Friday, 28 September 2007

CASSANDRA WILSON

I slid my hand down her arm from shoulder to hand and she took it and shooked it and stayed… Hand in hand, there I was with Cassandra Wilson. For one of those seemingly long moments that stand for an eternity. This was when she came back from the stage downstairs after the main course. There she had just been giving me what I had come in for: to sort her out once and for all, to be bought into her sound for good, to let go the resistance to her moods that I’d been holding to for the last ten years, since I first heard and read about her, to finally get to taste that strange fruit that is her voice...

Scent of magnolia
sweet and fresh
Then the sudden smell
of burnin flesh


There it was: a fruit as strange and as tasty as that of Lady Day, who first introduced me to that poem and song she made so hers. And she was in good company too: a sextet led by drummer Herlin Riley, with Reginald Veal on bass, Marvin Sewell on the guitars, Jason Moran on the piano and Lekan Babalola, a Nigerian whom she introduced as ‘African Royalty’, as the master percussionist. Riley (perhaps best known for his work with Wynton Marsalis and the Lincoln Center Jazz Orchestra) also got a special introduction, as ‘Sir’ – and, heavens, how he deserved it! I got the chance to tell him just that and how great he was while repeatedly ‘tapping’ with gusto on his shoulder. He paid me the compliment with an autograph with Love

That’s the thing about the Jazz Café, if you’re lucky enough, you can get an up-close and personal experience with the artists you come to see, while enjoying a nice meal if you happen to have booked a table upstairs in the restaurant – through which they happen to pass in their way to and from the stage. Initially we had been restless because the place was fully booked and we couldn’t get a view to the stage from the first table we got, but then got lucky enough to be moved (after the meal, which the music we were offered, specially Sewell’s spicy guitar sounds, made all taste like Cajun food straight from the bayous of New Orleans… By the way, in one of the very few occasions she addressed the audience she got us into the 'secret' of the right pronounciation of New Orleans...) to the best seats in the house – just upfront, overlooking the stage – from which we could enjoy the show as if we were right there in the stage as well… every single complicity movement and face expression composing that music body language which makes it live… and how we lived it… and played it! Specially the drums and percussion combinations by Riley and Babalola, wonderfully backed up by Veal.

She might say as well as Miles used to: “just give me a good rhythm section and my ego is satisfied”… In the ego place where Miles had the trumpet, Cassandra has the voice – that clear, calm and steady, yet at times thunderous, deep and wondrous voice, with which, together with her earthy body movements, bare feet and closed eyes, she takes us from a calm beach to the depths of the ocean and back again on an irresistible tidal wave. And, like Miles, she offered us ‘Time after time’ as desert. On her final return from the stage she stopped by again to give me that much loved autograph – she had appreciated my ‘African ululus’, which she said had made the evening special (it was the last of an European Exclusive residency at the Jazz Cafe')… And then there were all the looks and sayings of how much we looked alike… but that’s another story.





Strange Fruit - Cassandra Wilson
I slid my hand down her arm from shoulder to hand and she took it and shooked it and stayed… Hand in hand, there I was with Cassandra Wilson. For one of those seemingly long moments that stand for an eternity. This was when she came back from the stage downstairs after the main course. There she had just been giving me what I had come in for: to sort her out once and for all, to be bought into her sound for good, to let go the resistance to her moods that I’d been holding to for the last ten years, since I first heard and read about her, to finally get to taste that strange fruit that is her voice...

Scent of magnolia
sweet and fresh
Then the sudden smell
of burnin flesh


There it was: a fruit as strange and as tasty as that of Lady Day, who first introduced me to that poem and song she made so hers. And she was in good company too: a sextet led by drummer Herlin Riley, with Reginald Veal on bass, Marvin Sewell on the guitars, Jason Moran on the piano and Lekan Babalola, a Nigerian whom she introduced as ‘African Royalty’, as the master percussionist. Riley (perhaps best known for his work with Wynton Marsalis and the Lincoln Center Jazz Orchestra) also got a special introduction, as ‘Sir’ – and, heavens, how he deserved it! I got the chance to tell him just that and how great he was while repeatedly ‘tapping’ with gusto on his shoulder. He paid me the compliment with an autograph with Love

That’s the thing about the Jazz Café, if you’re lucky enough, you can get an up-close and personal experience with the artists you come to see, while enjoying a nice meal if you happen to have booked a table upstairs in the restaurant – through which they happen to pass in their way to and from the stage. Initially we had been restless because the place was fully booked and we couldn’t get a view to the stage from the first table we got, but then got lucky enough to be moved (after the meal, which the music we were offered, specially Sewell’s spicy guitar sounds, made all taste like Cajun food straight from the bayous of New Orleans… By the way, in one of the very few occasions she addressed the audience she got us into the 'secret' of the right pronounciation of New Orleans...) to the best seats in the house – just upfront, overlooking the stage – from which we could enjoy the show as if we were right there in the stage as well… every single complicity movement and face expression composing that music body language which makes it live… and how we lived it… and played it! Specially the drums and percussion combinations by Riley and Babalola, wonderfully backed up by Veal.

She might say as well as Miles used to: “just give me a good rhythm section and my ego is satisfied”… In the ego place where Miles had the trumpet, Cassandra has the voice – that clear, calm and steady, yet at times thunderous, deep and wondrous voice, with which, together with her earthy body movements, bare feet and closed eyes, she takes us from a calm beach to the depths of the ocean and back again on an irresistible tidal wave. And, like Miles, she offered us ‘Time after time’ as desert. On her final return from the stage she stopped by again to give me that much loved autograph – she had appreciated my ‘African ululus’, which she said had made the evening special (it was the last of an European Exclusive residency at the Jazz Cafe')… And then there were all the looks and sayings of how much we looked alike… but that’s another story.





Strange Fruit - Cassandra Wilson

Tuesday, 25 September 2007

AN INTRODUCTION TO CAPOEIRA ANGOLA (I)*

1. INTRODUCTION

In recent decades, capoeira has been transformed from a regional Brazilian martial art/dance genre into an internationally known and widely taught art form and philosophy, through the hard work and zeal of its masters and participants. Capoeira is also one of the ways Brazilians of African descent are re-thinking their historical ties to African traditions, their place in the African diaspora, and their roles in contemporary Brazil and beyond.

The origin of Capoeira Angola is related to many Central African cultural manifestations including the ancient practice of N’Golo from Angola. The word “N’Golo” in Kikongo, a language spoken in Angola and Zaire, means “force” or “power”. “N’Golo” also refers to the “Dance of the Zebras”. The dance was part of a rite of passage in which young men competed. The young man who gave the best presentation of balance, grace, and flexibility was able to marry without paying the traditional bride-price.


In its history and practice, Capoeira Angola reflects the philosophy and aesthetics of its place of origin. Many traditional African cultures have no clear-cut distinctions between the sacred and the secular, between work and play, between fight and fun. Capoeira Angola integrates music, movement, theatrics, play, martial arts, philosophy, and spirituality. Like many other African-based traditions, Capoeira Angola has been passed down orally from master to student, always with respect for the original masters. Over time, different styles of capoeira such as Regional, Actual and Contemporary have developed.

(… keep reading here)

2. HISTORY OF GCAP

The Grupo de Capoeira Angola Pelourinho (GCAP) was founded in 1980, in Rio de Janeiro. In 1982, mestres Moraes and Cobra Mansa returned to Bahia, establishing the headquarters of GCAP in Salvador, a city where generations of capoeiristas have maintained the traditions of Capoeira Angola and today continue to pass on the history, philosophy, and movements of the art. Since that time,GCAP has succeeded in spreading its vision of Capoeira Angola, founding centers in Brazil in the cities of Salvador, Belo Horizonte, Minas Gerais, and Rio de Janeiro; and in the United States in Oakland, California, and Washngton, D.C.


By recovering and retelling the long history of political and cultural struggle embodied in Capoeira Angola, emphasizing the importance of African contributions to Brazilian history, the group continues the battle for racial justice. This commitment to social service through educational and social projects with children was reinforced in 1991, when GCAP became involved with the Projeto ERÊ, the Brazilian Center for Infancy and Adolescence (CBIA), and other cultural organizations of the Bahian Movimento Negro (“Black Movement”). Projeto ERÊ is the cultural component of the Projeto AXÉ, a non-governmental organization which provides assistance to children and adolescents often living and working in the streets of Salvador, Bahia. The voices of children you hear in the recording are the children of Projeto AXÉ, the future mestres of Capoeira Angola. Today GCAP is recognized as an important center for research and documentation of Capoeira Angola and is respected as one of the most traditional academies of Capoeira Angola, dedicated to the formation of the capoeirista angoleiro in his or her totality.

(… keep reading here)

3. ZUMBI LIVES!

As the Grupo Capoeira Angola Pelourinho is engaged in the constant fight for the liberation of Afro-Brazilians, we would like to take this opportunity to pay homage to our hero, Zumbi dos Palmares, on the 300th anniversary of his death. Zumbi was the king of Palmares, the largest quilombo (fugitive slave or maroon community) in what is the modern state of Pernambuco. Palmares endured repeated attacks over the eighty years of its existence during the seventeenth century. For more than a half-century, the community was led valiantly by Zumbi who fought for freedom for African peoples in Brazil. His assassination was the product of fear, hatred, and a profound lack of understanding.

In many ways, we continue to face the same enemies today. The descendents of Africans living in myriad different places are still aspiring to a position of full citizenship, fighting for the day when the systems built in part through the abduction, violation, torture, and forced labor of African peoples will recognize the rights of all people – including the granddaughters and grandsons of the slaves. To GCAP, Zumbi dos Palmares symbolizes the struggle for those rights, already due to the Afro-Brazilian people, for their contribution to the construction of Brazil. For GCAP, Zumbi lives on, just as do all who have joined in this struggle, like the capoeira mestres Pastinha, Bimba, Valdemar, Cobrinha Verde, Canjuquinha, Bobo, and others. This work is a tribute to all those who have struggled on behalf of the black community spread throughout the Americas and around the world.
“TOMA KWIZA” – Mestre Moraes

4. THE SONGS

The traditional song cycle of Capoeira Angola is divided into three distinct parts (ladainha, chula, and corrido), each one demanding different forms of singing, responses from the players and audience, and skills from the person leading the singing. The singing is not simply musical accompaniment for the game; rather, it is an integral part of the art, giving energy and feedback to the players and infusing the roda (the human ring in which Capoeira Angola is played) with spirituality and history.

Part I (tracks 1-7) – Written and performed by Mestre Moraes

1. Ladainha (Rei Zumbi dos Palmares):
History deceives us/ Says everything contrary/
Even says that abolition/ Happened in the month of May/
The proof of this lie/ Is that from misery I do not escape.
Long live the 20th of November/ Moment to be remembered/
I don’t see in the 13th of May/ Anything to commemorate/
A long time passes/ And the Black man always will struggle.

Zumbi is our hero/ Zumbi is our hero, old friend/
Of Palmares he was the leader/ For the cause of the Black man/
It was he who fought the most/ In spite of all the fighting, my friend/
The Black man did not liberate himself, comrade!




Free file hosting by Ripway.com




2. Chula:
It’s time, it’s time/ It’s time, it’s time comrade/
Let’s go/ Let’s go comrade/
Along the coast/ Along the coast comrade/
Long live my mestre/ Long live my mestre comrade/
Who has taught me/ Who has taught me comrade.




Free file hosting by Ripway.com




3. Santa Barbara (corrido):
Saint Barbara is syncretized (a form of incorporation) with Iansã, the Goddess of wind, storms and lightning in the Afro-Brazilian religion of Candomblé. The words translate: “Santa Barbara will [bring] lightning”.




Free file hosting by Ripway.com




4. Côco no Dente (corrido):
This song jokes about a little rodent (the agouti or cutia), eating coconut. It translates roughly as: “I saw a cutia with coconut in its teeth/ Eating farinha with hot coconut candy/ I saw the cutia with coconut in its teeth/ with coconut…”




Free file hosting by Ripway.com




5. Tem Dendê, Tem Dendê (corrido):
Dendê is the fruit from which palm oil is extracted, commonly used in Afro-Brazilian religious ritual and cuisine. To “have dendê” in Capoeira Angola is to have power, or malícia (cunning, savy, malice). The lyrics translate as: “There is dendê in the game of Angola”. The lead singer will often fill in the beginning of the line with names, places, instruments, or other things to address the people present or the events that are occurring.




Free file hosting by Ripway.com




6. Tim, Tim La Vai Viola (corrido):
This song refers to the berimbau viola, the highest-pitched berimbau in the orchestra of Capoeira Angola. It is responsible for improvising variations on the basic rhythm, the toque, being played on the other berimbaus. The opening of the song translates as “Tim, tim, tim, there goes the [berimbau] viola (x3), the beautiful game is the game of Angola”. “Tim, tim, tim” is the sound of the viola.




Free file hosting by Ripway.com




7. Saia do Mar, Marinheiro (corrido):
This song depicts the fisherman telling a stranger or enemy to leave the seaport: “Get out of the sea, get out of the sea, seaman…”.




Free file hosting by Ripway.com




______________

*The series initiated with this post constitutes a transcription of the record “Capoeira Angola from Salvador, Brazil”, by Smithsonian/Folkways Recordings (1996), produced by Mestre Cobra Mansa and Heidi Rauch in collaboration with the Organization of American States and Grupo de Capoeira Angola Pelourinho. I got it some years ago from my son as a birthday present and have been planning for a while to present it here (in fact, I’ve already played here one of its tracks entitled Angola). The previous post, which reports on a protest event against racist practices by the local police, to take place tomorrow in Salvador da Bahia, led by a number of groups and entities affiliated to the Bahian Movimento Negro (Black Movement), prompted me to start its presentation today.

1. INTRODUCTION

In recent decades, capoeira has been transformed from a regional Brazilian martial art/dance genre into an internationally known and widely taught art form and philosophy, through the hard work and zeal of its masters and participants. Capoeira is also one of the ways Brazilians of African descent are re-thinking their historical ties to African traditions, their place in the African diaspora, and their roles in contemporary Brazil and beyond.

The origin of Capoeira Angola is related to many Central African cultural manifestations including the ancient practice of N’Golo from Angola. The word “N’Golo” in Kikongo, a language spoken in Angola and Zaire, means “force” or “power”. “N’Golo” also refers to the “Dance of the Zebras”. The dance was part of a rite of passage in which young men competed. The young man who gave the best presentation of balance, grace, and flexibility was able to marry without paying the traditional bride-price.


In its history and practice, Capoeira Angola reflects the philosophy and aesthetics of its place of origin. Many traditional African cultures have no clear-cut distinctions between the sacred and the secular, between work and play, between fight and fun. Capoeira Angola integrates music, movement, theatrics, play, martial arts, philosophy, and spirituality. Like many other African-based traditions, Capoeira Angola has been passed down orally from master to student, always with respect for the original masters. Over time, different styles of capoeira such as Regional, Actual and Contemporary have developed.

(… keep reading here)

2. HISTORY OF GCAP

The Grupo de Capoeira Angola Pelourinho (GCAP) was founded in 1980, in Rio de Janeiro. In 1982, mestres Moraes and Cobra Mansa returned to Bahia, establishing the headquarters of GCAP in Salvador, a city where generations of capoeiristas have maintained the traditions of Capoeira Angola and today continue to pass on the history, philosophy, and movements of the art. Since that time,GCAP has succeeded in spreading its vision of Capoeira Angola, founding centers in Brazil in the cities of Salvador, Belo Horizonte, Minas Gerais, and Rio de Janeiro; and in the United States in Oakland, California, and Washngton, D.C.


By recovering and retelling the long history of political and cultural struggle embodied in Capoeira Angola, emphasizing the importance of African contributions to Brazilian history, the group continues the battle for racial justice. This commitment to social service through educational and social projects with children was reinforced in 1991, when GCAP became involved with the Projeto ERÊ, the Brazilian Center for Infancy and Adolescence (CBIA), and other cultural organizations of the Bahian Movimento Negro (“Black Movement”). Projeto ERÊ is the cultural component of the Projeto AXÉ, a non-governmental organization which provides assistance to children and adolescents often living and working in the streets of Salvador, Bahia. The voices of children you hear in the recording are the children of Projeto AXÉ, the future mestres of Capoeira Angola. Today GCAP is recognized as an important center for research and documentation of Capoeira Angola and is respected as one of the most traditional academies of Capoeira Angola, dedicated to the formation of the capoeirista angoleiro in his or her totality.

(… keep reading here)

3. ZUMBI LIVES!

As the Grupo Capoeira Angola Pelourinho is engaged in the constant fight for the liberation of Afro-Brazilians, we would like to take this opportunity to pay homage to our hero, Zumbi dos Palmares, on the 300th anniversary of his death. Zumbi was the king of Palmares, the largest quilombo (fugitive slave or maroon community) in what is the modern state of Pernambuco. Palmares endured repeated attacks over the eighty years of its existence during the seventeenth century. For more than a half-century, the community was led valiantly by Zumbi who fought for freedom for African peoples in Brazil. His assassination was the product of fear, hatred, and a profound lack of understanding.

In many ways, we continue to face the same enemies today. The descendents of Africans living in myriad different places are still aspiring to a position of full citizenship, fighting for the day when the systems built in part through the abduction, violation, torture, and forced labor of African peoples will recognize the rights of all people – including the granddaughters and grandsons of the slaves. To GCAP, Zumbi dos Palmares symbolizes the struggle for those rights, already due to the Afro-Brazilian people, for their contribution to the construction of Brazil. For GCAP, Zumbi lives on, just as do all who have joined in this struggle, like the capoeira mestres Pastinha, Bimba, Valdemar, Cobrinha Verde, Canjuquinha, Bobo, and others. This work is a tribute to all those who have struggled on behalf of the black community spread throughout the Americas and around the world.
“TOMA KWIZA” – Mestre Moraes

4. THE SONGS

The traditional song cycle of Capoeira Angola is divided into three distinct parts (ladainha, chula, and corrido), each one demanding different forms of singing, responses from the players and audience, and skills from the person leading the singing. The singing is not simply musical accompaniment for the game; rather, it is an integral part of the art, giving energy and feedback to the players and infusing the roda (the human ring in which Capoeira Angola is played) with spirituality and history.

Part I (tracks 1-7) – Written and performed by Mestre Moraes

1. Ladainha (Rei Zumbi dos Palmares):
History deceives us/ Says everything contrary/
Even says that abolition/ Happened in the month of May/
The proof of this lie/ Is that from misery I do not escape.
Long live the 20th of November/ Moment to be remembered/
I don’t see in the 13th of May/ Anything to commemorate/
A long time passes/ And the Black man always will struggle.

Zumbi is our hero/ Zumbi is our hero, old friend/
Of Palmares he was the leader/ For the cause of the Black man/
It was he who fought the most/ In spite of all the fighting, my friend/
The Black man did not liberate himself, comrade!




Free file hosting by Ripway.com




2. Chula:
It’s time, it’s time/ It’s time, it’s time comrade/
Let’s go/ Let’s go comrade/
Along the coast/ Along the coast comrade/
Long live my mestre/ Long live my mestre comrade/
Who has taught me/ Who has taught me comrade.




Free file hosting by Ripway.com




3. Santa Barbara (corrido):
Saint Barbara is syncretized (a form of incorporation) with Iansã, the Goddess of wind, storms and lightning in the Afro-Brazilian religion of Candomblé. The words translate: “Santa Barbara will [bring] lightning”.




Free file hosting by Ripway.com




4. Côco no Dente (corrido):
This song jokes about a little rodent (the agouti or cutia), eating coconut. It translates roughly as: “I saw a cutia with coconut in its teeth/ Eating farinha with hot coconut candy/ I saw the cutia with coconut in its teeth/ with coconut…”




Free file hosting by Ripway.com




5. Tem Dendê, Tem Dendê (corrido):
Dendê is the fruit from which palm oil is extracted, commonly used in Afro-Brazilian religious ritual and cuisine. To “have dendê” in Capoeira Angola is to have power, or malícia (cunning, savy, malice). The lyrics translate as: “There is dendê in the game of Angola”. The lead singer will often fill in the beginning of the line with names, places, instruments, or other things to address the people present or the events that are occurring.




Free file hosting by Ripway.com




6. Tim, Tim La Vai Viola (corrido):
This song refers to the berimbau viola, the highest-pitched berimbau in the orchestra of Capoeira Angola. It is responsible for improvising variations on the basic rhythm, the toque, being played on the other berimbaus. The opening of the song translates as “Tim, tim, tim, there goes the [berimbau] viola (x3), the beautiful game is the game of Angola”. “Tim, tim, tim” is the sound of the viola.




Free file hosting by Ripway.com




7. Saia do Mar, Marinheiro (corrido):
This song depicts the fisherman telling a stranger or enemy to leave the seaport: “Get out of the sea, get out of the sea, seaman…”.




Free file hosting by Ripway.com




______________

*The series initiated with this post constitutes a transcription of the record “Capoeira Angola from Salvador, Brazil”, by Smithsonian/Folkways Recordings (1996), produced by Mestre Cobra Mansa and Heidi Rauch in collaboration with the Organization of American States and Grupo de Capoeira Angola Pelourinho. I got it some years ago from my son as a birthday present and have been planning for a while to present it here (in fact, I’ve already played here one of its tracks entitled Angola). The previous post, which reports on a protest event against racist practices by the local police, to take place tomorrow in Salvador da Bahia, led by a number of groups and entities affiliated to the Bahian Movimento Negro (Black Movement), prompted me to start its presentation today.

Monday, 24 September 2007

SOLIDARIEDADE COM OS IRMAOS BAHIANOS*

NÃO ACEITAREMOS A PRÓXIMA VÍTIMA

Nós, grupos, entidades e organizações do Movimento Negro do Estado da Bahia vimos a público exigir das instituições democráticas de um modo geral e do Governador do Estado especificamente, a rigorosa apuração dos atos de agressões praticadas por integrantes da Polícia Militar contra cidadãos e cidadãs de comunidades de maioria negra.

A última vítima de ações arbitrárias da PM, o músico do Ilê Aiyê, Agnaldo Pereira da Silva (Guiguiu do Ilê), foi agredido no último domingo, 16 de setembro, no bairro do Nordeste de Amaralina, pelo sargento identificado como Menezes que, após ter arrombado a porta e invadido sua casa, o arrastou para o meio da rua, agredindo-o covardemente, tendo, nesta mesma oportunidade, o aludido policial juntamente com seus comandados, espancado covardemente o comerciante Gilberto dos Santos.

Trata-se de um padrão recorrente praticado contra a parcela que representa a maioria populacional de Salvador, cidade que se beneficia do nosso capital cultural, mas que ainda nos mantém subalternizado. Um modelo racista, que se reflete no sistema de segurança pública que criminaliza e submete toda a população negra em Salvador em especial e, de um modo geral, em toda a Bahia, através de um rigoroso controle baseado em brutalidade, agressões e morte.

Portanto nós, legitimamente reunidos e reunidas, exigimos respeito a nossa histórica participação na construção desta cidade e deste Estado; que nossas vidas não sejam banalizadas; e que nossas instituições não sejam desrespeitadas.

Casos como os que ocorreram no último domingo no Nordeste de Amaralina não são isolados. São um padrão. Esperamos que o GOVERNO DO ESTADO atue de forma a punir exemplarmente os agressores e ao mesmo tempo, que abra um canal de diálogo com o conjunto da sociedade para uma atuação efetiva ao combate à crescente violência em Salvador e na Bahia, mas com ações que respeitem a cidadania e os limites da lei.

Por fim, as entidades aqui signatárias afirmam que reagirão enfaticamente contra qualquer desrespeito aos direitos de cidadania e convocamos toda a sociedade baiana a participar no próximo dia 26 (quarta-feira) , da manifestação contra a violência e a favor da vida, com saída do Largo dos Aflitos, às 15hs.

Comitê Pela Vida e Contra a Violência

ABADFAL, AGANJU, ANAAD, APNS, CEMAG, CORTEJO AFRO, FENACAB, ILÊ AIYÊ, MALÊ DE BALÊ, MUZENZA, OKAMBI, OLODUM, OS NEGÕES, ARCA DO AXÉ, MUNDO NEGRO, MNU, INSTITUTO STEVE BIKO, CEN, IMPACTO SONORO, ASSOCIAÇÃO DO COSME DE FARIAS, CEAFRO, CAMPANHA REAJA OU SERÁ MORTA! REAJA OU SERÁ MORTO!

*Por solidariedade para com os irmaos Bahianos decidi publicar aqui na integra este Manifesto/Apelo que foi aqui postado pela amiga Martha Galrao.


NÃO ACEITAREMOS A PRÓXIMA VÍTIMA

Nós, grupos, entidades e organizações do Movimento Negro do Estado da Bahia vimos a público exigir das instituições democráticas de um modo geral e do Governador do Estado especificamente, a rigorosa apuração dos atos de agressões praticadas por integrantes da Polícia Militar contra cidadãos e cidadãs de comunidades de maioria negra.

A última vítima de ações arbitrárias da PM, o músico do Ilê Aiyê, Agnaldo Pereira da Silva (Guiguiu do Ilê), foi agredido no último domingo, 16 de setembro, no bairro do Nordeste de Amaralina, pelo sargento identificado como Menezes que, após ter arrombado a porta e invadido sua casa, o arrastou para o meio da rua, agredindo-o covardemente, tendo, nesta mesma oportunidade, o aludido policial juntamente com seus comandados, espancado covardemente o comerciante Gilberto dos Santos.

Trata-se de um padrão recorrente praticado contra a parcela que representa a maioria populacional de Salvador, cidade que se beneficia do nosso capital cultural, mas que ainda nos mantém subalternizado. Um modelo racista, que se reflete no sistema de segurança pública que criminaliza e submete toda a população negra em Salvador em especial e, de um modo geral, em toda a Bahia, através de um rigoroso controle baseado em brutalidade, agressões e morte.

Portanto nós, legitimamente reunidos e reunidas, exigimos respeito a nossa histórica participação na construção desta cidade e deste Estado; que nossas vidas não sejam banalizadas; e que nossas instituições não sejam desrespeitadas.

Casos como os que ocorreram no último domingo no Nordeste de Amaralina não são isolados. São um padrão. Esperamos que o GOVERNO DO ESTADO atue de forma a punir exemplarmente os agressores e ao mesmo tempo, que abra um canal de diálogo com o conjunto da sociedade para uma atuação efetiva ao combate à crescente violência em Salvador e na Bahia, mas com ações que respeitem a cidadania e os limites da lei.

Por fim, as entidades aqui signatárias afirmam que reagirão enfaticamente contra qualquer desrespeito aos direitos de cidadania e convocamos toda a sociedade baiana a participar no próximo dia 26 (quarta-feira) , da manifestação contra a violência e a favor da vida, com saída do Largo dos Aflitos, às 15hs.

Comitê Pela Vida e Contra a Violência

ABADFAL, AGANJU, ANAAD, APNS, CEMAG, CORTEJO AFRO, FENACAB, ILÊ AIYÊ, MALÊ DE BALÊ, MUZENZA, OKAMBI, OLODUM, OS NEGÕES, ARCA DO AXÉ, MUNDO NEGRO, MNU, INSTITUTO STEVE BIKO, CEN, IMPACTO SONORO, ASSOCIAÇÃO DO COSME DE FARIAS, CEAFRO, CAMPANHA REAJA OU SERÁ MORTA! REAJA OU SERÁ MORTO!

*Por solidariedade para com os irmaos Bahianos decidi publicar aqui na integra este Manifesto/Apelo que foi aqui postado pela amiga Martha Galrao.


Sunday, 23 September 2007

LUSOFONIA: CULTURA OU IDEOLOGIA?*

Quando aceitei o convite para dissertar sobre o tema definido previamente para este seminário, o qual se referia à Lusofonia, sabia de antemão que estava num terreno polémico e nada consensual, sobretudo aqui em Moçambique. Por isso, gostaria de pedir que vejam a minha intervenção numa perspectiva de discussão académica sobre um conceito que ainda não consolidou os seus contornos.
Normalmente, quando se utiliza a expressão "Países Lusófonos" a referência imediata são os países africanos que têm o português como língua oficial e que por circunstâncias históricas foram colónias de Portugal, tendo ascendido à independência na década de 70 do Século XX. E por extensão, já mais tarde, Timor-Leste. Normalmente é senso comum que o Brasil e os brasileiros não são incluídos neste conjunto, muito menos Portugal.
Ora, se no plano empírico as coisas assim se passam, é porque, do ponto de vista desse senso comum, algo se cristalizou a partir de um jogo de aproximações semânticas que nos remetem à teoria de conjuntos. Quando em 1988, Itamar Franco se reuniu com os seus homólogos em São Luís do Maranhão, o encontro não se designou Lusófono, mas sim dos Países de Língua Portuguesa. Assim, também as bases para a constituição de uma comunidade constituída por esses Países também não adoptou o nome de Comunidade Lusófona, mas sim Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, CPLP. Este é o primeiro ponto que coloco à reflexão e discussão.
Por que razão é que do ponto de vista oficial, na diplomacia e na cooperação multilateral, jamais o termo lusófono foi adoptado?
(...)

Marcelo Rebelo de Sousa, esteve recentemente em Moçambique, no âmbito de cooperação académica entre as universidades portuguesas e moçambicanas.
Ele escandalizou meio mundo ao, pela primeira vez, assumir a postura muitas vezes pronunciada em surdina de que havia que resgatar o lado bom do colonialismo, fazendo justiça àqueles que, embora servidores do sistema, conseguiram dar-lhe um rosto humano. E chocou, porquê? Na justa medida de que para nós, é um dado adquirido de que o colonialismo é sempre mau para quem o sofreu e é sempre bom para quem dele beneficiou. Esta mistura de águas publicamente assumida num País que foi colónia até há pouco mais de trinta anos vem demonstrar que muitas contas estão ainda por fazer para nos entendermos no mundo dos conceitos.
Para isso é que servem as discussões. Levanto esta questão do pronunciamento de Marcelo Rebelo de Sousa para remetê-la à problemática do mito do império que habita o imaginário cultural e ideológico dos portugueses desde o Século XVI.
(...)

A versão moderna do mito do quinto império é ensaiada através das teorias Lusotropicalistas sistematizadas por Gilberto Freyre, que, do meu ponto de vista, são bem mais antigas, as quais aparecem em alguns pronunciamentos, principalmente nos debates sobre a questão ultramarina, no Século XIX, um pouco por consequência da independência do Brasil.
O Lusotropicalismo não é somente uma teoria sociológica. Quanto a mim, uma tentativa de dar rosto científico a um pressuposto ideológico. Por isso os estrategas do Estado Novo acolheram com muito entusiasmo o discurso lusotropicalista. Constituída a primeira machadada na herança sonhada, criada e deixada por Dom João II. Quero lembrar aqui, que pouco tempo antes e não por mera coincidência, Gilberto Freyre fora hóspede convidado de Salazar, naqueles territórios, foi buscar mais subsídios para consubstanciar as suas teorias lusotropicalistas, ido de Cabo Verde. Nessa mesma década, a de 60 do Século XX, os movimentos nacionalistas de Angola, Guiné Bissau e Moçambique iniciavam a Luta Armada de Libertação, designada inicialmente por Salazar de campanhas de África contra o terrorismo, baptizada depois de campanhas contra o comunismo, por Marcelo Caetano, e Guerra colonial, após o 25 de Abril. Até meados de 70 do Século XX e no limiar das independentes das colónias africanas, jamais alguém utilizou o conceito lusófono ou lusofonia para se referir ao que quer que fosse.
Esta é a segunda questão que ponho à discussão. Por que razão é que só depois das independências emerge de uma forma evidente este conceito?
(...)

A década de 60 do Século passado é conhecida por década de África. A maior parte das colónias africanas da Grã-Bretanha e França tornaram-se estados independentes na primeira metade dessa década. Os interesses políticos e sobretudo económicos fizeram com que as ex-potências coloniais desenhassem uma estratégia de continuidade com outra roupagem. Quer isto dizer que, ao colonialismo clássico se seguia o panorama neocolonial. E uma das configurações que esse novo modelo tomou foi o de comunidade linguística. Assim nasceram as comunidades francófonas e anglófona. Contudo, um olhar mais atento há de provar-nos que a língua como factor de formação das comunidades em apreço não passava de um pretexto. A França, por exemplo, manteve a sua presença ostensivamente, indo da moeda até a presença militar, através da Legião Francesa, com o único fito de salvaguardar os seus interesses. A francofonia e anglofonia é sobretudo um produto neo-colonial. Esta é a terceira questão que ponho à discussão, será por aproximação à designação destas duas comunidades que se foi buscar o termo lusofonia? Se assim foi, terá havido o cuidado de se reflectir sobre as diferenças dos factores? As expressões não valem por si. Valem sobretudo pelo alcance que têm e pela solidez dos factores que lhes deram origem. Assim, se quisermos ver legitimado o conceito que a expressão Lusofonia contém, devemos ir a fundo na busca dos seus referenciais. Se assim não acontecer, reduziremos o seu alcance a um mero exercício de retórica política, banalizando-se o seu significado.
(...)

Uma das grandes discussões que ainda divide os integrantes das estruturas do Instituto Internacional de Língua Portuguesa, com sede em Cabo Verde, reside precisamente no facto de os representantes portugueses com a neutralidade cúmplice dos brasileiros considerarem que aquela instituição deve velar essencialmente os interesses e defesa da língua portuguesa, denominador comum dos países nele representados. Os africanos procuram lembrar aos seus parceiros que o panorama linguístico dos três países africanos continentais e Timor-Leste é de diversidade linguística. E se o Instituto é uma instituição que emana da CPLP, não faz sentido que essa realidade seja derrogada daquela estância para uma outra com o mesmo fim. Se a língua portuguesa é o sedimento do edifício lusófono, então esse edifício terá muitas rachas em que se infiltrará a realidade linguística desses quatro países e porque não também os crioulos de Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Os impasses tem praticamente paralisado o IILP que não consegue encontrar saídas e os poucos projectos alternativos não avançam por falta de vigor.
(...)

A quarta questão que ponho à discussão é, sendo os países africanos, na sua generalidade, incluindo os de língua oficial portuguesa, de origem colonial, mas com uma realidade sócio-cultural bipolar, pela natureza da adversidade etno-linguística, com que legitimidade os poderemos designar de lusófonos? Se formos pela via da língua ou pela via da cultura, teremos vastos segmentos que ficarão subtraídos desse desiderato, extraindo disso a natureza parcial que o conceito referencia. Se formos pelas razões de aproximação com as outras duas comunidades, teremos panorama falacioso, pois felizmente para nós, Portugal não construiu nenhum plano nem esboçou qualquer estratégia do tipo neocolonial para continuar nas ex-colónias.
(...)

A falta de consenso resulta do défice epistemológico que por consequência não cobre as zonas cinzentas que os espíritos inquietos querem ver esclarecidos. A terminar, apenas uma constatação que exige reflexão. A África do Sul e Portugal festejaram Bartolomeu Dias, as Américas do Norte, Centro e Sul e Espanha festejaram Cristóvão Colombo, o Brasil e Portugal festejaram Pedro Álvares Cabral, por que razão Moçambique e Índia não festejaram com Portugal Vasco da Gama, símbolo maior da saga portuguesa no que toca à epopeia da Expansão Marítima?Faço parte dos que têm o espírito inquieto sobre esta questão.Lusofonia: Cultura ou Ideologia?
(...)

[Ler artigo completo AQUI]

*Por Lourenço do Rosário, Professor da Universidade Nova de Lisboa e Reitor do Instituto Superior Politécnico e Universitário (ISPU) de Maputo, Moçambique


N.B.: Para uma analise comparativa das questoes aqui levantadas conviria ler tambem ESTE e este OUTRO artigos.
Quando aceitei o convite para dissertar sobre o tema definido previamente para este seminário, o qual se referia à Lusofonia, sabia de antemão que estava num terreno polémico e nada consensual, sobretudo aqui em Moçambique. Por isso, gostaria de pedir que vejam a minha intervenção numa perspectiva de discussão académica sobre um conceito que ainda não consolidou os seus contornos.
Normalmente, quando se utiliza a expressão "Países Lusófonos" a referência imediata são os países africanos que têm o português como língua oficial e que por circunstâncias históricas foram colónias de Portugal, tendo ascendido à independência na década de 70 do Século XX. E por extensão, já mais tarde, Timor-Leste. Normalmente é senso comum que o Brasil e os brasileiros não são incluídos neste conjunto, muito menos Portugal.
Ora, se no plano empírico as coisas assim se passam, é porque, do ponto de vista desse senso comum, algo se cristalizou a partir de um jogo de aproximações semânticas que nos remetem à teoria de conjuntos. Quando em 1988, Itamar Franco se reuniu com os seus homólogos em São Luís do Maranhão, o encontro não se designou Lusófono, mas sim dos Países de Língua Portuguesa. Assim, também as bases para a constituição de uma comunidade constituída por esses Países também não adoptou o nome de Comunidade Lusófona, mas sim Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, CPLP. Este é o primeiro ponto que coloco à reflexão e discussão.
Por que razão é que do ponto de vista oficial, na diplomacia e na cooperação multilateral, jamais o termo lusófono foi adoptado?
(...)

Marcelo Rebelo de Sousa, esteve recentemente em Moçambique, no âmbito de cooperação académica entre as universidades portuguesas e moçambicanas.
Ele escandalizou meio mundo ao, pela primeira vez, assumir a postura muitas vezes pronunciada em surdina de que havia que resgatar o lado bom do colonialismo, fazendo justiça àqueles que, embora servidores do sistema, conseguiram dar-lhe um rosto humano. E chocou, porquê? Na justa medida de que para nós, é um dado adquirido de que o colonialismo é sempre mau para quem o sofreu e é sempre bom para quem dele beneficiou. Esta mistura de águas publicamente assumida num País que foi colónia até há pouco mais de trinta anos vem demonstrar que muitas contas estão ainda por fazer para nos entendermos no mundo dos conceitos.
Para isso é que servem as discussões. Levanto esta questão do pronunciamento de Marcelo Rebelo de Sousa para remetê-la à problemática do mito do império que habita o imaginário cultural e ideológico dos portugueses desde o Século XVI.
(...)

A versão moderna do mito do quinto império é ensaiada através das teorias Lusotropicalistas sistematizadas por Gilberto Freyre, que, do meu ponto de vista, são bem mais antigas, as quais aparecem em alguns pronunciamentos, principalmente nos debates sobre a questão ultramarina, no Século XIX, um pouco por consequência da independência do Brasil.
O Lusotropicalismo não é somente uma teoria sociológica. Quanto a mim, uma tentativa de dar rosto científico a um pressuposto ideológico. Por isso os estrategas do Estado Novo acolheram com muito entusiasmo o discurso lusotropicalista. Constituída a primeira machadada na herança sonhada, criada e deixada por Dom João II. Quero lembrar aqui, que pouco tempo antes e não por mera coincidência, Gilberto Freyre fora hóspede convidado de Salazar, naqueles territórios, foi buscar mais subsídios para consubstanciar as suas teorias lusotropicalistas, ido de Cabo Verde. Nessa mesma década, a de 60 do Século XX, os movimentos nacionalistas de Angola, Guiné Bissau e Moçambique iniciavam a Luta Armada de Libertação, designada inicialmente por Salazar de campanhas de África contra o terrorismo, baptizada depois de campanhas contra o comunismo, por Marcelo Caetano, e Guerra colonial, após o 25 de Abril. Até meados de 70 do Século XX e no limiar das independentes das colónias africanas, jamais alguém utilizou o conceito lusófono ou lusofonia para se referir ao que quer que fosse.
Esta é a segunda questão que ponho à discussão. Por que razão é que só depois das independências emerge de uma forma evidente este conceito?
(...)

A década de 60 do Século passado é conhecida por década de África. A maior parte das colónias africanas da Grã-Bretanha e França tornaram-se estados independentes na primeira metade dessa década. Os interesses políticos e sobretudo económicos fizeram com que as ex-potências coloniais desenhassem uma estratégia de continuidade com outra roupagem. Quer isto dizer que, ao colonialismo clássico se seguia o panorama neocolonial. E uma das configurações que esse novo modelo tomou foi o de comunidade linguística. Assim nasceram as comunidades francófonas e anglófona. Contudo, um olhar mais atento há de provar-nos que a língua como factor de formação das comunidades em apreço não passava de um pretexto. A França, por exemplo, manteve a sua presença ostensivamente, indo da moeda até a presença militar, através da Legião Francesa, com o único fito de salvaguardar os seus interesses. A francofonia e anglofonia é sobretudo um produto neo-colonial. Esta é a terceira questão que ponho à discussão, será por aproximação à designação destas duas comunidades que se foi buscar o termo lusofonia? Se assim foi, terá havido o cuidado de se reflectir sobre as diferenças dos factores? As expressões não valem por si. Valem sobretudo pelo alcance que têm e pela solidez dos factores que lhes deram origem. Assim, se quisermos ver legitimado o conceito que a expressão Lusofonia contém, devemos ir a fundo na busca dos seus referenciais. Se assim não acontecer, reduziremos o seu alcance a um mero exercício de retórica política, banalizando-se o seu significado.
(...)

Uma das grandes discussões que ainda divide os integrantes das estruturas do Instituto Internacional de Língua Portuguesa, com sede em Cabo Verde, reside precisamente no facto de os representantes portugueses com a neutralidade cúmplice dos brasileiros considerarem que aquela instituição deve velar essencialmente os interesses e defesa da língua portuguesa, denominador comum dos países nele representados. Os africanos procuram lembrar aos seus parceiros que o panorama linguístico dos três países africanos continentais e Timor-Leste é de diversidade linguística. E se o Instituto é uma instituição que emana da CPLP, não faz sentido que essa realidade seja derrogada daquela estância para uma outra com o mesmo fim. Se a língua portuguesa é o sedimento do edifício lusófono, então esse edifício terá muitas rachas em que se infiltrará a realidade linguística desses quatro países e porque não também os crioulos de Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Os impasses tem praticamente paralisado o IILP que não consegue encontrar saídas e os poucos projectos alternativos não avançam por falta de vigor.
(...)

A quarta questão que ponho à discussão é, sendo os países africanos, na sua generalidade, incluindo os de língua oficial portuguesa, de origem colonial, mas com uma realidade sócio-cultural bipolar, pela natureza da adversidade etno-linguística, com que legitimidade os poderemos designar de lusófonos? Se formos pela via da língua ou pela via da cultura, teremos vastos segmentos que ficarão subtraídos desse desiderato, extraindo disso a natureza parcial que o conceito referencia. Se formos pelas razões de aproximação com as outras duas comunidades, teremos panorama falacioso, pois felizmente para nós, Portugal não construiu nenhum plano nem esboçou qualquer estratégia do tipo neocolonial para continuar nas ex-colónias.
(...)

A falta de consenso resulta do défice epistemológico que por consequência não cobre as zonas cinzentas que os espíritos inquietos querem ver esclarecidos. A terminar, apenas uma constatação que exige reflexão. A África do Sul e Portugal festejaram Bartolomeu Dias, as Américas do Norte, Centro e Sul e Espanha festejaram Cristóvão Colombo, o Brasil e Portugal festejaram Pedro Álvares Cabral, por que razão Moçambique e Índia não festejaram com Portugal Vasco da Gama, símbolo maior da saga portuguesa no que toca à epopeia da Expansão Marítima?Faço parte dos que têm o espírito inquieto sobre esta questão.Lusofonia: Cultura ou Ideologia?
(...)

[Ler artigo completo AQUI]

*Por Lourenço do Rosário, Professor da Universidade Nova de Lisboa e Reitor do Instituto Superior Politécnico e Universitário (ISPU) de Maputo, Moçambique


N.B.: Para uma analise comparativa das questoes aqui levantadas conviria ler tambem ESTE e este OUTRO artigos.

Saturday, 22 September 2007

POLITICA, FUTEBOL E...






... ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ACTUAL CONJUNTURA ECONÓMICA ANGOLANA*

A par da política e do futebol, a economia apresenta-se sempre como uma das áreas da vida social que mais se prestam a debates apaixonados, particularmente em períodos de grandes expectativas e de críticas decisões. Neste momento, o debate, ou melhor, as atenções da opinião pública, sobre a economia do país parecem centrar-se em três vectores fundamentais:

1. A solidez, ou falta dela, da corrente “estabilização macroeconómica”;
2. O “delírio criativo” que parece assolar o sector bancário nacional;
3. As opções estratégicas de desenvolvimento do país que, idealmente, deveriam ancorar-se no anunciado “plano de desenvolvimento para os próximos 25 anos” mas que, por esse estar ainda a ser alinhavado e dada a premência das questões a ele subjacentes, fazendo juz à afirmação de Keynes segundo a qual “no longo prazo estaremos todos mortos”, emergem um pouco de todas e quaisquer discussões sobre a vida diária do cidadão comum – e estas, mesmo que originadas no foro da economia, acabam por incluir a política e o futebol.

As considerações que se seguem, no entanto, pretendem ser estritamente económicas e versarão um pouco sobre cada um dos três vectores acima enunciados.
(...)

I. INFLAÇÃO E NÍVEL DE VIDA, OU O VELHO “FETICHISMO DA MOEDA”

Seria necessária alguma dose de má fe para se não reconhecer e creditar devidamente os méritos do governo na obtenção do que se convencionou chamar “estabilização macroecónomica”. No entanto, seria igualmente mal avisado tomar-se essa estabilização como um dado adquirido, total e irreversível. Quanto mais não seja porque ela parece resumir-se a pouco mais do que um melhor desempenho monetário e uma impressiva contenção da inflacão, ambos ancorados na chamada “política do Kwanza forte” (com o devido respeito, protestos da “equipa económica” não obstante…), obtida através de medidas que, sendo técnicamente sustentadas, não deixam, contudo, de ser conjunturais, tais como a injecção massiva de dólares no mercado e a manipulação “laboratorial” da taxa de câmbio (política que, paradoxalmente, não difere muito em termos substantivos da dos longos anos de câmbio fixo em que tivémos “por artes mágicas” USD1=KZ30).
(...)

II. DESEMPREGO, EXPECTATIVAS E O “FUTURO AMARELO”

Embora, em resultado da valorização do Kwanza, em condições normais se pudesse vaticinar um potencial aumento da propensão marginal a poupar, induzido por uma maior confiança dos agentes económicos (indiciada, aliás, pelo recentemente publicitado aumento dos depósitos em moeda nacional), as baixas taxas de juro que se esperam obter com a baixa inflação não irão incentivar a poupança líquida – certamente não no curto a médio prazo – o que é agravado por essa potencial tendência não ser acompanhada por uma diminuição da propensão marginal ao consumo, quer devido a algumas das nossas características culturais, quer porque esta é sempre tanto maior quanto menor fôr o rendimento disponível dos cidadãos – 98% dos quais vive com menos de 2 dólares por dia, o que, mesmo que por absurdo quisessem endividar-se para investir, não lhes chega para suportar as taxas de juro comerciais, mesmo que mais baixas e acessíveis sem compadrios.
(...)

III. ESTIMULAR E DIVERSIFICAR A ECONOMIA REAL, OU A CRIAÇÃO DE UM CICLO VIRTUOSO DE RIQUEZA

Quando tudo isso estiver a ser obtido, aí sim, quer a política, quer o futebol, passarão a fazer o mais pleno sentido para o cidadão (em particular a cidadã) comum e o governo (qualquer governo) terá licença de todos nós para soprar os seus trombones tão alto quanto quizer: porque em casa onde há pão, ninguém ralha e todos ganham votos, marcam golos e têm razão!

(Ler artigo integral AQUI)

*Artigo por mim publicado no SA em Janeiro de 2006







... ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ACTUAL CONJUNTURA ECONÓMICA ANGOLANA*

A par da política e do futebol, a economia apresenta-se sempre como uma das áreas da vida social que mais se prestam a debates apaixonados, particularmente em períodos de grandes expectativas e de críticas decisões. Neste momento, o debate, ou melhor, as atenções da opinião pública, sobre a economia do país parecem centrar-se em três vectores fundamentais:

1. A solidez, ou falta dela, da corrente “estabilização macroeconómica”;
2. O “delírio criativo” que parece assolar o sector bancário nacional;
3. As opções estratégicas de desenvolvimento do país que, idealmente, deveriam ancorar-se no anunciado “plano de desenvolvimento para os próximos 25 anos” mas que, por esse estar ainda a ser alinhavado e dada a premência das questões a ele subjacentes, fazendo juz à afirmação de Keynes segundo a qual “no longo prazo estaremos todos mortos”, emergem um pouco de todas e quaisquer discussões sobre a vida diária do cidadão comum – e estas, mesmo que originadas no foro da economia, acabam por incluir a política e o futebol.

As considerações que se seguem, no entanto, pretendem ser estritamente económicas e versarão um pouco sobre cada um dos três vectores acima enunciados.
(...)

I. INFLAÇÃO E NÍVEL DE VIDA, OU O VELHO “FETICHISMO DA MOEDA”

Seria necessária alguma dose de má fe para se não reconhecer e creditar devidamente os méritos do governo na obtenção do que se convencionou chamar “estabilização macroecónomica”. No entanto, seria igualmente mal avisado tomar-se essa estabilização como um dado adquirido, total e irreversível. Quanto mais não seja porque ela parece resumir-se a pouco mais do que um melhor desempenho monetário e uma impressiva contenção da inflacão, ambos ancorados na chamada “política do Kwanza forte” (com o devido respeito, protestos da “equipa económica” não obstante…), obtida através de medidas que, sendo técnicamente sustentadas, não deixam, contudo, de ser conjunturais, tais como a injecção massiva de dólares no mercado e a manipulação “laboratorial” da taxa de câmbio (política que, paradoxalmente, não difere muito em termos substantivos da dos longos anos de câmbio fixo em que tivémos “por artes mágicas” USD1=KZ30).
(...)

II. DESEMPREGO, EXPECTATIVAS E O “FUTURO AMARELO”

Embora, em resultado da valorização do Kwanza, em condições normais se pudesse vaticinar um potencial aumento da propensão marginal a poupar, induzido por uma maior confiança dos agentes económicos (indiciada, aliás, pelo recentemente publicitado aumento dos depósitos em moeda nacional), as baixas taxas de juro que se esperam obter com a baixa inflação não irão incentivar a poupança líquida – certamente não no curto a médio prazo – o que é agravado por essa potencial tendência não ser acompanhada por uma diminuição da propensão marginal ao consumo, quer devido a algumas das nossas características culturais, quer porque esta é sempre tanto maior quanto menor fôr o rendimento disponível dos cidadãos – 98% dos quais vive com menos de 2 dólares por dia, o que, mesmo que por absurdo quisessem endividar-se para investir, não lhes chega para suportar as taxas de juro comerciais, mesmo que mais baixas e acessíveis sem compadrios.
(...)

III. ESTIMULAR E DIVERSIFICAR A ECONOMIA REAL, OU A CRIAÇÃO DE UM CICLO VIRTUOSO DE RIQUEZA

Quando tudo isso estiver a ser obtido, aí sim, quer a política, quer o futebol, passarão a fazer o mais pleno sentido para o cidadão (em particular a cidadã) comum e o governo (qualquer governo) terá licença de todos nós para soprar os seus trombones tão alto quanto quizer: porque em casa onde há pão, ninguém ralha e todos ganham votos, marcam golos e têm razão!

(Ler artigo integral AQUI)

*Artigo por mim publicado no SA em Janeiro de 2006


Friday, 21 September 2007

TERMINANDO A MINHA COLABORACAO COM O GVO...


... Pelo menos no que respeita a "lusosfera Africana".
Essa foi a decisao a que cheguei depois de profunda ponderacao nas ultimas semanas. Elaborar aqui sobre as razoes talvez ate' fosse um exercicio util e saudavel - so' que eu tambem tinha pensado que aquela "tarefa ingrata" em que me envolvi voluntariamente ha' 3 meses atras o seria - mas, para poupar razoes direi apenas isto: desculpem-me, mas tenho mais que fazer.
Mantenho, no entanto, a minha disponibilidade para colaborar com o GVO em quaisquer outros projectos que nao envolvam o mundo lusofono.

... Pelo menos no que respeita a "lusosfera Africana".
Essa foi a decisao a que cheguei depois de profunda ponderacao nas ultimas semanas. Elaborar aqui sobre as razoes talvez ate' fosse um exercicio util e saudavel - so' que eu tambem tinha pensado que aquela "tarefa ingrata" em que me envolvi voluntariamente ha' 3 meses atras o seria - mas, para poupar razoes direi apenas isto: desculpem-me, mas tenho mais que fazer.
Mantenho, no entanto, a minha disponibilidade para colaborar com o GVO em quaisquer outros projectos que nao envolvam o mundo lusofono.

Thursday, 20 September 2007

PILHAGEM DAS COLONIAS*

Os historiadores habituaram-se a passar ao lado de um argumento que, por parecer razoável, se impôs como um critério de reconstrução da realidade sobre o que foi a acção do império colonial português. Tal argumento, já repetido em várias ocasiões e mais recentemente por Vasco Pulido Valente, sustenta ser grosseiro considerar o colonialismo uma empresa de rapina, porque para haver pilhagem era necessário haver riqueza e esta simplesmente não existiu nas colónias. Como toda a linguagem, este argumento traduz talvez o ponto de vista de uma boa parte dos estudiosos portugueses, mas não o olhar dos
historiadores africanos. Para estes, e para mim em particular, a pilhagem foi uma realidade inquestionável. Ela aconteceu não de forma episódica e sim como um fenómeno sistémico que atravessou todos os períodos do processo colonial.
(...)
A partir de 1820, esta situação descambou de todo. Os governadores mal chegavam ao seu destino caíam adormentados nos braços dos negociantes locais. Tornavam-se acessíveis a todo o tipo de ofertas e até navios aceitavam, contanto que fechassem os olhos a negociatas de vulto. (…) Quer a administração da Alfândega, quer a Fazenda Pública jaziam então no maior aviltamento e desmoralização de costumes, ao arbítrio de um sem-número de infracções. Entre os seus prevaricadores contava-se o próprio governador, bandeado com um grupo de altos funcionários [europeus e nativos], todos venais e integrantes do seu círculo mais reservado.
(...)
Os domínios ultramarinos efectivamente achavam-se desamparados, vergados à “estupidez atrevida” [conforme expressão de Meneses] de quem dirigia o pelouro dos negócios ultramarinos. E outrossim ao arbítrio de “funcionários mesquinhos, ávidos e insaciáveis”. O permanente descontrolo financeiro e administrativo resultante da má-gestão, delapidação de dinheiros e descaminho das receitas do Estado acabou por fazer desperdiçar todas as riquezas por influência da política nefasta de Lisboa, controlada por grupos ineptos e corruptos.
(...)
Inútil. Ninguém lhe deu ouvidos. Era mais fácil esbanjar o Tesouro e logo a seguir recorrer aos empréstimos do Banco Rothschild, de Londres. A cupidez e o “imbecil amolecimento de cérebros”, na luminosa observação de Ramalho Ortigão, marcavam a cadência no Portugal libertino do século XIX.

(Ler artigo completo AQUI)

*Artigo publicado pelo Historiador Angolano Carlos Pacheco no Jornal Publico - Lisboa, 08/01/07

N.B.: Para uma analise comparativa das ideias e factos aqui expressos, conviria ler tambem ESTE outro artigo.

Os historiadores habituaram-se a passar ao lado de um argumento que, por parecer razoável, se impôs como um critério de reconstrução da realidade sobre o que foi a acção do império colonial português. Tal argumento, já repetido em várias ocasiões e mais recentemente por Vasco Pulido Valente, sustenta ser grosseiro considerar o colonialismo uma empresa de rapina, porque para haver pilhagem era necessário haver riqueza e esta simplesmente não existiu nas colónias. Como toda a linguagem, este argumento traduz talvez o ponto de vista de uma boa parte dos estudiosos portugueses, mas não o olhar dos
historiadores africanos. Para estes, e para mim em particular, a pilhagem foi uma realidade inquestionável. Ela aconteceu não de forma episódica e sim como um fenómeno sistémico que atravessou todos os períodos do processo colonial.
(...)
A partir de 1820, esta situação descambou de todo. Os governadores mal chegavam ao seu destino caíam adormentados nos braços dos negociantes locais. Tornavam-se acessíveis a todo o tipo de ofertas e até navios aceitavam, contanto que fechassem os olhos a negociatas de vulto. (…) Quer a administração da Alfândega, quer a Fazenda Pública jaziam então no maior aviltamento e desmoralização de costumes, ao arbítrio de um sem-número de infracções. Entre os seus prevaricadores contava-se o próprio governador, bandeado com um grupo de altos funcionários [europeus e nativos], todos venais e integrantes do seu círculo mais reservado.
(...)
Os domínios ultramarinos efectivamente achavam-se desamparados, vergados à “estupidez atrevida” [conforme expressão de Meneses] de quem dirigia o pelouro dos negócios ultramarinos. E outrossim ao arbítrio de “funcionários mesquinhos, ávidos e insaciáveis”. O permanente descontrolo financeiro e administrativo resultante da má-gestão, delapidação de dinheiros e descaminho das receitas do Estado acabou por fazer desperdiçar todas as riquezas por influência da política nefasta de Lisboa, controlada por grupos ineptos e corruptos.
(...)
Inútil. Ninguém lhe deu ouvidos. Era mais fácil esbanjar o Tesouro e logo a seguir recorrer aos empréstimos do Banco Rothschild, de Londres. A cupidez e o “imbecil amolecimento de cérebros”, na luminosa observação de Ramalho Ortigão, marcavam a cadência no Portugal libertino do século XIX.

(Ler artigo completo
AQUI)

*Artigo publicado pelo Historiador Angolano Carlos Pacheco no Jornal Publico - Lisboa, 08/01/07

N.B.: Para uma analise comparativa das ideias e factos aqui expressos, conviria ler tambem ESTE outro artigo.

VIRGINIA RODRIGUES


The voice of Virginia…

seems to sound polished and refined as a gift from birth. But she has had modest and irregular training in as many Protestant as Catholic church choirs in Salvador. The organizers of these choirs perceivd the singularity of this gift and tried to give her doubled attention. I heard her for the first time at a rehearsal of the Olodum Theatrical Group. She was invited by director Marcio Meireles to participate in the play,”Bye, Bye, Pelo”, after he had heard her in one of these choirs. There she sang, in Latin, “Veronica”, the same song that we heard every year in the procession of Senhor Morto in Santo Amaro. To hear that song in the celestial voice that rose from the plump body of a solid black woman touched me deeply. From that time forward I had it in mind to cooperate in the recording of her art on record. With her voice, which transcends the distinction between erudite and popular, with the dense culture seated at the base of her calm and firm singing, she would be, without a doubt, a phonographic event of great importance. I wanted to bring about the record that she deserves – and that Brazil needs. Uniting a religious soul and a sensitive body from Bahia, her voice, if heard by many,would reveal essential aspects of the cultural spirit of this land.





Free file hosting by Ripway.com





Sol Negro


Everything was done in the most modest fashion imaginable. Celsie went to the headquarters of Natasha Records in Santa Tereza (a house where Manoel Bandeira once lived) and there, armed with his violin – and sometimes counting on the help of Ramiro Musotto on percussion (and his incredible berimbaus!) – captured Virginia’s singing in an improvised studio in an upstairs room, where sometimes the sound of dogs and airplanes interrupted the recording. One time, Zeca Assumpcao came to record the contrabass. Later, Fulana de Tal came to record the harp. Afterwards, Eduardo dubbed the arrangements. Virginia was practically recorded as if she were singing at home, free of worries and without many repetitions. In this sense, the record is almost a documentary. The only luxury that we permitted ourselves was to have Djavan, Gil, and above all, Milton, participating. But this is our wealth: the love that in Brazil those who love music devote to one another. No one takes this from us. And the voice of Virginia is as the expression of this loving substance in a pure state.

Caetano Veloso



The voice of Virginia…

seems to sound polished and refined as a gift from birth. But she has had modest and irregular training in as many Protestant as Catholic church choirs in Salvador. The organizers of these choirs perceivd the singularity of this gift and tried to give her doubled attention. I heard her for the first time at a rehearsal of the Olodum Theatrical Group. She was invited by director Marcio Meireles to participate in the play,”Bye, Bye, Pelo”, after he had heard her in one of these choirs. There she sang, in Latin, “Veronica”, the same song that we heard every year in the procession of Senhor Morto in Santo Amaro. To hear that song in the celestial voice that rose from the plump body of a solid black woman touched me deeply. From that time forward I had it in mind to cooperate in the recording of her art on record. With her voice, which transcends the distinction between erudite and popular, with the dense culture seated at the base of her calm and firm singing, she would be, without a doubt, a phonographic event of great importance. I wanted to bring about the record that she deserves – and that Brazil needs. Uniting a religious soul and a sensitive body from Bahia, her voice, if heard by many,would reveal essential aspects of the cultural spirit of this land.





Free file hosting by Ripway.com





Sol Negro


Everything was done in the most modest fashion imaginable. Celsie went to the headquarters of Natasha Records in Santa Tereza (a house where Manoel Bandeira once lived) and there, armed with his violin – and sometimes counting on the help of Ramiro Musotto on percussion (and his incredible berimbaus!) – captured Virginia’s singing in an improvised studio in an upstairs room, where sometimes the sound of dogs and airplanes interrupted the recording. One time, Zeca Assumpcao came to record the contrabass. Later, Fulana de Tal came to record the harp. Afterwards, Eduardo dubbed the arrangements. Virginia was practically recorded as if she were singing at home, free of worries and without many repetitions. In this sense, the record is almost a documentary. The only luxury that we permitted ourselves was to have Djavan, Gil, and above all, Milton, participating. But this is our wealth: the love that in Brazil those who love music devote to one another. No one takes this from us. And the voice of Virginia is as the expression of this loving substance in a pure state.

Caetano Veloso


Wednesday, 19 September 2007

ANGOLA: UM FUTURO BRILHANTE?*





I. Os Desafios da Manutenção da Paz e da Reconstrução Total

Após pelo menos quatro décadas de guerra, Angola parece, finalmente, estar a ensaiar os primeiros passos no sentido de uma paz duradoura. No entanto, o esforço de reconstrução que se impõe enfrenta, desde o início, condições particularmente desfavoráveis: o país emerge da guerra numa conjuntura internacional em que os seus principais parceiros comerciais estão a braços com outras prioridades. Os EUA, pós-Setembro 11, têm estado a reorientar os seus recursos políticos e financeiros para a “guerra ao terrorismo”, enquanto a UE tende a virar-se para si própria e a repensar os seus engajamentos externos, em face de um crescente apelo dos seus eleitorados para o redireccionamento de políticas e recursos financeiros estratégicos no sentido da solução prioritária de problemas sociais domésticos decorrentes, de acordo com alguns sectores, do ‘insuportável’ afluxo de imigrantes aos seus países.

(...)

II. A Cooperação e Integração Económica Regional

O fim da guerra fria, longe de constituir o “fim da história” proclamado por Fukuyama, abriu uma nova página na História, uma fase transicional no processo de mudança económica, cuja complexa evolução se tornou mais difícil de delinear depois do 11 de Setembro de 2001. Esse processo tem sido fundamentalmente caracterizado por tendências de longo prazo nas relações económicas internacionais que indicam a consolidação de um padrão de comércio e investimento de acordo com o qual os países industrializados mantêm primordialmente relações de troca entre si. Tais tendências verificam-se no quadro de um reordenamento económico marcado por um recrudescimento do regionalismo a nível global, com a América do Norte, uma União Europeia em expansão para o Leste, o Japão e a região do Pacífico constituindo os blocos centrais. O mundo encontra-se, assim, face a um processo de regionalização que cada vez mais exige uma rigorosa delimitação das margens do multilateralismo possível.

(...)

III. Para uma Análise Custo/Benefício da Integração Económica de Angola na SADC

Angola encontra-se confrontada com alguns desafios em termos de escolha das estratégias económicas e políticas mais adequadas para levar a bom termo o seu processo de pacificação e reconstrução. Ao país apresenta-se a oportunidade de re-equacionar os objectivos estratégicos do seu envolvimento na SADC por forma a aproveitar sinergias entre o seu ajustamento estrutural interno e o profundo processo de reestruturação económica em curso na região e pô-las ao serviço do seu esforço de reconstrução nacional. Assim, convir-lhe-á identificar os desafios a enfrentar e oportunidades a aproveitar do modelo de regionalismo aberto que caracteriza actualmente o projecto de integração da SADC, no qual coexistem espacialmente acordos preferênciais concorrenciais entre países membros e parceiros fora da zona, como por exemplo a FTA África do Sul-União Europeia, participar na concertação de estratégias negociais com outros agrupamentos regionais tais como a SACU e o COMESA e, não menos importante, influenciar a seu favor a partilha dos recursos financeiros e técnicos internacionais postos à disposição da SADC e que são cruciais para a sua reconstrução pós-conflito.

(...)

IV. Considerações Finais

Note-se que a teoria dos jogos, enquanto instrumento que permite analisar o comportamento de indivíduos, empresas ou governos em situações estratégicas, tem-se demonstrado útil como ‘guia de acção’ em alguns contextos de interacção competitiva tais como processos de integração económica regional. A experiência de vários agrupamentos regionais, em particular da UE, demonstra que a noção de “first-mover advantage”, derivada daquela teoria, apresenta particular relevância para a determinação dos países que no seio do grupo, à parte o seu intrínseco nível de desenvolvimento económico, têm maior probabilidade de impôr as regras do jogo e as suas estratégias dominantes aos restantes membros, sendo que tal vantagem diminui em proporção directa com o atraso com que os países individualmente considerados acedem aos instrumentos institucionais e executivos da organização.



(...) Ler artigo integral AQUI

*Artigo por mim publicado na Revista Politica Internacional - Lisboa, ultimo trimestre de 2002






I. Os Desafios da Manutenção da Paz e da Reconstrução Total

Após pelo menos quatro décadas de guerra, Angola parece, finalmente, estar a ensaiar os primeiros passos no sentido de uma paz duradoura. No entanto, o esforço de reconstrução que se impõe enfrenta, desde o início, condições particularmente desfavoráveis: o país emerge da guerra numa conjuntura internacional em que os seus principais parceiros comerciais estão a braços com outras prioridades. Os EUA, pós-Setembro 11, têm estado a reorientar os seus recursos políticos e financeiros para a “guerra ao terrorismo”, enquanto a UE tende a virar-se para si própria e a repensar os seus engajamentos externos, em face de um crescente apelo dos seus eleitorados para o redireccionamento de políticas e recursos financeiros estratégicos no sentido da solução prioritária de problemas sociais domésticos decorrentes, de acordo com alguns sectores, do ‘insuportável’ afluxo de imigrantes aos seus países.

(...)

II. A Cooperação e Integração Económica Regional

O fim da guerra fria, longe de constituir o “fim da história” proclamado por Fukuyama, abriu uma nova página na História, uma fase transicional no processo de mudança económica, cuja complexa evolução se tornou mais difícil de delinear depois do 11 de Setembro de 2001. Esse processo tem sido fundamentalmente caracterizado por tendências de longo prazo nas relações económicas internacionais que indicam a consolidação de um padrão de comércio e investimento de acordo com o qual os países industrializados mantêm primordialmente relações de troca entre si. Tais tendências verificam-se no quadro de um reordenamento económico marcado por um recrudescimento do regionalismo a nível global, com a América do Norte, uma União Europeia em expansão para o Leste, o Japão e a região do Pacífico constituindo os blocos centrais. O mundo encontra-se, assim, face a um processo de regionalização que cada vez mais exige uma rigorosa delimitação das margens do multilateralismo possível.

(...)

III. Para uma Análise Custo/Benefício da Integração Económica de Angola na SADC

Angola encontra-se confrontada com alguns desafios em termos de escolha das estratégias económicas e políticas mais adequadas para levar a bom termo o seu processo de pacificação e reconstrução. Ao país apresenta-se a oportunidade de re-equacionar os objectivos estratégicos do seu envolvimento na SADC por forma a aproveitar sinergias entre o seu ajustamento estrutural interno e o profundo processo de reestruturação económica em curso na região e pô-las ao serviço do seu esforço de reconstrução nacional. Assim, convir-lhe-á identificar os desafios a enfrentar e oportunidades a aproveitar do modelo de regionalismo aberto que caracteriza actualmente o projecto de integração da SADC, no qual coexistem espacialmente acordos preferênciais concorrenciais entre países membros e parceiros fora da zona, como por exemplo a FTA África do Sul-União Europeia, participar na concertação de estratégias negociais com outros agrupamentos regionais tais como a SACU e o COMESA e, não menos importante, influenciar a seu favor a partilha dos recursos financeiros e técnicos internacionais postos à disposição da SADC e que são cruciais para a sua reconstrução pós-conflito.

(...)

IV. Considerações Finais

Note-se que a teoria dos jogos, enquanto instrumento que permite analisar o comportamento de indivíduos, empresas ou governos em situações estratégicas, tem-se demonstrado útil como ‘guia de acção’ em alguns contextos de interacção competitiva tais como processos de integração económica regional. A experiência de vários agrupamentos regionais, em particular da UE, demonstra que a noção de “first-mover advantage”, derivada daquela teoria, apresenta particular relevância para a determinação dos países que no seio do grupo, à parte o seu intrínseco nível de desenvolvimento económico, têm maior probabilidade de impôr as regras do jogo e as suas estratégias dominantes aos restantes membros, sendo que tal vantagem diminui em proporção directa com o atraso com que os países individualmente considerados acedem aos instrumentos institucionais e executivos da organização.



(...) Ler artigo integral AQUI

*Artigo por mim publicado na Revista Politica Internacional - Lisboa, ultimo trimestre de 2002


Tuesday, 18 September 2007

SOBRE O "27 DE MAIO": III. NOVO LIVRO



"Purga em Angola", por Dalila Cabrita Mateus e Alvaro Mateus, a ser lancado no proximo dia 27/09/07, as 18:30, na Sociedade de Geografia de Lisboa. Apresentacao por Jose Pedro Castanheira (Expresso).
(Leia mais AQUI)


"Purga em Angola", por Dalila Cabrita Mateus e Alvaro Mateus, a ser lancado no proximo dia 27/09/07, as 18:30, na Sociedade de Geografia de Lisboa. Apresentacao por Jose Pedro Castanheira (Expresso).
(Leia mais AQUI)

Monday, 17 September 2007

A COMMENT ON "REPARATIONS FOR SLAVERY"*


"I have mixed feelings about reparations, as I live extremely focused in the 'possibilities of the moment'. I am not one of those Africans born in America that is still laden with chains and bound to the misery of 200 years of slavery imposed upon my people. 200 years is a scant nothing in the continuum of Life, and especially when for most of those eons, people of my color and from my continent ruled, provided the dominant impetus for knowledge, and understanding of the cosmic, spiritual and natural world.

Many people here wave the flag of reparations as they sing their "The white man is the source of all our problems" blues/anthem. So I have not given it much serious attention. That is not to say however, that I don't support more being definitely done to atone for the loss, pain and suffering slavery caused. Saying you are sorry, and trying to show it in material ways could be a part of a healing process. But in my heart, I know that giving money, and land alone....will not be the answer.

Another issue to me is who should the reparations be paid to? The individuals here? How about the nations themselves that suffered the lose of some of the strongest and best of their population?

Reparations from this dominant culture are a tricky game. Many things have to be in place for the deliverance and transfer of wealth that we're talking about. And those elements just aren't present today.

I've studied Jews for years, and their dazzling feat of extracting more wealth from the nations of the world, rounding up much of their lost valuable art, and even winning damages against German industries for their 'slave' labor during WWII was awesome. But from my analysis, it was the result of long planning and covert moves, to place Jews in strategic places in the government and society, so that at every needed step of the process, someone was there to carry the ball and smooze the dominant group into acquiescence.

In my research, I once found a website that delineated how many Jews Clinton had in his administration. Because a man like Clinton being the President at the time, was pertinent to the process. In fact, it was his own, that's right, the U. S. Asst. Secretary of State, Stuart Eisenstadt, that negotiated the fund the compensated Jews. He was the most powerful of those positioned to accomplish this objective.Check this excerpt from a Salon article about how he used his position.

"Between 1996 and 1999, Under Secretary of State Stuart Eisenstadt pressed the CIA to release material regarding looted Jewish assets. This was when the topic gained international attention with the disclosures about gold stolen by the Nazis that eventually wound up in Swiss banks. "All we could pry loose were a few files and that was with the State Department leaning on them," recalls one person familiar with the process."

So you see Jews were in position in all branches of the government. You also had a president that would go along. The economy was strong, and Federal Reserve Chairman Alan Greenspan was seen as responsible for that. It was a wonderful coming together of synergistic forces that allowed the response to be Yes. And the Jews took it...and ran with it, knowing that it was simply a window of opportunity that might shut very quickly, and never open again. The media did not even 'lay on it' as it does on other provocative and controversial issues. Why not?....because they control the major media and news outlets in the U.S.

Does a similar united and coordinated thrust to recover the wealth and resources already legislated as ours exist within the American African community today? Not hardly. I don't even think that Obama could pull it off.

What do you think of what I've said here? Please feel free to say, Rubbish, or Bullshit!

Last point......I don't see my family story as a reparations issue. I see it as an inheritance claim, as I know the ancestor, and his son would be my great grandmother's half brother. So I (in a perfect world) would be seeking my portion of the family wealth.

In truth I don't think much about reparations.

I know that my wealth is within me, and that like the diamonds and oil of Angola, all I have to do is dig deep, and keep my focus internally directed. Out of what I Am and I've been given as qualities, talents and abilities....if I am grateful, and polish and refine my gifts, surely they will provide well for me."

Kentke

....did I say 'just a quick note?

My Life is so Rich, and so is my world.
Love~Gratitude~Love
***

This comment, fully published in the post below, is from Kentke, a sister of Malgache ancestry who leaves in LA, where she established close ties with Angolan friends (in fact she is a founding member of the Los Angeles U.S-Angolan Friendship Society), including such greats as the internationally acclaimed Angolan artist Antonio Ole, who studied there.
When I received an email from her about this blog the other day, I was so marvelled at the richness of her story, including that of her ancestors from Madagascar who were purchased by William Duke, the father of the founder of Duke University - the same Dukes of immense tobacco wealth, that I asked her to give a thought at the idea of talking about it here in the blog, as part of the "reparations" debate. And so she did... I'm so grateful!

***
{Please click on the picture above to access sources on the Reparations Debate}

"I have mixed feelings about reparations, as I live extremely focused in the 'possibilities of the moment'. I am not one of those Africans born in America that is still laden with chains and bound to the misery of 200 years of slavery imposed upon my people. 200 years is a scant nothing in the continuum of Life, and especially when for most of those eons, people of my color and from my continent ruled, provided the dominant impetus for knowledge, and understanding of the cosmic, spiritual and natural world.

Many people here wave the flag of reparations as they sing their "The white man is the source of all our problems" blues/anthem. So I have not given it much serious attention. That is not to say however, that I don't support more being definitely done to atone for the loss, pain and suffering slavery caused. Saying you are sorry, and trying to show it in material ways could be a part of a healing process. But in my heart, I know that giving money, and land alone....will not be the answer.

Another issue to me is who should the reparations be paid to? The individuals here? How about the nations themselves that suffered the lose of some of the strongest and best of their population?

Reparations from this dominant culture are a tricky game. Many things have to be in place for the deliverance and transfer of wealth that we're talking about. And those elements just aren't present today.

I've studied Jews for years, and their dazzling feat of extracting more wealth from the nations of the world, rounding up much of their lost valuable art, and even winning damages against German industries for their 'slave' labor during WWII was awesome. But from my analysis, it was the result of long planning and covert moves, to place Jews in strategic places in the government and society, so that at every needed step of the process, someone was there to carry the ball and smooze the dominant group into acquiescence.

In my research, I once found a website that delineated how many Jews Clinton had in his administration. Because a man like Clinton being the President at the time, was pertinent to the process. In fact, it was his own, that's right, the U. S. Asst. Secretary of State, Stuart Eisenstadt, that negotiated the fund the compensated Jews. He was the most powerful of those positioned to accomplish this objective.Check this excerpt from a Salon article about how he used his position.

"Between 1996 and 1999, Under Secretary of State Stuart Eisenstadt pressed the CIA to release material regarding looted Jewish assets. This was when the topic gained international attention with the disclosures about gold stolen by the Nazis that eventually wound up in Swiss banks. "All we could pry loose were a few files and that was with the State Department leaning on them," recalls one person familiar with the process."

So you see Jews were in position in all branches of the government. You also had a president that would go along. The economy was strong, and Federal Reserve Chairman Alan Greenspan was seen as responsible for that. It was a wonderful coming together of synergistic forces that allowed the response to be Yes. And the Jews took it...and ran with it, knowing that it was simply a window of opportunity that might shut very quickly, and never open again. The media did not even 'lay on it' as it does on other provocative and controversial issues. Why not?....because they control the major media and news outlets in the U.S.

Does a similar united and coordinated thrust to recover the wealth and resources already legislated as ours exist within the American African community today? Not hardly. I don't even think that Obama could pull it off.

What do you think of what I've said here? Please feel free to say, Rubbish, or Bullshit!

Last point......I don't see my family story as a reparations issue. I see it as an inheritance claim, as I know the ancestor, and his son would be my great grandmother's half brother. So I (in a perfect world) would be seeking my portion of the family wealth.

In truth I don't think much about reparations.

I know that my wealth is within me, and that like the diamonds and oil of Angola, all I have to do is dig deep, and keep my focus internally directed. Out of what I Am and I've been given as qualities, talents and abilities....if I am grateful, and polish and refine my gifts, surely they will provide well for me."

Kentke

....did I say 'just a quick note?

My Life is so Rich, and so is my world.
Love~Gratitude~Love
***

This comment, fully published in the post below, is from Kentke, a sister of Malgache ancestry who leaves in LA, where she established close ties with Angolan friends (in fact she is a founding member of the Los Angeles U.S-Angolan Friendship Society), including such greats as the internationally acclaimed Angolan artist Antonio Ole, who studied there.
When I received an email from her about this blog the other day, I was so marvelled at the richness of her story, including that of her ancestors from Madagascar who were purchased by William Duke, the father of the founder of Duke University - the same Dukes of immense tobacco wealth, that I asked her to give a thought at the idea of talking about it here in the blog, as part of the "reparations" debate. And so she did... I'm so grateful!

***
{Please click on the picture above to access sources on the Reparations Debate}

Sunday, 16 September 2007

SUNDAY FAMILY


Esta foto, incluida no livro "A Day in the Life of Africa", foi tirada no Uganda.
It made me wonder: quantas familias assim existem, ou alguma vez terao existido, em Angola? Silly question?

Esta foto, incluida no livro "A Day in the Life of Africa", foi tirada no Uganda.
It made me wonder: quantas familias assim existem, ou alguma vez terao existido, em Angola? Silly question?

Friday, 14 September 2007

Wednesday, 12 September 2007

REVISITING SOUTH AFRICA (V): PLEASURE!*

During this stay I finally could experiment, at the Lanzerac Spa, something I’ve always wanted, but never got to do, because whenever and wherever I tried to have a go at it before, sessions were all either temporarily unavailable or fully booked: stone therapy.

It was a full body massage with stones bathed in natural oils alternatively cold and hot.

It was a bit disappointing because I didn’t get to rest with stones sitting down all my spine as commonly seen in the advertising pictures, but it was a pleasure nevertheless.

***
I started this visit with some of the things that annoy me at the OR Tambo International Airport, only to leave it in the most pleasurable way: at the check-in counter, soon after I handed-in my documents, the assistant, a very young black man, started talking to me in Portuguese. It took me a few moments to recover from the surprise, upon which I said to him something like being always impressed at “how far Angolans can get” – yes, from his accent I could immediately tell that he was not Mozambican, which would be a more plausible hypothesis given the sheer numbers of our brothers from the Indic in South Africa…
He then explained: “nao sei se ja’ ouviu falar do 'Batalhao 32'… os meus ‘parentes’ faziam parte desse batalhao e eu nasci aqui” (note that ‘parente’ in Portuguese means ‘relative’, but he really meant ‘parents’, or ‘pais’ in Portuguese). I then asked how come he could speak Portuguese, to which he told me that they normally speak Portuguese at home.
I was really pleased to meet him, not exactly, although also, because he spoke Portuguese, but mainly because I felt like I had found a long lost relative from whom I had been separated by the war… I was also pleased at the fact that he was well employed in a country where foreigners or their descendents find it very difficult to get integrated.

So, the end of my “revisitation of South Africa” was all marked by one thing: pleasure!

*Pleasure!: that’s how South Africans generally answer to something like ‘thanks’.
During this stay I finally could experiment, at the Lanzerac Spa, something I’ve always wanted, but never got to do, because whenever and wherever I tried to have a go at it before, sessions were all either temporarily unavailable or fully booked: stone therapy.

It was a full body massage with stones bathed in natural oils alternatively cold and hot.

It was a bit disappointing because I didn’t get to rest with stones sitting down all my spine as commonly seen in the advertising pictures, but it was a pleasure nevertheless.

***
I started this visit with some of the things that annoy me at the OR Tambo International Airport, only to leave it in the most pleasurable way: at the check-in counter, soon after I handed-in my documents, the assistant, a very young black man, started talking to me in Portuguese. It took me a few moments to recover from the surprise, upon which I said to him something like being always impressed at “how far Angolans can get” – yes, from his accent I could immediately tell that he was not Mozambican, which would be a more plausible hypothesis given the sheer numbers of our brothers from the Indic in South Africa…
He then explained: “nao sei se ja’ ouviu falar do 'Batalhao 32'… os meus ‘parentes’ faziam parte desse batalhao e eu nasci aqui” (note that ‘parente’ in Portuguese means ‘relative’, but he really meant ‘parents’, or ‘pais’ in Portuguese). I then asked how come he could speak Portuguese, to which he told me that they normally speak Portuguese at home.
I was really pleased to meet him, not exactly, although also, because he spoke Portuguese, but mainly because I felt like I had found a long lost relative from whom I had been separated by the war… I was also pleased at the fact that he was well employed in a country where foreigners or their descendents find it very difficult to get integrated.

So, the end of my “revisitation of South Africa” was all marked by one thing: pleasure!

*Pleasure!: that’s how South Africans generally answer to something like ‘thanks’.

Tuesday, 11 September 2007

ANITA RODDICK (R.I.P.)

She was the only western environmentalist/human rights campaigner I've ever trusted. Great businesswoman too: made me (gladly) spend a lot at her body shops and even inspired me to create my own natural body care products. Great Woman.
May peace bless her body and soul forever!

(
Read More Here)
She was the only western environmentalist/human rights campaigner I've ever trusted. Great businesswoman too: made me (gladly) spend a lot at her body shops and even inspired me to create my own natural body care products. Great Woman.
May peace bless her body and soul forever!

(
Read More Here)

Monday, 10 September 2007

RECENT LUSO-AFRICAN PUBLICATIONS


Here are some recent publications, including a very interesting set of
related articles from Soccer and Society:

Phillip Rothwell, "Inventing a lusotropical father, or, the neurotic legacy
in Germano Almeida's O Testamento do Senhor Napumoceno," Research in
African Literatures 38.1 (Spring 2007).

Corrado Tornimbeni, "'Isto foi sempre assim' : The Politics of Land and
Human Mobility in Chimanimani, Central Mozambique," Journal of Southern
African Studies, 33, 3 (Sept. 2007): 485-500

Special issue of Soccer and Society, 8, 4 (2007), on Globalized Football
includes the following eight articles on Lusophone futebol and related topics:

Nina Clara Tiesler; João Nuno Coelho, "Globalized Football at a Lusocentric
Glance: Struggles with Markets and Migration, Traditions and Modernities,
the Loss and the Beauty," 419-139

Stephen Wagg, "Angels of Us All? Football Management, Globalization and the
Politics of Celebrity," 440-458 [includes discussion of Jose Mourinho]

Miguel Moniz, "Adaptive Transnational Identity and the Selling of Soccer:
The New England Revolution and Lusophone Migrant Populations," 459-477

Nuno Domingos, "Football and Colonialism, Domination and Appropriation: the
Mozambican Case," 478-494

Paul Darby, "African Football Labour Migration to Portugal: Colonial and
Neo-Colonial Resource," 495-509

Tiago Maranhão, "Apollonians and Dionysians: The Role of Football in
Gilberto Freyre's Vision of Brazilian People, 510-523"

Marcos Alvito, "Our Piece of the Pie: Brazilian Football and Globalization,
524-544"

João Nuno Coelho; Nina Clara Tiesler, "The Paradox of the Portuguese Game:
The Omnipresence of Football and the Absence of Spectators at Matches," 578-600


Compiled by Kathleen Sheldon (UCLA/ H-Net)
Picture: "Encyclopedia of Pleasure" (Ghada Amer, Egypt)


Here are some recent publications, including a very interesting set of
related articles from Soccer and Society:

Phillip Rothwell, "Inventing a lusotropical father, or, the neurotic legacy
in Germano Almeida's O Testamento do Senhor Napumoceno," Research in
African Literatures 38.1 (Spring 2007).

Corrado Tornimbeni, "'Isto foi sempre assim' : The Politics of Land and
Human Mobility in Chimanimani, Central Mozambique," Journal of Southern
African Studies, 33, 3 (Sept. 2007): 485-500

Special issue of Soccer and Society, 8, 4 (2007), on Globalized Football
includes the following eight articles on Lusophone futebol and related topics:

Nina Clara Tiesler; João Nuno Coelho, "Globalized Football at a Lusocentric
Glance: Struggles with Markets and Migration, Traditions and Modernities,
the Loss and the Beauty," 419-139

Stephen Wagg, "Angels of Us All? Football Management, Globalization and the
Politics of Celebrity," 440-458 [includes discussion of Jose Mourinho]

Miguel Moniz, "Adaptive Transnational Identity and the Selling of Soccer:
The New England Revolution and Lusophone Migrant Populations," 459-477

Nuno Domingos, "Football and Colonialism, Domination and Appropriation: the
Mozambican Case," 478-494

Paul Darby, "African Football Labour Migration to Portugal: Colonial and
Neo-Colonial Resource," 495-509

Tiago Maranhão, "Apollonians and Dionysians: The Role of Football in
Gilberto Freyre's Vision of Brazilian People, 510-523"

Marcos Alvito, "Our Piece of the Pie: Brazilian Football and Globalization,
524-544"

João Nuno Coelho; Nina Clara Tiesler, "The Paradox of the Portuguese Game:
The Omnipresence of Football and the Absence of Spectators at Matches," 578-600


Compiled by Kathleen Sheldon (UCLA/ H-Net)
Picture: "Encyclopedia of Pleasure" (Ghada Amer, Egypt)

Saturday, 8 September 2007

SALA SENTLÊ! - UM TRIBUTO AO BOTSWANA*

É verdade amigos, tenho que me despedir. Escrevo-vos de Gaborone, onde as tarefas que me esperam nos próximos tempos não me permitem continuar estas conversas quinzenais. Não posso deixar de agradecer ao Graça Campos por me ter convidado a participar e ao colectivo do Semanário Angolense por me ter deixado partilhar um pouco desta excitante empresa de construção de um espaço alternativo, forte e independente na imprensa nacional. Tenho também que agradecer profundamente a todos os amigos (conhecidos e desconhecidos) que me enviaram mensagens de felicitações e encorajamento. Estou certa de que este valioso espaço no SA será bem aproveitado e continuará a dar oportunidade a outros para expressarem as suas idéias sobre o que vai pela terra e pelo mundo.




Free file hosting by Ripway.com

Mama Boregwe - Skizo (Afroblue/Native Tongues)

Deixei Londres, há cerca de três semanas, entregue à sua onda de greves e ao seu Tony Blair a tentar emular o machismo da Lady Thatcher e, ao mesmo tempo, articular uma boa razão para dispender na projectada guerra ao Iraque os fundos necessários à melhoria dos seus serviços públicos; aos seus muitos, quase diários, “celebrity and royal scandals”; à sua chuva miudinha e tempo cinzento e àquela sensação de estarmos parados no espaço, escrutinando o mundo a girar à nossa volta e o tempo a fugir de nós a toda a hora.


Neste meu regresso a Gabs, alguns meses depois de cá ter estado a trabalhar durante pouco mais de um ano, noto que ela continua a impressionar quem chega pela sua limpeza, cosmopolitismo e espírito empreendedor. Perdi a explosão púrpura dos jacarandás (diz-nos Alice Walker que Deus fica muito irritado – pior, fica “pissed off” – se a humanidade não repara na cor púrpura) que todos os Setembros prenuncia o início da época das chuvas, mas o vermelho das acácias e a profusão de cores das buganvílias continuam o seu perene, despudorado, romance com o dourado do sol. O imenso calor tende a fazer recolher os habitantes a espaços interiores durante a maior parte do tempo, deixando o exterior entregue quase exclusivamente a uma imensa variedade de répteis e insectos (que não perdem uma oportunidade para nos entrar pela casa adentro) e ao som do silêncio ou dos pássaros.




Free file hosting by Ripway.com

Sombele - Skizo (Afroblue/Native Tongues)

Os Batswana continuam demasiado ocupados a dar à Àfrica algumas das suas poucas razões de orgulho para se permitirem desenvolver quaisquer complexos (muito menos o de “colonizado”, o que quer que seja que isso signifique). Embora esteja convencida de que ao Motswana médio escapará a relevância, ou mesmo o significado, que este tipo de questões assume em Angola, acredito que qualquer deles subscreverá a idéia de que muito mal está um país quando a mera sugestão da importância de uma clara definição de uma identidade cultural nacional, não necessáriamente tributária da situação política colonial, atrai sobre quem se atreva a fazê-lo a rasteira acusação de ser “complexado(a)”.

Aliás, suspeito que se Freud estivesse vivo, dedicaria o resto da sua vida à reinvenção total da Psicanálise, por forma a nela acomodar a vacuidade que a palavra “complexos” (sem qualquer indicação de em relação a quê, ou sobre se de inferioridade, de superioridade, de Édipo, ou de Electra…) parece ter assumido no léxico de alguns sectores da nossa sociedade.

Numa conjuntura histórica em que práticamente todos os sectores acadêmicos, técnicos e intelectuais internacionais começam a dar cada vez mais peso a factores culturais endógenos como variáveis explicativas de experiências de desenvolvimento sustentado em todo o mundo, o Botswana emerge como um “caso especial”: estamos perante um povo que construiu a sua cidade capital práticamente a partir do zero (Gaborone, que significa “nossa casa”, só começou a ser construída um ano antes da independência, obtida em 1966, quando o país já se encontrava sob um regime de auto-determinação); um povo que, a par do Inglês e de outras línguas locais, fala e escreve o seu principal idioma nacional, Setswana, em todas as instâncias da sua vida privada, social e profissional - desde os aviões da companhia aérea nacional, aos aeroportos, aos sinais de trânsito, aos painéis de publicidade, aos meios de comunicação social, às escolas e faculdades, ao parlamento, aos tribunais, às empresas, ou aos bancos.




Free file hosting by Ripway.com

Fire - Wizards of the Desert (Khoisan Aristocracy)

Estamos perante um país cujo modo de governo é baseado no tradicional sistema de “Kgotla”, em que a autoridade suprema é investida numa legislatura que, compreendendo a Assembléia Nacional e o Presidente, age em mandatória consultação com a “Câmara dos Chefes Tradicionais”, a qual supervisiona e decide sobre todos os aspectos da acção governativa que afectem os valores, costumes e tradições nacionais. O próprio conceito de desenvolvimento inclusivo e harmonia social, “Kagisano”, que norteia a sua estratégia económica é derivado da cultura nacional - dele emanam os princípios de democracia, auto-suficiência e unidade que servem de contexto geral para a definição dos objectivos da nação.


Estamos perante um país que pôs no centro do seu programa de diversificação económica e desenvolvimento industrial o “empowerment” dos seus cidadãos, através de programas concretos, fundos específicos e mecanismos institucionais que promovem a sua efectiva implementação e o desenvolvimento de uma classe empresarial nacional em todos os sectores da economia, tendo-se o governo compromotido a estender as suas preferências a consultores nacionais e a comprar acções em empresas de proprietários locais que estejam a enfrentar dificuldades financeiras; um país cujo código de investimento estrangeiro estipula, por exemplo, que as empresas estrangeiras que envolvam accionistas locais podem beneficiar de uma diminuição do mínimo investimento que lhes é exigido para metade, ou um terço, dependendo do sector em que queiram investir, sendo que em alguns sectores as empresas estrangeiras são obrigadas a sub-contratar empresas locais, enquanto o governo se dispõe a reembolsar 50% dos custos de formação dos empregados locais e a pagar um montante entre 40 e 85%, dependendo da localização da empresa numa área urbana ou rural, dos custos de cada posto de trabalho criado na indústria manufactureira.




Free file hosting by Ripway.com

Mama - Wizards of the Desert (Khoisan Aristocracy)


Perante tudo isso, não será certamente de espantar, especialmente aos olhos dos países ocidentais, que basearam as suas estratégias de crescimento económico nos direitos dos seus cidadãos e nas suas culturas e valores tradicionais (e que talvez partilhem com certos segmentos das elites urbanas angolanas um perfeito entendimento da importância fulcral da língua e da cultura como instrumentos de poder e dominação, bem como um indisfarçável nervosismo à simples menção do conceito de “identidade africana”), que o Botswana seja: o país com as taxas de crescimento mais impressivas e consistentes em África (cerca de 9% p.a. ao longo das últimas três décadas) e comparáveis às de “tigres asiáticos” como a Tailândia e a Coreia do Sul; o país com uma das políticas de combate ao SIDA mais coerentes e agressivas na região (a taxa de incidência sobre o seu comparativamente diminuto agregado populacional tem afectado negativamente o seu índice de desenvolvimento humano e constitui a maior ameaça ao futuro do país); o segundo país mais competitivo da SADC, depois das Maurícias; o país com as taxas de corrupção mais baixas em África e com uma melhor reputação nessa área do que países como França, Itália, Grécia ou Portugal; o país com taxas de juro reais comparáveis às dos principais mercados mundiais de capitais e até superiores, durante vários períodos, às do UK, EUA e África do Sul; ou o país com as melhores posições em África em termos de robustez económica e solvabilidade, acima da África do Sul ou de países como a Coreia do Sul e a Malásia.




Free file hosting by Ripway.com

Ba Ntatola Ke Tshela - Franco (Ba Ntatola)

Complexo de colonizado? Definitivamente, esse é um conceito que não existe em nenhuma das línguas nacionais deste povo, mestre da estética da alma: pacato e de uma tocante cortezia e humildade, mas confiante, orgulhoso, soberano e internacionalmente respeitado. Despeço-me em Setswana: Sala Sentlê! (Fiquem Bem, na língua de Camões; Stay Well, na língua de Shakespeare).

P.S.: E que viva para sempre a memória da rainha NZinga – um dos expoentes maiores da nacionalidade Angolana!




Free file hosting by Ripway.com

Issa - Franco (Ba Ntatola)


{*Cronica por mim publicada no SA ha' 5 anos (a ultima da serie “Factos e Ficcoes"). Foi parcialmente em resposta a um outro colunista do mesmo semanario que, embora nao citando o meu nome, mas de forma suficientemente directa e inequivoca, me acusava de ter "complexos de colonizado", ao mesmo tempo que invectivava contra a estatua da Rainha Nzinga…}




Free file hosting by Ripway.com

Ma Africa - Franco (Ba Ntatola)



***
About the songs: these are some of the songs on Botswana airwaves’ top-10 in the last few years, with Franco invariably at number 1, lately closely followed by the Wizards. Except for ‘Mama Boregwe’, which conveys the sounds and voices of the Kalahari, with these choices I wanted to highlight a very interesting phenomenon in the country’s music trends, which can also be observed in almost all Sub-Saharan African countries these days: the adoption of Congolese sounds (soukous, rumba and that wild mix generally known as kwassa-kwassa), be it through remixes/covers – as in ‘Sombele’ or ‘Mama’ (remember Congolese Franco’s ‘Mario’?) or ‘legitimate appropriation’ – as in almost all Motswana Franco’s (Frank Lesokwane) music and his adopted name. The contagion is of such order that when I left the country about 2 years ago there was a public discussion going on whether the genre should be adopted as Botswana’s “national music”.


É verdade amigos, tenho que me despedir. Escrevo-vos de Gaborone, onde as tarefas que me esperam nos próximos tempos não me permitem continuar estas conversas quinzenais. Não posso deixar de agradecer ao Graça Campos por me ter convidado a participar e ao colectivo do Semanário Angolense por me ter deixado partilhar um pouco desta excitante empresa de construção de um espaço alternativo, forte e independente na imprensa nacional. Tenho também que agradecer profundamente a todos os amigos (conhecidos e desconhecidos) que me enviaram mensagens de felicitações e encorajamento. Estou certa de que este valioso espaço no SA será bem aproveitado e continuará a dar oportunidade a outros para expressarem as suas idéias sobre o que vai pela terra e pelo mundo.




Free file hosting by Ripway.com

Mama Boregwe - Skizo (Afroblue/Native Tongues)

Deixei Londres, há cerca de três semanas, entregue à sua onda de greves e ao seu Tony Blair a tentar emular o machismo da Lady Thatcher e, ao mesmo tempo, articular uma boa razão para dispender na projectada guerra ao Iraque os fundos necessários à melhoria dos seus serviços públicos; aos seus muitos, quase diários, “celebrity and royal scandals”; à sua chuva miudinha e tempo cinzento e àquela sensação de estarmos parados no espaço, escrutinando o mundo a girar à nossa volta e o tempo a fugir de nós a toda a hora.


Neste meu regresso a Gabs, alguns meses depois de cá ter estado a trabalhar durante pouco mais de um ano, noto que ela continua a impressionar quem chega pela sua limpeza, cosmopolitismo e espírito empreendedor. Perdi a explosão púrpura dos jacarandás (diz-nos Alice Walker que Deus fica muito irritado – pior, fica “pissed off” – se a humanidade não repara na cor púrpura) que todos os Setembros prenuncia o início da época das chuvas, mas o vermelho das acácias e a profusão de cores das buganvílias continuam o seu perene, despudorado, romance com o dourado do sol. O imenso calor tende a fazer recolher os habitantes a espaços interiores durante a maior parte do tempo, deixando o exterior entregue quase exclusivamente a uma imensa variedade de répteis e insectos (que não perdem uma oportunidade para nos entrar pela casa adentro) e ao som do silêncio ou dos pássaros.




Free file hosting by Ripway.com

Sombele - Skizo (Afroblue/Native Tongues)

Os Batswana continuam demasiado ocupados a dar à Àfrica algumas das suas poucas razões de orgulho para se permitirem desenvolver quaisquer complexos (muito menos o de “colonizado”, o que quer que seja que isso signifique). Embora esteja convencida de que ao Motswana médio escapará a relevância, ou mesmo o significado, que este tipo de questões assume em Angola, acredito que qualquer deles subscreverá a idéia de que muito mal está um país quando a mera sugestão da importância de uma clara definição de uma identidade cultural nacional, não necessáriamente tributária da situação política colonial, atrai sobre quem se atreva a fazê-lo a rasteira acusação de ser “complexado(a)”.

Aliás, suspeito que se Freud estivesse vivo, dedicaria o resto da sua vida à reinvenção total da Psicanálise, por forma a nela acomodar a vacuidade que a palavra “complexos” (sem qualquer indicação de em relação a quê, ou sobre se de inferioridade, de superioridade, de Édipo, ou de Electra…) parece ter assumido no léxico de alguns sectores da nossa sociedade.

Numa conjuntura histórica em que práticamente todos os sectores acadêmicos, técnicos e intelectuais internacionais começam a dar cada vez mais peso a factores culturais endógenos como variáveis explicativas de experiências de desenvolvimento sustentado em todo o mundo, o Botswana emerge como um “caso especial”: estamos perante um povo que construiu a sua cidade capital práticamente a partir do zero (Gaborone, que significa “nossa casa”, só começou a ser construída um ano antes da independência, obtida em 1966, quando o país já se encontrava sob um regime de auto-determinação); um povo que, a par do Inglês e de outras línguas locais, fala e escreve o seu principal idioma nacional, Setswana, em todas as instâncias da sua vida privada, social e profissional - desde os aviões da companhia aérea nacional, aos aeroportos, aos sinais de trânsito, aos painéis de publicidade, aos meios de comunicação social, às escolas e faculdades, ao parlamento, aos tribunais, às empresas, ou aos bancos.




Free file hosting by Ripway.com

Fire - Wizards of the Desert (Khoisan Aristocracy)

Estamos perante um país cujo modo de governo é baseado no tradicional sistema de “Kgotla”, em que a autoridade suprema é investida numa legislatura que, compreendendo a Assembléia Nacional e o Presidente, age em mandatória consultação com a “Câmara dos Chefes Tradicionais”, a qual supervisiona e decide sobre todos os aspectos da acção governativa que afectem os valores, costumes e tradições nacionais. O próprio conceito de desenvolvimento inclusivo e harmonia social, “Kagisano”, que norteia a sua estratégia económica é derivado da cultura nacional - dele emanam os princípios de democracia, auto-suficiência e unidade que servem de contexto geral para a definição dos objectivos da nação.


Estamos perante um país que pôs no centro do seu programa de diversificação económica e desenvolvimento industrial o “empowerment” dos seus cidadãos, através de programas concretos, fundos específicos e mecanismos institucionais que promovem a sua efectiva implementação e o desenvolvimento de uma classe empresarial nacional em todos os sectores da economia, tendo-se o governo compromotido a estender as suas preferências a consultores nacionais e a comprar acções em empresas de proprietários locais que estejam a enfrentar dificuldades financeiras; um país cujo código de investimento estrangeiro estipula, por exemplo, que as empresas estrangeiras que envolvam accionistas locais podem beneficiar de uma diminuição do mínimo investimento que lhes é exigido para metade, ou um terço, dependendo do sector em que queiram investir, sendo que em alguns sectores as empresas estrangeiras são obrigadas a sub-contratar empresas locais, enquanto o governo se dispõe a reembolsar 50% dos custos de formação dos empregados locais e a pagar um montante entre 40 e 85%, dependendo da localização da empresa numa área urbana ou rural, dos custos de cada posto de trabalho criado na indústria manufactureira.




Free file hosting by Ripway.com

Mama - Wizards of the Desert (Khoisan Aristocracy)


Perante tudo isso, não será certamente de espantar, especialmente aos olhos dos países ocidentais, que basearam as suas estratégias de crescimento económico nos direitos dos seus cidadãos e nas suas culturas e valores tradicionais (e que talvez partilhem com certos segmentos das elites urbanas angolanas um perfeito entendimento da importância fulcral da língua e da cultura como instrumentos de poder e dominação, bem como um indisfarçável nervosismo à simples menção do conceito de “identidade africana”), que o Botswana seja: o país com as taxas de crescimento mais impressivas e consistentes em África (cerca de 9% p.a. ao longo das últimas três décadas) e comparáveis às de “tigres asiáticos” como a Tailândia e a Coreia do Sul; o país com uma das políticas de combate ao SIDA mais coerentes e agressivas na região (a taxa de incidência sobre o seu comparativamente diminuto agregado populacional tem afectado negativamente o seu índice de desenvolvimento humano e constitui a maior ameaça ao futuro do país); o segundo país mais competitivo da SADC, depois das Maurícias; o país com as taxas de corrupção mais baixas em África e com uma melhor reputação nessa área do que países como França, Itália, Grécia ou Portugal; o país com taxas de juro reais comparáveis às dos principais mercados mundiais de capitais e até superiores, durante vários períodos, às do UK, EUA e África do Sul; ou o país com as melhores posições em África em termos de robustez económica e solvabilidade, acima da África do Sul ou de países como a Coreia do Sul e a Malásia.




Free file hosting by Ripway.com

Ba Ntatola Ke Tshela - Franco (Ba Ntatola)

Complexo de colonizado? Definitivamente, esse é um conceito que não existe em nenhuma das línguas nacionais deste povo, mestre da estética da alma: pacato e de uma tocante cortezia e humildade, mas confiante, orgulhoso, soberano e internacionalmente respeitado. Despeço-me em Setswana: Sala Sentlê! (Fiquem Bem, na língua de Camões; Stay Well, na língua de Shakespeare).

P.S.: E que viva para sempre a memória da rainha NZinga – um dos expoentes maiores da nacionalidade Angolana!




Free file hosting by Ripway.com

Issa - Franco (Ba Ntatola)


{*Cronica por mim publicada no SA ha' 5 anos (a ultima da serie “Factos e Ficcoes"). Foi parcialmente em resposta a um outro colunista do mesmo semanario que, embora nao citando o meu nome, mas de forma suficientemente directa e inequivoca, me acusava de ter "complexos de colonizado", ao mesmo tempo que invectivava contra a estatua da Rainha Nzinga…}




Free file hosting by Ripway.com

Ma Africa - Franco (Ba Ntatola)



***
About the songs: these are some of the songs on Botswana airwaves’ top-10 in the last few years, with Franco invariably at number 1, lately closely followed by the Wizards. Except for ‘Mama Boregwe’, which conveys the sounds and voices of the Kalahari, with these choices I wanted to highlight a very interesting phenomenon in the country’s music trends, which can also be observed in almost all Sub-Saharan African countries these days: the adoption of Congolese sounds (soukous, rumba and that wild mix generally known as kwassa-kwassa), be it through remixes/covers – as in ‘Sombele’ or ‘Mama’ (remember Congolese Franco’s ‘Mario’?) or ‘legitimate appropriation’ – as in almost all Motswana Franco’s (Frank Lesokwane) music and his adopted name. The contagion is of such order that when I left the country about 2 years ago there was a public discussion going on whether the genre should be adopted as Botswana’s “national music”.


Thursday, 6 September 2007

LUCIANO PAVAROTTI (R.I.P.)

Penso che una vita per la musica sia una vita spesa bene ed è a questo che mi sono dedicato.

I think a life in music is a life beautifully spent and this is what I have devoted my life to.

Luciano Pavarotti (1935 - 2007)

The Thrill is Gone (Luciano Pavarotti/ BB King)

Penso che una vita per la musica sia una vita spesa bene ed è a questo che mi sono dedicato.

I think a life in music is a life beautifully spent and this is what I have devoted my life to.

Luciano Pavarotti (1935 - 2007)

The Thrill is Gone (Luciano Pavarotti/ BB King)

Tuesday, 4 September 2007

VICTORIA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Nao posso deixar de GRITAR aqui VICTORIA!!!! por esta mensagem que acabo de receber:

Tue, 04 Sep 2007 19:21:49 -0000

Hello Ana,

In accordance with the DMCA, we have completed processing your
infringement complaint and the content in question no longer appears on
the following URL(s):

malongomiamor.blogspot.com

Please let us know if we can assist you further.

Sincerely,
The Blogger Team


Original Message Follows:
------------------------
From: koluki@yahoo.co.uk
Subject: Re: [#189412802] Blogger DMCA Complaint received
Date: Mon, 3 Sep 2007 22:55:43 +0100 (BST)

Having passed about 2 weeks since your acknowledgement of my last complaint, I
would like to know wheather there are any developments.

Rgds.

Blogger Help wrote:

Hello Ana,

We have received your DMCA complaint regarding
malongomiamor.blogspot.com
dated 8/20/07.

We are currently reviewing the complaint and will contact you when we
have
completed processing the request. We appreciate your patience with this
process.

Sincerely,
The Blogger Team


{ N.B.: Tratando-se do tipo de criatura de que se trata, nao me espantara' nada ve-la brevemente reaparecer (and with a vengeance!) em qualquer outro espaco ou sob qualquer outro 'nome', mas, "enquanto o lobo nao vem"... VICTORIA!!!!!!!!}


Nao posso deixar de GRITAR aqui VICTORIA!!!! por esta mensagem que acabo de receber:

Tue, 04 Sep 2007 19:21:49 -0000

Hello Ana,

In accordance with the DMCA, we have completed processing your
infringement complaint and the content in question no longer appears on
the following URL(s):

malongomiamor.blogspot.com

Please let us know if we can assist you further.

Sincerely,
The Blogger Team


Original Message Follows:
------------------------
From: koluki@yahoo.co.uk
Subject: Re: [#189412802] Blogger DMCA Complaint received
Date: Mon, 3 Sep 2007 22:55:43 +0100 (BST)

Having passed about 2 weeks since your acknowledgement of my last complaint, I
would like to know wheather there are any developments.

Rgds.

Blogger Help wrote:

Hello Ana,

We have received your DMCA complaint regarding
malongomiamor.blogspot.com
dated 8/20/07.

We are currently reviewing the complaint and will contact you when we
have
completed processing the request. We appreciate your patience with this
process.

Sincerely,
The Blogger Team


{ N.B.: Tratando-se do tipo de criatura de que se trata, nao me espantara' nada ve-la brevemente reaparecer (and with a vengeance!) em qualquer outro espaco ou sob qualquer outro 'nome', mas, "enquanto o lobo nao vem"... VICTORIA!!!!!!!!}