Sunday, 4 February 2007

4 de FEVEREIRO

Para assinalar o 4 de Fevereiro parece particularmente apropriado acrescentar hoje ‘a ‘playlist’ dos Kiezos o Milhorro’. "Milhorro’ foi escrito por Abel Murrimba (“Murrimba Show”) em 1961, num botequim do Marçal. Milhorro’ e’ giria para melhorar: Angola tem que melhorar. “Vão se embora” – subentendido, os colonialistas – “isto assim não pode ser.” A versão de 61 tambem falava dos arrarakuaras, a policia indigena criada para fazer rusgas nos bairros. Quando os Kiezos lançaram esta musica em 1972, foram interpelados no salão do Batalha pela Pide. Murrimba Show teve que inventar uma explicação: o convite a irem-se embora era dirigido ao Cabinda Ritmos que fazia muito sucesso em Luanda, lhes roubando publico e namoradas. Milhorro', tocado a boa maneira dos Kiezos, foi um grande sucesso."*

Entretanto...

Governo de Luanda anula acto alusivo ao 4 de Fevereiro

O governo da província de Luanda decidiu anular a realização do acto político alusivo ao 46º aniversário do início da luta armada, que deveria ser realizado hoje no Marco Histórico do 4 de Fevereiro, no município do Cazenga.
De acordo com uma nota de imprensa emitida pelo governo de Luanda, a anulação da realização do acto político se deve ao momento actual de consternação dos luandenses, provocada pelas consequências das últimas enxurradas que se abateram sobre a capital, e ao estado degradante das vias de acesso ao Marco Histórico.
O acto anulado constava do programa das comemorações do 46º aniversário do início da luta armada, o qual , entretanto, mantém a homenagem aos heróis desta proeza nacionalista. A homenagem consistirá na deposição, às nove horas, de coroas de flores nos túmulos dos comandantes Paiva Domingos da Silva e Imperial Santana e do cónego Manuel das Neves, no Cemitério do Alto das Cruzes.
Do referido programa mantém-se igualmente a cerimónia de lançamento do livro “Angola-ontem e hoje-cronologia de passos rumo à libertação nacional”, do escritor António Cortez, na Liga Africana.

Fonte: Jornal de Angola

Foto: Monumento ao 4 de Fevereiro, Luanda (Angola Press)

*(Extracto de compilação de textos de Jorge Macedo, Artur Arriscado, João Chagas, Gilberto Junior e Ariel de Bigault, in Angola 70’s – Buda Musique 1999)
Para assinalar o 4 de Fevereiro parece particularmente apropriado acrescentar hoje ‘a ‘playlist’ dos Kiezos o Milhorro’. "Milhorro’ foi escrito por Abel Murrimba (“Murrimba Show”) em 1961, num botequim do Marçal. Milhorro’ e’ giria para melhorar: Angola tem que melhorar. “Vão se embora” – subentendido, os colonialistas – “isto assim não pode ser.” A versão de 61 tambem falava dos arrarakuaras, a policia indigena criada para fazer rusgas nos bairros. Quando os Kiezos lançaram esta musica em 1972, foram interpelados no salão do Batalha pela Pide. Murrimba Show teve que inventar uma explicação: o convite a irem-se embora era dirigido ao Cabinda Ritmos que fazia muito sucesso em Luanda, lhes roubando publico e namoradas. Milhorro', tocado a boa maneira dos Kiezos, foi um grande sucesso."*

Entretanto...

Governo de Luanda anula acto alusivo ao 4 de Fevereiro

O governo da província de Luanda decidiu anular a realização do acto político alusivo ao 46º aniversário do início da luta armada, que deveria ser realizado hoje no Marco Histórico do 4 de Fevereiro, no município do Cazenga.
De acordo com uma nota de imprensa emitida pelo governo de Luanda, a anulação da realização do acto político se deve ao momento actual de consternação dos luandenses, provocada pelas consequências das últimas enxurradas que se abateram sobre a capital, e ao estado degradante das vias de acesso ao Marco Histórico.
O acto anulado constava do programa das comemorações do 46º aniversário do início da luta armada, o qual , entretanto, mantém a homenagem aos heróis desta proeza nacionalista. A homenagem consistirá na deposição, às nove horas, de coroas de flores nos túmulos dos comandantes Paiva Domingos da Silva e Imperial Santana e do cónego Manuel das Neves, no Cemitério do Alto das Cruzes.
Do referido programa mantém-se igualmente a cerimónia de lançamento do livro “Angola-ontem e hoje-cronologia de passos rumo à libertação nacional”, do escritor António Cortez, na Liga Africana.

Fonte: Jornal de Angola

Foto: Monumento ao 4 de Fevereiro, Luanda (Angola Press)

*(Extracto de compilação de textos de Jorge Macedo, Artur Arriscado, João Chagas, Gilberto Junior e Ariel de Bigault, in Angola 70’s – Buda Musique 1999)

2 comments:

Kimang said...

...ao estado degradante das vias de acesso ao Marco Histórico (Kazenga).

O "Marco" tem qualquer coisa de comparável com o "Padrão
ou é ignorância minha?
Kimang.

Koluki tem frescura, é global e faz-me sentir "em casa".
Peço permissão para o mencionar nos :
www.kimang.blogspot.com
www.kimangola.blogspot.com
Kim

Koluki said...

Seja sempre bem-vindo, Kim, Kimang, Kimangola!
Nada me faz sentir melhor do que saber que quem entra nesta, ou em qualquer das "minhas casas", se sente sempre bem, vindo da blogosfera ou do alem!
Agora... esse seu "pedido de autorizacao" e' que me deixa um pouco constrangida, porque tomei a liberdade, sem qualquer pedido de autorizacao previa, de incluir os links aos seus blogs nos meus caminhos do rio assim que os descobri...