Wednesday, 31 January 2007

DANÇA TRADICIONAL ANGOLANA

N.B.: O texto aqui inicialmente postado foi retirado pela autora do blog por alegada incorrecta atribuicao da sua autoria. Aos interessados sugere-se que o procurem atraves de outras fontes e nomeadamente nas indicadas aquando da sua postagem original, como se segue:

"Fonte: Jornal de Angola (30/01/07) e excertos de "A Danca em Angola" por Amador Afonso"

Tuesday, 30 January 2007

KONGO MUSIK IN SPIRITED SOUNDS


IN MEMORIUM
(23/01/1993)


***


The collection Prophet, devoted to traditional music from all over the world is principally constituted of recordings and photographs made by Charles Duvelle* in the course of the past forty years. They are mostly original recordings that have never been released “in extenso”, with the exception of a few issued on records now long unavailable. Despite the age of some recordings of performers no longer alive, the sound quality (an essential aspect, naturally, as far as music is concerned) is still high, thanks to the use of high quality equipment and the versatility of the sound recording techniques, adapted to the particular conditions of orally transmitted music, i.e. performers moving about (singer-dancers), the hazards of the open-air (wind and other extraneous noises), a care for the spontaneity of the performers and the inevitably unique situation of each musical performance (the idea of rehearsing for a definitive performance is ruled out). Prophet claims to be different from other collections of world music by virtue of its exacting standards of authenticity and musical quality.


Musical authenticity: recorded live, in a traditional local environment, generally on a particular occasion and not in a lifeless studio or on a stage;
Acustic authenticity: the acoustic environment (fundamental for the quality of the sound reproduction) is carefully respected. A cathedral organ without its natural reverberation would lose a great deal of its force, and, conversely, open-air music played within a hall would forfeit an important part of its acoustic specificity;
Temporal authenticity: as far as possible, the actual duration of the musical performance is taken into account; the listener is in a genuine temporal dimension (hence some long tracks) and not just presented with a sampling of short extracts. The impression of monotony that often arises from listening to a relatively long piece gives way, after a while, to a richer and more intense level of perception.

*Composer, pianist and musicologist, Charles Duvelle is a pioneer recorder and publisher of traditional music. The founder and director of the Ocora collection, he has effected, over a period of some four decades, many recordings and photographs of music and dance in different regions of the world. His publications have earned him several awards both in France and abroad, notably the Grands Prix of the Academie du Disque Francais, of the Academie Charles Cros, of the Institut de Musicologie and the Premier Prix of the first World Festival of Negro Art. His favourite area is African music, of which he is one of the finest specialists.

***



THE SONGS
(All recorded in 1966 at various locations in the Bakongo Region)




Track 01 Malaki

Nkento wa lembo mwana (when a woman has no child, she can sleep soundly) is played during a malaki, a ceremonial cessation of mourning that usually takes place three or four years after the death. The matanga, on the other hand, is a different celebration, taking place only five or six months after death. The soloist, Albert Moupepe, known as spring (the spiral sort), is answered by a male chorus accompanied by the following instrumental ensemble: several bitsatsa, rattles made from tin cans (shaken by the singers); a mother-drum ngoma-nguidi, the skin fixed by nails, played by Vindu; a child-drum (smaller than the preceding) ngoma-mwana, played by Matoumpama. The bwanga is performed by dancing couples.



Track 02 Complaint

Gabriel Bassoumba sings a lament, in the course of which he says, “I should rather be a beetle than a man. Nobody disturbs the beetle when he is up a palm tree, and his carapace protects him. Everyone has a family, but not I. One day I shall end up devoured by jackals.” He accompanies himself on the nsambi kinzonzolo, a five-stringed raffia bow lute.



Track 03 Wara

Genevieve Mpofo sings on the theme of the childless woman who can sleep soundly. She sings in alternation with a mixed chorus, and is accompanied by an instrumental ensemble comprising: a single skin ngoma-ngudi mother drum; a ngoma-mwana child drum, smaller than the preceding.


Track 04 Massikulu

Longo wa longo is the title of this massikulu, a type of music played solely on the death of a notability. The orchestra consists of: seven horizontal ivory horns, covered with rattan weaving, some of them also having a cylindrical wooden bell (in order of decreasing size: 1 vunda, 1 landi, 1 sasa, 2 tangui, 2 zenze); one bugle; two double-skin kettledrums. Almost spherical in form, each kettledrum comprises a wooden body, the opening of which is covered by an antelope skin, stretched by real rattan weaving enclosing almost the whole body of the instrument and joined at the other extremity to a second, smaller antelope skin covering the lower part of the kettledrum. Of slightly different sizes, the kettledrums are called sikulu (the master, with the higher pitch) and tuta (with the lower pitch).
The first part is played by the instrumental ensemble and is followed by a passage sung by the men accompanied by drums and hand-clapping. A final instrumental section precedes another vocal passage.



Track 05 Song and Nsambi

Thomas Sissia sings with three other men and accompanies himself on the nsambi, a bow lute with four liana strings. The other accompanying instruments are a tsatsa tin-can rattle, and a bottle that is struck with a stick (replacing the old nongi double bell), to which are added hand-clapping and a whistle.
This is the story of a priest who, while preaching virtue, has slept with a woman and made her pregnant: “what is the point of preaching if one does not do as one recommends to others?”



Track 06 Bulombi

Music in the ngoma ntela style (literally, drums played upright), bulombi (blackness) is performed on the occasion of a malaki, a cessation of mourning. A male voice intones the first phrase while a mixed chorus responds, accompanied by a group of drums and kitsatsa tin-can rattles. The main drum, called ngoudi (mother), is roughly cylindrical, its upper part being covered with a skin held in place with wooden nails, and its lower part partly blocked by the cut of the cask (the diameter of the opening is about half that of the upper section). The centre of the membrane is covered with a wax paste that serves to regulate, by its greater or lesser weight, the vibrating frequency of the skin. Thedrummer carries on each wrist a small, spherical rattle called ntsala, made from a gourd containing dried seeds that is transfixed by a wooden handle through which a string passes. During performance, the seeds rattle inside the gourds, producing a continual rustling that complements the sounds of the drum. The two other drums are called ntambou. They are cylindrical, with nailed skins, but have no wax in the centre of the membrane.



Track 07 Bi Witi

Bi-witi is music rarely heard today. It was not possible to determine the precise meaning of this music, or the circumstances in which it is traditionally played. It is apparently linked to ancestor worship and, according to some, to funerary rites. The ensemble consists of six horns, four of which represent a person: mampongui-nguembo (the father), nsoni-boungu (the mother), lembe-nsoni (the daughter), mpandi-nsoni (the son). Each horn is sculpted from the block, the air column being inside the part representing the body; the mouthpiece is situated in the back, between the two arms. The first three horns are held vertically, the fourth (mpandi-nsoni) horizontally. The two other horns are horizontal, made from the roots of the wild flame tree. They are of different sizes, the larger being mpolomono, the other kinku.




(NB: This post is to be 'reconstructed' soon)


IN MEMORIUM
(23/01/1993)


***


The collection Prophet, devoted to traditional music from all over the world is principally constituted of recordings and photographs made by Charles Duvelle* in the course of the past forty years. They are mostly original recordings that have never been released “in extenso”, with the exception of a few issued on records now long unavailable. Despite the age of some recordings of performers no longer alive, the sound quality (an essential aspect, naturally, as far as music is concerned) is still high, thanks to the use of high quality equipment and the versatility of the sound recording techniques, adapted to the particular conditions of orally transmitted music, i.e. performers moving about (singer-dancers), the hazards of the open-air (wind and other extraneous noises), a care for the spontaneity of the performers and the inevitably unique situation of each musical performance (the idea of rehearsing for a definitive performance is ruled out). Prophet claims to be different from other collections of world music by virtue of its exacting standards of authenticity and musical quality.


Musical authenticity: recorded live, in a traditional local environment, generally on a particular occasion and not in a lifeless studio or on a stage;
Acustic authenticity: the acoustic environment (fundamental for the quality of the sound reproduction) is carefully respected. A cathedral organ without its natural reverberation would lose a great deal of its force, and, conversely, open-air music played within a hall would forfeit an important part of its acoustic specificity;
Temporal authenticity: as far as possible, the actual duration of the musical performance is taken into account; the listener is in a genuine temporal dimension (hence some long tracks) and not just presented with a sampling of short extracts. The impression of monotony that often arises from listening to a relatively long piece gives way, after a while, to a richer and more intense level of perception.

*Composer, pianist and musicologist, Charles Duvelle is a pioneer recorder and publisher of traditional music. The founder and director of the Ocora collection, he has effected, over a period of some four decades, many recordings and photographs of music and dance in different regions of the world. His publications have earned him several awards both in France and abroad, notably the Grands Prix of the Academie du Disque Francais, of the Academie Charles Cros, of the Institut de Musicologie and the Premier Prix of the first World Festival of Negro Art. His favourite area is African music, of which he is one of the finest specialists.

***



THE SONGS
(All recorded in 1966 at various locations in the Bakongo Region)




Track 01 Malaki

Nkento wa lembo mwana (when a woman has no child, she can sleep soundly) is played during a malaki, a ceremonial cessation of mourning that usually takes place three or four years after the death. The matanga, on the other hand, is a different celebration, taking place only five or six months after death. The soloist, Albert Moupepe, known as spring (the spiral sort), is answered by a male chorus accompanied by the following instrumental ensemble: several bitsatsa, rattles made from tin cans (shaken by the singers); a mother-drum ngoma-nguidi, the skin fixed by nails, played by Vindu; a child-drum (smaller than the preceding) ngoma-mwana, played by Matoumpama. The bwanga is performed by dancing couples.



Track 02 Complaint

Gabriel Bassoumba sings a lament, in the course of which he says, “I should rather be a beetle than a man. Nobody disturbs the beetle when he is up a palm tree, and his carapace protects him. Everyone has a family, but not I. One day I shall end up devoured by jackals.” He accompanies himself on the nsambi kinzonzolo, a five-stringed raffia bow lute.



Track 03 Wara

Genevieve Mpofo sings on the theme of the childless woman who can sleep soundly. She sings in alternation with a mixed chorus, and is accompanied by an instrumental ensemble comprising: a single skin ngoma-ngudi mother drum; a ngoma-mwana child drum, smaller than the preceding.


Track 04 Massikulu

Longo wa longo is the title of this massikulu, a type of music played solely on the death of a notability. The orchestra consists of: seven horizontal ivory horns, covered with rattan weaving, some of them also having a cylindrical wooden bell (in order of decreasing size: 1 vunda, 1 landi, 1 sasa, 2 tangui, 2 zenze); one bugle; two double-skin kettledrums. Almost spherical in form, each kettledrum comprises a wooden body, the opening of which is covered by an antelope skin, stretched by real rattan weaving enclosing almost the whole body of the instrument and joined at the other extremity to a second, smaller antelope skin covering the lower part of the kettledrum. Of slightly different sizes, the kettledrums are called sikulu (the master, with the higher pitch) and tuta (with the lower pitch).
The first part is played by the instrumental ensemble and is followed by a passage sung by the men accompanied by drums and hand-clapping. A final instrumental section precedes another vocal passage.



Track 05 Song and Nsambi

Thomas Sissia sings with three other men and accompanies himself on the nsambi, a bow lute with four liana strings. The other accompanying instruments are a tsatsa tin-can rattle, and a bottle that is struck with a stick (replacing the old nongi double bell), to which are added hand-clapping and a whistle.
This is the story of a priest who, while preaching virtue, has slept with a woman and made her pregnant: “what is the point of preaching if one does not do as one recommends to others?”



Track 06 Bulombi

Music in the ngoma ntela style (literally, drums played upright), bulombi (blackness) is performed on the occasion of a malaki, a cessation of mourning. A male voice intones the first phrase while a mixed chorus responds, accompanied by a group of drums and kitsatsa tin-can rattles. The main drum, called ngoudi (mother), is roughly cylindrical, its upper part being covered with a skin held in place with wooden nails, and its lower part partly blocked by the cut of the cask (the diameter of the opening is about half that of the upper section). The centre of the membrane is covered with a wax paste that serves to regulate, by its greater or lesser weight, the vibrating frequency of the skin. Thedrummer carries on each wrist a small, spherical rattle called ntsala, made from a gourd containing dried seeds that is transfixed by a wooden handle through which a string passes. During performance, the seeds rattle inside the gourds, producing a continual rustling that complements the sounds of the drum. The two other drums are called ntambou. They are cylindrical, with nailed skins, but have no wax in the centre of the membrane.



Track 07 Bi Witi

Bi-witi is music rarely heard today. It was not possible to determine the precise meaning of this music, or the circumstances in which it is traditionally played. It is apparently linked to ancestor worship and, according to some, to funerary rites. The ensemble consists of six horns, four of which represent a person: mampongui-nguembo (the father), nsoni-boungu (the mother), lembe-nsoni (the daughter), mpandi-nsoni (the son). Each horn is sculpted from the block, the air column being inside the part representing the body; the mouthpiece is situated in the back, between the two arms. The first three horns are held vertically, the fourth (mpandi-nsoni) horizontally. The two other horns are horizontal, made from the roots of the wild flame tree. They are of different sizes, the larger being mpolomono, the other kinku.




(NB: This post is to be 'reconstructed' soon)

CASTELO DE AREIA



Castelo de Areia:
atestar de palavras
o muro de silencio.

Breyten Breytenbach



Castelo de Areia:
atestar de palavras
o muro de silencio.

Breyten Breytenbach

Monday, 29 January 2007

KENYA: WORLD SOCIAL FORUM: JUST ANOTHER 'NGO FAIR'? (II)

Pambazuka News (South Africa/UK)
by Firoze Manji, January 26, 2007

This was the first full WSF held in Africa (Mali was host to one of the polycentric WSF’s last year). But the forum was marked by the under-representation of social activists from Africa – or indeed from the global south. Inevitably this reflected on how debates and discussions were framed. Pambazuka News staff had hoped that this space would be the basis for forging a broader radical pan-Africanism. But that was, sadly, not to be. The white North, with its hegemonic parochialism, was over-represented. Social movements from the South were conspicuous by their numerically small presence at the forum.

Probably the most consistently heavily attended forum throughout the week was that organised by the Human Dignity and Human Rights Network which had the largest tent, and held meeting after meeting throughout most of the week, with a cast of well known speakers. But like most of the events at WSF, the set-up of the meetings was of a traditional platform of speakers with the audience being talked at rather than being engaged in discussion. While we heard the experience of both survivors of human rights abuses and human rights defenders, there was little political analysis.

And that probably catches the sense of most, thankfully not all, of the WSF events: there was lots of talking and sloganeering. There was much discussion about policies and alternatives to existing policies. But one couldn’t help feel the absence of politics. It’s as if many believe that nice policies (or human rights legislations) get made by nice people. But the reality is that what ends up as policy is the outcome of struggles in the political domain – fundamentally between the haves and the have-nots. But in a week in which the voices of the have-nots were under-represented, I guess we should not be surprised by the absence of politics.

I think everyone was disappointed by the surprisingly low turn-out: estimates of 30,000 to 50,000 people attended, compared with an expected crowd of 150,000. What made so many keep away in droves? Despite asking many this question, I have found no satisfactory reasons offered.

(Picture taken from here)
Pambazuka News (South Africa/UK)
by Firoze Manji, January 26, 2007

This was the first full WSF held in Africa (Mali was host to one of the polycentric WSF’s last year). But the forum was marked by the under-representation of social activists from Africa – or indeed from the global south. Inevitably this reflected on how debates and discussions were framed. Pambazuka News staff had hoped that this space would be the basis for forging a broader radical pan-Africanism. But that was, sadly, not to be. The white North, with its hegemonic parochialism, was over-represented. Social movements from the South were conspicuous by their numerically small presence at the forum.

Probably the most consistently heavily attended forum throughout the week was that organised by the Human Dignity and Human Rights Network which had the largest tent, and held meeting after meeting throughout most of the week, with a cast of well known speakers. But like most of the events at WSF, the set-up of the meetings was of a traditional platform of speakers with the audience being talked at rather than being engaged in discussion. While we heard the experience of both survivors of human rights abuses and human rights defenders, there was little political analysis.

And that probably catches the sense of most, thankfully not all, of the WSF events: there was lots of talking and sloganeering. There was much discussion about policies and alternatives to existing policies. But one couldn’t help feel the absence of politics. It’s as if many believe that nice policies (or human rights legislations) get made by nice people. But the reality is that what ends up as policy is the outcome of struggles in the political domain – fundamentally between the haves and the have-nots. But in a week in which the voices of the have-nots were under-represented, I guess we should not be surprised by the absence of politics.

I think everyone was disappointed by the surprisingly low turn-out: estimates of 30,000 to 50,000 people attended, compared with an expected crowd of 150,000. What made so many keep away in droves? Despite asking many this question, I have found no satisfactory reasons offered.

(Picture taken from here)

KENYA: WORLD SOCIAL FORUM: JUST ANOTHER 'NGO FAIR'? (I)

Pambazuka News (South Africa/UK)
by Firoze Manji, January 26, 2007

The World Social Forum, which took place in Nairobi, Kenya for the first time in Africa, was supposed to be a forum for the voices of the grassroots. But Firoze Manji writes that, despite the diversity of voices at the event, not everyone was equally represented. As one would expect, WSF was highly heterogeneous. There was a lot going on. At one level no one can deny the diversity of people from all parts of the world. WSF seemingly reflected the heterogeneity of civil society internationally: there were initiatives from grassroots women’s organisations, from feminists, social movements, small and large African organisations, international (or is it ‘multinational’?) organisations, donors and funders, grantees, activists, hustlers and the hassled.

There were vociferous anti-capitalists and anti-(capitalist) globalisation meetings and discussions, as one would expect of an event that evolved out of the need to assert an alternative to imperialist globalisations of the Davos kind. And there were those whose politics could reasonably be viewed as part of the civil society infrastructure of modern-day imperial expansion. But to describe only the diversity would be to miss the real, and perhaps more disturbing, picture. The problem was that not everyone was equally represented. Not everyone had equal voices. This event had all the features of a trade fair – those with greater wealth had more events in the calendar, larger (and more comfortable) spaces, more propaganda – and therefore a larger voice. Thus the usual gaggle of quasi donor/International NGOs claimed a greater presence than national organisations – not because what they had to say was more important or more relevant to the theme of the WSF, but because, essentially, they had greater budgets at their command. Thus the WSF was not immune from the laws of (neoliberal) market forces.

There was no levelling of the playing field. This was more a World NGO Forum than an anti-capitalist mobilisation, lightly peppered with social activists and grassroots movements. And the sense of the predominance of neoliberalism was given further weight by the ubiquity of the CelTel Logo – the Kuwaiti owned telecommunications company that had exclusive rights at the WSF; a virtual monopoly provided to a hotel that provided food at extortionate prices that most Kenyans, if they were allowed in, could hardly afford. And rumours were rife that the business of catering involved people in high places winning exclusive contracts. Hawkers, on whom most of Nairobians depend for providing everything from phone cards to food and refreshment were for a while excluded physically (as well as financially) from entering the China-built Moi Sports Stadium in Kasarani, the venue for the WSF. And it was only when frustrated activists took direct action to occupy the offices of the organiser’s that a more liberal policy for entry was implemented.

(Picture taken from here)
Pambazuka News (South Africa/UK)
by Firoze Manji, January 26, 2007

The World Social Forum, which took place in Nairobi, Kenya for the first time in Africa, was supposed to be a forum for the voices of the grassroots. But Firoze Manji writes that, despite the diversity of voices at the event, not everyone was equally represented. As one would expect, WSF was highly heterogeneous. There was a lot going on. At one level no one can deny the diversity of people from all parts of the world. WSF seemingly reflected the heterogeneity of civil society internationally: there were initiatives from grassroots women’s organisations, from feminists, social movements, small and large African organisations, international (or is it ‘multinational’?) organisations, donors and funders, grantees, activists, hustlers and the hassled.

There were vociferous anti-capitalists and anti-(capitalist) globalisation meetings and discussions, as one would expect of an event that evolved out of the need to assert an alternative to imperialist globalisations of the Davos kind. And there were those whose politics could reasonably be viewed as part of the civil society infrastructure of modern-day imperial expansion. But to describe only the diversity would be to miss the real, and perhaps more disturbing, picture. The problem was that not everyone was equally represented. Not everyone had equal voices. This event had all the features of a trade fair – those with greater wealth had more events in the calendar, larger (and more comfortable) spaces, more propaganda – and therefore a larger voice. Thus the usual gaggle of quasi donor/International NGOs claimed a greater presence than national organisations – not because what they had to say was more important or more relevant to the theme of the WSF, but because, essentially, they had greater budgets at their command. Thus the WSF was not immune from the laws of (neoliberal) market forces.

There was no levelling of the playing field. This was more a World NGO Forum than an anti-capitalist mobilisation, lightly peppered with social activists and grassroots movements. And the sense of the predominance of neoliberalism was given further weight by the ubiquity of the CelTel Logo – the Kuwaiti owned telecommunications company that had exclusive rights at the WSF; a virtual monopoly provided to a hotel that provided food at extortionate prices that most Kenyans, if they were allowed in, could hardly afford. And rumours were rife that the business of catering involved people in high places winning exclusive contracts. Hawkers, on whom most of Nairobians depend for providing everything from phone cards to food and refreshment were for a while excluded physically (as well as financially) from entering the China-built Moi Sports Stadium in Kasarani, the venue for the WSF. And it was only when frustrated activists took direct action to occupy the offices of the organiser’s that a more liberal policy for entry was implemented.

(Picture taken from here)

Sunday, 28 January 2007

EGYPTIAN BLOGGER IMPRISONED

Egyptian Blogger Abdel Kareem Nabil is a 22 year old Alexandrian who has a blog under Karim Amer. He was dismissed from Al-AzharUniversity as punishment for his critical writings on Islam according to his own readings of History of Islam. His writing on his blog also focused on women and Copts' rights. As a witness to Alexandria sectarian violence, he reported violence against Copts.

However, revenge now extended to include charging him with lethal charges like religions' disdain, insulting the president of Egypt and inciting sectarian violence. He has been detained now for over 2 months under very inhuman conditions in a solitary cell. This Thursday, January 25, 2007, a court session was convened to charge him. He is expected to get a 9 year sentence.

This young man's only crime is that he dared to think and write on his own way. Freedom of expression and speech is a crime under totalitarian regimes that believe in the herd's culture to guarantee the sustainability of remaining in power. The issue is not about his writings, it is about setting an example of him to all young generations in Egypt to keep their mouth shut or they will end up spending 10 years in prison with no future. Breaking every bone in the body is a necessary procedure to break the aspiration of green young generation dreaming of a better future for their countries under all freedoms inherited by the entire humanity.

Read more @ African Path.
Egyptian Blogger Abdel Kareem Nabil is a 22 year old Alexandrian who has a blog under Karim Amer. He was dismissed from Al-AzharUniversity as punishment for his critical writings on Islam according to his own readings of History of Islam. His writing on his blog also focused on women and Copts' rights. As a witness to Alexandria sectarian violence, he reported violence against Copts.

However, revenge now extended to include charging him with lethal charges like religions' disdain, insulting the president of Egypt and inciting sectarian violence. He has been detained now for over 2 months under very inhuman conditions in a solitary cell. This Thursday, January 25, 2007, a court session was convened to charge him. He is expected to get a 9 year sentence.

This young man's only crime is that he dared to think and write on his own way. Freedom of expression and speech is a crime under totalitarian regimes that believe in the herd's culture to guarantee the sustainability of remaining in power. The issue is not about his writings, it is about setting an example of him to all young generations in Egypt to keep their mouth shut or they will end up spending 10 years in prison with no future. Breaking every bone in the body is a necessary procedure to break the aspiration of green young generation dreaming of a better future for their countries under all freedoms inherited by the entire humanity.

Read more @ African Path.

JURISTA ANGOLANA ELEITA PROCURADORA DISTRITAL DE LISBOA

A jurista angolana Francisca Van Dunem, que vinha até recentemente exercendo as funções de Procuradora-Geral Adjunta e responsável pela Direcção de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa, foi eleita, esta Sexta-Feira 26/01/07, Procuradora-Geral Distrital de Lisboa.

A eleição de Van Dunem foi deliberada por votação secreta pelo plenário do Conselho Superior do Ministério Público, que é composto por 19 elementos - 12 do MP, cinco indicados pela Assembleia da República e dois pelo Ministro da Justiça.

Parabéns!
A jurista angolana Francisca Van Dunem, que vinha até recentemente exercendo as funções de Procuradora-Geral Adjunta e responsável pela Direcção de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa, foi eleita, esta Sexta-Feira 26/01/07, Procuradora-Geral Distrital de Lisboa.

A eleição de Van Dunem foi deliberada por votação secreta pelo plenário do Conselho Superior do Ministério Público, que é composto por 19 elementos - 12 do MP, cinco indicados pela Assembleia da República e dois pelo Ministro da Justiça.

Parabéns!

Saturday, 27 January 2007

¿QUIÉN MUERE?

Muere lentamente quien no viaja, quien no lee, quien no oye música, quien no encuentra gracia en sí mismo.

Muere lentamente quien destruye su amor propio, quien no se deja ayudar.

Muere lentamente quien se transforma en esclavo del hábito, repitiendo todos los días los mismos trayectos, quien no cambia de marca, no arriesga vestir un color nuevo y no le habla a quien no conoce.

Muere lentamente quien hace de la televisión su gurú.

Muere lentamente quien evita una pasión, quien prefiere el "negro sobre blanco" y los puntos sobre las "ies" a un remolino de emociones, justamente las que rescatan el brillo de los ojos, sonrisas de los bostezos, corazones a los tropiezos y sentimientos.

Muere lentamente quien no voltea la mesa cuando está infeliz en el trabajo, quien no arriesga lo cierto por lo incierto para ir detrás de un sueño, quien no se permite por lo menos una vez en la vida, huir de los consejos sensatos.

Muere lentamente, quien pasa los días quejándose de su mala suerte o de la lluvia incesante.

Muere lentamente, quien abandonando un proyecto antes de iniciarlo, no preguntando de un asunto que desconoce o no respondiendo cuando le indagan sobre algo que sabe.

Evitemos la muerte en suaves cuotas, recordando siempre que estar vivo exige un esfuerzo mucho mayor que el simple hecho de respirar. Solamente la ardiente paciencia hará que conquistemos una espléndida felicidad.

PABLO NERUDA

Muere lentamente quien no viaja, quien no lee, quien no oye música, quien no encuentra gracia en sí mismo.

Muere lentamente quien destruye su amor propio, quien no se deja ayudar.

Muere lentamente quien se transforma en esclavo del hábito, repitiendo todos los días los mismos trayectos, quien no cambia de marca, no arriesga vestir un color nuevo y no le habla a quien no conoce.

Muere lentamente quien hace de la televisión su gurú.

Muere lentamente quien evita una pasión, quien prefiere el "negro sobre blanco" y los puntos sobre las "ies" a un remolino de emociones, justamente las que rescatan el brillo de los ojos, sonrisas de los bostezos, corazones a los tropiezos y sentimientos.

Muere lentamente quien no voltea la mesa cuando está infeliz en el trabajo, quien no arriesga lo cierto por lo incierto para ir detrás de un sueño, quien no se permite por lo menos una vez en la vida, huir de los consejos sensatos.

Muere lentamente, quien pasa los días quejándose de su mala suerte o de la lluvia incesante.

Muere lentamente, quien abandonando un proyecto antes de iniciarlo, no preguntando de un asunto que desconoce o no respondiendo cuando le indagan sobre algo que sabe.

Evitemos la muerte en suaves cuotas, recordando siempre que estar vivo exige un esfuerzo mucho mayor que el simple hecho de respirar. Solamente la ardiente paciencia hará que conquistemos una espléndida felicidad.

PABLO NERUDA

Friday, 26 January 2007

O MUNDO "DE PATAS PARA O AR"

Chris Rock's "Quote of the Year": "You know the world is going crazy when the best rapper is a white guy, the best golfer is a black guy, the tallest guy in the NBA is Chinese, the Swiss hold the America's Cup, France is accusing the U.S. of arrogance, Germany doesn't want to go to war, and the three most powerful men in America are named Bush, Dick, and Colon."

(Shamelessly stolen, minus the picture, from the interesting Blog das Causas)
Chris Rock's "Quote of the Year": "You know the world is going crazy when the best rapper is a white guy, the best golfer is a black guy, the tallest guy in the NBA is Chinese, the Swiss hold the America's Cup, France is accusing the U.S. of arrogance, Germany doesn't want to go to war, and the three most powerful men in America are named Bush, Dick, and Colon."

(Shamelessly stolen, minus the picture, from the interesting Blog das Causas)

Wednesday, 24 January 2007

CRÓNICA DE UMA DECISÃO DOCE E AMARGA (II)

Por José Cardoso Jr.

Dezembro, 2006

O fim do ano é, também, um tempo excelente para reflectir sobre aquilo que é parte de nós e que contribui para a paz e felicidade: as relações humanas. Com o aumento das dificuldades sociais, aumenta o desrespeito por coisas que eram sagradas entre nós. Aumenta a prostituição, aumenta o descaso para com os pobres, aumentam as mortes desnecessárias, aumentam as casas de lata, e, com tudo isso, aumenta a desconfiança e o descaso para com aqueles que outrora eram os pilares das comunidades, os governantes, os vizinhos, e, em muitos casos, os familiares. Mas tudo isso tende a diminuir paulatinamente. A criminalidade diminui quando a polícia se organiza humana e tecnologicamente; as mazelas sociais diminuem quando há um aumento da oferta de trabalho, quando a indústria, agricultura, saúde e educação são tratadas como sectores essências e recebem o devido apoio para seu desenvolvimento; a desordem social tende a diminuir à medida que o sistema judicial se torna independente, a oportunidade para educação se estenda a todo território nacional e as condições de vida do país permitem que muitos cidadãos regressem às províncias do interior e aos e seus municípios. A reconstrução da Europa levou 7 a 10 anos dependendo da referência que se usa, a do Japão levou quase uma década (meados dos anos 50), a de Angola levará mais tempo, porque o conflito angolano foi em muito mais devastador. Não temos o nível de desenvolvimento que a Europa e o Japão já tinham na altura. Além disso, somos africanos. Estes normalmente não recebem tão prontamente o apoio necessário para os seus programas de desenvolvimento. Mas lá se há-de chegar. É nisso que acredito neste Dezembro frio de Londres. O fim de ano é o tempo em que as pessoas se sentam, reavaliam as suas prioridades e, às vezes, mudam o rumo das suas vidas. Alguns deixam de fumar, outros passam a ir ao ginásio. Eu decidi voltar a Angola por algum tempo, na primeira oportunidade. Mas esta é uma decisão de grande impacto na minha vida. Depois de tantos anos, voltar não é fácil. A vida tornou-se confortável. Os pequenos já não são bebés. O emprego é estável e nele sinto-me em casa. A esposa não parece tão entusiasmada. Ela tem carreira e aspirações próprias. Os miúdos perguntam por isto e aquilo e a resposta nem sempre é a mais convincente. Mas somos angolanos vivendo em terra emprestada e quando é este o caso, o corpo pode estar satisfeito, mas a alma chora. Quando se olha para os vencimentos praticados no mercado de trabalho, vacila-se pois com estes é impossível viver. Mas continua a esperança de que algo se pode arranjar. Assim é o angolano, que anda com a esperança no bolso.
Por José Cardoso Jr.

Dezembro, 2006

O fim do ano é, também, um tempo excelente para reflectir sobre aquilo que é parte de nós e que contribui para a paz e felicidade: as relações humanas. Com o aumento das dificuldades sociais, aumenta o desrespeito por coisas que eram sagradas entre nós. Aumenta a prostituição, aumenta o descaso para com os pobres, aumentam as mortes desnecessárias, aumentam as casas de lata, e, com tudo isso, aumenta a desconfiança e o descaso para com aqueles que outrora eram os pilares das comunidades, os governantes, os vizinhos, e, em muitos casos, os familiares. Mas tudo isso tende a diminuir paulatinamente. A criminalidade diminui quando a polícia se organiza humana e tecnologicamente; as mazelas sociais diminuem quando há um aumento da oferta de trabalho, quando a indústria, agricultura, saúde e educação são tratadas como sectores essências e recebem o devido apoio para seu desenvolvimento; a desordem social tende a diminuir à medida que o sistema judicial se torna independente, a oportunidade para educação se estenda a todo território nacional e as condições de vida do país permitem que muitos cidadãos regressem às províncias do interior e aos e seus municípios. A reconstrução da Europa levou 7 a 10 anos dependendo da referência que se usa, a do Japão levou quase uma década (meados dos anos 50), a de Angola levará mais tempo, porque o conflito angolano foi em muito mais devastador. Não temos o nível de desenvolvimento que a Europa e o Japão já tinham na altura. Além disso, somos africanos. Estes normalmente não recebem tão prontamente o apoio necessário para os seus programas de desenvolvimento. Mas lá se há-de chegar. É nisso que acredito neste Dezembro frio de Londres. O fim de ano é o tempo em que as pessoas se sentam, reavaliam as suas prioridades e, às vezes, mudam o rumo das suas vidas. Alguns deixam de fumar, outros passam a ir ao ginásio. Eu decidi voltar a Angola por algum tempo, na primeira oportunidade. Mas esta é uma decisão de grande impacto na minha vida. Depois de tantos anos, voltar não é fácil. A vida tornou-se confortável. Os pequenos já não são bebés. O emprego é estável e nele sinto-me em casa. A esposa não parece tão entusiasmada. Ela tem carreira e aspirações próprias. Os miúdos perguntam por isto e aquilo e a resposta nem sempre é a mais convincente. Mas somos angolanos vivendo em terra emprestada e quando é este o caso, o corpo pode estar satisfeito, mas a alma chora. Quando se olha para os vencimentos praticados no mercado de trabalho, vacila-se pois com estes é impossível viver. Mas continua a esperança de que algo se pode arranjar. Assim é o angolano, que anda com a esperança no bolso.

CRÓNICA DE UMA DECISÃO DOCE E AMARGA (I)

Por José Cardoso Jr.

Dezembro, 2006

O fim de ano é um tempo de excitação, tempo de limpar o velho e olhar ansiosamente (no bom sentido) para o futuro. De olhar com alegria para as promessas futuras e contar as bênçãos do ano que se vai. Tempo de contabilidade, de elogios a quem merece, de sorrisos para os que respiram e de lágrimas para os que se foram. Este é tempo de reflexão. De ter a determinação de considerar as nossas acções de uma perspectiva diferente antes de as executarmos. Tempo de saudar alguns (mas de modo algum todos) pelas suas realizações e tentativas por esta Angola carente de carinho e dedicação de todos. Para mim cada ano que se vai, uma lágrima cai e um sorri aflora. Uma lágrima porque aumentam os cabelos grisalhos (que, surpreendentemente, estão a surgir, apesar dos meus 38 anos de idade), e um sorriso, por ter vivido mais um ano e desfrutar de alegrias que só os vivos podem. Este é, portanto, tempo de celebrar a vida. De vivê-la com prazer e humildade a cada minuto. Tempo de distribuir sorrisos aos que imploram por um, de abraçar amigos e adversários na certeza de que bem lá no fundo, nós gostamos muito uns de outros apesar das diferenças. Tempo de definir prioridades para o próximo ano, com a promessa de não repetir os erros deste ano. Para Angola, o próximo ano será, definitivamente, um ano excitante. Muitos dirão com justeza: «Estamos sempre a subir»; outros nem tanto, mas a verdade é que ao mesmo tempo que as críticas e frustrações aumentarão no que toca à qualidade de vida, dar-se-ão passos em frente, visto que o processo de reconstrução nacional, apesar de titubeante, continuará a sua marcha irreversível e com ele a melhoria das condições de vida. É impossível não pensar assim quando se olha para a grandeza deste país. Grandeza de riquezas. Grandeza de querer. Grandeza de potencial humano. As universidades (apesar de pouquíssimas) estão cheias. A juventude, cheia de força e capacidade de aprender, quer trabalhar, contribuir com seu vigor juvenil aí onde é necessário. O espírito empreendedor ganhará novo ímpeto com a consolidação do Banco de Desenvolvimento de Angola (espera-se que assim seja e que todos, sem distinção injusta, possam beneficiar dele). Acredito que as estradas e pontes começarão realmente a ser reconstruídas. Acredito que haverá gestores de projectos, engenheiros, técnicos, trabalhadores braçais no terreno e nos escritórios onde se tomarem decisões. Acredito que estas serão decisões puramente técnicas, tomadas por técnicos, gente que entende da coisa e pode levar a bom porto o que for minuciosamente planificado.
Por José Cardoso Jr.

Dezembro, 2006

O fim de ano é um tempo de excitação, tempo de limpar o velho e olhar ansiosamente (no bom sentido) para o futuro. De olhar com alegria para as promessas futuras e contar as bênçãos do ano que se vai. Tempo de contabilidade, de elogios a quem merece, de sorrisos para os que respiram e de lágrimas para os que se foram. Este é tempo de reflexão. De ter a determinação de considerar as nossas acções de uma perspectiva diferente antes de as executarmos. Tempo de saudar alguns (mas de modo algum todos) pelas suas realizações e tentativas por esta Angola carente de carinho e dedicação de todos. Para mim cada ano que se vai, uma lágrima cai e um sorri aflora. Uma lágrima porque aumentam os cabelos grisalhos (que, surpreendentemente, estão a surgir, apesar dos meus 38 anos de idade), e um sorriso, por ter vivido mais um ano e desfrutar de alegrias que só os vivos podem. Este é, portanto, tempo de celebrar a vida. De vivê-la com prazer e humildade a cada minuto. Tempo de distribuir sorrisos aos que imploram por um, de abraçar amigos e adversários na certeza de que bem lá no fundo, nós gostamos muito uns de outros apesar das diferenças. Tempo de definir prioridades para o próximo ano, com a promessa de não repetir os erros deste ano. Para Angola, o próximo ano será, definitivamente, um ano excitante. Muitos dirão com justeza: «Estamos sempre a subir»; outros nem tanto, mas a verdade é que ao mesmo tempo que as críticas e frustrações aumentarão no que toca à qualidade de vida, dar-se-ão passos em frente, visto que o processo de reconstrução nacional, apesar de titubeante, continuará a sua marcha irreversível e com ele a melhoria das condições de vida. É impossível não pensar assim quando se olha para a grandeza deste país. Grandeza de riquezas. Grandeza de querer. Grandeza de potencial humano. As universidades (apesar de pouquíssimas) estão cheias. A juventude, cheia de força e capacidade de aprender, quer trabalhar, contribuir com seu vigor juvenil aí onde é necessário. O espírito empreendedor ganhará novo ímpeto com a consolidação do Banco de Desenvolvimento de Angola (espera-se que assim seja e que todos, sem distinção injusta, possam beneficiar dele). Acredito que as estradas e pontes começarão realmente a ser reconstruídas. Acredito que haverá gestores de projectos, engenheiros, técnicos, trabalhadores braçais no terreno e nos escritórios onde se tomarem decisões. Acredito que estas serão decisões puramente técnicas, tomadas por técnicos, gente que entende da coisa e pode levar a bom porto o que for minuciosamente planificado.

Tuesday, 23 January 2007

E' CHUVA!


Pessoa amiga escreveu-me isto hoje: "(...) Tem chovido imenso. Nem imaginas os estragos materiais e humanos que a chuvada fez ontem em Luanda. Foram seis horas de chuva intensa. A cidade está um caos.... a população está a passar mal, casas inundadas, os morros a desabarem, o paludismo a matar...enfim..."

Foto tirada daqui.

Ver imagens mais descritivas na KITANDA e no Ne-Kongo.org

Pessoa amiga escreveu-me isto hoje: "(...) Tem chovido imenso. Nem imaginas os estragos materiais e humanos que a chuvada fez ontem em Luanda. Foram seis horas de chuva intensa. A cidade está um caos.... a população está a passar mal, casas inundadas, os morros a desabarem, o paludismo a matar...enfim..."

Foto tirada daqui.

Ver imagens mais descritivas na KITANDA e no Ne-Kongo.org

Monday, 22 January 2007

ONZO YA N'ZAMBI



Neste fim de semana procurávamos as sepulturas cavadas na rocha onde os antigos chefes e sobas eram enterrados.
Queria também saber mais sobre as práticas funerárias e feiticistas ligadas aquele lugar. Na minha qualidade de N'Kissi Yangue ( O que nasce com feitiço ) trazida de Cabinda tenho direito a alguma informação, entre colegas de oficio.
Ao longe vi uma silhueta do que me pareceu ser uma enorme casa, num sitio impossível.
Perguntei e responderam-me que era "Onzo ya N'Zambi" - a Casa de Deus - La Maison de Dieu - The House of God.
Conforme nos fomos aproximando percebi tratar-se de uma formação rochosa, um capricho vulcânico, mas concordei com eles.
Era o sitio ideal e certamente a mão do homem nunca conseguiria fazer aquilo.

Vejam e digam o que vos parece.

(José Alçada)


(This post is reblogged by African Women Blogs)



Neste fim de semana procurávamos as sepulturas cavadas na rocha onde os antigos chefes e sobas eram enterrados.
Queria também saber mais sobre as práticas funerárias e feiticistas ligadas aquele lugar. Na minha qualidade de N'Kissi Yangue ( O que nasce com feitiço ) trazida de Cabinda tenho direito a alguma informação, entre colegas de oficio.
Ao longe vi uma silhueta do que me pareceu ser uma enorme casa, num sitio impossível.
Perguntei e responderam-me que era "Onzo ya N'Zambi" - a Casa de Deus - La Maison de Dieu - The House of God.
Conforme nos fomos aproximando percebi tratar-se de uma formação rochosa, um capricho vulcânico, mas concordei com eles.
Era o sitio ideal e certamente a mão do homem nunca conseguiria fazer aquilo.

Vejam e digam o que vos parece.

(José Alçada)


(This post is reblogged by African Women Blogs)

KENYA: A CULTURAL MIX AS WORLD SOCIAL FORUM OPENS

Nairobi (Kenya) - It was pomp and colour, dance and measured excitement, agitation and powerful speeches as the seventh edition of the World Social Forum (WSF) officially opened in Nairobi on Saturday. At Uhuru Park, it was a cultural mix to behold as participants from different parts of the world tried to gyrate to a remarkably varied mix of music that boomed from powerful sound systems. It was partly entertainment, according to the participants, but it was also a powerful way of expression. "We are aiming for a world in which all people - white and black, rich and poor - shall be seen as equal in the eyes of God. A society in which man shall not be exploited by fellow man," said Kenneth Kaunda, the former president of Zambia.The Uhuru park event followed a march from Kibera slum, about seven kilometres southwest of Nairobi. The slum is Kenya's and East Africa's largest, with a population of over 700,000 people. Here, the delegates came face to face with poverty: mud huts, no sewerage system, choking stench from the streams of open sewers, no roads, no services of any kind.

Vendors and hawkers - carrying placards that read: "Another world is possible for street vendors in poor and rich cities"- joined them. And they too, chanted peace songs. Children carried placards condemning forced marriages and female genital mutilation. Andreas Loebell, a participant from Switzerland, said: "I hope that this social forum will make a difference where most of our problems might be addressed."We were told to come for this celebration because it is a celebration to end poverty," Edward Njeru, driver of a tuktuk (a three-wheel vehicle used as a taxi in urban areas), said about the World Social Forum (WSF). "I hope this poverty really ends." Njeru, who takes home between 14 to 43 dollars per month, barely enough to meet his needs, was with about 30 of his colleagues who paraded their colourful tuktuks in Uhuru Park, where the WSF opening ceremony took place.Besides the tuktuks, bicycle taxi drivers displayed their "boda bodas", which have become a popular means of transport in many parts of the country. The parades of tuktuks and boda bodas reflected the theme for the seventh annual WSF, "Peoples' struggles, peoples' alternatives", whereby people address poverty in their own small ways.
As the world grapples with the HIV/AIDS challenge, several initiatives seeking to address the problem have emerged in different parts of the world. In Brazil, poems have been used on condoms to inform people of the dangers of HIV/AIDS. The "poetic condom" project was the brainchild of Ramos Filho, a poet and law professor from Itajai district in Santa Catarina, Brazil. He was prompted by the high rate of HIV/AIDS in the region. "The high cases were an alert that something needed to be done urgently. I started distributing condoms with poetic messages to the whole of Brazil with the objective of giving information to people," Filho told IPS at the park, where he was distributing the condoms. His project, he said, had led to increased awareness and behavioural change among people. Filho's initiative fits well into the WSF slogan, "another world is possible", as well as this year's theme: peoples' struggles, peoples' alternatives.

Indeed, the WSF 2007 organising committee hopes that more such initiatives will emerge from the forum. "We expect that people will interrogate the current world as it is and make alternatives for creating a better world," Oduor Ong'wen, a member of the committee, told IPS.More than 150,000 people from around the world are expected to attend the WSF, January 20-25, in which other key issues including housing, environment, trade, unemployment, corruption, governance and human rights will be discussed. The WSF is an annual gathering of social activists seeking to chart out ways of countering the dominance of the rich western nations. Usually, this meet of tens of thousands of activists takes place in January, as a counterweight to the World Economic Forum, an annual meeting of powerful business and political élites held in the Swiss alpine resort of Davos.

Text: Compilation of articles by Edith Fortunate and Lucianne Limo (East African Standard, Kenya) and Joyce Mulama (Inter Press Service - IPS)

(Read interview with Wangari Maathai on the WSF 2007 here)
Nairobi (Kenya) - It was pomp and colour, dance and measured excitement, agitation and powerful speeches as the seventh edition of the World Social Forum (WSF) officially opened in Nairobi on Saturday. At Uhuru Park, it was a cultural mix to behold as participants from different parts of the world tried to gyrate to a remarkably varied mix of music that boomed from powerful sound systems. It was partly entertainment, according to the participants, but it was also a powerful way of expression. "We are aiming for a world in which all people - white and black, rich and poor - shall be seen as equal in the eyes of God. A society in which man shall not be exploited by fellow man," said Kenneth Kaunda, the former president of Zambia.The Uhuru park event followed a march from Kibera slum, about seven kilometres southwest of Nairobi. The slum is Kenya's and East Africa's largest, with a population of over 700,000 people. Here, the delegates came face to face with poverty: mud huts, no sewerage system, choking stench from the streams of open sewers, no roads, no services of any kind.

Vendors and hawkers - carrying placards that read: "Another world is possible for street vendors in poor and rich cities"- joined them. And they too, chanted peace songs. Children carried placards condemning forced marriages and female genital mutilation. Andreas Loebell, a participant from Switzerland, said: "I hope that this social forum will make a difference where most of our problems might be addressed."We were told to come for this celebration because it is a celebration to end poverty," Edward Njeru, driver of a tuktuk (a three-wheel vehicle used as a taxi in urban areas), said about the World Social Forum (WSF). "I hope this poverty really ends." Njeru, who takes home between 14 to 43 dollars per month, barely enough to meet his needs, was with about 30 of his colleagues who paraded their colourful tuktuks in Uhuru Park, where the WSF opening ceremony took place.Besides the tuktuks, bicycle taxi drivers displayed their "boda bodas", which have become a popular means of transport in many parts of the country. The parades of tuktuks and boda bodas reflected the theme for the seventh annual WSF, "Peoples' struggles, peoples' alternatives", whereby people address poverty in their own small ways.
As the world grapples with the HIV/AIDS challenge, several initiatives seeking to address the problem have emerged in different parts of the world. In Brazil, poems have been used on condoms to inform people of the dangers of HIV/AIDS. The "poetic condom" project was the brainchild of Ramos Filho, a poet and law professor from Itajai district in Santa Catarina, Brazil. He was prompted by the high rate of HIV/AIDS in the region. "The high cases were an alert that something needed to be done urgently. I started distributing condoms with poetic messages to the whole of Brazil with the objective of giving information to people," Filho told IPS at the park, where he was distributing the condoms. His project, he said, had led to increased awareness and behavioural change among people. Filho's initiative fits well into the WSF slogan, "another world is possible", as well as this year's theme: peoples' struggles, peoples' alternatives.

Indeed, the WSF 2007 organising committee hopes that more such initiatives will emerge from the forum. "We expect that people will interrogate the current world as it is and make alternatives for creating a better world," Oduor Ong'wen, a member of the committee, told IPS.More than 150,000 people from around the world are expected to attend the WSF, January 20-25, in which other key issues including housing, environment, trade, unemployment, corruption, governance and human rights will be discussed. The WSF is an annual gathering of social activists seeking to chart out ways of countering the dominance of the rich western nations. Usually, this meet of tens of thousands of activists takes place in January, as a counterweight to the World Economic Forum, an annual meeting of powerful business and political élites held in the Swiss alpine resort of Davos.

Text: Compilation of articles by Edith Fortunate and Lucianne Limo (East African Standard, Kenya) and Joyce Mulama (Inter Press Service - IPS)

(Read interview with Wangari Maathai on the WSF 2007 here)

AMPLIDÃO DE COORDENADAS GEOGRÁFICAS


Goa e Lisboa

Cair do Pano

As acácias já se incendiaram de vermelho
e o zumbido das cigarras enxameia obsidiante
a manhã de Dezembro. A terra exala,
em haustos longos, o aguaceiro da madrugada.
Ao longe, no extremo distante da caixa

de areia, o monhé das cobras enrola
a esteira e leva o cesto à cabeça,
cumprindo o papel exacto que lhe coube
e executou com paciência e sageza hindu.
Dura um instante no trémulo contraluz

do lume a que se acolhe, antes da sombra
derradeira. Assim, os comparsas convocados
para esta comédia a abandonam, verso
a verso, consignando-a ao olvido
e à erva daninha que, persistente, a cobrirá

irremediavelmente. O encenador faz
a vénia da praxe e, porque aplausos
lhe não são devidos, esgueira-se pelo
anonimato da esquerda alta. É Dezembro
a encurtar o tempo, o pouco que nos sobra.

Rui Knopfli, O Monhé das Cobras

PS - Trago no sangue uma amplidão de coordenadas geográficas e mar Índico.
"Naturalidade", Rui Knopfli.



[Poema kassumbulado daqui]

Fotos: Acacia Rubra de Benguela & Matrindindi (Carlos Pires)



Goa e Lisboa

Cair do Pano

As acácias já se incendiaram de vermelho
e o zumbido das cigarras enxameia obsidiante
a manhã de Dezembro. A terra exala,
em haustos longos, o aguaceiro da madrugada.
Ao longe, no extremo distante da caixa

de areia, o monhé das cobras enrola
a esteira e leva o cesto à cabeça,
cumprindo o papel exacto que lhe coube
e executou com paciência e sageza hindu.
Dura um instante no trémulo contraluz

do lume a que se acolhe, antes da sombra
derradeira. Assim, os comparsas convocados
para esta comédia a abandonam, verso
a verso, consignando-a ao olvido
e à erva daninha que, persistente, a cobrirá

irremediavelmente. O encenador faz
a vénia da praxe e, porque aplausos
lhe não são devidos, esgueira-se pelo
anonimato da esquerda alta. É Dezembro
a encurtar o tempo, o pouco que nos sobra.

Rui Knopfli, O Monhé das Cobras

PS - Trago no sangue uma amplidão de coordenadas geográficas e mar Índico.
"Naturalidade", Rui Knopfli.



[Poema kassumbulado daqui]

Fotos: Acacia Rubra de Benguela & Matrindindi (Carlos Pires)


Sunday, 21 January 2007

MAIS MUSICA ANGOLANA

Há uma página na Web que tem diversas canções do Duo Ouro Negro, incluindo a "Muxima". A qualidade do som não é a melhor, mas dá para apreciar. Clique aqui para ouvir.

Aproveito para chamar a sua atenção para a canção que vem designada "Missanga", que é de Goa, e para "Ilisa Gomara Saia", que é do moçambicano Fanny Pfumo, que foi uma espécie de "Liceu" Vieira Dias de Moçambique. Com base nesta última canção, o Duo Ouro Negro fez um "musical" na RTP, nos idos dos anos 60, que ficou na memória de muita gente.

Naquele tempo, a música angolana era muito divulgada pela televisão aqui da "metrópole", com frequentes actuações dos Ngola Ritmos (que foram os pioneiros), Duo Ouro Negro e Lilly Tchiumba.

Denudado
Há uma página na Web que tem diversas canções do Duo Ouro Negro, incluindo a "Muxima". A qualidade do som não é a melhor, mas dá para apreciar. Clique aqui para ouvir.

Aproveito para chamar a sua atenção para a canção que vem designada "Missanga", que é de Goa, e para "Ilisa Gomara Saia", que é do moçambicano Fanny Pfumo, que foi uma espécie de "Liceu" Vieira Dias de Moçambique. Com base nesta última canção, o Duo Ouro Negro fez um "musical" na RTP, nos idos dos anos 60, que ficou na memória de muita gente.

Naquele tempo, a música angolana era muito divulgada pela televisão aqui da "metrópole", com frequentes actuações dos Ngola Ritmos (que foram os pioneiros), Duo Ouro Negro e Lilly Tchiumba.

Denudado

Saturday, 20 January 2007

MAKAS NA SANZALA GLOBAL

THE GOODY, THE BADDY & THE UGGLY

Confesso (para algum embaraco do meu filho, que diz nao entender muito bem essa minha “inclinacao”…) que, embora nao veja novelas, sempre que posso, sou uma espectadora interessada do show televisivo Big Brother (BB). Vi, pelo menos parcialmente, algumas das series do UK e duas da Africa do Sul – uma domestica e outra continental, o “Big Brother Africa”, embora nesta tenha perdido a “prestacao” da participante Angolana na sua primeira serie, porque quando fui alertada sobre o programa ja ela tinha sido a primeira a ser expulsa… Para mim, a atraccao do BB consiste em observar um “microcosmos social” nos seus mais pequenos detalhes e seguir as logicas de interaccao entre pessoas, ou grupos, dos mais diversos "backgrounds" sociais, culturais, politicos, etnicos, raciais ou religiosos e, talvez o mais interessante, a reaccao do publico atraves do sistema de votacao semanal... e, talvez mais interessante ainda, o programa de discussao sobre o BB-UK, "Big Brother Big Mouth", actualmente apresentado pelo "enfant terrible" da TV Britanica, Russell Brand (I 'loves' him!)... Enfim, tenho achado o BB bastante elucidativo sobre a(s) sociedade(s) que, mais ou menos explicitamente, acaba por retratar - um verdadeiro "observatorio sociologico".

Ora, estas duas ultimas semanas foram marcadas, a custa da versao “Celebrity” do BB-UK, por um dos mais bizarros acontecimentos na Sanzala Global, que nao tera' sequer passado pela prodigiosa imaginacao de Orwell, quando, em 1949, escreveu 1984 (“Big Brother is Watching You”) … Feliz ou infelizmente, por causa deste meu actual “blogging bug”, nao tenho visto esta serie e apenas comecei a seguir as headlines quando elas se comecaram a tornar mais estridentes e incontornaveis.

A maka conta-se mais ou menos assim: Jade Goody – uma “London lass” de 25 anos de idade, com um baixissimo nivel de educacao e instrucao, para dizer o minimo, e criada por uma mae toxico-dependente, tornou-se “celebrity” ao longo dos ultimos 4 anos, desde que participou numa das series “normais” do BB e, depois de ter ostensivamente "empurrado" para a obscuridade a que tinha sido a vencedora daquela serie, embarcou num processo publico de “polimento” que a fez chegar a um patamar que recentemente lhe permitiu dizer “I’m the 25th most influential person in the world…Pathetic! I don’t even know what that word (influential) means!” – proferiu uma serie de ataques de cariz racista contra outra participante no programa. Esta, Shilpa Shetty, de 31 anos de idade – uma “Bollywood star” de primeiro nivel na India e com um background familiar, educacional e cultural diametralmente oposto ao da Goody – viu-se sem vocabulario, ou “atitude”, para responder a verdadeira torrente de insultos e constante "bullying" por parte da outra e dos seus aliados na casa, incluindo a mae da Jade, que tambem virou "celebridade" a custa da filha…

Vai dai, o Governo Indiano "toma-se de ultrajes" e, entre manifestacoes nas ruas de Mombay, muito parecidas com as que vimos por causa da maka dos cartoons sobre o Profeta Allah, incluindo queima de efigies dos produtores do BB-UK e tudo, pede explicacoes ao desprevenido Gordon Brown, que tem o azar de estar em visita oficial a India nos dias mais quentes da maka... O coitado do Brown apenas conseguiu dizer que nunca tinha visto o programa, mas que condenava veementemente todo e qualquer acto de racismo no UK… Entretanto, em Londres, varios MPs, liderados por um parlamentar de origem Indiana (e tambem, talvez, de origem Portuguesa de Goa, porque tem o apelido Vaz), levaram a questao a sessao semanal, as quartas-feiras, do “Prime Minister’s Questions” em Westminster e o Tony Blair tambem nao ficou menos engasgado que o Brown… Pelo meio, o Channel 4, responsavel pelo BB-UK, recebeu mais de 30 mil queixas de telespectadores indignados com o que estavam a ver nos seus ecrans - o que constituiu um record absoluto de queixas por parte do publico na historia da TV Britanica - e alguns dos principais sponsors do programa comecaram a retirar os seus patrocinios… Enfim, uma “total mess”!

Entretanto, as duas foram postas "head to head" a votacao esta semana para serem expulsas e… saiu a Goody, por votacao da maioria absolutamente esmagadora do publico! Ontem, pela primeira vez na vida do programa, houve uma “eviction night” marcada pelo mais ensurdecedor silencio, ao contrario dos habituais banhos de multidao, cartazes, flashes e poses… Sem duvida, um “marco historico” na vida do BB. Quanto a Jade, que conseguiu acumular, nas duas series em que participou e no periodo entre elas, os papeis de “good, bad & uggly”, ontem, sob a orientacao da sua forte equipa de “coaches”, “career managers” e PRs, desfez-se em desculpas, explicacoes e “denials”, mas parece ja ter percebido o que todos os 'tabloids' e 'broadsheets' dizem esta manha sobre a sua carreira: pelos olhos do BB foi feita e aos olhos do BB foi desfeita...

Toda esta maka tambem me confirmou a conviccao que tenho ha muito de que a sociedade Britanica de hoje sera’ profundamente “class-based” e tera’, certamente, como qualquer outra, individuos e grupos racistas - o que em varias series do BB tem sido, em menor ou maior grau, evidenciado - mas nao e’ uma sociedade inerentemente racista, particularmente se comparada a outras sociedades Europeias (ou Africanas, for that matter)…

VER VIDEOS aqui e aqui

PS: SHILPA WON "CELEBRITY BIG BROTHER 2007"...
THE GOODY, THE BADDY & THE UGGLY

Confesso (para algum embaraco do meu filho, que diz nao entender muito bem essa minha “inclinacao”…) que, embora nao veja novelas, sempre que posso, sou uma espectadora interessada do show televisivo Big Brother (BB). Vi, pelo menos parcialmente, algumas das series do UK e duas da Africa do Sul – uma domestica e outra continental, o “Big Brother Africa”, embora nesta tenha perdido a “prestacao” da participante Angolana na sua primeira serie, porque quando fui alertada sobre o programa ja ela tinha sido a primeira a ser expulsa… Para mim, a atraccao do BB consiste em observar um “microcosmos social” nos seus mais pequenos detalhes e seguir as logicas de interaccao entre pessoas, ou grupos, dos mais diversos "backgrounds" sociais, culturais, politicos, etnicos, raciais ou religiosos e, talvez o mais interessante, a reaccao do publico atraves do sistema de votacao semanal... e, talvez mais interessante ainda, o programa de discussao sobre o BB-UK, "Big Brother Big Mouth", actualmente apresentado pelo "enfant terrible" da TV Britanica, Russell Brand (I 'loves' him!)... Enfim, tenho achado o BB bastante elucidativo sobre a(s) sociedade(s) que, mais ou menos explicitamente, acaba por retratar - um verdadeiro "observatorio sociologico".

Ora, estas duas ultimas semanas foram marcadas, a custa da versao “Celebrity” do BB-UK, por um dos mais bizarros acontecimentos na Sanzala Global, que nao tera' sequer passado pela prodigiosa imaginacao de Orwell, quando, em 1949, escreveu 1984 (“Big Brother is Watching You”) … Feliz ou infelizmente, por causa deste meu actual “blogging bug”, nao tenho visto esta serie e apenas comecei a seguir as headlines quando elas se comecaram a tornar mais estridentes e incontornaveis.

A maka conta-se mais ou menos assim: Jade Goody – uma “London lass” de 25 anos de idade, com um baixissimo nivel de educacao e instrucao, para dizer o minimo, e criada por uma mae toxico-dependente, tornou-se “celebrity” ao longo dos ultimos 4 anos, desde que participou numa das series “normais” do BB e, depois de ter ostensivamente "empurrado" para a obscuridade a que tinha sido a vencedora daquela serie, embarcou num processo publico de “polimento” que a fez chegar a um patamar que recentemente lhe permitiu dizer “I’m the 25th most influential person in the world…Pathetic! I don’t even know what that word (influential) means!” – proferiu uma serie de ataques de cariz racista contra outra participante no programa. Esta, Shilpa Shetty, de 31 anos de idade – uma “Bollywood star” de primeiro nivel na India e com um background familiar, educacional e cultural diametralmente oposto ao da Goody – viu-se sem vocabulario, ou “atitude”, para responder a verdadeira torrente de insultos e constante "bullying" por parte da outra e dos seus aliados na casa, incluindo a mae da Jade, que tambem virou "celebridade" a custa da filha…

Vai dai, o Governo Indiano "toma-se de ultrajes" e, entre manifestacoes nas ruas de Mombay, muito parecidas com as que vimos por causa da maka dos cartoons sobre o Profeta Allah, incluindo queima de efigies dos produtores do BB-UK e tudo, pede explicacoes ao desprevenido Gordon Brown, que tem o azar de estar em visita oficial a India nos dias mais quentes da maka... O coitado do Brown apenas conseguiu dizer que nunca tinha visto o programa, mas que condenava veementemente todo e qualquer acto de racismo no UK… Entretanto, em Londres, varios MPs, liderados por um parlamentar de origem Indiana (e tambem, talvez, de origem Portuguesa de Goa, porque tem o apelido Vaz), levaram a questao a sessao semanal, as quartas-feiras, do “Prime Minister’s Questions” em Westminster e o Tony Blair tambem nao ficou menos engasgado que o Brown… Pelo meio, o Channel 4, responsavel pelo BB-UK, recebeu mais de 30 mil queixas de telespectadores indignados com o que estavam a ver nos seus ecrans - o que constituiu um record absoluto de queixas por parte do publico na historia da TV Britanica - e alguns dos principais sponsors do programa comecaram a retirar os seus patrocinios… Enfim, uma “total mess”!

Entretanto, as duas foram postas "head to head" a votacao esta semana para serem expulsas e… saiu a Goody, por votacao da maioria absolutamente esmagadora do publico! Ontem, pela primeira vez na vida do programa, houve uma “eviction night” marcada pelo mais ensurdecedor silencio, ao contrario dos habituais banhos de multidao, cartazes, flashes e poses… Sem duvida, um “marco historico” na vida do BB. Quanto a Jade, que conseguiu acumular, nas duas series em que participou e no periodo entre elas, os papeis de “good, bad & uggly”, ontem, sob a orientacao da sua forte equipa de “coaches”, “career managers” e PRs, desfez-se em desculpas, explicacoes e “denials”, mas parece ja ter percebido o que todos os 'tabloids' e 'broadsheets' dizem esta manha sobre a sua carreira: pelos olhos do BB foi feita e aos olhos do BB foi desfeita...

Toda esta maka tambem me confirmou a conviccao que tenho ha muito de que a sociedade Britanica de hoje sera’ profundamente “class-based” e tera’, certamente, como qualquer outra, individuos e grupos racistas - o que em varias series do BB tem sido, em menor ou maior grau, evidenciado - mas nao e’ uma sociedade inerentemente racista, particularmente se comparada a outras sociedades Europeias (ou Africanas, for that matter)…

VER VIDEOS aqui e aqui

PS: SHILPA WON "CELEBRITY BIG BROTHER 2007"...

Friday, 19 January 2007

NOVOS LANCAMENTOS DA NZILA

EDITORIAL NZILA LANÇAMENTOS:

Dia: 26 (Sexta-feira)
Hora: 17H30
Local: União dos Escritores Angolanos (UEA)
Título: Os Filhos do Papá Dya Kota (Romance)
Autor: António Setas
Apresentador: Domingos Lopes, licenciado em línguas
______________________________
Sobre o autor (contacto 912316807)
António Setas nasceu na Restinga do Lobito em 1942. Fez estudos secundários no Porto, em Portugal. Aos 18 anos fugiu a salto pela fronteira norte, perto de Chaves, para não ser incorporado no exército português e instalou-se em Bruxelas, em casa de amigos belgas. Obteve o estatuto de refugiado político da ONU em 1961. Licenciou-se em Ciências Políticas pela Universidade Livre de Bruxelas – ULB em 1967.

Dia: 30 (Terça-feira, sessão conjunta)
Hora: 17H30
Local: União dos Escritores Angolanos (UEA)

1. Títulos: Todas as Palavras (Poesia)
Autor: João Melo
Apresentador: João Maimona
_________________________________
Sobre o Autor (contacto: 923 963 531)
João Melo é jornalista, escri­tor, publicitário e professor universitário. Nasceu em Luanda em 1955. Estudou Direito em Coimbra e em Luanda. Licenciou-se em Comunicação Social e fez mestrado em Comunicação e Cultura no Rio de Janeiro. Dirigiu vários meios de comunicação angolanos, estatais e privados. Membro fundador da União dos Es­critores Angolanos (UEA), ocupou diversos cargos de responsabilidade nos res­pectivos órgãos sociais, tais como Secretário-geral, presi­dente da Comissão Directi­va e presidente do Conselho Fiscal. Actualmente é direc­tor de uma agência de comu­nicação, dá aulas e é deputa­do à Assembleia Nacional.

1.1 Título: Estratégia para Vencer nas Eleições e na Democracia (Ensaio)
Autor: Joaquim Gimbi
Apresentador: Justino Pinto de Andrade, economista.
_______________________
Sobre o Autor (contacto: 923375080)
Joaquim Gimbi é actualmente o Coordenador de Sistemas de Desempenho da Cabinda Gulf Oil Company.
Foi analista de Sistemas de computadores e coordenador de segurança da rede informática. Tem uma ampla formação profissional em Sistemas de informação pela Corporação Chevron; Leccionou na antiga Escola Nacional do Partido e em algumas Escolas Públicas de Luanda.
É licenciado em Química pelo Instituto Superior E.J. Varona, Cuba. Ele possui um Mestrado em Administração e Gestão de Empresas (MBA) pela Preston University, e um Mestrado em Administração e Gestão de Empresas com Especialidade em Gestão de Projectos (MBA/PM) pela Aspen University, Estados Unidos da America.

Sobre o livro
Este livro serve de base de documento de consulta para partidos, candidatos a presidente e a cidadãos em geral que participam nas eleições. Na qualidade de partidário ou eleitor, você necessita de uma estratégia para vencer os seus adversários políticos dentro das linhas da democracia. Sem estratégias para gerir o seu projecto eleitoral, a abstenção, a frustração ou a derrota será a sua aliada. Oportunidades para escolher os seus líderes, são poucas. Por isso caro eleitor, você é o juiz do tribunal supremo nas urnas. Não desperdice o seu voto, não se guie simplesmente pelas motivações políticas, guie-se pelas motivações socio-políticas e económicas.
O presente livro também discute a relação entre Democracia e Poder Local e verifica as relações entre Gestor, inovação e o papel do Município na gestão pública.

Apareça com amigos e familires, compre livros e ganhe autógrafos dos autores. Preços promicionais:

- Todas as Palavras (Poesia) Kz 1000,00
- Os Filhos do Papá Dya Kota (Romance) Kz 1000,00
- Estratégia para Vencer nas Eleições e na Democracia (Ensaio) Kz 1000,000

PRÓXIMO LANÇAMENTO
FEVEREIRO DE 2007
Dia: 04 (Domingo) Dia do Início da Luta Armada de Libertação Nacional
Hora: 09H00
Local: Marco Histórico 04 de Fevereiro (Kazenga)
Título: Angola Ontem e Hoje – Cronologia de passos rumo à libertação
Autor: Chico Adão

EDITORIAL NZILA LANÇAMENTOS:

Dia: 26 (Sexta-feira)
Hora: 17H30
Local: União dos Escritores Angolanos (UEA)
Título: Os Filhos do Papá Dya Kota (Romance)
Autor: António Setas
Apresentador: Domingos Lopes, licenciado em línguas
______________________________
Sobre o autor (contacto 912316807)
António Setas nasceu na Restinga do Lobito em 1942. Fez estudos secundários no Porto, em Portugal. Aos 18 anos fugiu a salto pela fronteira norte, perto de Chaves, para não ser incorporado no exército português e instalou-se em Bruxelas, em casa de amigos belgas. Obteve o estatuto de refugiado político da ONU em 1961. Licenciou-se em Ciências Políticas pela Universidade Livre de Bruxelas – ULB em 1967.

Dia: 30 (Terça-feira, sessão conjunta)
Hora: 17H30
Local: União dos Escritores Angolanos (UEA)

1. Títulos: Todas as Palavras (Poesia)
Autor: João Melo
Apresentador: João Maimona
_________________________________
Sobre o Autor (contacto: 923 963 531)
João Melo é jornalista, escri­tor, publicitário e professor universitário. Nasceu em Luanda em 1955. Estudou Direito em Coimbra e em Luanda. Licenciou-se em Comunicação Social e fez mestrado em Comunicação e Cultura no Rio de Janeiro. Dirigiu vários meios de comunicação angolanos, estatais e privados. Membro fundador da União dos Es­critores Angolanos (UEA), ocupou diversos cargos de responsabilidade nos res­pectivos órgãos sociais, tais como Secretário-geral, presi­dente da Comissão Directi­va e presidente do Conselho Fiscal. Actualmente é direc­tor de uma agência de comu­nicação, dá aulas e é deputa­do à Assembleia Nacional.

1.1 Título: Estratégia para Vencer nas Eleições e na Democracia (Ensaio)
Autor: Joaquim Gimbi
Apresentador: Justino Pinto de Andrade, economista.
_______________________
Sobre o Autor (contacto: 923375080)
Joaquim Gimbi é actualmente o Coordenador de Sistemas de Desempenho da Cabinda Gulf Oil Company.
Foi analista de Sistemas de computadores e coordenador de segurança da rede informática. Tem uma ampla formação profissional em Sistemas de informação pela Corporação Chevron; Leccionou na antiga Escola Nacional do Partido e em algumas Escolas Públicas de Luanda.
É licenciado em Química pelo Instituto Superior E.J. Varona, Cuba. Ele possui um Mestrado em Administração e Gestão de Empresas (MBA) pela Preston University, e um Mestrado em Administração e Gestão de Empresas com Especialidade em Gestão de Projectos (MBA/PM) pela Aspen University, Estados Unidos da America.

Sobre o livro
Este livro serve de base de documento de consulta para partidos, candidatos a presidente e a cidadãos em geral que participam nas eleições. Na qualidade de partidário ou eleitor, você necessita de uma estratégia para vencer os seus adversários políticos dentro das linhas da democracia. Sem estratégias para gerir o seu projecto eleitoral, a abstenção, a frustração ou a derrota será a sua aliada. Oportunidades para escolher os seus líderes, são poucas. Por isso caro eleitor, você é o juiz do tribunal supremo nas urnas. Não desperdice o seu voto, não se guie simplesmente pelas motivações políticas, guie-se pelas motivações socio-políticas e económicas.
O presente livro também discute a relação entre Democracia e Poder Local e verifica as relações entre Gestor, inovação e o papel do Município na gestão pública.

Apareça com amigos e familires, compre livros e ganhe autógrafos dos autores. Preços promicionais:

- Todas as Palavras (Poesia) Kz 1000,00
- Os Filhos do Papá Dya Kota (Romance) Kz 1000,00
- Estratégia para Vencer nas Eleições e na Democracia (Ensaio) Kz 1000,000

PRÓXIMO LANÇAMENTO
FEVEREIRO DE 2007
Dia: 04 (Domingo) Dia do Início da Luta Armada de Libertação Nacional
Hora: 09H00
Local: Marco Histórico 04 de Fevereiro (Kazenga)
Título: Angola Ontem e Hoje – Cronologia de passos rumo à libertação
Autor: Chico Adão

KUNDERA, HOLLYWOOD & NOZ DE KABINDA...

Há 30 e muitos anos, em Paris, conheci a Irenka Dedicova, pintora, grande prémio de Praga, que me apresentava como o primo cigano que sabia ler as mãos. Na Insustentável Leveza do Ser a figura da Irenka é constante, aliás com grande fúria da mulher do Kundera. Divertimo-nos loucamente em Paris á base de noz de cola de Cabinda que na altura mascava para aguentar a pedalada. Saia de Angola, práticamente não dormia e compensava quando regressava. Anos mais tarde foi fazer uma exposição á Gulbenkian, em Lisboa e comprei-lhe um quadro que guardo com o maior carinho "L'autre coté". Foi contratada para ir a Hollywood dar apoio técnico ao filme "A Insustentável Leveza do Ser." O produtor era um Sam qualquer coisa o mesmo do "Voando sobre um Ninho de Cucos". Tiveram um caso, ele largou-a por uma jovem starlette, a Irenka regressa a Paris e suicida-se na noite de Natal. O meu quadro foi parar a casa do Servan-Schreiber do Grupo Expansion a quem telefonei pedindo a devolução. Convidou-me para jantar em casa dele. Arranquei para Paris, jantámos, ele contou histórias do tempo da Resistência, eu contei outras e voltei com o quadro debaixo do braço. Obrigou-me a escrever a história da minha zanga com a Irenka que durou mais de 10 anos: - uma cena de ciumes com um gato siamês que me deixou todo arranhado e ensanguentado ás 4 da manhã nas ruas de Paris. Ela assumiu a defesa do gato e eu fiquei furioso. A zanga acabou quando recebi uma foto autografada do gato pedindo desculpa.

Toda esta confusão para estabelecer o ténue link entre o Kundera e Angola.

(José Alçada)
Há 30 e muitos anos, em Paris, conheci a Irenka Dedicova, pintora, grande prémio de Praga, que me apresentava como o primo cigano que sabia ler as mãos. Na Insustentável Leveza do Ser a figura da Irenka é constante, aliás com grande fúria da mulher do Kundera. Divertimo-nos loucamente em Paris á base de noz de cola de Cabinda que na altura mascava para aguentar a pedalada. Saia de Angola, práticamente não dormia e compensava quando regressava. Anos mais tarde foi fazer uma exposição á Gulbenkian, em Lisboa e comprei-lhe um quadro que guardo com o maior carinho "L'autre coté". Foi contratada para ir a Hollywood dar apoio técnico ao filme "A Insustentável Leveza do Ser." O produtor era um Sam qualquer coisa o mesmo do "Voando sobre um Ninho de Cucos". Tiveram um caso, ele largou-a por uma jovem starlette, a Irenka regressa a Paris e suicida-se na noite de Natal. O meu quadro foi parar a casa do Servan-Schreiber do Grupo Expansion a quem telefonei pedindo a devolução. Convidou-me para jantar em casa dele. Arranquei para Paris, jantámos, ele contou histórias do tempo da Resistência, eu contei outras e voltei com o quadro debaixo do braço. Obrigou-me a escrever a história da minha zanga com a Irenka que durou mais de 10 anos: - uma cena de ciumes com um gato siamês que me deixou todo arranhado e ensanguentado ás 4 da manhã nas ruas de Paris. Ela assumiu a defesa do gato e eu fiquei furioso. A zanga acabou quando recebi uma foto autografada do gato pedindo desculpa.

Toda esta confusão para estabelecer o ténue link entre o Kundera e Angola.

(José Alçada)

Thursday, 18 January 2007

ALL BLUES...

WHEN ALL BLUES UNDER THE SKY LEAVE US NOTHING BUT THE BLUES...


All Blues, Blue in Green & Indigo
(Miles Davis)


Em saudacao ao Luanda Azul - Luanda Blues...



... e ao Atlantico Azul - Paixao pelo Mar



El Mar Y Tu
By Andrea Bocelli



(NB: Encontre os links ao Luanda Blues... e ao Atlantico Azul... nos 'Caminhos do Rio')
WHEN ALL BLUES UNDER THE SKY LEAVE US NOTHING BUT THE BLUES...


All Blues, Blue in Green & Indigo
(Miles Davis)


Em saudacao ao Luanda Azul - Luanda Blues...



... e ao Atlantico Azul - Paixao pelo Mar



El Mar Y Tu
By Andrea Bocelli



(NB: Encontre os links ao Luanda Blues... e ao Atlantico Azul... nos 'Caminhos do Rio')

ADÉLIA PRADO



(Para a Martha, que me fez descobrir Adélia Prado)









Com licença poética

Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem,
sem precisar mentir.
Não sou feia que não possa casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza e
ora sim, ora não, creio em parto sem dor.
Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.
Inauguro linhagens, fundo reinos
— dor não é amargura.
Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade de alegria,
sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável. Eu sou.









(Para a Martha, que me fez descobrir Adélia Prado)









Com licença poética

Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem,
sem precisar mentir.
Não sou feia que não possa casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza e
ora sim, ora não, creio em parto sem dor.
Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.
Inauguro linhagens, fundo reinos
— dor não é amargura.
Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade de alegria,
sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável. Eu sou.







Wednesday, 17 January 2007

APONTAMENTO SOBRE POESIA

Você acha que no mundo alguém imaginou um poema sobre o ato de catar feijão para botar o feijão para cozinhar? Você vê que em geral o sujeito que escreve, escreve sobre o Espírito Santo que desceu, escreve sobre o já poético.



Eu tenho a impressão de que você deve fazer poesia procurando elevar o não-poético à categoria de poético.

João Cabral de Melo Neto

Você acha que no mundo alguém imaginou um poema sobre o ato de catar feijão para botar o feijão para cozinhar? Você vê que em geral o sujeito que escreve, escreve sobre o Espírito Santo que desceu, escreve sobre o já poético.



Eu tenho a impressão de que você deve fazer poesia procurando elevar o não-poético à categoria de poético.

João Cabral de Melo Neto

Tuesday, 16 January 2007

MEMORIA DE MORABEZZA



Chega-me a noticia do falecimento do Etnologo, Antropologo, Escritor e Professor Caboverdiano, Mesquitela Lima. A sua obra continuara a ser uma referencia importante para o conhecimento sistematizado da etnologia e antropologia cultural Africanas, em particular das culturas do Leste de Angola. Conheci-o em 1988, no Mindelo, durante o primeiro Simposio Internacional sobre o “Movimento Claridoso”, em celebracao dos 50 anos da Revista Claridade e da geracao literaria de Baltazar Lopes.

La tive tambem o grande privilegio de conhecer e privar com o saudoso Mario Pinto de Andrade -- um convivio sao e imensamente enriquecedor que transportamos para Lisboa -- e de ouvir, pela primeira vez, Cesaria Evora. Aquele simposio foi a minha grande introducao aos maiores nomes das culturas e literaturas das ex-colonias portuguesas, representantes de geracoes tao diversas como a de Yolanda Morazzo e a de Leao Lopes, passando pela de Corsino Fortes.

Leao Lopes, que na altura desenvolvia, com um grupo de jovens da nova geracao criativa, alguns dos mais interessantes projectos artisticos e literarios em Sao Vicente, como as revistas Ponto & Virgula e Sopinha de Letras e um attelier comunitario de producao de artesanato. Foi tambem Leao Lopes quem levou alguns dos participantes do simposio ao teatro, para assistir ao “Beijo da Mulher Aranha”. Lembro-me de me ter sentado lado a lado com Mesquitela Lima (por iniciativa dele, que morabezzamente foi dizendo que fazia questao de se sentar ao lado da sua "compatriota angolana"...) e, enquanto esperavamos que a peca comecasse -- o que levou tempo consideravel, tendo a representacao acabado por ser anulada e adiada para um outro dia devido a um “blank” do actor principal -- entretivemos uma interessante conversa sobre cultura e etnologia, a que talvez volte um dia.

Mas, dentre as varias memorias que recolhi durante aqueles dias, a que jamais se apagara’ e’ a da imensa morabezza que permeava todas as relacoes, encontros, conversas, mesmo as mais controversas… incluindo a forma como Gabriel Mariano se referia sempre aos antropologos como “antropofagos”, o que parecia divertir imenso Mesquitela Lima. Com morabezza: paz a sua alma!

Ilustracao: "Ngaji" (Foto de Mesquitela Lima)




Chega-me a noticia do falecimento do Etnologo, Antropologo, Escritor e Professor Caboverdiano, Mesquitela Lima. A sua obra continuara a ser uma referencia importante para o conhecimento sistematizado da etnologia e antropologia cultural Africanas, em particular das culturas do Leste de Angola. Conheci-o em 1988, no Mindelo, durante o primeiro Simposio Internacional sobre o “Movimento Claridoso”, em celebracao dos 50 anos da Revista Claridade e da geracao literaria de Baltazar Lopes.

La tive tambem o grande privilegio de conhecer e privar com o saudoso Mario Pinto de Andrade -- um convivio sao e imensamente enriquecedor que transportamos para Lisboa -- e de ouvir, pela primeira vez, Cesaria Evora. Aquele simposio foi a minha grande introducao aos maiores nomes das culturas e literaturas das ex-colonias portuguesas, representantes de geracoes tao diversas como a de Yolanda Morazzo e a de Leao Lopes, passando pela de Corsino Fortes.

Leao Lopes, que na altura desenvolvia, com um grupo de jovens da nova geracao criativa, alguns dos mais interessantes projectos artisticos e literarios em Sao Vicente, como as revistas Ponto & Virgula e Sopinha de Letras e um attelier comunitario de producao de artesanato. Foi tambem Leao Lopes quem levou alguns dos participantes do simposio ao teatro, para assistir ao “Beijo da Mulher Aranha”. Lembro-me de me ter sentado lado a lado com Mesquitela Lima (por iniciativa dele, que morabezzamente foi dizendo que fazia questao de se sentar ao lado da sua "compatriota angolana"...) e, enquanto esperavamos que a peca comecasse -- o que levou tempo consideravel, tendo a representacao acabado por ser anulada e adiada para um outro dia devido a um “blank” do actor principal -- entretivemos uma interessante conversa sobre cultura e etnologia, a que talvez volte um dia.

Mas, dentre as varias memorias que recolhi durante aqueles dias, a que jamais se apagara’ e’ a da imensa morabezza que permeava todas as relacoes, encontros, conversas, mesmo as mais controversas… incluindo a forma como Gabriel Mariano se referia sempre aos antropologos como “antropofagos”, o que parecia divertir imenso Mesquitela Lima. Com morabezza: paz a sua alma!

Ilustracao: "Ngaji" (Foto de Mesquitela Lima)


MUSICA ANGOLANA

Por causa de uma animada conversa sobre 'kuduro' iniciada aqui, descobri o Multiply e la coloquei 4 musicas angolanas, Princesa Rita (Kiezos), Mariana (Aguias Reais), Muxima e Diango Ue' (Ngola Ritmos), para quem quiser ouvir e souber trata-las bem... Enjoy!


Foto: Ngola Ritmos (Luanda, 1956)




Ler mais sobre Musica Angolana AQUI.
Por causa de uma animada conversa sobre 'kuduro' iniciada aqui, descobri o Multiply e la coloquei 4 musicas angolanas, Princesa Rita (Kiezos), Mariana (Aguias Reais), Muxima e Diango Ue' (Ngola Ritmos), para quem quiser ouvir e souber trata-las bem... Enjoy!


Foto: Ngola Ritmos (Luanda, 1956)




Ler mais sobre Musica Angolana AQUI.

Monday, 15 January 2007

ULTIMO RELATORIO DA AI: DEMOLICOES EM LUANDA

AMNESTY INTERNATIONAL PRESS RELEASE


Angola: Catholic Church involved in forced evictions






Amnesty International today, 15.01.07, released a report revealing the scale and extent of forced evictions in Angola, and expressing particular concern at forced evictions carried out by Angolan authorities, apparently at the request of the Catholic Church in Angola. The organization said that nearly all of the forced evictions were accompanied by excessive use of force, which sometimes involved police beatings of children and women -- including one pregnant woman -- and indiscriminate shooting at residents attempting to protect their homes. According to the report, Lives in ruins: forced evictions continue, thousands of families have been forcibly evicted since 2001 -- nearly always without notification to the families affected. Tens of thousands have been left without shelter, with hundreds of families still living their lives in ruins.


Since September 2004, the homes of residents in the Kilamba Kiaxi municipality have been demolished repeatedly to make room for public and private housing projects. In 2006, the Angolan government publicly acknowledged the right to compensation of those forcibly evicted, and proclaimed that it was reviewing its housing strategy with a view to responding to the housing needs of its urban population. Thus far, none of the affected residents of Kilamba Kiaxi has received compensation or alternative adequate accommodation. "Despite these claims by the government, the housing situation in Luanda has not improved -- in fact, hundreds of families are still homeless after having been forced from their homes," said Tawanda Hondora, Deputy Director of Amnesty International's Africa Programme.















"Disturbingly, many forced evictions in the last two years have been carried out apparently at the request of the Catholic Church." In 1998, the Angolan government formally returned to the Catholic Churchland the Church owned prior to independence, in response to a request by the late Pope John Paul II when he visited Angola in 1992. However, families have been living on this land -- in the Wenji Maka neighbourhood of Luanda -- for several years, or even decades in some cases. When granting the land title to the Catholic Church, Angolan authorities reportedly did not take into consideration those people already living on the land, and national police have repeatedly tried to expel over 2,000 families in the area where the Catholic Church intends to build a sanctuary.



In response to Amnesty International's request for information regarding the Catholic Church's involvement in these forced evictions, the Archbishop of Luanda stated the Church, when reclaiming title over land, had asked the government to provide land in other areas for the affected individuals. The Archbishop also alleged that in many instances individuals put up constructions on land when they found out that the Church had intentions to use the land. The Archbishop further justified the actions of the Church by saying "summum ius summa iniuria" (extreme law, extreme justice) -- or, as the Archbishop interpreted it, "justica absoluta pode desembocar em injustica" (absolute justice can result in injustice)."



The Catholic Church should not ask the Angolan authorities to evict people occupying land to which the Church has been granted title, " said Tawanda Hondora. "However, the primary responsibility for forced evictions rests with the Angolan government, which must not only stop all such illegal action, but also provide assistance to victims of previous forced evictions who remain without shelter and issue clear orders to law enforcement personnel that they must not take part in any further forced evictions and prosecute those responsible for human rights violations."



Background: The Angolan government is reportedly planning the biggest urban project ever attempted in Africa, and is implementing other construction projects with the support of the Chinese government. The resulting increased pressure for urban land is resulting in forced evictions of the poorest families of Luanda from various neighbourhoods in the capital city, driving such families into ever deeper poverty.

Ler relatorio completo aqui.

AMNESTY INTERNATIONAL PRESS RELEASE


Angola: Catholic Church involved in forced evictions






Amnesty International today, 15.01.07, released a report revealing the scale and extent of forced evictions in Angola, and expressing particular concern at forced evictions carried out by Angolan authorities, apparently at the request of the Catholic Church in Angola. The organization said that nearly all of the forced evictions were accompanied by excessive use of force, which sometimes involved police beatings of children and women -- including one pregnant woman -- and indiscriminate shooting at residents attempting to protect their homes. According to the report, Lives in ruins: forced evictions continue, thousands of families have been forcibly evicted since 2001 -- nearly always without notification to the families affected. Tens of thousands have been left without shelter, with hundreds of families still living their lives in ruins.


Since September 2004, the homes of residents in the Kilamba Kiaxi municipality have been demolished repeatedly to make room for public and private housing projects. In 2006, the Angolan government publicly acknowledged the right to compensation of those forcibly evicted, and proclaimed that it was reviewing its housing strategy with a view to responding to the housing needs of its urban population. Thus far, none of the affected residents of Kilamba Kiaxi has received compensation or alternative adequate accommodation. "Despite these claims by the government, the housing situation in Luanda has not improved -- in fact, hundreds of families are still homeless after having been forced from their homes," said Tawanda Hondora, Deputy Director of Amnesty International's Africa Programme.















"Disturbingly, many forced evictions in the last two years have been carried out apparently at the request of the Catholic Church." In 1998, the Angolan government formally returned to the Catholic Churchland the Church owned prior to independence, in response to a request by the late Pope John Paul II when he visited Angola in 1992. However, families have been living on this land -- in the Wenji Maka neighbourhood of Luanda -- for several years, or even decades in some cases. When granting the land title to the Catholic Church, Angolan authorities reportedly did not take into consideration those people already living on the land, and national police have repeatedly tried to expel over 2,000 families in the area where the Catholic Church intends to build a sanctuary.



In response to Amnesty International's request for information regarding the Catholic Church's involvement in these forced evictions, the Archbishop of Luanda stated the Church, when reclaiming title over land, had asked the government to provide land in other areas for the affected individuals. The Archbishop also alleged that in many instances individuals put up constructions on land when they found out that the Church had intentions to use the land. The Archbishop further justified the actions of the Church by saying "summum ius summa iniuria" (extreme law, extreme justice) -- or, as the Archbishop interpreted it, "justica absoluta pode desembocar em injustica" (absolute justice can result in injustice)."



The Catholic Church should not ask the Angolan authorities to evict people occupying land to which the Church has been granted title, " said Tawanda Hondora. "However, the primary responsibility for forced evictions rests with the Angolan government, which must not only stop all such illegal action, but also provide assistance to victims of previous forced evictions who remain without shelter and issue clear orders to law enforcement personnel that they must not take part in any further forced evictions and prosecute those responsible for human rights violations."



Background: The Angolan government is reportedly planning the biggest urban project ever attempted in Africa, and is implementing other construction projects with the support of the Chinese government. The resulting increased pressure for urban land is resulting in forced evictions of the poorest families of Luanda from various neighbourhoods in the capital city, driving such families into ever deeper poverty.

Ler relatorio completo aqui.

Sunday, 14 January 2007

AINDA O MIA COUTO...

"Mia Couto e O Exercício Da Humildade"

“É sempre assim que acontece na minha vida, quando percebo alguma coisa já é demasiado tarde.”

De todo modo, sua prosa de ficção hoje não é literatura de militância.


Couto: Certo. Esse foi um processo de tomada de consciência, por exemplo, que nasceu sempre em rupturas, em pequenos conflitos. Porque hoje eu tenho uma relação com essa militância já afastada, crítica, o que não quer dizer que não tenha essa militância. A dos outros mudou e a minha também, se calhar, mudou. E o primeiro livro de poesia que eu publiquei já foi numa briga, já foi numa zanga. Me irritava muito o fato de que toda poesia que falasse do eu, que falasse da intimidade fosse tida como uma poesia burguesa. E eu escrevi este primeiro livro em 1983, já como que em oposição a isto. Era uma poesia lírica e intimista, que falava do amor.

E a influência de Guimarães Rosa?


Couto: Primeiro tenho que falar de Luandino Vieira, o escritor angolano, que é o primeiro contato que eu tenho com alguém que escreve um português que é arrevesado, que está misturado com a terra. E Luandino marcou-me muito. Foi o primeiro sinal da autorização de como eu queria fazer. Eu sabia que eu queria fazer isso, mas eu precisava de uma credencial do mais velho que disse “esse caminho é abençoado”. E ele confessa que foi autorizado, também ele, por um outro, um tal João Guimarães Rosa que eu não conhecia, porque não chegavam aqui estes livros. Depois da Independência deixaram chegar livros do Brasil e é uma coisa irônica, do ponto de vista histórico.

O hino nacional de vocês está mudando exatamente agora, não é?


Couto: É. Está mudando agora. Tem uma história até muito engraçada. Em 1981, 1982, o presidente Samora, que era vivo na altura, pensou que o hino nacional não funcionava. Era um hino muito partidário. Começava por “viva, viva a Frelimo”. E ele tinha já a apreciação de que nem todos os moçambicanos seriam da Frelimo. Então, era preciso um hino que cobrisse os moçambicanos todos. Ele (Samora) colocou seis poetas e seis músicos numa casa, fechou-nos lá e disse “vocês têm que sair daqui com várias propostas de hinos feitas”. E fomos fechados numa casa aqui na Matola e aquilo era ótimo. (...) Eles (a Frelimo) vinham nos visitar para ver como era que estava sendo feito. E produzimos meia dúzia de hinos que ficaram ali e nunca mais foram aprovados. Agora, por causa do novo clima político que a partir de 1995 passou a existir, um clima de democracia aberta e multipartidarismo, passou a ser mesmo obrigatório que este país tivesse um outro hino. Pelo menos uma outra letra.

Qual a sua principal crítica ao partido?

Couto: Acho que a Frelimo passou a ter um discurso falseado, mascarado, com objetivos ainda socialistas quando eles todos já se tinham convertido em empresários de sucesso. Eu já não estou lá. Mas quando a Frelimo cantava era uma coisa que me fascinava. Lembro da primeira vez que eu vi Samora Machel, que era um deus para nós, nós endeusávamos aquele homem. Era nosso Guevara. E quando nós fomos como jornalistas ter com este homem na Tanzânia, no percurso, todos nós íamos pensando em como íamos impressionar aquele homem. Queríamos que ele gostasse de nós. E cada um pensava no que dizer: “olha, eu sei parte dos discursos dele de cor, eu sei citar coisas da Frelimo”. E quando chegamos ao pé dele, a grande impressão que eu tive é que ele era um homem de um grande magnetismo, uma pessoa que exalava esta aura, e era muito pequenino, baixinho, com uma grande energia. E a primeira pergunta que ele nos fez foi “algum de vocês sabe cantar?”. E nós não sabíamos. Como intelectuais sabíamos fazer coisas políticas etc. Esta coisa depois me fez pensar. Ele nos disse: ‘como é possível um homem que não sabe cantar, que não sabe dançar nada? Como é que vocês podem ser pessoas se não sabem cantar nem dançar? O que é que sabem fazer?” Então, nós sabíamos fazer coisas que, de fato, eram um pouco chatas, não é? Um pouco aborrecidas. E este era o grande fascínio, a Frelimo cantava.

Havia muitos brancos nesse grupo da sua geração?

Couto: Eu sempre fui um dos poucos brancos. Os brancos neste país sempre foram uma minoria que não conta.

Na época da crise mais intensa, você era discriminado? Seus pais são portugueses?

Couto: Meus pais são portugueses. O racismo colonial era contra os mulatos, e os pretos. Eu era tido como branco de segunda, porque nasci aqui. Eu não tinha acesso a certas funções no governo colonial. Meus pais eram brancos de primeira, e eu era branco de segunda. Meus filhos seriam brancos de terceira, e aquilo estava hierarquizado. Era um sistema que discriminava mais os pretos. (...) Depois da Independência, eu nunca fui objeto de racismo, nunca fui discriminado assim. No cotidiano, não sinto. Esqueço-me da minha raça. (...) Também tem uma grande força aquilo que falamos ontem, o modelo americano da ação afirmativa.

Isso tem força?

Couto: Tem força em alguns momentos. Não é uma política oficial, como é, por exemplo na África do Sul, mas tem. É usado como argumento quando é preciso.

Você concorda com essa política?

Couto: Eu, não. Eu não sei pensar essa política lá no lugar onde ela nasceu. Aparentemente ela nasce com propósitos completamente diferentes dos que estão sendo usados ou aplicados aqui. A ação afirmativa nasce para impor direitos de minorias. Aqui é usado pelo direito da maioria. O que é uma coisa estranha. Por exemplo, o rap, que é um movimento de revolta contra quem está no poder aqui tem tanta força porque mesmo os que estão no poder, sendo pretos, são brancos. Neste sentido de que as pessoas que se sentem excluídas culturalmente e para terem acesso a certa posição social têm que copiar, têm que falar português, por exemplo. Tem que abdicar de sua cultura original e isso cria um sentimento de intranqüilidade. E no fim as pessoas acham legítimo um movimento de ação afirmativa porque estão lutando contra uma coisa que é quase fantasmagórica. Um movimento de ação afirmativa aqui devia defender a mim enquanto minoria, não é?

E por que o apelido "Mia"?

Couto: Por causa dos gatos. Eu era miúdo, tinha dois ou três anos e pensava que era um gato, comia com os gatos. Meus pais tinham que me puxar para o lado e me dizer que eu não era um gato. E isto ficou. Eu, lá fora, sou sempre esperado como preto ou como mulher. Certa vez, numa delegação do Samora Machel, que foi daqui visitar Fidel Castro, eu fui o único homem na vida a quem Fidel Castro deu saias e colares e brincos, pensando que eu era mulher. Ele deu prendas a todos, e a minha caixa. Isso me diverte. Essas questões de identidade me divertem muito, quer seja do sexo, quer seja da raça. Eu não tenho raça. Minha raça sou eu mesmo.

Ler o resto aqui.

"Mia Couto e O Exercício Da Humildade"

“É sempre assim que acontece na minha vida, quando percebo alguma coisa já é demasiado tarde.”

De todo modo, sua prosa de ficção hoje não é literatura de militância.


Couto: Certo. Esse foi um processo de tomada de consciência, por exemplo, que nasceu sempre em rupturas, em pequenos conflitos. Porque hoje eu tenho uma relação com essa militância já afastada, crítica, o que não quer dizer que não tenha essa militância. A dos outros mudou e a minha também, se calhar, mudou. E o primeiro livro de poesia que eu publiquei já foi numa briga, já foi numa zanga. Me irritava muito o fato de que toda poesia que falasse do eu, que falasse da intimidade fosse tida como uma poesia burguesa. E eu escrevi este primeiro livro em 1983, já como que em oposição a isto. Era uma poesia lírica e intimista, que falava do amor.

E a influência de Guimarães Rosa?


Couto: Primeiro tenho que falar de Luandino Vieira, o escritor angolano, que é o primeiro contato que eu tenho com alguém que escreve um português que é arrevesado, que está misturado com a terra. E Luandino marcou-me muito. Foi o primeiro sinal da autorização de como eu queria fazer. Eu sabia que eu queria fazer isso, mas eu precisava de uma credencial do mais velho que disse “esse caminho é abençoado”. E ele confessa que foi autorizado, também ele, por um outro, um tal João Guimarães Rosa que eu não conhecia, porque não chegavam aqui estes livros. Depois da Independência deixaram chegar livros do Brasil e é uma coisa irônica, do ponto de vista histórico.

O hino nacional de vocês está mudando exatamente agora, não é?


Couto: É. Está mudando agora. Tem uma história até muito engraçada. Em 1981, 1982, o presidente Samora, que era vivo na altura, pensou que o hino nacional não funcionava. Era um hino muito partidário. Começava por “viva, viva a Frelimo”. E ele tinha já a apreciação de que nem todos os moçambicanos seriam da Frelimo. Então, era preciso um hino que cobrisse os moçambicanos todos. Ele (Samora) colocou seis poetas e seis músicos numa casa, fechou-nos lá e disse “vocês têm que sair daqui com várias propostas de hinos feitas”. E fomos fechados numa casa aqui na Matola e aquilo era ótimo. (...) Eles (a Frelimo) vinham nos visitar para ver como era que estava sendo feito. E produzimos meia dúzia de hinos que ficaram ali e nunca mais foram aprovados. Agora, por causa do novo clima político que a partir de 1995 passou a existir, um clima de democracia aberta e multipartidarismo, passou a ser mesmo obrigatório que este país tivesse um outro hino. Pelo menos uma outra letra.

Qual a sua principal crítica ao partido?

Couto: Acho que a Frelimo passou a ter um discurso falseado, mascarado, com objetivos ainda socialistas quando eles todos já se tinham convertido em empresários de sucesso. Eu já não estou lá. Mas quando a Frelimo cantava era uma coisa que me fascinava. Lembro da primeira vez que eu vi Samora Machel, que era um deus para nós, nós endeusávamos aquele homem. Era nosso Guevara. E quando nós fomos como jornalistas ter com este homem na Tanzânia, no percurso, todos nós íamos pensando em como íamos impressionar aquele homem. Queríamos que ele gostasse de nós. E cada um pensava no que dizer: “olha, eu sei parte dos discursos dele de cor, eu sei citar coisas da Frelimo”. E quando chegamos ao pé dele, a grande impressão que eu tive é que ele era um homem de um grande magnetismo, uma pessoa que exalava esta aura, e era muito pequenino, baixinho, com uma grande energia. E a primeira pergunta que ele nos fez foi “algum de vocês sabe cantar?”. E nós não sabíamos. Como intelectuais sabíamos fazer coisas políticas etc. Esta coisa depois me fez pensar. Ele nos disse: ‘como é possível um homem que não sabe cantar, que não sabe dançar nada? Como é que vocês podem ser pessoas se não sabem cantar nem dançar? O que é que sabem fazer?” Então, nós sabíamos fazer coisas que, de fato, eram um pouco chatas, não é? Um pouco aborrecidas. E este era o grande fascínio, a Frelimo cantava.

Havia muitos brancos nesse grupo da sua geração?

Couto: Eu sempre fui um dos poucos brancos. Os brancos neste país sempre foram uma minoria que não conta.

Na época da crise mais intensa, você era discriminado? Seus pais são portugueses?

Couto: Meus pais são portugueses. O racismo colonial era contra os mulatos, e os pretos. Eu era tido como branco de segunda, porque nasci aqui. Eu não tinha acesso a certas funções no governo colonial. Meus pais eram brancos de primeira, e eu era branco de segunda. Meus filhos seriam brancos de terceira, e aquilo estava hierarquizado. Era um sistema que discriminava mais os pretos. (...) Depois da Independência, eu nunca fui objeto de racismo, nunca fui discriminado assim. No cotidiano, não sinto. Esqueço-me da minha raça. (...) Também tem uma grande força aquilo que falamos ontem, o modelo americano da ação afirmativa.

Isso tem força?

Couto: Tem força em alguns momentos. Não é uma política oficial, como é, por exemplo na África do Sul, mas tem. É usado como argumento quando é preciso.

Você concorda com essa política?

Couto: Eu, não. Eu não sei pensar essa política lá no lugar onde ela nasceu. Aparentemente ela nasce com propósitos completamente diferentes dos que estão sendo usados ou aplicados aqui. A ação afirmativa nasce para impor direitos de minorias. Aqui é usado pelo direito da maioria. O que é uma coisa estranha. Por exemplo, o rap, que é um movimento de revolta contra quem está no poder aqui tem tanta força porque mesmo os que estão no poder, sendo pretos, são brancos. Neste sentido de que as pessoas que se sentem excluídas culturalmente e para terem acesso a certa posição social têm que copiar, têm que falar português, por exemplo. Tem que abdicar de sua cultura original e isso cria um sentimento de intranqüilidade. E no fim as pessoas acham legítimo um movimento de ação afirmativa porque estão lutando contra uma coisa que é quase fantasmagórica. Um movimento de ação afirmativa aqui devia defender a mim enquanto minoria, não é?

E por que o apelido "Mia"?

Couto: Por causa dos gatos. Eu era miúdo, tinha dois ou três anos e pensava que era um gato, comia com os gatos. Meus pais tinham que me puxar para o lado e me dizer que eu não era um gato. E isto ficou. Eu, lá fora, sou sempre esperado como preto ou como mulher. Certa vez, numa delegação do Samora Machel, que foi daqui visitar Fidel Castro, eu fui o único homem na vida a quem Fidel Castro deu saias e colares e brincos, pensando que eu era mulher. Ele deu prendas a todos, e a minha caixa. Isso me diverte. Essas questões de identidade me divertem muito, quer seja do sexo, quer seja da raça. Eu não tenho raça. Minha raça sou eu mesmo.

Ler o resto aqui.

RECENT PUBLICATIONS ON ANGOLA AND MOZAMBIQUE

Assis Malaquias, _Rebels and Robbers: Violence in Post-colonial Angola_, Nordic African Institute, 2006.

Lutiniko Landu Miguel Pedro, "Mennonites and peace-building in Angola," in _Freedom's distant shores : American Protestants and post-colonial alliances with Africa_, edited by R. Drew Smith (Waco, Tex: Baylor University Press, 2006)

Teodosio Uate, "Implementing environmental policies through legislation in Mozambique," in _Africa's Challenge: Using Law for Good Governance and Development_, edited by Ann Seidman (Trenton, N.J.: Africa World Press, 2007)

Anna Spenceley, "Tourism in the Great Limpopo National Park," Development Southern Africa, 23, 5 (December 2006): 649-68

Maryann Green, Gastão Lukanu, and Peter L. Greenfield, "Use of Wealth Ranking to Analyse Factors Influencing Smallholder Farmers' Market Participation in Northern Mozambique," Development Southern Africa 23, 5 (December 2006): 669-684

Other Titles:

Dário Borim, Crepúsculos de Utopias: Brasil e América Latina em Fernando Gabeira

Cécile Fromont, A Walk through the City: Stories and Histories of Luanda 1575-1975

Anthony Soares, The Violent Maintenance of the Portuguese Colonial Identity and the Search for a Postcolonial One: Literary Images of Portugal as a Colonial and Postcolonial Nation

Maria Manuel Baptista, A Lusofonia Não é um Jardim ou da Necessidade de "Perder o Medo às Realidades e aos Mosquitos"

Margarida Calafate Ribeiro, Lusos Amores em Corpos Colonizados: As Mulheres Africanas na LiteraturaPortuguesa da Guerra Colonial

Interview - Pedro Meira Monteiro, Literature and Difference: A Conversation with Alfredo Bosi


Compiled by Kathleen Sheldon (UCLA)

Assis Malaquias, _Rebels and Robbers: Violence in Post-colonial Angola_, Nordic African Institute, 2006.

Lutiniko Landu Miguel Pedro, "Mennonites and peace-building in Angola," in _Freedom's distant shores : American Protestants and post-colonial alliances with Africa_, edited by R. Drew Smith (Waco, Tex: Baylor University Press, 2006)

Teodosio Uate, "Implementing environmental policies through legislation in Mozambique," in _Africa's Challenge: Using Law for Good Governance and Development_, edited by Ann Seidman (Trenton, N.J.: Africa World Press, 2007)

Anna Spenceley, "Tourism in the Great Limpopo National Park," Development Southern Africa, 23, 5 (December 2006): 649-68

Maryann Green, Gastão Lukanu, and Peter L. Greenfield, "Use of Wealth Ranking to Analyse Factors Influencing Smallholder Farmers' Market Participation in Northern Mozambique," Development Southern Africa 23, 5 (December 2006): 669-684

Other Titles:

Dário Borim, Crepúsculos de Utopias: Brasil e América Latina em Fernando Gabeira

Cécile Fromont, A Walk through the City: Stories and Histories of Luanda 1575-1975

Anthony Soares, The Violent Maintenance of the Portuguese Colonial Identity and the Search for a Postcolonial One: Literary Images of Portugal as a Colonial and Postcolonial Nation

Maria Manuel Baptista, A Lusofonia Não é um Jardim ou da Necessidade de "Perder o Medo às Realidades e aos Mosquitos"

Margarida Calafate Ribeiro, Lusos Amores em Corpos Colonizados: As Mulheres Africanas na LiteraturaPortuguesa da Guerra Colonial

Interview - Pedro Meira Monteiro, Literature and Difference: A Conversation with Alfredo Bosi


Compiled by Kathleen Sheldon (UCLA)

Friday, 12 January 2007

A QUAND L'AFRIQUE, JOSEPH KI-ZERBO

(…) Pour le Professeur, l'Afrique peut et doit s'unir pour s'en sortir. Et pour cela elle doit conquérir, voire forger son identité, ses identités. «Sans identité (dit-il) nous sommes un objet de l'histoire, un instrument utilisé par les autres. Un utensile.». L'Afrique, éclatée en pièces détachées, n'apporte pas des solutions à la jeunesse mais des problèmes: manque de places dans les établissements de formation, déficit structurel d'emplois, tentatives désespérées de migrations vers le nord, choix démagogique d'une identité exclusive, conflits, transvasements massifs et violents des peuples. (…)

Sao assim as contas da vida: aos 84 anos de idade, o distinto Professor Joseph Ki-Zerbo, natural do Burkina Faso, faleceu no passado dia 4 de Dezembro. Devido ao seu passamento mas, obviamente, nao so por isso, aqui fica o registo do seu mais recente livro publicado, “A Quand l’Afrique” (2003). Tanto esta como a sua monumental obra em dois volumes, “Historia Geral da Africa”, inicialmente editada pela legendaria Presence Africaine e amplamente publicada pela Unesco, sao certamente ‘Books of Life’ para todos os Africanos e particularmente para os que, como eu, se dedicam ao estudo da Historia do Continente.


Nas palavras dos seus editores e publicistas: “”Ce livre est un portrait vivant, saisissant, de l'Afrique au temps de la mondialisation. " Il y a du Socrates chez cet homme-là " écrit à propos de ce livre Jean-Claude Perrier dans Le Figaro lors de sa sortie début 2003. " Un essai plein d'espoir réaliste. Un livre tournant. " écrit Nova Magazine pour ce texte coédité en Afrique par l'Aube avec six éditeurs africains indépendants. " Un livre à mettre entre toutes les mains, et pas seulement de celles des afro-pessimistes. " dit Julia Ficatier dans La Croix. Car Joseph Ki-Zerbo a contribué largement à doter l'Afrique d'une histoire propre, qui soit autre que celle écrite par le colonisateur. Selon lui, l'Afrique est depuis le XVIe siècle une sorte de wagon du train du développement. Elle doit, au XXIe siècle, reconquérir son identité, sa fierté pour redevenir un acteur du monde, elle qui a pour ainsi dire inventé l'homme, puis la première civilisation de l'humanité - la civilisation égyptienne (?). C'est d'un " point de vue africain " que Joseph Ki-Zerbo, historien et homme politique burkinabé, aborde les problématiques de l'Afrique contemporaine : délitement de l'Etat, mondialisation, dette, conflits dits ethniques, interventionnisme du Nord… Il rappelle surtout que la force du continent repose sur des bases pré-coloniales solides - partage du pouvoir, cumul des appartenances, liens de solidarité informels, etc - qu'il serait judicieux de réactiver pour repenser l'Etat, et l'envisager sur un mode fédéral. Joseph Ki-Zerbo est né au Burkina Faso en 1922. Premier Africain agrégé d'histoire à la Sorbonne, prix Nobel alternatif pour ses recherches sur des modèles originaux de développement, il s'est engagé très tôt dans la lutte pour l'indépendance et pour l'union africaine. Ki-Zerbo a obtenu en Novembre 2003 le prix RFI-Témoin du monde pour cet ouvrage.””
(…) Pour le Professeur, l'Afrique peut et doit s'unir pour s'en sortir. Et pour cela elle doit conquérir, voire forger son identité, ses identités. «Sans identité (dit-il) nous sommes un objet de l'histoire, un instrument utilisé par les autres. Un utensile.». L'Afrique, éclatée en pièces détachées, n'apporte pas des solutions à la jeunesse mais des problèmes: manque de places dans les établissements de formation, déficit structurel d'emplois, tentatives désespérées de migrations vers le nord, choix démagogique d'une identité exclusive, conflits, transvasements massifs et violents des peuples. (…)

Sao assim as contas da vida: aos 84 anos de idade, o distinto Professor Joseph Ki-Zerbo, natural do Burkina Faso, faleceu no passado dia 4 de Dezembro. Devido ao seu passamento mas, obviamente, nao so por isso, aqui fica o registo do seu mais recente livro publicado, “A Quand l’Afrique” (2003). Tanto esta como a sua monumental obra em dois volumes, “Historia Geral da Africa”, inicialmente editada pela legendaria Presence Africaine e amplamente publicada pela Unesco, sao certamente ‘Books of Life’ para todos os Africanos e particularmente para os que, como eu, se dedicam ao estudo da Historia do Continente.


Nas palavras dos seus editores e publicistas: “”Ce livre est un portrait vivant, saisissant, de l'Afrique au temps de la mondialisation. " Il y a du Socrates chez cet homme-là " écrit à propos de ce livre Jean-Claude Perrier dans Le Figaro lors de sa sortie début 2003. " Un essai plein d'espoir réaliste. Un livre tournant. " écrit Nova Magazine pour ce texte coédité en Afrique par l'Aube avec six éditeurs africains indépendants. " Un livre à mettre entre toutes les mains, et pas seulement de celles des afro-pessimistes. " dit Julia Ficatier dans La Croix. Car Joseph Ki-Zerbo a contribué largement à doter l'Afrique d'une histoire propre, qui soit autre que celle écrite par le colonisateur. Selon lui, l'Afrique est depuis le XVIe siècle une sorte de wagon du train du développement. Elle doit, au XXIe siècle, reconquérir son identité, sa fierté pour redevenir un acteur du monde, elle qui a pour ainsi dire inventé l'homme, puis la première civilisation de l'humanité - la civilisation égyptienne (?). C'est d'un " point de vue africain " que Joseph Ki-Zerbo, historien et homme politique burkinabé, aborde les problématiques de l'Afrique contemporaine : délitement de l'Etat, mondialisation, dette, conflits dits ethniques, interventionnisme du Nord… Il rappelle surtout que la force du continent repose sur des bases pré-coloniales solides - partage du pouvoir, cumul des appartenances, liens de solidarité informels, etc - qu'il serait judicieux de réactiver pour repenser l'Etat, et l'envisager sur un mode fédéral. Joseph Ki-Zerbo est né au Burkina Faso en 1922. Premier Africain agrégé d'histoire à la Sorbonne, prix Nobel alternatif pour ses recherches sur des modèles originaux de développement, il s'est engagé très tôt dans la lutte pour l'indépendance et pour l'union africaine. Ki-Zerbo a obtenu en Novembre 2003 le prix RFI-Témoin du monde pour cet ouvrage.””

Thursday, 11 January 2007

COISAS DO ARCO DA VELHA...

DE RIR... DE CHORAR... OU SIMPLESMENTE DE BRADAR AOS CEUS?! (Ignorar e' dificil...)

Encontrei hoje no interessante blog "Jazz no Pais do Improviso" este "achado pre-historico", para cuja reproducao aqui agradeco desde ja a compreensao do JNPDI, porque acho que estas coisas devem ser divulgadas o mais possivel para que, efectivamente, "a Historia nao se repita":


"PARA QUE A HISTÓRIA NÃO SE REPITA... ...aqui ficam algumas das condições que o Ministério da Educação Popular definiu, durante o Governo de Hitler, para a atribuição de licenças para espectáculos de música de dança.


DEPARTMENT OF POPULAR EDUCATION AND ART
Conditions Governing the Grant of Licenses for Dance Music

NEGROID: Belonging to a Negro race. This includes the African Negroes (and also those living outside of Africa), also Pygmies, Bushmen and Hottentots. NEGRITO: In the wider sense of the term, the short-statured, curly or frizzy-haired, dark-skinned inhabitants of Southeastern Asia, Melanesia and Central Africa.


1. Music: The Embargo on Negroid and Negrito Factors in dance Music and Music for Entertainments.

2. Introduction: The following regulations are intended to indicate the revival of the European spirit in the music played in this country for dances and amusements, by freeing the latter from the elements of that primitive Negroid and/or Negrito music, which may be justly regarded as being in flagrant conflict with the Europeon conception of music. These regulations constitute a transitory measure born of practical considerations and which must of necessity precede a general revival.

3. Prohibition: It is forbidden to play in public music which possesses to a marked degree characteristic features of the method of improvisation, execution, composition and arrangement adopted by Negroes and colored people. It is forbidden in publications, reports, programs, printed or verbal announcements, etc.: (a) to describe music played or to be played with the words "jazz" or "jazz music." (b) to use the technical jargon described below, except in reference to or as a description of the instrumental and vocal dance music of the North American Negroes. Exceptions may Be permitted where such music is intended for a strictly scientific or strictly educational purpose and where such music is interpreted by persons having two or more Negroid or Negritic grandparents.

4. Descripton of The Main Characteristic Features of the Above-Mentioned Music which Differ from the European Conception of Music: The use of tonally undefined mordents, Ostentatious trills, double-stopping or ascendant glissandi, obtained in the Negro style by excessive vibrato, lip technique and/or shaking of the musical instrument. In jazz terminology, the effects known as "dinge," "smear" and "whip." Also the use of intentional vocalization of an instrumental tone by imitating a throaty sound. In jazz terminology, the adoption of the "growl" on brass wind instruments, and also the "scratchy" clarinet tone. Also the use of any intentional instrumentalization of the singing voice by substituting senseless syllables for the words in the text by "metalizing" the voice. In jazz terminology, so-called "scat" singing and the vocal imitation of brass wind instruments. Also the use in Negro fashion of harshly timbered and harshly dynamic intonations unless already described. In jazz terminology, the use of "hot" intonations. Also the use in Negro fashion of dampers on brass and woodwind instruments in which the formation of the tone is achieved in solo items with more than the normal pressure. This does not apply to saxophones or trombones. Likewise forbidden, in the melody, is any melody formed in the manner characteristic of Negro players, and which can be unmistakably recognized.

5. Expressly Forbidden: The adoption in Negro fashion of short motifs of exaggerated pitch and rhythm, repeated more than three times without interruption by a solo instrument (or soloist), or more than sixteen times in succession without interruption by a group of instruments played by a band. In jazz terminology, any adoption of "licks" and "riffs" repeated more than three times in succession by a soloist or more than sixteen times for one section or for two or more sections. Also the exaggeration of Negroid bass forms, based on the broken tritone. In jazz terminology, the "boogie-woogie," "honky tonk" or "barrelhouse" style.

6. Instruments Banned: Use of very primitive instruments such as the Cuban Negro "quijada" (jaw of a donkey) and the North American Negro "washboard." Also the use of rubber mutes (plungers) for wind brass instruments, the imitation of a throaty tone in the use of mutes which, whether accompanied by any special movement of the hand or not, effect an imitation of a nasal sound. In jazz terminology, use of "plungers" and "Wah Wah" dampers. The so-called "tone color" mutes may, however, be used. Also the playing in Negro fashion of long, drawn-out percussion solos or an imitation thereof for more than two or four three-time beats, more frequently than three times or twice in the course of 32 successive beats in a complete interpretation. In jazz terminology, "stop choruses" by percussion instruments, except brass cymbals. There is no objection to providing a chorus with percussion solos in places where a break could also come, but at not more than three such places. Also the use of a constant, long drawn-out exaggerated tonal emphasis on the second and fourth beats in 4/4 time. In jazz terminology, the use of the long drawn-out "off beat" effect."
Ilustracao: Dancing in a Shebeen (Zantsi, AVA Collection - SA)
DE RIR... DE CHORAR... OU SIMPLESMENTE DE BRADAR AOS CEUS?! (Ignorar e' dificil...)

Encontrei hoje no interessante blog "Jazz no Pais do Improviso" este "achado pre-historico", para cuja reproducao aqui agradeco desde ja a compreensao do JNPDI, porque acho que estas coisas devem ser divulgadas o mais possivel para que, efectivamente, "a Historia nao se repita":


"PARA QUE A HISTÓRIA NÃO SE REPITA... ...aqui ficam algumas das condições que o Ministério da Educação Popular definiu, durante o Governo de Hitler, para a atribuição de licenças para espectáculos de música de dança.


DEPARTMENT OF POPULAR EDUCATION AND ART
Conditions Governing the Grant of Licenses for Dance Music

NEGROID: Belonging to a Negro race. This includes the African Negroes (and also those living outside of Africa), also Pygmies, Bushmen and Hottentots. NEGRITO: In the wider sense of the term, the short-statured, curly or frizzy-haired, dark-skinned inhabitants of Southeastern Asia, Melanesia and Central Africa.


1. Music: The Embargo on Negroid and Negrito Factors in dance Music and Music for Entertainments.

2. Introduction: The following regulations are intended to indicate the revival of the European spirit in the music played in this country for dances and amusements, by freeing the latter from the elements of that primitive Negroid and/or Negrito music, which may be justly regarded as being in flagrant conflict with the Europeon conception of music. These regulations constitute a transitory measure born of practical considerations and which must of necessity precede a general revival.

3. Prohibition: It is forbidden to play in public music which possesses to a marked degree characteristic features of the method of improvisation, execution, composition and arrangement adopted by Negroes and colored people. It is forbidden in publications, reports, programs, printed or verbal announcements, etc.: (a) to describe music played or to be played with the words "jazz" or "jazz music." (b) to use the technical jargon described below, except in reference to or as a description of the instrumental and vocal dance music of the North American Negroes. Exceptions may Be permitted where such music is intended for a strictly scientific or strictly educational purpose and where such music is interpreted by persons having two or more Negroid or Negritic grandparents.

4. Descripton of The Main Characteristic Features of the Above-Mentioned Music which Differ from the European Conception of Music: The use of tonally undefined mordents, Ostentatious trills, double-stopping or ascendant glissandi, obtained in the Negro style by excessive vibrato, lip technique and/or shaking of the musical instrument. In jazz terminology, the effects known as "dinge," "smear" and "whip." Also the use of intentional vocalization of an instrumental tone by imitating a throaty sound. In jazz terminology, the adoption of the "growl" on brass wind instruments, and also the "scratchy" clarinet tone. Also the use of any intentional instrumentalization of the singing voice by substituting senseless syllables for the words in the text by "metalizing" the voice. In jazz terminology, so-called "scat" singing and the vocal imitation of brass wind instruments. Also the use in Negro fashion of harshly timbered and harshly dynamic intonations unless already described. In jazz terminology, the use of "hot" intonations. Also the use in Negro fashion of dampers on brass and woodwind instruments in which the formation of the tone is achieved in solo items with more than the normal pressure. This does not apply to saxophones or trombones. Likewise forbidden, in the melody, is any melody formed in the manner characteristic of Negro players, and which can be unmistakably recognized.

5. Expressly Forbidden: The adoption in Negro fashion of short motifs of exaggerated pitch and rhythm, repeated more than three times without interruption by a solo instrument (or soloist), or more than sixteen times in succession without interruption by a group of instruments played by a band. In jazz terminology, any adoption of "licks" and "riffs" repeated more than three times in succession by a soloist or more than sixteen times for one section or for two or more sections. Also the exaggeration of Negroid bass forms, based on the broken tritone. In jazz terminology, the "boogie-woogie," "honky tonk" or "barrelhouse" style.

6. Instruments Banned: Use of very primitive instruments such as the Cuban Negro "quijada" (jaw of a donkey) and the North American Negro "washboard." Also the use of rubber mutes (plungers) for wind brass instruments, the imitation of a throaty tone in the use of mutes which, whether accompanied by any special movement of the hand or not, effect an imitation of a nasal sound. In jazz terminology, use of "plungers" and "Wah Wah" dampers. The so-called "tone color" mutes may, however, be used. Also the playing in Negro fashion of long, drawn-out percussion solos or an imitation thereof for more than two or four three-time beats, more frequently than three times or twice in the course of 32 successive beats in a complete interpretation. In jazz terminology, "stop choruses" by percussion instruments, except brass cymbals. There is no objection to providing a chorus with percussion solos in places where a break could also come, but at not more than three such places. Also the use of a constant, long drawn-out exaggerated tonal emphasis on the second and fourth beats in 4/4 time. In jazz terminology, the use of the long drawn-out "off beat" effect."
Ilustracao: Dancing in a Shebeen (Zantsi, AVA Collection - SA)

Tuesday, 9 January 2007

ANGOLA: O DESPONTAR DE UMA NOVA GERACAO... O DESPERTAR DE UMA NOVA CONSCIENCIA

O amigo que no outro dia me fez saber do documentario “Oxala Crescam Pitangas”, agora mandou-me a edicao deste Domingo, 7 de Janeiro, do jornal ‘Publico’, ou melhor, do seu suplemento ‘Publica’, que inclui esta entrevista com o Kiluanje Liberdade, um dos seus realizadores (podera saber mais sobre ele e sobre o documentario aqui no ‘Muito Barulho por Nada’). Por se tratar de uma edicao protegida online, peco desde ja a indulgencia do ‘Publico’ e dos seus autores para esta pequena ‘pirataria’… E’ que a entrevista e’ interessante, oportuna e importante e dela so posto aqui uns extractos…


Ideias fortes // Texto Ana Dias Cordeiro Fotografia Miguel Madeira


"Há um grande medo que Eduardo dos Santos desapareça sem haver transição"

Porque haveria o Presidente angolano de desaparecer? Independentemente dos rumores que circulam em Luanda sobre o seu estado de saúde, José Eduardo dos Santos devia começar já a transmitir poderes, não se recandidatar às presidenciais — cuja data provável será 2009 — e impor a mudança inadiável para dar esperança à população. É o que defende o cineasta de 30 anos Kiluanje Liberdade, que, juntamente com o escritor Ondjaki, realizou em 2006 “Oxalá Cresçam Pitangas — Histórias de Luanda” sobre uma cidade que é espelho de todo o país, no ténue fio que separa esperança e desespero. E que vive numa grande tensão social. E racial.


No filme “Oxalá Cresçam Pitangas”, uma personagem diz que Luanda é um “laboratório de sobrevivência”. Outra vê a cidade como “o maior parque de diversões do mundo”. Luanda é triste e alegre ao mesmo tempo?

A nossa ideia era dar uma imagem de esperança e lançar uma interrogação relativamente ao futuro. Queríamos, por outro lado, tentar inverter a imagem que o exterior e que o próprio interior têm de Angola. Mas Luanda é um sítio difícil. A tensão social é muito forte. Ter esperança é complicado, sobretudo para pessoas novas, mas ao mesmo tempo há algo que prende em Angola. É aquele caos e ao mesmo tempo um sítio onde muito facilmente se encontra criatividade para fazer as coisas. E isso prende muito em Luanda. Isso é o que mais me atrai.

O que será da cidade daqui a dez, 15 anos, quando crescerem esses miúdos que são centrais nela?

Essa é a expectativa que o filme deixa em aberto e a que não pode ter a pretensão de responder. É uma interrogação. E, ainda por cima, não são crianças que daqui a cinco anos vão estar no activo. São crianças que já estão no activo. Essa é a grande diferença.

Constrói-se um futuro assim?

A resposta mais fácil a essa pergunta seria provavelmente atacar uma classe política que deixa que isso aconteça. Desse ponto de vista, é difícil viver em Luanda, porque por mais optimista que se seja acaba-se sempre por se desconfiar e por não se ter esperança. Porque pouco está a ser feito. Mas, ao mesmo tempo, sente-se que aquelas pessoas não querem cair nesse abismo. Tem que se fazer um esforço, porque senão o melhor é esquecer Angola, esquecer Luanda, esquecer África.

Para essa imagem próxima do abismo não há quem tenha que ser responsabilizado?

No filme tentámos afastar-nos dessa ideia de responsabilizar sempre os dirigentes. Mas como é óbvio os dirigentes têm culpa, têm pouca atitude.

Nada nos governantes está a mudar?

Não se sente vontade nenhuma em mudar o rumo das coisas em Angola. Infelizmente isso tem que ser dito. Mas, por outro lado, sente-se na população uma grande vontade de avançar. A população sente que tem que ser ela a fazer as coisas. Isso é um sinal de esperança e, ao mesmo tempo, é muito preocupante. Luanda é uma cidade de contradições, em todos os seus aspectos. Sempre no fio entre a esperança e a não esperança, entre acreditar-se e não se acreditar. Sempre no fio e com muita tensão.

De onde vem essa tensão?

Existe tensão social entre negros, mulatos e brancos. Entre ricos, menos ricos e pobres. É uma tensão racial que não faz sentido existir num país como Angola e não se percebe de onde vem. Acabamos por confundir as coisas. Não sabemos se é uma tensão racial ou uma tensão racial por razões sociais. Os mulatos são sempre mais ricos que os negros. Por outro lado, brancos e mulatos não são aceites em determinadas áreas e por vezes chega a haver agressão. O negro que barra a entrada no bairro ao mulato será também excluído de muitas zonas no centro de Luanda. Existe esse movimento oposto entre centro e periferia em Luanda. Sente-se essa tensão.

E um abandono? As pessoas estão muito entregues a si próprias?

A pessoa está entregue a si mesma e ao seu próximo, ao seu familiar ou amigo, e é isso que a segura. É daí que saem os esquemas, os artifícios para sobreviver, é daí que começa a nascer alguma esperança. Porque, se se ficar à espera de uma coisa que aqui chamamos Estado, o melhor é esquecer. O dinheiro é a base de quase tudo. É a única forma através da qual uma pessoa consegue ter um determinado “status”. Não existe a ideia do “status” cultural. Simplesmente dinheiro. Os carros em Luanda são fundamentais. Exteriorizar sinais de riquezas é fundamental. Uma pessoa tem um problema de rejeição social, caso não tenha esse dinheiro, caso não consiga exteriorizar esses sinais de riqueza.

Para evitar entrar num ciclo de exclusão?

É a exteriorização que dá oportunidades. Se eu não parar com um Mercedes à porta de um hotel em Luanda, nem sequer me deixam entrar. Mas deixam entrar um branco ou um mulato. Entram em qualquer sítio. Eu próprio tenho a entrada barrada em alguns sítios. Amigos meus têm a entrada barrada em alguns sítios. Simplesmente porque somos negros. Acontece em hotéis ou em lojas nos novos condomínios que estão a surgir em Luanda. Um negro tem que exteriorizar riqueza e poder.

Os negros também estão excluídos dos cargos de poder?

O poder obedece a esquemas ainda muito mais sofisticados de racismo. Sente-se isso, e há tensão racial, o facto de se ser do Norte ou do Sul.

Por isso se fala de um risco de desintegração do país com eventual saída de cena de José Eduardo dos Santos? O argumento de que o Presidente é um garante da unidade de Angola tem fundamento?

Há um grande receio, para não dizer medo, que José Eduardo dos Santos desapareça sem haver uma transição.

Eduardo dos Santos devia recandidatar-se às presidenciais ou não?

Não, José Eduardo dos Santos tem que fazer a transmissão de poderes. Já teve o poder durante muito tempo. Só com uma transição de poder se pode começar a acreditar numa mudança. Porque, independentemente do que possa acontecer no início, se José Eduardo dos Santos sair, haverá mais esperança. Uma mudança em Angola é urgente. O que não pode acontecer é as coisas continuarem neste estado. Provavelmente as coisas não estão pior, porque ele lá está. Mas uma mudança é necessária. Se o povo não sentir mudança já, neste momento, se Angola continuar assim por mais cinco anos, quem é que vai acreditar?

As eleições não criam esperança?

É evidente que sim. Porque permite entrar num processo em que de cinco em cinco anos haverá eleições e com isso se sente que algo está a mudar. Mas não basta haver eleições. E o que não pode acontecer é no próximo ano o acto eleitoral continuar incerto.

Mas as eleições também suscitam receio? Uma das personagens no filme diz que as pessoas em Luanda só regressarão às províncias depois das eleições. Ainda há medo que as coisas corram mal, por causa do trauma de 1992?

Ainda há esse receio. É o medo misturado com o não saberem o que as espera nas províncias.

É o medo da guerra ou o medo de não sobreviver?

É um pouco um medo dessas duas coisas. Mas já não há condições para haver uma guerra em Angola. E mesmo que houvesse ninguém ia lutar nela.

KILUANJE LIBERDADE – CINEASTA

· Nasceu em Benguela em 1976. Até aos oito anos viveu em Luanda, onde se desloca várias vezes por ano por razões profissionais. Vive em Portugal.

· É assistente de fotografia, cineasta e videasta, depois de uma licenciatura em Gestão Cultural na Universidade Lusófona e dos cursos de Cinevídeo na Academia de Arte e Tecnologias e Vídeo no Instituto de Artes Visuais e Marketing, IADE, em Lisboa.

· Realizador do documentário “O Rap É Uma Arma” em 1996. Prémio para a Melhor Primeira Obra no Festival Internacional de Cinema Documental da Malaposta. Co-realizador do filme “Outros Bairros” com Inês Gonçalves e Vasco Pimentel em 1998. Assistente de realização e de imagem do documentário A Favor da Claridade , de Teresa Villaverde em 2003.

· “Oxalá Cresçam Pitangas – Histórias de Luanda” foi apresentado no DocLisboa em Outubro de 2006 e no Festival de Cinemas Africanos em Lisboa um mês depois.

O amigo que no outro dia me fez saber do documentario “Oxala Crescam Pitangas”, agora mandou-me a edicao deste Domingo, 7 de Janeiro, do jornal ‘Publico’, ou melhor, do seu suplemento ‘Publica’, que inclui esta entrevista com o Kiluanje Liberdade, um dos seus realizadores (podera saber mais sobre ele e sobre o documentario aqui no ‘Muito Barulho por Nada’). Por se tratar de uma edicao protegida online, peco desde ja a indulgencia do ‘Publico’ e dos seus autores para esta pequena ‘pirataria’… E’ que a entrevista e’ interessante, oportuna e importante e dela so posto aqui uns extractos…


Ideias fortes // Texto Ana Dias Cordeiro Fotografia Miguel Madeira


"Há um grande medo que Eduardo dos Santos desapareça sem haver transição"

Porque haveria o Presidente angolano de desaparecer? Independentemente dos rumores que circulam em Luanda sobre o seu estado de saúde, José Eduardo dos Santos devia começar já a transmitir poderes, não se recandidatar às presidenciais — cuja data provável será 2009 — e impor a mudança inadiável para dar esperança à população. É o que defende o cineasta de 30 anos Kiluanje Liberdade, que, juntamente com o escritor Ondjaki, realizou em 2006 “Oxalá Cresçam Pitangas — Histórias de Luanda” sobre uma cidade que é espelho de todo o país, no ténue fio que separa esperança e desespero. E que vive numa grande tensão social. E racial.


No filme “Oxalá Cresçam Pitangas”, uma personagem diz que Luanda é um “laboratório de sobrevivência”. Outra vê a cidade como “o maior parque de diversões do mundo”. Luanda é triste e alegre ao mesmo tempo?

A nossa ideia era dar uma imagem de esperança e lançar uma interrogação relativamente ao futuro. Queríamos, por outro lado, tentar inverter a imagem que o exterior e que o próprio interior têm de Angola. Mas Luanda é um sítio difícil. A tensão social é muito forte. Ter esperança é complicado, sobretudo para pessoas novas, mas ao mesmo tempo há algo que prende em Angola. É aquele caos e ao mesmo tempo um sítio onde muito facilmente se encontra criatividade para fazer as coisas. E isso prende muito em Luanda. Isso é o que mais me atrai.

O que será da cidade daqui a dez, 15 anos, quando crescerem esses miúdos que são centrais nela?

Essa é a expectativa que o filme deixa em aberto e a que não pode ter a pretensão de responder. É uma interrogação. E, ainda por cima, não são crianças que daqui a cinco anos vão estar no activo. São crianças que já estão no activo. Essa é a grande diferença.

Constrói-se um futuro assim?

A resposta mais fácil a essa pergunta seria provavelmente atacar uma classe política que deixa que isso aconteça. Desse ponto de vista, é difícil viver em Luanda, porque por mais optimista que se seja acaba-se sempre por se desconfiar e por não se ter esperança. Porque pouco está a ser feito. Mas, ao mesmo tempo, sente-se que aquelas pessoas não querem cair nesse abismo. Tem que se fazer um esforço, porque senão o melhor é esquecer Angola, esquecer Luanda, esquecer África.

Para essa imagem próxima do abismo não há quem tenha que ser responsabilizado?

No filme tentámos afastar-nos dessa ideia de responsabilizar sempre os dirigentes. Mas como é óbvio os dirigentes têm culpa, têm pouca atitude.

Nada nos governantes está a mudar?

Não se sente vontade nenhuma em mudar o rumo das coisas em Angola. Infelizmente isso tem que ser dito. Mas, por outro lado, sente-se na população uma grande vontade de avançar. A população sente que tem que ser ela a fazer as coisas. Isso é um sinal de esperança e, ao mesmo tempo, é muito preocupante. Luanda é uma cidade de contradições, em todos os seus aspectos. Sempre no fio entre a esperança e a não esperança, entre acreditar-se e não se acreditar. Sempre no fio e com muita tensão.

De onde vem essa tensão?

Existe tensão social entre negros, mulatos e brancos. Entre ricos, menos ricos e pobres. É uma tensão racial que não faz sentido existir num país como Angola e não se percebe de onde vem. Acabamos por confundir as coisas. Não sabemos se é uma tensão racial ou uma tensão racial por razões sociais. Os mulatos são sempre mais ricos que os negros. Por outro lado, brancos e mulatos não são aceites em determinadas áreas e por vezes chega a haver agressão. O negro que barra a entrada no bairro ao mulato será também excluído de muitas zonas no centro de Luanda. Existe esse movimento oposto entre centro e periferia em Luanda. Sente-se essa tensão.

E um abandono? As pessoas estão muito entregues a si próprias?

A pessoa está entregue a si mesma e ao seu próximo, ao seu familiar ou amigo, e é isso que a segura. É daí que saem os esquemas, os artifícios para sobreviver, é daí que começa a nascer alguma esperança. Porque, se se ficar à espera de uma coisa que aqui chamamos Estado, o melhor é esquecer. O dinheiro é a base de quase tudo. É a única forma através da qual uma pessoa consegue ter um determinado “status”. Não existe a ideia do “status” cultural. Simplesmente dinheiro. Os carros em Luanda são fundamentais. Exteriorizar sinais de riquezas é fundamental. Uma pessoa tem um problema de rejeição social, caso não tenha esse dinheiro, caso não consiga exteriorizar esses sinais de riqueza.

Para evitar entrar num ciclo de exclusão?

É a exteriorização que dá oportunidades. Se eu não parar com um Mercedes à porta de um hotel em Luanda, nem sequer me deixam entrar. Mas deixam entrar um branco ou um mulato. Entram em qualquer sítio. Eu próprio tenho a entrada barrada em alguns sítios. Amigos meus têm a entrada barrada em alguns sítios. Simplesmente porque somos negros. Acontece em hotéis ou em lojas nos novos condomínios que estão a surgir em Luanda. Um negro tem que exteriorizar riqueza e poder.

Os negros também estão excluídos dos cargos de poder?

O poder obedece a esquemas ainda muito mais sofisticados de racismo. Sente-se isso, e há tensão racial, o facto de se ser do Norte ou do Sul.

Por isso se fala de um risco de desintegração do país com eventual saída de cena de José Eduardo dos Santos? O argumento de que o Presidente é um garante da unidade de Angola tem fundamento?

Há um grande receio, para não dizer medo, que José Eduardo dos Santos desapareça sem haver uma transição.

Eduardo dos Santos devia recandidatar-se às presidenciais ou não?

Não, José Eduardo dos Santos tem que fazer a transmissão de poderes. Já teve o poder durante muito tempo. Só com uma transição de poder se pode começar a acreditar numa mudança. Porque, independentemente do que possa acontecer no início, se José Eduardo dos Santos sair, haverá mais esperança. Uma mudança em Angola é urgente. O que não pode acontecer é as coisas continuarem neste estado. Provavelmente as coisas não estão pior, porque ele lá está. Mas uma mudança é necessária. Se o povo não sentir mudança já, neste momento, se Angola continuar assim por mais cinco anos, quem é que vai acreditar?

As eleições não criam esperança?

É evidente que sim. Porque permite entrar num processo em que de cinco em cinco anos haverá eleições e com isso se sente que algo está a mudar. Mas não basta haver eleições. E o que não pode acontecer é no próximo ano o acto eleitoral continuar incerto.

Mas as eleições também suscitam receio? Uma das personagens no filme diz que as pessoas em Luanda só regressarão às províncias depois das eleições. Ainda há medo que as coisas corram mal, por causa do trauma de 1992?

Ainda há esse receio. É o medo misturado com o não saberem o que as espera nas províncias.

É o medo da guerra ou o medo de não sobreviver?

É um pouco um medo dessas duas coisas. Mas já não há condições para haver uma guerra em Angola. E mesmo que houvesse ninguém ia lutar nela.

KILUANJE LIBERDADE – CINEASTA

· Nasceu em Benguela em 1976. Até aos oito anos viveu em Luanda, onde se desloca várias vezes por ano por razões profissionais. Vive em Portugal.

· É assistente de fotografia, cineasta e videasta, depois de uma licenciatura em Gestão Cultural na Universidade Lusófona e dos cursos de Cinevídeo na Academia de Arte e Tecnologias e Vídeo no Instituto de Artes Visuais e Marketing, IADE, em Lisboa.

· Realizador do documentário “O Rap É Uma Arma” em 1996. Prémio para a Melhor Primeira Obra no Festival Internacional de Cinema Documental da Malaposta. Co-realizador do filme “Outros Bairros” com Inês Gonçalves e Vasco Pimentel em 1998. Assistente de realização e de imagem do documentário A Favor da Claridade , de Teresa Villaverde em 2003.

· “Oxalá Cresçam Pitangas – Histórias de Luanda” foi apresentado no DocLisboa em Outubro de 2006 e no Festival de Cinemas Africanos em Lisboa um mês depois.