Monday, 26 February 2007

OSCARS: THEY WON

THE KING AND THE QUEEN: DESERVEDLY.



THE KING AND THE QUEEN: DESERVEDLY.



Sunday, 25 February 2007

TRIBUTES TO WOMEN OF SUBSTANCE: MAMPHELA RAMPHELE

Extracts from “The 6th Annual Biko Memorial Lecture” at UCT (SEP 05) and interview to The Guardian (MAR 05) by Dr. Mamphela Ramphele, Co- Chair of the Global Commission on International Migration and former Managing Director of the World Bank and UCT Vice-Chancellor.

“(…) The question facing us today is the extent to which we can demonstrate that we have indeed gone beyond the symbols of our citizenship, be they the flag, the national anthem or the values enshrined in our Constitution. Have we gone beyond singing about our beloved country to defending its values by living them out in our daily lives in the classrooms, the board rooms, the office complex, factory floor, the hospital ward, the police station, or any other space where we are active as citizens?

(…) The idea of civil service as an opportunity to serve seems to have become overshadowed by the notion of civil service as a job opportunity for the individual involved. The wisdom embedded in the idea that “In serving each other, we become free” as William Nicholson put it, is lost on the many civil servants who fail to pass the test of common courtesy to citizens who are entitled to public services. Some of the officials behave no different from their apartheid predecessors in treating their fellow citizens with disrespect. Could it be that some of our civil servants have yet to take delivery of the freedom that would have made them recognize the sacred duty of serving their fellow citizens with dignity? Could it also be that the linkage of service with subservience for the majority of poor black people in the bad apartheid years has damaged the capacity for service in some people in the civil service of the new democracy? Whatever the reason, it is not acceptable for civil servants to expect taxpayers to continue to pay them for the privilege to be insulted.

The government for its part, needs to set and enforce the parameters for accountability. Party loyalty is not a sufficient basis for appointment to public service. The appalling skills gaps in the civil service as well as the unsustainable vacancy rates reflect not only lack of skills, but the corroding impact of politicization of appointments at many levels of our civil service. There are too many skilled professionals being denied job opportunities at the various levels of government because they are outside of the party political networks that have captured civil service jobs for patronage. Comparative analyses worldwide point to the importance of limiting political appointments based on loyalty only to the top layer. Strict professional competency criteria need to be applied for the rest of the system to ensure efficiency and effectiveness. We need to strengthen professional recruitment, promotion, training and retaining of public officials at all levels of government. Mediocrity has to be rooted out and meritocracy promoted. We run a serious risk of losing even more of our brightest skilled people for greener pastures where their value is more appreciated. We stand to lose the competition for skills in today’s global knowledge economy if we do not rise to the challenge of retaining those we train at great cost.

Ramphele, who was in London recently to deliver the annual lecture for the Centre on Migration, Policy and Society (Compas), talks of how much more complex migration has become. Never before, she says, has the world seen such large numbers of people living outside their country of origin - up to 200 million - with every expectation the numbers will continue to grow. Almost all countries, she says, are now touched by the phenomenon. Even Albania, which used to refuse to let anyone out, or Japan, which refused to let anyone in, have significant movements. The old distinction between countries of origin, transit and destination has become redundant. Many countries now fall into all three categories, and even the basic distinction between citizen and foreigner can no longer be applied to those with dual nationality. Still more confusing are the motives for migration, with single families having complex mixtures of economic, social, political and personal reasons for moving that could be difficult to disentangle. Just as West Africans and the people of the Sahel states and North Africa headed towards Europe, a wide band of states south of the Sahara now head towards South Africa.

For educated and ambitious young people in these sub-Saharan states, South Africa has become the most attractive nation. But the country is finding it difficult, she says, to absorb the flows, which have increased faster than the South African economy. (Although official figures show only 120,000 people applying for asylum in South Africa in the last decade, at least another million Africans - and some estimates say two million - have moved there.) "We are like a little Europe, without her resources," she says. Ramphele expresses concern at the way western governments have allowed themselves to be pushed into hardline asylum and immigration policies by the media and opposition parties. She is opposed to European proposals to set up refugee vetting camps in North Africa "in countries that are not even democratic", but she praises former home secretary David Blunkett for recognising the benefits that migrants can bring and the needs they fill, expressing hopes that other politicians will follow suit.

"We must recognise that the world's poorest countries have little real incentive to obstruct the departure of their citizens, even if they are leaving in an illegal or irregular manner," she says. "From the perspective of developing countries, migration reduces the need to create jobs for large numbers of unemployed people, especially those young people who are entering the labour market for the first time." There are, however, two important caveats to this last statement: remittance payments and the brain drain. Remittances are now providing developing states with almost twice as much as international aid - more than £75bn a year. They have played an important role in supporting families, improving lifestyles and business opportunities. The brain drain has to be tackled, Ramphele says. She rules out a ban on skilled people leaving - not least because it would be "inconsistent with my belief that migration is motivated by the very noble desire to gain a better quality of life."



Biko (Peter Gabriel/Ladysmith Black Mambazo/Geoffrey Oryema/Alex Brown/Manu Dibango)

Steve Biko, the leader of the South African Black Consciousness Movement and life partner of Mamphela Rampele, died on September 12, 1977, aged 31, after security police in Port Elizabeth beat and tortured him to death. The inquest recorded the cause of death only as brain damage. Police at the time claimed he slipped on a piece of soap while in the shower and then justice minister Jimmy Kruger famously said the death left him “cold”. About his brutal murder, former president Nelson Mandela said: “His life was extinguished with more callousness and casualness than a person snuffing out a candle flame between callused thumb and forefinger.”

While a medical student at Fort Hare University in 1967, Biko broke away from the largely white National Union of SA Students, which he said was not representative of his culture. He then formed the SA Students Organisation to lobby for black causes. In 1969 he was banned for (peaceful) political activities, including founding the Black People’s Convention which brought together various black consciousness movements to uplift areas around Durban, and founding the Black Community Programme. He was arrested on August 21, 1977 and three weeks later was dead. Biko’s concern with issues of culture, identity and the human rights of black people are expressed in his book “I Write What I Like”.

Biko's son, Nkosinathi Biko, was involved in setting up the Steve Biko Foundation and has helped establish a library and archives that collect writings by and about his father. Biko’s killers were denied amnesty by the Truth and Reconciliation Commission in February 1999.

"Nkosinathi Biko: False Medical Certificate, Dr. Benjamin Tucker" (Truth Game Series, by Sue Williamson)


(READ MORE HERE)

Extracts from “The 6th Annual Biko Memorial Lecture” at UCT (SEP 05) and interview to The Guardian (MAR 05) by Dr. Mamphela Ramphele, Co- Chair of the Global Commission on International Migration and former Managing Director of the World Bank and UCT Vice-Chancellor.

“(…) The question facing us today is the extent to which we can demonstrate that we have indeed gone beyond the symbols of our citizenship, be they the flag, the national anthem or the values enshrined in our Constitution. Have we gone beyond singing about our beloved country to defending its values by living them out in our daily lives in the classrooms, the board rooms, the office complex, factory floor, the hospital ward, the police station, or any other space where we are active as citizens?

(…) The idea of civil service as an opportunity to serve seems to have become overshadowed by the notion of civil service as a job opportunity for the individual involved. The wisdom embedded in the idea that “In serving each other, we become free” as William Nicholson put it, is lost on the many civil servants who fail to pass the test of common courtesy to citizens who are entitled to public services. Some of the officials behave no different from their apartheid predecessors in treating their fellow citizens with disrespect. Could it be that some of our civil servants have yet to take delivery of the freedom that would have made them recognize the sacred duty of serving their fellow citizens with dignity? Could it also be that the linkage of service with subservience for the majority of poor black people in the bad apartheid years has damaged the capacity for service in some people in the civil service of the new democracy? Whatever the reason, it is not acceptable for civil servants to expect taxpayers to continue to pay them for the privilege to be insulted.

The government for its part, needs to set and enforce the parameters for accountability. Party loyalty is not a sufficient basis for appointment to public service. The appalling skills gaps in the civil service as well as the unsustainable vacancy rates reflect not only lack of skills, but the corroding impact of politicization of appointments at many levels of our civil service. There are too many skilled professionals being denied job opportunities at the various levels of government because they are outside of the party political networks that have captured civil service jobs for patronage. Comparative analyses worldwide point to the importance of limiting political appointments based on loyalty only to the top layer. Strict professional competency criteria need to be applied for the rest of the system to ensure efficiency and effectiveness. We need to strengthen professional recruitment, promotion, training and retaining of public officials at all levels of government. Mediocrity has to be rooted out and meritocracy promoted. We run a serious risk of losing even more of our brightest skilled people for greener pastures where their value is more appreciated. We stand to lose the competition for skills in today’s global knowledge economy if we do not rise to the challenge of retaining those we train at great cost.

Ramphele, who was in London recently to deliver the annual lecture for the Centre on Migration, Policy and Society (Compas), talks of how much more complex migration has become. Never before, she says, has the world seen such large numbers of people living outside their country of origin - up to 200 million - with every expectation the numbers will continue to grow. Almost all countries, she says, are now touched by the phenomenon. Even Albania, which used to refuse to let anyone out, or Japan, which refused to let anyone in, have significant movements. The old distinction between countries of origin, transit and destination has become redundant. Many countries now fall into all three categories, and even the basic distinction between citizen and foreigner can no longer be applied to those with dual nationality. Still more confusing are the motives for migration, with single families having complex mixtures of economic, social, political and personal reasons for moving that could be difficult to disentangle. Just as West Africans and the people of the Sahel states and North Africa headed towards Europe, a wide band of states south of the Sahara now head towards South Africa.

For educated and ambitious young people in these sub-Saharan states, South Africa has become the most attractive nation. But the country is finding it difficult, she says, to absorb the flows, which have increased faster than the South African economy. (Although official figures show only 120,000 people applying for asylum in South Africa in the last decade, at least another million Africans - and some estimates say two million - have moved there.) "We are like a little Europe, without her resources," she says. Ramphele expresses concern at the way western governments have allowed themselves to be pushed into hardline asylum and immigration policies by the media and opposition parties. She is opposed to European proposals to set up refugee vetting camps in North Africa "in countries that are not even democratic", but she praises former home secretary David Blunkett for recognising the benefits that migrants can bring and the needs they fill, expressing hopes that other politicians will follow suit.

"We must recognise that the world's poorest countries have little real incentive to obstruct the departure of their citizens, even if they are leaving in an illegal or irregular manner," she says. "From the perspective of developing countries, migration reduces the need to create jobs for large numbers of unemployed people, especially those young people who are entering the labour market for the first time." There are, however, two important caveats to this last statement: remittance payments and the brain drain. Remittances are now providing developing states with almost twice as much as international aid - more than £75bn a year. They have played an important role in supporting families, improving lifestyles and business opportunities. The brain drain has to be tackled, Ramphele says. She rules out a ban on skilled people leaving - not least because it would be "inconsistent with my belief that migration is motivated by the very noble desire to gain a better quality of life."



Biko (Peter Gabriel/Ladysmith Black Mambazo/Geoffrey Oryema/Alex Brown/Manu Dibango)

Steve Biko, the leader of the South African Black Consciousness Movement and life partner of Mamphela Rampele, died on September 12, 1977, aged 31, after security police in Port Elizabeth beat and tortured him to death. The inquest recorded the cause of death only as brain damage. Police at the time claimed he slipped on a piece of soap while in the shower and then justice minister Jimmy Kruger famously said the death left him “cold”. About his brutal murder, former president Nelson Mandela said: “His life was extinguished with more callousness and casualness than a person snuffing out a candle flame between callused thumb and forefinger.”

While a medical student at Fort Hare University in 1967, Biko broke away from the largely white National Union of SA Students, which he said was not representative of his culture. He then formed the SA Students Organisation to lobby for black causes. In 1969 he was banned for (peaceful) political activities, including founding the Black People’s Convention which brought together various black consciousness movements to uplift areas around Durban, and founding the Black Community Programme. He was arrested on August 21, 1977 and three weeks later was dead. Biko’s concern with issues of culture, identity and the human rights of black people are expressed in his book “I Write What I Like”.

Biko's son, Nkosinathi Biko, was involved in setting up the Steve Biko Foundation and has helped establish a library and archives that collect writings by and about his father. Biko’s killers were denied amnesty by the Truth and Reconciliation Commission in February 1999.

"Nkosinathi Biko: False Medical Certificate, Dr. Benjamin Tucker" (Truth Game Series, by Sue Williamson)


(READ MORE HERE)

Friday, 23 February 2007

EXCLUSÃO SOCIAL ATINGE A MAIORIA DOS ANGOLANOS

Por Paulo de Carvalho* (2004)

O termo exclusão social é empregue para denominar o afastamento da rede de relações a que estão sujeitos alguns grupos sociais ou, dito de outra forma, «a fase extrema do processo de ‘marginalização’, entendido este como um percurso ‘descendente’, ao longo do qual se verificam sucessivas rupturas na relação do indivíduo com a sociedade». O processo de marginalização a que está sujeito o indivíduo socialmente excluído relaciona-se com a privação de direitos de cidadão (como por exemplo, o direito à livre escolha de governantes, à privacidade e a uma identidade colectiva), com dificuldades no estabelecimento de laços sociais e com dificuldades de acesso a bens socialmente desejados – instrução, assistência sanitária, emprego, rendimento e recreio, entre outros. O estudo da exclusão social pode enquadrar-se no estudo mais amplo das desigualdades sociais, a que estão sujeitos indivíduos e grupos sociais.

Já Auguste Comte reconhecia que «qualquer sociedade, até a mais restrita, supõe por evidente necessidade, não somente diversidades, mas também certas desigualdades». Apesar de nem todas as desigualdades sociais produzirem malefícios para a sociedade e suas componentes (há nomeadamente desigualdades que geram complementaridades, potenciam as aspirações e promovem a competição e a mobilidade social), a exclusão social insere-se no grupo de desigualdades que não obtêm aceitação, tanto do ponto de vista moral, quanto do ponto de vista do bem-estar social. O que se passa é que há processos sociais que lançam para a exclusão várias camadas da população, uma vez que a sociedade cria uma série de barreiras que não são transpostas por essas camadas. Quem não transpõe essas barreiras e quem não se enquadra na situação considerada normal, passa à situação de excluído. O excluído é não apenas aquele que não consegue superar as barreiras impostas pelo sistema de ensino ou pelo mercado de trabalho, mas também aquele que não perfilha os nossos pontos de vista, que não venera o mesmo Deus, que não pratica os mesmos ritos, pertence a outro grupo étnico ou tem cor de pele diferente da modal.

A exclusão social é um conceito multi-dimensional, que engloba em si factores de natureza física, geográfica, natural e simbólica. Tal como afirma Martine Xiberras, «existem… formas de exclusão que não se vêem mas que se sentem, outras que se vêem mas de que ninguém fala e … formas de exclusão completamente invisibilizadas, dado que nós nem sonhamos com a sua existência, nem possuímos a fortiori nenhum vocábulo para designá-las». É a Bruto da Costa [1998] que recorremos, para entendermos as dimensões de exclusão social. Este autor enumera cinco dimensões de exclusão. Se a elas acrescentarmos a exclusão política, teremos seis dimensões, nomeadamente: - exclusão de tipo económico, que é caracterizada por uma situação de privação múltipla, por falta de recursos (pobreza, portanto);- exclusão de tipo social, caracterizada pelo isolamento ou pela ausência de laços sociais;- exclusão de tipo cultural, que tem a ver com dificuldades de integração, em consequência de fenómenos como a xenofobia, por exemplo;- exclusão política, que se relaciona com o não exercício de direitos políticos, incluindo o direito de cidadania;- exclusão de origem patológica, designadamente de natureza psicológica ou mental;- exclusão por comportamentos auto-destrutivos, como sejam os casos do alcoolismo, tóxico-dependência ou prostituição. Os grupos socialmente excluídos encontram-se marginalizados em pelo menos uma destas dimensões da exclusão social.

Os excluídos são pessoas com uma série de «insuficiências» e desvantagens, funcionando como grupos «à parte», em oposição aos membros de «pleno direito» da sociedade. Usando a terminologia de Paugam, trata-se de indivíduos socialmente «desqualificados», que «perdem progressivamente a sua dignidade a seguir a uma desclassificação … ou a seguir a uma sucessão de tentativas falhadas de inserção». Segundo a definição de exclusão social que aqui empregamos, a maioria dos angolanos encontra-se socialmente excluída. Em Angola, é importante constatar que, ao invés da adopção do consenso de Estado fraco (com fortalecimento da sociedade civil), os últimos anos do século XX trouxeram o fortalecimento do poder do Estado sobre o indivíduo e a sociedade. Contribuíram para isso a conjuntura internacional e a guerra. As iniciativas de liberalização assumidas no período 1991-1992 foram adiadas, devido ao retorno aos confrontos armados. As condições políticas em que Angola chegou ao final do século XX fizeram aumentar a situação de pré-contratualismo e pós-contratualismo, deixando a maioria dos cidadãos para além da fronteira do contratualismo, ou seja, em situação de exclusão política, económica, cultural ou patológica. A ausência de respeito pelo direito à vida foi, durante algumas décadas, o exemplo mais flagrante de ausência de contratualização social em Angola. Desde tenra idade, o angolano foi visto, não como cidadão, mas como instrumento para utilização indiscriminada por parte dos dois poderes em guerra. Os excluídos fazem assim parte de uma categoria social bastante numerosa, à qual se nega o exercício de direitos de cidadania, o acesso ao bem-estar e à instrução. Em contrapartida, as autoridades garantem a manutenção do status quo, ao mesmo tempo que velam pela manutenção das barreiras à mobilidade social – da exclusão à inclusão.

Num país como Angola, a lógica de exclusão social é simultaneamente uma lógica de subalternização e servidão, que gera falta de estabilidade emocional e ansiedade. As características principais dos excluídos angolanos são: - o deficiente acesso a instrução de qualidade e ausência de qualificação profissional,- a precariedade do emprego, traduzida através de baixos salários e da ausência de emprego de longa duração,- a tendência para o recurso ao mercado informal ou a actividades ilegais (prostituição e delinquência),- uma longa permanência em estado de pobreza,- a precariedade de laços sociais (e de solidariedade grupal), que conduz à debilidade das condições de vida e contribui para a reprodução da exclusão social,- a segregação espacial, através da residência em espaços geográficos pré-determinados – os subúrbios das cidades,- a ausência de perspectiva em relação à melhoria das condições de vida. Existem, portanto, condições para se falar em exclusão social na sociedade central angolana. Trata-se de uma sociedade com relações de produção do tipo capitalista, que se enquadra no grupo de sociedades periféricas a nível mundial. Se Angola se encontra (por um lado) excluída ao nível do sistema mundial, por outro lado, existem internamente pessoas às quais se veda o acesso aos bens sociais e que vão experimentando sucessivas rupturas na relação com a sociedade.

(*) O autor é Sociólogo, membro da Sociedade Angolana de Sociologia e Professor Associado na Universidade Agostinho Neto, tendo sido agraciado em 2000 com o Premio Nacional de Cultura e Artes na categoria de Investigacao em Ciencias Sociais e Humanas.

Fotos: DeLima
Por Paulo de Carvalho* (2004)

O termo exclusão social é empregue para denominar o afastamento da rede de relações a que estão sujeitos alguns grupos sociais ou, dito de outra forma, «a fase extrema do processo de ‘marginalização’, entendido este como um percurso ‘descendente’, ao longo do qual se verificam sucessivas rupturas na relação do indivíduo com a sociedade». O processo de marginalização a que está sujeito o indivíduo socialmente excluído relaciona-se com a privação de direitos de cidadão (como por exemplo, o direito à livre escolha de governantes, à privacidade e a uma identidade colectiva), com dificuldades no estabelecimento de laços sociais e com dificuldades de acesso a bens socialmente desejados – instrução, assistência sanitária, emprego, rendimento e recreio, entre outros. O estudo da exclusão social pode enquadrar-se no estudo mais amplo das desigualdades sociais, a que estão sujeitos indivíduos e grupos sociais.

Já Auguste Comte reconhecia que «qualquer sociedade, até a mais restrita, supõe por evidente necessidade, não somente diversidades, mas também certas desigualdades». Apesar de nem todas as desigualdades sociais produzirem malefícios para a sociedade e suas componentes (há nomeadamente desigualdades que geram complementaridades, potenciam as aspirações e promovem a competição e a mobilidade social), a exclusão social insere-se no grupo de desigualdades que não obtêm aceitação, tanto do ponto de vista moral, quanto do ponto de vista do bem-estar social. O que se passa é que há processos sociais que lançam para a exclusão várias camadas da população, uma vez que a sociedade cria uma série de barreiras que não são transpostas por essas camadas. Quem não transpõe essas barreiras e quem não se enquadra na situação considerada normal, passa à situação de excluído. O excluído é não apenas aquele que não consegue superar as barreiras impostas pelo sistema de ensino ou pelo mercado de trabalho, mas também aquele que não perfilha os nossos pontos de vista, que não venera o mesmo Deus, que não pratica os mesmos ritos, pertence a outro grupo étnico ou tem cor de pele diferente da modal.

A exclusão social é um conceito multi-dimensional, que engloba em si factores de natureza física, geográfica, natural e simbólica. Tal como afirma Martine Xiberras, «existem… formas de exclusão que não se vêem mas que se sentem, outras que se vêem mas de que ninguém fala e … formas de exclusão completamente invisibilizadas, dado que nós nem sonhamos com a sua existência, nem possuímos a fortiori nenhum vocábulo para designá-las». É a Bruto da Costa [1998] que recorremos, para entendermos as dimensões de exclusão social. Este autor enumera cinco dimensões de exclusão. Se a elas acrescentarmos a exclusão política, teremos seis dimensões, nomeadamente: - exclusão de tipo económico, que é caracterizada por uma situação de privação múltipla, por falta de recursos (pobreza, portanto);- exclusão de tipo social, caracterizada pelo isolamento ou pela ausência de laços sociais;- exclusão de tipo cultural, que tem a ver com dificuldades de integração, em consequência de fenómenos como a xenofobia, por exemplo;- exclusão política, que se relaciona com o não exercício de direitos políticos, incluindo o direito de cidadania;- exclusão de origem patológica, designadamente de natureza psicológica ou mental;- exclusão por comportamentos auto-destrutivos, como sejam os casos do alcoolismo, tóxico-dependência ou prostituição. Os grupos socialmente excluídos encontram-se marginalizados em pelo menos uma destas dimensões da exclusão social.

Os excluídos são pessoas com uma série de «insuficiências» e desvantagens, funcionando como grupos «à parte», em oposição aos membros de «pleno direito» da sociedade. Usando a terminologia de Paugam, trata-se de indivíduos socialmente «desqualificados», que «perdem progressivamente a sua dignidade a seguir a uma desclassificação … ou a seguir a uma sucessão de tentativas falhadas de inserção». Segundo a definição de exclusão social que aqui empregamos, a maioria dos angolanos encontra-se socialmente excluída. Em Angola, é importante constatar que, ao invés da adopção do consenso de Estado fraco (com fortalecimento da sociedade civil), os últimos anos do século XX trouxeram o fortalecimento do poder do Estado sobre o indivíduo e a sociedade. Contribuíram para isso a conjuntura internacional e a guerra. As iniciativas de liberalização assumidas no período 1991-1992 foram adiadas, devido ao retorno aos confrontos armados. As condições políticas em que Angola chegou ao final do século XX fizeram aumentar a situação de pré-contratualismo e pós-contratualismo, deixando a maioria dos cidadãos para além da fronteira do contratualismo, ou seja, em situação de exclusão política, económica, cultural ou patológica. A ausência de respeito pelo direito à vida foi, durante algumas décadas, o exemplo mais flagrante de ausência de contratualização social em Angola. Desde tenra idade, o angolano foi visto, não como cidadão, mas como instrumento para utilização indiscriminada por parte dos dois poderes em guerra. Os excluídos fazem assim parte de uma categoria social bastante numerosa, à qual se nega o exercício de direitos de cidadania, o acesso ao bem-estar e à instrução. Em contrapartida, as autoridades garantem a manutenção do status quo, ao mesmo tempo que velam pela manutenção das barreiras à mobilidade social – da exclusão à inclusão.

Num país como Angola, a lógica de exclusão social é simultaneamente uma lógica de subalternização e servidão, que gera falta de estabilidade emocional e ansiedade. As características principais dos excluídos angolanos são: - o deficiente acesso a instrução de qualidade e ausência de qualificação profissional,- a precariedade do emprego, traduzida através de baixos salários e da ausência de emprego de longa duração,- a tendência para o recurso ao mercado informal ou a actividades ilegais (prostituição e delinquência),- uma longa permanência em estado de pobreza,- a precariedade de laços sociais (e de solidariedade grupal), que conduz à debilidade das condições de vida e contribui para a reprodução da exclusão social,- a segregação espacial, através da residência em espaços geográficos pré-determinados – os subúrbios das cidades,- a ausência de perspectiva em relação à melhoria das condições de vida. Existem, portanto, condições para se falar em exclusão social na sociedade central angolana. Trata-se de uma sociedade com relações de produção do tipo capitalista, que se enquadra no grupo de sociedades periféricas a nível mundial. Se Angola se encontra (por um lado) excluída ao nível do sistema mundial, por outro lado, existem internamente pessoas às quais se veda o acesso aos bens sociais e que vão experimentando sucessivas rupturas na relação com a sociedade.

(*) O autor é Sociólogo, membro da Sociedade Angolana de Sociologia e Professor Associado na Universidade Agostinho Neto, tendo sido agraciado em 2000 com o Premio Nacional de Cultura e Artes na categoria de Investigacao em Ciencias Sociais e Humanas.

Fotos: DeLima

Thursday, 22 February 2007

A DETENCAO DE SARAH WYKES EM CABINDA

Para mim, ainda nao estao suficientemente claros os contornos da detencao em Cabinda, no passado domingo, da Dra. Sarah Wykes, investigadora vinculada a Global Witness, sob acusacao de espionagem, ou das circunstancias e condicoes da sua libertacao, ocorrida ontem.
Dito isso, e sabendo-se que Wykes se encontrava em Cabinda para, segundo a Global Witness , "falar com a sociedade civil, companhias e o governo para avaliar o progresso feito na melhoria da transparencia do dinheiro do sector petrolifero Angolano, que constitui a maior parte do orcamento do governo", parece-me no minimo estranho que ela tenha entrado no pais sem autorizacao do governo para tal. E, se entrou com autorizacao (visto) e conhecimento por parte do governo do programa da sua visita, nao e' compreensivel, nem admissivel, que ela tenha sido detida no exercicio da sua missao, a menos que isso possa ser justificado juridicamente sob o "estatuto especial" de Cabinda. Por isso prefiro aguardar pelas suas proprias declaracoes e, possivelmente, pelo pronunciamento de entidades juridicas internacionais, para emitir qualquer outra opiniao a nao ser, por agora, congratular-me com a sua libertacao, ainda que condicionada, pois continua impedida de sair do territorio nacional.

Entretanto, e notando previamente que a Iniciativa de Transparencia nas Industrias Extractivas (ITIE) nao e' uma iniciativa da Global Witness e que Angola ainda nao e' formalmente membro da ITIE (embora esta afirme na sua website que o sistema de publicacao das contas petroliferas vem melhorando no pais e que o governo Angolano deu o seu acordo a um programa de assistencia tecnica relacionada com a transparencia pelo Banco Mundial e esta' presentemente a considerar a implementacao ou nao da ITIE), tomo esta oportunidade para reproduzir aqui um texto que escrevi, a seu pedido, para um membro de uma ONG Angolana ligada ao sector da Justica Economica, em preparacao para a participacao da sua organizacao nas conferencias internacionais da ITIE, que tiveram lugar durante o ultimo trimestre do ano passado nas cidades de Bona, Alemanha e Oslo, Noruega:

A ITIE e' uma parceria internacional criada em 2003, em Londres, congregando varios paises doadores e implementadores, companhias extractivas, associacoes industriais do sector, instituicoes financeiras internacionais, ONGs internacionais (incluindo a Global Witness) e investidores internacionais. Essa parceria visa aumentar a transparencia dos fluxos de pagamentos das companhias envolvidas nessas industrias aos governos e entidades governamentais, assim como das receitas dos governos provenientes dessas industrias. As industrias extractivas incluem a exploracao de petroleo, gas e outros minerais (diamantes, ouro, cobre, platinium, etc.). Em linhas gerais, a ITIE pretende promover a obtencao de um acordo a nivel do pais aderente que estabeleca provisoes para a publicacao anual pelas companhias extractivas dos seus pagamentos ao governo e dos recebimentos por parte deste. Uma vez obtida a adesao do pais, essa publicacao devera' ser feita a uma terceira parte a ser identificada no seio da ITIE e os dados fornecidos deverao ser compilados e agregados conforme necessario para a producao de um relatorio anual sumarizado referente ao pais, o qual sera’ posto a disposicao do publico em geral para consulta.

As receitas que os governos obteem dessas industrias proveem normalmente de impostos, royalties, bonus e outros pagamentos, mas a falta de transparencia e responsabilizacao sobre esses rendimentos, particularmente em paises quase exclusivamente dependentes dessas industrias como o nosso, faz com que em vez de contribuirem, como deveriam, para o desenvolvimento, levem facilmente a corrupcao e ao exacerbamento da pobreza, quando nao a conflitos militares, tendo-se provado ao longo dos anos a existencia, particularmente em Africa, de uma forte correlacao entre a presenca de vastos recursos naturais num pais e altos niveis de pobreza e propensao para conflitos nesse mesmo pais. Portanto, a primeira vantagem da adesao a ITIE e’ a minimizacao e, idealmente, eliminacao, desses efeitos perversos no processo de desenvolvimento do modus operandi das industrias extractivas e dos governos dos paises nos quais elas operam.

Um outro efeito perverso da corrupcao a volta das industrias extractivas e’ a alta propensao de essa corrupcao se generalizar ao resto do sistema governativo, economico e social do pais, ao ponto de provocar uma descida geral dos indices de desenvolvimento comparativamente a paises que nao possuam tais recursos, fazendo com que potenciais investidores nos sectores nao extractivos prefiram investir nestes ultimos paises em detrimento dos ricos em recursos naturais. Portanto, o aumento da transparencia e da informacao sobre os rendimentos do governo provenientes das industrias extractivas tem o potencial de dar poder aos cidadaos e ‘as instituicoes para responsabilizarem os governantes sobre a aplicacao desses rendimentos. As vantagens sao obvias: torna-se mais dificil para os governantes o desvio de fundos que deveriam ser empregues em programas de desenvolvimento social; o ambiente de negocios torna-se mais atractivo para os investidores nacionais e estrangeiros; as companhias envolvidas a montante e a juzante das industrias extractivas e noutros sectores economicos podem beneficiar de um ambiente de competicao empresarial mais saudavel, justo e honesto e, portanto, de uma maior predictabilidade para os seus investimentos e lucros e, no que toca particularmente ao sector petrolifero, de melhores perspectivas de seguranca energetica para o pais e o resto do mundo.

No entanto, a ITIE nao envolve apenas os parceiros acima citados, mas tambem outras partes publicas e privadas, nomeadamente grupos comunitarios e organizacoes da sociedade civil dos paises produtores, interessadas em contribuir voluntariamente para o desenvolvimento de um quadro institucional nacional que promova a transparencia e a responsabilizacao nas industrias extractivas. Assim, a adesao a ITIE permite promover o entendimento pelos cidadaos das despesas e receitas do estado e, dessa forma, contribuir para o debate publico e a escolha informada das opcoes de desenvolvimento mais apropriadas, sustentaveis e realisticas para o pais. Por exemplo, os processos de elaboracao, discussao, aprovacao e revisao do Orcamento Geral do Estado beneficiariam grandemente de um melhor conhecimento daqueles montantes e seus destinos, permitindo assim um envolvimento mais activo e produtivo dos parlamentares e da sociedade civil nesses processos, bem como o direccionamento efectivo para programas de combate a pobreza dos fundos excedentarios gerados pelos diferenciais entre o preco real do petroleo e as estimativas ex-ante do governo.

Por ultimo, mas nao menos importante, um beneficio absolutamente nao negligenciavel da adesao a ITIE seria a melhoria do ranking do pais nos indices de percepcao de corrupcao da Transparencia Internacional (uma ONG tambem afiliada a ITIE), com base nos quais cada vez mais a reputacao dos paises e’ medida, tanto para efeitos de investimento produtivo ou financeiro, quanto para ajuda internacional, ou mesmo turismo. A adesao a ITIE em muito contribuiria para esse desiderato, porque atraves dela os paises, organizacoes e instituicoes aderentes tambem podem obter assistencia tecnica para melhorarem as suas performances nos varios dominios da gestao e responsabilizacao governativa.

Em anexo, mando-lhe o texto de um discurso proferido, em 2003, pelo Presidente Obasanjo no decimo aniversario da Transparencia Internacional, da qual foi um dos fundadores, que ilustra a trajectoria da Nigeria nesse dominio:

Nigeria: From Pond of Corruption to Island of Integrity
Para mim, ainda nao estao suficientemente claros os contornos da detencao em Cabinda, no passado domingo, da Dra. Sarah Wykes, investigadora vinculada a Global Witness, sob acusacao de espionagem, ou das circunstancias e condicoes da sua libertacao, ocorrida ontem.
Dito isso, e sabendo-se que Wykes se encontrava em Cabinda para, segundo a Global Witness , "falar com a sociedade civil, companhias e o governo para avaliar o progresso feito na melhoria da transparencia do dinheiro do sector petrolifero Angolano, que constitui a maior parte do orcamento do governo", parece-me no minimo estranho que ela tenha entrado no pais sem autorizacao do governo para tal. E, se entrou com autorizacao (visto) e conhecimento por parte do governo do programa da sua visita, nao e' compreensivel, nem admissivel, que ela tenha sido detida no exercicio da sua missao, a menos que isso possa ser justificado juridicamente sob o "estatuto especial" de Cabinda. Por isso prefiro aguardar pelas suas proprias declaracoes e, possivelmente, pelo pronunciamento de entidades juridicas internacionais, para emitir qualquer outra opiniao a nao ser, por agora, congratular-me com a sua libertacao, ainda que condicionada, pois continua impedida de sair do territorio nacional.

Entretanto, e notando previamente que a Iniciativa de Transparencia nas Industrias Extractivas (ITIE) nao e' uma iniciativa da Global Witness e que Angola ainda nao e' formalmente membro da ITIE (embora esta afirme na sua website que o sistema de publicacao das contas petroliferas vem melhorando no pais e que o governo Angolano deu o seu acordo a um programa de assistencia tecnica relacionada com a transparencia pelo Banco Mundial e esta' presentemente a considerar a implementacao ou nao da ITIE), tomo esta oportunidade para reproduzir aqui um texto que escrevi, a seu pedido, para um membro de uma ONG Angolana ligada ao sector da Justica Economica, em preparacao para a participacao da sua organizacao nas conferencias internacionais da ITIE, que tiveram lugar durante o ultimo trimestre do ano passado nas cidades de Bona, Alemanha e Oslo, Noruega:

A ITIE e' uma parceria internacional criada em 2003, em Londres, congregando varios paises doadores e implementadores, companhias extractivas, associacoes industriais do sector, instituicoes financeiras internacionais, ONGs internacionais (incluindo a Global Witness) e investidores internacionais. Essa parceria visa aumentar a transparencia dos fluxos de pagamentos das companhias envolvidas nessas industrias aos governos e entidades governamentais, assim como das receitas dos governos provenientes dessas industrias. As industrias extractivas incluem a exploracao de petroleo, gas e outros minerais (diamantes, ouro, cobre, platinium, etc.). Em linhas gerais, a ITIE pretende promover a obtencao de um acordo a nivel do pais aderente que estabeleca provisoes para a publicacao anual pelas companhias extractivas dos seus pagamentos ao governo e dos recebimentos por parte deste. Uma vez obtida a adesao do pais, essa publicacao devera' ser feita a uma terceira parte a ser identificada no seio da ITIE e os dados fornecidos deverao ser compilados e agregados conforme necessario para a producao de um relatorio anual sumarizado referente ao pais, o qual sera’ posto a disposicao do publico em geral para consulta.

As receitas que os governos obteem dessas industrias proveem normalmente de impostos, royalties, bonus e outros pagamentos, mas a falta de transparencia e responsabilizacao sobre esses rendimentos, particularmente em paises quase exclusivamente dependentes dessas industrias como o nosso, faz com que em vez de contribuirem, como deveriam, para o desenvolvimento, levem facilmente a corrupcao e ao exacerbamento da pobreza, quando nao a conflitos militares, tendo-se provado ao longo dos anos a existencia, particularmente em Africa, de uma forte correlacao entre a presenca de vastos recursos naturais num pais e altos niveis de pobreza e propensao para conflitos nesse mesmo pais. Portanto, a primeira vantagem da adesao a ITIE e’ a minimizacao e, idealmente, eliminacao, desses efeitos perversos no processo de desenvolvimento do modus operandi das industrias extractivas e dos governos dos paises nos quais elas operam.

Um outro efeito perverso da corrupcao a volta das industrias extractivas e’ a alta propensao de essa corrupcao se generalizar ao resto do sistema governativo, economico e social do pais, ao ponto de provocar uma descida geral dos indices de desenvolvimento comparativamente a paises que nao possuam tais recursos, fazendo com que potenciais investidores nos sectores nao extractivos prefiram investir nestes ultimos paises em detrimento dos ricos em recursos naturais. Portanto, o aumento da transparencia e da informacao sobre os rendimentos do governo provenientes das industrias extractivas tem o potencial de dar poder aos cidadaos e ‘as instituicoes para responsabilizarem os governantes sobre a aplicacao desses rendimentos. As vantagens sao obvias: torna-se mais dificil para os governantes o desvio de fundos que deveriam ser empregues em programas de desenvolvimento social; o ambiente de negocios torna-se mais atractivo para os investidores nacionais e estrangeiros; as companhias envolvidas a montante e a juzante das industrias extractivas e noutros sectores economicos podem beneficiar de um ambiente de competicao empresarial mais saudavel, justo e honesto e, portanto, de uma maior predictabilidade para os seus investimentos e lucros e, no que toca particularmente ao sector petrolifero, de melhores perspectivas de seguranca energetica para o pais e o resto do mundo.

No entanto, a ITIE nao envolve apenas os parceiros acima citados, mas tambem outras partes publicas e privadas, nomeadamente grupos comunitarios e organizacoes da sociedade civil dos paises produtores, interessadas em contribuir voluntariamente para o desenvolvimento de um quadro institucional nacional que promova a transparencia e a responsabilizacao nas industrias extractivas. Assim, a adesao a ITIE permite promover o entendimento pelos cidadaos das despesas e receitas do estado e, dessa forma, contribuir para o debate publico e a escolha informada das opcoes de desenvolvimento mais apropriadas, sustentaveis e realisticas para o pais. Por exemplo, os processos de elaboracao, discussao, aprovacao e revisao do Orcamento Geral do Estado beneficiariam grandemente de um melhor conhecimento daqueles montantes e seus destinos, permitindo assim um envolvimento mais activo e produtivo dos parlamentares e da sociedade civil nesses processos, bem como o direccionamento efectivo para programas de combate a pobreza dos fundos excedentarios gerados pelos diferenciais entre o preco real do petroleo e as estimativas ex-ante do governo.

Por ultimo, mas nao menos importante, um beneficio absolutamente nao negligenciavel da adesao a ITIE seria a melhoria do ranking do pais nos indices de percepcao de corrupcao da Transparencia Internacional (uma ONG tambem afiliada a ITIE), com base nos quais cada vez mais a reputacao dos paises e’ medida, tanto para efeitos de investimento produtivo ou financeiro, quanto para ajuda internacional, ou mesmo turismo. A adesao a ITIE em muito contribuiria para esse desiderato, porque atraves dela os paises, organizacoes e instituicoes aderentes tambem podem obter assistencia tecnica para melhorarem as suas performances nos varios dominios da gestao e responsabilizacao governativa.

Em anexo, mando-lhe o texto de um discurso proferido, em 2003, pelo Presidente Obasanjo no decimo aniversario da Transparencia Internacional, da qual foi um dos fundadores, que ilustra a trajectoria da Nigeria nesse dominio:

Nigeria: From Pond of Corruption to Island of Integrity

Tuesday, 20 February 2007

NEW COMMENTS ON (NOT SO NEW) POSTS

Now, my friends, for some reason that I still need to investigate and resolve, this blog's system has stopped to notify me automatically by e-mail of any new comments on the posts. So, unless you notify me yourselves, as one of you kindly did yesterday, until the problem is sorted (I will let you know when it is) I will only be able to spot your "latish" comments by chance... In the meantime, please try, as far as possible, to comment while posts are still on the main page, ok? I'll be extremely grateful for that. Thanks!

So far, I was able to spot new comments on the following posts:

- Obama vs Clinton
- Sentir-se em casa
- What's in a name
- Fim de ano no Luena

I would also like to suggest to the Anonymous who wrote about the laws in Brazil that it would help the cause if you could indicate any links through which the rest of us could get more information about the case you mention and the most efficient ways to help.

Thanks again to all of you for your support!
Now, my friends, for some reason that I still need to investigate and resolve, this blog's system has stopped to notify me automatically by e-mail of any new comments on the posts. So, unless you notify me yourselves, as one of you kindly did yesterday, until the problem is sorted (I will let you know when it is) I will only be able to spot your "latish" comments by chance... In the meantime, please try, as far as possible, to comment while posts are still on the main page, ok? I'll be extremely grateful for that. Thanks!

So far, I was able to spot new comments on the following posts:

-
Obama vs Clinton
- Sentir-se em casa
- What's in a name
- Fim de ano no Luena

I would also like to suggest to the Anonymous who wrote about the laws in Brazil that it would help the cause if you could indicate any links through which the rest of us could get more information about the case you mention and the most efficient ways to help.

Thanks again to all of you for your support!

Monday, 19 February 2007

MY CAMDEN

I swear to God: this is not particularly about having a go at Bono or at the Red Charity campaign or, generally, at the ever growing ‘celebrity Africa bandwagon’ I’ve been moaning about lately… (e nem sequer sobre essa coisa de "varrer o lixo para debaixo do tapete" de que falava aqui ha dias)... It’s simply, honestly, just about my Camden…
But, just to put it in context, here’s what happenned a few months ago:
As widely reported, the ‘guerrilla’ graffiti artist Banksy has spray-painted a striking, large-scale image entitled 'Sweeping It Under The Carpet' on a wall in Chalk Farm, North London. According to the Independent, the work can be "seen as a metaphor for the West’s reluctance to tackle issues such as Aids in Africa." Banksy said that the piece was also about the democratisation of subjects in works of art: "In the bad old days, it was only popes and princes who had the money to pay for their portraits to be painted. This is a portrait of a maid called Leanne who cleaned my room in a Los Angeles motel. She was quite a feisty lady."

Then, the real go was for Charlie Brooker, in the Guardian (19/05/06), to have:
“Faced with a photo of a fly-encrusted child, the natural reaction should be to reach out and help. Instead, I start hearing Bono and Coldplay in my head. It's the most mind-mangling act of branding in history. I agree with what they are saying - I just wish THEY weren't saying it. How can I open my wallet while my fists are curled with rage? Take Bono's special edition of the Independent. It's incredibly annoying. You're trapped in a windowless room with the usual tedious sods who apparently represent British culture, except suddenly they're wearing halos and pulling earnest expressions at you.
The front cover is by Damien Hirst. He's lobbed some clipart together in the shape of a cross. Across this runs a stark headline: "NO NEWS TODAY". You jerk with astonishment. No news? How can this be? Help us Bono! We don't understand! Then you spot the footnote: "Just 6,500 Africans died today as a result of a preventable, treatable disease." You nod sadly. But before you can truly contemplate this harrowing injustice, you note that Damien Hirst's name appears on the cover not once, but twice - and suddenly the footnote takes on an even more tragic dimension. Because all those people died, yet Hirst still walks the Earth. You turn the page, weeping. Inside lurk about 2,000 adverts for the new Motorola RED phone. If you buy one, an Aids charity receives an initial payment of £10, followed by 5% of all further call revenues. This is clearly a good idea. But somehow, it's also annoying. For starters, the phone costs £149, of which £139 goes toward helping Motorola. Second, it's bright red and seems doomed to appeal to arseholes who want to add conspicuous compassion to their list of needless fashion accessories. I'm not just jabbering mindlessly on the phone in your train carriage - I'm saving fuckin' lives, OK?


Page 11: a piece of artwork by renegade graffiti artist Banksy, who has defaced a wall in Chalk Farm with a picture of a hotel maid. It's called Sweeping It Under the Carpet and "can be seen as a metaphor for the west's reluctance to tackle issues such as Aids in Africa" - or another example of Banksy's tireless self-promotion; take your pick. Banksy says the maid in question "cleaned my room in a Los Angeles motel ... she was quite a feisty lady". Presumably his next portrait will depict some poor minimum-wage sod, cleaning graffiti off a wall in Chalk Farm. Provided they're "feisty" enough to appeal to him.
On it goes, with one Bonoriffic chum after another: noted philanthropist Condoleezza Rice picks her top 10 tunes (including one by U2); Stella McCartney interviews Giorgio Armani, who has designed a pair of sunglasses for the RED charity range. These cost around £72 and will make you look like Bono: buy a 10 quid pair from Boots, bung the remaining £62 to an Aids charity and not only will you enjoy a warm philanthropic glow, no one's going to shout "wanker!" at you when you walk down the high street.
In summary: it's a worthy cause, rendered annoying - and that's annoying in itself. Bono genuinely cares, cares enough to risk ridicule, which is more than most people would do, myself included. It's just that, well it's bloody Bono, isn't it?”


Well… what can I say? Apart from the fact that I really enjoyed all the fuss made about it in the papers, not just the Indy’s and Guardian’s but our own Camden New Journal and Camden Gazzette, that is. I'm just a legal alien in London who happens to love her Camden - the Market, the Lock, the Canal, the Jazz Cafe', Primrose Hill, Belzise Park, the Northern Line, the Zoo, the parts of Regent's Park, Bloomsbury, Finchley Road, Tottenham Court Road, Marylebone, St. John's Wood and Swiss Cottage that are rightfully ours (and don't you ever, ever dare to call us "imperialists"... after all, this is where "Red Ken" got most of the votes that put him where he is!), Hampstead Heat, Highgate Village, the Royal Free, Kentish Town, King's Cross, Euston, Chalk Farm, the brand new Roundhouse and Banksy’s maid included... And... yes, the graffitti is still there 9 months on... from time to time someone 'graffittis' upon it, but someone else, maybe some poor minimum-wage sod (or Banksy himself; take your pick), cleans it off... Cheers!

Photos: my own.
I swear to God: this is not particularly about having a go at Bono or at the Red Charity campaign or, generally, at the ever growing ‘celebrity Africa bandwagon’ I’ve been moaning about lately… (e nem sequer sobre essa coisa de "varrer o lixo para debaixo do tapete" de que falava aqui ha dias)... It’s simply, honestly, just about my Camden…
But, just to put it in context, here’s what happenned a few months ago:
As widely reported, the ‘guerrilla’ graffiti artist Banksy has spray-painted a striking, large-scale image entitled 'Sweeping It Under The Carpet' on a wall in Chalk Farm, North London. According to the Independent, the work can be "seen as a metaphor for the West’s reluctance to tackle issues such as Aids in Africa." Banksy said that the piece was also about the democratisation of subjects in works of art: "In the bad old days, it was only popes and princes who had the money to pay for their portraits to be painted. This is a portrait of a maid called Leanne who cleaned my room in a Los Angeles motel. She was quite a feisty lady."

Then, the real go was for Charlie Brooker, in the Guardian (19/05/06), to have:
“Faced with a photo of a fly-encrusted child, the natural reaction should be to reach out and help. Instead, I start hearing Bono and Coldplay in my head. It's the most mind-mangling act of branding in history. I agree with what they are saying - I just wish THEY weren't saying it. How can I open my wallet while my fists are curled with rage? Take Bono's special edition of the Independent. It's incredibly annoying. You're trapped in a windowless room with the usual tedious sods who apparently represent British culture, except suddenly they're wearing halos and pulling earnest expressions at you.
The front cover is by Damien Hirst. He's lobbed some clipart together in the shape of a cross. Across this runs a stark headline: "NO NEWS TODAY". You jerk with astonishment. No news? How can this be? Help us Bono! We don't understand! Then you spot the footnote: "Just 6,500 Africans died today as a result of a preventable, treatable disease." You nod sadly. But before you can truly contemplate this harrowing injustice, you note that Damien Hirst's name appears on the cover not once, but twice - and suddenly the footnote takes on an even more tragic dimension. Because all those people died, yet Hirst still walks the Earth. You turn the page, weeping. Inside lurk about 2,000 adverts for the new Motorola RED phone. If you buy one, an Aids charity receives an initial payment of £10, followed by 5% of all further call revenues. This is clearly a good idea. But somehow, it's also annoying. For starters, the phone costs £149, of which £139 goes toward helping Motorola. Second, it's bright red and seems doomed to appeal to arseholes who want to add conspicuous compassion to their list of needless fashion accessories. I'm not just jabbering mindlessly on the phone in your train carriage - I'm saving fuckin' lives, OK?


Page 11: a piece of artwork by renegade graffiti artist Banksy, who has defaced a wall in Chalk Farm with a picture of a hotel maid. It's called Sweeping It Under the Carpet and "can be seen as a metaphor for the west's reluctance to tackle issues such as Aids in Africa" - or another example of Banksy's tireless self-promotion; take your pick. Banksy says the maid in question "cleaned my room in a Los Angeles motel ... she was quite a feisty lady". Presumably his next portrait will depict some poor minimum-wage sod, cleaning graffiti off a wall in Chalk Farm. Provided they're "feisty" enough to appeal to him.
On it goes, with one Bonoriffic chum after another: noted philanthropist Condoleezza Rice picks her top 10 tunes (including one by U2); Stella McCartney interviews Giorgio Armani, who has designed a pair of sunglasses for the RED charity range. These cost around £72 and will make you look like Bono: buy a 10 quid pair from Boots, bung the remaining £62 to an Aids charity and not only will you enjoy a warm philanthropic glow, no one's going to shout "wanker!" at you when you walk down the high street.
In summary: it's a worthy cause, rendered annoying - and that's annoying in itself. Bono genuinely cares, cares enough to risk ridicule, which is more than most people would do, myself included. It's just that, well it's bloody Bono, isn't it?”


Well… what can I say? Apart from the fact that I really enjoyed all the fuss made about it in the papers, not just the Indy’s and Guardian’s but our own Camden New Journal and Camden Gazzette, that is. I'm just a legal alien in London who happens to love her Camden - the Market, the Lock, the Canal, the Jazz Cafe', Primrose Hill, Belzise Park, the Northern Line, the Zoo, the parts of Regent's Park, Bloomsbury, Finchley Road, Tottenham Court Road, Marylebone, St. John's Wood and Swiss Cottage that are rightfully ours (and don't you ever, ever dare to call us "imperialists"... after all, this is where "Red Ken" got most of the votes that put him where he is!), Hampstead Heat, Highgate Village, the Royal Free, Kentish Town, King's Cross, Euston, Chalk Farm, the brand new Roundhouse and Banksy’s maid included... And... yes, the graffitti is still there 9 months on... from time to time someone 'graffittis' upon it, but someone else, maybe some poor minimum-wage sod (or Banksy himself; take your pick), cleans it off... Cheers!

Photos: my own.

Saturday, 17 February 2007

AFRIKA

Parte d’África
Que estás morrendo
O mesmo navio negreiro
Leva agora a tua alma
Se demandavas
Os campos de café
Em abjecta escravidão
Se te deram
Atroz estigma
Muito abaixo de cão
És total e
Realmente escrava
Sublimas hoje
O rude abraço do patrão

Luís Rosa Lopes

Afri aka
Onde estão as pessoas que gritam
Mas ninguém as ouve
Onde tem as pessoas que choram
Mas ninguém as sente
Afrika
O berço da humanidade
Que já virou o berço da guerrilha
A luta pelo poder já virou partilha
A corrupção virou pastilha
A violência para nós já virou ciência
O deixar estar e andar virou paciência
O reclamar pelos nossos direitos é contra-inteligência
O paraíso natural parece estar longe da nossa existência
Afrika
Onde o estado é mais importante que o nosso
irmão
Onde o café é produzido mas não consumido pela
maioria
Onde o povo é o estado e o estado é um bocado do povo
Onde nascer pobre é crime
estudar é um privilégio
O pobre não vai a um colégio
Ser primo de! Sobrinho de! Irmão de! Filho de!
É o passaporte para o sucesso
É a porta para o emprego
É a ficha de inscrição para a escola
É a salvação para não ser analfaburro
Afrika
Onde estão todas as riquezas e os piores jagunssos
Onde comer todos os dias é um privilégio para muitos
Onde comer uma lagosta com funge não é luxo
Onde o melhor cinema vive-se todos os dias nas ruas
Afrika
Onde se paga um salário de dez cozinheiros a um
cozinheiro expatriado
Onde um pedreiro estrangeiro ganha mais que um
médico
Onde sem dinheiro morres na cama do hospital
Onde a reforma só dá para comprar uma lata de leite
Onde se assassina uma árvore para fazer uma tanga
E ninguém, ninguém grita
Afrika

Kardo Bestilo

Parte d’África
Que estás morrendo
O mesmo navio negreiro
Leva agora a tua alma
Se demandavas
Os campos de café
Em abjecta escravidão
Se te deram
Atroz estigma
Muito abaixo de cão
És total e
Realmente escrava
Sublimas hoje
O rude abraço do patrão

Luís Rosa Lopes

Afri aka
Onde estão as pessoas que gritam
Mas ninguém as ouve
Onde tem as pessoas que choram
Mas ninguém as sente
Afrika
O berço da humanidade
Que já virou o berço da guerrilha
A luta pelo poder já virou partilha
A corrupção virou pastilha
A violência para nós já virou ciência
O deixar estar e andar virou paciência
O reclamar pelos nossos direitos é contra-inteligência
O paraíso natural parece estar longe da nossa existência
Afrika
Onde o estado é mais importante que o nosso
irmão
Onde o café é produzido mas não consumido pela
maioria
Onde o povo é o estado e o estado é um bocado do povo
Onde nascer pobre é crime
estudar é um privilégio
O pobre não vai a um colégio
Ser primo de! Sobrinho de! Irmão de! Filho de!
É o passaporte para o sucesso
É a porta para o emprego
É a ficha de inscrição para a escola
É a salvação para não ser analfaburro
Afrika
Onde estão todas as riquezas e os piores jagunssos
Onde comer todos os dias é um privilégio para muitos
Onde comer uma lagosta com funge não é luxo
Onde o melhor cinema vive-se todos os dias nas ruas
Afrika
Onde se paga um salário de dez cozinheiros a um
cozinheiro expatriado
Onde um pedreiro estrangeiro ganha mais que um
médico
Onde sem dinheiro morres na cama do hospital
Onde a reforma só dá para comprar uma lata de leite
Onde se assassina uma árvore para fazer uma tanga
E ninguém, ninguém grita
Afrika

Kardo Bestilo

Friday, 16 February 2007

CONTROVERSO

ControVerso, de "Kardo Bestilo", em BOOKS OF LIFE

AGORA FALO EU

Tu és um burrooo
O futuro esta ameaçado
Por causa de jovens como túuu
Nem falar português
Em condições sabeees
No meu tempo isto
No meu tempo aquilo
Eu com o meu quarto ano
Do tempo colonial
Faço e desfaço
Mais que essa tua
Decima segunda classe
De agora
OK BASTAAA!
AGORA FALO EU
Aceitei noventa por cento do teu abuso
Desrespeito quando estava errado
E sempre que assim estive
Mais agora basta
Recuso-me a aceitar mais
Que dez por cento do teu abuso
Porque, quer queiras
Quer não queiras
Desta vez vou falar
E sem fronteiras
Estou cansado
De ser humilhado
Ultrajado
Por ter nascido
Num país independente
Coisa que tu não foste
Se sentes inveja e mágoa
Vai bater os irmãos kambutas
Estou cansado
De ser chamado burro
Ou de me exigirem
Que fale bem que nem português
Porque todos que viveram viveram
No tempo dos invaSORESS
Sim invasores
Que invadiram o continente mãe
E ainda não pediram um perdão oficial
Quando no entanto
Andando pelo mundo
A pedir indemnizações
Chorudas aos Alemães e Japoneses
Por causa dos maus tratos da segunda
Não segunda mulher
Mas sim guerra mundial
Estou cansado De ser
Chamado matumbo
Por tentar falar as nossas
Línguas Nacionais
Sim aquelas que devias falar
Melhor que eu e me ensinar
Mais como perdeste
Mais tempo
A ficar mais assimilador
Que o próprio invasor
Transformando-se em um invasor virtual
Chamas de Línguas
Indígenas
Tradicionais
Tribais
Como se do reino do
Kongo
Dongo
Kwanhama
Como mostra de nossas riquezas nacionais
De tribos se trata
Ou será que o teu quarto ano
Não te ensinou o que uma tribo ou clã
Estou cansado desses
Desabafos teus
Que a juventude de agora não sabe isto ou aquilo
Que nossa musica não tem
Nexo nem contexto
Quando não consegues nos dar uma social
E tu e toda a tua geração só nos submetem a turBULÊNCIA
Estou cansado de ver a minha geração
A ser roubada a sua adolescência
Ser privada da sua criatividade
Só para sustentar o teu bem ESTAR
Eu falo sim
E grito se preciso!
Para nós também termos o direito
De errar e aprender com os nossos erros
Quem és tu para me dizer e apontar só defeitos
Se valores morais é tudo que soubeste destruir
Hoje apenas o Mano que desvia
Ou cabrita onde bumba
É respeitado pela sua família
O Mano Zé Honesto
Coitado
Nem na mulher manda
E ainda assim querem ouvir
Musicas com conteúdo como as do
David Zé
Urbano de Castro
Artur Nunes
Coitados que deus os tenha
E que teu erro seja perdoado
Eu prefiro não falar mais
Porque a verdade também DÓi
Estou cansado e não descanso!
Luanda 02/02/2005 * Casa 142 - 12.03 am



Tia - Artur Nunes


Para mim e’ sempre complicado falar das obras, sejam em que dominio for, dos que me sao mais proximos. Sobretudo por receio de as prejudicar por possiveis suspeitas de “nepotismo” ou outro qualquer tipo de favoritismo… Por isso tenho a agradecer ao Luis Rosa Lopes a apresentacao que fez recentemente em Luanda do livro ControVerso do meu sobrinho Kussi, a.k.a. Kardo Bestilo. Tenho a certeza que o pai dele, desaparecido na purga do 27 de Maio de 1977, esteja onde estiver, estara’ muito orgulhoso do filho que deixou neste mundo.

"... Contro Verso ou Controverso? Peguei neste livro, olhei para ele, folheei-o e comecei a lê-lo a partir da página 189... Isto pode parecer estranho mas não se chamará esta obra ControVerso? Já pelos títulos do Índice poderemos entender porque assim procedi: Brevidades ao ViVo, Coisas e Momentos, Love Arena, Fincologia e Artologia. Esta fraseologia neologísmica, este parafrasear crioulo, este rebuscanço de palavras com origens tão díspares para definir poesias que ainda não tinham sido lidas e dissecadas, fez-me imediatamente criar água na boca, aguçou-me os sentidos e pendurou-os nas asas da curiosidade... ". Extracto da Apresentacao de Luis Rosa Lopes (ler o resto aqui).

EU GOSTARIA

Eu Gostaria de poder
Escrever um poema
Sem filtros
Nem limitações

Eu Gostaria de poder
Escrever um poema
Que falasse da verdade
Sem ser acusado de atrevido

Eu Gostaria de poder
Exteriorizar sem medo
De correr linhas
Matutar
0 que me vai
Pelas veias
Cerebrais
Sem ser
Associado a isto ou aquilo

Eu gostaria de poder
Escrever um poema
Que
Prendesse a tua atenção
Sem ter que estar
A disparatar
Ou muito menos
Falar de sexualidade
E no entanto
Transferir
O pensar
E com ele ensinar
E contribuir para melhorar

Eu Gostaria de poder escrever
Escrever sobre mim
Sobre ti
Ou sobre ele
Penetrando no seu interior
Publicando para o exterior
Sem recear
O farejar
Do cão
Ou
O rugir
Do leão

Eu Gostaria de poder
Escrever sobre
O meu irmão BU
Primo MU
E
Parente PU
Sem eles
Se sentirem ofendidos
Discriminados
Ou menos amados
Por lhes falar
De palavras verdadeiras

Eu Gostaria de poder
Falar sobre
As paisagens
Belezas
Falhanços
Ignorâncias
Abusos
E não só
De tudo aquilo que É meu
Sem temer
Uma malhação
Ou detenção
Por chamada de atenção

Eu Gostaria de poder
Ter assistido
Persistido
Alterado
E impedido
Aquilo que não é justo

Eu Gostaria de poder
Escrever tudo o que sinto
Tudo o que vejo e me toca
Sem aleijar
O meu compatriota
Sem para isso estar no Matrix

Eu Gostaria de poder
Escrever sobre
O meu pai
E seus camaradas
Sem ser discriminado

Eu Gostaria de poder
Ter escrito este poema
Com as verdadeiras
Palavras
Palavras que me vão
Pela mente
Mesmo que
Me fizesse chorar
Mesmo que
Me fizesse Gostar de escrever mais
E que marcasse
Um registo do testemunho
De um preto
Para o resto da Humanidade

K.B. (Luanda 01/02/2005)


Ler mais sobre ControVerso aqui, aqui, aqui e aqui.

ControVerso, de "Kardo Bestilo", em BOOKS OF LIFE

AGORA FALO EU

Tu és um burrooo
O futuro esta ameaçado
Por causa de jovens como túuu
Nem falar português
Em condições sabeees
No meu tempo isto
No meu tempo aquilo
Eu com o meu quarto ano
Do tempo colonial
Faço e desfaço
Mais que essa tua
Decima segunda classe
De agora
OK BASTAAA!
AGORA FALO EU
Aceitei noventa por cento do teu abuso
Desrespeito quando estava errado
E sempre que assim estive
Mais agora basta
Recuso-me a aceitar mais
Que dez por cento do teu abuso
Porque, quer queiras
Quer não queiras
Desta vez vou falar
E sem fronteiras
Estou cansado
De ser humilhado
Ultrajado
Por ter nascido
Num país independente
Coisa que tu não foste
Se sentes inveja e mágoa
Vai bater os irmãos kambutas
Estou cansado
De ser chamado burro
Ou de me exigirem
Que fale bem que nem português
Porque todos que viveram viveram
No tempo dos invaSORESS
Sim invasores
Que invadiram o continente mãe
E ainda não pediram um perdão oficial
Quando no entanto
Andando pelo mundo
A pedir indemnizações
Chorudas aos Alemães e Japoneses
Por causa dos maus tratos da segunda
Não segunda mulher
Mas sim guerra mundial
Estou cansado De ser
Chamado matumbo
Por tentar falar as nossas
Línguas Nacionais
Sim aquelas que devias falar
Melhor que eu e me ensinar
Mais como perdeste
Mais tempo
A ficar mais assimilador
Que o próprio invasor
Transformando-se em um invasor virtual
Chamas de Línguas
Indígenas
Tradicionais
Tribais
Como se do reino do
Kongo
Dongo
Kwanhama
Como mostra de nossas riquezas nacionais
De tribos se trata
Ou será que o teu quarto ano
Não te ensinou o que uma tribo ou clã
Estou cansado desses
Desabafos teus
Que a juventude de agora não sabe isto ou aquilo
Que nossa musica não tem
Nexo nem contexto
Quando não consegues nos dar uma social
E tu e toda a tua geração só nos submetem a turBULÊNCIA
Estou cansado de ver a minha geração
A ser roubada a sua adolescência
Ser privada da sua criatividade
Só para sustentar o teu bem ESTAR
Eu falo sim
E grito se preciso!
Para nós também termos o direito
De errar e aprender com os nossos erros
Quem és tu para me dizer e apontar só defeitos
Se valores morais é tudo que soubeste destruir
Hoje apenas o Mano que desvia
Ou cabrita onde bumba
É respeitado pela sua família
O Mano Zé Honesto
Coitado
Nem na mulher manda
E ainda assim querem ouvir
Musicas com conteúdo como as do
David Zé
Urbano de Castro
Artur Nunes
Coitados que deus os tenha
E que teu erro seja perdoado
Eu prefiro não falar mais
Porque a verdade também DÓi
Estou cansado e não descanso!
Luanda 02/02/2005 * Casa 142 - 12.03 am



Tia - Artur Nunes


Para mim e’ sempre complicado falar das obras, sejam em que dominio for, dos que me sao mais proximos. Sobretudo por receio de as prejudicar por possiveis suspeitas de “nepotismo” ou outro qualquer tipo de favoritismo… Por isso tenho a agradecer ao Luis Rosa Lopes a apresentacao que fez recentemente em Luanda do livro ControVerso do meu sobrinho Kussi, a.k.a. Kardo Bestilo. Tenho a certeza que o pai dele, desaparecido na purga do 27 de Maio de 1977, esteja onde estiver, estara’ muito orgulhoso do filho que deixou neste mundo.

"... Contro Verso ou Controverso? Peguei neste livro, olhei para ele, folheei-o e comecei a lê-lo a partir da página 189... Isto pode parecer estranho mas não se chamará esta obra ControVerso? Já pelos títulos do Índice poderemos entender porque assim procedi: Brevidades ao ViVo, Coisas e Momentos, Love Arena, Fincologia e Artologia. Esta fraseologia neologísmica, este parafrasear crioulo, este rebuscanço de palavras com origens tão díspares para definir poesias que ainda não tinham sido lidas e dissecadas, fez-me imediatamente criar água na boca, aguçou-me os sentidos e pendurou-os nas asas da curiosidade... ". Extracto da Apresentacao de Luis Rosa Lopes (ler o resto aqui).

EU GOSTARIA

Eu Gostaria de poder
Escrever um poema
Sem filtros
Nem limitações

Eu Gostaria de poder
Escrever um poema
Que falasse da verdade
Sem ser acusado de atrevido

Eu Gostaria de poder
Exteriorizar sem medo
De correr linhas
Matutar
0 que me vai
Pelas veias
Cerebrais
Sem ser
Associado a isto ou aquilo

Eu gostaria de poder
Escrever um poema
Que
Prendesse a tua atenção
Sem ter que estar
A disparatar
Ou muito menos
Falar de sexualidade
E no entanto
Transferir
O pensar
E com ele ensinar
E contribuir para melhorar

Eu Gostaria de poder escrever
Escrever sobre mim
Sobre ti
Ou sobre ele
Penetrando no seu interior
Publicando para o exterior
Sem recear
O farejar
Do cão
Ou
O rugir
Do leão

Eu Gostaria de poder
Escrever sobre
O meu irmão BU
Primo MU
E
Parente PU
Sem eles
Se sentirem ofendidos
Discriminados
Ou menos amados
Por lhes falar
De palavras verdadeiras

Eu Gostaria de poder
Falar sobre
As paisagens
Belezas
Falhanços
Ignorâncias
Abusos
E não só
De tudo aquilo que É meu
Sem temer
Uma malhação
Ou detenção
Por chamada de atenção

Eu Gostaria de poder
Ter assistido
Persistido
Alterado
E impedido
Aquilo que não é justo

Eu Gostaria de poder
Escrever tudo o que sinto
Tudo o que vejo e me toca
Sem aleijar
O meu compatriota
Sem para isso estar no Matrix

Eu Gostaria de poder
Escrever sobre
O meu pai
E seus camaradas
Sem ser discriminado

Eu Gostaria de poder
Ter escrito este poema
Com as verdadeiras
Palavras
Palavras que me vão
Pela mente
Mesmo que
Me fizesse chorar
Mesmo que
Me fizesse Gostar de escrever mais
E que marcasse
Um registo do testemunho
De um preto
Para o resto da Humanidade

K.B. (Luanda 01/02/2005)


Ler mais sobre ControVerso aqui, aqui, aqui e aqui.

Thursday, 15 February 2007

A CIDADE DE MALANJE NA HISTÓRIA DE ANGOLA


Incluído no programa das Festas da Cidade de Malanje deste ano, aconteceu anteontem, 13.02.07, naquela cidade, o lançamento do livro A CIDADE DE MALANJE NA HISTÓRIA DE ANGOLA, ­dos finais do século XIX até 1975, da autoria de António Egídio de Sousa Santos, sob a chancela da Editorial Nzila.

O Autor

António Egídio de Sousa Santos, Historiador, nasceu em Kalandula, Província de Malanje. Infância e ensino primário e secundário nas cidades de Negage, Sanza Pombo e Uíje. Licenciado em Filologia, pela Escola Superior Político-Militar de Lvov, da ex-URSS (1985), e em Ciências da Educação pelo ISCED do Lubango (1990), em 1994 concluiu o curso de Mestrado obtendo o Diploma de Estudos Aprofundados (DEA) em História de África Negra pela Universidade de Paris I, Panthéon ­ Sorbonne. Em 2004. obteve o grau de Doutor (PhD) em Historia e Civilização pela Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais (EHESS) de Paris, tendo defendido a tese que dá título a este livro, merecendo do júri a menção "Très Honorable". Com uma vasta e longa experiência no ensino da História, membro investigador do Arquivo Histórico de Angola, e, actualmente, professor de História de África na Faculdade de Letras e Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto.

O Livro

Malanje nasceu sob uma nova conjuntura. Os sistemas políticos africanos, vigentes à volta da cidade, deviam criar um elemento de novidade, agindo de modo a suscitarem produções originais, solicitadas aliás pelo comércio europeu. A procura europeia era reconhecida pelas instâncias de poder e pelos produtores africanos, o que autorizava a transformação e sobretudo a modernização dos sistemas. A cidade colonial nunca foi uma cidade totalmente africana, nem sequer pela sua organização espacial. Com efeito a cidade colonial assinalou sempre uma separação nítida entre a cidade europeia e a cidade africana. Essa separação concretizou-se através de dois fenómenos distintos e complementares: o território e o centro de direcção. Na grande maioria das cidades coloniais, os europeus concentravam-se na micro-cidade europeia, à imagem de uma grande aldeia (com excepção de algumas cidades como Luanda ou Benguela onde se podiam encontrar alguns brancos na cidade africana), ao passo que os africanos se instalavam massivamente na cidade africana. No final da colonização portuguesa, Malanje sofre a sua última mutação. Ainda que a separação física entre a cidade europeia e a cidade africana permanecesse visível a sua população aparece novamente confundida nas duas cidades: a independência tornou possível aos africanos autóctones residirem na cidade "branca" e utilizarem os espaços que eram outrora reservados aos europeus.


Texto: Editorial Nzila
Fotos da Cidade de Malange (anos 60): SanzalAngola

Incluído no programa das Festas da Cidade de Malanje deste ano, aconteceu anteontem, 13.02.07, naquela cidade, o lançamento do livro A CIDADE DE MALANJE NA HISTÓRIA DE ANGOLA, ­dos finais do século XIX até 1975, da autoria de António Egídio de Sousa Santos, sob a chancela da Editorial Nzila.

O Autor

António Egídio de Sousa Santos, Historiador, nasceu em Kalandula, Província de Malanje. Infância e ensino primário e secundário nas cidades de Negage, Sanza Pombo e Uíje. Licenciado em Filologia, pela Escola Superior Político-Militar de Lvov, da ex-URSS (1985), e em Ciências da Educação pelo ISCED do Lubango (1990), em 1994 concluiu o curso de Mestrado obtendo o Diploma de Estudos Aprofundados (DEA) em História de África Negra pela Universidade de Paris I, Panthéon ­ Sorbonne. Em 2004. obteve o grau de Doutor (PhD) em Historia e Civilização pela Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais (EHESS) de Paris, tendo defendido a tese que dá título a este livro, merecendo do júri a menção "Très Honorable". Com uma vasta e longa experiência no ensino da História, membro investigador do Arquivo Histórico de Angola, e, actualmente, professor de História de África na Faculdade de Letras e Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto.

O Livro

Malanje nasceu sob uma nova conjuntura. Os sistemas políticos africanos, vigentes à volta da cidade, deviam criar um elemento de novidade, agindo de modo a suscitarem produções originais, solicitadas aliás pelo comércio europeu. A procura europeia era reconhecida pelas instâncias de poder e pelos produtores africanos, o que autorizava a transformação e sobretudo a modernização dos sistemas. A cidade colonial nunca foi uma cidade totalmente africana, nem sequer pela sua organização espacial. Com efeito a cidade colonial assinalou sempre uma separação nítida entre a cidade europeia e a cidade africana. Essa separação concretizou-se através de dois fenómenos distintos e complementares: o território e o centro de direcção. Na grande maioria das cidades coloniais, os europeus concentravam-se na micro-cidade europeia, à imagem de uma grande aldeia (com excepção de algumas cidades como Luanda ou Benguela onde se podiam encontrar alguns brancos na cidade africana), ao passo que os africanos se instalavam massivamente na cidade africana. No final da colonização portuguesa, Malanje sofre a sua última mutação. Ainda que a separação física entre a cidade europeia e a cidade africana permanecesse visível a sua população aparece novamente confundida nas duas cidades: a independência tornou possível aos africanos autóctones residirem na cidade "branca" e utilizarem os espaços que eram outrora reservados aos europeus.


Texto: Editorial Nzila
Fotos da Cidade de Malange (anos 60): SanzalAngola

Wednesday, 14 February 2007

VIVER COMO AS FLORES

Num antigo mosteiro budista
um jovem monge questiona o mestre:
Mestre, como faco para nao me aborrecer?
Algumas pessoas falam demais,
outras sao ignorantes,
algumas sao indiferentes,
sinto odio das que sao mentirosas,
sofro com as que caluniam.

Pois viva como as flores! Advertiu o mestre.
Como e’ viver como as flores? Perguntou o discipulo.
Repare nas flores, continuou o mestre, apontando
as que cresciam no jardim.
Elas nascem no esterco
mas sao puras e perfumadas.
Extraem do adubo mal cheiroso
tudo que lhes e’ util e saudavel…
… mas nao permitem que o azedume da terra
manche o frescor de suas petalas.

E’ justo angustiar-se com as proprias culpas,
mas nao e’ sabio permitir
que os vicios dos outros o importunem.
Os defeitos deles sao deles
e nao seus.
Se nao sao seus, nao ha razao para aborrecimento.
Exercite, pois, a virtude de rejeitar
todo mal que vem de fora.
Isso e’ viver como as flores.

Num antigo mosteiro budista
um jovem monge questiona o mestre:
Mestre, como faco para nao me aborrecer?
Algumas pessoas falam demais,
outras sao ignorantes,
algumas sao indiferentes,
sinto odio das que sao mentirosas,
sofro com as que caluniam.

Pois viva como as flores! Advertiu o mestre.
Como e’ viver como as flores? Perguntou o discipulo.
Repare nas flores, continuou o mestre, apontando
as que cresciam no jardim.
Elas nascem no esterco
mas sao puras e perfumadas.
Extraem do adubo mal cheiroso
tudo que lhes e’ util e saudavel…
… mas nao permitem que o azedume da terra
manche o frescor de suas petalas.

E’ justo angustiar-se com as proprias culpas,
mas nao e’ sabio permitir
que os vicios dos outros o importunem.
Os defeitos deles sao deles
e nao seus.
Se nao sao seus, nao ha razao para aborrecimento.
Exercite, pois, a virtude de rejeitar
todo mal que vem de fora.
Isso e’ viver como as flores.

Monday, 12 February 2007

"THE LAST KING OF SCOTLAND"

Ontem, finalmente, conseguimos ver “The Last King of Scotland”, no Odeon de Camden, depois de termos “batido com o nariz na porta” no Sabado, porque as sessoes estavam esgotadas. Com o advento dos ‘multimedia’, cada vez menos gente vai ao cinema e ninguem espera encontrar filme algum, seja em que dia ou horas for, completamente esgotado. Mas isso tem estado a acontecer sucessivamente com este filme aqui em Londres. Conseguimos os bilhetes, mas os melhores lugares que conseguimos foram na primeira fila, isto e’, na pior fila para se ver um filme.

Ja’ vi melhores filmes sobre Africa e os Africanos, ja’ vi melhores filmes sobre a politica, a ditadura e os ditadores em Africa, ja’ vi melhores filmes sobre as relacoes amorosas, ou simplesmente sexuais, entre Europeus e Africanas… mas nao vi filmes muito melhores sobre a relacao entre dois seres humanos de caracteristicas tao diametralmente opostas, sob todos os pontos de vista, como a relacao entre Idi Amin (Forest Whitaker) e o seu “medico e conselheiro privado”, Nicholas Garrigan (James McAvoy), embora baseada numa estoria completamente ficcionada. Relacao ainda mais valorizada pelas eximias representacoes dos dois actores.

E apenas isso, quanto a mim, impede que ”The Last King of Scotland” resvale para a longa serie de filmes sobre Africa que pouco mais conseguem ser do que colagens, mais ou menos bem conseguidas cinematograficamente, de cliches e estereotipos baseados em personagens ou episodios historicos. Isso e o facto de, tendo visitado o Uganda ha cerca de um ano atras, visita durante a qual fiz uma longa viagem de autocarro pelo interior do pais, ter reconhecido nas paisagens e habitats naturais, humanos e animais mostrados no filme (incluindo a enorme “ave de rapina”, cujo nome desconheco, que vi, repetidamente em varios locais, pela primeira e unica vez no Uganda), o “pais real” retratado, o que e’ sempre reconfortante perante a quantidade de filmes sobre pais A filmados em pais B, ou estudio C, quantas vezes em continentes completamente diferentes.


De volta a casa, a noticia: Forest Whitaker tinha acabado de ganhar o Bafta para melhor actor do ano, o que o coloca numa posicao mais proxima de concretizar a expectativa assim expressa ha' dias por um apresentador da ex-Jazz FM (agora ‘downgraded’ para Smooth FM, mas que continua a ser a minha radio preferida, a excepcao das Quartas e Sabados quando vira uma radio quase exclusivamente de futebol e com relatos quase exclusivamente dos jogos do Chelsea…): “if there’s any justice in the world, which rarely is, Whitaker should win the Oscar”. Com ele no podium de ‘bests’, a minha favorita British Dame, Helen Mirren, que ganhou o Bafta para melhor actriz pela sua representacao de Elizabeth II em “The Queen”. Parecem estar encontrados, merecidamente, o Rei e a Rainha dos Oscars deste ano…

Apenas uma nota ‘a margem: um dos episodios historicos mais dramaticos, nem sequer tocados superficialmente neste filme (para la’ do poder das imagens e do "assustado" conselho alegadamente dado por Garrigan a Amin: "pare com isso, senao a economia vai ficar de joelhos"), e’ a expulsao de cerca de 50,000 Indianos do Uganda, ordenada por Idi Amin em 1972. O episodio e’ apresentado sem qualquer contextualizacao historica, como se fosse um dado adquirido que todos os espectadores, independentemente das suas posicoes politicas ou ideologicas, estariam a par do seu ‘background’ ou ‘further developments'. Isto fez-me lembrar da explicacao que um colega Ugandes, aquando da minha visita ao seu pais, me deu para o total dominio do comercio (predominantemente de quinquilharias de pouco ou nenhum valor utilitario), mesmo nas mais reconditas zonas rurais do pais, por Indianos: “nao era o caso de as comunidades locais nao terem capacidade para se dedicarem ao comercio de produtos importados, ou dos seus proprios produtos, para aliviarem os seus proprios niveis de pobreza, mas o regresso em massa, em condicoes priviligiadas, dos Indianos ao pais (que para la' comecaram a emigrar inicialmente, sob patrocinio Britanico, quando tanto a India como o Uganda eram colonias do UK), tinha sido parte de um ‘deal’ entre o actual presidente Museveni e as instituicoes de Bretton Woods, como condicao para a concessao de ajuda financeira por parte destas ao pais”… Ainda mais 'a margem, lembro-me de, aquando da “Maka na Sanzala Global” por causa dos ataques racistas contra a actriz Indiana Shilpa Shetty no programa Big Brother UK, ter lido em alguns sites de opiniao comentarios, principalmente por Ugandeses e Kenianos, que afirmavam nao nutrir qualquer simpatia pela situacao da Shilpa por causa do racismo que os Indianos praticam contra os negros nos seus proprios paises…


Curiosamente, hoje Shilpa voltou as primeiras paginas dos tabloides Londrinos depois de alguns dias de ausencia, desta vez ela propria acusada de racismo por ter apresentado e participado num ‘sketch’ do seu show numa cadeia televisiva Indiana que recriava os “minstreis” (actores pintados de preto dizendo piadas supostamente hilariantes, mas consideradas profundamente ofensivas pelas comunidades negras). Ora, este tipo de shows e imagens (tradicionalmente parte dos tristemente celebres “Minstrel Shows” no Ocidente) foram banidos da TV Britanica em 1978, depois de grandes controversias e manifestacoes de repudio no UK, por finalmente terem sido oficialmente classificados como “obscenamente racistas”… O que me leva de volta ao “Last King of Scotland” porque nao pude deixar de reparar na quantidade de ‘black make-up’ que lhe foi aplicado para tornar Whitaker tao “preto” como Idi Amin… O que me transporta a um outro filme que vale a pena ver: “Bamboozled”, de Spike Lee, uma brilhante satira sobre os “Minstrel Shows” nos EUA.


P.S.: O “Grazing in the Grass” do Bra Masekela pareceu-me um pouco deslocado no filme, mas como boa musica vai sempre bem com quaisquer imagens, soube-me bem ouvi-lo.

Ontem, finalmente, conseguimos ver “The Last King of Scotland”, no Odeon de Camden, depois de termos “batido com o nariz na porta” no Sabado, porque as sessoes estavam esgotadas. Com o advento dos ‘multimedia’, cada vez menos gente vai ao cinema e ninguem espera encontrar filme algum, seja em que dia ou horas for, completamente esgotado. Mas isso tem estado a acontecer sucessivamente com este filme aqui em Londres. Conseguimos os bilhetes, mas os melhores lugares que conseguimos foram na primeira fila, isto e’, na pior fila para se ver um filme.

Ja’ vi melhores filmes sobre Africa e os Africanos, ja’ vi melhores filmes sobre a politica, a ditadura e os ditadores em Africa, ja’ vi melhores filmes sobre as relacoes amorosas, ou simplesmente sexuais, entre Europeus e Africanas… mas nao vi filmes muito melhores sobre a relacao entre dois seres humanos de caracteristicas tao diametralmente opostas, sob todos os pontos de vista, como a relacao entre Idi Amin (Forest Whitaker) e o seu “medico e conselheiro privado”, Nicholas Garrigan (James McAvoy), embora baseada numa estoria completamente ficcionada. Relacao ainda mais valorizada pelas eximias representacoes dos dois actores.

E apenas isso, quanto a mim, impede que ”The Last King of Scotland” resvale para a longa serie de filmes sobre Africa que pouco mais conseguem ser do que colagens, mais ou menos bem conseguidas cinematograficamente, de cliches e estereotipos baseados em personagens ou episodios historicos. Isso e o facto de, tendo visitado o Uganda ha cerca de um ano atras, visita durante a qual fiz uma longa viagem de autocarro pelo interior do pais, ter reconhecido nas paisagens e habitats naturais, humanos e animais mostrados no filme (incluindo a enorme “ave de rapina”, cujo nome desconheco, que vi, repetidamente em varios locais, pela primeira e unica vez no Uganda), o “pais real” retratado, o que e’ sempre reconfortante perante a quantidade de filmes sobre pais A filmados em pais B, ou estudio C, quantas vezes em continentes completamente diferentes.


De volta a casa, a noticia: Forest Whitaker tinha acabado de ganhar o Bafta para melhor actor do ano, o que o coloca numa posicao mais proxima de concretizar a expectativa assim expressa ha' dias por um apresentador da ex-Jazz FM (agora ‘downgraded’ para Smooth FM, mas que continua a ser a minha radio preferida, a excepcao das Quartas e Sabados quando vira uma radio quase exclusivamente de futebol e com relatos quase exclusivamente dos jogos do Chelsea…): “if there’s any justice in the world, which rarely is, Whitaker should win the Oscar”. Com ele no podium de ‘bests’, a minha favorita British Dame, Helen Mirren, que ganhou o Bafta para melhor actriz pela sua representacao de Elizabeth II em “The Queen”. Parecem estar encontrados, merecidamente, o Rei e a Rainha dos Oscars deste ano…

Apenas uma nota ‘a margem: um dos episodios historicos mais dramaticos, nem sequer tocados superficialmente neste filme (para la’ do poder das imagens e do "assustado" conselho alegadamente dado por Garrigan a Amin: "pare com isso, senao a economia vai ficar de joelhos"), e’ a expulsao de cerca de 50,000 Indianos do Uganda, ordenada por Idi Amin em 1972. O episodio e’ apresentado sem qualquer contextualizacao historica, como se fosse um dado adquirido que todos os espectadores, independentemente das suas posicoes politicas ou ideologicas, estariam a par do seu ‘background’ ou ‘further developments'. Isto fez-me lembrar da explicacao que um colega Ugandes, aquando da minha visita ao seu pais, me deu para o total dominio do comercio (predominantemente de quinquilharias de pouco ou nenhum valor utilitario), mesmo nas mais reconditas zonas rurais do pais, por Indianos: “nao era o caso de as comunidades locais nao terem capacidade para se dedicarem ao comercio de produtos importados, ou dos seus proprios produtos, para aliviarem os seus proprios niveis de pobreza, mas o regresso em massa, em condicoes priviligiadas, dos Indianos ao pais (que para la' comecaram a emigrar inicialmente, sob patrocinio Britanico, quando tanto a India como o Uganda eram colonias do UK), tinha sido parte de um ‘deal’ entre o actual presidente Museveni e as instituicoes de Bretton Woods, como condicao para a concessao de ajuda financeira por parte destas ao pais”… Ainda mais 'a margem, lembro-me de, aquando da “Maka na Sanzala Global” por causa dos ataques racistas contra a actriz Indiana Shilpa Shetty no programa Big Brother UK, ter lido em alguns sites de opiniao comentarios, principalmente por Ugandeses e Kenianos, que afirmavam nao nutrir qualquer simpatia pela situacao da Shilpa por causa do racismo que os Indianos praticam contra os negros nos seus proprios paises…


Curiosamente, hoje Shilpa voltou as primeiras paginas dos tabloides Londrinos depois de alguns dias de ausencia, desta vez ela propria acusada de racismo por ter apresentado e participado num ‘sketch’ do seu show numa cadeia televisiva Indiana que recriava os “minstreis” (actores pintados de preto dizendo piadas supostamente hilariantes, mas consideradas profundamente ofensivas pelas comunidades negras). Ora, este tipo de shows e imagens (tradicionalmente parte dos tristemente celebres “Minstrel Shows” no Ocidente) foram banidos da TV Britanica em 1978, depois de grandes controversias e manifestacoes de repudio no UK, por finalmente terem sido oficialmente classificados como “obscenamente racistas”… O que me leva de volta ao “Last King of Scotland” porque nao pude deixar de reparar na quantidade de ‘black make-up’ que lhe foi aplicado para tornar Whitaker tao “preto” como Idi Amin… O que me transporta a um outro filme que vale a pena ver: “Bamboozled”, de Spike Lee, uma brilhante satira sobre os “Minstrel Shows” nos EUA.


P.S.: O “Grazing in the Grass” do Bra Masekela pareceu-me um pouco deslocado no filme, mas como boa musica vai sempre bem com quaisquer imagens, soube-me bem ouvi-lo.

AS RELAÇÕES ÉTNICAS EM ANGOLA: AS MINORIAS BRANCA E MESTIÇA (1961-1992)

Por Prof. Dr. Silvio de Almeida Carvalho Filho

A sociedade angolana às vésperas da independência era pluriétnica e dividida, a grosso modo, nas seguintes camadas: brancos privilegiados, colonos brancos pobres, mestiços, negros assimilados e a maioria de negros não assimilados, os chamados "indígenas". O projeto nacional angolano teria de se defrontar com a questão do racismo, fator desintegrador da coesão social em torno de objetivos nacionais básicos. A própria política de assimilação, pretendendo negar o racismo, ao afirmar que a cultura portuguesa encontrava-se potencialmente aberta a todo africano, na verdade, reafirma-o, já que colocava, a priori, todo branco como "civilizado", utilizando critérios de raça para isso. O nacionalismo angolano, em geral, definiu o racismo em sua terra como um fruto do colonialismo, que estabelecera relações interétnicas assimétricas de dominação e subordinação. Estas foram reforçadas inicialmente para justificar a importância da escravidão e do "contrato" na economia desta colônia e, depois, para explicar a vitória de grande parte dos colonos brancos sobre os negros e mestiços na competição pelo emprego como trabalhadores especializados, comerciantes e funcionários subalternos. Sendo o racismo, para vários colonos, a única forma de manter uma posição social superior, as questões que envolviam a "raça" tornavam-se delicadas: a própria palavra era "perigosa".
(…)
A doutrina do luso-tropicalismo foi constantemente questionada pelos intelectuais angolanos, já que negava as diferenciações que na prática existiam entre os negros e portugueses. Esta doutrina, cujo principal teórico era o sociólogo brasileiro Gilberto Freire, a partir da década de 1950, afirmara que a missão portuguesa na África seria criar a fusão racial e difundir o cristianismo, produzindo uma nova e homogênea civilização como a do Brasil. Os "civilizados" negros e mestiços nas colônias eram a prova de que o colonialismo português pautava-se de acordo com os princípios postulados pelo luso-tropicalismo. Estava a se criar, portanto, uma comunidade panlusitana unificada pela cultura portuguesa e pela ausência de racismo, estando o colonialismo português justificado, já que não implantara a desigualdade racial. Este tipo de doutrinação já era propagandeada pelas autoridades portuguesas no território angolano, mormente na escola, já na década de 1930, antes mesmo da constituição da doutrina luso-tropicalista por Freire. Os escritores angolanos protestavam contra a falsidade da doutrina luso-tropicalista ao desmistificarem a obra civilizadora de Portugal descrevendo a realidade racista, desumana e espoliadora de seu colonialismo neste continente. Afinal, não se poderia esquecer que, apesar das autoridades coloniais afirmarem a igualdade dos povos sob a soberania portuguesa, havia na prática limites racistas impostos aos negros pelos colonos e oficiais portugueses. Esta contestação não se deu apenas indiretamente através do texto literário, mas também através de artigos que, do exterior, condenavam esta doutrina. Entre estes, podemos citar os que Mário Coelho Pinto de Andrade escreveu em França sob o pseudônimo de Buanga Fele.
(…)
Apesar de sentir menores restrições que o negro, o mulato também sofria, por parte do branco, discriminações que aumentavam a sua gradação quanto mais escura fosse a sua pele. O racismo para com o mulato transparecia até no cuidado meticuloso com o qual a sociedade colonial classificava os mestiços, diferenciando, por exemplo, o filho de um mulato e de um branco classificando-o como "cabrito". … As famílias brancas, ainda no início da década de 1960, podiam não ver com muito agrado a presença de um mulato entre os seus, sentindo-se incomodadas por seus filhos casarem com mulatos, mesmo que esses fossem seus afilhados. Portanto, o branco poderia ter atitudes paternalistas em relação aos mulatos, mas não via com bons olhos misturar-se. O nacionalismo angolano vingava-se dos portugueses que afirmavam a sua superioridade pela clareza de sua pele, lembrando a origem mulata do Marquês de Pombal, figura histórica de maior relevo em Portugal. Descendente da negra Marta Fernandes da Guiné Portuguesa, o Marquês, um grande herói lusitano, não era de "raça pura", como muitos portugueses, pois tinha um "pé na África"... A mãe negra tornava-se pai e mãe, porque o branco freqüentemente não apenas a abandonava, como não lhe reconhecia, às vezes, o filho. Este desprezo gerava um ressentimento e uma marginalização destes "mulatos descalços", pobres por abandono paterno.
(…)
Os portugueses alimentaram divergências entre mestiços e negros. A existência de grande número de mulatos na militância e cúpula do MPLA - os "crioulos marxistas" - sempre lhe trouxe problemas junto a determinados grupos de negros. A liderança mulata, no processo da luta de libertação, muitas vezes pareceu sentir dificuldades em chefiar uma maioria negra que a rejeitava, tal como, em meados da década de 1960, quando os quimbundos do norte protestaram contra esta forte presença mestiça no movimento. Também a UNITA opunha-se publicamente ao MPLA, não por sua grande base étnica ambundo, mas pela forte influência sócio-cultural mestiça em sua cúpula. Observe-se aí que a discriminação apresentada, mais que meramente de caráter epitelial, configura-se como cultural. A questão não é ter cor mulata, mas "cultura de mulato"…. O nacionalismo dos literatos não caberia bem dentro da exaltação da raça negra, já que negavam o critério racial excludente como definidor da nova nação. É oportuno lembrar que a maioria dos escritores de renome, no momento, eram brancos ou mulatos... Não lhes interessava, como minoria da população e por sua formação político-social, envergar a bandeira de uma nação organizada a partir de critérios raciais.
(…)
Todavia, com a independência, as questões do racismo persistiram. Seria imputado aos nitistas, em sua revolta de 1977, o combate ao número desproporcional de brancos e mestiços na direção do MPLA e na da administração estatal, contrariando a política de igualdade racial do MPLA. Os nitistas representariam, segundo alguns, o ressentimento dos negros pobres dos musseques luandenses contra o papel dos brancos e mestiços na cúpula governamental. Entretanto, para nós não está claro de que houvesse propriamente uma discriminação racial por parte dos nitistas contra os brancos e mestiços da cúpula governamental. Parece-nos que, por detrás do conteúdo epitelial, haveria uma crítica sobre o aburguesamento desta cúpula, em grande parte branca e mestiça, relacionando-se, assim, elitismo ou aburguesamento com a maior clareza da pele. Enquanto uma certa historiografia sobre o movimento nitista assume a denúncia de seus opositores de que ele era um movimento também de cunho racista, os versos de Alves, seu líder, nunca qualificaram como inatamente racial a exploração.
(…)
Como vemos, por esse nosso breve relato, o racismo, por parte de parcela dos negros angolanos, contra brancos e mulatos, nasce em resposta à opressão colonialista e racista que durante séculos aqueles sofreram, persistindo na história angolana até os dias atuais.

(Ler texto integral aqui.)
Por Prof. Dr. Silvio de Almeida Carvalho Filho

A sociedade angolana às vésperas da independência era pluriétnica e dividida, a grosso modo, nas seguintes camadas: brancos privilegiados, colonos brancos pobres, mestiços, negros assimilados e a maioria de negros não assimilados, os chamados "indígenas". O projeto nacional angolano teria de se defrontar com a questão do racismo, fator desintegrador da coesão social em torno de objetivos nacionais básicos. A própria política de assimilação, pretendendo negar o racismo, ao afirmar que a cultura portuguesa encontrava-se potencialmente aberta a todo africano, na verdade, reafirma-o, já que colocava, a priori, todo branco como "civilizado", utilizando critérios de raça para isso. O nacionalismo angolano, em geral, definiu o racismo em sua terra como um fruto do colonialismo, que estabelecera relações interétnicas assimétricas de dominação e subordinação. Estas foram reforçadas inicialmente para justificar a importância da escravidão e do "contrato" na economia desta colônia e, depois, para explicar a vitória de grande parte dos colonos brancos sobre os negros e mestiços na competição pelo emprego como trabalhadores especializados, comerciantes e funcionários subalternos. Sendo o racismo, para vários colonos, a única forma de manter uma posição social superior, as questões que envolviam a "raça" tornavam-se delicadas: a própria palavra era "perigosa".
(…)
A doutrina do luso-tropicalismo foi constantemente questionada pelos intelectuais angolanos, já que negava as diferenciações que na prática existiam entre os negros e portugueses. Esta doutrina, cujo principal teórico era o sociólogo brasileiro Gilberto Freire, a partir da década de 1950, afirmara que a missão portuguesa na África seria criar a fusão racial e difundir o cristianismo, produzindo uma nova e homogênea civilização como a do Brasil. Os "civilizados" negros e mestiços nas colônias eram a prova de que o colonialismo português pautava-se de acordo com os princípios postulados pelo luso-tropicalismo. Estava a se criar, portanto, uma comunidade panlusitana unificada pela cultura portuguesa e pela ausência de racismo, estando o colonialismo português justificado, já que não implantara a desigualdade racial. Este tipo de doutrinação já era propagandeada pelas autoridades portuguesas no território angolano, mormente na escola, já na década de 1930, antes mesmo da constituição da doutrina luso-tropicalista por Freire. Os escritores angolanos protestavam contra a falsidade da doutrina luso-tropicalista ao desmistificarem a obra civilizadora de Portugal descrevendo a realidade racista, desumana e espoliadora de seu colonialismo neste continente. Afinal, não se poderia esquecer que, apesar das autoridades coloniais afirmarem a igualdade dos povos sob a soberania portuguesa, havia na prática limites racistas impostos aos negros pelos colonos e oficiais portugueses. Esta contestação não se deu apenas indiretamente através do texto literário, mas também através de artigos que, do exterior, condenavam esta doutrina. Entre estes, podemos citar os que Mário Coelho Pinto de Andrade escreveu em França sob o pseudônimo de Buanga Fele.
(…)
Apesar de sentir menores restrições que o negro, o mulato também sofria, por parte do branco, discriminações que aumentavam a sua gradação quanto mais escura fosse a sua pele. O racismo para com o mulato transparecia até no cuidado meticuloso com o qual a sociedade colonial classificava os mestiços, diferenciando, por exemplo, o filho de um mulato e de um branco classificando-o como "cabrito". … As famílias brancas, ainda no início da década de 1960, podiam não ver com muito agrado a presença de um mulato entre os seus, sentindo-se incomodadas por seus filhos casarem com mulatos, mesmo que esses fossem seus afilhados. Portanto, o branco poderia ter atitudes paternalistas em relação aos mulatos, mas não via com bons olhos misturar-se. O nacionalismo angolano vingava-se dos portugueses que afirmavam a sua superioridade pela clareza de sua pele, lembrando a origem mulata do Marquês de Pombal, figura histórica de maior relevo em Portugal. Descendente da negra Marta Fernandes da Guiné Portuguesa, o Marquês, um grande herói lusitano, não era de "raça pura", como muitos portugueses, pois tinha um "pé na África"... A mãe negra tornava-se pai e mãe, porque o branco freqüentemente não apenas a abandonava, como não lhe reconhecia, às vezes, o filho. Este desprezo gerava um ressentimento e uma marginalização destes "mulatos descalços", pobres por abandono paterno.
(…)
Os portugueses alimentaram divergências entre mestiços e negros. A existência de grande número de mulatos na militância e cúpula do MPLA - os "crioulos marxistas" - sempre lhe trouxe problemas junto a determinados grupos de negros. A liderança mulata, no processo da luta de libertação, muitas vezes pareceu sentir dificuldades em chefiar uma maioria negra que a rejeitava, tal como, em meados da década de 1960, quando os quimbundos do norte protestaram contra esta forte presença mestiça no movimento. Também a UNITA opunha-se publicamente ao MPLA, não por sua grande base étnica ambundo, mas pela forte influência sócio-cultural mestiça em sua cúpula. Observe-se aí que a discriminação apresentada, mais que meramente de caráter epitelial, configura-se como cultural. A questão não é ter cor mulata, mas "cultura de mulato"…. O nacionalismo dos literatos não caberia bem dentro da exaltação da raça negra, já que negavam o critério racial excludente como definidor da nova nação. É oportuno lembrar que a maioria dos escritores de renome, no momento, eram brancos ou mulatos... Não lhes interessava, como minoria da população e por sua formação político-social, envergar a bandeira de uma nação organizada a partir de critérios raciais.
(…)
Todavia, com a independência, as questões do racismo persistiram. Seria imputado aos nitistas, em sua revolta de 1977, o combate ao número desproporcional de brancos e mestiços na direção do MPLA e na da administração estatal, contrariando a política de igualdade racial do MPLA. Os nitistas representariam, segundo alguns, o ressentimento dos negros pobres dos musseques luandenses contra o papel dos brancos e mestiços na cúpula governamental. Entretanto, para nós não está claro de que houvesse propriamente uma discriminação racial por parte dos nitistas contra os brancos e mestiços da cúpula governamental. Parece-nos que, por detrás do conteúdo epitelial, haveria uma crítica sobre o aburguesamento desta cúpula, em grande parte branca e mestiça, relacionando-se, assim, elitismo ou aburguesamento com a maior clareza da pele. Enquanto uma certa historiografia sobre o movimento nitista assume a denúncia de seus opositores de que ele era um movimento também de cunho racista, os versos de Alves, seu líder, nunca qualificaram como inatamente racial a exploração.
(…)
Como vemos, por esse nosso breve relato, o racismo, por parte de parcela dos negros angolanos, contra brancos e mulatos, nasce em resposta à opressão colonialista e racista que durante séculos aqueles sofreram, persistindo na história angolana até os dias atuais.

(Ler texto integral aqui.)

NOT EVEN DEATH DID THEM PART

It could be humanity's oldest story of doomed love. Archaeologists have unearthed two skeletons from the Neolithic period locked in a tender embrace and buried outside Mantua, just 25 miles south of Verona, the romantic city where Shakespeare set the star-crossed tale of "Romeo and Juliet."
Buried between 5,000 and 6,000 years ago, the prehistoric pair are believed to have been a man and a woman and are thought to have died young, as their teeth were found intact, said Elena Menotti, the archaeologist who led the dig.
"As far as we know, it's unique," said Menotti. "Double burials from the Neolithic are unheard of, and these are even hugging." Source: AP
It could be humanity's oldest story of doomed love. Archaeologists have unearthed two skeletons from the Neolithic period locked in a tender embrace and buried outside Mantua, just 25 miles south of Verona, the romantic city where Shakespeare set the star-crossed tale of "Romeo and Juliet."
Buried between 5,000 and 6,000 years ago, the prehistoric pair are believed to have been a man and a woman and are thought to have died young, as their teeth were found intact, said Elena Menotti, the archaeologist who led the dig.
"As far as we know, it's unique," said Menotti. "Double burials from the Neolithic are unheard of, and these are even hugging." Source: AP

Sunday, 11 February 2007

Jacarandas de Lisboa



"...It pisses God off
if Humanity doesn't notice
the Color Purple..."

Alice Walker

(mea culpa, mea culpa, mea maxima culpa)


"...It pisses God off
if Humanity doesn't notice
the Color Purple..."

Alice Walker

(mea culpa, mea culpa, mea maxima culpa)

OBAMA VS. CLINTON: THE MOTHER OF ALL BATTLES?

"AN ABSOLUTE FIRST"


Ja’ houve candidatos Afro-Americanos e candidatas mulheres ‘a Presidencia Americana anteriormente. Mas, esta e’ a primeira vez na historia politica dos EUA que uma mulher e um Afro-Americano teem chances reais de serem eleitos para a Casa Branca.

Barack Obama, que anunciou ontem oficialmente a sua candidatura, podera’ beneficiar de um contexto em que 9 entre 10 eleitores Americanos se dizem dispostos a, possivelmente, votar num candidato nao branco. Hillary Clinton, por seu lado, podera’ beneficiar de um contexto em que uma parte significativa do eleitorado se demonstra disposta a expulsar os Republicanos da Casa Branca nas presidenciais do proximo ano, principalmente por oposicao a guerra no Iraque (para a qual Hillary diz ter um exequivel e rapido “exit plan”).

No entanto, ambos disputam uma faixa do eleitorado, a minoria negra tradicionalmente afecta aos Democratas, nao sendo ainda totalmente claro qual dos dois tem efectivamente mais chances de obter a maioria dos votos dessa faixa, que, sendo minoritaria, nao e' de modo nenhum desprezivel. Se Barack conseguiu a proeza de transpor a barreira da raca para apelar a praticamente todos os sectores do eleitorado, fe-lo um pouco ‘a custa da alienacao de alguns sectores da comunidade negra que dizem nao se rever nele. Por seu lado, Hillary apresenta-se como uma candidata credivel entre alguns sectores dessa mesma comunidade que, tendo vindo incrementalmente a migrar para o eleitorado Republicano nos ultimos anos, manifestam-se agora desiludidos com a prestacao da sua “representante” na Administracao, a Secretaria de Estado Condoleezza Rice, nao necessariamente por causa da guerra no Iraque, mas fundamentalmente pela sua dubia postura face as vitimas do Katrina. Entre essa minoria, eles disputam ainda o eleitorado feminino. Mas aqui, permito-me um “wild guess”: Barack talvez leve vantagem sobre Hillary, pelo simples facto de ser casado com uma negra, ocorrencia cada vez mais rara entre “brothers of success” nos EUA e nao so’…

Todos estes, e varios outros, ingredientes fazem a receita para a que se afigura como a “Mae de Todas as Batalhas” pela candidatura Democrata a Presidencia Americana, que continuarei a seguir com atencao.
"AN ABSOLUTE FIRST"


Ja’ houve candidatos Afro-Americanos e candidatas mulheres ‘a Presidencia Americana anteriormente. Mas, esta e’ a primeira vez na historia politica dos EUA que uma mulher e um Afro-Americano teem chances reais de serem eleitos para a Casa Branca.

Barack Obama, que anunciou ontem oficialmente a sua candidatura, podera’ beneficiar de um contexto em que 9 entre 10 eleitores Americanos se dizem dispostos a, possivelmente, votar num candidato nao branco. Hillary Clinton, por seu lado, podera’ beneficiar de um contexto em que uma parte significativa do eleitorado se demonstra disposta a expulsar os Republicanos da Casa Branca nas presidenciais do proximo ano, principalmente por oposicao a guerra no Iraque (para a qual Hillary diz ter um exequivel e rapido “exit plan”).

No entanto, ambos disputam uma faixa do eleitorado, a minoria negra tradicionalmente afecta aos Democratas, nao sendo ainda totalmente claro qual dos dois tem efectivamente mais chances de obter a maioria dos votos dessa faixa, que, sendo minoritaria, nao e' de modo nenhum desprezivel. Se Barack conseguiu a proeza de transpor a barreira da raca para apelar a praticamente todos os sectores do eleitorado, fe-lo um pouco ‘a custa da alienacao de alguns sectores da comunidade negra que dizem nao se rever nele. Por seu lado, Hillary apresenta-se como uma candidata credivel entre alguns sectores dessa mesma comunidade que, tendo vindo incrementalmente a migrar para o eleitorado Republicano nos ultimos anos, manifestam-se agora desiludidos com a prestacao da sua “representante” na Administracao, a Secretaria de Estado Condoleezza Rice, nao necessariamente por causa da guerra no Iraque, mas fundamentalmente pela sua dubia postura face as vitimas do Katrina. Entre essa minoria, eles disputam ainda o eleitorado feminino. Mas aqui, permito-me um “wild guess”: Barack talvez leve vantagem sobre Hillary, pelo simples facto de ser casado com uma negra, ocorrencia cada vez mais rara entre “brothers of success” nos EUA e nao so’…

Todos estes, e varios outros, ingredientes fazem a receita para a que se afigura como a “Mae de Todas as Batalhas” pela candidatura Democrata a Presidencia Americana, que continuarei a seguir com atencao.

Saturday, 10 February 2007

ADELAIDE TAMBO (R.I.P.)

Adelaide Frances (Tshukudu) Tambo, affectionately known as Ma- Tambo, wife of the late ANC leader Oliver Tambo, who passed away on the last day of January this year, aged 77, was laid to rest today in Johannesburg. In attendance to the funeral were Nelson Mandela and Thabo Mbeki, among other South African dignitaries, African leaders, diplomats, family members and thousands of ANC members.

Mr Mandela, who shared her birthday, said he mourned the "passing away of a close personal friend, a comrade and one of the great heroines of our nation. She was a mother to the liberation movement in exile, and a nationally revered figure in our new nation. We pay tribute to a life dedicated to freedom and service." President Mbeki affirmed that Ms Tambo's death "amounts to a loss to the entire country and the international community. We are mourning the early and untimely death of Ma-Tambo. She was a commanding general whose instinct told her to be nothing more than a foot soldier." Her son, one of her three surviving children, media personality Dali Tambo, said his mother was part of a generation of women who "endured so much, regretted so little. I am a fortunate son. I can take comfort on the shoulder of a nation in mourning."

BIOGRAPHY

Adelaide Tambo’s political life started at the age of 10 after a raid by the police, following a riot in Top Location, Vereeniging. A police officer had been killed, and Adelaide's ailing grandfather, aged 82, was among those who were arrested and taken to the town square. There the old man collapsed and Adelaide had to sit with him until he regained consciousness. The way the young policemen pushed him around and called him 'boy' made her swear to fight them till the end. This was in 1939 and at the time she was a primary school pupil at St Thomas Practicing School in Johannesburg. In 1944, she started working for the ANC as a courier, while studying at Orlando High. She had joined the school's debating society and it was during this time that Dr Malan was entrenching apartheid, which became a heated matter for most of the students.

At 18, Adelaide joined the ANC Youth League and was elected chairperson of the George Goch branch and one of her duties was to open branches of the Youth League in the Transvaal. Later, as a student nurse at Pretoria General Hospital, she met Oliver Tambo at a meeting of the Eastern township branch of the ANC and the two were married in December 1956. Their wedding was a true "struggle" event - three weeks before it took place, Oliver Tambo had been arrested and charged with high treason, along with 155 other ANC members, including the partner in his law firm, Nelson Mandela, in what became known as the ‘Treason Trial’. The wedding went ahead four days after the suspects were released on bail. But, on the way to the church, the bride, groom and best man were briefly arrested for violating the pass laws, and bundled into a police van. There was no honeymoon. After the wedding, it was back to court. The trial lasted for more than three years, ending in the acquittal of all the accused.

Following the massacre of Sharpeville in 1960, the anti-apartheid struggle led by the then banned ANC and SACP intensified, leading to the internationally known ‘Rivonia Trial’ of 1963-64, in which Nelson Mandela, Walter Sisulu, Govan Mbeki and others were sentenced to life imprisonment, having faced the possibility of the death sentence. Oliver and Adelaide Tambo were asked by the ANC to leave the country in 1960 and to carry on the work of the organisation outside South Africa once they were settled. Adelaide resumed her work as a courier - this time for her husband. Based in London until the unbanning of all political parties, Adelaide became a founder member of the Afro-Asian Solidarity Movement and the Pan-African Women's Organisation (PAWO). She also assisted in identifying and financially assisting some of the families whose children left South Africa after the 1976 uprisings. The couple returned to South Africa in 1990 but Oliver died of a stroke in 1993 - a year before the country's first all-race democratic elections. She represented the ANC in parliament. Besides her work as the national Treasurer of the ANC Women’s League, Adelaide also occupied herself with work for people in old age homes. She had recently launched the Adelaide Tambo Trust for the Elderly.

In 2002, Adelaide Tambo received South Africa's top decoration - the Order of the Baobab in Gold - and was present at a ceremony last October to rename Johannesburg airport the O.R. Tambo International Airport, in honour of her late husband. In the 1990s, the Anglican Church in South Africa appointed her to the Order of Simon of Cyrene, the highest honour it can bestow on a lay person.


(Sources: various)
Adelaide Frances (Tshukudu) Tambo, affectionately known as Ma- Tambo, wife of the late ANC leader Oliver Tambo, who passed away on the last day of January this year, aged 77, was laid to rest today in Johannesburg. In attendance to the funeral were Nelson Mandela and Thabo Mbeki, among other South African dignitaries, African leaders, diplomats, family members and thousands of ANC members.

Mr Mandela, who shared her birthday, said he mourned the "passing away of a close personal friend, a comrade and one of the great heroines of our nation. She was a mother to the liberation movement in exile, and a nationally revered figure in our new nation. We pay tribute to a life dedicated to freedom and service." President Mbeki affirmed that Ms Tambo's death "amounts to a loss to the entire country and the international community. We are mourning the early and untimely death of Ma-Tambo. She was a commanding general whose instinct told her to be nothing more than a foot soldier." Her son, one of her three surviving children, media personality Dali Tambo, said his mother was part of a generation of women who "endured so much, regretted so little. I am a fortunate son. I can take comfort on the shoulder of a nation in mourning."

BIOGRAPHY

Adelaide Tambo’s political life started at the age of 10 after a raid by the police, following a riot in Top Location, Vereeniging. A police officer had been killed, and Adelaide's ailing grandfather, aged 82, was among those who were arrested and taken to the town square. There the old man collapsed and Adelaide had to sit with him until he regained consciousness. The way the young policemen pushed him around and called him 'boy' made her swear to fight them till the end. This was in 1939 and at the time she was a primary school pupil at St Thomas Practicing School in Johannesburg. In 1944, she started working for the ANC as a courier, while studying at Orlando High. She had joined the school's debating society and it was during this time that Dr Malan was entrenching apartheid, which became a heated matter for most of the students.

At 18, Adelaide joined the ANC Youth League and was elected chairperson of the George Goch branch and one of her duties was to open branches of the Youth League in the Transvaal. Later, as a student nurse at Pretoria General Hospital, she met Oliver Tambo at a meeting of the Eastern township branch of the ANC and the two were married in December 1956. Their wedding was a true "struggle" event - three weeks before it took place, Oliver Tambo had been arrested and charged with high treason, along with 155 other ANC members, including the partner in his law firm, Nelson Mandela, in what became known as the ‘Treason Trial’. The wedding went ahead four days after the suspects were released on bail. But, on the way to the church, the bride, groom and best man were briefly arrested for violating the pass laws, and bundled into a police van. There was no honeymoon. After the wedding, it was back to court. The trial lasted for more than three years, ending in the acquittal of all the accused.

Following the massacre of Sharpeville in 1960, the anti-apartheid struggle led by the then banned ANC and SACP intensified, leading to the internationally known ‘Rivonia Trial’ of 1963-64, in which Nelson Mandela, Walter Sisulu, Govan Mbeki and others were sentenced to life imprisonment, having faced the possibility of the death sentence. Oliver and Adelaide Tambo were asked by the ANC to leave the country in 1960 and to carry on the work of the organisation outside South Africa once they were settled. Adelaide resumed her work as a courier - this time for her husband. Based in London until the unbanning of all political parties, Adelaide became a founder member of the Afro-Asian Solidarity Movement and the Pan-African Women's Organisation (PAWO). She also assisted in identifying and financially assisting some of the families whose children left South Africa after the 1976 uprisings. The couple returned to South Africa in 1990 but Oliver died of a stroke in 1993 - a year before the country's first all-race democratic elections. She represented the ANC in parliament. Besides her work as the national Treasurer of the ANC Women’s League, Adelaide also occupied herself with work for people in old age homes. She had recently launched the Adelaide Tambo Trust for the Elderly.

In 2002, Adelaide Tambo received South Africa's top decoration - the Order of the Baobab in Gold - and was present at a ceremony last October to rename Johannesburg airport the O.R. Tambo International Airport, in honour of her late husband. In the 1990s, the Anglican Church in South Africa appointed her to the Order of Simon of Cyrene, the highest honour it can bestow on a lay person.


(Sources: various)

Friday, 9 February 2007

RECENT & FORTHCOMING PUBLICATIONS ON LUSOPHONE AFRICA


ANGOLA

Assis Malaquias, "Angola : how to lose a guerrilla war," in _African guerrillas: raging against the machine_, ed. by Morten Bøås and Kevin C. Dunn (Boulder, Colo.: Lynne Rienner, 2007)


Todd Howland, "Case study: the United Nations human rights field operation in Angola," in _The human rights field operation: law, theory and practice_ ,ed. Michael O'Flaherty (Aldershot, England; Burlington, VT: Ashgate, 2007)

Sandra Roque and Alex Shankland, "Participation, mutation and political transition: new democratic spaces in peri-urban Angola," in _Spaces for change?: the politics of citizen participation in new democratic arenas_, ed. Andrea Cornwall and Vera Schattan P. Coelho (London: Zed Books, 2007)

Sean Sutton, Tim Page, and Lou McGrath, _Angola: a journey through change_ (Stockport: Dewi Lewis, 2007) [photographs, on landmines with an introduction by Heather Mills]

Adebayo Oyebade, _Culture and customs of Angola_ (Westport, Conn.: Greenwood Press, 2007)

CABO-VERDE

Richard Lobban and Paul Khalil Saucier, _Historical dictionary of the Republic of Cape Verde_, 4th ed. (Lanham, Md. : Scarecrow Press, 2007)

Tobias Green, "Masters of Difference: Creolization and the Jewish Presence in Cabo Verde, 1497-1672", PhD Dissertation from the University of Birmingham, UK; 2 vols. Passed its viva on December 6th 2006; official year for the dissertation will be 2007.

GUINE-BISSAU

Lorenzo I. Bordonaro, "Living at the Margins. Youth and Modernity in the Bijagó Islands (Guinea-Bissau)", Ph.D. diss., ISCTE, Lisbon, 2007.

Elisabete Azevedo and Lia Nijzink, "Semi-presidentialism in Guinea-Bissau: the lesser of two evils?" in _Semi-presidentialism outside Europe_ ed. Robert Elgie and Sophia Moestrup (New York: Routledge, 2007)

Michelle C. Johnson, "Making mandinga or making Muslims?: debating female circumcision, ethnicity, and Islam in Guinea-Bissau and Portugal," in _Transcultural bodies: female genital cutting in global context, ed. Ylva Hernlund and Bettina Shell-Duncan (New Brunswick, N.J. : Rutgers University Press, 2007)

Boubacar-Sid Barry, _Conflict, livelihoods, and poverty in Guinea-Bissau_ (Washington, D.C. : The World Bank, 2007)

Brian Michael King, "Guinea-Bissau: "pull-and-tug" toward internet diffusion," in _Negotiating the net in Africa: the politics of internet diffusion_, ed. Ernest J Wilson, III. and Kelvin R Wong (Boulder, Colo.: Lynne Rienner, 2007)

MOZAMBIQUE

Carrie Manning, "Semi-presidentialism and the preservation of ambiguity in post-war Mozambique," in _Semi-presidentialism outside Europe_ ed. Robert Elgie and Sophia Moestrup (New York: Routledge, 2007)

Hilary Owen, _Mother Africa, Father Marx: women's writing of Mozambique, 1948-2002_ (Lewisburg [Pa.] : Bucknell University Press, 2007)

Jessica Schafer, _Soldiers at Peace: Veterans and Society after the Civil War in Mozambique_ (New York, NY : Palgrave Macmillan, 2007)

George O. Ndege, _Culture and customs of Mozambique_ (Westport, Conn.: Greenwood Press, 2007)

Paolo De Renzio and Joseph Hanlon, "Contested Sovereignty in Mozambique: The Dilemmas of Aid Dependence," (2007)

Joseph Hanlon and Sean Fox, "Identifying Fraud in Democratic Elections: a case study of the 2004 presidential election in Mozambique," (2007)

Chapman, Rachel R. "Chikotsa - Secrets, Silence, and Hiding: Social Risk and Reproductive Vulnerability in Center Mozambique," Medical Anthropology Quarterly 20, no. 4: 487-515 (2006)

Helene Maria Kyed, "The Politics of Policing: Recapturing "Zones of Confusion" in Rural Post-War Mozambique," in _The Security-Development Nexus: Expressions of Sovereignty and Securitization in Southern Africa,_ edited by Lars Buur , Steffen Jensen , Finn Stepputat (Uppsala: Stylus, 2007)

OTHER

Marcus Power, "War veterans, disability, and post-colonial citizenship in Angola and Mozambique," in _War, citizenship, territory_, ed. Deborah Cowen; Emily Gilbert (New York : Routledge, 2007)

Rachel B. DeMotts, "Democratic Environments? Conservation and Development across Southern African Borders" [South Africa and Mozambique], Ph.D. diss., University of Wisconsin, Madison (2006)

Helena Cobban, "Amnesty after atrocity?: healing nations after genocide and war crimes_ (Boulder: Paradigm, 2007) [compares Rwanda, South Africa, and Mozambique]

Lorenzo Macagno, _Outros Muçulmanos - Islão e narrativas coloniais_ (Lisboa: ISC, 2006)

Compiled by Kathleen Sheldon(UCLA/ H-Net Discussion List on Portuguese-speaking African Countries)

Illustration: "Encyclopedia of Pleasure" (Ghada Amer, Egypt)


ANGOLA

Assis Malaquias, "Angola : how to lose a guerrilla war," in _African guerrillas: raging against the machine_, ed. by Morten Bøås and Kevin C. Dunn (Boulder, Colo.: Lynne Rienner, 2007)


Todd Howland, "Case study: the United Nations human rights field operation in Angola," in _The human rights field operation: law, theory and practice_ ,ed. Michael O'Flaherty (Aldershot, England; Burlington, VT: Ashgate, 2007)

Sandra Roque and Alex Shankland, "Participation, mutation and political transition: new democratic spaces in peri-urban Angola," in _Spaces for change?: the politics of citizen participation in new democratic arenas_, ed. Andrea Cornwall and Vera Schattan P. Coelho (London: Zed Books, 2007)

Sean Sutton, Tim Page, and Lou McGrath, _Angola: a journey through change_ (Stockport: Dewi Lewis, 2007) [photographs, on landmines with an introduction by Heather Mills]

Adebayo Oyebade, _Culture and customs of Angola_ (Westport, Conn.: Greenwood Press, 2007)

CABO-VERDE

Richard Lobban and Paul Khalil Saucier, _Historical dictionary of the Republic of Cape Verde_, 4th ed. (Lanham, Md. : Scarecrow Press, 2007)

Tobias Green, "Masters of Difference: Creolization and the Jewish Presence in Cabo Verde, 1497-1672", PhD Dissertation from the University of Birmingham, UK; 2 vols. Passed its viva on December 6th 2006; official year for the dissertation will be 2007.

GUINE-BISSAU

Lorenzo I. Bordonaro, "Living at the Margins. Youth and Modernity in the Bijagó Islands (Guinea-Bissau)", Ph.D. diss., ISCTE, Lisbon, 2007.

Elisabete Azevedo and Lia Nijzink, "Semi-presidentialism in Guinea-Bissau: the lesser of two evils?" in _Semi-presidentialism outside Europe_ ed. Robert Elgie and Sophia Moestrup (New York: Routledge, 2007)

Michelle C. Johnson, "Making mandinga or making Muslims?: debating female circumcision, ethnicity, and Islam in Guinea-Bissau and Portugal," in _Transcultural bodies: female genital cutting in global context, ed. Ylva Hernlund and Bettina Shell-Duncan (New Brunswick, N.J. : Rutgers University Press, 2007)

Boubacar-Sid Barry, _Conflict, livelihoods, and poverty in Guinea-Bissau_ (Washington, D.C. : The World Bank, 2007)

Brian Michael King, "Guinea-Bissau: "pull-and-tug" toward internet diffusion," in _Negotiating the net in Africa: the politics of internet diffusion_, ed. Ernest J Wilson, III. and Kelvin R Wong (Boulder, Colo.: Lynne Rienner, 2007)

MOZAMBIQUE

Carrie Manning, "Semi-presidentialism and the preservation of ambiguity in post-war Mozambique," in _Semi-presidentialism outside Europe_ ed. Robert Elgie and Sophia Moestrup (New York: Routledge, 2007)

Hilary Owen, _Mother Africa, Father Marx: women's writing of Mozambique, 1948-2002_ (Lewisburg [Pa.] : Bucknell University Press, 2007)

Jessica Schafer, _Soldiers at Peace: Veterans and Society after the Civil War in Mozambique_ (New York, NY : Palgrave Macmillan, 2007)

George O. Ndege, _Culture and customs of Mozambique_ (Westport, Conn.: Greenwood Press, 2007)

Paolo De Renzio and Joseph Hanlon, "Contested Sovereignty in Mozambique: The Dilemmas of Aid Dependence," (2007)

Joseph Hanlon and Sean Fox, "Identifying Fraud in Democratic Elections: a case study of the 2004 presidential election in Mozambique," (2007)

Chapman, Rachel R. "Chikotsa - Secrets, Silence, and Hiding: Social Risk and Reproductive Vulnerability in Center Mozambique," Medical Anthropology Quarterly 20, no. 4: 487-515 (2006)

Helene Maria Kyed, "The Politics of Policing: Recapturing "Zones of Confusion" in Rural Post-War Mozambique," in _The Security-Development Nexus: Expressions of Sovereignty and Securitization in Southern Africa,_ edited by Lars Buur , Steffen Jensen , Finn Stepputat (Uppsala: Stylus, 2007)

OTHER

Marcus Power, "War veterans, disability, and post-colonial citizenship in Angola and Mozambique," in _War, citizenship, territory_, ed. Deborah Cowen; Emily Gilbert (New York : Routledge, 2007)

Rachel B. DeMotts, "Democratic Environments? Conservation and Development across Southern African Borders" [South Africa and Mozambique], Ph.D. diss., University of Wisconsin, Madison (2006)

Helena Cobban, "Amnesty after atrocity?: healing nations after genocide and war crimes_ (Boulder: Paradigm, 2007) [compares Rwanda, South Africa, and Mozambique]

Lorenzo Macagno, _Outros Muçulmanos - Islão e narrativas coloniais_ (Lisboa: ISC, 2006)

Compiled by Kathleen Sheldon(UCLA/ H-Net Discussion List on Portuguese-speaking African Countries)

Illustration: "Encyclopedia of Pleasure" (Ghada Amer, Egypt)

ANNA NICOLE SMITH'S DEATH


Now… esta e’ uma daquelas noticias capazes de me fazerem reflectir por alguns momentos sobre os meus proprios criterios de seleccao de materias a incluir neste blog, mas que acabam por impor-se a qualquer tentativa de racionalizacao mais profunda…
Anna Nicole Smith (ANS), de seu nome de baptismo Vickie Lynn Hogan, natural do Texas, USA, acaba de falecer em circunstancias ainda nao esclarecidas, aos 39 anos de idade. ANS e’ (foi) uma daquelas figuras que se catapultaram para todo o tipo de headlines gracas ‘as suas imitacoes, mais ou menos bem conseguidas, da imagem de Marilyn Monroe, mas, sobretudo, ‘as sempre fascinantes estorias de “rags to riches”, isto e’, de “celebridades” que, vindo "do nada", por “acidentes de percurso”, acabam por juntar os seus nomes 'as listas das maiores fortunas do mundo. O “acidente de percurso” que mudou radicalmente a “fortuna” de ANS foi o seu casamento com um nonagenario bilionario da industria petrolifera, preso a uma cadeira de rodas, quando ela tinha 20 anos de idade. O nonagenario faleceu pouco tempo depois, como se esperava, e ANS saltou para as headlines por conta de um longo e turbulento processo judicial que lhe foi movido por um dos filhos do falecido pela heranca do seu pai… Ela ganha parcialmente o processo e, entretanto, volta a casar-se com o seu advogado, enquanto gravida de uma crianca, cuja paternidade esta’ ainda a ser disputada entre o novo marido e um dos seus namorados… Tres dias depois de essa crianca nascer, o filho de ANS, de 20 anos de idade, morre de uma suspeita overdose de anti-depressivos. Fui obtendo estas informacoes atraves de programas de televisao que ocasionalmente fui vendo ao longo dos anos, incluindo alguns episodios do “Anna Nicole Smith Show” (que vi, imagine-se, no Botswana), em que ela cronicava, entre outras coisas, a sua batalha contra a sua auto-induzida obesidade… Ha’ pouco mais de uma semana vi, no legendario “Larry King Live”, esse imparavel cronista das "altas esferas" americanas, uma longa sessao de acusacoes, contra-acusacoes, afirmacoes e contradicoes entre os dois pretendentes ‘a paternidade da filha recem-nascida de ANS… Sera’ interessante verificar que posicoes tomara’ cada um deles agora que ANS deixou o mundo dos vivos.
Enquanto escrevia isto nao parei de pensar em razoes que justifiquem o trazer deste assunto a este blog … A que se apresenta mais plausivel e’ que talvez valha a pena olharmos, nem que seja apenas de vez em quando, um pouco para mundos que parecem tao afastados do “mundo normal”, mas que na verdade sao povoados por protagonistas que acabam por ser tao vulneraveis como o comum dos mortais (… sorry excuse, I know… or... maybe not).

Adenda: Entretanto, um terceiro pretendente ao "trono" de pai da filha de ANS (...a ter em conta que quem "ganhe o titulo" habilita-se a herdar uma enorme fortuna, pelo menos ate' a crianca atingir a idade adulta...) saltou para a spotlight... Trata-se do "Principe Frederic Von Anhalf" (que e' na verdade filho de um policia alemao, que comprou o titulo 'a Princesa Marie Auguste von Anhalt da Alemanha, quando esta precisava de dinheiro, e que se dedica ao negocio de compra e venda de titulos nobiliarios europeus em Hollywood), marido da legendaria Zsa Zsa Gabor (que tambem tem passado os ultimos anos numa cadeira de rodas desde que sofreu um terrivel acidente de viacao), por sua vez tia-avo de uma outra "it girl" que tambem passa a vida nas headlines "just for the sex (... I mean, the sake) of it", a menina Paris Hilton. Larry King perguntou-lhe como e' que se sentia a Zsa Zsa perante a aparicao do marido no meio desta estoria, ao que o "principe" respondeu que "claro que ela esta' aborrecida porque ela e' loura e a ANS tambem era loura... mas eu gosto de louras, o que e' que eu posso fazer... eu sou homem, ninguem me pode culpar por isso." Larry perguntou-lhe se ele amava ANS. O "principe" respondeu: "Nao, eu nunca a amei, eu sempre amei a minha esposa. Ha' pessoas que vao para a cama com alguem e pensam que isso e' amor... amor e' uma coisa completamente diferente." (Pronto, prometo que nao volto a esta estoria!)

Now… esta e’ uma daquelas noticias capazes de me fazerem reflectir por alguns momentos sobre os meus proprios criterios de seleccao de materias a incluir neste blog, mas que acabam por impor-se a qualquer tentativa de racionalizacao mais profunda…
Anna Nicole Smith (ANS), de seu nome de baptismo Vickie Lynn Hogan, natural do Texas, USA, acaba de falecer em circunstancias ainda nao esclarecidas, aos 39 anos de idade. ANS e’ (foi) uma daquelas figuras que se catapultaram para todo o tipo de headlines gracas ‘as suas imitacoes, mais ou menos bem conseguidas, da imagem de Marilyn Monroe, mas, sobretudo, ‘as sempre fascinantes estorias de “rags to riches”, isto e’, de “celebridades” que, vindo "do nada", por “acidentes de percurso”, acabam por juntar os seus nomes 'as listas das maiores fortunas do mundo. O “acidente de percurso” que mudou radicalmente a “fortuna” de ANS foi o seu casamento com um nonagenario bilionario da industria petrolifera, preso a uma cadeira de rodas, quando ela tinha 20 anos de idade. O nonagenario faleceu pouco tempo depois, como se esperava, e ANS saltou para as headlines por conta de um longo e turbulento processo judicial que lhe foi movido por um dos filhos do falecido pela heranca do seu pai… Ela ganha parcialmente o processo e, entretanto, volta a casar-se com o seu advogado, enquanto gravida de uma crianca, cuja paternidade esta’ ainda a ser disputada entre o novo marido e um dos seus namorados… Tres dias depois de essa crianca nascer, o filho de ANS, de 20 anos de idade, morre de uma suspeita overdose de anti-depressivos. Fui obtendo estas informacoes atraves de programas de televisao que ocasionalmente fui vendo ao longo dos anos, incluindo alguns episodios do “Anna Nicole Smith Show” (que vi, imagine-se, no Botswana), em que ela cronicava, entre outras coisas, a sua batalha contra a sua auto-induzida obesidade… Ha’ pouco mais de uma semana vi, no legendario “Larry King Live”, esse imparavel cronista das "altas esferas" americanas, uma longa sessao de acusacoes, contra-acusacoes, afirmacoes e contradicoes entre os dois pretendentes ‘a paternidade da filha recem-nascida de ANS… Sera’ interessante verificar que posicoes tomara’ cada um deles agora que ANS deixou o mundo dos vivos.
Enquanto escrevia isto nao parei de pensar em razoes que justifiquem o trazer deste assunto a este blog … A que se apresenta mais plausivel e’ que talvez valha a pena olharmos, nem que seja apenas de vez em quando, um pouco para mundos que parecem tao afastados do “mundo normal”, mas que na verdade sao povoados por protagonistas que acabam por ser tao vulneraveis como o comum dos mortais (… sorry excuse, I know… or... maybe not).

Adenda: Entretanto, um terceiro pretendente ao "trono" de pai da filha de ANS (...a ter em conta que quem "ganhe o titulo" habilita-se a herdar uma enorme fortuna, pelo menos ate' a crianca atingir a idade adulta...) saltou para a spotlight... Trata-se do "Principe Frederic Von Anhalf" (que e' na verdade filho de um policia alemao, que comprou o titulo 'a Princesa Marie Auguste von Anhalt da Alemanha, quando esta precisava de dinheiro, e que se dedica ao negocio de compra e venda de titulos nobiliarios europeus em Hollywood), marido da legendaria Zsa Zsa Gabor (que tambem tem passado os ultimos anos numa cadeira de rodas desde que sofreu um terrivel acidente de viacao), por sua vez tia-avo de uma outra "it girl" que tambem passa a vida nas headlines "just for the sex (... I mean, the sake) of it", a menina Paris Hilton. Larry King perguntou-lhe como e' que se sentia a Zsa Zsa perante a aparicao do marido no meio desta estoria, ao que o "principe" respondeu que "claro que ela esta' aborrecida porque ela e' loura e a ANS tambem era loura... mas eu gosto de louras, o que e' que eu posso fazer... eu sou homem, ninguem me pode culpar por isso." Larry perguntou-lhe se ele amava ANS. O "principe" respondeu: "Nao, eu nunca a amei, eu sempre amei a minha esposa. Ha' pessoas que vao para a cama com alguem e pensam que isso e' amor... amor e' uma coisa completamente diferente." (Pronto, prometo que nao volto a esta estoria!)

Thursday, 8 February 2007

SNOW IN LONDON


Snowing in London is so uncommon that when it happens at the “wrong time of the year” always brings mixed-feelings among Londoners who always dream of a “White Christmas” but rarely get one… This time (yesterday and today) it brought more than that though: schools were closed and public transport and airports almost paralysed. In any case, kids always have a great time!

(...)

Snowing in London is so uncommon that when it happens at the “wrong time of the year” always brings mixed-feelings among Londoners who always dream of a “White Christmas” but rarely get one… This time (yesterday and today) it brought more than that though: schools were closed and public transport and airports almost paralysed. In any case, kids always have a great time!

(...)

WHOOPI'S AFRICAN ORIGINS TRACED BACK TO GUINE-BISSAU

Acabei de ver/ouvir esta noticia numa cadeia de televisao Americana:

Atraves de testes de DNA, as origens Africanas de Whoopi Goldberg foram tracadas a Guine-Bissau. Ao tomar conhecimento dessa descoberta, o governo Guineense tera' enviado uma carta a Whoopi convidando-a a visitar o pais... (o comentador chama a atencao para a forma incorrecta como o nome da "nova filha da Guine Bissau" e' escrito na carta e para "o facto de que, no fundo, o que o governo Guineense pretende e' atrair turistas ao pais"...).

Em resposta, os representantes da Whoopi afirmaram que tal carta nunca foi recebida pela destinataria... que esta evita ao maximo viajar de aviao e que nao tem quaisquer intencoes de viajar no futuro proximo... (o comentador acrescenta que, imediatamente apos a descoberta, os filmes da Whoopi comecaram a ser intensamente divulgados no pais, embora com legendas "lost in translation" e que, apesar de o pais nao ter quaisquer recursos naturais, ao governo de Bissau nao falta optimismo, pelo que continua a acreditar que Whoopi visitara' o pais brevemente e que, atras dela, irao os turistas...).

Ca' estaremos para aplaudir!
Acabei de ver/ouvir esta noticia numa cadeia de televisao Americana:

Atraves de testes de DNA, as origens Africanas de Whoopi Goldberg foram tracadas a Guine-Bissau. Ao tomar conhecimento dessa descoberta, o governo Guineense tera' enviado uma carta a Whoopi convidando-a a visitar o pais... (o comentador chama a atencao para a forma incorrecta como o nome da "nova filha da Guine Bissau" e' escrito na carta e para "o facto de que, no fundo, o que o governo Guineense pretende e' atrair turistas ao pais"...).

Em resposta, os representantes da Whoopi afirmaram que tal carta nunca foi recebida pela destinataria... que esta evita ao maximo viajar de aviao e que nao tem quaisquer intencoes de viajar no futuro proximo... (o comentador acrescenta que, imediatamente apos a descoberta, os filmes da Whoopi comecaram a ser intensamente divulgados no pais, embora com legendas "lost in translation" e que, apesar de o pais nao ter quaisquer recursos naturais, ao governo de Bissau nao falta optimismo, pelo que continua a acreditar que Whoopi visitara' o pais brevemente e que, atras dela, irao os turistas...).

Ca' estaremos para aplaudir!

ECOS DA HISTORIA: A PROPOSITO DOS CONFLITOS NO BAIXO CONGO

O SIMBOLISMO DO LEOPARDO

Numa altura em que a situacao no Baixo-Congo continua a fazer as 'headlines', vem a proposito voltar aos arquivos da Historia, mais uma vez atraves de um artigo publicado pela revista Time, em 1959.



Qui a introduit le symbole du "Leopard" au Congo? MOBUTU?...NON, NON, NON! Mais n'est-ce pas lui que nous appelons le "Grand Leopard"? Si ce n'est pas lui qui a introduit le "leopard" dans la vie politique congolaise, qui alors? D'ou lui est venue l'idee de cette toque de leopard (Toque)? Eh bien de ... Kasa-Vubu!!! Apres les emeutes du 04 janvier 1959, un journaliste du magazine TIME reporte a partir de Leopoldville. Voici un extrait de son article publie le 19 janvier 1959 (vous pourrez lire plus bas le reste de l'article qui donne aussi un reportage des emeutes):

"... Sur la peau du Leopard - Parmi les noirs, un groupe quasi-religieux appele ABAKO a fait surface, un groupe que les journaux belges ont minimise comme etant un groupe tribal. A l'origine, il a ete forme par la tribu des Bakongo du Sud comme une sorte de syndicat pour se proteger contre les Bangalas. Mais sous le leadership d'un fanatique - mince, aux apparences timides mais avec une volonte de fer - nomme KASA-VUBU, age de 41 ans, ce groupe a progressivement tourne sa colere vers des cibles plus grandes. (...) Apres son election comme bourgmestre d'une des communes de Leopoldville en 1957, il s'est declare "Le Guide Supreme" et a commence a recevoir les hommages assis sur une PEAU DE LEOPARD, symbole tribal du pouvoir supreme." Remarquez la difference: Alors que Kasa-Vubu utilise la peau de leopard pour s'asseoir, Mobutu prefere la mettre sur la tete !!!

ASM

PS: TIME Magazine, January 19, 1959

"If Blood Must Run"

In the broad-boulevarded tropical city of Leopoldville one day last month, a security officer handed the Belgian Governor General a piece of paper with a song written on it. The composer was unknown, but the song itself was being sung at nationalist meetings throughout the territory. "Congoland, land of our forebears," ran the opening lines, "we will fight for our freedom, if blood must run in streams." Last week, after the worst eruption the Congo had seen in a decade, blood did in fact run in Léopoldville (pop. 300,000). In Brussels the reaction was stunned surprise. For 50 years the Belgians have—with model efficiency and unruffled complacency—run the land, 80 times the size of their own. That was once the private property of King Leopold II. They kept the 12.8 million blacks strictly segregated and denied them the vote—but then, the 107,000 white residents had no vote either, and paternalism had many advantages for all. It was not until 1957 that the Congolese, black or white, were allowed to take part in their first municipal elections, and the government has never clearly said how much more self-government can be expected.

On a Leopard Skin. Among the blacks there had sprung up a quasi-religious group called Abako, which Belgian newspapers brushed off as merely a tribal organization. Originally it had been formed by the Bakongo tribe of the south as a sort of protective union against the harder-working and more favored Bangalas. But under the leadership of a slight, timid-looking but steel-willed fanatic named Joseph Kasavubu, 41, it gradually turned its anger upon bigger targets. Just across the Congo River from Leopoldville sits Brazzaville (pop. 86,000), capital of French Equatorial Africa, which has been astir with De Gaulle's promise of autonomy. Kasavubu began to dream of reviving the fabled 14th century Kingdom of the Congo, combining territories now French, Belgian and Portuguese. After his election as one of Léopoldville' s commune burgomasters in 1957, he had himself declared "Supreme Leader" by his followers, and began receiving homage seated on a leopard skin, symbol of tribal supreme power.

Meanwhile, the rival Bangalas also began organizing, and the bush telegraph began to echo the nationalist sentiments of the recent All African Peoples Conference in Accra. To make matters worse, the demand for Congolese copper ore hit a slump, and jobless natives swarmed into the city to find work. Finally, one day last week, 4,000 blacks jammed into the courtyard of a Y.M.C.A. to hear Kasavubu speak at an unauthorized protest meeting. When the police arrived, the riots began. "Down with Belgium." With cries of "Independence! ", "Down with Belgium!" and "Vive Ghana!", the crowd surged down Prince Baudouin Avenue, was soon joined by thousands of spectators who were just then emerging from the football stadium. The swollen mob swept through the city, upset and burned cars, stoned and mauled Europeans, pillaged shops. Bands looted public buildings and invaded mission schools, concentrating their fury on Roman Catholic more than on Protestant schools (though Kasavubu, mission-educated, studied philosophy for three years as a Catholic seminarist). Under orders from their Belgian officers, African police opened fire, and Belgian paratroopers manned key points about the European part of the city. But for two whole days the rioting continued, until an estimated 175 people had been killed.

In Brussels a hushed special session of Parliament quickly voted to send an investigatory mission. The new Minister of the Congo, Maurice van Hemelrijck, a longtime critic of Belgian complacency and the author of a long-awaited proposal for the Congo's gradual emancipation that is to be presented to Parliament this week, gave his countrymen a brief but pointed lecture. "We have been on the border of catastrophe" he said. "We are not without fault. We could not wait so long without punishment before letting the Congolese know of our intentions."

Posted by Anderson Sunda Meya @ Mfuma Ne-Kongo Network
O SIMBOLISMO DO LEOPARDO

Numa altura em que a situacao no Baixo-Congo continua a fazer as 'headlines', vem a proposito voltar aos arquivos da Historia, mais uma vez atraves de um artigo publicado pela revista Time, em 1959.



Qui a introduit le symbole du "Leopard" au Congo? MOBUTU?...NON, NON, NON! Mais n'est-ce pas lui que nous appelons le "Grand Leopard"? Si ce n'est pas lui qui a introduit le "leopard" dans la vie politique congolaise, qui alors? D'ou lui est venue l'idee de cette toque de leopard (Toque)? Eh bien de ... Kasa-Vubu!!! Apres les emeutes du 04 janvier 1959, un journaliste du magazine TIME reporte a partir de Leopoldville. Voici un extrait de son article publie le 19 janvier 1959 (vous pourrez lire plus bas le reste de l'article qui donne aussi un reportage des emeutes):

"... Sur la peau du Leopard - Parmi les noirs, un groupe quasi-religieux appele ABAKO a fait surface, un groupe que les journaux belges ont minimise comme etant un groupe tribal. A l'origine, il a ete forme par la tribu des Bakongo du Sud comme une sorte de syndicat pour se proteger contre les Bangalas. Mais sous le leadership d'un fanatique - mince, aux apparences timides mais avec une volonte de fer - nomme KASA-VUBU, age de 41 ans, ce groupe a progressivement tourne sa colere vers des cibles plus grandes. (...) Apres son election comme bourgmestre d'une des communes de Leopoldville en 1957, il s'est declare "Le Guide Supreme" et a commence a recevoir les hommages assis sur une PEAU DE LEOPARD, symbole tribal du pouvoir supreme." Remarquez la difference: Alors que Kasa-Vubu utilise la peau de leopard pour s'asseoir, Mobutu prefere la mettre sur la tete !!!

ASM

PS: TIME Magazine, January 19, 1959

"If Blood Must Run"

In the broad-boulevarded tropical city of Leopoldville one day last month, a security officer handed the Belgian Governor General a piece of paper with a song written on it. The composer was unknown, but the song itself was being sung at nationalist meetings throughout the territory. "Congoland, land of our forebears," ran the opening lines, "we will fight for our freedom, if blood must run in streams." Last week, after the worst eruption the Congo had seen in a decade, blood did in fact run in Léopoldville (pop. 300,000). In Brussels the reaction was stunned surprise. For 50 years the Belgians have—with model efficiency and unruffled complacency—run the land, 80 times the size of their own. That was once the private property of King Leopold II. They kept the 12.8 million blacks strictly segregated and denied them the vote—but then, the 107,000 white residents had no vote either, and paternalism had many advantages for all. It was not until 1957 that the Congolese, black or white, were allowed to take part in their first municipal elections, and the government has never clearly said how much more self-government can be expected.

On a Leopard Skin. Among the blacks there had sprung up a quasi-religious group called Abako, which Belgian newspapers brushed off as merely a tribal organization. Originally it had been formed by the Bakongo tribe of the south as a sort of protective union against the harder-working and more favored Bangalas. But under the leadership of a slight, timid-looking but steel-willed fanatic named Joseph Kasavubu, 41, it gradually turned its anger upon bigger targets. Just across the Congo River from Leopoldville sits Brazzaville (pop. 86,000), capital of French Equatorial Africa, which has been astir with De Gaulle's promise of autonomy. Kasavubu began to dream of reviving the fabled 14th century Kingdom of the Congo, combining territories now French, Belgian and Portuguese. After his election as one of Léopoldville' s commune burgomasters in 1957, he had himself declared "Supreme Leader" by his followers, and began receiving homage seated on a leopard skin, symbol of tribal supreme power.

Meanwhile, the rival Bangalas also began organizing, and the bush telegraph began to echo the nationalist sentiments of the recent All African Peoples Conference in Accra. To make matters worse, the demand for Congolese copper ore hit a slump, and jobless natives swarmed into the city to find work. Finally, one day last week, 4,000 blacks jammed into the courtyard of a Y.M.C.A. to hear Kasavubu speak at an unauthorized protest meeting. When the police arrived, the riots began. "Down with Belgium." With cries of "Independence! ", "Down with Belgium!" and "Vive Ghana!", the crowd surged down Prince Baudouin Avenue, was soon joined by thousands of spectators who were just then emerging from the football stadium. The swollen mob swept through the city, upset and burned cars, stoned and mauled Europeans, pillaged shops. Bands looted public buildings and invaded mission schools, concentrating their fury on Roman Catholic more than on Protestant schools (though Kasavubu, mission-educated, studied philosophy for three years as a Catholic seminarist). Under orders from their Belgian officers, African police opened fire, and Belgian paratroopers manned key points about the European part of the city. But for two whole days the rioting continued, until an estimated 175 people had been killed.

In Brussels a hushed special session of Parliament quickly voted to send an investigatory mission. The new Minister of the Congo, Maurice van Hemelrijck, a longtime critic of Belgian complacency and the author of a long-awaited proposal for the Congo's gradual emancipation that is to be presented to Parliament this week, gave his countrymen a brief but pointed lecture. "We have been on the border of catastrophe" he said. "We are not without fault. We could not wait so long without punishment before letting the Congolese know of our intentions."

Posted by Anderson Sunda Meya @ Mfuma Ne-Kongo Network

Wednesday, 7 February 2007

FLOR DO JACARANDA'


Jacaranda' em flor. Este e' de Gaborone (cidade dos jacarandas e das buganvilias), mas tambem se encontram, e muitos, em Tswane (Pretoria - cidade so' dos jacarandas). Embora ainda se possam ver nesta altura do ano, a altura certa para os fruir em plenitude e' em Setembro/Outubro, imediatamente a seguir 'a primeira grande chuvada do ano. Tenho ouvido falar dos jacarandas do Huambo, mas como nunca la' fui nao sei se dao flores da mesma cor... De qualquer modo, parecem ter algum parentesco, mesmo que longinquo geografica e botanicamente, com as amendoeiras em flor que o Denudado mostra hoje no seu blog.

Jacaranda' em flor. Este e' de Gaborone (cidade dos jacarandas e das buganvilias), mas tambem se encontram, e muitos, em Tswane (Pretoria - cidade so' dos jacarandas). Embora ainda se possam ver nesta altura do ano, a altura certa para os fruir em plenitude e' em Setembro/Outubro, imediatamente a seguir 'a primeira grande chuvada do ano. Tenho ouvido falar dos jacarandas do Huambo, mas como nunca la' fui nao sei se dao flores da mesma cor... De qualquer modo, parecem ter algum parentesco, mesmo que longinquo geografica e botanicamente, com as amendoeiras em flor que o Denudado mostra hoje no seu blog.

Tuesday, 6 February 2007

AINDA O 4 DE FEVEREIRO

«Gentios ultrapassaram os poetas na luta de libertação de Angola»

Este o destaque de uma entrevista com Jaime Araújo Júnior, representante da FNLA em Portugal, publicada no “Notícias Lusófonas” no passado 03/02/07. Aqui ficam alguns extractos:

Notícias Lusófonas – A FNLA e o MPLA têm-se travado de razões relativamente ao início da luta armada contra o regime colonial. Afinal de contas, foi a 4 de Fevereiro ou a 15 de Março de 1961 que a mesma começou?

Jaime Araújo – A primeira acção armada foi a do 4 de Fevereiro já longamente programado pela UPA, aliás quem liderou esta acção foi o próprio Monsenhor Cónego Manuel Joaquim Mendes das Neves que era vice-presidente da UPA desde os idos de 1956/7. Foi ele que liderou a acção a par de outros nacionalistas que hoje integram o MPLA, mas que na altura eram militantes da UPA. Não se pode ocultar os factos retirando o valor histórico que tem o 4 de Fevereiro. O valor histórico do 4 de Fevereiro vem sendo retirado por estar a ser partidarizado. O líder do 4 de Fevereiro, Monsenhor Cónego Manuel das Neves, é um elemento aglutinador ao contrário dos outros.

NL – Quem são os “outros”?

JA – Os outros são os líderes partidários que não têm a coragem de se sentar à mesa para dirimirem questões pessoais e ideológicas e colocarem o interesse nacional acima de tudo. O interesse nacional obriga a que se tenha o 4 de Fevereiro como um marco aglutinador e não uma data que divida os angolanos como tem sido até agora.

NL – Disse há bocado que os “gentios” estiveram a frente da luta de libertação nacional. Quem são os “gentios” afinal?

JA – Os “gentios” são aqueles que mais sofrem e têm a capacidade de transformar o seu sofrimento num programa imediato de reivindicação. Independentemente do seu sofrimento sempre foram a frente. Foi assim no 4 de Fevereiro, foi assim no 15 de Março. A frente foram os “gentios” ou pelo menos considerados como tal por não terem estudado no Liceu Salvador Correia, no Diogo Cão ou ainda por não terem andado na cidade de Luanda.

NL – Os "gentios" são os da UPA/FNLA?

JA – Dizem uns que são, embora eu veja lá muita gente letrada. Mas são estes "gentios" que ainda hoje reivindicam que é a escola que deve ir ter com os alunos e não o inverso. Os actuais líderes sabem disso porque são homens que tiveram que percorrer inúmeros quilómetros para ir a escola. É bom que eles acordem e que apliquem o princípio "a escola junto de quem necessita". Ainda hoje são estes "gentios" que estão a reclamar isso porque não estão a escrever poesias nem livros nas grandes cidades, estão a reivindicar permanentemente por aquilo que lhes faz falta.

NL – Quando invoca a poesia está a falar de quem?

JA – Os poetas fazem parte do nosso património cultural nacional. Mas não podemos, face ao sofrimento, passar o tempo na poesia postergando a realidade para planos secundários. Primeiro a reivindicação para comer, para escola, hospital e depois então podemos perder o tempo na poesia. Porque nós, angolanos, somos bons na poesia. A poesia faz falta. Mas que seja como complemento quando ainda há imensa dor para resolver.

NL – Que lugares ocupam os "gentios" no contexto actual em Angola uma vez que sempre se antecederam na luta de libertação em relação aos poetas?

JA – Também não queríamos ter agora gentios no poder, se tomar a palavra à letra. Mas muitos deles não eram de tal modo "gentios" de todo que foram levados para o poder pelo MPLA para postos elevados.

NL – As reclamações dos "gentios" continuam actuais passados 30 anos de independência?

JA – Os "gentios" ainda continuam a clamar por liberdade. A liberdade continua a ser o elemento fundamental a reclamar em Angola. A liberdade de poder reivindicar e o poder perceber que ela, a reivindicação, tem fundamento. É que até hoje não há reivindicação em Angola em que o poder tenha reconhecido nela algum fundamento. E isso é a denegação da liberdade.

NL – Há um grande divórcio entre o povo e o poder?

JA – Isso é visível quando os ministros não conseguem passear na cidade capital sem guarda-costas. Os ministros não conseguem passear pelas ruas de Luanda com tranquilidade. Até as pessoas que assumem o poder em Angola não têm liberdade.

NL – Sei que militou na UPA, hoje FNLA. Uma pergunta: insere-se no grupo dos "gentios" que sempre reivindicou melhores condições para Angola e para os angolanos?

JA – Não tenho, nem nunca tive medo dos "gentios". Convivi sempre com eles. As pessoas valem como pessoas. Tinha 17 anos e no quintal da minha casa eu tinha uma escola para ensinar os serventes das casas do meu bairro, Vila-Alice. Todos os serventes do bairro iam a minha casa aprender e eu ensinava-os. Nunca tive problemas com os "gentios". Tive sempre problemas com os poetas. Não sei ler, nem entendo muito bem a poesia. Mas eles que fiquem calmos que também fazem falta à nação.

Ler entrevista completa aqui.

Fotos: Monumento ao 4 de Fevereiro, Luanda (Angola Press)

«Gentios ultrapassaram os poetas na luta de libertação de Angola»

Este o destaque de uma entrevista com Jaime Araújo Júnior, representante da FNLA em Portugal, publicada no “Notícias Lusófonas” no passado 03/02/07. Aqui ficam alguns extractos:

Notícias Lusófonas – A FNLA e o MPLA têm-se travado de razões relativamente ao início da luta armada contra o regime colonial. Afinal de contas, foi a 4 de Fevereiro ou a 15 de Março de 1961 que a mesma começou?

Jaime Araújo – A primeira acção armada foi a do 4 de Fevereiro já longamente programado pela UPA, aliás quem liderou esta acção foi o próprio Monsenhor Cónego Manuel Joaquim Mendes das Neves que era vice-presidente da UPA desde os idos de 1956/7. Foi ele que liderou a acção a par de outros nacionalistas que hoje integram o MPLA, mas que na altura eram militantes da UPA. Não se pode ocultar os factos retirando o valor histórico que tem o 4 de Fevereiro. O valor histórico do 4 de Fevereiro vem sendo retirado por estar a ser partidarizado. O líder do 4 de Fevereiro, Monsenhor Cónego Manuel das Neves, é um elemento aglutinador ao contrário dos outros.

NL – Quem são os “outros”?

JA – Os outros são os líderes partidários que não têm a coragem de se sentar à mesa para dirimirem questões pessoais e ideológicas e colocarem o interesse nacional acima de tudo. O interesse nacional obriga a que se tenha o 4 de Fevereiro como um marco aglutinador e não uma data que divida os angolanos como tem sido até agora.

NL – Disse há bocado que os “gentios” estiveram a frente da luta de libertação nacional. Quem são os “gentios” afinal?

JA – Os “gentios” são aqueles que mais sofrem e têm a capacidade de transformar o seu sofrimento num programa imediato de reivindicação. Independentemente do seu sofrimento sempre foram a frente. Foi assim no 4 de Fevereiro, foi assim no 15 de Março. A frente foram os “gentios” ou pelo menos considerados como tal por não terem estudado no Liceu Salvador Correia, no Diogo Cão ou ainda por não terem andado na cidade de Luanda.

NL – Os "gentios" são os da UPA/FNLA?

JA – Dizem uns que são, embora eu veja lá muita gente letrada. Mas são estes "gentios" que ainda hoje reivindicam que é a escola que deve ir ter com os alunos e não o inverso. Os actuais líderes sabem disso porque são homens que tiveram que percorrer inúmeros quilómetros para ir a escola. É bom que eles acordem e que apliquem o princípio "a escola junto de quem necessita". Ainda hoje são estes "gentios" que estão a reclamar isso porque não estão a escrever poesias nem livros nas grandes cidades, estão a reivindicar permanentemente por aquilo que lhes faz falta.

NL – Quando invoca a poesia está a falar de quem?

JA – Os poetas fazem parte do nosso património cultural nacional. Mas não podemos, face ao sofrimento, passar o tempo na poesia postergando a realidade para planos secundários. Primeiro a reivindicação para comer, para escola, hospital e depois então podemos perder o tempo na poesia. Porque nós, angolanos, somos bons na poesia. A poesia faz falta. Mas que seja como complemento quando ainda há imensa dor para resolver.

NL – Que lugares ocupam os "gentios" no contexto actual em Angola uma vez que sempre se antecederam na luta de libertação em relação aos poetas?

JA – Também não queríamos ter agora gentios no poder, se tomar a palavra à letra. Mas muitos deles não eram de tal modo "gentios" de todo que foram levados para o poder pelo MPLA para postos elevados.

NL – As reclamações dos "gentios" continuam actuais passados 30 anos de independência?

JA – Os "gentios" ainda continuam a clamar por liberdade. A liberdade continua a ser o elemento fundamental a reclamar em Angola. A liberdade de poder reivindicar e o poder perceber que ela, a reivindicação, tem fundamento. É que até hoje não há reivindicação em Angola em que o poder tenha reconhecido nela algum fundamento. E isso é a denegação da liberdade.

NL – Há um grande divórcio entre o povo e o poder?

JA – Isso é visível quando os ministros não conseguem passear na cidade capital sem guarda-costas. Os ministros não conseguem passear pelas ruas de Luanda com tranquilidade. Até as pessoas que assumem o poder em Angola não têm liberdade.

NL – Sei que militou na UPA, hoje FNLA. Uma pergunta: insere-se no grupo dos "gentios" que sempre reivindicou melhores condições para Angola e para os angolanos?

JA – Não tenho, nem nunca tive medo dos "gentios". Convivi sempre com eles. As pessoas valem como pessoas. Tinha 17 anos e no quintal da minha casa eu tinha uma escola para ensinar os serventes das casas do meu bairro, Vila-Alice. Todos os serventes do bairro iam a minha casa aprender e eu ensinava-os. Nunca tive problemas com os "gentios". Tive sempre problemas com os poetas. Não sei ler, nem entendo muito bem a poesia. Mas eles que fiquem calmos que também fazem falta à nação.

Ler entrevista completa aqui.

Fotos: Monumento ao 4 de Fevereiro, Luanda (Angola Press)