Friday, 29 October 2010

Media Freedom(s): Quo Vadis? (III) [R]*




[Continued from: Part I and Part II]


Journalists spend most of their time asking other people questions. But there are also plenty of questions we in the media should be asking ourselves.

[here]



Hate Becomes a Commodity

One of the plagues of human history has been the belief that there are certain people or groups of people who don't share the same moral status as everyone else, when it comes to the kind of treatment they receive. These individuals and groups are society's scapegoats. Traditionally, they have been subjected to symbolic violence, in which they have been depicted in words and images and other forms of expression in degraded ways. Beyond that, they were often subjected to physical violence, as well, depending on the society and the scapegoats in question.
The list of individuals and scapegoats who have been forced into these roles is legion. They are the innocent and the guilty; the mad and the sane. They are Jews, blacks, Christians, pagans, heretics of all sorts, political critics and criminals, saints and scientists, et al.

Today, we see a new variation on this endless historical game of dehumanization and degradation. Now, we have a political system and media that gain much of their profit and power by turning public figures into scapegoats, arousing the emotions of anger, ridicule and disdain in audiences and voters. But beyond them, there is, in this system, now, incessant pressure to generate scapegoats -- to invent fools and villains for public consumption, so as to win political contests, make money and receive public acclaim.

The right to not be smeared, worldwide; the right to not have one's suffering turned into a sadistic circus; the right to not be bombarded by insulting questions -- these and other rights we assume belong to the rest of us, fall by the wayside. To gather the information and images they need to create their stories, the perpetrators of this system violate a second set of rights as well -- rights to not have one's privacy invaded; to not be followed, pressed in on, surrounded, and turned into prey.

With the emergence of a worldwide media culture, this is now a global phenomenon. And information that can be used to damage people and put them in the scapegoat category (or further into the scapegoat category) has now, incredibly, become a form of wealth. With the proliferation of media and the Internet, which is turning millions of people into journalists of a sort, and into something much like a public figures, and with the growing use of surveillance technologies and computer files, this system now threatens to get completely out of control.

We are developing a global media system in which Hate is becoming a commodity. What is new about this system isn't that it manipulates hate to achieve various ends. Rather, it is the scale and pervasiveness and sophistication with which it does so, based on high-tech tools of communications and image manipulation. As a result, we are all being drawn into a worldwide virtual gladiator game in which the stakes are all too real for the victims and for everyone who must now live and be brought up in an environment that encourages many of humanity's worst instincts.

[here ]



The Ethical Reporter

There can be little doubt that the news media today is a force for truth. But like most of the works of man, it is also immersed in the cycle of violence, misperception and transference that governs human affairs. The task of journalism is to grow beyond the untruth of sadism and submission, while strengthening the healthy alternatives of independent and ethical reporting.

At its best, such an ethical and independent reporting would be motivated by a desire to tell the truth and defend right, to defend the genuine moral order, rather than get revenge for past wrongs. Reporters working in such a system would be concerned with the triumph of truth, as a force that can free people and enlarge the realm of justice, rather than with the triumph of the injured self at the expense of other people.

In its ideal state, this kind of reporting is a form of non-neurotic behavior. It is the expression of a mature, adult personality, able to use its considerable powers to grow and improve the world. A reporter who fits this description can’t help but expose wrong – he does so merely by honestly describing the untruth he sees around him.

[here and more here]


*[First posted 24/09/10]



[Continued from:
Part I and Part II]


Journalists spend most of their time asking other people questions. But there are also plenty of questions we in the media should be asking ourselves.

[here]



Hate Becomes a Commodity

One of the plagues of human history has been the belief that there are certain people or groups of people who don't share the same moral status as everyone else, when it comes to the kind of treatment they receive. These individuals and groups are society's scapegoats. Traditionally, they have been subjected to symbolic violence, in which they have been depicted in words and images and other forms of expression in degraded ways. Beyond that, they were often subjected to physical violence, as well, depending on the society and the scapegoats in question.
The list of individuals and scapegoats who have been forced into these roles is legion. They are the innocent and the guilty; the mad and the sane. They are Jews, blacks, Christians, pagans, heretics of all sorts, political critics and criminals, saints and scientists, et al.

Today, we see a new variation on this endless historical game of dehumanization and degradation. Now, we have a political system and media that gain much of their profit and power by turning public figures into scapegoats, arousing the emotions of anger, ridicule and disdain in audiences and voters. But beyond them, there is, in this system, now, incessant pressure to generate scapegoats -- to invent fools and villains for public consumption, so as to win political contests, make money and receive public acclaim.

The right to not be smeared, worldwide; the right to not have one's suffering turned into a sadistic circus; the right to not be bombarded by insulting questions -- these and other rights we assume belong to the rest of us, fall by the wayside. To gather the information and images they need to create their stories, the perpetrators of this system violate a second set of rights as well -- rights to not have one's privacy invaded; to not be followed, pressed in on, surrounded, and turned into prey.

With the emergence of a worldwide media culture, this is now a global phenomenon. And information that can be used to damage people and put them in the scapegoat category (or further into the scapegoat category) has now, incredibly, become a form of wealth. With the proliferation of media and the Internet, which is turning millions of people into journalists of a sort, and into something much like a public figures, and with the growing use of surveillance technologies and computer files, this system now threatens to get completely out of control.

We are developing a global media system in which Hate is becoming a commodity. What is new about this system isn't that it manipulates hate to achieve various ends. Rather, it is the scale and pervasiveness and sophistication with which it does so, based on high-tech tools of communications and image manipulation. As a result, we are all being drawn into a worldwide virtual gladiator game in which the stakes are all too real for the victims and for everyone who must now live and be brought up in an environment that encourages many of humanity's worst instincts.

[here ]



The Ethical Reporter

There can be little doubt that the news media today is a force for truth. But like most of the works of man, it is also immersed in the cycle of violence, misperception and transference that governs human affairs. The task of journalism is to grow beyond the untruth of sadism and submission, while strengthening the healthy alternatives of independent and ethical reporting.

At its best, such an ethical and independent reporting would be motivated by a desire to tell the truth and defend right, to defend the genuine moral order, rather than get revenge for past wrongs. Reporters working in such a system would be concerned with the triumph of truth, as a force that can free people and enlarge the realm of justice, rather than with the triumph of the injured self at the expense of other people.

In its ideal state, this kind of reporting is a form of non-neurotic behavior. It is the expression of a mature, adult personality, able to use its considerable powers to grow and improve the world. A reporter who fits this description can’t help but expose wrong – he does so merely by honestly describing the untruth he sees around him.

[here and more here]


*[First posted 24/09/10]

Media Freedom(s): Quo Vadis? (II) [R]*

If Freud were alive today and in front of a television, he might well experience a shock of recognition. After all, today’s television news media bears a significant similarity to the agency of mind that Freud referred to as the super-ego.

Like the super-ego, the self-righteous press is on constant duty, routing out minor and not-so-minor sins of the past and present, and then engaging in an orgy of punishment and denunciation against those who have strayed from the path of perfection. In interviews, whether they are the raw material for news stories or the finished product of televised news shows, journalists probe for the sensitive spots of interviewees, with an unerring radar, often focusing on trivial issues and marshalling their evidence like prosecuting attorneys.

Like the super-ego, the news media's self-righteousness masks its own sin of sadism and its own behind-the-scenes agreements with the very forces it so vehemently denounces. It portrays itself as the upholder of right and routinely disguises attacks as questions or reports, even as it savages the reputations of those it covers. But then the super-ego also does most of its best work under cover and perhaps for some of the same reasons.


Sadism, Insensitivity and Grandiosity


It is ironic that journalists, who place so much emphasis on the ethical lapses of those they cover, are themselves so prone to sadism, insensitivity and feelings of grandiosity.

They are further estranged from the world by what they create, which is a kind of unreality. They process and filter real events, creating a distorted reflection that condenses the drama and pain of life into a form of entertainment or at least a product that is entertaining. This unreality then has a profound impact on real events. It changes reality and, in its distorted way, records the change.

The ability to affect events without being affected and, in particular, the ability to cause pain without being touched by it, creates conditions that can encourage sadism, insensitivity and grandiosity. Regarding the first possibility, the conditions of journalism bear a striking resemblance to the conditions of physical torture. Reporters and torturers both have the capacity to hurt people who have little or no ability to strike back. It is of no great concern to the torturer whether he engages his victim before or after lunch, or aims his ministrations at one part of the body or another. Death now or death later, blindness first or broken bones - none of it affects his condition.

But the victim is in a desperate fight for life. His world congeals around what the torturer will do next. Every move is a matter of world shattering consequence, as the victim suffers and simultaneously watches the sadist enjoy his own freedom from concern.

True sadists, who enjoy inflicting pain, experience torture as a game and the victim as a toy. The ability to gloat, to taunt, to revel in their own invulnerability and compare it to the victim's enslavement to what they will do next, are part of the essence of sadism.

In journalism, the torture is applied to the victim's reputation, his public image and credibility.

These pathological behaviors are counterbalanced by moral desires experienced by the journalist and by conflicts and constraints created by society and the job. The urge to insensitivity and sadism is held in check by urges to become involved in events and by normal human decency and compassion. And they are held in check by fears of retaliation and desires to win favor from politicians. Grandiosity is counterbalanced by the normal enjoyment of success and power and a realistic assessment of the limits of the job and of oneself.

[here]


How Discrediting Attacks Are Disguised


Given everything that has been said so far, it is obvious that discrediting attacks, whatever their motive, generally take place under heavy disguise. First, the attacker must portray his attack as an attempt to support the order of values of society by exposing a violator who deserves to be exposed, in essence enhancing his own image as he assaults another's. If this were all there were to these disguise, we might have an easier time discerning the role of discredit, domination, assertiveness and sadism in public life.

But the disguise of motives is often supplemented by a far more insidious deception, one that masks the fact that an attack is taking place at all or that the journalist or attacker is the one making the attack. Journalists and other communicators often portray themselves as merely asking questions, reporting what others say or describing events, when everyone knows a verbal mugging is actually taking place that may leave the designated victim stripped of the self-defense provided by an effective image.

Fortunately, these disguises tend to be very transparent once one begins to identify the various games and strategies that are being used. Once that has been achieved, we can begin to expose these disguised attempts to expose others; we can discredit these disguised attempts to discredit; and hold these attempts to embarrass others up to embarrassing scrutiny.

If all this sounds familiar, it is because what we will be doing is applying a more sophisticated version of the techniques used by journalists, themselves, turning the tables on the great table-turners and holding them up to a kind of scrutiny that reveals the degree to which our media and public culture are steeped in both dishonesty and cruelty.


[here]


*[First posted 24/09/10]
If Freud were alive today and in front of a television, he might well experience a shock of recognition. After all, today’s television news media bears a significant similarity to the agency of mind that Freud referred to as the super-ego.

Like the super-ego, the self-righteous press is on constant duty, routing out minor and not-so-minor sins of the past and present, and then engaging in an orgy of punishment and denunciation against those who have strayed from the path of perfection. In interviews, whether they are the raw material for news stories or the finished product of televised news shows, journalists probe for the sensitive spots of interviewees, with an unerring radar, often focusing on trivial issues and marshalling their evidence like prosecuting attorneys.

Like the super-ego, the news media's self-righteousness masks its own sin of sadism and its own behind-the-scenes agreements with the very forces it so vehemently denounces. It portrays itself as the upholder of right and routinely disguises attacks as questions or reports, even as it savages the reputations of those it covers. But then the super-ego also does most of its best work under cover and perhaps for some of the same reasons.


Sadism, Insensitivity and Grandiosity


It is ironic that journalists, who place so much emphasis on the ethical lapses of those they cover, are themselves so prone to sadism, insensitivity and feelings of grandiosity.

They are further estranged from the world by what they create, which is a kind of unreality. They process and filter real events, creating a distorted reflection that condenses the drama and pain of life into a form of entertainment or at least a product that is entertaining. This unreality then has a profound impact on real events. It changes reality and, in its distorted way, records the change.

The ability to affect events without being affected and, in particular, the ability to cause pain without being touched by it, creates conditions that can encourage sadism, insensitivity and grandiosity. Regarding the first possibility, the conditions of journalism bear a striking resemblance to the conditions of physical torture. Reporters and torturers both have the capacity to hurt people who have little or no ability to strike back. It is of no great concern to the torturer whether he engages his victim before or after lunch, or aims his ministrations at one part of the body or another. Death now or death later, blindness first or broken bones - none of it affects his condition.

But the victim is in a desperate fight for life. His world congeals around what the torturer will do next. Every move is a matter of world shattering consequence, as the victim suffers and simultaneously watches the sadist enjoy his own freedom from concern.

True sadists, who enjoy inflicting pain, experience torture as a game and the victim as a toy. The ability to gloat, to taunt, to revel in their own invulnerability and compare it to the victim's enslavement to what they will do next, are part of the essence of sadism.

In journalism, the torture is applied to the victim's reputation, his public image and credibility.

These pathological behaviors are counterbalanced by moral desires experienced by the journalist and by conflicts and constraints created by society and the job. The urge to insensitivity and sadism is held in check by urges to become involved in events and by normal human decency and compassion. And they are held in check by fears of retaliation and desires to win favor from politicians. Grandiosity is counterbalanced by the normal enjoyment of success and power and a realistic assessment of the limits of the job and of oneself.

[here]


How Discrediting Attacks Are Disguised


Given everything that has been said so far, it is obvious that discrediting attacks, whatever their motive, generally take place under heavy disguise. First, the attacker must portray his attack as an attempt to support the order of values of society by exposing a violator who deserves to be exposed, in essence enhancing his own image as he assaults another's. If this were all there were to these disguise, we might have an easier time discerning the role of discredit, domination, assertiveness and sadism in public life.

But the disguise of motives is often supplemented by a far more insidious deception, one that masks the fact that an attack is taking place at all or that the journalist or attacker is the one making the attack. Journalists and other communicators often portray themselves as merely asking questions, reporting what others say or describing events, when everyone knows a verbal mugging is actually taking place that may leave the designated victim stripped of the self-defense provided by an effective image.

Fortunately, these disguises tend to be very transparent once one begins to identify the various games and strategies that are being used. Once that has been achieved, we can begin to expose these disguised attempts to expose others; we can discredit these disguised attempts to discredit; and hold these attempts to embarrass others up to embarrassing scrutiny.

If all this sounds familiar, it is because what we will be doing is applying a more sophisticated version of the techniques used by journalists, themselves, turning the tables on the great table-turners and holding them up to a kind of scrutiny that reveals the degree to which our media and public culture are steeped in both dishonesty and cruelty.


[here]


*[First posted 24/09/10]

Media Freedom(s): Quo Vadis? (I) [R]*

Why do so many journalists find it so hard to handle public criticism? If you’re an athlete, you’re used to it. If you’re an artist, critics will regularly take you down. If you are in government, the pundits and now the bloggers will show no mercy. If you’re in business, the market will punish you.

In all these cases, the seasoned professional learns to deal with it. But over and over today, we encounter the sorry spectacle of distinguished reporters losing it when their work is publicly attacked — or columnists sneering at the feedback they get in poorly moderated web comments.


I would argue that the difficulty journalists have with hearing or responding to criticism lies in the profession’s pathological heritage of self-abnegation. We say, “To err is human,” right? But journalists too often work inside an institutional culture which says to them, “Be inhuman.” Do not have opinions — and if you do, for god’s sake don’t share them. Do not attend protests or take stands on issues. Do not vote; or, if you do, don’t tell anyone whom you voted for.

The good soldier journalists buy into this acculturation. They suppress their own individuality and perspectives. They subsume their own work into the larger editorial “we,” and learn to refer to themselves as “this reporter” instead of using the personal pronoun. When something goes wrong with the system they are a part of, when the little piece of journalism they have added to the larger edifice comes under attack for some flaw, they count on the edifice to protect them.

But no longer. Reasonable criticism of news coverage can now be published as easily online as the original reports, and the public expects media outlets to respond. Many editors and reporters understand that a new approach to accountability simply makes sense. So the institutions have begun, haltingly but significantly, to open up.

But many individual journalists find themselves at sea when called upon to explain mistakes, defend choices and engage in discussions with their readers and critics. Nothing in their professional lives has prepared them for this. In fact, a lot of their professional training explicitly taught them that all of this was dangerous, unprofessional, bad. They grew up thinking — and some still think — that the professional thing to do, when questioned in public, is (a) don’t respond at all; (b) respond with “no comment — we stand by our story”; or if things get really bad (c) your editor will do the talking.

Unfortunately, this means that the typical blogger has more experience dealing with criticism — measuring a reasonable response, managing trolls and restraining the urge to flame — than the typical newsroom journalist.

The next time you see some seasoned journalist lose his bearings when called upon to discuss or defend his work, chalk it up to inexperience, not stupidity or rudeness.

[here]



Principles of Media Criticism

Media criticism is in an undeveloped state, today, largely because the mainstream media allows virtually no open discussion of the subject. Some criticism does get to the public, of course, but most of it is corrupted by the same forces that have turned the rest of the media into a source of manipulation.
The selections below attempt to correct this conspiracy of silence by offering readers an introduction to the field that will allow them to see the larger trends that define much of the media. The selections focus on the following characteristics of contemporary culture and society:

* The fact that all centers of power today rely on media and that all use sensory manipulations and simulations, along with story lines, rhetoric, and performances to sell audiences products, candidates and ideas.

* The fact that most media, today, from news to advertising, rely on spectacle, simplification and exaggeration to grab and hold audiences.

* The fact that much of media is beset by idealization and demonization in which media manipulators depict themselves and their allies as heroes and saints, and their opponents or targets as villains, fools and disturbed characters, both to create exciting stories and win battles.

* The fact that the media today is pervaded by missing information. What is missing is precisely the information above, which would discredit the system and result in reforms that would lock out many of those who now work the system for their own benefit.

* The fact that the news media has become a part of the power and economic system that it is supposed to report on. Instead of standing at a distance from events and trying to provide an accurate account, all too often it is just another inside player manipulating information for its own ends. This not only means that media companies have a conflict of interest but also that journalists who would prefer to be honest end up subordinating themselves to those in power in their own organizations and shaping their coverage accordingly. It also means that media criticism that isn't afraid to report on what is taking place is now essential to the maintenance of democracy.

* The fact that all media today is a form of action. Stories, rhetoric, sensory images and manipulated impressions are all efforts to influence people's perceptions and action, evoke fears and desires, and play to values. The omission of information from the media is a form of action, as well.

* Finally, the fact that the media today is also full of efforts to get at the truth, which are often disguised or limited in various ways. Many of these efforts to tell the public the truth can be found in the fictions of movies and television which openly depict the con artist culture we now live in and the corruption of the media.

These propositions have to form the core of any theory of media criticism and any theory that seeks to describe contemporary society. The following selections are intended to provide overviews that will introduce and expand on these ideas.

[here]



*[First posted 24/09/10]

Why do so many journalists find it so hard to handle public criticism? If you’re an athlete, you’re used to it. If you’re an artist, critics will regularly take you down. If you are in government, the pundits and now the bloggers will show no mercy. If you’re in business, the market will punish you.

In all these cases, the seasoned professional learns to deal with it. But over and over today, we encounter the sorry spectacle of distinguished reporters losing it when their work is publicly attacked — or columnists sneering at the feedback they get in poorly moderated web comments.


I would argue that the difficulty journalists have with hearing or responding to criticism lies in the profession’s pathological heritage of self-abnegation. We say, “To err is human,” right? But journalists too often work inside an institutional culture which says to them, “Be inhuman.” Do not have opinions — and if you do, for god’s sake don’t share them. Do not attend protests or take stands on issues. Do not vote; or, if you do, don’t tell anyone whom you voted for.

The good soldier journalists buy into this acculturation. They suppress their own individuality and perspectives. They subsume their own work into the larger editorial “we,” and learn to refer to themselves as “this reporter” instead of using the personal pronoun. When something goes wrong with the system they are a part of, when the little piece of journalism they have added to the larger edifice comes under attack for some flaw, they count on the edifice to protect them.

But no longer. Reasonable criticism of news coverage can now be published as easily online as the original reports, and the public expects media outlets to respond. Many editors and reporters understand that a new approach to accountability simply makes sense. So the institutions have begun, haltingly but significantly, to open up.

But many individual journalists find themselves at sea when called upon to explain mistakes, defend choices and engage in discussions with their readers and critics. Nothing in their professional lives has prepared them for this. In fact, a lot of their professional training explicitly taught them that all of this was dangerous, unprofessional, bad. They grew up thinking — and some still think — that the professional thing to do, when questioned in public, is (a) don’t respond at all; (b) respond with “no comment — we stand by our story”; or if things get really bad (c) your editor will do the talking.

Unfortunately, this means that the typical blogger has more experience dealing with criticism — measuring a reasonable response, managing trolls and restraining the urge to flame — than the typical newsroom journalist.

The next time you see some seasoned journalist lose his bearings when called upon to discuss or defend his work, chalk it up to inexperience, not stupidity or rudeness.

[
here]



Principles of Media Criticism

Media criticism is in an undeveloped state, today, largely because the mainstream media allows virtually no open discussion of the subject. Some criticism does get to the public, of course, but most of it is corrupted by the same forces that have turned the rest of the media into a source of manipulation.
The selections below attempt to correct this conspiracy of silence by offering readers an introduction to the field that will allow them to see the larger trends that define much of the media. The selections focus on the following characteristics of contemporary culture and society:

* The fact that all centers of power today rely on media and that all use sensory manipulations and simulations, along with story lines, rhetoric, and performances to sell audiences products, candidates and ideas.

* The fact that most media, today, from news to advertising, rely on spectacle, simplification and exaggeration to grab and hold audiences.

* The fact that much of media is beset by idealization and demonization in which media manipulators depict themselves and their allies as heroes and saints, and their opponents or targets as villains, fools and disturbed characters, both to create exciting stories and win battles.

* The fact that the media today is pervaded by missing information. What is missing is precisely the information above, which would discredit the system and result in reforms that would lock out many of those who now work the system for their own benefit.

* The fact that the news media has become a part of the power and economic system that it is supposed to report on. Instead of standing at a distance from events and trying to provide an accurate account, all too often it is just another inside player manipulating information for its own ends. This not only means that media companies have a conflict of interest but also that journalists who would prefer to be honest end up subordinating themselves to those in power in their own organizations and shaping their coverage accordingly. It also means that media criticism that isn't afraid to report on what is taking place is now essential to the maintenance of democracy.

* The fact that all media today is a form of action. Stories, rhetoric, sensory images and manipulated impressions are all efforts to influence people's perceptions and action, evoke fears and desires, and play to values. The omission of information from the media is a form of action, as well.

* Finally, the fact that the media today is also full of efforts to get at the truth, which are often disguised or limited in various ways. Many of these efforts to tell the public the truth can be found in the fictions of movies and television which openly depict the con artist culture we now live in and the corruption of the media.

These propositions have to form the core of any theory of media criticism and any theory that seeks to describe contemporary society. The following selections are intended to provide overviews that will introduce and expand on these ideas.

[here]



*[First posted 24/09/10]

Thursday, 28 October 2010

The Joy of Motherhood



A baby gorilla has been born at London Zoo for the first time in 20 years.

[Details Here]


A baby gorilla has been born at London Zoo for the first time in 20 years.

[Details Here]

Wednesday, 27 October 2010

Falando do "Homem Novo"

Tem estado a desenrolar-se aqui uma bastante rica e interessante troca de ideias, informacao e referencias sobre o conceito do "Homem Novo".

A exchange, que ja' vai longa e parece prometer vir a desembocar em alguma conferencia internacional ou similar forum sobre o tema, teve inicio na semana passada com esta mensagem:

Would anyone be able to advise me of sources of information about the Marxist concept of the 'new man' and of its development in the ideology and literature of the MPLA between the 1960s and 1980s, please?
Any suggestions would be very deeply appreciated.

[Mark Sabine, Nottingham University]


Seguiram-se varios e valiosos contributos, embora a esmagadora maioria se refira a FRELIMO, dos quais, com a devida venia aos seus autores e aos editores da H-Net, tomo a liberdade de reproduzir aqui os que se seguem. Talvez alguns dos leitores deste blog possam possuir mais informacoes e referencias que queiram partilhar, com referencia particular ao caso de Angola.

De minha parte, gostaria de fazer referencia a este post em que me refiro, en passant, ao "homem novo que veio da mata", e tambem a este , a este e a este em relacao a algumas das questoes abordadas na primeira mensagem abaixo reproduzida. Relativamente a segunda mensagem, faria apenas breve referencia a um dos fundadores da UNAP, que foi amigo e pupilo de Viteix (infelizmente ambos ja' falecidos), o Tirso Amaral, que esteve tambem no Festival Mundial da Juventude e Estudantes de 1978 em Cuba, referido em algumas das mensagens dessa exchange (os quadros de Viteix aqui reproduzidos sao retirados do site da autora dessa mensagem, sendo que das 'margens' do segundo este blog ja' fez amplo uso na sua versao original...).




Whatever is the origin of the concept of "New Man" in the 1920s Soviet Revolution and fast moving to Stalinization, most important seems to be the social usefullness of such a concept in Frelimo politics. Obviously, "New man" was integrated into the "socialist" discourse, but it must be seen first as the ideological expression of the paradigm of authoritarian modernization process (locally called 'socialist transition'). Frelimo always feared (and still fears) all social milieus it does not control.
During the 'radical' period (1976-1986), the 'newmanness' was the wish to integrate quickly all the traditional and original social relationships into the 'modernity' as seen by the Frelimo elite: to transform the ethnicities into a fully new nation ('Uma só nação, um só povo, um só partido'), the peasants in inhabitants of 'rural cities' (alias 'aldeias comunais'), to transform all the informal sector of cities into officially registered workers ('Operação Produção' tried to expell from the cities this informal sector), to eradicate traditional religions ('obscurantismo'). 'Newmanness' was the expression of the habitus of assimilated rooted elite of Frelimo, whose radicality was far more to modernize than to socialize. Today, means have changed, but not the aim: the Guebuza's discourse about 'auto-estima' (self-pride) is to stigmatize anyone not able to become an entrepreneur and a rich man, and to raise as a model the big man. The guilty is no longer subalternity of Mozambique in capitalist world economy, but the lack of dignity of the ones who remain poor. They are not modern, not new.

[Michel Cahen, Centre d'étude d'Afrique noire, Université de Bordeaux]



The 'new man' is also mentioned in the inaugural proclamation of the União Nacional de Artistas Plásticos (Unap) in 1979- in terms of and art philosophy and pedagogy that uses indigeneity as a catalyst of the transformation of consciousness, or "mentality." The founding artists of Unap, like their counterparts in the Writers' Union, were very moved by Neto's claims that the superstructure of a society shape the consciousness of the individual within that society. I'm curious about this relationship between Latin American scholars' ideas of the new man with regards to indigeneity versus those writing from/about the African context- and what contingencies contribute to the differences.
[...]
This discussion is very exciting for me as I am currently writing an article on Angolan post-independence painter Viteix and his adaptation of socialist realism. One
particular painting, Construção Civil(1985), illustrates workers as integrated into machinery or a construction scene. However, the title refers to a poem by António Cardoso (also titled Construção Civil) in which he describes the rationalist built environment of the prison camp Tarrafal. He gives a visceral description of the walls as bathed in blood. Viteix use of this poem checks the notion of progress, an element of irony in the message of the painting that testifies to the complicated relationship thinkers had to international, or "scientific," socialist realism.Viteix was co-author of the Unap proclamation I mentioned earlier that uses the term "New Man." The painting is reproduced on my
website
(with apologies for the clunky translation of Cardoso's poem there)

[Delinda Collier - School of the Art Institute of Chicago]

Tem estado a desenrolar-se aqui uma bastante rica e interessante troca de ideias, informacao e referencias sobre o conceito do "Homem Novo".

A exchange, que ja' vai longa e parece prometer vir a desembocar em alguma conferencia internacional ou similar forum sobre o tema, teve inicio na semana passada com esta mensagem:

Would anyone be able to advise me of sources of information about the Marxist concept of the 'new man' and of its development in the ideology and literature of the MPLA between the 1960s and 1980s, please?
Any suggestions would be very deeply appreciated.

[Mark Sabine, Nottingham University]


Seguiram-se varios e valiosos contributos, embora a esmagadora maioria se refira a FRELIMO, dos quais, com a devida venia aos seus autores e aos editores da H-Net, tomo a liberdade de reproduzir aqui os que se seguem. Talvez alguns dos leitores deste blog possam possuir mais informacoes e referencias que queiram partilhar, com referencia particular ao caso de Angola.

De minha parte, gostaria de fazer referencia a este post em que me refiro, en passant, ao "homem novo que veio da mata", e tambem a este , a este e a este em relacao a algumas das questoes abordadas na primeira mensagem abaixo reproduzida. Relativamente a segunda mensagem, faria apenas breve referencia a um dos fundadores da UNAP, que foi amigo e pupilo de Viteix (infelizmente ambos ja' falecidos), o Tirso Amaral, que esteve tambem no Festival Mundial da Juventude e Estudantes de 1978 em Cuba, referido em algumas das mensagens dessa exchange (os quadros de Viteix aqui reproduzidos sao retirados do site da autora dessa mensagem, sendo que das 'margens' do segundo este blog ja' fez amplo uso na sua versao original...).




Whatever is the origin of the concept of "New Man" in the 1920s Soviet Revolution and fast moving to Stalinization, most important seems to be the social usefullness of such a concept in Frelimo politics. Obviously, "New man" was integrated into the "socialist" discourse, but it must be seen first as the ideological expression of the paradigm of authoritarian modernization process (locally called 'socialist transition'). Frelimo always feared (and still fears) all social milieus it does not control.
During the 'radical' period (1976-1986), the 'newmanness' was the wish to integrate quickly all the traditional and original social relationships into the 'modernity' as seen by the Frelimo elite: to transform the ethnicities into a fully new nation ('Uma só nação, um só povo, um só partido'), the peasants in inhabitants of 'rural cities' (alias 'aldeias comunais'), to transform all the informal sector of cities into officially registered workers ('Operação Produção' tried to expell from the cities this informal sector), to eradicate traditional religions ('obscurantismo'). 'Newmanness' was the expression of the habitus of assimilated rooted elite of Frelimo, whose radicality was far more to modernize than to socialize. Today, means have changed, but not the aim: the Guebuza's discourse about 'auto-estima' (self-pride) is to stigmatize anyone not able to become an entrepreneur and a rich man, and to raise as a model the big man. The guilty is no longer subalternity of Mozambique in capitalist world economy, but the lack of dignity of the ones who remain poor. They are not modern, not new.

[Michel Cahen, Centre d'étude d'Afrique noire, Université de Bordeaux]



The 'new man' is also mentioned in the inaugural proclamation of the União Nacional de Artistas Plásticos (Unap) in 1979- in terms of and art philosophy and pedagogy that uses indigeneity as a catalyst of the transformation of consciousness, or "mentality." The founding artists of Unap, like their counterparts in the Writers' Union, were very moved by Neto's claims that the superstructure of a society shape the consciousness of the individual within that society. I'm curious about this relationship between Latin American scholars' ideas of the new man with regards to indigeneity versus those writing from/about the African context- and what contingencies contribute to the differences.
[...]
This discussion is very exciting for me as I am currently writing an article on Angolan post-independence painter Viteix and his adaptation of socialist realism. One
particular painting, Construção Civil(1985), illustrates workers as integrated into machinery or a construction scene. However, the title refers to a poem by António Cardoso (also titled Construção Civil) in which he describes the rationalist built environment of the prison camp Tarrafal. He gives a visceral description of the walls as bathed in blood. Viteix use of this poem checks the notion of progress, an element of irony in the message of the painting that testifies to the complicated relationship thinkers had to international, or "scientific," socialist realism.Viteix was co-author of the Unap proclamation I mentioned earlier that uses the term "New Man." The painting is reproduced on my
website
(with apologies for the clunky translation of Cardoso's poem there)

[Delinda Collier - School of the Art Institute of Chicago]

Monday, 25 October 2010

Desculpe Senhora Ministra, mas...

... O seu discurso e'...

A Ministra da Família e Promoção da Mulher, Genoveva Lino, recomendou, ontem, em Luanda, ás famílias angolanas, a frequentarem a Igreja e ouvirem mais a palavra de Deus, como uma forma de alimentarem a sua espiritualidade.
Genoveva Lino falava depois da celebração eucarística, feita pelo Cardeal Franc Rodé, realizada na Paróquia da Nossa Senhora de Fátima, que contou com a presença dos bispos de Angola, membros do Executivo, sociedade civil e fiéis.
Genoveva Lino disse que quando as pessoas se guiam pela palavra de Deus e com muita fé, "ganham mais força para trabalhar no engrandecimento de Angola. Peço às famílias para que tenham fé para que possamos com Deus superar as nossas dores e ter mais força para trabalhar".
A ministra disse ainda que "estamos conscientes que há muito trabalho para fazer, as dificuldades que enfrentamos são enormes mas com ajuda do Senhor e a fé, vamos conseguir vencer". Numa sociedade em crescimento como Angola, as famílias devem seguir a palavra de Deus para que tenham uma vida mais digna. "Não há palavra melhor do que a do Senhor, cada cidadão deve ter, ler e absorver o grande livro sagrado, a bíblia, porque é o livro da vida. E se todos nós o seguirmos, teremos uma vida mais digna, tal como a própria bíblia diz, que feliz é a nação que o próprio Deus é o Senhor", disse Genoveva Lino.

[aqui]


... Inconstitucional!


CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE ANGOLA
Artigo 10.º
(Estado laico)

1. A República de Angola é um Estado laico, havendo separação entre o Estado
e as igrejas, nos termos da lei.

[aqui]





ADENDA

DESCULPEM SENHORES BISPOS, MAS...
A conferência Episcopal de Angola e São Tomé poderá fazer-se representar junto
do parlamento angolano.
Segundo o documento final da II Assembleia Anual da CEAST, o órgão defende a integração na Assembleia nacional de Angola de um representante dos prelados dos dois países, para se fazer ouvir ao mais alto nível da nação.

[aqui]
O bispo Administrador do Saurimo Dom Emanuel Imbamba, secretário da conferência episcopal, defendeu a emenda da Constituição de modo a impedir o alastramento da religião Islâmica em Angola. Este foi um dos temas analisado na II Assembleia Plenária dos Bispos que hoje terminou.
Quando questionado sobre o que teria eventualmente falhado na igreja católica para que tivesse lugar este crescendo, o bispo Dom Imbamba atribuiu culpas ao marxismo –leninismo e à abrupta abertura à manifestação religiosa como causas próximas do actual ambiente.
[aqui]


... As Vossas pretensoes nao so' sao Inconstitucionais como Anti-Ecumenicas!



Vide:

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE ANGOLA

Artigo 10.º
(Estado laico)

1. A República de Angola é um Estado laico, havendo separação entre o Estado e as igrejas, nos termos da lei.
2. O Estado reconhece e respeita as diferentes confissões religiosas, as quais são livres na sua organização e no exercício das suas actividades, desde que as mesmas se conformem à Constituição e às leis da República de Angola.
3. O Estado protege as igrejas e as confissões religiosas, bem como os seus lugares e objectos de culto, desde que não atentem contra a Constituição e a ordem pública e se conformem com a Constituição e a lei.


Artigo 41.º
(Liberdade de consciência, de religião e de culto)

1. A liberdade de consciência, de crença religiosa e de culto é inviolável.
2. Ninguém pode ser privado dos seus direitos, perseguido ou isento de obrigações por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política.
3. É garantido o direito à objecção de consciência, nos termos da lei.
4. Ninguém pode ser questionado por qualquer autoridade acerca das suas convicções ou práticas religiosas, salvo para recolha de dados estatísticos não individualmente identificáveis.


Artigo 141.º
(Definição)

1. A Assembleia Nacional é o parlamento da República de Angola.
2. A Assembleia Nacional é um órgão unicamaral, representativo de todos os angolanos, que exprime a vontade soberana do povo e exerce o poder legislativo do Estado.


Artigo 142.º
(Composição)

A Assembleia Nacional é composta por Deputados eleitos nos termos da Constituição e da lei.


Artigo 236.º
(Limites materiais)

As alterações da Constituição têm de respeitar o seguinte:

g) A laicidade do Estado e o princípio da separação entre o Estado e as igrejas;

... O seu discurso e'...

A Ministra da Família e Promoção da Mulher, Genoveva Lino, recomendou, ontem, em Luanda, ás famílias angolanas, a frequentarem a Igreja e ouvirem mais a palavra de Deus, como uma forma de alimentarem a sua espiritualidade.
Genoveva Lino falava depois da celebração eucarística, feita pelo Cardeal Franc Rodé, realizada na Paróquia da Nossa Senhora de Fátima, que contou com a presença dos bispos de Angola, membros do Executivo, sociedade civil e fiéis.
Genoveva Lino disse que quando as pessoas se guiam pela palavra de Deus e com muita fé, "ganham mais força para trabalhar no engrandecimento de Angola. Peço às famílias para que tenham fé para que possamos com Deus superar as nossas dores e ter mais força para trabalhar".
A ministra disse ainda que "estamos conscientes que há muito trabalho para fazer, as dificuldades que enfrentamos são enormes mas com ajuda do Senhor e a fé, vamos conseguir vencer". Numa sociedade em crescimento como Angola, as famílias devem seguir a palavra de Deus para que tenham uma vida mais digna. "Não há palavra melhor do que a do Senhor, cada cidadão deve ter, ler e absorver o grande livro sagrado, a bíblia, porque é o livro da vida. E se todos nós o seguirmos, teremos uma vida mais digna, tal como a própria bíblia diz, que feliz é a nação que o próprio Deus é o Senhor", disse Genoveva Lino.

[aqui]


... Inconstitucional!


CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE ANGOLA
Artigo 10.º
(Estado laico)

1. A República de Angola é um Estado laico, havendo separação entre o Estado
e as igrejas, nos termos da lei.

[aqui]





ADENDA

DESCULPEM SENHORES BISPOS, MAS...
A conferência Episcopal de Angola e São Tomé poderá fazer-se representar junto
do parlamento angolano.
Segundo o documento final da II Assembleia Anual da CEAST, o órgão defende a integração na Assembleia nacional de Angola de um representante dos prelados dos dois países, para se fazer ouvir ao mais alto nível da nação.

[aqui]
O bispo Administrador do Saurimo Dom Emanuel Imbamba, secretário da conferência episcopal, defendeu a emenda da Constituição de modo a impedir o alastramento da religião Islâmica em Angola. Este foi um dos temas analisado na II Assembleia Plenária dos Bispos que hoje terminou.
Quando questionado sobre o que teria eventualmente falhado na igreja católica para que tivesse lugar este crescendo, o bispo Dom Imbamba atribuiu culpas ao marxismo –leninismo e à abrupta abertura à manifestação religiosa como causas próximas do actual ambiente.
[aqui]


... As Vossas pretensoes nao so' sao Inconstitucionais como Anti-Ecumenicas!



Vide:

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE ANGOLA

Artigo 10.º
(Estado laico)

1. A República de Angola é um Estado laico, havendo separação entre o Estado e as igrejas, nos termos da lei.
2. O Estado reconhece e respeita as diferentes confissões religiosas, as quais são livres na sua organização e no exercício das suas actividades, desde que as mesmas se conformem à Constituição e às leis da República de Angola.
3. O Estado protege as igrejas e as confissões religiosas, bem como os seus lugares e objectos de culto, desde que não atentem contra a Constituição e a ordem pública e se conformem com a Constituição e a lei.


Artigo 41.º
(Liberdade de consciência, de religião e de culto)

1. A liberdade de consciência, de crença religiosa e de culto é inviolável.
2. Ninguém pode ser privado dos seus direitos, perseguido ou isento de obrigações por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política.
3. É garantido o direito à objecção de consciência, nos termos da lei.
4. Ninguém pode ser questionado por qualquer autoridade acerca das suas convicções ou práticas religiosas, salvo para recolha de dados estatísticos não individualmente identificáveis.


Artigo 141.º
(Definição)

1. A Assembleia Nacional é o parlamento da República de Angola.
2. A Assembleia Nacional é um órgão unicamaral, representativo de todos os angolanos, que exprime a vontade soberana do povo e exerce o poder legislativo do Estado.


Artigo 142.º
(Composição)

A Assembleia Nacional é composta por Deputados eleitos nos termos da Constituição e da lei.


Artigo 236.º
(Limites materiais)

As alterações da Constituição têm de respeitar o seguinte:

g) A laicidade do Estado e o princípio da separação entre o Estado e as igrejas;

Saturday, 23 October 2010

Just Poetry xxix

I'll Take Care of You


I know you've been hurt by someone else
I can tell by the way you carry yourself
But if you let me here's what i'll do:
I'll take care of you

I've loved and loved the same as you
so you see i know what you've been through
and if you let me here's what i'll do
I'll take care of you

You won't ever have to worry
You won't ever have to cry
for i'll be there beside you
to dry your weaping eyes

So, darling tell me
that you'll be true
there's no doubt in my mind
know i won't do
and just as sure as one and one is two
I know i'll take care of you
I'll take care of you


Gil Scott-Heron

Wednesday, 20 October 2010

Celebrating Afrika's Beaut(ies)y With Pride



This Day in 2010







Lady - Manu Dibango, feat. Ray Phiri
(Fela Kuti)







Lady - Manu Dibango, feat. Ray Phiri
(Fela Kuti)

Venus Through Time & Space... [R]*







[E Lucevan Le Stelle - from Puccini's Tosca]










[...lol...]



[Je Crois Entendre Encore - from Bizet's The Pearlfishers]



N.B.: To readers who might understandably be baffled by this and a few other seemingly cryptic and outlandish posts on this blog: it was my response to a white supremacist female blogger in Angola who, in the context of a series of personal attacks against this blog’s author, issued a post depicting the “evolution of Venus through time” including only “white venus(es)” with a comment according to which the first one (also the first on this post) was “the most Tosca but not the Puccini’s”, which in turn was her response to this post
Confused? A “white supremacist female blogger” in Angola?
Yes! And not just that: she is a white blonde bombshell and european classical ballet dancer, who owns a dance company where she only 'includes' black men, against whom some years ago a group of Angolan citizens issued an open letter accusing her of "social and racial discriminatory practices and statements", but, and certainly not unrelatedly, who of late got to maskerading herself as the Chokwe ancestral dancer Mwana Pwo and was awarded a few years ago the “National Prize for Culture and Arts” in the Dance category, which makes her pose as “more Angolan/African than thou”! And, interestingly enough, apparently she is “unconditionally supported” by the powers that be in her relentless shenanigans...

Et voila’: That’s Africa for some of us!…


*[First posted 11/09/10]







[E Lucevan Le Stelle - from Puccini's Tosca]










[...lol...]



[Je Crois Entendre Encore - from Bizet's The Pearlfishers]



N.B.: To readers who might understandably be baffled by this and a few other seemingly cryptic and outlandish posts on this blog: it was my response to a white supremacist female blogger in Angola who, in the context of a series of personal attacks against this blog’s author, issued a post depicting the “evolution of Venus through time” including only “white venus(es)” with a comment according to which the first one (also the first on this post) was “the most Tosca but not the Puccini’s”, which in turn was her response to this post
Confused? A “white supremacist female blogger” in Angola?
Yes! And not just that: she is a white blonde bombshell and european classical ballet dancer, who owns a dance company where she only 'includes' black men, against whom some years ago a group of Angolan citizens issued an open letter accusing her of "social and racial discriminatory practices and statements", but, and certainly not unrelatedly, who of late got to maskerading herself as the Chokwe ancestral dancer Mwana Pwo and was awarded a few years ago the “National Prize for Culture and Arts” in the Dance category, which makes her pose as “more Angolan/African than thou”! And, interestingly enough, apparently she is “unconditionally supported” by the powers that be in her relentless shenanigans...

Et voila’: That’s Africa for some of us!…


*[First posted 11/09/10]

Olhem quem esta' na capa da ultima Vanity Fair...

Dama de Xangai pra presidencia - ja'! ... [R]*



O BD (a.k.a. Banda Desenhada) ke komece ja' a kampanha se ker ganhar as proximas eleicoes!

E' k'essa Dama de Xangai ai' e' ke' memo a unika pura mwangole' ex-mumuila kachokwe' ginwina e autentika dos kwatro kostado (ancestrais dela intao -os pais, os quatro avós, os oito bisavós e os dezasseis trisavós- sao mbora todos nados, vividos, mortos e enterrados nas Lunda) kwale la' kara de pau, kwale ke'?! E ela memo e' ki pika! Essa pobre e insiguinifikante kriatura da Dama Pikante e' melhor le rejeitarem ja'ja', maze' me'!! K'isto num e' pra kem ker, nem pra kem merece, mas so' pra kem p(h)ode!!!

Ela memo, ekonomista kos xinoka le kuiam bwe', e' ki sabe kem ke konstruiu os predio mas alto e mas pikagudo do mundo - kwale la' Kollier kwale ke'!!!

Essa ai' intao e' kritika do sistema a prova de bala, espinafre e kizaka: e' kadera de eskritorio la' no p(h)oder ha' 33 anos mas so' agora e' ke'sta' sair da klandistinidade e do seu cirkulo restrito e esta' se dar de ovelha negra kontestataria, xe' num brinka!

Essa dama ai' intao e' ke' estoriadora das supremacia das preta afrikana anglofonas, reporter, jornalista e analista, advogada da paz, kampia da demokracia multipartidaria e apoiante e kontribuinte da primera hora da liberdade de imprensa e dos paskim e membro do komite' da especialidade dos kuribota e ki konhece Angola de Kabinda kate' no Kunene e Afrika do Kabo kate' no Kairo e e' ke ta' por ordem no cirko jornalistiko da banda (desenhada), kwale la' karapau de korrida do p(h)oder kwale ke'! - e ja' xta' na kalha pro proximo Maboke, e anssim ke ja' foi no das Aguas Lusofonas s'infeita' pra le didika' so' la' mbora tambem um buke e nos otro leaos do p(h)oder dela de num le rejeitarem so' e irem so' tambem le lutar em publiko e le pintar kwadro do Tchibinda, e anssim tambem ke foi se akoplar de amiga na ex-komadre da Kalu Pura, agora ta' ir faze' Opa hostil no Roger Rabbit pra le kobra pagamento de le por so' la' mbora tambem na lista dos blog faz favor pa'! Ara xissa o' me'!!!

Pruke ela num e' krapula nem pirigoiza ki nem eskorpiao nem kobra surukuku nem kaskavel nao, aliais kate' ke' muito p(h)oderoiza, afektuoiza, espirituoiza e talentoiza, num e' gorda toska mais sim ilegante kum korpo de violino semi-nu milhor ke o dakela Titika Vomitosa Monstruosa de Merda, mais koberto kum chokolate e kate' usa kolera dos dono do p(h)oder memo anssim ki num e' kadela ki ladra no jornalismo dos kao, num xera katinga nem nada, nem e' kabungada nao senhor (e' dotoranda dos korpo e dos xero e uniko membro dos conselho mundial da danca da Unesku, xe'! E e' tambem mestra dos kabare' de Paris e perita dos kavalo, xe'!) e eh ke' experta da Kalas e dos komba da Kleopatra e de todas musika klassika dos Puxini e mae da danca kontemporanea em Afrika e koreografa-em-chefe do KAN - kwale la' semba, kizomba, kuduro, kwale ke'?!

E tambem e' do morro e num e' banana podre nao, e kum tantos premio pekuniario kum patrocinio do p(h)oder e kum seus kilapie' de kompania de danca kontemporanea privada, privativa, ixklusiva e monopolista de unika e verdadera ikone da danca afrikana e das koreografia dos kan-kan e das maskara, tem bwe' de kumbu e furtuna sim senhor, kem disse ke nao?! kwale la' rika kada vez mas rika e pobre kada vez mas pobre? kwale la' fraude? kwale la'?! Os kaos ladram e a karavana passa, me'... - sinao ela mas os kamba dela do p(h)oder vao so' le por so' la' otra vez kuzu e le tramar a katanada intao e l'interrar so' no saku ue'! Ta' brincar o' ke'? Kwale la' paranoia, kwale la' eskizofrenia, kwale la' psikopatia kwale ke'?!

Essa dama intao ai e' ke' unika e verdadeira kritika literaria, inteleketual e fiminista da eskerda e da direita kontemporanea a prova de bala, espinafre e kizaka, ke sabe tudo das kota do genero sem pricisa' danca o do milindro e num e' nenhuma kriada ke esmola gazoza em dolar ke nem sukata barata do muceke, nem e' saku de pankadaria de mao em mao, nao sinhor! E ate' pruke ja' viu e ja' konto' tudo ke esta' pru baxo dos pano das preta mama das danca kachokwe' - kwale la' ciume, kwale inveja, kwale raiva kwale ke'?!

Kredo! Si as outras preta bizuga santolas patetas alegre das rossa de kakao kate' ke ja' les deram logo logo kuluna kativa nos paskim dos kriolo kuribotas so' pra irem se maguelar e debikar no prato do blog da Kalu Pura e depois le pizar... ufff ...e le kuspir encima... ufff ... e inda pru cima se auto-promoverem e encherem os poket, pruke k'ela ke' dona e mae kalibrada dessa arte bakoka na blogosfera e (de)mais alem e kate' foi la' no blog da Kalu Pura buska' ngunza pra ressuscita do dia pra noite a tar kompania ki ja' andava morrida ha mas de dez ano e e' experta de debitar patetice e inda pru cima e' puro kahombo ki pika kum xidi e dondoka kum kimBUNDAria esperancosa, mataku ki xega e ki basta, kostas larga, luvas e ingles a kondizer, e memo toda anorexika ou bulimika ou ke' la' e kum akelas keixada e dentussa de kavalgadura anda toda axada ke' Jessika Rabbit bwe' irrisistivel e e' uniko item ke num merece ser abortado nem se suicida' em grande estilo, num estao a le dar so' la' nada pruke?! Xtao so' a le faze' sobra' atoa pruke?! Aka!!!

Num pode! E' so' porke' branka ne'? E' diskriminacao racika, ne'?! Temo ke defender o ke' nosso, ara xissa ome'! Pruke' promove' uns e nao os otro? Num podem ser sempre os mesmo a binificiar pa'! Kwale la' luta, kwale la' konkista kwale ke'? E' memo so' direto natural de nascencia da propria dama, me'! Temo memo ki faze kampanha, pa', k'esse mundo e' dos esperto e kamarao ki dorme a onda leva! Kwale la' subitileza, kwale la' eskrupulo, kwale la' ridikulo kwale ke'?! Kem num xora num mama, xe'!... Ir la' na Muxima xora' so' um koxito no ritimo do papa bento do kuduro krispado num vai, mas akridita ki o deus dela e' p(h)oderoizo... xe'... Ja' viram?!


... "E' 'Miss Xuva' O' Ke'?!" ...


E' kobra o' ke'?!


E' jiboia!!!


Porraaaaa!!!!!!!


{E nois aki, ex-mwangoles monstruosos bem kolokados nus nosso lugar, kate' ke ja' xtamos hilariantemente a se morder e a morrer so' d'inveja da retumbante viktoria ke se anuncia!!!... E' De-Maaaaaiiiis neinh?!}


*[First posted 27/09/10]





O BD (a.k.a. Banda Desenhada) ke komece ja' a kampanha se ker ganhar as proximas eleicoes!

E' k'essa Dama de Xangai ai' e' ke' memo a unika pura mwangole' ex-mumuila kachokwe' ginwina e autentika dos kwatro kostado (ancestrais dela intao -os pais, os quatro avós, os oito bisavós e os dezasseis trisavós- sao mbora todos nados, vividos, mortos e enterrados nas Lunda) kwale la' kara de pau, kwale ke'?! E ela memo e' ki pika! Essa pobre e insiguinifikante kriatura da Dama Pikante e' melhor le rejeitarem ja'ja', maze' me'!! K'isto num e' pra kem ker, nem pra kem merece, mas so' pra kem p(h)ode!!!

Ela memo, ekonomista kos xinoka le kuiam bwe', e' ki sabe kem ke konstruiu os predio mas alto e mas pikagudo do mundo - kwale la' Kollier kwale ke'!!!

Essa ai' intao e' kritika do sistema a prova de bala, espinafre e kizaka: e' kadera de eskritorio la' no p(h)oder ha' 33 anos mas so' agora e' ke'sta' sair da klandistinidade e do seu cirkulo restrito e esta' se dar de ovelha negra kontestataria, xe' num brinka!

Essa dama ai' intao e' ke' estoriadora das supremacia das preta afrikana anglofonas, reporter, jornalista e analista, advogada da paz, kampia da demokracia multipartidaria e apoiante e kontribuinte da primera hora da liberdade de imprensa e dos paskim e membro do komite' da especialidade dos kuribota e ki konhece Angola de Kabinda kate' no Kunene e Afrika do Kabo kate' no Kairo e e' ke ta' por ordem no cirko jornalistiko da banda (desenhada), kwale la' karapau de korrida do p(h)oder kwale ke'! - e ja' xta' na kalha pro proximo Maboke, e anssim ke ja' foi no das Aguas Lusofonas s'infeita' pra le didika' so' la' mbora tambem um buke e nos otro leaos do p(h)oder dela de num le rejeitarem so' e irem so' tambem le lutar em publiko e le pintar kwadro do Tchibinda, e anssim tambem ke foi se akoplar de amiga na ex-komadre da Kalu Pura, agora ta' ir faze' Opa hostil no Roger Rabbit pra le kobra pagamento de le por so' la' mbora tambem na lista dos blog faz favor pa'! Ara xissa o' me'!!!

Pruke ela num e' krapula nem pirigoiza ki nem eskorpiao nem kobra surukuku nem kaskavel nao, aliais kate' ke' muito p(h)oderoiza, afektuoiza, espirituoiza e talentoiza, num e' gorda toska mais sim ilegante kum korpo de violino semi-nu milhor ke o dakela Titika Vomitosa Monstruosa de Merda, mais koberto kum chokolate e kate' usa kolera dos dono do p(h)oder memo anssim ki num e' kadela ki ladra no jornalismo dos kao, num xera katinga nem nada, nem e' kabungada nao senhor (e' dotoranda dos korpo e dos xero e uniko membro dos conselho mundial da danca da Unesku, xe'! E e' tambem mestra dos kabare' de Paris e perita dos kavalo, xe'!) e eh ke' experta da Kalas e dos komba da Kleopatra e de todas musika klassika dos Puxini e mae da danca kontemporanea em Afrika e koreografa-em-chefe do KAN - kwale la' semba, kizomba, kuduro, kwale ke'?!

E tambem e' do morro e num e' banana podre nao, e kum tantos premio pekuniario kum patrocinio do p(h)oder e kum seus kilapie' de kompania de danca kontemporanea privada, privativa, ixklusiva e monopolista de unika e verdadera ikone da danca afrikana e das koreografia dos kan-kan e das maskara, tem bwe' de kumbu e furtuna sim senhor, kem disse ke nao?! kwale la' rika kada vez mas rika e pobre kada vez mas pobre? kwale la' fraude? kwale la'?! Os kaos ladram e a karavana passa, me'... - sinao ela mas os kamba dela do p(h)oder vao so' le por so' la' otra vez kuzu e le tramar a katanada intao e l'interrar so' no saku ue'! Ta' brincar o' ke'? Kwale la' paranoia, kwale la' eskizofrenia, kwale la' psikopatia kwale ke'?!

Essa dama intao ai e' ke' unika e verdadeira kritika literaria, inteleketual e fiminista da eskerda e da direita kontemporanea a prova de bala, espinafre e kizaka, ke sabe tudo das kota do genero sem pricisa' danca o do milindro e num e' nenhuma kriada ke esmola gazoza em dolar ke nem sukata barata do muceke, nem e' saku de pankadaria de mao em mao, nao sinhor! E ate' pruke ja' viu e ja' konto' tudo ke esta' pru baxo dos pano das preta mama das danca kachokwe' - kwale la' ciume, kwale inveja, kwale raiva kwale ke'?!

Kredo! Si as outras preta bizuga santolas patetas alegre das rossa de kakao kate' ke ja' les deram logo logo kuluna kativa nos paskim dos kriolo kuribotas so' pra irem se maguelar e debikar no prato do blog da Kalu Pura e depois le pizar... ufff ...e le kuspir encima... ufff ... e inda pru cima se auto-promoverem e encherem os poket, pruke k'ela ke' dona e mae kalibrada dessa arte bakoka na blogosfera e (de)mais alem e kate' foi la' no blog da Kalu Pura buska' ngunza pra ressuscita do dia pra noite a tar kompania ki ja' andava morrida ha mas de dez ano e e' experta de debitar patetice e inda pru cima e' puro kahombo ki pika kum xidi e dondoka kum kimBUNDAria esperancosa, mataku ki xega e ki basta, kostas larga, luvas e ingles a kondizer, e memo toda anorexika ou bulimika ou ke' la' e kum akelas keixada e dentussa de kavalgadura anda toda axada ke' Jessika Rabbit bwe' irrisistivel e e' uniko item ke num merece ser abortado nem se suicida' em grande estilo, num estao a le dar so' la' nada pruke?! Xtao so' a le faze' sobra' atoa pruke?! Aka!!!

Num pode! E' so' porke' branka ne'? E' diskriminacao racika, ne'?! Temo ke defender o ke' nosso, ara xissa ome'! Pruke' promove' uns e nao os otro? Num podem ser sempre os mesmo a binificiar pa'! Kwale la' luta, kwale la' konkista kwale ke'? E' memo so' direto natural de nascencia da propria dama, me'! Temo memo ki faze kampanha, pa', k'esse mundo e' dos esperto e kamarao ki dorme a onda leva! Kwale la' subitileza, kwale la' eskrupulo, kwale la' ridikulo kwale ke'?! Kem num xora num mama, xe'!... Ir la' na Muxima xora' so' um koxito no ritimo do papa bento do kuduro krispado num vai, mas akridita ki o deus dela e' p(h)oderoizo... xe'... Ja' viram?!


... "E' 'Miss Xuva' O' Ke'?!" ...


E' kobra o' ke'?!


E' jiboia!!!


Porraaaaa!!!!!!!


{E nois aki, ex-mwangoles monstruosos bem kolokados nus nosso lugar, kate' ke ja' xtamos hilariantemente a se morder e a morrer so' d'inveja da retumbante viktoria ke se anuncia!!!... E' De-Maaaaaiiiis neinh?!}


*[First posted 27/09/10]



Tuesday, 19 October 2010

The death of Jimmy Mubenga


Three men have been arrested by police in connection with the death of Jimmy Mubenga, an Angolan refugee who collapsed while being escorted on a flight from Heathrow airport in London. The Metropolitan police confirmed that the men were interviewed by police "by appointment" at a west London police station and released on bail.
Mubenga, 46, died after losing consciousness on BA flight 77 around 8pm last Tuesday. Four passengers have since told the Guardian they saw three security guards heavily restraining Mubenga, who they said consistently complained about his breathing.
The three guards worked for G4S, a private security firm contracted to escort deportees for the Home Office.
Those arrested are aged 35, 48 and 49 and were questioned by police under caution today. None have been charged, and police sources said they were interviewed "in connection" with the death.
In a statement, Scotland Yard said: "Police investigating the circumstances surrounding the death of Jimmy Mubenga in west London have today arrested three men by appointment at a West London police station.
"All have been bailed to a date in December pending further inquiries. Inquiries continue to establish the full circumstances of the incident. The death is being treated as unexplained at this stage."
According to the witnesses who spoke to the Guardian, Mubenga was handcuffed and sat between two guards at the rear of the aircraft. They kept him restrained in his seat as he began shouting and seeking to resist his deportation.
The passengers, who were sat nearby, reported Mubenga shouting "I can't breathe" before finally passing out.
Police and paramedics were called when Mubenga lost consciousness, and the aircraft, which had been due to take off, returned to the terminal.
The Home Office and British Airways have all declined to comment . G4S said in a statement: "Three of our employees are continuing to help the police with their investigation. As a result of that ongoing investigation we are unable to provide additional comment at this time."
Scotland Yard's homicide unit took over the investigation on Friday after the death became categorised as "unexplained". Detectives based at Heathrow were previously investigating the death and had interviewed passengers on the flight.
An initial postmortem on Mubenga's body took place at Hillingdon mortuary 48 hours after his death and was inconclusive, but experts are awaiting the results of laboratory tests. "Further tests will be conducted in due course in order to establish the cause of death," the police statement said.
Last week MPs called for a "wide-ranging and independent inquiry" into the UK's deportation system in light of the death.
Keith Vaz, chair of the Commons home affairs select committee, added that he would be writing to the home secretary, Theresa May, and G4S about possible questions surrounding the death.
"If, as eyewitness reports suggest, Mr Mubenga was complaining of breathing difficulties, questions must be asked as to why help was not called for sooner," he said.
"I will be writing to both the home secretary and G4S on this matter whilst awaiting the outcome of police investigations. When removing people from the UK, human rights must be fully respected at all times."
Mubenga's family have called on witnesses to come forward. "I want the truth to come out," said his son Roland, 16. "That's what I want so I know how my father passed away."
Tonight a fifth passenger on the aircraft came forward to echo concerns about Mubenga's treatment. The witness did not want to be identified, but recalled how - in an apparent reference to the failure of fellow passengers, who did not intervene - Mubenga said: "What kind of people are you that you do nothing?"

[here]


The horrific death of an asylum seeker, Jimmy Mubenga, forced to return to Angola on a flight from London's Heathrow, comes as no surprise to anyone who knows about the asylum system in Britain. Thirty-eight people have died in asylum- and immigration-related deaths in the last 18 months across Europe. The death of 29-year-old Nigerian Joseph Ndukaku Chiakwa, for example, being deported from Zurich to Lagos in March 2010, after having been on hunger strike and bound up like a parcel in a so-called level 4 procedure, has many similarities with what happened to Mubenga. Research from the Institute of Race Relations reveals that at least 14 people have died since 1991 in a similar way during attempted forced deportation from Europe.
Mubenga appears to have died in a physically brutal deportation at the hands of private security guards from G4S – the first such death in the UK since that of Joy Gardner in 1993 at the hands of "specialist" police officers.
What will happen now in Mubenga's case? There will be inquiries; the police, the UK Border Agency, G4S, a coroner, will all conduct investigations of sorts. But even if there is sufficient evidence to justify the file being passed to the Crown Prosecution Service, a successful prosecution seems unlikely. The first and last time state officials were successfully prosecuted for involvement in the death of a black person was in November 1971, when two police officers received short criminal sentences for involvement in the death of a homeless Nigerian migrant, David Oluwale.

[here]



Jimmy Mubenga's wife: 'The children can't stop crying'
Makenda Kambana on her husband's struggle to resist deportation from the UK to Angola and her last conversation with him before he died

[here]



Jimmy Mubenga's son: 'I want the truth to come out'
Roland Mubenga, 16, speaks out about the death of his father, which happened after he was restrained on a flight intended to deport him to Angola

[here]

Three men have been arrested by police in connection with the death of Jimmy Mubenga, an Angolan refugee who collapsed while being escorted on a flight from Heathrow airport in London. The Metropolitan police confirmed that the men were interviewed by police "by appointment" at a west London police station and released on bail.
Mubenga, 46, died after losing consciousness on BA flight 77 around 8pm last Tuesday. Four passengers have since told the Guardian they saw three security guards heavily restraining Mubenga, who they said consistently complained about his breathing.
The three guards worked for G4S, a private security firm contracted to escort deportees for the Home Office.
Those arrested are aged 35, 48 and 49 and were questioned by police under caution today. None have been charged, and police sources said they were interviewed "in connection" with the death.
In a statement, Scotland Yard said: "Police investigating the circumstances surrounding the death of Jimmy Mubenga in west London have today arrested three men by appointment at a West London police station.
"All have been bailed to a date in December pending further inquiries. Inquiries continue to establish the full circumstances of the incident. The death is being treated as unexplained at this stage."
According to the witnesses who spoke to the Guardian, Mubenga was handcuffed and sat between two guards at the rear of the aircraft. They kept him restrained in his seat as he began shouting and seeking to resist his deportation.
The passengers, who were sat nearby, reported Mubenga shouting "I can't breathe" before finally passing out.
Police and paramedics were called when Mubenga lost consciousness, and the aircraft, which had been due to take off, returned to the terminal.
The Home Office and British Airways have all declined to comment . G4S said in a statement: "Three of our employees are continuing to help the police with their investigation. As a result of that ongoing investigation we are unable to provide additional comment at this time."
Scotland Yard's homicide unit took over the investigation on Friday after the death became categorised as "unexplained". Detectives based at Heathrow were previously investigating the death and had interviewed passengers on the flight.
An initial postmortem on Mubenga's body took place at Hillingdon mortuary 48 hours after his death and was inconclusive, but experts are awaiting the results of laboratory tests. "Further tests will be conducted in due course in order to establish the cause of death," the police statement said.
Last week MPs called for a "wide-ranging and independent inquiry" into the UK's deportation system in light of the death.
Keith Vaz, chair of the Commons home affairs select committee, added that he would be writing to the home secretary, Theresa May, and G4S about possible questions surrounding the death.
"If, as eyewitness reports suggest, Mr Mubenga was complaining of breathing difficulties, questions must be asked as to why help was not called for sooner," he said.
"I will be writing to both the home secretary and G4S on this matter whilst awaiting the outcome of police investigations. When removing people from the UK, human rights must be fully respected at all times."
Mubenga's family have called on witnesses to come forward. "I want the truth to come out," said his son Roland, 16. "That's what I want so I know how my father passed away."
Tonight a fifth passenger on the aircraft came forward to echo concerns about Mubenga's treatment. The witness did not want to be identified, but recalled how - in an apparent reference to the failure of fellow passengers, who did not intervene - Mubenga said: "What kind of people are you that you do nothing?"

[here]


The horrific death of an asylum seeker, Jimmy Mubenga, forced to return to Angola on a flight from London's Heathrow, comes as no surprise to anyone who knows about the asylum system in Britain. Thirty-eight people have died in asylum- and immigration-related deaths in the last 18 months across Europe. The death of 29-year-old Nigerian Joseph Ndukaku Chiakwa, for example, being deported from Zurich to Lagos in March 2010, after having been on hunger strike and bound up like a parcel in a so-called level 4 procedure, has many similarities with what happened to Mubenga. Research from the Institute of Race Relations reveals that at least 14 people have died since 1991 in a similar way during attempted forced deportation from Europe.
Mubenga appears to have died in a physically brutal deportation at the hands of private security guards from G4S – the first such death in the UK since that of Joy Gardner in 1993 at the hands of "specialist" police officers.
What will happen now in Mubenga's case? There will be inquiries; the police, the UK Border Agency, G4S, a coroner, will all conduct investigations of sorts. But even if there is sufficient evidence to justify the file being passed to the Crown Prosecution Service, a successful prosecution seems unlikely. The first and last time state officials were successfully prosecuted for involvement in the death of a black person was in November 1971, when two police officers received short criminal sentences for involvement in the death of a homeless Nigerian migrant, David Oluwale.

[here]



Jimmy Mubenga's wife: 'The children can't stop crying'
Makenda Kambana on her husband's struggle to resist deportation from the UK to Angola and her last conversation with him before he died

[here]



Jimmy Mubenga's son: 'I want the truth to come out'
Roland Mubenga, 16, speaks out about the death of his father, which happened after he was restrained on a flight intended to deport him to Angola

[here]

Sunday, 17 October 2010

Just Poetry xxviii

Africa’s Plea

Don’t preserve my customs

As some fine curios

To suit some white historian’s
tastes.

There’s nothing artificial

That beats the natural way

In culture and ideals of life.

Let me play with the whiteman’s
ways

Let me work with the blackman’s
brains

Let my affairs themselves sort
out.

Then in sweet rebirth

I’ll rise a better man

Not ashamed to face the

world.


Dennis Chukude Osadebay

Africa Sings, 1952

Saturday, 16 October 2010

O Estado da Nacao

Pela inovacao que constitui na vida politico-institucional angolana, o discurso sobre o Estado da Nacao, proferido ontem no acto de abertura do ano parlamentar angolano pelo Presidente Jose’ Eduardo dos Santos, nao pode deixar de se tornar uma fonte incontornavel de referencia presente e futura para os mais diversos propositos.

Foi uma longa e detalhada peroracao pela evolucao da situacao economica, socio-politica e militar do pais ao longo dos ultimos anos desde 2002.

Ficamos a saber do 'estado da nacao' pela optica do Chefe de Estado. Precisamos agora de colocar essa optica em perspectiva perante aquilo que o confronto dos numeros e dos programas apresentados com a realidade experienciada pelos agentes economicos nacionais e estrangeiros e os cidadaos em geral, no passado recente e no futuro proximo, nos ditar como sendo o “verdadeiro estado da nacao” - que podera', ou nao, coincidir com o que ora nos e' oferecido, dependendo dos criterios adoptados por cada um...

Por enquanto, deixarei aqui apenas algumas passagens (edicao e sub-titulos meus) que me pareceram particularmente relevantes para esse exercicio.


OVERVIEW

Mesmo nos momentos mais difíceis, o Povo angolano não se deixou vergar pelo desânimo, pelo desespero ou pelo pessimismo. Pelo contrário: foi precisamente nesses momentos que ele se ergueu, levantando a cabeça, ganhando forças e partindo firme e unido rumo à vitória. Com essa atitude conquistámos a Independência, a Democracia e a Paz. Com essa atitude consolidámos a Unidade Nacional e começámos a Reconstrução do país.

Hoje e agora outros desafios se nos apresentam, como a construção do desenvolvimento e do bem-estar, o controlo da imigração ilegal e das nossas fronteiras, etc.

Apesar dos previsíveis obstáculos, não há dúvidas que também desta vez havemos de triunfar. Não há metas impossíveis na trajectória de um povo quando ele se propõe lutar com fé, realismo e abnegação. Acreditando em nós próprios e nas nossas capacidades já desbravámos meio caminho para o sucesso!

O resto do percurso depende da nossa clarividência política, da definição correcta dos objectivos, do planeamento das acções, da organização do trabalho e do método a empregar para o cumprimento das nossas tarefas. Depende igualmente dos recursos humanos, financeiros e materiais com que podemos contar ou criar.

Será tudo isto, conjugado com uma atitude responsável perante o trabalho e a disciplina, com honestidade, com transparência e boa governação que nos pode levar ao êxito e à satisfação plena pela realização dos nossos sonhos.

OS NUMEROS DO CRESCIMENTO ECONOMICO

O país está em fase de reconstrução material e espiritual depois de um longo período de guerra.

Entre 2002 e 2008 o Produto Interno Bruto (PIB) multiplicou-se por 2,6 e a taxa média anual de crescimento cifrou-se em 14,6 por cento. Mesmo tendo em conta a inflação, o indicador das condições gerais de vida das populações, cresceu cerca de três meses, correspondendo ao um aumento médio anual de 20%. Importa observar que o crescimento do Produto Interno Bruto Não Petrolífero se mostrou mais dinâmico do que o do Produto Interno Petrolífero durante o período em referência.

Com efeito, a taxa média de crescimento anual do PIB não petrolífero foi de 13,3 por cento, contra 10,9 por cento do PIB petrolífero. Este resultado atesta o sucesso da política de diversificação da economia, indispensável para se assegurar o crescimento do emprego e o equilíbrio territorial em termos de desenvolvimento.

O desempenho excepcional da actividade económica nesses oito anos de paz teve também reflexos positivos sobre a Balança de Pagamento e sobre as Finanças Públicas. Por causa do forte crescimento da actividade petrolífera, o saldo da conta corrente da Balança de Pagamentos apresentou-se positivo em todos os anos entre 2002 e 2008. Nesse último ano, o saldo foi da ordem de 533 mil, 210 milhões de Kwanzas, equivalentes a 7 mil milhões de dólares, correspondente a 20,8 por cento do PIB.

A estabilidade do kwanza face ao dólar norte-americano foi um dos traços marcantes da política monetária desse período. A taxa de inflação anual caiu de 105,6 por cento, em 2002, para 13,17 por cento, em 2008. As reservas internacionais líquidas atingiram o montante de 18 mil, 11 milhões e 900 mil dólares em 31 de Dezembro de 2008.

Foi um factor imponderável de carácter global que quebrou este ritmo de crescimento da economia nacional. Refiro-me à crise financeira internacional que atingiu de forma acentuada o nosso país.

EFEITOS DA CRISE

Por essa e outras razões, as reservas internacionais líquidas do país diminuíram de forma acentuada nos primeiros meses do ano de 2009 e foi preciso agir prontamente, para evitar que a procura injustificada pela moeda estrangeira colocasse uma crise cambial mais grave ainda.

O Executivo começou por tomar medidas na área fiscal, reduzindo de forma acentuada e selectiva a despesa pública para fazer face à brusca e violenta queda da receita tributária e a seguir, de forma mais incisiva, harmonizou a sua acção com a do Banco Nacional de Angola, para que este aperfeiçoasse a gestão da política monetária e reduzisse o excesso de liquidez existente na economia.

Neste contexto, o Executivo passou a financiar parte da despesa pública com recursos obtidos da venda de títulos da dívida pública ou bilhetes do Tesouro Nacional. Adoptadas as medidas necessárias no plano interno, que foram integradas num Programa de Estabilização consistente, firmou-se um Acordo ‘Stand By’ com o Fundo Monetário Internacional no terceiro trimestre de 2009.

Esse acordo serviu para captar mais recursos financeiros para a nossa Balança de Pagamentos e significou também um reconhecimento internacional da correcção e oportunidade das medidas de ajuste que haviam sido implementadas pelo Governo ao longo desse ano, que permitiram proteger as reservas internacionais líquidas e assegurar a estabilidade macroeconómica do país.

À avaliação positiva da nossa política económica seguiram-se, no primeiro trimestre do corrente ano, as classificações de ‘rating’ soberano da economia angolana feitas pelas três principais agências internacionais especializadas na matéria.

O ‘rating’ positivo no contexto das economias com o mesmo perfil económico de Angola, para além de conferir prestígio ao país, reforçou a convicção de que estávamos, e continuamos, no caminho certo para a superação das consequências negativas da crise financeira internacional sobre a nossa economia.

Nesta perspectiva, a dívida acumulada, que é também uma consequência da crise, começou a ser saldada em Abril deste ano. A economia angolana continua a crescer, mesmo que seja a um ritmo mais moderado. A taxa de crescimento do PIB em 2009 foi de 2,4 por cento. A inflação subiu apenas um por cento, apesar da forte depreciação do kwanza neste ano. As reservas internacionais líquidas foram estabilizadas no final de 2009 e recuperaram rapidamente em 2010.

Depois de ter sofrido a referida depreciação em 2009, o Kwanza começou a valorizar-se a partir do primeiro trimestre do ano corrente e estabilizou no patamar de 90 Kwanzas o Dólar no mercado primário. As reservas internacionais líquidas do país, entretanto, atingiram valores superiores a 1 trilião, 10 mil e 862 milhões de kwanzas, equivalentes a 12 mil e 635 milhões de dólares, no final do último semestre.

ESTIMATIVAS E PROGRAMAS DE CURTO PRAZO

A estimativa para o crescimento da economia mundial em 2010 é de 6,3 por cento, sendo 4,7 para a África Subsaariana. Para Angola, esperamos um crescimento de cerca de 4,5 por cento, mas com a perspectiva concreta de aceleração para cerca de 8 por cento em 2011, graças aos esforços que serão feitos no próximo ano para a retoma dos investimentos públicos e privados.

O crescimento já assegurado para 2010 apoiou-se fundamentalmente na diversificação das actividades económicas, de acordo com as orientações estratégicas do Executivo. Nesse sentido, para o PIB não petrolífero perspectiva-se um crescimento de 5,7 por cento, liderado pelos sectores da agricultura, da energia, da indústria transformadora e dos serviços mercantis.

O ano de 2010 foi fundamental também para garantirmos os pressupostos do desenvolvimento sustentado, ainda que a economia petrolífera mundial não venha a atingir a pujança que teve antes da crise de 2008/2009. O Executivo, com efeito, obteve uma melhoria significativa nas contas fiscais, sendo o saldo previsto no OGE Revisto de 2010 de cerca de 1,5 por cento do PIB.

Estes resultados irão consolidar a recuperação da poupança do Estado para assegurar a ampliação do Programa de Investimentos Públicos em 2011, sem que se ponha em risco a sustentabilidade da dívida pública. Os investimentos prioritários serão destinados à conclusão dos projectos que estão em curso e à manutenção, conservação e boa exploração dos que já entraram em funcionamento.

Os investimentos nas infra-estruturas económicas permitirão criar melhores condições para a realização de investimentos privados e estes, por sua vez, irão sustentar a diversificação da economia. Neste contexto as entidades competentes deverão prestar especial atenção a variação média mensal da taxa de inflação, nos primeiros oito meses deste ano, mostrou-se moderada, na ordem de 1,01 por cento. Ainda no mesmo período, o efeito do mercado de cambiais sobre a inflação mostrou-se moderado, com uma flutuação de menos de 1 por cento.

Estes indicadores, associados a um exercício comedido de condução da política económica nos próximos meses, permitir-nos-á situar bem próximos da média programada à taxa de inflação. Entretanto, o comportamento histórico da inflação no país tem-se mostrado moderado ao longo do ano, mas incorpora uma tendência sazonal de alta nos últimos meses de cada ano, devido a factores estruturais de demanda e, sobretudo, a actuações especulativas de alguns agentes económicos oportunistas.

No entanto, o Executivo está a terminar um estudo sobre as causas reais da inflação em Angola, de modo a concluir se esta é importada ou se resulta do financiamento do défice causado pela despesa pública. Pois os seus efeitos incidem sobre os altos patamares actuais das taxas de juros em termos de medidas adequadas para estimular o investimento e o crédito.

Por outro lado, o Executivo iniciou um programa de reorganização das Finanças Públicas, com apoio de conceituadas consultorias externas, tendo como propósito central fortalecer o relacionamento institucional entre o Banco Nacional de Angola e os Ministérios das Finanças, do Planeamento e da Administração, Emprego e Segurança Social e também reforçar a observância dos procedimentos e das boas práticas universalmente aceites, de modo a garantir a execução eficiente e eficaz da despesa pública e a elevar os níveis de arrecadação da receita.

Com efeito, pretendemos níveis de inflação que não onerem as taxas de juros, encarecendo assim o crédito, como já disse há pouco tempo. Para esse efeito, não bastam apenas as medidas gerais de política macroeconómica. O Executivo deverá ainda adoptar novas acções directas sobre as causas da permanência de níveis ainda elevados de preços no nosso país, quando comparados com os níveis de preços médios de outros países em desenvolvimento.

Está elaborado um estudo objectivo, amplo e minucioso sobre a formação dos preços dos bens e serviços no nosso país, na base do qual serão em breve anunciadas medidas, com destaque para a criação de uma instituição de supervisão dos preços e da concorrência.

PROGRAMAS SOCIAIS

O objectivo principal do Executivo é a constante melhoria da qualidade de vida do Povo angolano. Ele, o Executivo, está determinado a aumentar de modo sistemático os meios financeiros para os programas sociais, de forma a superar a actual meta mínima de 30 por cento dos recursos previstos no Orçamento Geral do Estado. Nesse sentido, é de se reconhecer que já foram obtidos nos últimos anos importantes progressos e melhorias, como o demonstram alguns dos principais resultados do recente Inquérito Integrado sobre o Bem-estar da População.

O sector em que a situação é muito mal é o da habitação. Mais de 70% das famílias angolanas não têm casa condigna. Neste domínio teremos que fazer um grande esforço, eu diria um esforço gigantesco para revertermos a actual situação.

COMBATE A FOME E A POBREZA

O combate à fome e a luta pela redução e erradicação da pobreza, pelo seu impacto na vida da população, constituem dois dos maiores desafios que se colocam hoje ao Estado angolano, pois são preponderantes para se construir uma sociedade mais próspera e de justiça social. Estes dois problemas problemas estão a ser tratados numa dupla perspectiva, isto é no quadro da execução da politica macroeconómica e no âmbito de uma desconcentração administrativa mais forte e especificamente ligada aos locais onde se concentram os focos de pobreza.

Daí que o Executivo esteja a implementar programas municipais integrados de desenvolvimento rural e de combate à fome a pobreza, pressupondo maior participação comunitária, fiscalização local, execução e implementação de acções pela própria comunidade e decisões em conselhos de concertação social. Os programas integrados de combate à fome e a pobreza incluem acções no domino da saúde e da educação, das infra-estruturas básicas, do comercio rural, da agua e energia, da produção local e da formação profissional.

O Executivo aprovou, uma linha de crédito de um valor em Kwanzas equivalentes a 350 milhões de dólares e fundos para a promoção de micro-crédito, aos quais têm acesso os pequenos e médios agricultores, destinado em especial a apoiar a agricultura familiar e a população camponesa desfavorecida.

INCENTIVOS AO EMPRESARIADO NACIONAL

O empresariado nacional também beneficiará de medidas específicas no quadro do fomento e promoção das pequenas e médias empresas e de novos estímulos para a formação de grandes empresas angolanas.

O Executivo para adoptar uma política consistente de promoção das empresa privadas angolanas, por forma à que os cidadãos nacionais tenham cada vez maior intervenção em actividades produtivas, como já está a ocorrer com sucesso nos sectores petrolífero e diamantífero.

Todas essas medidas visam a inserção competitiva da economia angolana no contexto internacional, pois a realidade da globalização impõe uma estratégia de crescimento não só apoiada na diversificação, mas também com alguma selectividade sectorial, na qual o Estado deverá assumir um papel de liderança.

Por essa razão estão a ser feitos esforços para melhorar a coordenação institucional, principalmente no sector produtivo da distribuição e do comércio, de modo a que os programas e projectos atinjam as metas fixadas.

Esta nova filosofia ajudará também a identificar os produtos com peso significativo na Balança de Pagamentos que, uma vez produzidos em larga escala, permitirão substituir ou reduzir gradualmente as importações. Temos perfeita consciência que só deste modo poderemos aumentar a oferta interna de bens e serviços, o emprego e os rendimentos das famílias.

EDUCAÇÃO CÍVICA E MORAL

Por último, mas não em importância, devemos conferir especial atenção à educação cívica e moral do nosso povo, pois delas depende em grande medida o êxito dos nossos programas de desenvolvimento e a nossa projecção no mundo.

A formação cívica, moral e ambiental dos cidadãos e das populações, deve levá-los a compreender a necessidade de respeitar o seu semelhante e a propriedade alheia, de conviver de forma harmoniosa na sociedade, de cuidar dos bens públicos e do ambiente e de contribuir de forma consciente para o bem geral.

A responsabilidade dessa acção cabe em grande parte à comunicação social, que para além da sua função informativa, deve também primar pela promoção da nossa identidade cultural, dos princípios éticos e dos valores morais e cívicos que são já património adquirido da humanidade.

REFORÇO INSTITUCIONAL

A Constituição, associada à paz e estabilidade que o país vive, veio pôr termo à transição política e proporcionar as condições políticas e jurídico-constitucionais adequadas à implementação de um programa de institucionalização de um Estado Social de Direito.

Deste modo, o reforço institucional do Estado deve ter como principais eixos uma nova cultura organizacional e estrutural, por um lado, e, por outro, a gestão por objectivos e a avaliação de resultados.

Reconhecemos que o nosso sistema judicial tem um funcionamento deficiente, existindo normas desajustadas da realidade actual e pouco consentâneas com a edificação de um Estado de Direito que, como sabemos, só poderá existir se nele houver um Estado de Justiça.

AGENDA POLÍTICA INTERNACIONAL

Na sua postura perante as mais distintas questões da agenda política internacional, pautou-se pela coerência de posições e pela fidelidade aos princípios fundamentais que regem o funcionamento da comunidade internacional, traduzindo assim a perfeita consonância entre estes princípios e os que norteiam a salvaguardada dos interesses nacionais num mundo globalizado e cada vez mais complexo.

No domínio das Relações Exteriores vamos continuar, por isso, a desenvolver e reforçar as relações de amizade e cooperação, com vantagens recíprocas para todas as partes envolvidas.

Ao mesmo tempo, Angola vai manter a sua inelutável vocação de ser um factor de paz, estabilidade e desenvolvimento não só das sub-regiões em que está inscrita, como a SADC, a CEEAC e o Golfo da Guiné, mas também de apoio a países a que nos ligam profundos laços históricos e de amizade, como está agora a acontecer com a Guiné-Bissau.


CONCLUSAO

Resumindo, são as seguintes as grandes prioridades estratégicas para os próximos anos, visando assegurar a continuação do processo sustentado de desenvolvimento:

i. a preservação da unidade e coesão nacional, com a consolidação da democracia e das instituições;
ii. a garantia dos pressupostos básicos necessários ao desenvolvimento, através da estabilidade financeira e da transformação e diversificação da estrutura económica;
iii. a melhoria da qualidade de vida e a consequente melhoria dos índices de desenvolvimento humano dos angolanos;
iv. o estímulo ao sector privado, em especial ao empresariado angolano;
v. o reforço da inserção competitiva de Angola no contexto internacional.

Para materializar essas grandes prioridades temos, no entanto, de saber equacionar outras grandes questões: com que recursos e fontes de financiamento devemos contar? Que quadros devemos formar em quantidade e qualidade? De que força de trabalho teremos de dispor?

Estas questões também estão a ser equacionadas e tratadas e constituem alguns dos grandes desafios que a Nação angolana tem de vencer nos próximos anos e penso que a Nação angolana vencerá.

[Discurso Integral Aqui]
Pela inovacao que constitui na vida politico-institucional angolana, o discurso sobre o Estado da Nacao, proferido ontem no acto de abertura do ano parlamentar angolano pelo Presidente Jose’ Eduardo dos Santos, nao pode deixar de se tornar uma fonte incontornavel de referencia presente e futura para os mais diversos propositos.

Foi uma longa e detalhada peroracao pela evolucao da situacao economica, socio-politica e militar do pais ao longo dos ultimos anos desde 2002.

Ficamos a saber do 'estado da nacao' pela optica do Chefe de Estado. Precisamos agora de colocar essa optica em perspectiva perante aquilo que o confronto dos numeros e dos programas apresentados com a realidade experienciada pelos agentes economicos nacionais e estrangeiros e os cidadaos em geral, no passado recente e no futuro proximo, nos ditar como sendo o “verdadeiro estado da nacao” - que podera', ou nao, coincidir com o que ora nos e' oferecido, dependendo dos criterios adoptados por cada um...

Por enquanto, deixarei aqui apenas algumas passagens (edicao e sub-titulos meus) que me pareceram particularmente relevantes para esse exercicio.


OVERVIEW

Mesmo nos momentos mais difíceis, o Povo angolano não se deixou vergar pelo desânimo, pelo desespero ou pelo pessimismo. Pelo contrário: foi precisamente nesses momentos que ele se ergueu, levantando a cabeça, ganhando forças e partindo firme e unido rumo à vitória. Com essa atitude conquistámos a Independência, a Democracia e a Paz. Com essa atitude consolidámos a Unidade Nacional e começámos a Reconstrução do país.

Hoje e agora outros desafios se nos apresentam, como a construção do desenvolvimento e do bem-estar, o controlo da imigração ilegal e das nossas fronteiras, etc.

Apesar dos previsíveis obstáculos, não há dúvidas que também desta vez havemos de triunfar. Não há metas impossíveis na trajectória de um povo quando ele se propõe lutar com fé, realismo e abnegação. Acreditando em nós próprios e nas nossas capacidades já desbravámos meio caminho para o sucesso!

O resto do percurso depende da nossa clarividência política, da definição correcta dos objectivos, do planeamento das acções, da organização do trabalho e do método a empregar para o cumprimento das nossas tarefas. Depende igualmente dos recursos humanos, financeiros e materiais com que podemos contar ou criar.

Será tudo isto, conjugado com uma atitude responsável perante o trabalho e a disciplina, com honestidade, com transparência e boa governação que nos pode levar ao êxito e à satisfação plena pela realização dos nossos sonhos.

OS NUMEROS DO CRESCIMENTO ECONOMICO

O país está em fase de reconstrução material e espiritual depois de um longo período de guerra.

Entre 2002 e 2008 o Produto Interno Bruto (PIB) multiplicou-se por 2,6 e a taxa média anual de crescimento cifrou-se em 14,6 por cento. Mesmo tendo em conta a inflação, o indicador das condições gerais de vida das populações, cresceu cerca de três meses, correspondendo ao um aumento médio anual de 20%. Importa observar que o crescimento do Produto Interno Bruto Não Petrolífero se mostrou mais dinâmico do que o do Produto Interno Petrolífero durante o período em referência.

Com efeito, a taxa média de crescimento anual do PIB não petrolífero foi de 13,3 por cento, contra 10,9 por cento do PIB petrolífero. Este resultado atesta o sucesso da política de diversificação da economia, indispensável para se assegurar o crescimento do emprego e o equilíbrio territorial em termos de desenvolvimento.

O desempenho excepcional da actividade económica nesses oito anos de paz teve também reflexos positivos sobre a Balança de Pagamento e sobre as Finanças Públicas. Por causa do forte crescimento da actividade petrolífera, o saldo da conta corrente da Balança de Pagamentos apresentou-se positivo em todos os anos entre 2002 e 2008. Nesse último ano, o saldo foi da ordem de 533 mil, 210 milhões de Kwanzas, equivalentes a 7 mil milhões de dólares, correspondente a 20,8 por cento do PIB.

A estabilidade do kwanza face ao dólar norte-americano foi um dos traços marcantes da política monetária desse período. A taxa de inflação anual caiu de 105,6 por cento, em 2002, para 13,17 por cento, em 2008. As reservas internacionais líquidas atingiram o montante de 18 mil, 11 milhões e 900 mil dólares em 31 de Dezembro de 2008.

Foi um factor imponderável de carácter global que quebrou este ritmo de crescimento da economia nacional. Refiro-me à crise financeira internacional que atingiu de forma acentuada o nosso país.

EFEITOS DA CRISE

Por essa e outras razões, as reservas internacionais líquidas do país diminuíram de forma acentuada nos primeiros meses do ano de 2009 e foi preciso agir prontamente, para evitar que a procura injustificada pela moeda estrangeira colocasse uma crise cambial mais grave ainda.

O Executivo começou por tomar medidas na área fiscal, reduzindo de forma acentuada e selectiva a despesa pública para fazer face à brusca e violenta queda da receita tributária e a seguir, de forma mais incisiva, harmonizou a sua acção com a do Banco Nacional de Angola, para que este aperfeiçoasse a gestão da política monetária e reduzisse o excesso de liquidez existente na economia.

Neste contexto, o Executivo passou a financiar parte da despesa pública com recursos obtidos da venda de títulos da dívida pública ou bilhetes do Tesouro Nacional. Adoptadas as medidas necessárias no plano interno, que foram integradas num Programa de Estabilização consistente, firmou-se um Acordo ‘Stand By’ com o Fundo Monetário Internacional no terceiro trimestre de 2009.

Esse acordo serviu para captar mais recursos financeiros para a nossa Balança de Pagamentos e significou também um reconhecimento internacional da correcção e oportunidade das medidas de ajuste que haviam sido implementadas pelo Governo ao longo desse ano, que permitiram proteger as reservas internacionais líquidas e assegurar a estabilidade macroeconómica do país.

À avaliação positiva da nossa política económica seguiram-se, no primeiro trimestre do corrente ano, as classificações de ‘rating’ soberano da economia angolana feitas pelas três principais agências internacionais especializadas na matéria.

O ‘rating’ positivo no contexto das economias com o mesmo perfil económico de Angola, para além de conferir prestígio ao país, reforçou a convicção de que estávamos, e continuamos, no caminho certo para a superação das consequências negativas da crise financeira internacional sobre a nossa economia.

Nesta perspectiva, a dívida acumulada, que é também uma consequência da crise, começou a ser saldada em Abril deste ano. A economia angolana continua a crescer, mesmo que seja a um ritmo mais moderado. A taxa de crescimento do PIB em 2009 foi de 2,4 por cento. A inflação subiu apenas um por cento, apesar da forte depreciação do kwanza neste ano. As reservas internacionais líquidas foram estabilizadas no final de 2009 e recuperaram rapidamente em 2010.

Depois de ter sofrido a referida depreciação em 2009, o Kwanza começou a valorizar-se a partir do primeiro trimestre do ano corrente e estabilizou no patamar de 90 Kwanzas o Dólar no mercado primário. As reservas internacionais líquidas do país, entretanto, atingiram valores superiores a 1 trilião, 10 mil e 862 milhões de kwanzas, equivalentes a 12 mil e 635 milhões de dólares, no final do último semestre.

ESTIMATIVAS E PROGRAMAS DE CURTO PRAZO

A estimativa para o crescimento da economia mundial em 2010 é de 6,3 por cento, sendo 4,7 para a África Subsaariana. Para Angola, esperamos um crescimento de cerca de 4,5 por cento, mas com a perspectiva concreta de aceleração para cerca de 8 por cento em 2011, graças aos esforços que serão feitos no próximo ano para a retoma dos investimentos públicos e privados.

O crescimento já assegurado para 2010 apoiou-se fundamentalmente na diversificação das actividades económicas, de acordo com as orientações estratégicas do Executivo. Nesse sentido, para o PIB não petrolífero perspectiva-se um crescimento de 5,7 por cento, liderado pelos sectores da agricultura, da energia, da indústria transformadora e dos serviços mercantis.

O ano de 2010 foi fundamental também para garantirmos os pressupostos do desenvolvimento sustentado, ainda que a economia petrolífera mundial não venha a atingir a pujança que teve antes da crise de 2008/2009. O Executivo, com efeito, obteve uma melhoria significativa nas contas fiscais, sendo o saldo previsto no OGE Revisto de 2010 de cerca de 1,5 por cento do PIB.

Estes resultados irão consolidar a recuperação da poupança do Estado para assegurar a ampliação do Programa de Investimentos Públicos em 2011, sem que se ponha em risco a sustentabilidade da dívida pública. Os investimentos prioritários serão destinados à conclusão dos projectos que estão em curso e à manutenção, conservação e boa exploração dos que já entraram em funcionamento.

Os investimentos nas infra-estruturas económicas permitirão criar melhores condições para a realização de investimentos privados e estes, por sua vez, irão sustentar a diversificação da economia. Neste contexto as entidades competentes deverão prestar especial atenção a variação média mensal da taxa de inflação, nos primeiros oito meses deste ano, mostrou-se moderada, na ordem de 1,01 por cento. Ainda no mesmo período, o efeito do mercado de cambiais sobre a inflação mostrou-se moderado, com uma flutuação de menos de 1 por cento.

Estes indicadores, associados a um exercício comedido de condução da política económica nos próximos meses, permitir-nos-á situar bem próximos da média programada à taxa de inflação. Entretanto, o comportamento histórico da inflação no país tem-se mostrado moderado ao longo do ano, mas incorpora uma tendência sazonal de alta nos últimos meses de cada ano, devido a factores estruturais de demanda e, sobretudo, a actuações especulativas de alguns agentes económicos oportunistas.

No entanto, o Executivo está a terminar um estudo sobre as causas reais da inflação em Angola, de modo a concluir se esta é importada ou se resulta do financiamento do défice causado pela despesa pública. Pois os seus efeitos incidem sobre os altos patamares actuais das taxas de juros em termos de medidas adequadas para estimular o investimento e o crédito.

Por outro lado, o Executivo iniciou um programa de reorganização das Finanças Públicas, com apoio de conceituadas consultorias externas, tendo como propósito central fortalecer o relacionamento institucional entre o Banco Nacional de Angola e os Ministérios das Finanças, do Planeamento e da Administração, Emprego e Segurança Social e também reforçar a observância dos procedimentos e das boas práticas universalmente aceites, de modo a garantir a execução eficiente e eficaz da despesa pública e a elevar os níveis de arrecadação da receita.

Com efeito, pretendemos níveis de inflação que não onerem as taxas de juros, encarecendo assim o crédito, como já disse há pouco tempo. Para esse efeito, não bastam apenas as medidas gerais de política macroeconómica. O Executivo deverá ainda adoptar novas acções directas sobre as causas da permanência de níveis ainda elevados de preços no nosso país, quando comparados com os níveis de preços médios de outros países em desenvolvimento.

Está elaborado um estudo objectivo, amplo e minucioso sobre a formação dos preços dos bens e serviços no nosso país, na base do qual serão em breve anunciadas medidas, com destaque para a criação de uma instituição de supervisão dos preços e da concorrência.

PROGRAMAS SOCIAIS

O objectivo principal do Executivo é a constante melhoria da qualidade de vida do Povo angolano. Ele, o Executivo, está determinado a aumentar de modo sistemático os meios financeiros para os programas sociais, de forma a superar a actual meta mínima de 30 por cento dos recursos previstos no Orçamento Geral do Estado. Nesse sentido, é de se reconhecer que já foram obtidos nos últimos anos importantes progressos e melhorias, como o demonstram alguns dos principais resultados do recente Inquérito Integrado sobre o Bem-estar da População.

O sector em que a situação é muito mal é o da habitação. Mais de 70% das famílias angolanas não têm casa condigna. Neste domínio teremos que fazer um grande esforço, eu diria um esforço gigantesco para revertermos a actual situação.

COMBATE A FOME E A POBREZA

O combate à fome e a luta pela redução e erradicação da pobreza, pelo seu impacto na vida da população, constituem dois dos maiores desafios que se colocam hoje ao Estado angolano, pois são preponderantes para se construir uma sociedade mais próspera e de justiça social. Estes dois problemas problemas estão a ser tratados numa dupla perspectiva, isto é no quadro da execução da politica macroeconómica e no âmbito de uma desconcentração administrativa mais forte e especificamente ligada aos locais onde se concentram os focos de pobreza.

Daí que o Executivo esteja a implementar programas municipais integrados de desenvolvimento rural e de combate à fome a pobreza, pressupondo maior participação comunitária, fiscalização local, execução e implementação de acções pela própria comunidade e decisões em conselhos de concertação social. Os programas integrados de combate à fome e a pobreza incluem acções no domino da saúde e da educação, das infra-estruturas básicas, do comercio rural, da agua e energia, da produção local e da formação profissional.

O Executivo aprovou, uma linha de crédito de um valor em Kwanzas equivalentes a 350 milhões de dólares e fundos para a promoção de micro-crédito, aos quais têm acesso os pequenos e médios agricultores, destinado em especial a apoiar a agricultura familiar e a população camponesa desfavorecida.

INCENTIVOS AO EMPRESARIADO NACIONAL

O empresariado nacional também beneficiará de medidas específicas no quadro do fomento e promoção das pequenas e médias empresas e de novos estímulos para a formação de grandes empresas angolanas.

O Executivo para adoptar uma política consistente de promoção das empresa privadas angolanas, por forma à que os cidadãos nacionais tenham cada vez maior intervenção em actividades produtivas, como já está a ocorrer com sucesso nos sectores petrolífero e diamantífero.

Todas essas medidas visam a inserção competitiva da economia angolana no contexto internacional, pois a realidade da globalização impõe uma estratégia de crescimento não só apoiada na diversificação, mas também com alguma selectividade sectorial, na qual o Estado deverá assumir um papel de liderança.

Por essa razão estão a ser feitos esforços para melhorar a coordenação institucional, principalmente no sector produtivo da distribuição e do comércio, de modo a que os programas e projectos atinjam as metas fixadas.

Esta nova filosofia ajudará também a identificar os produtos com peso significativo na Balança de Pagamentos que, uma vez produzidos em larga escala, permitirão substituir ou reduzir gradualmente as importações. Temos perfeita consciência que só deste modo poderemos aumentar a oferta interna de bens e serviços, o emprego e os rendimentos das famílias.

EDUCAÇÃO CÍVICA E MORAL

Por último, mas não em importância, devemos conferir especial atenção à educação cívica e moral do nosso povo, pois delas depende em grande medida o êxito dos nossos programas de desenvolvimento e a nossa projecção no mundo.

A formação cívica, moral e ambiental dos cidadãos e das populações, deve levá-los a compreender a necessidade de respeitar o seu semelhante e a propriedade alheia, de conviver de forma harmoniosa na sociedade, de cuidar dos bens públicos e do ambiente e de contribuir de forma consciente para o bem geral.

A responsabilidade dessa acção cabe em grande parte à comunicação social, que para além da sua função informativa, deve também primar pela promoção da nossa identidade cultural, dos princípios éticos e dos valores morais e cívicos que são já património adquirido da humanidade.

REFORÇO INSTITUCIONAL

A Constituição, associada à paz e estabilidade que o país vive, veio pôr termo à transição política e proporcionar as condições políticas e jurídico-constitucionais adequadas à implementação de um programa de institucionalização de um Estado Social de Direito.

Deste modo, o reforço institucional do Estado deve ter como principais eixos uma nova cultura organizacional e estrutural, por um lado, e, por outro, a gestão por objectivos e a avaliação de resultados.

Reconhecemos que o nosso sistema judicial tem um funcionamento deficiente, existindo normas desajustadas da realidade actual e pouco consentâneas com a edificação de um Estado de Direito que, como sabemos, só poderá existir se nele houver um Estado de Justiça.

AGENDA POLÍTICA INTERNACIONAL

Na sua postura perante as mais distintas questões da agenda política internacional, pautou-se pela coerência de posições e pela fidelidade aos princípios fundamentais que regem o funcionamento da comunidade internacional, traduzindo assim a perfeita consonância entre estes princípios e os que norteiam a salvaguardada dos interesses nacionais num mundo globalizado e cada vez mais complexo.

No domínio das Relações Exteriores vamos continuar, por isso, a desenvolver e reforçar as relações de amizade e cooperação, com vantagens recíprocas para todas as partes envolvidas.

Ao mesmo tempo, Angola vai manter a sua inelutável vocação de ser um factor de paz, estabilidade e desenvolvimento não só das sub-regiões em que está inscrita, como a SADC, a CEEAC e o Golfo da Guiné, mas também de apoio a países a que nos ligam profundos laços históricos e de amizade, como está agora a acontecer com a Guiné-Bissau.


CONCLUSAO

Resumindo, são as seguintes as grandes prioridades estratégicas para os próximos anos, visando assegurar a continuação do processo sustentado de desenvolvimento:

i. a preservação da unidade e coesão nacional, com a consolidação da democracia e das instituições;
ii. a garantia dos pressupostos básicos necessários ao desenvolvimento, através da estabilidade financeira e da transformação e diversificação da estrutura económica;
iii. a melhoria da qualidade de vida e a consequente melhoria dos índices de desenvolvimento humano dos angolanos;
iv. o estímulo ao sector privado, em especial ao empresariado angolano;
v. o reforço da inserção competitiva de Angola no contexto internacional.

Para materializar essas grandes prioridades temos, no entanto, de saber equacionar outras grandes questões: com que recursos e fontes de financiamento devemos contar? Que quadros devemos formar em quantidade e qualidade? De que força de trabalho teremos de dispor?

Estas questões também estão a ser equacionadas e tratadas e constituem alguns dos grandes desafios que a Nação angolana tem de vencer nos próximos anos e penso que a Nação angolana vencerá.

[
Discurso Integral Aqui]

Tuesday, 12 October 2010

Olhares Diversos (XXI)



Ana Dias Lourenço




Nesta serie, que se vai tornando cada vez mais esparsa (estara' o meu olhar menos atento a diversidade, ou estarao a diminuir 'a olhos vistos' os olhares diversos sobre Angola?), tenho tentado espelhar, reflectir, olhares da/sobre a sociedade angolana que se demonstrem de algum modo (em geral no sentido positivo mas, num ou noutro caso, tambem no negativo) diversos da mainstream - e com mainstream nao pretendo necessariamente significar 'poder' e/ou as suas 'margens', mas, sobretudo, olhares que se desviem, ou que desviem o nosso proprio olhar, daquilo a que a mainstream (no poder ou na oposicao) nos vem habituando.

'A primeira vista, este e' um olhar mainstream... mais do que isso: e' um olhar institucional. O que o torna, entao, diverso? O facto de nos ser dado por uma mulher. Mais do que isso: uma mulher economista. Mais do que isso: o membro mais estavel, ao longo dos anos (desde 1997), do executivo angolano (tive a oportunidade de lhe dar os meus sinceros parabens por esse feito, quando, no ano passado, amavel e profissionalmente me concedeu uma entrevista no seu gabinete em Luanda, para este meu trabalho).

Mais do que isso: uma mulher inteligente e dedicada as suas responsabilidades - obviamente que, neste contexto (tal como, alias, o tenho feito em todos os casos ao longo desta serie - excepto neste, a que me vi forcada a voltar a olhar mais tarde...), me abstenho, por um lado, de discutir o conteudo das suas declaracoes e, por outro, de colocar as minhas naturais reticencias a "raison d'etre" de um Ministerio do Planeamento numa, pelo menos na sua evolucao ao longo dos anos em que tem desempenhado as suas funcoes ministeriais, economia de mercado; e tais reticencias nao significam tambem necessariamente um 'atestado de invalidez' a relevancia do planeamento em qualquer economia... mas essas sao questoes para outros olhares.

Mas, mais ainda do que tudo isso, numa sociedade que, como este blog infelizmente vem registando, tao frequentemente me tem dado razoes para criticas a algumas mulheres (mesmo que construtivas na intencao, declarada ou nao...), e' um olhar de uma mulher de substancia que, ao longo dos anos, desde os nossos tempos do Liceu Feminino ou, dito mais simplesmente, desde os tempos da nossa Any Afonso, apenas me tem dado razoes para a ter em grande estima pessoal: como mulher, como ser humano, como colega e como profissional, enfim, como Mulher!

Aqui fica, pois, o seu olhar sobre o desempenho actual da economia angolana:



A intervenção do Governo perante o cenário da crise financeira e económica mundial teve os efeitos esperados, aguardando-se que este ano a taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) se situe em redor dos 4,5 por cento, segundo a ministra do Planeamento, Ana Dias Lourenço.
Embora uma subida modesta, a governante, que falava ontem, em Luanda, no acto de apresentação da quinta edição do estudo “Banca em Análise” elaborado pela Deloitte, considerou-a acima do crescimento natural da população.
Na base deste aumento estão medidas de reacção à crise mundial tomadas pelo Governo, com realce para o domínio financeiro, monetário e cambial, que visaram assegurar a consistência da implementação das políticas na gestão macroeconómica, além de um maior rigor na programação financeira do tesouro.
O estabelecimento de regras claras no uso de instrumentos de política monetária e o ajustamento da taxa de reservas obrigatórias do Banco Central, bem como a emissão de títulos do tesouro de curto prazo para o ajustamento da liquidez e a redefinição da política de subsídios directos aos consumidores, são outras das medidas adoptadas pelo Governo para fazer frente à crise.
Ainda no rol de medidas, destaque para a abordagem da implementação de um quadro de despesas de médio prazo, de regulamentação de depósitos e transacções em moeda estrangeira e a definição de limites de exposição cambial e de acautelamento do efeito da livre circulação do dólar.
Como resposta dada pelo Governo angolano, prosseguiu a ministra do Planeamento, na revisão do OGE, em meados de 2009, foi elaborado um programa específico de medidas macroeconómicas para limitar os defeitos e efeitos perniciosos da redução de valores dos importantes agregados monetários e financeiros.
Lembrou que no ajustamento orçamental de Junho de 2009, as despesas correntes sem juros da dívida pública foram diminuídas em cerca de seis por cento, tendo-se registado também uma redução no sector das despesas de investimento público, em mais de 26 por cento.
No entanto, referiu que as receitas petrolíferas fiscais passaram de 40,8 por cento do PIB, em 2008, para 23, 4 por cento, em 2009, enquanto o Rendimento Nacional Bruto por habitante sofreu uma quebra de 17, 2 por cento, um abrandamento que teve consequências sobre as condições de vida da população. Esta ficou agravada pela taxa de inflação, que em 2009 se situou em cerca de 14 por cento, mais alta que a de 2008, também influenciada pelo registo negativo das receitas de exportação e no stock das reservas internacionais.
Relativamente aos investimentos privados e embora não se tenha ainda a contabilidade final referente ao ano de 2009, estima-se que os de proveniência externa, dirigidos para os sectores extractivos, petróleos e diamantes tenham diminuído
Num breve recurso à teoria de crescimento económico, com realce para as determinantes deste crescimento, Ana Dias Lourenço destacou o papel da intermediação financeira, já que garante maior eficiência na alocação de recursos financeiros, favorecendo também uma maior captação de poupança e maiores recursos para emprestar. “O sistema financeiro está condicionado às imperfeições do mercado”, reconheceu, tendo considerado as falhas no canal de transmissão de informação entre os agentes económicos, que por sua vez podem tornar as transacções mais onerosas e até inviabilizáveis, como exemplo disso.
Em face disto, referiu que este constrangimento é susceptível de ser resolvido por via da intermediação financeira, cujo papel é desenvolvido pelos bancos.
Falando do estudo, a ministra disse que no caso do país, este permite remover as assimetrias de informação e aumentar a racionalidade das decisões dos investidores e do público em geral, na medida em que contribui para a minimização dos conflitos de interesse que tendem a ocorrer quando a informação sobre actividade bancária escasseia.
“Os resultados anunciados permitem aos decisores de política macroeconómica confirmarem a eficácia e actualidade das políticas implementadas durante o ano 2009”, concluiu.

[Informacao daqui]


Ana Dias Lourenço




Nesta serie, que se vai tornando cada vez mais esparsa (estara' o meu olhar menos atento a diversidade, ou estarao a diminuir 'a olhos vistos' os olhares diversos sobre Angola?), tenho tentado espelhar, reflectir, olhares da/sobre a sociedade angolana que se demonstrem de algum modo (em geral no sentido positivo mas, num ou noutro caso, tambem no negativo) diversos da mainstream - e com mainstream nao pretendo necessariamente significar 'poder' e/ou as suas 'margens', mas, sobretudo, olhares que se desviem, ou que desviem o nosso proprio olhar, daquilo a que a mainstream (no poder ou na oposicao) nos vem habituando.

'A primeira vista, este e' um olhar mainstream... mais do que isso: e' um olhar institucional. O que o torna, entao, diverso? O facto de nos ser dado por uma mulher. Mais do que isso: uma mulher economista. Mais do que isso: o membro mais estavel, ao longo dos anos (desde 1997), do executivo angolano (tive a oportunidade de lhe dar os meus sinceros parabens por esse feito, quando, no ano passado, amavel e profissionalmente me concedeu uma entrevista no seu gabinete em Luanda, para este meu trabalho).

Mais do que isso: uma mulher inteligente e dedicada as suas responsabilidades - obviamente que, neste contexto (tal como, alias, o tenho feito em todos os casos ao longo desta serie - excepto neste, a que me vi forcada a voltar a olhar mais tarde...), me abstenho, por um lado, de discutir o conteudo das suas declaracoes e, por outro, de colocar as minhas naturais reticencias a "raison d'etre" de um Ministerio do Planeamento numa, pelo menos na sua evolucao ao longo dos anos em que tem desempenhado as suas funcoes ministeriais, economia de mercado; e tais reticencias nao significam tambem necessariamente um 'atestado de invalidez' a relevancia do planeamento em qualquer economia... mas essas sao questoes para outros olhares.

Mas, mais ainda do que tudo isso, numa sociedade que, como este blog infelizmente vem registando, tao frequentemente me tem dado razoes para criticas a algumas mulheres (mesmo que construtivas na intencao, declarada ou nao...), e' um olhar de uma mulher de substancia que, ao longo dos anos, desde os nossos tempos do Liceu Feminino ou, dito mais simplesmente, desde os tempos da nossa Any Afonso, apenas me tem dado razoes para a ter em grande estima pessoal: como mulher, como ser humano, como colega e como profissional, enfim, como Mulher!

Aqui fica, pois, o seu olhar sobre o desempenho actual da economia angolana:



A intervenção do Governo perante o cenário da crise financeira e económica mundial teve os efeitos esperados, aguardando-se que este ano a taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) se situe em redor dos 4,5 por cento, segundo a ministra do Planeamento, Ana Dias Lourenço.
Embora uma subida modesta, a governante, que falava ontem, em Luanda, no acto de apresentação da quinta edição do estudo “Banca em Análise” elaborado pela Deloitte, considerou-a acima do crescimento natural da população.
Na base deste aumento estão medidas de reacção à crise mundial tomadas pelo Governo, com realce para o domínio financeiro, monetário e cambial, que visaram assegurar a consistência da implementação das políticas na gestão macroeconómica, além de um maior rigor na programação financeira do tesouro.
O estabelecimento de regras claras no uso de instrumentos de política monetária e o ajustamento da taxa de reservas obrigatórias do Banco Central, bem como a emissão de títulos do tesouro de curto prazo para o ajustamento da liquidez e a redefinição da política de subsídios directos aos consumidores, são outras das medidas adoptadas pelo Governo para fazer frente à crise.
Ainda no rol de medidas, destaque para a abordagem da implementação de um quadro de despesas de médio prazo, de regulamentação de depósitos e transacções em moeda estrangeira e a definição de limites de exposição cambial e de acautelamento do efeito da livre circulação do dólar.
Como resposta dada pelo Governo angolano, prosseguiu a ministra do Planeamento, na revisão do OGE, em meados de 2009, foi elaborado um programa específico de medidas macroeconómicas para limitar os defeitos e efeitos perniciosos da redução de valores dos importantes agregados monetários e financeiros.
Lembrou que no ajustamento orçamental de Junho de 2009, as despesas correntes sem juros da dívida pública foram diminuídas em cerca de seis por cento, tendo-se registado também uma redução no sector das despesas de investimento público, em mais de 26 por cento.
No entanto, referiu que as receitas petrolíferas fiscais passaram de 40,8 por cento do PIB, em 2008, para 23, 4 por cento, em 2009, enquanto o Rendimento Nacional Bruto por habitante sofreu uma quebra de 17, 2 por cento, um abrandamento que teve consequências sobre as condições de vida da população. Esta ficou agravada pela taxa de inflação, que em 2009 se situou em cerca de 14 por cento, mais alta que a de 2008, também influenciada pelo registo negativo das receitas de exportação e no stock das reservas internacionais.
Relativamente aos investimentos privados e embora não se tenha ainda a contabilidade final referente ao ano de 2009, estima-se que os de proveniência externa, dirigidos para os sectores extractivos, petróleos e diamantes tenham diminuído
Num breve recurso à teoria de crescimento económico, com realce para as determinantes deste crescimento, Ana Dias Lourenço destacou o papel da intermediação financeira, já que garante maior eficiência na alocação de recursos financeiros, favorecendo também uma maior captação de poupança e maiores recursos para emprestar. “O sistema financeiro está condicionado às imperfeições do mercado”, reconheceu, tendo considerado as falhas no canal de transmissão de informação entre os agentes económicos, que por sua vez podem tornar as transacções mais onerosas e até inviabilizáveis, como exemplo disso.
Em face disto, referiu que este constrangimento é susceptível de ser resolvido por via da intermediação financeira, cujo papel é desenvolvido pelos bancos.
Falando do estudo, a ministra disse que no caso do país, este permite remover as assimetrias de informação e aumentar a racionalidade das decisões dos investidores e do público em geral, na medida em que contribui para a minimização dos conflitos de interesse que tendem a ocorrer quando a informação sobre actividade bancária escasseia.
“Os resultados anunciados permitem aos decisores de política macroeconómica confirmarem a eficácia e actualidade das políticas implementadas durante o ano 2009”, concluiu.

[Informacao daqui]

Monday, 11 October 2010

Nobel time 2010

Economics


Matching house buyers with those selling houses, or job seekers with the right vacancy, can be an inefficient process. This year's Laureates in Economic Sciences, Peter A. Diamond, Dale T. Mortensen and Christopher A. Pissarides (London School of Economics and Political Science), have created mathematical models which provide the framework for studying how such processes occur in the real world.

[here]


Peace


Among the many people campaigning for human rights in China, Liu Xiaobo, the 2010 Nobel Peace Prize Laureate, has become the most visible symbol of the struggle. A long-term exponent of non-violent protest, he is currently serving an 11-year prison term.

[here]


Literature


Peruvian by birth and a truly international citizen, the 2010 Nobel Laureate in Literature embraces multiple genres (novels, plays, essays), and politics too, in his commitment to social change.

[here]


Medicine


Robert G. Edwards, the 2010 Nobel Laureate in Physiology or Medicine, battled societal and establishment resistance to his development of the in vitro fertilization procedure, which has so far led to the birth of around 4 million people.

[here]
Economics


Matching house buyers with those selling houses, or job seekers with the right vacancy, can be an inefficient process. This year's Laureates in Economic Sciences, Peter A. Diamond, Dale T. Mortensen and Christopher A. Pissarides (London School of Economics and Political Science), have created mathematical models which provide the framework for studying how such processes occur in the real world.

[here]


Peace


Among the many people campaigning for human rights in China, Liu Xiaobo, the 2010 Nobel Peace Prize Laureate, has become the most visible symbol of the struggle. A long-term exponent of non-violent protest, he is currently serving an 11-year prison term.

[here]


Literature


Peruvian by birth and a truly international citizen, the 2010 Nobel Laureate in Literature embraces multiple genres (novels, plays, essays), and politics too, in his commitment to social change.

[here]


Medicine


Robert G. Edwards, the 2010 Nobel Laureate in Physiology or Medicine, battled societal and establishment resistance to his development of the in vitro fertilization procedure, which has so far led to the birth of around 4 million people.

[here]

Sunday, 10 October 2010

10/10/10 - Kapikua!

10/10/10; Sunday, October 10, 2010: Mathematics

101010 (base two (binary)) equals 42 (base ten). Oddly enough, this is evenly divisible by the number of days in a week (7 (lucky)); and equally oddly, is also evenly divisible by the number 6 (which is generally designated as being unlucky). Both a Ying and Yang situation seem to be incorporated into this date.

10 (base ten) = 1010 (base two)
(base ten): 10 x 10 = 100
(base two): 10 x 10 = 100

The binary attributes of 101010 lends itself to use by the sciences of fractals (recursive geometric shapes) and chaos theory (the butterfly effect).


10/10/10; Sunday, October 10, 2010: Historical

Even when taking into account the differences between the Gregorian and Julian calendars:
Nothing significant appears to have happened a thousand years ago during the year 1010.
Nothing significant appears to have happened two thousand years ago during the year 10.
The Dark Ages spanned the 5th to 15th centuries (approximately 450 -1450).


10/10/10; Sunday, October 10, 2010: Psychology

The number ten seems to give people that warm, fuzzy feeling:
“I won TEN thousand dollars!”
“I got TEN things done today.”
Then of course, there are the ever ubiquitous Top Ten lists. The top Top-Ten lists are (in no particular order):
Top Ten To Do, Top Ten Reasons, Top Ten Links/Websites, Top Ten Music/Songs, Top Ten Movies, Top Ten Headlines, Top Ten Jokes, Top Ten Mistakes, Late Show Top Ten, Top Ten Reviews/Lists.





{sourced from here}
10/10/10; Sunday, October 10, 2010: Mathematics

101010 (base two (binary)) equals 42 (base ten). Oddly enough, this is evenly divisible by the number of days in a week (7 (lucky)); and equally oddly, is also evenly divisible by the number 6 (which is generally designated as being unlucky). Both a Ying and Yang situation seem to be incorporated into this date.

10 (base ten) = 1010 (base two)
(base ten): 10 x 10 = 100
(base two): 10 x 10 = 100

The binary attributes of 101010 lends itself to use by the sciences of fractals (recursive geometric shapes) and chaos theory (the butterfly effect).


10/10/10; Sunday, October 10, 2010: Historical

Even when taking into account the differences between the Gregorian and Julian calendars:
Nothing significant appears to have happened a thousand years ago during the year 1010.
Nothing significant appears to have happened two thousand years ago during the year 10.
The Dark Ages spanned the 5th to 15th centuries (approximately 450 -1450).


10/10/10; Sunday, October 10, 2010: Psychology

The number ten seems to give people that warm, fuzzy feeling:
“I won TEN thousand dollars!”
“I got TEN things done today.”
Then of course, there are the ever ubiquitous Top Ten lists. The top Top-Ten lists are (in no particular order):
Top Ten To Do, Top Ten Reasons, Top Ten Links/Websites, Top Ten Music/Songs, Top Ten Movies, Top Ten Headlines, Top Ten Jokes, Top Ten Mistakes, Late Show Top Ten, Top Ten Reviews/Lists.





{sourced from here}

Pegando na "deixa"...



O Presidente da República, José Eduardo dos Santos, num dos seus discursos recentes, pôs o dedo na ferida e disse que não podemos aceitar que bens de consumo importados, sejam mais caros do que aqueles que produzimos em Angola. Na altura, ninguém pegou na “deixa”. Mas o Chefe de Estado estava a alertar a sociedade para o gravíssimo problema da falta de produtividade nacional. Porque é isso que torna mais caro o feijão ou o milho nacional do que o importado, apesar do frete marítimo e dos dias a mais que os navios estão nos portos à espera de descarregar.

[aqui]



Pegando na "deixa":

"(...) não podemos aceitar que bens de consumo importados, sejam mais caros do que aqueles que produzimos em Angola"?

A menos que tenha havido um lamentavel lapso (… e o que se segue parece confirma-lo: “Mas o Chefe de Estado estava a alertar a sociedade para o gravíssimo problema da falta de produtividade nacional. Porque é isso que torna mais caro o feijão ou o milho nacional do que o importado”…) e onde se disse “mais caros” se pretendia dizer “mais baratos”, se quisermos realmente proteger a nossa competitividade atraves da promocao da produtividade nacional, e’ precisamente isso que temos que, nao so’ aceitar, como almejar e promover: que os bens de consumo importados sejam mais caros do que os produzidos nacionalmente…

(Sorry about that, Man Ribas)



O Presidente da República, José Eduardo dos Santos, num dos seus discursos recentes, pôs o dedo na ferida e disse que não podemos aceitar que bens de consumo importados, sejam mais caros do que aqueles que produzimos em Angola. Na altura, ninguém pegou na “deixa”. Mas o Chefe de Estado estava a alertar a sociedade para o gravíssimo problema da falta de produtividade nacional. Porque é isso que torna mais caro o feijão ou o milho nacional do que o importado, apesar do frete marítimo e dos dias a mais que os navios estão nos portos à espera de descarregar.

[
aqui]



Pegando na "deixa":

"(...) não podemos aceitar que bens de consumo importados, sejam mais caros do que aqueles que produzimos em Angola"?

A menos que tenha havido um lamentavel lapso (… e o que se segue parece confirma-lo: “Mas o Chefe de Estado estava a alertar a sociedade para o gravíssimo problema da falta de produtividade nacional. Porque é isso que torna mais caro o feijão ou o milho nacional do que o importado”…) e onde se disse “mais caros” se pretendia dizer “mais baratos”, se quisermos realmente proteger a nossa competitividade atraves da promocao da produtividade nacional, e’ precisamente isso que temos que, nao so’ aceitar, como almejar e promover: que os bens de consumo importados sejam mais caros do que os produzidos nacionalmente…

(Sorry about that, Man Ribas)