Sunday Service"... e, ja' agora tambem, para mim o verdadeiro desenvolvimento economico, social e cultural de uma sociedade, qualquer que ela seja e em que parte do mundo for, tem que ser "endogeno" - para quem saiba o que isso significa...), nem nunca limitei a Cultura a "culturas originais ou fechadas"...

Minha Afrika onde nao so' ja' vi mulheres brancas de panos (nunca fui a Holanda, mas sei que e' la' que sao fabricados "tradicionalmente" os "panos do Congo"... meu Kongo que ja' era uma potencia textil antes de os colonizadores chegarem com as suas "faixas de panos vermelhos" e missangas...), como ja vi ate' mulheres brancas "sangomas" (isto e', para os leigos como ACGM, "feiticeiras" ou curandeiras "tradicionais"...) na Africa do Sul post-apartheid (... praticamente toda a gente, entre brancos, negros e outras racas e/ou etnicidades, as considera, no entanto, absolutamente ridiculas e as "mais dignas e unicas" representantes do vulturismo cultural...)!

Minha Afrika e meu Mundo onde muito antes de eu ter nascido se formularam, conceptualizaram, discutiram, institucionalizaram, desinstitucionalizaram, politicizaram, despoliticizaram, construiram, desconstruiram, bateram, debateram, rebateram, esbateram, reacenderam, ultrapassaram e renovaram continua e ciclicamente os conceitos que ACGM, que nasceu depois de mim, comeca agora apenas a soletrar (e muito mal!), mas sobre os quais se considera com autoridade suficiente para fazer "public lectures" e para "falar de catedra" para quem ela "pensa" que "nao estudou", mas que certamente estudou, aprendeu, apreendeu e compreendeu muito mais e melhor do que ela e, sem qualquer duvida, muito humildemente, viveu, conviveu, viu, experimentou e partilhou a sua identidade cultural, a sua mundivivencia, os seus diversificados conhecimentos literarios e academicos em, e aprendeu, apreendeu e compreendeu com e entre, varias sociedades e comunidades Africanas e nao so', muito mais e melhor do que ela... sem guarda-costas, guias de marcha ou "bolsas de criacao" e certamente desde que nasceu e nao apenas depois da independencia de Angola! Quem e' que, afinal, no meio disto tudo, falou de alguem sem a conhecer? Falei de "arrogancia ignorante"? Falei de "falta de nocao do ridiculo"? Falei de "auto-convencimento"? Falei de "fraude"? Terei dito tudo?!

E so' nao "me aproprio" tambem de uma qualquer mascara na minha poesia, ou na minha vida em geral, porque a minha identidade cultural dispensa tais expedientes... E e' tambem por isso que tenho o maior respeito pelas pessoas de qualquer nacionalidade, que, sem desrespeitarem ou menosprezarem outras culturas, ou as pessoas que as possuem, defendem orgulhosamente a sua propria identidade cultural. Justamente, eles sao "guardioes das suas culturas", nao deixando por isso de ter abertura de espirito suficiente para se abrirem a partilha, interaccao e integracao com outras culturas - em suma, sao educados, cultos e inteligentes.

Acredito neles e com eles me identifico instintiva e intuitivamente, independentemente da sua raca, cor de pele, etnicidade, idioma, orientacao sexual, genero, religiao, classe social, nivel educacional ou academico, ou conviccoes politico-ideologicas, mesmo que eventualmente nao possa ver a sua cara e mesmo que eles tambem usassem mascaras, porque os vejo, me parecem e os sinto humanos, nao "vultos"!

Por isso me sinto capaz de partilhar alguma coisa com essas pessoas genuinas, nao "mascaras"! Por isso me sinto capaz de interagir e integrar nas suas sociedades abertas, nao "circulos restritos" (mais frequentemente do que o contrario, baseados fora do pais de que se acham "absolutos donos" enquanto la' estao - isto e', os que de la' "nunca sairam" porque tambem nunca la' estiveram a viver como o 'ze' povinho' e jamais poderiam sonhar com a vida de mordomias que todos os "sistemas" sempre lhes outorgaram - ou prontos a abandona-lo, como as verdadeiras e inultrapassaveis 'prima donnas' que sempre foram, a primeira "contrariedade"...), viciosos e viciados, ordinarios, marginais, promiscuos, doentios, claustrofobicos, autofagicos, esquizofrenicos, exclusivistas, divisionistas, tribalistas, fechados, censorios, agressivos, destrutivos, anti-sociais, recalcados, complexados, invejosos, mesquinhos, racistas, constrangidos, ameacadores, enfim... INSEGUROS... porque habitados por vultos auto-enclausurados por medo da sua propria sombra! De que teem tanto medo?! I wonder...

Por tudo isso, estou no Mundo... a esquizofrenia fica longe... na cultura!

[DEVIDO AO IMPRECEDENTE ACONTECIMENTO QUE RELATO NO POST ANTERIOR, DECIDI REABRIR TEMPORARIAMENTE O ACESSO A ESTE BLOG AO PUBLICO EM GERAL. NO ENTANTO, E PARA QUE HAJA UM MINIMO DE JUSTA EQUIVALENCIA ENTRE AS PRATICAS EXERCIDAS NESTE BLOG E NO BLOG EM QUESTAO, ACTIVAREI A "MODERACAO DE COMENTARIOS" DURANTE ESTE PERIODO.]




"CRONICA DE UMA MAKA ANUNCIADA”



”(...) Quando alguém mostra a visibilidade do mito acha-se ao serviço de pretextos (... qualquer coisa tirada de passagem à Cultura) para, com seu uso, desencadear a explosão mítica. (...) Só não percebe quem vive mergulhado na cultura. Talvez se perceba numa certa África ainda. (...) Estou no mundo, a esquizofrenia fica longe, na cultura.”

Para que fique registado neste blog o que deu lugar a esta maka (e por isso voltei hoje, 11/04/07, a reabrir temporariamente o blog ao publico em geral, mas com os espacos de comentarios a este e ao post anterior encerrados), decidi publicar aqui, no espaco de comentarios a este post, NA INTEGRA, os iniciais comentarios, publicados e nao publicados (digo iniciais porque houve outros posteriormente, 3 ou 4, dos quais apenas 2 foram publicados). Apesar de ja' ter considerado o assunto encerrado, com isto pretendo apenas sugerir aos leitores que, enquanto esta maka se desenrolava "por tras da cortina", foram seguindo os meus pontos de vista, quer aqui no meu blog, quer no blog “A Materia do Tempo” (nao pretendendo com isto de qualquer forma implicar o Denudado ou envolve-lo involuntariamente nesta maka, mas apenas porque as minhas primeiras “manifestacoes” sobre essas questoes foram registadas no blog dele) , sobre alguns dos argumentos da ACGM no seu post entitulado “Vulto Said:”, nomeadamente a volta dos conceitos de “apropriacao cultural”, “partilha” e “racismo”, facam as suas proprias avaliacoes e formulem os seus proprios pontos de vista e/ou juizos de valor.

Sugeriria que o fizessem a luz do meu artigo anexado ao post anterior a este (“Maka de Sanzala!!!” ) entitulado “A Minha Patria nao e’ a Lingua Portuguesa”, com particular referencia a "alguns exímios praticantes do impressivo, mas de questionável honestidade intelectual, ofício do 'vulturismo cultural' (i.e., a apropriação de simbologias e narrativas antropológicas, sociológicas ou rituais Africanas, para seu uso e abuso como instrumentos, máscaras, de legitimação cultural de discursos artístico-literários raramente condicentes com as experiências vivenciais, as convicções político-ideológicas, as preferências estéticas, ou a praxis social, passada ou presente, dos seus autores)."

Pedir-vos-ia tambem que, tanto quanto possivel, tentassem prestar mais atencao ao CONTEUDO e menos a FORMA como os meus comentarios foram feitos, porque, sinceramente, incialmente para mim tratava-se apenas de expressar um ponto de vista e algumas interrogacoes perante quem, apesar de nao conhecer pessoalmente mas sobre quem sabia o suficiente para me expressar como o fiz sem grandes constrangimentos, nao me sentia com qualquer particular obrigacao de enderecar com “alturas e mesuras” e por quem, depois das suas respostas e a luz do que antes sabia dela e da leitura de alguns dos seus posts e comentarios no seu e noutros blogs, perdi todo o respeito…

Finalmente, impoe-se-me notar particularmente que uma das minhas leituras desta "maka" encaixa-se perfeitamente na frase de Herberto Helder acima citada (e por isso a tive destacada neste blog, no fim do 'News & Views', durante aquele periodo...). Isto e':

Eu expus a visibilidade do mito da "Phwo", ao tentar "destapar-lhe a mascara" e, imediatamente me achei ao servico de pretextos (e.g. acusacoes, ou melhor, insultos, de 'racismo', 'cobardia', 'grosseria', 'falta de educacao', 'atrevimento', 'ignorancia', 'incultura', 'patetice', 'estupidez', 'complexo', 'recalcamento', 'constrangimento', 'retrogredismo' ou 'retroaccao', 'rancor', 'ressaibo', 'raiva', 'ressentimento', 'parasitismo', 'insignificancia', 'besta, quadrada ou nao', 'disparatada', 'aquela coisa', 'vomito', 'pecadora capital', 'terrorista', 'instigadora de assassinatos', 'petit rien', etc, etc, etc...) que pudessem justificar que eu "cometesse um suicidio em grande estilo"... ou seria que alguem "cometesse um assassinato em grande estilo" sobre mim?!

Ao mesmo tempo, na sua resposta ao meu comentario (parcialmente) publicado (triplamente censurado) sob o titulo "Vulto said", ela tira "qualquer coisa" (de facto, varias coisas) de passagem a Cultura, particularmente a filologia, a antropologia e a etnologia (em nenhuma das quais ela e' especialista... e, ja' agora, como especialista em economia, devo dizer-lhe que nem nesta disciplina cientifica o conceito de "negociacao" e' equivalente a "negocio"... por isso, mas infelizmente nao so' por isso, a considero arrogante ignorante!) para com seu uso desencadear a explosao mitica (i.e. todos os episodios da "maka" que se seguiu e que explodiram nesta cena final...).

De facto, so' nao percebe quem vive mergulhado na cultura - com minuscula... ACGM da' mostras de viver mergulhada na "cultura" la' "dentro" do seu ministerio, da sua academia, dos livros que teve que ler e das licoes que teve que aprender para fazer um curso universitario... e tradu-los a letra para a sua "realidade"... como se a Vida, como se a Cultura, como se a Poesia, como se a Arte, como se a Danca, como se a Literatura, como se a Ciencia, como se a Partilha, como se a Criacao, como se a Geracao, como se a Gestacao, como se a Mukanda... se pudessem alguma vez reduzir a isso! Como se a Educacao, a Investigacao, o Ensino, a Aprendizagem, o Raciocinio, o Pensamento, a Intelectualidade ou a Inteligencia se pudessem limitar a ver, constatar, descrever, copiar, decorar, recitar, relatar e afirmar dogmaticamente o "obvio" a partir de algumas inconsistentes e superficiais observacoes empiricas aleatorias, dirigidas, enviezadas, exogenas, extemporaneas e esporadicas!

Talvez se perceba numa certa Africa ainda (eu percebi-o na "minha" Afrika, imediatamente...). (com minuscula... sem mais comentarios, porque o obvio dispensa-os...)!

So' para introduzir aqui uma pitadinha de "humor seco": houve uma vez, em Estocolmo, que me senti movida a "escrever" um poema transcrevendo os caracteres e simbolos (e seus significados) que encontrei num livro de Redinha... claro que nao o fiz a serio, porque mesmo quem nao domine os conceitos de "etic e emic", se for suficientemente honesto intelectualmente, reconhecera' que a "mimica" jamais podera' ser levada com seriedade, ou tida como Arte, por quem seja seriamente inteligente e culto!

Tenho ainda uma outra leitura (e com ela nao se esgotam todas as leituras que tenho desta "maka"), que igualmente se encaixa naquela frase, a qual, para mim, descreve perfeitamente o fenomeno "vulturismo cultural" e a esquizofrenia individual e social a ele associada. E por isso a usei no fim do meu artigo acima mencionado, tendo-o feito tambem para ressaltar a forma como a frase de Pessoa "a minha patria e' a lingua portuguesa" e' geralmente usada fora do contexto em que foi escrita, isto e', como "qualquer coisa tirada de passagem a Cultura para com seu uso desencadear a explosao mitica..." (e.g. o mito do "lusotropicalismo"). Isto, sobretudo, porque me recuso a acreditar que a totalidade das pessoas que, em qualquer parte do mundo, teem a lingua portuguesa como a sua patria, possam igualmente dizer, como Pessoa, "nao tenho nenhum sentimento politico ou social". Eu certamente nao o posso dizer e lamento-o, por varias razoes, mas principalmente porque respeito profundamente a sua poesia e a Lingua Portuguesa!

Vamos a "ela"? 'A leitura, claro!
Nesta segunda leitura, o que os "vultos culturais" fazem, na sua busca de uma "identidade" que os corporize, lhes finque os pes no chao, lhes crie raizes, os valide culturalmente, os valorize intelectualmente e os legitime politicamente numa sociedade em que se sentem "deslocados", "a pairar no ar" (vizualizar aqui), com a qual nao se identificam (ou recusam-se a identificar-se, apesar de terem contribuido activamente para o estado em que ela se encontra actualmente, ou terem assistido passivamente a sua progressiva degradacao, ao longo dos anos desde a independencia) e da qual por isso se auto-marginalizam, e' tirar da Cultura (Africana) qualquer coisa (fenomeno "apropriacao"), como um "nome", um "pseudonimo", um "cognome", um "nick", uma indumentaria, um penteado, ou a mascara Pwo, e usa-la para desencadear a explosao mitica (... que, entre outras coisas, lhes permite auto-convencer-se de que sao mais conhecedores dessa Cultura do que os seus proprios criadores/detentores e ser "mimados" com premios literarios e "nacionais de cultura" por isso; enquanto aqueles com quem aprenderam sobre tal Cultura sao relegados a extincao ou transformados em "atraccao turistica exotica" nesse processo de apropriacao que os usa, abusa e desusa como "objectos de estudo" e nao sujeitos da sua propria cultura e identidade; ao mesmo tempo que fazem muita questao de corrigir o meu "pretogues", nao percebo bem se em nome do Pessoa, do Camoes, ou do Tchibinda Ilunga, como o fez um tal "Diamante"!).

Como se a Cultura Angolana se pudesse confinar a Cultura Tchokwe! Por isso me refiro a ela frequentemente como 'miuda', 'menina' e 'fedelha' atrevida, mal-educada, mimada, inculta e irresponsavel... (mas sera' que dentre os 'mais velhos' do mundo do "nacional-premialismo" da ACGM ninguem ainda lhe explicou de onde partem, regra geral, os "cronicos conflitos etnico-raciais" em Africa?!). Mas da' para perceber, obviamente, que nunca ninguem lhe ensinou, nem ela parece capaz de aprender, apreender, compreender, interiorizar, pensar, raciocinar, interagir e agir por si propria e pela sua propria cabeca e nao apenas pelas dos seus professores, seja em que lingua ou cultura for, de acordo com o significado mais profundo de "it ain't necessarily so"... ou reduzir-se a sua insignificancia e sela-la com o mais simplorio conceito de "shallow mind"!

Eu percebi-o ha' muito na "minha" Afrika, tanto "dentro" como "fora" de Angola! ... Minha Afrika onde nunca confundi "identidade" com "etnicidade", nem alguma vez limitei a "identidade" as "sociedades tradicionais", nem nunca opus qualquer delas aos conceitos de "modernidade", "evolucao", "progresso", ou "desenvolvimento" (que, ja' agora, teem muito pouco a ver com a adopcao de objectos materiais, como televisores, shampoos, gel de banho, ou espelhos por sociedades que antes nao os produziam e que continuaram depois da sua "adopcao" a nao os produzir... vejam-se, por exemplo, os efeitos "desenvolvimentistas" e "progressistas" que esse tipo de "adopcao" teve no Kongo de 500, como vivamente o ilustra a carta que anexei ao meu post "Late Sunday Service"... e, ja' agora tambem, para mim o verdadeiro desenvolvimento economico, social e cultural de uma sociedade, qualquer que ela seja e em que parte do mundo for, tem que ser "endogeno" - para quem saiba o que isso significa...), nem nunca limitei a Cultura a "culturas originais ou fechadas"...

Minha Afrika onde nao so' ja' vi mulheres brancas de panos (nunca fui a Holanda, mas sei que e' la' que sao fabricados "tradicionalmente" os "panos do Congo"... meu Kongo que ja' era uma potencia textil antes de os colonizadores chegarem com as suas "faixas de panos vermelhos" e missangas...), como ja vi ate' mulheres brancas "sangomas" (isto e', para os leigos como ACGM, "feiticeiras" ou curandeiras "tradicionais"...) na Africa do Sul post-apartheid (... praticamente toda a gente, entre brancos, negros e outras racas e/ou etnicidades, as considera, no entanto, absolutamente ridiculas e as "mais dignas e unicas" representantes do vulturismo cultural...)!

Minha Afrika e meu Mundo onde muito antes de eu ter nascido se formularam, conceptualizaram, discutiram, institucionalizaram, desinstitucionalizaram, politicizaram, despoliticizaram, construiram, desconstruiram, bateram, debateram, rebateram, esbateram, reacenderam, ultrapassaram e renovaram continua e ciclicamente os conceitos que ACGM, que nasceu depois de mim, comeca agora apenas a soletrar (e muito mal!), mas sobre os quais se considera com autoridade suficiente para fazer "public lectures" e para "falar de catedra" para quem ela "pensa" que "nao estudou", mas que certamente estudou, aprendeu, apreendeu e compreendeu muito mais e melhor do que ela e, sem qualquer duvida, muito humildemente, viveu, conviveu, viu, experimentou e partilhou a sua identidade cultural, a sua mundivivencia, os seus diversificados conhecimentos literarios e academicos em, e aprendeu, apreendeu e compreendeu com e entre, varias sociedades e comunidades Africanas e nao so', muito mais e melhor do que ela... sem guarda-costas, guias de marcha ou "bolsas de criacao" e certamente desde que nasceu e nao apenas depois da independencia de Angola! Quem e' que, afinal, no meio disto tudo, falou de alguem sem a conhecer? Falei de "arrogancia ignorante"? Falei de "falta de nocao do ridiculo"? Falei de "auto-convencimento"? Falei de "fraude"? Terei dito tudo?!

E so' nao "me aproprio" tambem de uma qualquer mascara na minha poesia, ou na minha vida em geral, porque a minha identidade cultural dispensa tais expedientes... E e' tambem por isso que tenho o maior respeito pelas pessoas de qualquer nacionalidade, que, sem desrespeitarem ou menosprezarem outras culturas, ou as pessoas que as possuem, defendem orgulhosamente a sua propria identidade cultural. Justamente, eles sao "guardioes das suas culturas", nao deixando por isso de ter abertura de espirito suficiente para se abrirem a partilha, interaccao e integracao com outras culturas - em suma, sao educados, cultos e inteligentes.

Acredito neles e com eles me identifico instintiva e intuitivamente, independentemente da sua raca, cor de pele, etnicidade, idioma, orientacao sexual, genero, religiao, classe social, nivel educacional ou academico, ou conviccoes politico-ideologicas, mesmo que eventualmente nao possa ver a sua cara e mesmo que eles tambem usassem mascaras, porque os vejo, me parecem e os sinto humanos, nao "vultos"!

Por isso me sinto capaz de partilhar alguma coisa com essas pessoas genuinas, nao "mascaras"! Por isso me sinto capaz de interagir e integrar nas suas sociedades abertas, nao "circulos restritos" (mais frequentemente do que o contrario, baseados fora do pais de que se acham "absolutos donos" enquanto la' estao - isto e', os que de la' "nunca sairam" porque tambem nunca la' estiveram a viver como o 'ze' povinho' e jamais poderiam sonhar com a vida de mordomias que todos os "sistemas" sempre lhes outorgaram - ou prontos a abandona-lo, como as verdadeiras e inultrapassaveis 'prima donnas' que sempre foram, a primeira "contrariedade"...), viciosos e viciados, ordinarios, marginais, promiscuos, doentios, claustrofobicos, autofagicos, esquizofrenicos, exclusivistas, divisionistas, tribalistas, fechados, censorios, agressivos, destrutivos, anti-sociais, recalcados, complexados, invejosos, mesquinhos, racistas, constrangidos, ameacadores, enfim... INSEGUROS... porque habitados por vultos auto-enclausurados por medo da sua propria sombra! De que teem tanto medo?! I wonder...

Por tudo isso, estou no Mundo... a esquizofrenia fica longe... na cultura!

[DEVIDO AO IMPRECEDENTE ACONTECIMENTO QUE RELATO NO POST ANTERIOR, DECIDI REABRIR TEMPORARIAMENTE O ACESSO A ESTE BLOG AO PUBLICO EM GERAL. NO ENTANTO, E PARA QUE HAJA UM MINIMO DE JUSTA EQUIVALENCIA ENTRE AS PRATICAS EXERCIDAS NESTE BLOG E NO BLOG EM QUESTAO, ACTIVAREI A "MODERACAO DE COMENTARIOS" DURANTE ESTE PERIODO.]


MAKA DE SANZALA!!!



N.B.: Considerando este assunto suficientemente esclarecido e esperando que a menina ACGM nunca mais se volte a esquecer das suas proprias palavras, e.g. “de ti jamais falarei!”, seja de que forma, sob que "nome", a que "pretexto", a que proposito, ou em que sitio for, voltarei a restringir o acesso a este blog a partir de amanha, 09/04/07, as 18H00.

Os meus agradecimentos a todo/as que, muito sensivelmente, preferiram nao fazer os seus comentarios aqui e me manifestaram suas solidariedades, pontos de vista e sugestoes por outras vias.

As minhas desculpas aqueles cujos comentarios decidi nao publicar. Fi-lo, nao porque contivessem algo que me fosse pessoalmente desfavoravel ou ofensivo, mas tao so’ por, ou conterem informacoes e nomes que prefiro nao envolver nesta questao, ou por conterem um tom demasiado exaltado que apenas iria contribuir para agravar uma situacao ja’ de si demasiado grave. De qualquer modo, o meu obrigada a todos!




Acabo de ver o meu nome citado no blog da Ana Clara Guerra Marques, auto-denominada 'Phwo', no espaco de comentarios a um post sobre o ultimo livro da Paula Tavares.

Entendamo-nos:

1. A primeira vez que tropecei naquele blog foi ha’ pouco mais de 3/4 meses, depois de ter criado o meu proprio blog e de, pela primeira vez, comecar a fazer digressoes pela blogosfera. Antes disso, nao tinha tido qualquer contacto com a blogosfera e os unicos blogs em que acidentalmente tinha antes entrado, ambos durante a segunda metade do ano passado, eram o Malambas e o Kitanda.

Serve isto para dizer que, ao contrario do que a menina Clara "pensa", eu nao sou quem ela "pensa"… isto e’, um ou outro dos varios Anonimos que, pelo que pude verificar nos arquivos do blog dela, ja’ ha’ muito tempo lhe venhem dizendo coisas sobre as quais ela sistematicamente exerce censura... Porque sera'???

2. A minha primeira intervencao naquele blog (e isto foi numa altura em que ela o tinha aberto a comentarios sem censura previa), como ‘Vulto’ (que usei por referencia ao termo vulturismo cultural – pratica da qual ela e’ o expoente maximo em Angola e que foi o tema dos meus dois primeiros comentarios), foi para lhe colocar algumas questoes legitimas a proposito de um post dela sobre um grupo de danca de mulheres do Lwena. Fi-lo de boa fe’ e respeitosamente, ainda imbuida do espirito aberto que caracteriza os espacos de debate intelectual a que estou habituada… Vejam-se, por exemplo, os debates em que tenho participado nos blogs do Africanpath...

Acontece, porem, que a menina imediatamente apagou os meus comentarios, accionou a "moderacao de comentarios" e, sem ter minimamente tentado responder as questoes que lhe coloquei, de pronto iniciou, numa infame e implacavel campanha de denegrimento sem qualquer precedente na minha vida, uma torrente de insultos pessoais contra mim, dizendo, entre outras coisas, saber muito bem quem eu era e que eu “nao era nada dificil de identificar”… Portanto, todos os insultos e agressoes pessoais que desde entao ela tem feito no seu e noutros blogs, directa ou indirectamente, aberta ou veladamente (como Phwo, Diamante, Lucia Matos (?), Margarida Fortes (?), Carlos Fonseca (?)... entre varios outros "pseudonimos"...), dirigidos a minha pessoa, tem-nos feito em plena consciencia de quem o “Vulto” era ... alias, ela confirmou-o a certa altura, quando se viu completamente abandonada pelos seus apoiantes habituais e a ter que recorrer a si propria com outros pseudonimos, para tentar justificar toda a sua agressidade e odio contra mim...

Respondi-lhe, num dos varios (mas nao tantos quanto ela quer fazer supor aos seus incautos leitores e certamente sem quaisquer insultos pessoais ou linguagem "grosseira" como ela hoje diz...) comentarios que ela nao publicou, que nao me preocupava absolutamente nada o facto de ela saber ou nao quem eu era, porque me dispunha a debater as questoes que eu tinha levantado em qualquer plataforma publica e que, ao contrario do que ela imediatamente assumiu e brandiu a saciedade desde entao, eu so’ nao me iria "identificar" no blog dela para evitar ter que pessoalizar as questoes e dar ao vexame que ela engendrou com base nos meus primeiros comentarios a dimensao de “escandalo” ou “maka de sanzala” que obviamente assumiria se eu me identificasse com o meu nome proprio ... isto, assumindo a hipotese patetica de que o nome proprio dela e' "Phwo"... alias, tenho para mim que o nome proprio dela e' e sempre foi Arrogancia Ignorante!

E devo dizer, ja' agora, que me esforcei por escrever os tais comentarios com acentos, nao por qualquer tentativa de dissimulacao, mas apenas e precisamente pelas razoes que acabo de referir. De resto, ha uma opcao nos blogs (que ela nao usa) que e’ a de nao se aceitar comentarios “anonimos”, ou ate', in extremis, nao se aceitarem comentarios de todo ou, como o fiz nos ultimos dias, restringir-se o acesso ao blog apenas a um grupo seleccionado de pessoas... e ha’ tambem a opcao por parte dos visitantes de se identificarem ou nao como anonimos, ou com os nomes que bem entenderem… portanto, ainda estou para perceber de onde e’ que lhe saiu a "conviccao inabalavel" que eu nao me “identifiquei” por “cobardia”...

... Ou que o que ela fez agora ao citar o meu nome constitui uma "denuncia"! Denuncia de que, posso saber? Das minhas opinioes e ideias? Que de resto nunca escondi de ninguem e que ate' fiz publicar em paginas impressas, muito antes da blogosfera sequer existir (como, por exemplo NESTE artigo datado de e publicado em 2002)?! Tal como nunca pretendi esconder o meu nome ou a minha cara, tanto neste blog como noutros espacos... E quem e' que ela pensa que, dentre os habituais frequentadores do blog dela e do meu, ainda nao tinha feito as obvias interligacoes sobre quem e o que estava em causa nesta saga?! Nao e' esse raciocinio tipico da mentalidade de "bofia stalinista" que, como tambem tive oportunidade de lhe dizer num dos comentarios que ela nao publicou, tao bem a caracteriza?! Quem e' que, e porque, se considera assim tao "intocavel" e acima do comum dos mortais que nao possa ser objecto de uma critica ou simples reparo, ou sequer que alguem "de fora" se lhe dirija? Nao sera' esta uma das manifestacoes mais evidentes da completa falta de nocao do ridiculo com que se tem notabilizado?!

3. Nao pretendo neste momento, a menos que ela a isso me obrigue no seguimento deste seu ultimo e insolito (inominavel?) ataque, recapitular aqui todos os episodios desta estorieta a que ela, no que e' apenas mais uma demonstracao do seu infinito auto-convencimento, chama uma “obsessao” da minha parte... so' me da' mesmo vontade de rir... como se nao fosse mais do que obvio, quanto mais nao seja a contar pelo numero de posts que ela fez usando os meus comentarios, ou motivados por eles, ou ainda "inspirados" por posts meus aqui no meu blog, ou ate' apenas movida pelo seu caracteristico abuso e atrevimento, como um em que me tenta "dar licoes" sobre o que fazer em Londres... quem e' que esta' obcecada e com uma dor de cotovelo que ate' doi a quem nao a tem, porque nao e' sequer possivel comparar a qualidade, a quantidade e a diversidade do conteudo sobre a cultura, a arte, a literatura, a musica, a gastronomia, a historia e a actualidade politica, social e economica angolanas e nao so' entre este e o blog dela...

Mas o que e’ mais do que evidente e’ que, completamente ao contrario do que ela diz, eu e’ que, por ter tido a “ousadia”, ou melhor, para usar a palavra dela, o "atrevimento", de me dirigir a ela (e diga-se que inicialmente ate' em termos favoraveis) num espaco aberto como a blogosfera fui vitima de toda a especie de insultos e ataques quer a minha pessoa, quer a minha obra como poeta, economista, ensaista e cronista, quer ao meu blog… Fe-lo persistentemente ao longo dos ultimos meses, inclusive usando comentarios meus que ela tinha antes apagado como temas para posts (portanto, a 'macaca' que me fez limitar o acesso a este blog nos ultimos dias nao foi a primeira a usar esse expediente... coincidencias?).

Essencialmente, ao que ela me submeteu foi a uma continua sessao de tortura e espancamento publicos em que tanto ela como os seus "amigos" no blog dela se dedicaram a saciedade a apedrejar-me e a cuspir-me para cima enquanto ela me tinha amarrada a um poste, sem qualquer possiblidade de defesa porque so’ publicava dos meus comentarios aqueles que melhor pudesse manipular para servir os seus mais do que sordidos objectivos. Nao teve, no entanto, porque nao lhe dei esse privilegio, qualquer resposta equivalente aqui no meu blog... ate' agora!

4. Lamento que ela tenha finalmente conseguido o que desde o inicio pretendia: fazer-me chocar com a Paula Tavares, sobre quem nao direi, pelo menos por enquanto, mais nada para alem do que ja’ disse aqui ha’ umas semanas num outro blog e tambem aqui no meu proprio blog. O que me revolta profundamente e’ que uma professorita de danca, possuidora de uma arrogancia sem limites e de um racismo muito mal dissimulado por tras da mascara da “Phwo” (... tenho muito a dizer, por exemplo, das suas praticas de “seleccao” e das suas teorias indefensavelmente racistas, incultas e ignorantes sobre "o que e' a verdadeira danca e quem e' que e' realmente capaz de dancar" na Academia de Danca de Luanda - e nao eram certamente tecnicas de danca Tchokwe que ela la' ensinava, ou as filhas das mamas do Lwena que ela la' admitia como suas alunas - antes de descobrir que se podia “dar de Phwo” e se pretender mais angolana do que a propria Angolanidade e, certamente, mais angolana do que eu, que ela faz muita questao de dizer que “estou fora” enquanto ela "esta dentro"… Alias ha' indicios suficientes no blog dela de que ela nem sequer tenta dissimular o seu racismo, pelo que as vezes me pergunto em que ponto da linha entre a arrogancia e a ignorancia ela efectivamente se situa... bastante elucidativo e', so' para citar um exemplo, a serie de posts que ela fez sobre a Rainha Nzinga...), se sinta no direito e se de ao desplante de confabular estorias sobre as minhas motivacoes e “inquietacoes” e com base nelas criar uma situacao destas entre mim e alguem por quem sempre tive o maior respeito e amizade, apesar da distancia que nos separa ha’ muitos anos!

Por isso a unica coisa que aqui vou repetir e’ que tenho muita pena que a Paula Tavares esteja completamente entregue a bicharada representada por essa menina e por ela a ser abusivamente usada como arma de arremesso contra mim sem qualquer pudor ou consideracoes eticas e que tanto o seu como o meu nome tenham sido desta forma arrastados na lama por uma fedelha atrevida, pedante, petulante e arrogante ate' dizer basta (!), irresponsavel, intriguista, racista, invejosa, ciumenta, imatura, ignorante, inculta, ordinaria, complexada, pretensiosa, presumida, intelectualmente desonesta, incapaz de conter os seus instintos mais baixos e mesquinhos e simplesmente de mau caracter, nenhuma educacao e menos ainda formacao, que esta’ absolutamente convencida de que e’ “o expoente maximo da cultura angolana”…

Fiz o comentario que ela hoje publicou (Porque o tera’ feito? E porque tera' decidido "identificar-me", particularmente depois de ter proferido, logo no inicio desta saga, uma das suas celebres frases a mim dirigidas: "de ti jamais falarei!...". Nao tera' sido por pensar, muito cobardemente diga-se de passagem, que poderia agora reiniciar as suas sessoes de espancamento sobre o meu nome com total impunidade por saber que eu tinha o meu blog com o acesso restricto?), e mantenho tudo o que nele disse (e para que disso nao restem duvidas coloco-o aqui em anexo), pela simples razao de que com base no que se tem passado e em tudo quanto ela tem dito nos ultimos meses, aquele post nao se destinava a homenagear a Paula Tavares, ou a honrar o seu livro e a sua obra em geral: aquele post, tal como o anterior em que ela fala pela primeira vez desse livro, esta cheio de fel e odio e veneno de escorpiao, nao so’ contra mim, mas tambem contra TODAS AS POETAS ANGOLANAS!

E isso apenas porque como a cabeca dela so funciona na base da inveja, do despeito, do ressaibo, do racismo, da hipocrisia, da mesquinhez e do auto-convencimento, pensa que a cabeca de toda a gente funciona da mesma maneira... E pior do que isso, com o particular poema que ela seleccionou, pretende apenas, oportunistica e descaradamente colar-se, como “Phwo”, a obra da Paula Tavares (que ela acintosamente faz muita questao de pre-qualificar como "nossa"… nossa de quem?...).

E’ isto alguem que mereca um “Premio Nacional da Cultura Angolana”?! E ainda por cima a frente e por cima (!) de verdadeiros vultos legitimamente representativos da cultura angolana como, so' para citar este nome, esse Marito que aqui podemos ouvir no 'Muxima' dos Kiezos e que anda para ali aos caidos, ao passo que ela, enquanto responsavel do Ministerio da Cultura de Angola fala mal do Estado Angolano e, com a maior das vacuidades deste mundo, se diz "contra" um sistema que a produziu e que ela reproduz e de que faz parte ate' ao tutano (e e', alias, apenas isso que lhe permite a basofia de proclamar que "estou realmente dentro"!), ao mesmo tempo que se pavoneia pelo mundo como "educadora cultural angolana"???!

5. Estou disposta a debater civilizada, culta e inteligentemente, com quem estiver interessado, aqui ou em qualquer outra plataforma (que nao obviamente o blog da menininha), as questoes substantivas relativas a poesia, a arte e a cultura angolana em geral, que me moveram a dirigir-me inicialmente a professorita na maior das boas fes, mas que ela apenas soube transformar na pouca vergonha que culminou neste post, mas que se pode ‘cronicar’ atraves dos posts e comentarios no blog dela e das directas e indirectas que foi disseminando nos ultimos tempos pela blogosfera, nao para confrontar ou “derrotar” as minhas ideias mas apenas para “me aniquilar” como pessoa e como escritora! Porque sera', pergunto-me?!

In conclusion, Ana Clara Guerra Marques, a.k.a. "Phwo", just: WHO DO YOU THINK YOU ARE???!



N.B.: Considerando este assunto suficientemente esclarecido e esperando que a menina ACGM nunca mais se volte a esquecer das suas proprias palavras, e.g. “de ti jamais falarei!”, seja de que forma, sob que "nome", a que "pretexto", a que proposito, ou em que sitio for, voltarei a restringir o acesso a este blog a partir de amanha, 09/04/07, as 18H00.

Os meus agradecimentos a todo/as que, muito sensivelmente, preferiram nao fazer os seus comentarios aqui e me manifestaram suas solidariedades, pontos de vista e sugestoes por outras vias.

As minhas desculpas aqueles cujos comentarios decidi nao publicar. Fi-lo, nao porque contivessem algo que me fosse pessoalmente desfavoravel ou ofensivo, mas tao so’ por, ou conterem informacoes e nomes que prefiro nao envolver nesta questao, ou por conterem um tom demasiado exaltado que apenas iria contribuir para agravar uma situacao ja’ de si demasiado grave. De qualquer modo, o meu obrigada a todos!




Acabo de ver o meu nome citado no blog da Ana Clara Guerra Marques, auto-denominada 'Phwo', no espaco de comentarios a um post sobre o ultimo livro da Paula Tavares.

Entendamo-nos:

1. A primeira vez que tropecei naquele blog foi ha’ pouco mais de 3/4 meses, depois de ter criado o meu proprio blog e de, pela primeira vez, comecar a fazer digressoes pela blogosfera. Antes disso, nao tinha tido qualquer contacto com a blogosfera e os unicos blogs em que acidentalmente tinha antes entrado, ambos durante a segunda metade do ano passado, eram o Malambas e o Kitanda.

Serve isto para dizer que, ao contrario do que a menina Clara "pensa", eu nao sou quem ela "pensa"… isto e’, um ou outro dos varios Anonimos que, pelo que pude verificar nos arquivos do blog dela, ja’ ha’ muito tempo lhe venhem dizendo coisas sobre as quais ela sistematicamente exerce censura... Porque sera'???

2. A minha primeira intervencao naquele blog (e isto foi numa altura em que ela o tinha aberto a comentarios sem censura previa), como ‘Vulto’ (que usei por referencia ao termo vulturismo cultural – pratica da qual ela e’ o expoente maximo em Angola e que foi o tema dos meus dois primeiros comentarios), foi para lhe colocar algumas questoes legitimas a proposito de um post dela sobre um grupo de danca de mulheres do Lwena. Fi-lo de boa fe’ e respeitosamente, ainda imbuida do espirito aberto que caracteriza os espacos de debate intelectual a que estou habituada… Vejam-se, por exemplo, os debates em que tenho participado nos blogs do Africanpath...

Acontece, porem, que a menina imediatamente apagou os meus comentarios, accionou a "moderacao de comentarios" e, sem ter minimamente tentado responder as questoes que lhe coloquei, de pronto iniciou, numa infame e implacavel campanha de denegrimento sem qualquer precedente na minha vida, uma torrente de insultos pessoais contra mim, dizendo, entre outras coisas, saber muito bem quem eu era e que eu “nao era nada dificil de identificar”… Portanto, todos os insultos e agressoes pessoais que desde entao ela tem feito no seu e noutros blogs, directa ou indirectamente, aberta ou veladamente (como Phwo, Diamante, Lucia Matos (?), Margarida Fortes (?), Carlos Fonseca (?)... entre varios outros "pseudonimos"...), dirigidos a minha pessoa, tem-nos feito em plena consciencia de quem o “Vulto” era ... alias, ela confirmou-o a certa altura, quando se viu completamente abandonada pelos seus apoiantes habituais e a ter que recorrer a si propria com outros pseudonimos, para tentar justificar toda a sua agressidade e odio contra mim...

Respondi-lhe, num dos varios (mas nao tantos quanto ela quer fazer supor aos seus incautos leitores e certamente sem quaisquer insultos pessoais ou linguagem "grosseira" como ela hoje diz...) comentarios que ela nao publicou, que nao me preocupava absolutamente nada o facto de ela saber ou nao quem eu era, porque me dispunha a debater as questoes que eu tinha levantado em qualquer plataforma publica e que, ao contrario do que ela imediatamente assumiu e brandiu a saciedade desde entao, eu so’ nao me iria "identificar" no blog dela para evitar ter que pessoalizar as questoes e dar ao vexame que ela engendrou com base nos meus primeiros comentarios a dimensao de “escandalo” ou “maka de sanzala” que obviamente assumiria se eu me identificasse com o meu nome proprio ... isto, assumindo a hipotese patetica de que o nome proprio dela e' "Phwo"... alias, tenho para mim que o nome proprio dela e' e sempre foi Arrogancia Ignorante!

E devo dizer, ja' agora, que me esforcei por escrever os tais comentarios com acentos, nao por qualquer tentativa de dissimulacao, mas apenas e precisamente pelas razoes que acabo de referir. De resto, ha uma opcao nos blogs (que ela nao usa) que e’ a de nao se aceitar comentarios “anonimos”, ou ate', in extremis, nao se aceitarem comentarios de todo ou, como o fiz nos ultimos dias, restringir-se o acesso ao blog apenas a um grupo seleccionado de pessoas... e ha’ tambem a opcao por parte dos visitantes de se identificarem ou nao como anonimos, ou com os nomes que bem entenderem… portanto, ainda estou para perceber de onde e’ que lhe saiu a "conviccao inabalavel" que eu nao me “identifiquei” por “cobardia”...

... Ou que o que ela fez agora ao citar o meu nome constitui uma "denuncia"! Denuncia de que, posso saber? Das minhas opinioes e ideias? Que de resto nunca escondi de ninguem e que ate' fiz publicar em paginas impressas, muito antes da blogosfera sequer existir (como, por exemplo NESTE artigo datado de e publicado em 2002)?! Tal como nunca pretendi esconder o meu nome ou a minha cara, tanto neste blog como noutros espacos... E quem e' que ela pensa que, dentre os habituais frequentadores do blog dela e do meu, ainda nao tinha feito as obvias interligacoes sobre quem e o que estava em causa nesta saga?! Nao e' esse raciocinio tipico da mentalidade de "bofia stalinista" que, como tambem tive oportunidade de lhe dizer num dos comentarios que ela nao publicou, tao bem a caracteriza?! Quem e' que, e porque, se considera assim tao "intocavel" e acima do comum dos mortais que nao possa ser objecto de uma critica ou simples reparo, ou sequer que alguem "de fora" se lhe dirija? Nao sera' esta uma das manifestacoes mais evidentes da completa falta de nocao do ridiculo com que se tem notabilizado?!

3. Nao pretendo neste momento, a menos que ela a isso me obrigue no seguimento deste seu ultimo e insolito (inominavel?) ataque, recapitular aqui todos os episodios desta estorieta a que ela, no que e' apenas mais uma demonstracao do seu infinito auto-convencimento, chama uma “obsessao” da minha parte... so' me da' mesmo vontade de rir... como se nao fosse mais do que obvio, quanto mais nao seja a contar pelo numero de posts que ela fez usando os meus comentarios, ou motivados por eles, ou ainda "inspirados" por posts meus aqui no meu blog, ou ate' apenas movida pelo seu caracteristico abuso e atrevimento, como um em que me tenta "dar licoes" sobre o que fazer em Londres... quem e' que esta' obcecada e com uma dor de cotovelo que ate' doi a quem nao a tem, porque nao e' sequer possivel comparar a qualidade, a quantidade e a diversidade do conteudo sobre a cultura, a arte, a literatura, a musica, a gastronomia, a historia e a actualidade politica, social e economica angolanas e nao so' entre este e o blog dela...

Mas o que e’ mais do que evidente e’ que, completamente ao contrario do que ela diz, eu e’ que, por ter tido a “ousadia”, ou melhor, para usar a palavra dela, o "atrevimento", de me dirigir a ela (e diga-se que inicialmente ate' em termos favoraveis) num espaco aberto como a blogosfera fui vitima de toda a especie de insultos e ataques quer a minha pessoa, quer a minha obra como poeta, economista, ensaista e cronista, quer ao meu blog… Fe-lo persistentemente ao longo dos ultimos meses, inclusive usando comentarios meus que ela tinha antes apagado como temas para posts (portanto, a 'macaca' que me fez limitar o acesso a este blog nos ultimos dias nao foi a primeira a usar esse expediente... coincidencias?).

Essencialmente, ao que ela me submeteu foi a uma continua sessao de tortura e espancamento publicos em que tanto ela como os seus "amigos" no blog dela se dedicaram a saciedade a apedrejar-me e a cuspir-me para cima enquanto ela me tinha amarrada a um poste, sem qualquer possiblidade de defesa porque so’ publicava dos meus comentarios aqueles que melhor pudesse manipular para servir os seus mais do que sordidos objectivos. Nao teve, no entanto, porque nao lhe dei esse privilegio, qualquer resposta equivalente aqui no meu blog... ate' agora!

4. Lamento que ela tenha finalmente conseguido o que desde o inicio pretendia: fazer-me chocar com a Paula Tavares, sobre quem nao direi, pelo menos por enquanto, mais nada para alem do que ja’ disse aqui ha’ umas semanas num outro blog e tambem aqui no meu proprio blog. O que me revolta profundamente e’ que uma professorita de danca, possuidora de uma arrogancia sem limites e de um racismo muito mal dissimulado por tras da mascara da “Phwo” (... tenho muito a dizer, por exemplo, das suas praticas de “seleccao” e das suas teorias indefensavelmente racistas, incultas e ignorantes sobre "o que e' a verdadeira danca e quem e' que e' realmente capaz de dancar" na Academia de Danca de Luanda - e nao eram certamente tecnicas de danca Tchokwe que ela la' ensinava, ou as filhas das mamas do Lwena que ela la' admitia como suas alunas - antes de descobrir que se podia “dar de Phwo” e se pretender mais angolana do que a propria Angolanidade e, certamente, mais angolana do que eu, que ela faz muita questao de dizer que “estou fora” enquanto ela "esta dentro"… Alias ha' indicios suficientes no blog dela de que ela nem sequer tenta dissimular o seu racismo, pelo que as vezes me pergunto em que ponto da linha entre a arrogancia e a ignorancia ela efectivamente se situa... bastante elucidativo e', so' para citar um exemplo, a serie de posts que ela fez sobre a Rainha Nzinga...), se sinta no direito e se de ao desplante de confabular estorias sobre as minhas motivacoes e “inquietacoes” e com base nelas criar uma situacao destas entre mim e alguem por quem sempre tive o maior respeito e amizade, apesar da distancia que nos separa ha’ muitos anos!

Por isso a unica coisa que aqui vou repetir e’ que tenho muita pena que a Paula Tavares esteja completamente entregue a bicharada representada por essa menina e por ela a ser abusivamente usada como arma de arremesso contra mim sem qualquer pudor ou consideracoes eticas e que tanto o seu como o meu nome tenham sido desta forma arrastados na lama por uma fedelha atrevida, pedante, petulante e arrogante ate' dizer basta (!), irresponsavel, intriguista, racista, invejosa, ciumenta, imatura, ignorante, inculta, ordinaria, complexada, pretensiosa, presumida, intelectualmente desonesta, incapaz de conter os seus instintos mais baixos e mesquinhos e simplesmente de mau caracter, nenhuma educacao e menos ainda formacao, que esta’ absolutamente convencida de que e’ “o expoente maximo da cultura angolana”…

Fiz o comentario que ela hoje publicou (Porque o tera’ feito? E porque tera' decidido "identificar-me", particularmente depois de ter proferido, logo no inicio desta saga, uma das suas celebres frases a mim dirigidas: "de ti jamais falarei!...". Nao tera' sido por pensar, muito cobardemente diga-se de passagem, que poderia agora reiniciar as suas sessoes de espancamento sobre o meu nome com total impunidade por saber que eu tinha o meu blog com o acesso restricto?), e mantenho tudo o que nele disse (e para que disso nao restem duvidas coloco-o aqui em anexo), pela simples razao de que com base no que se tem passado e em tudo quanto ela tem dito nos ultimos meses, aquele post nao se destinava a homenagear a Paula Tavares, ou a honrar o seu livro e a sua obra em geral: aquele post, tal como o anterior em que ela fala pela primeira vez desse livro, esta cheio de fel e odio e veneno de escorpiao, nao so’ contra mim, mas tambem contra TODAS AS POETAS ANGOLANAS!

E isso apenas porque como a cabeca dela so funciona na base da inveja, do despeito, do ressaibo, do racismo, da hipocrisia, da mesquinhez e do auto-convencimento, pensa que a cabeca de toda a gente funciona da mesma maneira... E pior do que isso, com o particular poema que ela seleccionou, pretende apenas, oportunistica e descaradamente colar-se, como “Phwo”, a obra da Paula Tavares (que ela acintosamente faz muita questao de pre-qualificar como "nossa"… nossa de quem?...).

E’ isto alguem que mereca um “Premio Nacional da Cultura Angolana”?! E ainda por cima a frente e por cima (!) de verdadeiros vultos legitimamente representativos da cultura angolana como, so' para citar este nome, esse Marito que aqui podemos ouvir no 'Muxima' dos Kiezos e que anda para ali aos caidos, ao passo que ela, enquanto responsavel do Ministerio da Cultura de Angola fala mal do Estado Angolano e, com a maior das vacuidades deste mundo, se diz "contra" um sistema que a produziu e que ela reproduz e de que faz parte ate' ao tutano (e e', alias, apenas isso que lhe permite a basofia de proclamar que "estou realmente dentro"!), ao mesmo tempo que se pavoneia pelo mundo como "educadora cultural angolana"???!

5. Estou disposta a debater civilizada, culta e inteligentemente, com quem estiver interessado, aqui ou em qualquer outra plataforma (que nao obviamente o blog da menininha), as questoes substantivas relativas a poesia, a arte e a cultura angolana em geral, que me moveram a dirigir-me inicialmente a professorita na maior das boas fes, mas que ela apenas soube transformar na pouca vergonha que culminou neste post, mas que se pode ‘cronicar’ atraves dos posts e comentarios no blog dela e das directas e indirectas que foi disseminando nos ultimos tempos pela blogosfera, nao para confrontar ou “derrotar” as minhas ideias mas apenas para “me aniquilar” como pessoa e como escritora! Porque sera', pergunto-me?!

In conclusion, Ana Clara Guerra Marques, a.k.a. "Phwo", just: WHO DO YOU THINK YOU ARE???!

Thursday, 5 April 2007

OBAMA VS. CLINTON: THE MOTHER OF ALL BATTLES? ('Take 3')

"THE BOTTOM LINE"


In the comments to 'Take 2' of this series, I and this blog's friend Cleo, from the US, exchanged views on the role of money in US politics, particularly as far as running for major elections goes. When thinking about that, expressions like "pulling power", "the power of money", "money talks" or "putting your money where your mouth is" always spring to mind...

Well, yesterday, Obama, who is now being talked about in the media as "the candidate with the Midas touch", made headlines with the disclosure that his fundraising campaign has managed to attract so far more than $25 million compared to Hillary's $26 million, in spite of the latter's relative pole position in the race. Perhaps more telling, Obama got so far some 50 thousand more democratic contributors, counting on 2 million more via the internet, than Hillary. Furthermore, none of the money Obama got so far came from corporate or institutional lobbies and he is allowed to spend $23.5 million in the primaries while Hillary can only use $20 million of her $26 million raised so far to the same effect.

As Jesse Jackson Jr., son of the Reverend who once was also a Black candidate to the US presidential elections, said: "This is a long journey to the White House and Obama is driving the fastest car." Or, as an American political analyst put it, "if money talks then Obama has a lot to say."

What do you think?
"THE BOTTOM LINE"


In the comments to 'Take 2' of this series, I and this blog's friend Cleo, from the US, exchanged views on the role of money in US politics, particularly as far as running for major elections goes. When thinking about that, expressions like "pulling power", "the power of money", "money talks" or "putting your money where your mouth is" always spring to mind...

Well, yesterday, Obama, who is now being talked about in the media as "the candidate with the Midas touch", made headlines with the disclosure that his fundraising campaign has managed to attract so far more than $25 million compared to Hillary's $26 million, in spite of the latter's relative pole position in the race. Perhaps more telling, Obama got so far some 50 thousand more democratic contributors, counting on 2 million more via the internet, than Hillary. Furthermore, none of the money Obama got so far came from corporate or institutional lobbies and he is allowed to spend $23.5 million in the primaries while Hillary can only use $20 million of her $26 million raised so far to the same effect.

As Jesse Jackson Jr., son of the Reverend who once was also a Black candidate to the US presidential elections, said: "This is a long journey to the White House and Obama is driving the fastest car." Or, as an American political analyst put it, "if money talks then Obama has a lot to say."

What do you think?