Thursday, 30 April 2009

CONFERENCIA MUNDIAL CONTRA O RACISMO


As Conferencias Mundiais Contra o Racismo (1978, 1983, 2001 e 2009) teem vindo a ser organizadas regularmente pela UNESCO com o fito de lutar contra ideologias e comportamentos racistas em todo o mundo. O trabalho da UNESCO na luta contra o racismo, incluindo as conferencias mundiais que patroniza sob a egide das Nacoes Unidas, tem sido guiado pelas varias producoes cientificas que vem promovendo sobre a questao, desde a sua fundacao apos o final da Segunda Guerra Mundial, e especialmente pela sua publicacao seminal “A Questao Racial”, datada de 1950.

A Conferencia deste ano, realizada na semana passada em Genebra, Suica, teve em vista a avaliacao do progresso efectuado em direccao aos objectivos tracados pela Declaracao e Programa de Accao de Durban, aprovados durante a “Conferencia Mundial Contra o Racismo, Discriminacao Racial, Xenofobia e decorrente Intolerancia”, realizada em Durban, Africa do Sul, em 2001. A Conferencia de Genebra foi particularmente marcada pelo boicote de varios paises (entre os quais Canada, Israel, EUA, Nova Zelandia, Alemanha, Italia, Suecia, Holanda, Polonia e Australia) e dominada por fortes reaccoes, tanto de apoio quanto de protesto (neste caso, em particular pelos paises membros da Uniao Europeia), a intervencao do Presidente do Irao, Mahmoud Ahmadinejad, qualificando Israel como um “estado racista”.

Ao final das suas conturbadas sessoes, ficou-me a ideia de que, pelo menos enquanto a questao do Medio Oriente nao se resolver (se alguma vez se resolver e esperemos que pelo melhor para todas as partes), as questoes do racismo e da intolerancia a ele relacionada noutras partes do mundo, nomeadamente em Africa e, particularmente, na Africa Lusofona, continuarao a nao fazer parte da agenda destes altos foruns internacionais.

[Mais detalhes aqui]


As Conferencias Mundiais Contra o Racismo (1978, 1983, 2001 e 2009) teem vindo a ser organizadas regularmente pela UNESCO com o fito de lutar contra ideologias e comportamentos racistas em todo o mundo. O trabalho da UNESCO na luta contra o racismo, incluindo as conferencias mundiais que patroniza sob a egide das Nacoes Unidas, tem sido guiado pelas varias producoes cientificas que vem promovendo sobre a questao, desde a sua fundacao apos o final da Segunda Guerra Mundial, e especialmente pela sua publicacao seminal “A Questao Racial”, datada de 1950.

A Conferencia deste ano, realizada na semana passada em Genebra, Suica, teve em vista a avaliacao do progresso efectuado em direccao aos objectivos tracados pela Declaracao e Programa de Accao de Durban, aprovados durante a “Conferencia Mundial Contra o Racismo, Discriminacao Racial, Xenofobia e decorrente Intolerancia”, realizada em Durban, Africa do Sul, em 2001. A Conferencia de Genebra foi particularmente marcada pelo boicote de varios paises (entre os quais Canada, Israel, EUA, Nova Zelandia, Alemanha, Italia, Suecia, Holanda, Polonia e Australia) e dominada por fortes reaccoes, tanto de apoio quanto de protesto (neste caso, em particular pelos paises membros da Uniao Europeia), a intervencao do Presidente do Irao, Mahmoud Ahmadinejad, qualificando Israel como um “estado racista”.

Ao final das suas conturbadas sessoes, ficou-me a ideia de que, pelo menos enquanto a questao do Medio Oriente nao se resolver (se alguma vez se resolver e esperemos que pelo melhor para todas as partes), as questoes do racismo e da intolerancia a ele relacionada noutras partes do mundo, nomeadamente em Africa e, particularmente, na Africa Lusofona, continuarao a nao fazer parte da agenda destes altos foruns internacionais.

[Mais detalhes aqui]

Wednesday, 29 April 2009

OBAMA'S FIRST 100 DAYS IN OFFICE








[Get more insights here]







[Get more insights here]

SYMPOSIUM ON "THE UNITED STATES OF AFRICA"


Believe it or not, agree with or not, there are some people seriously working on the dream, the idea and the reality of a "United States of Africa":


Cheikh Anta Diop University (UCAD) / Republic of Senegal , Ministry of Foreign Affairs
Symposium on the United States of Africa
Dakar, 15-18 June 2009


Call for papers


The Heads of State and Government of the African Union made it clear, in a Decision, that the ultimate objective of the African Union is the political and economic integration of the Continent, leading to a United States of Africa.

Cheikh Anta Diop University , Dakar , will organize a “Symposium on the United States of Africa” in Dakar from 15 to 18 June 2009, in collaboration with the Ministry of Foreign Affairs of the Republic of Senegal .

In view of your interest in Pan-Africanism and African Unity, it is our pleasure to invite you to participate in this important meeting so as to make your invaluable input to the dialogue that will, thereby, be initiated between politics and the drive to enhance the unity of the peoples of Africa .

We request you to kindly confirm your participation in this Symposium before 30 April 2009, and to let us have the summary of your presentation in regard to the underlisted five themes of the meeting, the Terms of Reference of which is attached hereto:

1. Federalism and Sovereignity of States;
2. Federalism, Cultures and National Languages;
3. Federalism, Economic Development, Science and Technology;
4. Federalism, African Peoples, the Civil Society and the Diaspora; and
5. Union Authority.

Three Papers will be chosen for each theme, and will be presented at the plenary. The Papers so selected will serve as basis for the discussions and will be published in the Acts of the Symposium. Other Papers will be selected for dissemination and publication.

All the Papers should reach us before 15 May 2009 - the deadline for submission.

The outcomes of the discussions will help enrich the ongoing brainstorming in the Universities of the Continent and the Diaspora, and contribute to political decision making in the African Union, agenda of which should take on board the outcomes of academic research and the experiences of political and social players.

Honorarium will be paid in respect of the fifteen Papers selected for presentation. The organizers will be responsible for the transport fares and subsistence allowance of the participants.

We count on you to make this “Symposium on the United States of America” a resounding success and ask you, dear Madam (dear Sir) to kindly accept the assurances of our highest consideration.

Professor Boubacar Barry

Chairperson
Scientific and Organizing Committee




N.B.: Some sort of freudian lapse must have prompted the reference to "this Symposium on the United States of America" in the last paragraph...

Believe it or not, agree with or not, there are some people seriously working on the dream, the idea and the reality of a "United States of Africa":


Cheikh Anta Diop University (UCAD) / Republic of Senegal , Ministry of Foreign Affairs
Symposium on the United States of Africa
Dakar, 15-18 June 2009


Call for papers


The Heads of State and Government of the African Union made it clear, in a Decision, that the ultimate objective of the African Union is the political and economic integration of the Continent, leading to a United States of Africa.

Cheikh Anta Diop University , Dakar , will organize a “Symposium on the United States of Africa” in Dakar from 15 to 18 June 2009, in collaboration with the Ministry of Foreign Affairs of the Republic of Senegal .

In view of your interest in Pan-Africanism and African Unity, it is our pleasure to invite you to participate in this important meeting so as to make your invaluable input to the dialogue that will, thereby, be initiated between politics and the drive to enhance the unity of the peoples of Africa .

We request you to kindly confirm your participation in this Symposium before 30 April 2009, and to let us have the summary of your presentation in regard to the underlisted five themes of the meeting, the Terms of Reference of which is attached hereto:

1. Federalism and Sovereignity of States;
2. Federalism, Cultures and National Languages;
3. Federalism, Economic Development, Science and Technology;
4. Federalism, African Peoples, the Civil Society and the Diaspora; and
5. Union Authority.

Three Papers will be chosen for each theme, and will be presented at the plenary. The Papers so selected will serve as basis for the discussions and will be published in the Acts of the Symposium. Other Papers will be selected for dissemination and publication.

All the Papers should reach us before 15 May 2009 - the deadline for submission.

The outcomes of the discussions will help enrich the ongoing brainstorming in the Universities of the Continent and the Diaspora, and contribute to political decision making in the African Union, agenda of which should take on board the outcomes of academic research and the experiences of political and social players.

Honorarium will be paid in respect of the fifteen Papers selected for presentation. The organizers will be responsible for the transport fares and subsistence allowance of the participants.

We count on you to make this “Symposium on the United States of America” a resounding success and ask you, dear Madam (dear Sir) to kindly accept the assurances of our highest consideration.

Professor Boubacar Barry

Chairperson
Scientific and Organizing Committee




N.B.: Some sort of freudian lapse must have prompted the reference to "this Symposium on the United States of America" in the last paragraph...

Saturday, 25 April 2009

WYZA!

Wyza is an up and coming Bakongo musician.
Having been humbled, moved, amazed, mesmerised and overwhelmed by his voice and music since recently discovering him, all I can bring myself to sensibly say is (paraphrasing the lady here):

Forget so and so (no offence to anyone intended, but...), Wyza is the Angolan musician with his finger on the pulse of ('global') music!

{Meet Him Here}

























Wyza is an up and coming Bakongo musician.
Having been humbled, moved, amazed, mesmerised and overwhelmed by his voice and music since recently discovering him, all I can bring myself to sensibly say is (paraphrasing the lady here):

Forget so and so (no offence to anyone intended, but...), Wyza is the Angolan musician with his finger on the pulse of ('global') music!

{Meet Him Here}

























Friday, 24 April 2009

LUANDANDO (VI)

LUANDA SUL




Marco, 2009

Si j'avais beaucoup d'argent... canta o Wyza. E esse parece ser tambem o mantra de todos quantos aspiram a um lugar, de negocio ou de habitacao, na 'up and coming' Luanda Sul, em particular na Talatona. Nada parece ser mais 'in' em Luanda, hoje em dia, do que morar na Talatona... isto e', nos seus condominios que custam (nao valem necessariamente) milhoes de dolares, sendo que alguns se assemelham a verdadeiros campos de concentracao. Eu, por mim, mesmo se tivesse muito dinheiro, so' por absoluta falta de melhor opcao escolheria morar num condominio... na Talatona, ou em qualquer outro local; em Luanda, ou em qualquer outra cidade. Viver enclausurada por muros altos ou arame farpado e bofocada pelas casas e os olhares dos vizinhos nao e' exactamente a minha ideia de bem-estar. Mas... e' o que esta' a dar agora em Luanda e seus inflacionados arredores.


Mas o Wyza, primeiro album dele (Africa Yaya) que descobri la' na Talatona - no Belas Shopping, primeiro e unico shopping centre da capital e do pais, tambem ele cercado de gradeamentos e arame farpado... - o Wyza, voz dele que tinha antes apenas ouvido por acidente a duetisar aqui com o Paulo Flores, mas musica dele mesmo, de verdade, que so' comecei a ouvir ha' cerca de uma semana, quando pude finalmente por o CD dele que comprei la' na Talatona a tocar (... Oh Wyza! Quem, ou o que, te tem cercado de arame farpado este tempo todo? Desde 2004?! ...) e que me tem tido completamente fitissada desde entao... o Wyza tambem diz... pera ai que eu ja' vou...
LUANDA SUL




Marco, 2009

Si j'avais beaucoup d'argent... canta o Wyza. E esse parece ser tambem o mantra de todos quantos aspiram a um lugar, de negocio ou de habitacao, na 'up and coming' Luanda Sul, em particular na Talatona. Nada parece ser mais 'in' em Luanda, hoje em dia, do que morar na Talatona... isto e', nos seus condominios que custam (nao valem necessariamente) milhoes de dolares, sendo que alguns se assemelham a verdadeiros campos de concentracao. Eu, por mim, mesmo se tivesse muito dinheiro, so' por absoluta falta de melhor opcao escolheria morar num condominio... na Talatona, ou em qualquer outro local; em Luanda, ou em qualquer outra cidade. Viver enclausurada por muros altos ou arame farpado e bofocada pelas casas e os olhares dos vizinhos nao e' exactamente a minha ideia de bem-estar. Mas... e' o que esta' a dar agora em Luanda e seus inflacionados arredores.


Mas o Wyza, primeiro album dele (Africa Yaya) que descobri la' na Talatona - no Belas Shopping, primeiro e unico shopping centre da capital e do pais, tambem ele cercado de gradeamentos e arame farpado... - o Wyza, voz dele que tinha antes apenas ouvido por acidente a duetisar aqui com o Paulo Flores, mas musica dele mesmo, de verdade, que so' comecei a ouvir ha' cerca de uma semana, quando pude finalmente por o CD dele que comprei la' na Talatona a tocar (... Oh Wyza! Quem, ou o que, te tem cercado de arame farpado este tempo todo? Desde 2004?! ...) e que me tem tido completamente fitissada desde entao... o Wyza tambem diz... pera ai que eu ja' vou...

Thursday, 23 April 2009

PORTUGUESES EM ANGOLA

NEM EL DORADO NEM TERRA DE PERDICAO


A Direcção-Geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas (DGACCP) confirmou o que muitos já sabiam: há cada vez mais portugueses a viver e a trabalhar em Angola. No ano transacto, a comunidade portuguesa em Angola foi a que mais cresceu (mais 10.925 membros) logo a seguir à Suíça (mais 15.163) segundo a DGACCP. A mesma fonte estimava em 45 mil os portugueses residentes em Angola em 2005 e 60 mil no ano seguinte, incluídos os luso-angolanos, com dupla nacionalidade. Mas quantos são? Ninguém sabe ao certo: na imprensa dos dois países têm surgido dados que vão dos cem mil aos duzentos mil.

(...)

Se «para Angola e em força» parece ser em Portugal a palavra de ordem mais actual (palavra de ordem que não esperou pela «bênção» das autoridades oficiais) basta uma olhadela a qualquer fórum de conversas na net que trate das relações entre Portugal e Angola para constatar os sentimentos contraditórios que esta afluência de novos emigrantes portugueses suscita entre os angolanos. Às acusações – habituais em países onde os empregos escasseiam – de virem os «estrangeiros» roubar o pão da boca aos africanos, juntam-se considerações pouco abonatórias e mais ou menos racistas sobre os «tugas» ou «pulas» como são designados os imigrantes oriundos da ex-metrópole. Não ficam atrás em termo de preconceitos os «retornados» que avisam os incautos contra os muitos defeitos dos angolanos e o risco de se investir neste país.

Mal me quer, bem me quer? A pouca informação, para não se falar em desinformação, sobre Angola a que teve acesso nos últimos anos o público português, está na origem de muitos desencontros e mal-entendidos. A maioria dos portugueses que rumam a Luanda fazem-no de coração apertado, como última alternativa face à falência iminente, ou à procura do emprego que não aparece em Portugal nem em mais nenhum país «civilizado».



No extremo oposto, a ideia de que qualquer português com a escolaridade obrigatória completa pode aspirar a um cargo bem pago em Angola é a das mais enraizadas em Portugal. Conta um empresário luso instalado em Luanda que colocou um anúncio em Portugal para recrutar um encarregado de obra tendo recebido cerca de 400 respostas. Entre os candidatos figuravam vários empregados de mesa e até uma mulher de limpeza.

Para as grandes empresas multinacionais, nomeadamente as portuguesas, que operam em Angola, recrutar pessoal idóneo, para um mercado difícil e exigente, é um quebra-cabeças permanente, e os salários que oferecem fazem crescer água na boca a muitos portugueses, sobretudo agora que as obras estão paradas no «jardim à beira mar plantado». Entre dois mil e seis mil dólares mensais para um engenheiro recém-formado ou com menos de três anos de experiência, mais alimentação e alojamento e duas viagens a Portugal por ano é aliciante mais do que suficiente para «arriscar», apesar dos avisos contrários da família e dos amigos.

(...)

Inútil, por conseguinte, forjar habilitações ou inventar experiência que não se tem e que não resistirão à prova do fogo. Estes «chicos-espertos» são um pesadelo para as empresas, angolanas, portuguesas ou estrangeiras que se deixarem enganar. «Os custos para os mandar embora são enormes. Basta somar os ordenados, as viagens, os vistos, para não falar na reparação das asneiras cometidas», diz um projectista que admite «existir uma lista negra que circula à socapa», enquanto as empresas «roubam os melhores elementos, umas as outras».


[Por Nicole Guardiola, in Africa 21, Marco 2009]

NEM EL DORADO NEM TERRA DE PERDICAO


A Direcção-Geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas (DGACCP) confirmou o que muitos já sabiam: há cada vez mais portugueses a viver e a trabalhar em Angola. No ano transacto, a comunidade portuguesa em Angola foi a que mais cresceu (mais 10.925 membros) logo a seguir à Suíça (mais 15.163) segundo a DGACCP. A mesma fonte estimava em 45 mil os portugueses residentes em Angola em 2005 e 60 mil no ano seguinte, incluídos os luso-angolanos, com dupla nacionalidade. Mas quantos são? Ninguém sabe ao certo: na imprensa dos dois países têm surgido dados que vão dos cem mil aos duzentos mil.

(...)

Se «para Angola e em força» parece ser em Portugal a palavra de ordem mais actual (palavra de ordem que não esperou pela «bênção» das autoridades oficiais) basta uma olhadela a qualquer fórum de conversas na net que trate das relações entre Portugal e Angola para constatar os sentimentos contraditórios que esta afluência de novos emigrantes portugueses suscita entre os angolanos. Às acusações – habituais em países onde os empregos escasseiam – de virem os «estrangeiros» roubar o pão da boca aos africanos, juntam-se considerações pouco abonatórias e mais ou menos racistas sobre os «tugas» ou «pulas» como são designados os imigrantes oriundos da ex-metrópole. Não ficam atrás em termo de preconceitos os «retornados» que avisam os incautos contra os muitos defeitos dos angolanos e o risco de se investir neste país.

Mal me quer, bem me quer? A pouca informação, para não se falar em desinformação, sobre Angola a que teve acesso nos últimos anos o público português, está na origem de muitos desencontros e mal-entendidos. A maioria dos portugueses que rumam a Luanda fazem-no de coração apertado, como última alternativa face à falência iminente, ou à procura do emprego que não aparece em Portugal nem em mais nenhum país «civilizado».



No extremo oposto, a ideia de que qualquer português com a escolaridade obrigatória completa pode aspirar a um cargo bem pago em Angola é a das mais enraizadas em Portugal. Conta um empresário luso instalado em Luanda que colocou um anúncio em Portugal para recrutar um encarregado de obra tendo recebido cerca de 400 respostas. Entre os candidatos figuravam vários empregados de mesa e até uma mulher de limpeza.

Para as grandes empresas multinacionais, nomeadamente as portuguesas, que operam em Angola, recrutar pessoal idóneo, para um mercado difícil e exigente, é um quebra-cabeças permanente, e os salários que oferecem fazem crescer água na boca a muitos portugueses, sobretudo agora que as obras estão paradas no «jardim à beira mar plantado». Entre dois mil e seis mil dólares mensais para um engenheiro recém-formado ou com menos de três anos de experiência, mais alimentação e alojamento e duas viagens a Portugal por ano é aliciante mais do que suficiente para «arriscar», apesar dos avisos contrários da família e dos amigos.

(...)

Inútil, por conseguinte, forjar habilitações ou inventar experiência que não se tem e que não resistirão à prova do fogo. Estes «chicos-espertos» são um pesadelo para as empresas, angolanas, portuguesas ou estrangeiras que se deixarem enganar. «Os custos para os mandar embora são enormes. Basta somar os ordenados, as viagens, os vistos, para não falar na reparação das asneiras cometidas», diz um projectista que admite «existir uma lista negra que circula à socapa», enquanto as empresas «roubam os melhores elementos, umas as outras».


[Por Nicole Guardiola, in Africa 21, Marco 2009]

O QUE NOSOTROS ANDAMOS PR'AQUI A PERDER... (13)

CIMEIRA DE PRIMEIRAS DAMAS DE AFRICA

Quinze Primeiras Damas de Africa, entre as quais a de Angola, Ana Paula dos Santos, estiveram reunidas em Cimeira nos ultimos dois dias em Hollywood, por entre atrizes, outras 'celebridades' e a notoria ausencia da esperada anfitria Michelle Obama, por, segundo o seu gabinete, se tratar de "um pequeno momento para fazer uma grande diferenca"...

Mas, aparentemente, nao estiveram a fazer (elegantes) desfiles de moda, nem de misses...

Nem a tratar dos (posticos) cabelos...

(... muito menos a comer camaroes...)

Definitivamente, estiveram a tratar da Saude.

Quinze Primeiras Damas de Africa, entre as quais a de Angola, Ana Paula dos Santos, estiveram reunidas em Cimeira nos ultimos dois dias em Hollywood, por entre atrizes, outras 'celebridades' e a notoria ausencia da esperada anfitria Michelle Obama, por, segundo o seu gabinete, se tratar de "um pequeno momento para fazer uma grande diferenca"...

Mas, aparentemente, nao estiveram a fazer (elegantes) desfiles de moda, nem de misses...

Nem a tratar dos (posticos) cabelos...

(... muito menos a comer camaroes...)

Definitivamente, estiveram a tratar da Saude.

Wednesday, 22 April 2009

IT'S ELECTION DAY DOWN HERE


Today's general election in South Africa is predicted to be won by the ANC with about 72% of the vote.


[Update - 24/04/09: Looks more like about 67%, i.e. just about a two thirds majority]


Free file hosting by Ripway.com

Homeless - Ladysmith Black Mambazo

Today's general election in South Africa is predicted to be won by the ANC with about 72% of the vote.


[Update - 24/04/09: Looks more like about 67%, i.e. just about a two thirds majority]


Free file hosting by Ripway.com

Homeless - Ladysmith Black Mambazo

Monday, 20 April 2009

"AS 7 MARAVILHAS DE ORIGEM PORTUGUESA" E O TRAFICO DE ESCRAVOS


Foto: Museu da Escravatura - Luanda

Há pouco um historiador jamaicano disse-me que acreditava que os portugueses queriam fazer crer que não tinham nada a ver com a escravatura e o tráfico de escravos. Esta opinião parece generalizada, contudo, é corroborada pelo concurso mediático "7 Maravilhas de Origem Portuguesa no Mundo" na Internet(www.7maravilhas.sapo.pt/). O concurso é realizado pela New 7 Wonders Portugal e tem como essência dar a conhecer monumentos que são pouco conhecidos. A lista das 27 Maravilhas, submetidas à votação do público até Junho, integra também monumentos e sítios em África que estão estreitamente ligados à história de tráfico de escravos durante os séculos XV a XIX (Cidade Velha de Santiago, Fortaleza de São Jorge de Mina, Luanda, Ilha de Moçambique).

(...)

Contudo, a apresentação destes sítios no site do concurso nega completamente esta parte da história, como se estes não tivessem tido nada a ver com o tráfico negreiro. De facto, o contrário é a verdade.

(...)

Perto de Luanda existe desde 1997 um Museu Nacional de Escravatura em memória do tráfico de escravos ocorrido em terras angolanas, dos séculos XV a XIX.

(...)

A importância destes sítios para o tráfico de escravos é bem conhecida. Todos aparecem também em "Lugares de Memória da Escravatura e do Tráfico Negreiro", uma publicação do Comité Português de «A Rota de Escravos», da UNESCO. Posto isto, pergunto-me se é possível separar a estética e arquitectura dos monumentos da sua função contemporânea e parte crucial da sua história elegendo-os como Maravilhas que "constituem expressão de forma ímpar como os Portugueses se inseriram em terras e comunidades muito diversificadas do ponto de vista étnico, cultural, linguístico e religioso" (Texto de António Vitorino (PS), o comissário do concurso, no site do concurso).

A omissão, negação e manipulação de episódios indesejáveis da história é uma prática frequente em regimes totalitários. Não se entende que 35 anos depois do 25 de Abril se recorra, em Portugal, a estes métodos de negacionismo apagando de propósito parte da história da expansão marítima portuguesa. O facto que o concurso tem o patrocínio da Presidência da República, o apoio do Ministério da Cultura, Ministério da Educação, Instituto Camões e da Universidade de Coimbra e, além disso, conta com media partners como os jornais Diário de Notícias e Jornal de Notícias, sugere que uma parte da elite intelectual e política portuguesa partilha uma tal percepção selectiva da história do seu país. O governo de José Sócrates quer estabelecer em Lisboa um centro cultural africano para reforçar a ideia que Portugal é uma ponte privilegiada entre Europa e África. Internacionalmente, sobretudo no continente africano, esta pretensão teria muito mais credibilidade, se Portugal assumisse toda a sua história em relação à África e aos africanos, sem apagar a sua participação no tráfico de escravos.

Por Gerhard Seibert - Investigador em Estudos Africanos

[Leia o texto integral aqui]



Echoed here


Foto: Museu da Escravatura - Luanda

Há pouco um historiador jamaicano disse-me que acreditava que os portugueses queriam fazer crer que não tinham nada a ver com a escravatura e o tráfico de escravos. Esta opinião parece generalizada, contudo, é corroborada pelo concurso mediático "7 Maravilhas de Origem Portuguesa no Mundo" na Internet(www.7maravilhas.sapo.pt/). O concurso é realizado pela New 7 Wonders Portugal e tem como essência dar a conhecer monumentos que são pouco conhecidos. A lista das 27 Maravilhas, submetidas à votação do público até Junho, integra também monumentos e sítios em África que estão estreitamente ligados à história de tráfico de escravos durante os séculos XV a XIX (Cidade Velha de Santiago, Fortaleza de São Jorge de Mina, Luanda, Ilha de Moçambique).

(...)

Contudo, a apresentação destes sítios no site do concurso nega completamente esta parte da história, como se estes não tivessem tido nada a ver com o tráfico negreiro. De facto, o contrário é a verdade.

(...)

Perto de Luanda existe desde 1997 um Museu Nacional de Escravatura em memória do tráfico de escravos ocorrido em terras angolanas, dos séculos XV a XIX.

(...)

A importância destes sítios para o tráfico de escravos é bem conhecida. Todos aparecem também em "Lugares de Memória da Escravatura e do Tráfico Negreiro", uma publicação do Comité Português de «A Rota de Escravos», da UNESCO. Posto isto, pergunto-me se é possível separar a estética e arquitectura dos monumentos da sua função contemporânea e parte crucial da sua história elegendo-os como Maravilhas que "constituem expressão de forma ímpar como os Portugueses se inseriram em terras e comunidades muito diversificadas do ponto de vista étnico, cultural, linguístico e religioso" (Texto de António Vitorino (PS), o comissário do concurso, no site do concurso).

A omissão, negação e manipulação de episódios indesejáveis da história é uma prática frequente em regimes totalitários. Não se entende que 35 anos depois do 25 de Abril se recorra, em Portugal, a estes métodos de negacionismo apagando de propósito parte da história da expansão marítima portuguesa. O facto que o concurso tem o patrocínio da Presidência da República, o apoio do Ministério da Cultura, Ministério da Educação, Instituto Camões e da Universidade de Coimbra e, além disso, conta com media partners como os jornais Diário de Notícias e Jornal de Notícias, sugere que uma parte da elite intelectual e política portuguesa partilha uma tal percepção selectiva da história do seu país. O governo de José Sócrates quer estabelecer em Lisboa um centro cultural africano para reforçar a ideia que Portugal é uma ponte privilegiada entre Europa e África. Internacionalmente, sobretudo no continente africano, esta pretensão teria muito mais credibilidade, se Portugal assumisse toda a sua história em relação à África e aos africanos, sem apagar a sua participação no tráfico de escravos.

Por Gerhard Seibert - Investigador em Estudos Africanos

[Leia o texto integral aqui]



Echoed here

Thursday, 16 April 2009

LUANDANDO (V)


Picturei estes paineis, entitulados "Portugal no Mundo", atraves do gradeamento que da' acesso a um atrio no interior do edificio da Marinha de Guerra de Angola (sao claramente do periodo colonial, mas foi a primeira vez que os vi... nao estava la' ninguem, o gradeamento estava fechado a cadeado...), situado na continuacao do Largo Tristao da Cunha


Ao lado, (re)construcao de...


... "calcada portuguesa"!

Do outro lado da rua, o novo (renovado?) "Palacio das Comunicacoes"


{Bom, pelos vistos nem tudo o que e' (ou parece a alguns) "patrimonio nacional" esta' a ser destruido...}

E, por falar nisso, nao muito longe dali...


O tristemente celebre "Palacio de Dona Ana Joaquina"



Marco, 2009

Picturei estes paineis, entitulados "Portugal no Mundo", atraves do gradeamento que da' acesso a um atrio no interior do edificio da Marinha de Guerra de Angola (sao claramente do periodo colonial, mas foi a primeira vez que os vi... nao estava la' ninguem, o gradeamento estava fechado a cadeado...), situado na continuacao do Largo Tristao da Cunha


Ao lado, (re)construcao de...


... "calcada portuguesa"!

Do outro lado da rua, o novo (renovado?) "Palacio das Comunicacoes"


{Bom, pelos vistos nem tudo o que e' (ou parece a alguns) "patrimonio nacional" esta' a ser destruido...}

E, por falar nisso, nao muito longe dali...


O tristemente celebre "Palacio de Dona Ana Joaquina"



Marco, 2009

Tuesday, 14 April 2009

FUNDACAO AGOSTINHO NETO

Acabo de receber este anuncio por um mailing de Irene Neto, filha de Agostinho Neto.
Acabo de receber este anuncio por um mailing de Irene Neto, filha de Agostinho Neto.

Saturday, 11 April 2009

ANA PAULA TAVARES: POESIA & HISTORIA


Na área da cultura, quem eram as pessoas que estavam a produzir?

Fazendo o paralelo com a literatura, foi o período das Brigadas.

Jovens da Literatura?

A União e Escritores Angolanos foi criada logo a seguir à independência, e lançou o apelo aos jovens para homenagearem o poeta maior, com elegias em torno da figura de Agostinho Neto. Isso foi o mote, mas depois sentiram quase a obrigação de se reunirem, de produzir folhinhas, jornais, publicações. E surgiram as Brigadas Jovens da Literatura. Sobretudo em Luanda, mas as do Huambo, Benguela e Lubango também publicaram coisas interessantes.

O que acha desse tipo de literature programática, que serve fins políticos?

Talvez na altura não houvesse como não passar por isso, era necessário. Mas alguns jovens começaram a publicar por eles próprios ou criaram projectos, como o Luandanje.

Chegou a escrever esse tipo de poemas na altura?

Não, fiquei caladinha. Mas eu sempre escrevi, desde pequenina, até para resolver os meus próprios medos. Pensava-me uma pessoa muito mais velha do que era, e achava que estava a fazer coisas tão importantes como alfabetizar, os inventários culturais, andar de jipe para trás e para a frente, que a escrita ia para a gaveta. No entanto, com 30 e poucos anos disse: “ou publico agora ou já não publico”. Então apresentei um projecto de Caderno ao Luandino Vieira e à UEA, que tinha um conjunto de escritores consagrados, que analisavam estes jovens pretendentes a escritores. Aquilo fugia um pouco à norma, mas tiveram a sensibilidade de publicar. Chamava-se “Ritos de Passagem” e causou alguma polémica.

Que tipo de polémica?

Fui acusada de ter falta de homem, ressabiada, pornógrafa. Mas teve um certo eco. Nessa altura, surge uma data de gente a publicar que já não tinha a ver com o tipo de poesia de que falávamos, como a Ana Santana, João Maimona, José Luís Mendonça.

Surge o projecto Archote, um jornal que pretendia divulgar ficção e ensaio, onde estalou uma polémica entre Nelson Pestana Bonavena, Luís Kandjimbo e Carlos Pacheco em torno do primeiro poeta que publicou no século XIX (que era benguelense). Resultaram ensaios muito bons e essa dinâmica despoletou esta veia ensaística neles, apesar de terem seguido caminhos tão diferentes.

Nessa altura, pessoas como Ruy Duarte e David Mestre publicavam poesia e ensaio, respectivamente, sobre cinema e literatura. O Ruy Duarte começara o seu trabalho sobre os Muxiluanda da ilha, que daria origem a “Ana a manda”. Arnaldo Santos também publicava ensaios. Uma coisa fundamental era o suplemento cultural de Domingo no Jornal de Angola. Foi ali que muita gente publicou pela primeira vez. E também as revistas Mensagem e Novembro, além da actividade cultural que começou nos anos 80. que era “Maka à 4ª feira” na UEA, onde se discutiam ideias e trabalhos.

E havia interesse pelo que se passava culturalmente noutras partes do mundo? Quais eram as principais referências? Calculo que latino-americanas...

Mergulhou-se noutras literaturas que passaram a circular. Cuba passa a ser uma referência fundamental. Tenho uma pena da má interpretação desta possibilidade de encontro de cubanos e angolanos, um equívoco ainda não resolvido, pois podia ter sido potenciador para as duas partes.

[Aqui]


{E, ja' agora, podera' ler algo parcialmente relacionado com esta entrevista aqui , aqui, aqui e aqui}

Na área da cultura, quem eram as pessoas que estavam a produzir?

Fazendo o paralelo com a literatura, foi o período das Brigadas.

Jovens da Literatura?

A União e Escritores Angolanos foi criada logo a seguir à independência, e lançou o apelo aos jovens para homenagearem o poeta maior, com elegias em torno da figura de Agostinho Neto. Isso foi o mote, mas depois sentiram quase a obrigação de se reunirem, de produzir folhinhas, jornais, publicações. E surgiram as Brigadas Jovens da Literatura. Sobretudo em Luanda, mas as do Huambo, Benguela e Lubango também publicaram coisas interessantes.

O que acha desse tipo de literature programática, que serve fins políticos?

Talvez na altura não houvesse como não passar por isso, era necessário. Mas alguns jovens começaram a publicar por eles próprios ou criaram projectos, como o Luandanje.

Chegou a escrever esse tipo de poemas na altura?

Não, fiquei caladinha. Mas eu sempre escrevi, desde pequenina, até para resolver os meus próprios medos. Pensava-me uma pessoa muito mais velha do que era, e achava que estava a fazer coisas tão importantes como alfabetizar, os inventários culturais, andar de jipe para trás e para a frente, que a escrita ia para a gaveta. No entanto, com 30 e poucos anos disse: “ou publico agora ou já não publico”. Então apresentei um projecto de Caderno ao Luandino Vieira e à UEA, que tinha um conjunto de escritores consagrados, que analisavam estes jovens pretendentes a escritores. Aquilo fugia um pouco à norma, mas tiveram a sensibilidade de publicar. Chamava-se “Ritos de Passagem” e causou alguma polémica.

Que tipo de polémica?

Fui acusada de ter falta de homem, ressabiada, pornógrafa. Mas teve um certo eco. Nessa altura, surge uma data de gente a publicar que já não tinha a ver com o tipo de poesia de que falávamos, como a Ana Santana, João Maimona, José Luís Mendonça.

Surge o projecto Archote, um jornal que pretendia divulgar ficção e ensaio, onde estalou uma polémica entre Nelson Pestana Bonavena, Luís Kandjimbo e Carlos Pacheco em torno do primeiro poeta que publicou no século XIX (que era benguelense). Resultaram ensaios muito bons e essa dinâmica despoletou esta veia ensaística neles, apesar de terem seguido caminhos tão diferentes.

Nessa altura, pessoas como Ruy Duarte e David Mestre publicavam poesia e ensaio, respectivamente, sobre cinema e literatura. O Ruy Duarte começara o seu trabalho sobre os Muxiluanda da ilha, que daria origem a “Ana a manda”. Arnaldo Santos também publicava ensaios. Uma coisa fundamental era o suplemento cultural de Domingo no Jornal de Angola. Foi ali que muita gente publicou pela primeira vez. E também as revistas Mensagem e Novembro, além da actividade cultural que começou nos anos 80. que era “Maka à 4ª feira” na UEA, onde se discutiam ideias e trabalhos.

E havia interesse pelo que se passava culturalmente noutras partes do mundo? Quais eram as principais referências? Calculo que latino-americanas...

Mergulhou-se noutras literaturas que passaram a circular. Cuba passa a ser uma referência fundamental. Tenho uma pena da má interpretação desta possibilidade de encontro de cubanos e angolanos, um equívoco ainda não resolvido, pois podia ter sido potenciador para as duas partes.

[Aqui]


{E, ja' agora, podera' ler algo parcialmente relacionado com esta entrevista aqui , aqui, aqui e aqui}

SOBRE JAZZ & CLASSICA

in Novo Jornal, Luanda, 03/04/09

Clique na imagem para a ampliar

{Tema tambem abordado, com outras notas e variacoes, aqui e aqui}
in Novo Jornal, Luanda, 03/04/09

Clique na imagem para a ampliar

{Tema tambem abordado, com outras notas e variacoes, aqui e aqui}

Friday, 10 April 2009

HAPPY EASTER!

Sunday, 5 April 2009

LUANDANDO (IV)


Felicidade, ou brinca na areia (na praia), na areia (na praia)...
Algures na Praia do Por-do-Sol (Luanda, 28/03/09)

GOOD NEWS

Ela ja' aqui havia sido referida. Agora (re)encontrei-a neste artigo na ultima edicao de um dos semanarios de Luanda:

[Clique na imagem para a ampliar]
Ela ja' aqui havia sido referida. Agora (re)encontrei-a neste artigo na ultima edicao de um dos semanarios de Luanda:

[Clique na imagem para a ampliar]

Saturday, 4 April 2009

RECENT PUBLICATIONS ON ANGOLA & MOZAMBIQUE

M. Cristina Ercolessi, "La cooperazione economica Cina-Angola," Afriche e Orienti, issue 2/08 - La Cina in Africa pp. 109-117

M. Cristina Ercolessi, "Le elezioni legislative in Angola: plebiscito per l'MPLA," Afriche e Orienti, issue 2/08 pp. 132-137

Rosa Melo (coord) (2008), Para Lá da Manipulação dos Espíritos. Crenças e Práticas de Cura entre os Handa no Sul de Angola, Série Monografias, Dakar, Codesria.

Ana F. C. Pires. "A abolição do comércio atlântico de escravos e os africanos livres no Brasil". in Gladys Lechini (org.). Los estudios afroamericanos y africanos en América Latina. Herencia, presencia e visiones del otro. Buenos Aires: Clacso Coediciones, 2008.

José C. Curto, "Experiences of Enslavement in West Central Africa," Histoire
sociale - Social History, Vol. 41, No. 82, 2008, pp. 381-415.

José C. Curto, "Angola y el comercio atlántico de africanos esclavizados,"
in Rina Cárceres Gómez, ed. Del olvido a la memoria:
Vol. 3 África en tiempos de la esclavitud. San José, CR: Oficina Regional de
la UNESCO para Centroámerica e Panamá, 2008, pp. 42-46.

Paolo Israel, "The War of Lions: Witch-Hunts, Occult Idioms and
Post-Socialism in Northern Mozambique," Journal of Southern African Studies
35, no. 1 (2009): 155-74.

Paulo Salvador, Recordar Angola: Fotos e Gentes, de Cabinda ao Cunene.
Lisboa, Quetzal, 2008, vol. 3, 227 p. ISBN 978-972-564-752-3. Excertos deste
livro, assim como dos restantes volumes já publicados, podem ser consultados
em: http://www.eraumavezangola.com/

Paolo de Renzio and Joe Hanlon, "Mozambique: contested sovereignty? The
dilemmas of aid dependence," in The politics of aid:
African strategies for dealing with donors, ed. Lindsay Whitfield, Oxford;
New York: Oxford University Press, 2009

Julie Cliff, "An orphan disease in Mozambique," The practice of
international health: a case-based orientation, ed., Daniel Perlman and
Ananya Roy, Oxford; New York: Oxford University Press, 2009

Harry G. West, "From socialist chiefs to postsocialist cadres:
neotraditional authority in neoliberal Mozambique," in Enduring socialism:
explorations of revolution and transformation, restoration and continuation,
ed. Harry G West and Parvathi Raman, New York: Berghahn Books, 2009

João M. Paraskeva, "Mozambique: neocolonialism and the remasculinization of
democracy," in The developing world and state education: neoliberal
depredation and egalitarian alternatives, ed., Dave Hill and Ellen Rosskam,
New York: Routledge, 2009

Alex Vines & Bereni Oruitemeka, "Beyond bullets to ballots: the political
reintegration of UNITA in Angola," in Reintegrating armed groups after
conflict: politics, violence and transition, ed. Mats R Berdal and David H
Ucko, Milton Park, Abingdon, Oxon; New York: Routledge, 2009

[Compiled by Kathleen Sheldon]
M. Cristina Ercolessi, "La cooperazione economica Cina-Angola," Afriche e Orienti, issue 2/08 - La Cina in Africa pp. 109-117

M. Cristina Ercolessi, "Le elezioni legislative in Angola: plebiscito per l'MPLA," Afriche e Orienti, issue 2/08 pp. 132-137

Rosa Melo (coord) (2008), Para Lá da Manipulação dos Espíritos. Crenças e Práticas de Cura entre os Handa no Sul de Angola, Série Monografias, Dakar, Codesria.

Ana F. C. Pires. "A abolição do comércio atlântico de escravos e os africanos livres no Brasil". in Gladys Lechini (org.). Los estudios afroamericanos y africanos en América Latina. Herencia, presencia e visiones del otro. Buenos Aires: Clacso Coediciones, 2008.

José C. Curto, "Experiences of Enslavement in West Central Africa," Histoire
sociale - Social History, Vol. 41, No. 82, 2008, pp. 381-415.

José C. Curto, "Angola y el comercio atlántico de africanos esclavizados,"
in Rina Cárceres Gómez, ed. Del olvido a la memoria:
Vol. 3 África en tiempos de la esclavitud. San José, CR: Oficina Regional de
la UNESCO para Centroámerica e Panamá, 2008, pp. 42-46.

Paolo Israel, "The War of Lions: Witch-Hunts, Occult Idioms and
Post-Socialism in Northern Mozambique," Journal of Southern African Studies
35, no. 1 (2009): 155-74.

Paulo Salvador, Recordar Angola: Fotos e Gentes, de Cabinda ao Cunene.
Lisboa, Quetzal, 2008, vol. 3, 227 p. ISBN 978-972-564-752-3. Excertos deste
livro, assim como dos restantes volumes já publicados, podem ser consultados
em: http://www.eraumavezangola.com/

Paolo de Renzio and Joe Hanlon, "Mozambique: contested sovereignty? The
dilemmas of aid dependence," in The politics of aid:
African strategies for dealing with donors, ed. Lindsay Whitfield, Oxford;
New York: Oxford University Press, 2009

Julie Cliff, "An orphan disease in Mozambique," The practice of
international health: a case-based orientation, ed., Daniel Perlman and
Ananya Roy, Oxford; New York: Oxford University Press, 2009

Harry G. West, "From socialist chiefs to postsocialist cadres:
neotraditional authority in neoliberal Mozambique," in Enduring socialism:
explorations of revolution and transformation, restoration and continuation,
ed. Harry G West and Parvathi Raman, New York: Berghahn Books, 2009

João M. Paraskeva, "Mozambique: neocolonialism and the remasculinization of
democracy," in The developing world and state education: neoliberal
depredation and egalitarian alternatives, ed., Dave Hill and Ellen Rosskam,
New York: Routledge, 2009

Alex Vines & Bereni Oruitemeka, "Beyond bullets to ballots: the political
reintegration of UNITA in Angola," in Reintegrating armed groups after
conflict: politics, violence and transition, ed. Mats R Berdal and David H
Ucko, Milton Park, Abingdon, Oxon; New York: Routledge, 2009

[Compiled by Kathleen Sheldon]

Friday, 3 April 2009

CAMPAIGNING A LA SOUTHAFRICAN

{click on the image for a larger view}
{click on the image for a larger view}

Thursday, 2 April 2009

KARL MARX DIXIT (SUPPOSEDLY...)

"Owners of capital will stimulate the working class to buy more and more of expensive goods, houses and technology, pushing them to take more and more expensive credits, until their debt becomes unbearable. The unpaid debt will lead to bankruptcy of banks, which will have to be nationalised, and the State will have to take the road which will eventually lead to communism."

Karl Marx, Das Kapital, 1867

This message claims to contain an amazingly prescient quote from Karl Marx, supposedly written in 1867, in which he predicts the causes and ramifications of the current world economic crisis. The quote warns that "owners of capital" will offer more and more credit to the working class until the amount of debt becomes unbearable and leads to the bankruptcy and the subsequent nationalisation of banks. The quote has been bandied around Wall Street, circulates via email and has also been posted to numerous online discussion boards and blogs. Marx's supposed words have even been included in some financial news reports.



However, the quote is almost certainly not from Karl Marx at all. According to the message, the words were included in Marx's influential political treatise "Das Kapital", which he wrote in 1867. However, extensive searches of online versions of Das Kapital have failed to reveal any such quote. Even searches on Marx and Engels collected works do not come up with the quote or anything similar.

Keep reading here...
"Owners of capital will stimulate the working class to buy more and more of expensive goods, houses and technology, pushing them to take more and more expensive credits, until their debt becomes unbearable. The unpaid debt will lead to bankruptcy of banks, which will have to be nationalised, and the State will have to take the road which will eventually lead to communism."

Karl Marx, Das Kapital, 1867

This message claims to contain an amazingly prescient quote from Karl Marx, supposedly written in 1867, in which he predicts the causes and ramifications of the current world economic crisis. The quote warns that "owners of capital" will offer more and more credit to the working class until the amount of debt becomes unbearable and leads to the bankruptcy and the subsequent nationalisation of banks. The quote has been bandied around Wall Street, circulates via email and has also been posted to numerous online discussion boards and blogs. Marx's supposed words have even been included in some financial news reports.



However, the quote is almost certainly not from Karl Marx at all. According to the message, the words were included in Marx's influential political treatise "Das Kapital", which he wrote in 1867. However, extensive searches of online versions of Das Kapital have failed to reveal any such quote. Even searches on Marx and Engels collected works do not come up with the quote or anything similar.

Keep reading here...