Saturday, 29 January 2011

Piano Em Ilha Deserta Plantado



[aqui]



E por falar em cinema, outro filme que me marcou foi O Piano...








[aqui]



E por falar em cinema, outro filme que me marcou foi O Piano...






Friday, 28 January 2011

Portugal’s Colonial Complex ...

... From Colonial Lusotropicalism to Postcolonial Lusophony


[Miguel Vale de Almeida]


Lusotropicalism was the invention of a Brazilian author, Gilberto Freyre. Although he is widely known as the author of Casa Grande e Senzala (The Masters and the Slaves, in the English translation), he did not explicitly use the concept in that major work of his, written in the 1930s. The underlying notions – that the Portuguese, due to historical and cultural reasons had an inclination towards adaptation and miscegenation – were there, but the term was not branded until the 1950s in books that he wrote on the aftermath of his journeys throughout the Portuguese colonial empire.

It is therefore significant to note that we are dealing with a theory that has a complex colonial and postcolonial history: a Brazilian author, involved in the intellectual struggles about the representations of the national identity of his country (independent since the 19th century) proposes an historical interpretation of Brazil’s formation in which the Portuguese play a major role; he is then invited to visit the Portuguese colonies in Africa and India and, by means of comparison and analogy between Brazil and Africa, he develops the notion of Lusotropicalism as a special kind of inclination or capacity for miscegenation that the Portuguese were supposed to have; this interpretation is then used by the Portuguese colonial regime to legitimize its claims in Africa against growing anticolonial pressure as of the late 1950s and until the demise of the colonial and dictatorial regime in the early 1970s.

[...]

Portugal had no economic, military or demographic power – after the demise of the first and second empires, respectively in India and the East in the 16th and 17th centuries, and in Brazil in the 17th and 18th centuries – to effectively occupy its historical territories in Africa. It was not until Salazar’s regime that an actual colonial enterprise in Africa was set up (that is, a colonial regime, with proper institutions and knowledge systems). Portugal lived under a dictatorship from 1926 to 1974 and throughout this period the African colonies were to occupy a major and central role not only in the economy but also in the official representations of national identity. How was this done?

[...]

That is probably why the effective occupation of the African colonies, which took place as of the 1940s and 1950s was done on the basis of different “Constitutions” – i.e., sets of rules for politically administering the populations, based on specific representations of difference and sameness. One the one hand, some territories were classified as not quite colonies. Cape Verde and India were seen as products of an on-going miscegenation, for different reasons. Cape Verde was the outcome of a mix between Portuguese colonials and slaves from the African mainland imported to a deserted archipelago. And India was seen as a civilization in its own right, a civilization that had met another, that of European Christianity.

Cape Verdean culture was classified as regional, not as colonial, and its population – its elites – had special rights, one of which was their recruitment as colonial middlemen in the African mainland. Other colonies, like Angola and Mozambique, were clearly seen as African and there a different “constitution” was established. With an economy based on forced labor, people were divided into three legal categories: citizens, i.e. the Portuguese; indigenous or native; and “assimilated”. The assimilated were indigenous people who had to undergo a probation period and exams in order to prove that they were Christian, that they dressed in European fashion, that they were monogamous, and that they spoke Portuguese (bear this in mind). They never amounted to more than 1% of the colonial population.

[...]

It was at that juncture that, in the 1950s, Freyre was invited by the Minister of the Overseas to visit and write on the colonies. His ideas were already being received and discussed in the stifling intellectual circles of Lisbon. They fitted nicely with the vague humanistic perspectives of the traditional Left, but they fit even more nicely with the regime’s growing strategy toward presenting the Portuguese empire as a multiracial and multi-continental nation.

[...]

Both the Portuguese state and the population had their representations challenged by the flux of migrants that started in the late 1980s and is still going on. These were initially (and still are) from ex-colonies in Africa and then from Brazil and Eastern European countries. The immigration of Africans faced the Portuguese with their own representations of colonial miscegenation, tolerance and exceptionalism.

This resulted in a cognitive tension that social scientists have identified in studies on blatant and covert racism: statements on the non-racist character of Portuguese society are hegemonic and are usually justified with the example of Portuguese expansion and colonialism as exceptionally tolerant, in what could be labeled as a form of popular lusotropicalism (and an evidence of how hegemonic that discourse became); but they are confronted with the social exclusion of immigrants, their geographical ascription to the worse neighborhoods, the exploitation of their labor and the difficulties they face when applying for citizenship or to access rights of all sorts.

[...]

This I call postlusotropicalism, playing with the similarity with the notion of post
colonialism, as the study of colonial continuations in the present. That is also why one cannot just denounce the colonial in the postcolonial. One should also acknowledge that, for better or worse, the colonial experience did create a common world of reference for many people. What we should do is work on this basic statement and set out to identify the intricate relations between power and emancipation, violence and pleasure in which such a forced commonality became a lived commonality.

It is as if we were all still caught in Freyre’s erotically charged vignette (because terrifying and pleasurable) describing sexual relations between a Portuguese male slave owner and his female black slave in 16th century Northeastern Brazil. This image still haunts us today, with its contradictions of power and intimacy, connecting the ambiguities of Lusotropicalism with those of Lusophony. That is why I have used the expression “Complex” in the title: both in the sense of “intricate” or “complicated”, and in the psychoanalytical sense.


[Extracts from here]


Related posts:


"Complexo de Colonizado"

Parafraseando

Feminismo Negro Brasileiro

Lusofonia e Antropologia

Lusofonia: Cultura ou Ideologia?

Conferencia Internacional sobre Cultura Tchokwe'


... From Colonial Lusotropicalism to Postcolonial Lusophony


[
Miguel Vale de Almeida]


Lusotropicalism was the invention of a Brazilian author, Gilberto Freyre. Although he is widely known as the author of Casa Grande e Senzala (The Masters and the Slaves, in the English translation), he did not explicitly use the concept in that major work of his, written in the 1930s. The underlying notions – that the Portuguese, due to historical and cultural reasons had an inclination towards adaptation and miscegenation – were there, but the term was not branded until the 1950s in books that he wrote on the aftermath of his journeys throughout the Portuguese colonial empire.

It is therefore significant to note that we are dealing with a theory that has a complex colonial and postcolonial history: a Brazilian author, involved in the intellectual struggles about the representations of the national identity of his country (independent since the 19th century) proposes an historical interpretation of Brazil’s formation in which the Portuguese play a major role; he is then invited to visit the Portuguese colonies in Africa and India and, by means of comparison and analogy between Brazil and Africa, he develops the notion of Lusotropicalism as a special kind of inclination or capacity for miscegenation that the Portuguese were supposed to have; this interpretation is then used by the Portuguese colonial regime to legitimize its claims in Africa against growing anticolonial pressure as of the late 1950s and until the demise of the colonial and dictatorial regime in the early 1970s.

[...]

Portugal had no economic, military or demographic power – after the demise of the first and second empires, respectively in India and the East in the 16th and 17th centuries, and in Brazil in the 17th and 18th centuries – to effectively occupy its historical territories in Africa. It was not until Salazar’s regime that an actual colonial enterprise in Africa was set up (that is, a colonial regime, with proper institutions and knowledge systems). Portugal lived under a dictatorship from 1926 to 1974 and throughout this period the African colonies were to occupy a major and central role not only in the economy but also in the official representations of national identity. How was this done?

[...]

That is probably why the effective occupation of the African colonies, which took place as of the 1940s and 1950s was done on the basis of different “Constitutions” – i.e., sets of rules for politically administering the populations, based on specific representations of difference and sameness. One the one hand, some territories were classified as not quite colonies. Cape Verde and India were seen as products of an on-going miscegenation, for different reasons. Cape Verde was the outcome of a mix between Portuguese colonials and slaves from the African mainland imported to a deserted archipelago. And India was seen as a civilization in its own right, a civilization that had met another, that of European Christianity.

Cape Verdean culture was classified as regional, not as colonial, and its population – its elites – had special rights, one of which was their recruitment as colonial middlemen in the African mainland. Other colonies, like Angola and Mozambique, were clearly seen as African and there a different “constitution” was established. With an economy based on forced labor, people were divided into three legal categories: citizens, i.e. the Portuguese; indigenous or native; and “assimilated”. The assimilated were indigenous people who had to undergo a probation period and exams in order to prove that they were Christian, that they dressed in European fashion, that they were monogamous, and that they spoke Portuguese (bear this in mind). They never amounted to more than 1% of the colonial population.

[...]

It was at that juncture that, in the 1950s, Freyre was invited by the Minister of the Overseas to visit and write on the colonies. His ideas were already being received and discussed in the stifling intellectual circles of Lisbon. They fitted nicely with the vague humanistic perspectives of the traditional Left, but they fit even more nicely with the regime’s growing strategy toward presenting the Portuguese empire as a multiracial and multi-continental nation.

[...]

Both the Portuguese state and the population had their representations challenged by the flux of migrants that started in the late 1980s and is still going on. These were initially (and still are) from ex-colonies in Africa and then from Brazil and Eastern European countries. The immigration of Africans faced the Portuguese with their own representations of colonial miscegenation, tolerance and exceptionalism.

This resulted in a cognitive tension that social scientists have identified in studies on blatant and covert racism: statements on the non-racist character of Portuguese society are hegemonic and are usually justified with the example of Portuguese expansion and colonialism as exceptionally tolerant, in what could be labeled as a form of popular lusotropicalism (and an evidence of how hegemonic that discourse became); but they are confronted with the social exclusion of immigrants, their geographical ascription to the worse neighborhoods, the exploitation of their labor and the difficulties they face when applying for citizenship or to access rights of all sorts.

[...]

This I call postlusotropicalism, playing with the similarity with the notion of post
colonialism, as the study of colonial continuations in the present. That is also why one cannot just denounce the colonial in the postcolonial. One should also acknowledge that, for better or worse, the colonial experience did create a common world of reference for many people. What we should do is work on this basic statement and set out to identify the intricate relations between power and emancipation, violence and pleasure in which such a forced commonality became a lived commonality.

It is as if we were all still caught in Freyre’s erotically charged vignette (because terrifying and pleasurable) describing sexual relations between a Portuguese male slave owner and his female black slave in 16th century Northeastern Brazil. This image still haunts us today, with its contradictions of power and intimacy, connecting the ambiguities of Lusotropicalism with those of Lusophony. That is why I have used the expression “Complex” in the title: both in the sense of “intricate” or “complicated”, and in the psychoanalytical sense.


[Extracts from here]


Related posts:


"Complexo de Colonizado"

Parafraseando

Feminismo Negro Brasileiro

Lusofonia e Antropologia

Lusofonia: Cultura ou Ideologia?

Conferencia Internacional sobre Cultura Tchokwe'


Wednesday, 26 January 2011

Feminismo Negro Brasileiro [Actualizado]





"No Brasil se produziu a forma mais perversa de racismo que existe no mundo"

"Entre a esquerda e a direita eu sei que eu continuo preta"

"Gilberto Freyre é um dano para as mulheres negras, um dano psíquico, um dano emocional, um dano brutal"






N.B.

- Se "no Brasil se produziu a forma mais perversa de racismo que existe no mundo", Angola nao lhe ficou atras. E com a agravante de o racismo aqui ser camuflado e passar impunemente sob o "manto negro" de o pais ser de "maioria negra" - mas tambem o era a Africa do Sul do Apartheid - e o governo pos-independencia ser constituido maioritariamente por negros - mas quem disse que os negros, sobretudo quando no poder (... primeiro, segundo, terceiro, ou quarto...), nao sao capazes de praticar racismo, ou da sua pratica serem coniventes e cumplices activos ou passivos, contra os seus congeneres, particularmente quando estes sao mulheres e, especialmente, quando vulneraveis pelas mais diversas razoes?

Um outro factor de agravamento do caso de Angola e' que, pelo menos aparentemente, a estratificacao socio-economica e cultural com base na cor da pele entre negros e mesticos no Brasil nao tera' sido tao marcada como em Angola - nisso o Brasil parece assemelhar-se mais aos EUA - sendo que em Angola aos mesticos se juntam os caboverdeanos (veja-se o que se diz a esse respeito neste post e tambem neste) e, ja' agora, embora relativamente poucos, os indianos ... sendo que todos os complexos dai resultantes se reflectem de forma mais ou menos evidente nesta orgia ...

- Se "Gilberto Freyre é um dano para as mulheres negras (brasileiras), um dano psíquico, um dano emocional, um dano brutal" - veja-se, a este proposito, os comentarios a este post -, na medida em que as suas teorias foram adoptadas em Angola, tanto no periodo colonial (Lusotropicalismo), como no pos-colonial - e agora mais do que nunca, com a construcao da "nacao crioula" sob a "neofita ideologia dos (pretensos) afectos" - ele nao o e' menos para as mulheres negras de Angola.

Certamente para mim que, por (entre outros atrevimentos e crimes de lesa-patria, ter-me formado ao nivel do mestrado numa area "nao tradicionalmente feminina" e, certamente, "nao muito adequada a negras" - estas sao, supostamente, exclusivamente destinadas ao lugar social de "parideiras em serie", especialmente "ao servico da reproducao da nacao crioula", nao importa sob que "termos e condicoes"... -, por uma alta escola fora do mundo lusofono, ja' para nao mencionar os "assassinios a sangue frio" de "coitados" e "svengalis"...), ter ousado, ha' ja' varios anos, afirmar publica e frontalmente a minha identidade negra, entre outros lugares, aqui, onde me refiro explicitamente ao lusotropicalismo, e vir denunciando varias formas de racismo e sexismo, abertas e veladas, directas e indirectas, em particular contra as mulheres negras (e que me seja permitida a redundancia: contra mim!), que em Angola e no mundo lusofono em geral passam por "tudo menos isso" (de facto, chegam a passar por "amor", "amizade", "carinho" ou "afecto"...), tenho sido alvo da mais soez, sordida, brutal, monstruosa e traumatica campanha , com todo o tipo de ataques, insultos, ultrajes e ameacas, incluindo de morte (!), pelo meio, movida por homens e mulheres, negros, brancos e mesticos, de esquerda e de direita, visando a minha desumanizacao e desestruturacao psicologica, degradacao moral, objectificacao sexual, aniquilamento pessoal e descredito academico-profissional e, pior do que isso, tentando transformar-me de vitima em perpetradora
(... tal como, alias, o movimento da "consciencia negra" no Brasil tem sido denegrido, deturpado, difamado e perversamente transformado em "racismo negro"...), numa certa "lusosfera" e "imprensa angolana" bem identificadas, assim ferindo de morte os meus mais elementares direitos humanos e civicos, tal como aqui referidos...

Sendo que, no que a este blog especificamente diz respeito, tudo comecou quando me atrevi a questionar uma flagrante violacao dos direitos a privacidade e intimidade de um certo grupo de "mamas do Lwena"... tal como os meus veem sendo sistematica e impunemente violados por homens de todas as racas, 'liderados' pela mesma "mulher", digo "ninfa", branca racista, em ambos os casos usando de seus 'amplos p(h)oderes'!

De facto, desde a publicacao do meu primeiro livro de poemas, mas mais incisivamente desde a criacao deste blog, tenho vivido o maior pesadelo da minha vida (...e cada vez tenho menos duvidas que tal nao aconteceria se eu nao fosse negra...) - nao o desejo a nenhuma mulher, negra ou nao!

E tudo isso, fundamentalmente embora nao exclusivamente, porque em Angola, ao contrario do que se passa no Brasil, ou nos EUA e, ja' agora, na Africa do Sul, apesar de algumas aparencias em contrario, ainda nao existe "consciencia negra" - pelo menos formalmente estruturada, organizada, vocal e expressiva - (... e por vezes pergunto-me se havera' mesmo "alguma consciencia"! ...) e muito menos "feminismo negro"... De facto, bem analisada a realidade, nem "feminismo" digno desse nome ha' naquele pais - e lamento-o de algum modo, embora consiga "passar bem sem ele" e apesar de ter os meus issues com o feminismo 'tradicional' de inspiracao eurocentrica que (ainda) domina exclusivamente certos circulos ditos "de esquerda" em praticamente todo o mundo lusofono!

Mas, como dizia uma "alta representante da negritude branca pos-colonial", ou "negra com mentalidade de escrava de roca de cacau": convem sabermos sempre o que nos espera!

E... sim: esquerda ou direita, eu sei que sou sempre preta!





Posts relacionados:


Portugal's Colonial Complex...

Uma Estorieta Infantil

Eu Tambem Tenho um Sonho

As Relacoes Etnicas em Angola

White Negritude

Lusofonia e Antropologia

Sex, Lies & Stereotypes: Perspectives of a Mad Economist

Ciclos

Simone de Beauvoir in Africa: Issues of African Feminist Thought

Shadeism

Black Women's Burden

Reflectindo





"No Brasil se produziu a forma mais perversa de racismo que existe no mundo"

"Entre a esquerda e a direita eu sei que eu continuo preta"

"Gilberto Freyre é um dano para as mulheres negras, um dano psíquico, um dano emocional, um dano brutal"






N.B.

- Se "no Brasil se produziu a forma mais perversa de racismo que existe no mundo", Angola nao lhe ficou atras. E com a agravante de o racismo aqui ser camuflado e passar impunemente sob o "manto negro" de o pais ser de "maioria negra" - mas tambem o era a Africa do Sul do Apartheid - e o governo pos-independencia ser constituido maioritariamente por negros - mas quem disse que os negros, sobretudo quando no poder (... primeiro, segundo, terceiro, ou quarto...), nao sao capazes de praticar racismo, ou da sua pratica serem coniventes e cumplices activos ou passivos, contra os seus congeneres, particularmente quando estes sao mulheres e, especialmente, quando vulneraveis pelas mais diversas razoes?

Um outro factor de agravamento do caso de Angola e' que, pelo menos aparentemente, a estratificacao socio-economica e cultural com base na cor da pele entre negros e mesticos no Brasil nao tera' sido tao marcada como em Angola - nisso o Brasil parece assemelhar-se mais aos EUA - sendo que em Angola aos mesticos se juntam os caboverdeanos (veja-se o que se diz a esse respeito neste post e tambem neste) e, ja' agora, embora relativamente poucos, os indianos ... sendo que todos os complexos dai resultantes se reflectem de forma mais ou menos evidente nesta orgia ...

- Se "Gilberto Freyre é um dano para as mulheres negras (brasileiras), um dano psíquico, um dano emocional, um dano brutal" - veja-se, a este proposito, os comentarios a este post -, na medida em que as suas teorias foram adoptadas em Angola, tanto no periodo colonial (Lusotropicalismo), como no pos-colonial - e agora mais do que nunca, com a construcao da "nacao crioula" sob a "neofita ideologia dos (pretensos) afectos" - ele nao o e' menos para as mulheres negras de Angola.

Certamente para mim que, por (entre outros atrevimentos e crimes de lesa-patria, ter-me formado ao nivel do mestrado numa area "nao tradicionalmente feminina" e, certamente, "nao muito adequada a negras" - estas sao, supostamente, exclusivamente destinadas ao lugar social de "parideiras em serie", especialmente "ao servico da reproducao da nacao crioula", nao importa sob que "termos e condicoes"... -, por uma alta escola fora do mundo lusofono, ja' para nao mencionar os "assassinios a sangue frio" de "coitados" e "svengalis"...), ter ousado, ha' ja' varios anos, afirmar publica e frontalmente a minha identidade negra, entre outros lugares, aqui, onde me refiro explicitamente ao lusotropicalismo, e vir denunciando varias formas de racismo e sexismo, abertas e veladas, directas e indirectas, em particular contra as mulheres negras (e que me seja permitida a redundancia: contra mim!), que em Angola e no mundo lusofono em geral passam por "tudo menos isso" (de facto, chegam a passar por "amor", "amizade", "carinho" ou "afecto"...), tenho sido alvo da mais soez, sordida, brutal, monstruosa e traumatica campanha , com todo o tipo de ataques, insultos, ultrajes e ameacas, incluindo de morte (!), pelo meio, movida por homens e mulheres, negros, brancos e mesticos, de esquerda e de direita, visando a minha desumanizacao e desestruturacao psicologica, degradacao moral, objectificacao sexual, aniquilamento pessoal e descredito academico-profissional e, pior do que isso, tentando transformar-me de vitima em perpetradora
(... tal como, alias, o movimento da "consciencia negra" no Brasil tem sido denegrido, deturpado, difamado e perversamente transformado em "racismo negro"...), numa certa "lusosfera" e "imprensa angolana" bem identificadas, assim ferindo de morte os meus mais elementares direitos humanos e civicos, tal como aqui referidos...

Sendo que, no que a este blog especificamente diz respeito, tudo comecou quando me atrevi a questionar uma flagrante violacao dos direitos a privacidade e intimidade de um certo grupo de "mamas do Lwena"... tal como os meus veem sendo sistematica e impunemente violados por homens de todas as racas, 'liderados' pela mesma "mulher", digo "ninfa", branca racista, em ambos os casos usando de seus 'amplos p(h)oderes'!

De facto, desde a publicacao do meu primeiro livro de poemas, mas mais incisivamente desde a criacao deste blog, tenho vivido o maior pesadelo da minha vida (...e cada vez tenho menos duvidas que tal nao aconteceria se eu nao fosse negra...) - nao o desejo a nenhuma mulher, negra ou nao!

E tudo isso, fundamentalmente embora nao exclusivamente, porque em Angola, ao contrario do que se passa no Brasil, ou nos EUA e, ja' agora, na Africa do Sul, apesar de algumas aparencias em contrario, ainda nao existe "consciencia negra" - pelo menos formalmente estruturada, organizada, vocal e expressiva - (... e por vezes pergunto-me se havera' mesmo "alguma consciencia"! ...) e muito menos "feminismo negro"... De facto, bem analisada a realidade, nem "feminismo" digno desse nome ha' naquele pais - e lamento-o de algum modo, embora consiga "passar bem sem ele" e apesar de ter os meus issues com o feminismo 'tradicional' de inspiracao eurocentrica que (ainda) domina exclusivamente certos circulos ditos "de esquerda" em praticamente todo o mundo lusofono!

Mas, como dizia uma "alta representante da negritude branca pos-colonial", ou "negra com mentalidade de escrava de roca de cacau": convem sabermos sempre o que nos espera!

E... sim: esquerda ou direita, eu sei que sou sempre preta!





Posts relacionados:


Portugal's Colonial Complex...

Uma Estorieta Infantil

Eu Tambem Tenho um Sonho

As Relacoes Etnicas em Angola

White Negritude

Lusofonia e Antropologia

Sex, Lies & Stereotypes: Perspectives of a Mad Economist

Ciclos

Simone de Beauvoir in Africa: Issues of African Feminist Thought

Shadeism

Black Women's Burden

Reflectindo

Atta girl!





A dog in Germany has given birth to 17 puppies.
Etana, the Rhodesian Ridgeback from Ebereschenhof, north of Berlin had nine dogs and eight bitches.
The litter is unusual in that all were born naturally with no need for a Caesarian section and all have survived.
The Rhodesian Ridgeback is a hunting dog originating from Zimbabwe and it was originally bred to help hunt lions.

[here]



Tuesday, 25 January 2011

Desculpe Senhora Ministra... [Re-Actualizado]*

... Mas...

A ministra da Comunicação Social, Carolina Cerqueira, afirmou esta Terça-feira, em Luanda, que a media deve estar ao serviço da cidadania, participando efectivamente na promoção de valores que contribuam na construção de uma sociedade justa, equilibrada, fraterna e solidária.

De acordo com a governante, que discursava na abertura do "Seminário Internacional sobre Comunicação e Cidadania", a liberdade de expressão, designadamente manifestada através da comunicação social, não constitui um direito absoluto e ilimitado que se possa sobrepor aos demais direitos e valores.

Disse que o direito de exprimir livremente o pensamento está sujeito a limitações resultantes da colisão com outros direitos fundamentais, com igual valência normativa como o direito à vida, à integridade pessoal, à identidade, privacidade, a intimidade, e outros que se pautam pela defesa ao bom-nome e reputação à imagem, que incluí a reserva da vida privada e familiar defendidos pela Lei Constitucional.

... Tudo muito bem dito e bem pensado e alinhavado, mas...


“Quando estes direitos são violados, além da responsabilidade criminal e civil previstas por lei, constitui medida reparadora sem prejuízo da eventual responsabilidade civil ou criminal, o direito de resposta ou rectificação a quem veja o seu direito ameaçado ou ofendido, cujas informações possam afectar a sua reputação ou que sejam simplesmente mentiras ou erróneas”, referiu a responsável."

[aqui]

... Como se podem defender e obter justica, ou quem e como vindica cidadas como eu que sao vitimas continuadas da violacao sistematica e ostensiva desses seus direitos por parte de individuos e segmentos bem identificados da classe que tutela, porem que o fazem de forma "velada, subrepticia e insidiosa" (sendo este apenas um dos exemplos mais flagrantes)? E... que sao premiados (pelo seu Ministerio!) por isso?! Ou teremos apenas que concluir que (ainda) estamos "todos(?)" numa qualquer "selva pre-jurassica", ou num reino absoluto da manipulacao e da impunidade, "auto-regulado" por "super-poderosos" ditadores, tiranos, corruptos, venais, psicopatas, tarados e criminosos disfarcados de "jornalistas" (e ainda por cima sem carteira!) e por mal educados e pior formados bandos de adolescentes kabungados, incontinentes e retardados (apesar de alguns ja' bem entrados nos seus 50 e 60 anos de idade... casados e... pais de muitos filhos - como convem!), emocional, comunicacional e socialmente incompetentes, por isso agressivos, inseguros, frustrados e complexados, imaturos, cobardes, irresponsaveis, sordidos e mercenarios (enfim, feios, porcos e maus), mais suas aficcionadas oportunistas, cheias de ressaibos e recalcamentos, intelectualmente desonestas e intriguistas, praticamente todos eles e elas uma matilha de arrogantes ignorantes racistas de extrema direita, por conviccao ou por contagio e conscientes disso ou nao, invertidos ou extrovertidos, metidos a "a intelectuais opinionistas" e... bem remunerados?!




E, ja' agora...


Em abono da verdade não estamos nada bem no entendimento que já devíamos ter destes mecanismos, considerando os anos de estrada que já levamos desde que a primeira lei de imprensa foi aprovada em 1991.
(...)
Da auto-regulação temos uma ideia vaga, pois a classe e as organizações profissionais existentes não têm sido capazes de assumir as suas responsabilidades neste domínio.
(...)
Claramente, nesta matéria e depois de tudo quanto ouvimos do Vice-Presidente da ERC, temos que concluir que estamos de facto e de jure no período jurássico da história da regulação ao nível da comunicação social, com a agravante de não haver sinais políticos que apontem para a existência de vontade suficiente para abandonarmos tão rapidamente quanto possível esta fase do nosso atraso conceptual e institucional.

[aqui]


... Kem fala sua verdade neste kazu particular deveria merecer kastigo, se nao em nome proprio, em nome dos seus kavilos ke faz kestao de defender korporativistikamente!


E, ja' agora, tambem:

Segundo Paulo Catarro, o jornalista na sua acção investigativa ou no seu exercício laboral independente, não deve ser um agente de contra-poder, mas sim um veículo de transmissão de informação e não um justiceiro, porquanto o jornalista não pode perder a capacidade crítica e a imparcialidade, de modo a preservar a sua credibilidade.

"O jornalismo e a investigação estão ligados de tal forma que obrigam o jornalista a ter os cinco sentidos muito activos, daí que o profissional de comunicação social deve estar atento a tudo que lhe chega, como ponto de partida para uma investigação jornalística", frisou.

Lembrou que o jornalista não pode se esquecer, como primeira regra antes de iniciar uma investigação, de procurar saber de onde vem a informação e que repercursões terá, enquanto premissas que vão definir se vale a pena tratar da informação ou não, tendo em conta as consequências.

Para si, o jornalista não se pode esquecer de questões básicas como a preservação do bom nome, porque um erro jornalístico pode manchar a reputação e a vida de uma pessoa, o que é inaceitável no exercício da profissão que serve o interesse público, mas pode colidir com interesses pessoais.

Neste contexto, o profissional deve insistir em saber com todo cuidado e independência, a origem da fonte que fez chegar a informação, tentando, a todo custo, se distanciar do caso em questão, o que se denomina pré-investigação e permite ao profissional chegar a conclusões sobre a qualidade de informação adquirida.

Acrescentou haver necessidade de conferir um clima de confiança as fontes, em função das repercursões do que se transmite aos receptores das mensagens, tendo sempre o cuidado sobre o que a investigação impõe, como saber se a informação vai afectar alguém, se o jornalista está a ser manipulado ou não.

[aqui]



Ministra da Comunicação Social apela ao rigor e sentido de responsabilidade

A ministra da Comunicação Social, Carolina Cerqueira, apelou na noite desta quarta-feira, em Luanda, ao contínuo sentido de rigor e responsabilidade dos jornalistas angolanos para o engrandecimento da nação.

Carolina Cerqueira falava na cerimónia de atribuição do Prémio Nacional de Jornalismo, cuja gala teve lugar num complexo hoteleiro de Luanda.

A governante considera os jornalistas como membros de uma classe corajosa, respeitada, que procura informar e relançar o país.

Disse que há uma estratégia ambiciosa para o sector que requer de todos consciência, rigor, responsabilidade e trabalho para que a comunicação social seja a que o povo angolano mereça e que o país precisa.

Sobre o prémio, Carolina Cerqueira sublinhou que foi suficientemente publicitado.


... Mas:


"Classe Corajosa"?

[... De facto e' preciso MUITA CORAGEM para se usar o poder da imprensa para se linchar cobarde e impunemente em praca publica mulheres e orfaos indefesos que nao se conhece de parte nenhuma sem quaisquer escrupulos! E, pior ainda, faze-lo sem qualquer motivo aparente ... ou melhor, apenas por ciumes, inveja, odio, despeito, rancor, incompetencia comunicacional e social e desejos frustrados, entre outras esquizofrenias, psicopatias e patologias...]


"Classe Respeitada"?

[Por quem? ... E onde e' que eu ja' li algo sobre "bebados ou bufos"?!]


Ah!... Tinha-me esquecido que estamos em plena "pre-campanha eleitoral"... e o poder e os media ...e os media e o poder!


Quanto ao "sentido de rigor, consciencia, trabalho e responsabilidade"... ca' esperaremos... SENTADOS!!!


Post Relacionado:

Sim Sra. Ministra!


*Postado inicialmente a 26/12/10
... Mas...

A ministra da Comunicação Social, Carolina Cerqueira, afirmou esta Terça-feira, em Luanda, que a media deve estar ao serviço da cidadania, participando efectivamente na promoção de valores que contribuam na construção de uma sociedade justa, equilibrada, fraterna e solidária.

De acordo com a governante, que discursava na abertura do "Seminário Internacional sobre Comunicação e Cidadania", a liberdade de expressão, designadamente manifestada através da comunicação social, não constitui um direito absoluto e ilimitado que se possa sobrepor aos demais direitos e valores.

Disse que o direito de exprimir livremente o pensamento está sujeito a limitações resultantes da colisão com outros direitos fundamentais, com igual valência normativa como o direito à vida, à integridade pessoal, à identidade, privacidade, a intimidade, e outros que se pautam pela defesa ao bom-nome e reputação à imagem, que incluí a reserva da vida privada e familiar defendidos pela Lei Constitucional.

... Tudo muito bem dito e bem pensado e alinhavado, mas...


“Quando estes direitos são violados, além da responsabilidade criminal e civil previstas por lei, constitui medida reparadora sem prejuízo da eventual responsabilidade civil ou criminal, o direito de resposta ou rectificação a quem veja o seu direito ameaçado ou ofendido, cujas informações possam afectar a sua reputação ou que sejam simplesmente mentiras ou erróneas”, referiu a responsável."

[aqui]

... Como se podem defender e obter justica, ou quem e como vindica cidadas como eu que sao vitimas continuadas da violacao sistematica e ostensiva desses seus direitos por parte de individuos e segmentos bem identificados da classe que tutela, porem que o fazem de forma "velada, subrepticia e insidiosa" (sendo este apenas um dos exemplos mais flagrantes)? E... que sao premiados (pelo seu Ministerio!) por isso?! Ou teremos apenas que concluir que (ainda) estamos "todos(?)" numa qualquer "selva pre-jurassica", ou num reino absoluto da manipulacao e da impunidade, "auto-regulado" por "super-poderosos" ditadores, tiranos, corruptos, venais, psicopatas, tarados e criminosos disfarcados de "jornalistas" (e ainda por cima sem carteira!) e por mal educados e pior formados bandos de adolescentes kabungados, incontinentes e retardados (apesar de alguns ja' bem entrados nos seus 50 e 60 anos de idade... casados e... pais de muitos filhos - como convem!), emocional, comunicacional e socialmente incompetentes, por isso agressivos, inseguros, frustrados e complexados, imaturos, cobardes, irresponsaveis, sordidos e mercenarios (enfim, feios, porcos e maus), mais suas aficcionadas oportunistas, cheias de ressaibos e recalcamentos, intelectualmente desonestas e intriguistas, praticamente todos eles e elas uma matilha de arrogantes ignorantes racistas de extrema direita, por conviccao ou por contagio e conscientes disso ou nao, invertidos ou extrovertidos, metidos a "a intelectuais opinionistas" e... bem remunerados?!




E, ja' agora...


Em abono da verdade não estamos nada bem no entendimento que já devíamos ter destes mecanismos, considerando os anos de estrada que já levamos desde que a primeira lei de imprensa foi aprovada em 1991.
(...)
Da auto-regulação temos uma ideia vaga, pois a classe e as organizações profissionais existentes não têm sido capazes de assumir as suas responsabilidades neste domínio.
(...)
Claramente, nesta matéria e depois de tudo quanto ouvimos do Vice-Presidente da ERC, temos que concluir que estamos de facto e de jure no período jurássico da história da regulação ao nível da comunicação social, com a agravante de não haver sinais políticos que apontem para a existência de vontade suficiente para abandonarmos tão rapidamente quanto possível esta fase do nosso atraso conceptual e institucional.

[aqui]


... Kem fala sua verdade neste kazu particular deveria merecer kastigo, se nao em nome proprio, em nome dos seus kavilos ke faz kestao de defender korporativistikamente!


E, ja' agora, tambem:

Segundo Paulo Catarro, o jornalista na sua acção investigativa ou no seu exercício laboral independente, não deve ser um agente de contra-poder, mas sim um veículo de transmissão de informação e não um justiceiro, porquanto o jornalista não pode perder a capacidade crítica e a imparcialidade, de modo a preservar a sua credibilidade.

"O jornalismo e a investigação estão ligados de tal forma que obrigam o jornalista a ter os cinco sentidos muito activos, daí que o profissional de comunicação social deve estar atento a tudo que lhe chega, como ponto de partida para uma investigação jornalística", frisou.

Lembrou que o jornalista não pode se esquecer, como primeira regra antes de iniciar uma investigação, de procurar saber de onde vem a informação e que repercursões terá, enquanto premissas que vão definir se vale a pena tratar da informação ou não, tendo em conta as consequências.

Para si, o jornalista não se pode esquecer de questões básicas como a preservação do bom nome, porque um erro jornalístico pode manchar a reputação e a vida de uma pessoa, o que é inaceitável no exercício da profissão que serve o interesse público, mas pode colidir com interesses pessoais.

Neste contexto, o profissional deve insistir em saber com todo cuidado e independência, a origem da fonte que fez chegar a informação, tentando, a todo custo, se distanciar do caso em questão, o que se denomina pré-investigação e permite ao profissional chegar a conclusões sobre a qualidade de informação adquirida.

Acrescentou haver necessidade de conferir um clima de confiança as fontes, em função das repercursões do que se transmite aos receptores das mensagens, tendo sempre o cuidado sobre o que a investigação impõe, como saber se a informação vai afectar alguém, se o jornalista está a ser manipulado ou não.

[aqui]



Ministra da Comunicação Social apela ao rigor e sentido de responsabilidade

A ministra da Comunicação Social, Carolina Cerqueira, apelou na noite desta quarta-feira, em Luanda, ao contínuo sentido de rigor e responsabilidade dos jornalistas angolanos para o engrandecimento da nação.

Carolina Cerqueira falava na cerimónia de atribuição do Prémio Nacional de Jornalismo, cuja gala teve lugar num complexo hoteleiro de Luanda.

A governante considera os jornalistas como membros de uma classe corajosa, respeitada, que procura informar e relançar o país.

Disse que há uma estratégia ambiciosa para o sector que requer de todos consciência, rigor, responsabilidade e trabalho para que a comunicação social seja a que o povo angolano mereça e que o país precisa.

Sobre o prémio, Carolina Cerqueira sublinhou que foi suficientemente publicitado.


... Mas:


"Classe Corajosa"?

[... De facto e' preciso MUITA CORAGEM para se usar o poder da imprensa para se linchar cobarde e impunemente em praca publica mulheres e orfaos indefesos que nao se conhece de parte nenhuma sem quaisquer escrupulos! E, pior ainda, faze-lo sem qualquer motivo aparente ... ou melhor, apenas por ciumes, inveja, odio, despeito, rancor, incompetencia comunicacional e social e desejos frustrados, entre outras esquizofrenias, psicopatias e patologias...]


"Classe Respeitada"?

[Por quem? ... E onde e' que eu ja' li algo sobre "bebados ou bufos"?!]


Ah!... Tinha-me esquecido que estamos em plena "pre-campanha eleitoral"... e o poder e os media ...e os media e o poder!


Quanto ao "sentido de rigor, consciencia, trabalho e responsabilidade"... ca' esperaremos... SENTADOS!!!


Post Relacionado:

Sim Sra. Ministra!


*Postado inicialmente a 26/12/10

Monday, 24 January 2011

Saturday, 22 January 2011

JUST POETRY (V) [R]* [Actualizado]



PARA ANGOLA, RAPIDAMENTE E EM FORÇA

Peço ao vento por graçola
notícias do meu país
e o vento diz: «Vai para Angola».
(É o que o vento me diz.)
«Tem juízo, vai para Angola,
isto aqui está por um triz.»

Vamos todos para Angola
desde o Malanje ao Namibe
aproveitar por esmola
o crescimento do PIB.

Vem tu também, anda, anda,
escolhe uma profissão:
agora os preto é quem manda,
os preto é nosso patrão.

Leva a família na frente,
mulher, filhos, pai e mãe,
e se ainda couber mais gente
traz outro amigo também.

Vamos todos sem demora,
uns à solta, outros à trela,
vamos invadir Angola
do Moxico até Benguela.

Vamos de avião, navio,
canoa, bote ou jangada,
isto aqui está por um fio,
vai ser uma debandada.

Vamos todos para Angola,
destino de emigração,
vamos todos para Angola,
atrás do Diogo Cão.


[Poema daqui /// Ecos do original aqui]



*[Postado inicialmente a 06/05/09 - "repostado" hoje devido aos ultimos comentarios a ele feitos]







Em referencia aos comentarios feitos a este post nos ultimos dias, permitam-me, como “ser humano genuino” – tal como o sao (ou foram) os retratados, brancos e negros, nesta materia –, alinhar aqui algumas breves notas para esta que me parece ser, manifestamente, uma discussao de, entre e sobre portugueses, “genuinos” ou nao.

Tres vectores fundamentais confluem de forma problematica e frequentemente conflituosa para esta questao: a Historia, a Cultura e a Economia:


1. Historia – Portugal colonizou partes do actual territorio de Angola durante cerca de 5 seculos. Foi uma colonizacao, como todas, nao pacificamente aceite pela esmagadora maioria dos seus subditos, mesmo quando todas as aparencias pudessem sugerir o contrario. Por isso houve guerras de resistencia ao longo dos seculos, por isso houve uma guerra anti-colonial durante mais de uma decada, por isso houve a independencia – todos, factos historicos incontestaveis e irreversiveis: nao ficcao cientifica.

Poderia o processo de “descolonizacao” ter sido menos traumatico para ambos os lados? Questao ainda nao resolvida e que, pelo menos nos termos em que o debate (nao) tem vindo a ser conduzido, parece jamais vir a se-lo, pelo que sobre ela limitar-me-ei a sugerir que “o que aconteceu, esta’ acontecido” e “o que nao tem remedio, remediado esta’”, ou ainda, "de nada serve chorar sobre o leite derramado"... sendo certo que, qualquer que seja a evolucao, ou resolucao, dessa questao, a chamada “recolonizacao” nao me parece ser a resposta mais adequada para ela, certamente nao nos termos em que tem vindo a ser advogada.


2. Cultura – Uma parte, diga-se que minoritaria, dos angolanos foi assimilada, voluntaria ou involuntariamente, a cultura e lingua portuguesas. Mas, precisamente por ser minoritaria, embora contemporaneamente “poderosa”, “elitizante” e “socio-economicamente dominante”, ela nao detem de facto os “fios condutores” da totalidade da vida cultural, social e humana do pais Angola. Ha’ outros “fios condutores” no tecido que (con)forma o pais real, enfim outras sensibilidades que, embora tentem (e, de algum modo, consigam em alguns casos) negociar entre si e acomodar-se umas as outras em nome do um “um so' povo, uma so' nacao”, continuam (e, diga-se, legitimamente) a ansiar pela sua “validacao”, ou, dito de outro modo, pela legitimacao das suas respectivas “identidades e etnicidades” proprias como parte de um todo diverso, mas que se pretende harmonioso, depois de uma guerra fratricida de cerca de tres decadas, que teve em grande medida na sua base tais anseios e reivindicacoes (veja-se, por exemplo, o caso das Lundas aqui e aqui, ou o de Cabinda, aqui). Trata-se de facto real, indesmentivel, incontornavel e insofismavel, nao de mito, nem de ficcao literaria!

E sobre isso, ha’ ja’ varios anos, em Portugal, lembro-me de ter escrito e publicado algo em que me detinha sobre a manifesta dificuldade que os portugueses em geral demonstram em compreender cabalmente essa realidade, possivelmente por Portugal ser um pais cerca de 14 vezes menor do que Angola em tamanho e nao se apresentar tao diverso etnica, linguistica e culturalmente como esta. E esse e’ tambem um facto, embora os portugueses na Europa, ou em qualquer outra parte do mundo, se comportem geralmente como extremamente ciosos da sua propria “identidade” ou, se se preferir, da sua “genuinidade”: abrem as suas proprias lojas, bares, cafes e restaurantes com produtos alimentares e musica exclusivamente portugueses e frequentados quase exclusivamente por portugueses, falam exclusivamente portugues entre si, estabelecem as suas proprias igrejas com servicos exclusivamente em portugues, promovem as suas proprias e exclusivas actividades comunitarias e sociais com base na sua cultura nacional, chegam a formar verdadeiros ghetos em algumas zonas das cidades, onde tudo o que se ve, cheira e ouve e' portugues... ou seja, nascem, crescem, vivem, socializam-se, reproduzem-se e morrem como qualquer outro “grupo etnico” nesses paises (algo que, embora de forma “conglomerada” com as comunidades ditas hispanicas ou latinas no Reino Unido, se deixa bem patente aqui ).

Porque entao, tanta dificuldade e resistencia em compreender-se e aceitar-se (como, de resto, resulta evidente quer dos ataques sistematicos de que tenho sido abertamente alvo neste blog - seja directamente aqui por "desconhecidos", seja indirectamente noutros blogs bem identificados na lusosfera -, quer das campanhas que, de forma mais ou menos velada e insidiosa me teem sido dirigidas a partir de Angola, sobretudo, mas nao apenas, atraves de uma “certa imprensa” controlada por grupos financeiros portugueses, ou seus associados...) que os angolanos, ou pelo menos (grandes!) segmentos deles, o facam, ou pretendam fazer, de forma civica e democratica no seu proprio pais?

E, nesse particular, parece-me que eu me encontro neste momento muito mais na posicao dos emigrantes portugueses de ontem e de hoje que se diz serem e terem sido vitimas do chauvinismo, escarnio e oprobrio dos seus compatriotas “que ficaram”, do que na dos ditos “angolanos genuinos” que se diz “entenderem ter recebido Angola como heranca dos seus ancestrais”...


3. Economia – Angola tem vindo, de ha’ uns anos a esta parte, a apresentar niveis “espectaculares” de crescimento economico – facto. Portugal encontra-se neste momento a apresentar niveis, igualmente “espectaculares”, de recessao economica – facto. Sera’ natural que um numero cada vez maior de portugueses busquem oportunidades economicas noutras paragens e, em especial, em Angola, sua antiga “joia da coroa” – facto. O que ja’ nao sera’ tao natural, nem tao factual assim, e’ que se tente transformar tudo isso num caso de “atraccao fatal” entre os dois paises... Desde logo porque nao ha’ nada nos principios fundamentais da economia, seja ela de mercado ou nao - e muito menos nos de uma economia globalizada e competitiva como a que “estamos com ela” quer queiramos e gostemos quer nao -, que o fundamente.

O facto e’ que, qualquer que seja o modelo economico adoptado, “crescimento do PIB” nao significa ipso facto “desenvolvimento economico” e a sistematica marginalizacao, quando nao total exclusao da maioria dos angolanos dos beneficios desse crescimento economico - e ate’ mesmo da sua participacao/contribuicao para ele, em particular por parte de alguns que, como eu, se viram forcados a permanecer no exterior por varias circunstancias adversas originadas no pais (... e provocadas por angolanos!...) e que sao ostensivamente hostilizados por alguns sectores proteccionistas de uma certa auto-designada “prata da casa”... -, devido a um inexistente ou deficiente investimento no stock de capital humano nacional e a sua absorcao e integracao sistematica num processo consistente de desenvolvimento economico-social e cultural endogeno, sustentado e sustentavel, apenas tende a elevar os “muros de resistencia” ao crescente numero de estrangeiros (portugueses ou nao) aportando presentemente as costas angolanas e, em muitos casos, sem qualquer controlo... e isso, no longo prazo, nao e’ bom para ninguem, “genuinos” ou nao – facto.

A realidade e’ que a actual politica de imigracao de Angola e’ explicita e ostensivamente enviezada contra os africanos que tentam entrar pelas suas fronteiras terrestres (como os cartoons, adaptados daqui, com que ilustro este texto o explicitam), nao contra os portugueses: estes, como todas as estatisticas o revelam, nao so’ teem ido para Angola e “em forca” nos ultimos anos sem grandes empecilhos, como e’ em Portugal que os angolanos endinheirados fazem o grosso dos seus gastos de consumo e investimentos publicos e privados.

[E abro aqui um parentesis para sugerir o seguinte: imagine-se que apenas uma infima fraccao dos verdadeiros "balurdios" de dinheiro publico usados pela Sonangol em investimentos em Portugal, fosse aplicada no financiamento de investimentos produtivos trabalho-intensivos que criassem emprego nas regioes fronteiricas, tanto em Angola, como nos paises vizinhos. Nao seriam tais investimentos muito mais recomendaveis, louvaveis e ate' rentaveis sob todos os pontos de vista - desde logo, porque teriam o condao de funcionar como um "travao" aos fluxos migratorios por razoes economicas nessas areas e contribuiriam para o tao propalado "desenvolvimento e independencia economica do continente", para alem de funcionarem como um mecanismo de poupanca dos recursos materiais e financeiros actualmente empregues no patrulhamento das fronteiras e controlo/contencao/repressao dos emigrantes africanos pretendendo entrar em Angola e, em ultima analise, contribuirem de forma substantiva, permanente e duravel para a prosperidade, paz e seguranca regional... - especialmente neste momento em que Angola assume, mais uma vez, a presidencia da SADC?!]

E na base de tudo isso esta’ uma ideia de “desenvolvimento” que tem no periodo colonial o seu “modelo”. Acontece que os niveis de “desenvolvimento” atingidos sob tal “modelo” tinham por base um regime politico-ideologico que nao me parece ser o mais adaptavel, certamente nao o mais adequado, quer 'a Angola, quer ao Portugal, quer ao Mundo de hoje. Modelo esse, alias, que foi de forma magistral e visionaria descrito e denunciado por Viriato da Cruz nos termos em que aqui parcialmente destaquei...

Todas essas questoes, abordei-as, de forma mais ‘academica’, recentemente aqui , e de forma mais ‘prosaica’, ha’ ja’ algum tempo, aqui - onde, note-se, dos posicionamentos de Pepetela, a par dos de outros membros da inteligentzia angolana, ou luso-angolana, que sobre essas questoes se teem pronunciado publicamente nos ultimos tempos, resulta evidente que a corrente onda dominante nao e’ adversa 'a ‘recolonizacao’ de Angola pelos portugueses, como, de resto aqui se pode constatar ad nauseum: bem pelo contrario!

E nao deixa de ser interessante notar a este proposito que essa mesma inteligentzia conta entre as suas fileiras com alguns dos que nao so' dizem ter participado na "luta contra o colonialismo" (e desse estatuto de "antigos combatentes" muita gala fazem e amplos beneficios vitalicios, pessoais e familiares, colhem...), como se destacaram entre os mais radicais no desmantelamento e "transformacao revolucionaria" do tal "patamar tecno-juridico-administrativo que Angola ja' teve", em nome da criacao, desenvolvimento e reproducao do dito "homem novo"... a comecar pelo sistema de ensino! ... E quem naquela altura se lhes opusesse, ainda que passivamente, era apelidado de "contra-revolucionario", "pequeno burgues", "lacaio do colonialismo", "agente do imperialismo", etc. etc. etc. ... Nao deixo, porem, de lhes gabar a "coerencia": foram tao radicais em relacao 'a "descolonizacao" como o sao agora em relacao 'a "recolonizacao" (enfim, em quaisquer circunstancias "iguais a si proprios"!) ... o que talvez nao seja de todo estranho ao facto de certas neofitas formacoes politicas ultra-minoritarias precisarem desesperadamente de alargar a sua base eleitoral de apoio...

E, aqui, convira' distinguir-se claramente "recolonizacao" sem qualquer qualificacao, planificacao ou priorizacao (o que, alias, o poema aqui em questao, revela: "escolhe uma profissao"...), de "cooperacao" (economica, tecnico-cientifica e profissional) - esta existe, e sempre existiu desde a independencia, com Portugal e com outros paises, e se os portugueses podem contribuir para o processo de desenvolvimento de Angola com a "vantagem comparativa" da sua lingua e cultura devido a historia que liga os dois paises, pois eles sao e sempre foram bem vindos (idos) naquelas areas e sectores onde realmente tal "vantagem comparativa" possa ser transformada em "valor acrescentado" para ambas as partes. Mas que nao se perca de vista, por via da chamada "neofita ideologia dos (pretensos) afectos", que Portugal nao e' o unico pais que pode contribuir para o processo de desenvolvimento de Angola.

Veja-se, a esse respeito, o caso de Mocambique que, desde a sua independencia, aderiu 'a Commonwealth, adoptou o Ingles praticamente como sua segunda lingua oficial e tem um leque bastante diversificado de parceiros de cooperacao economica internacional, sem que por isso tenha impedido Portugal, ou os portugueses, de la' viverem, regressarem, ou trabalharem...

Enfim, em geito de conclusao, parece-me ser avisado que tanto angolanos (“genuinos” ou nao), como portugueses (tambem “genuinos” ou nao), bem como todos os nacionais de outros paises, hajam neste momento historico particularmente critico da vida de Angola tao racionalmente quanto possivel face aos factos e realidades, nao aos mitos e ficcoes, em presenca.

Tudo o resto nao passara’ de um pernicioso e patetico “display de emoti(c)ons” com mais do que previsiveis consequencias nefastas para todas as partes – a Historia de Angola revela-o a saciedade!

Tenho dito.





P.S.: Acrescentaria apenas as seguintes notas a margem:

i. A proposito de "fechamentos sociais e economicos" ou, se se preferir, mecanismos de exclusao social, tradicionais em Angola, esta citacao de David Sogge: "Colonial and post-colonial elites showed no interest in creating an ‘open access order’ based on citizenship for all and competitive markets. A path was laid down around a weak but autocratic colonial state dependent on outside powers. Mediocre institutions and underskilled people were additional legacies. Angolan nationalist movements, their leaders imbued with norms of a ‘limited access order’, and habituated to the use of armed force, had no ready alternatives when they assumed power.";


ii. Em relacao a todas essas questoes, mas em particular a suposta "dificuldade de entendimento e aceitacao" por parte da generalidade dos portugueses da diversidade etnico-linguistica de Angola, seria recomendavel uma exploracao da area da Historia Moderna designada Subaltern Studies;


iii. Sobre os movimentos trans-fronteiricos entre Angola e o Congo (Zaire) em epocas mais recuadas, com a devida venia, esta detalhada descricao por Fernando Ribeiro:

Nos troços de fronteira entre Angola e o Zaire em que não houvesse obstáculos naturais, não existia qualquer vedação ou outra barreira que impedisse a comunicação entre ambos os lados. A fronteira estava apenas assinalada por marcos de pedra em forma de grossos obeliscos, com 2 metros de altura ou pouco mais, que mostravam o escudo da monarquia portuguesa, esculpido em baixo relevo, no lado virado para Angola, o da monarquia belga no lado virado para o Zaire e o ano de 1895 gravado por cima de cada um dos escudos. Os marcos fronteiriços estavam colocados a uma distância de cerca de 40 quilómetros uns dos outros, talvez, e estavam milimetricamente alinhados uns pelos outros, numa linha reta espantosamente rigorosa.

Como, nos troços onde não havia obstáculos naturais, a fronteira estava desimpedida, ela era atravessada por caminhos de pé posto, que todos os dias eram percorridos por pessoas que passavam "a salto" de Angola para o Zaire e vice-versa. O movimento de pessoas ao longo destes carreiros era bastante intenso. Angolanos (refugiados ou não) e zairenses circulavam de um lado para o outro ao longo do dia, em função, sobretudo, das feiras mensais e mercados rurais que de ambos os lados se iam realizando. Levavam os produtos das suas lavras (campos), a fim de os vender onde fossem mais caros, e traziam as mercadorias de que necessitavam, compradas onde elas fossem mais baratas. É evidente que os contrabandistas (havia bastantes) também faziam um uso intensivo destes caminhos transfronteiriços.

Assim que o sol nascia, nas zonas onde houvesse uma sanzala do lado de Angola que ficasse próxima da fronteira e estivesse dotada de uma escola, os caminhos referidos eram percorridos por crianças, vindas do Zaire para Angola, que vinham frequentar as aulas. Estas crianças percorriam a pé vários quilómetros a caminho da escola e eram as primeiras pessoas que atravessavam a fronteira logo pela manhãzinha.

Estas crianças eram filhas de angolanos refugiados no Zaire. Os seus encarregados de educação faziam questão em que elas frequentassem uma escola angolana, porque queriam que elas não se esquecessem das suas raízes, apesar de já terem nascido no exílio, se sentissem orgulhosas de Angola e soubessem falar, ler e escrever em português.



[aqui, onde, ja' agora, tambem se pode ver esta descricao de Kinshasa e ouvir um pouco da musica do magistral Franco]






PARA ANGOLA, RAPIDAMENTE E EM FORÇA

Peço ao vento por graçola
notícias do meu país
e o vento diz: «Vai para Angola».
(É o que o vento me diz.)
«Tem juízo, vai para Angola,
isto aqui está por um triz.»

Vamos todos para Angola
desde o Malanje ao Namibe
aproveitar por esmola
o crescimento do PIB.

Vem tu também, anda, anda,
escolhe uma profissão:
agora os preto é quem manda,
os preto é nosso patrão.

Leva a família na frente,
mulher, filhos, pai e mãe,
e se ainda couber mais gente
traz outro amigo também.

Vamos todos sem demora,
uns à solta, outros à trela,
vamos invadir Angola
do Moxico até Benguela.

Vamos de avião, navio,
canoa, bote ou jangada,
isto aqui está por um fio,
vai ser uma debandada.

Vamos todos para Angola,
destino de emigração,
vamos todos para Angola,
atrás do Diogo Cão.


[Poema daqui /// Ecos do original aqui]



*[Postado inicialmente a 06/05/09 - "repostado" hoje devido aos ultimos comentarios a ele feitos]







Em referencia aos comentarios feitos a este post nos ultimos dias, permitam-me, como “ser humano genuino” – tal como o sao (ou foram) os retratados, brancos e negros, nesta materia –, alinhar aqui algumas breves notas para esta que me parece ser, manifestamente, uma discussao de, entre e sobre portugueses, “genuinos” ou nao.

Tres vectores fundamentais confluem de forma problematica e frequentemente conflituosa para esta questao: a Historia, a Cultura e a Economia:


1. Historia – Portugal colonizou partes do actual territorio de Angola durante cerca de 5 seculos. Foi uma colonizacao, como todas, nao pacificamente aceite pela esmagadora maioria dos seus subditos, mesmo quando todas as aparencias pudessem sugerir o contrario. Por isso houve guerras de resistencia ao longo dos seculos, por isso houve uma guerra anti-colonial durante mais de uma decada, por isso houve a independencia – todos, factos historicos incontestaveis e irreversiveis: nao ficcao cientifica.

Poderia o processo de “descolonizacao” ter sido menos traumatico para ambos os lados? Questao ainda nao resolvida e que, pelo menos nos termos em que o debate (nao) tem vindo a ser conduzido, parece jamais vir a se-lo, pelo que sobre ela limitar-me-ei a sugerir que “o que aconteceu, esta’ acontecido” e “o que nao tem remedio, remediado esta’”, ou ainda, "de nada serve chorar sobre o leite derramado"... sendo certo que, qualquer que seja a evolucao, ou resolucao, dessa questao, a chamada “recolonizacao” nao me parece ser a resposta mais adequada para ela, certamente nao nos termos em que tem vindo a ser advogada.


2. Cultura – Uma parte, diga-se que minoritaria, dos angolanos foi assimilada, voluntaria ou involuntariamente, a cultura e lingua portuguesas. Mas, precisamente por ser minoritaria, embora contemporaneamente “poderosa”, “elitizante” e “socio-economicamente dominante”, ela nao detem de facto os “fios condutores” da totalidade da vida cultural, social e humana do pais Angola. Ha’ outros “fios condutores” no tecido que (con)forma o pais real, enfim outras sensibilidades que, embora tentem (e, de algum modo, consigam em alguns casos) negociar entre si e acomodar-se umas as outras em nome do um “um so' povo, uma so' nacao”, continuam (e, diga-se, legitimamente) a ansiar pela sua “validacao”, ou, dito de outro modo, pela legitimacao das suas respectivas “identidades e etnicidades” proprias como parte de um todo diverso, mas que se pretende harmonioso, depois de uma guerra fratricida de cerca de tres decadas, que teve em grande medida na sua base tais anseios e reivindicacoes (veja-se, por exemplo, o caso das Lundas aqui e aqui, ou o de Cabinda, aqui). Trata-se de facto real, indesmentivel, incontornavel e insofismavel, nao de mito, nem de ficcao literaria!

E sobre isso, ha’ ja’ varios anos, em Portugal, lembro-me de ter escrito e publicado algo em que me detinha sobre a manifesta dificuldade que os portugueses em geral demonstram em compreender cabalmente essa realidade, possivelmente por Portugal ser um pais cerca de 14 vezes menor do que Angola em tamanho e nao se apresentar tao diverso etnica, linguistica e culturalmente como esta. E esse e’ tambem um facto, embora os portugueses na Europa, ou em qualquer outra parte do mundo, se comportem geralmente como extremamente ciosos da sua propria “identidade” ou, se se preferir, da sua “genuinidade”: abrem as suas proprias lojas, bares, cafes e restaurantes com produtos alimentares e musica exclusivamente portugueses e frequentados quase exclusivamente por portugueses, falam exclusivamente portugues entre si, estabelecem as suas proprias igrejas com servicos exclusivamente em portugues, promovem as suas proprias e exclusivas actividades comunitarias e sociais com base na sua cultura nacional, chegam a formar verdadeiros ghetos em algumas zonas das cidades, onde tudo o que se ve, cheira e ouve e' portugues... ou seja, nascem, crescem, vivem, socializam-se, reproduzem-se e morrem como qualquer outro “grupo etnico” nesses paises (algo que, embora de forma “conglomerada” com as comunidades ditas hispanicas ou latinas no Reino Unido, se deixa bem patente aqui ).

Porque entao, tanta dificuldade e resistencia em compreender-se e aceitar-se (como, de resto, resulta evidente quer dos ataques sistematicos de que tenho sido abertamente alvo neste blog - seja directamente aqui por "desconhecidos", seja indirectamente noutros blogs bem identificados na lusosfera -, quer das campanhas que, de forma mais ou menos velada e insidiosa me teem sido dirigidas a partir de Angola, sobretudo, mas nao apenas, atraves de uma “certa imprensa” controlada por grupos financeiros portugueses, ou seus associados...) que os angolanos, ou pelo menos (grandes!) segmentos deles, o facam, ou pretendam fazer, de forma civica e democratica no seu proprio pais?

E, nesse particular, parece-me que eu me encontro neste momento muito mais na posicao dos emigrantes portugueses de ontem e de hoje que se diz serem e terem sido vitimas do chauvinismo, escarnio e oprobrio dos seus compatriotas “que ficaram”, do que na dos ditos “angolanos genuinos” que se diz “entenderem ter recebido Angola como heranca dos seus ancestrais”...


3. Economia – Angola tem vindo, de ha’ uns anos a esta parte, a apresentar niveis “espectaculares” de crescimento economico – facto. Portugal encontra-se neste momento a apresentar niveis, igualmente “espectaculares”, de recessao economica – facto. Sera’ natural que um numero cada vez maior de portugueses busquem oportunidades economicas noutras paragens e, em especial, em Angola, sua antiga “joia da coroa” – facto. O que ja’ nao sera’ tao natural, nem tao factual assim, e’ que se tente transformar tudo isso num caso de “atraccao fatal” entre os dois paises... Desde logo porque nao ha’ nada nos principios fundamentais da economia, seja ela de mercado ou nao - e muito menos nos de uma economia globalizada e competitiva como a que “estamos com ela” quer queiramos e gostemos quer nao -, que o fundamente.

O facto e’ que, qualquer que seja o modelo economico adoptado, “crescimento do PIB” nao significa ipso facto “desenvolvimento economico” e a sistematica marginalizacao, quando nao total exclusao da maioria dos angolanos dos beneficios desse crescimento economico - e ate’ mesmo da sua participacao/contribuicao para ele, em particular por parte de alguns que, como eu, se viram forcados a permanecer no exterior por varias circunstancias adversas originadas no pais (... e provocadas por angolanos!...) e que sao ostensivamente hostilizados por alguns sectores proteccionistas de uma certa auto-designada “prata da casa”... -, devido a um inexistente ou deficiente investimento no stock de capital humano nacional e a sua absorcao e integracao sistematica num processo consistente de desenvolvimento economico-social e cultural endogeno, sustentado e sustentavel, apenas tende a elevar os “muros de resistencia” ao crescente numero de estrangeiros (portugueses ou nao) aportando presentemente as costas angolanas e, em muitos casos, sem qualquer controlo... e isso, no longo prazo, nao e’ bom para ninguem, “genuinos” ou nao – facto.

A realidade e’ que a actual politica de imigracao de Angola e’ explicita e ostensivamente enviezada contra os africanos que tentam entrar pelas suas fronteiras terrestres (como os cartoons, adaptados daqui, com que ilustro este texto o explicitam), nao contra os portugueses: estes, como todas as estatisticas o revelam, nao so’ teem ido para Angola e “em forca” nos ultimos anos sem grandes empecilhos, como e’ em Portugal que os angolanos endinheirados fazem o grosso dos seus gastos de consumo e investimentos publicos e privados.

[E abro aqui um parentesis para sugerir o seguinte: imagine-se que apenas uma infima fraccao dos verdadeiros "balurdios" de dinheiro publico usados pela Sonangol em investimentos em Portugal, fosse aplicada no financiamento de investimentos produtivos trabalho-intensivos que criassem emprego nas regioes fronteiricas, tanto em Angola, como nos paises vizinhos. Nao seriam tais investimentos muito mais recomendaveis, louvaveis e ate' rentaveis sob todos os pontos de vista - desde logo, porque teriam o condao de funcionar como um "travao" aos fluxos migratorios por razoes economicas nessas areas e contribuiriam para o tao propalado "desenvolvimento e independencia economica do continente", para alem de funcionarem como um mecanismo de poupanca dos recursos materiais e financeiros actualmente empregues no patrulhamento das fronteiras e controlo/contencao/repressao dos emigrantes africanos pretendendo entrar em Angola e, em ultima analise, contribuirem de forma substantiva, permanente e duravel para a prosperidade, paz e seguranca regional... - especialmente neste momento em que Angola assume, mais uma vez, a presidencia da SADC?!]

E na base de tudo isso esta’ uma ideia de “desenvolvimento” que tem no periodo colonial o seu “modelo”. Acontece que os niveis de “desenvolvimento” atingidos sob tal “modelo” tinham por base um regime politico-ideologico que nao me parece ser o mais adaptavel, certamente nao o mais adequado, quer 'a Angola, quer ao Portugal, quer ao Mundo de hoje. Modelo esse, alias, que foi de forma magistral e visionaria descrito e denunciado por Viriato da Cruz nos termos em que aqui parcialmente destaquei...

Todas essas questoes, abordei-as, de forma mais ‘academica’, recentemente aqui , e de forma mais ‘prosaica’, ha’ ja’ algum tempo, aqui - onde, note-se, dos posicionamentos de Pepetela, a par dos de outros membros da inteligentzia angolana, ou luso-angolana, que sobre essas questoes se teem pronunciado publicamente nos ultimos tempos, resulta evidente que a corrente onda dominante nao e’ adversa 'a ‘recolonizacao’ de Angola pelos portugueses, como, de resto aqui se pode constatar ad nauseum: bem pelo contrario!

E nao deixa de ser interessante notar a este proposito que essa mesma inteligentzia conta entre as suas fileiras com alguns dos que nao so' dizem ter participado na "luta contra o colonialismo" (e desse estatuto de "antigos combatentes" muita gala fazem e amplos beneficios vitalicios, pessoais e familiares, colhem...), como se destacaram entre os mais radicais no desmantelamento e "transformacao revolucionaria" do tal "patamar tecno-juridico-administrativo que Angola ja' teve", em nome da criacao, desenvolvimento e reproducao do dito "homem novo"... a comecar pelo sistema de ensino! ... E quem naquela altura se lhes opusesse, ainda que passivamente, era apelidado de "contra-revolucionario", "pequeno burgues", "lacaio do colonialismo", "agente do imperialismo", etc. etc. etc. ... Nao deixo, porem, de lhes gabar a "coerencia": foram tao radicais em relacao 'a "descolonizacao" como o sao agora em relacao 'a "recolonizacao" (enfim, em quaisquer circunstancias "iguais a si proprios"!) ... o que talvez nao seja de todo estranho ao facto de certas neofitas formacoes politicas ultra-minoritarias precisarem desesperadamente de alargar a sua base eleitoral de apoio...

E, aqui, convira' distinguir-se claramente "recolonizacao" sem qualquer qualificacao, planificacao ou priorizacao (o que, alias, o poema aqui em questao, revela: "escolhe uma profissao"...), de "cooperacao" (economica, tecnico-cientifica e profissional) - esta existe, e sempre existiu desde a independencia, com Portugal e com outros paises, e se os portugueses podem contribuir para o processo de desenvolvimento de Angola com a "vantagem comparativa" da sua lingua e cultura devido a historia que liga os dois paises, pois eles sao e sempre foram bem vindos (idos) naquelas areas e sectores onde realmente tal "vantagem comparativa" possa ser transformada em "valor acrescentado" para ambas as partes. Mas que nao se perca de vista, por via da chamada "neofita ideologia dos (pretensos) afectos", que Portugal nao e' o unico pais que pode contribuir para o processo de desenvolvimento de Angola.

Veja-se, a esse respeito, o caso de Mocambique que, desde a sua independencia, aderiu 'a Commonwealth, adoptou o Ingles praticamente como sua segunda lingua oficial e tem um leque bastante diversificado de parceiros de cooperacao economica internacional, sem que por isso tenha impedido Portugal, ou os portugueses, de la' viverem, regressarem, ou trabalharem...

Enfim, em geito de conclusao, parece-me ser avisado que tanto angolanos (“genuinos” ou nao), como portugueses (tambem “genuinos” ou nao), bem como todos os nacionais de outros paises, hajam neste momento historico particularmente critico da vida de Angola tao racionalmente quanto possivel face aos factos e realidades, nao aos mitos e ficcoes, em presenca.

Tudo o resto nao passara’ de um pernicioso e patetico “display de emoti(c)ons” com mais do que previsiveis consequencias nefastas para todas as partes – a Historia de Angola revela-o a saciedade!

Tenho dito.





P.S.: Acrescentaria apenas as seguintes notas a margem:

i. A proposito de "fechamentos sociais e economicos" ou, se se preferir, mecanismos de exclusao social, tradicionais em Angola, esta citacao de David Sogge: "Colonial and post-colonial elites showed no interest in creating an ‘open access order’ based on citizenship for all and competitive markets. A path was laid down around a weak but autocratic colonial state dependent on outside powers. Mediocre institutions and underskilled people were additional legacies. Angolan nationalist movements, their leaders imbued with norms of a ‘limited access order’, and habituated to the use of armed force, had no ready alternatives when they assumed power.";


ii. Em relacao a todas essas questoes, mas em particular a suposta "dificuldade de entendimento e aceitacao" por parte da generalidade dos portugueses da diversidade etnico-linguistica de Angola, seria recomendavel uma exploracao da area da Historia Moderna designada Subaltern Studies;


iii. Sobre os movimentos trans-fronteiricos entre Angola e o Congo (Zaire) em epocas mais recuadas, com a devida venia, esta detalhada descricao por Fernando Ribeiro:

Nos troços de fronteira entre Angola e o Zaire em que não houvesse obstáculos naturais, não existia qualquer vedação ou outra barreira que impedisse a comunicação entre ambos os lados. A fronteira estava apenas assinalada por marcos de pedra em forma de grossos obeliscos, com 2 metros de altura ou pouco mais, que mostravam o escudo da monarquia portuguesa, esculpido em baixo relevo, no lado virado para Angola, o da monarquia belga no lado virado para o Zaire e o ano de 1895 gravado por cima de cada um dos escudos. Os marcos fronteiriços estavam colocados a uma distância de cerca de 40 quilómetros uns dos outros, talvez, e estavam milimetricamente alinhados uns pelos outros, numa linha reta espantosamente rigorosa.

Como, nos troços onde não havia obstáculos naturais, a fronteira estava desimpedida, ela era atravessada por caminhos de pé posto, que todos os dias eram percorridos por pessoas que passavam "a salto" de Angola para o Zaire e vice-versa. O movimento de pessoas ao longo destes carreiros era bastante intenso. Angolanos (refugiados ou não) e zairenses circulavam de um lado para o outro ao longo do dia, em função, sobretudo, das feiras mensais e mercados rurais que de ambos os lados se iam realizando. Levavam os produtos das suas lavras (campos), a fim de os vender onde fossem mais caros, e traziam as mercadorias de que necessitavam, compradas onde elas fossem mais baratas. É evidente que os contrabandistas (havia bastantes) também faziam um uso intensivo destes caminhos transfronteiriços.

Assim que o sol nascia, nas zonas onde houvesse uma sanzala do lado de Angola que ficasse próxima da fronteira e estivesse dotada de uma escola, os caminhos referidos eram percorridos por crianças, vindas do Zaire para Angola, que vinham frequentar as aulas. Estas crianças percorriam a pé vários quilómetros a caminho da escola e eram as primeiras pessoas que atravessavam a fronteira logo pela manhãzinha.

Estas crianças eram filhas de angolanos refugiados no Zaire. Os seus encarregados de educação faziam questão em que elas frequentassem uma escola angolana, porque queriam que elas não se esquecessem das suas raízes, apesar de já terem nascido no exílio, se sentissem orgulhosas de Angola e soubessem falar, ler e escrever em português.



[aqui, onde, ja' agora, tambem se pode ver esta descricao de Kinshasa e ouvir um pouco da musica do magistral Franco]




Lundas: Quando a Historia, a Politica, a Economia, a Cultura e os Direitos Humanos Colidem




O CASO DO PROTECTORADO DOS LUNDA-TCHOKWES. Os Lundas-Tchokwe desde 2007, vêm reivindicando a autodeterminação do seu território que abrange Lunda-Norte, Lunda-Sul, Moxico e Kuando-Kubango. Neste vai vem o Governo do MPLA prendeu cerca de 37 membros que fazem parte da Comissão do Manifesto Jurídico Sociológico do Protectorado da Lunda Tchokwe (CMJSPLT), tendo os mesmos acusados de crime contra segurança do Estado, por ter apresentado no dia 3 de Agosto de 2007, um Manifesto de Reivindicação da Autonomia Administrativa e Financeira efectiva da Lunda pelo facto de serem Independentes desde 24 de Março de 1894 e por força jurídica dos tratados de Protectorado de 1885-1887 celebrados entre Portugal e os Soberanos Lunda Tchokwes e Portugal ter produzido a Lei nº 8904/1955. Angola Independente, não justificou a razão da presença dele na Lunda desde 1975. Por falta da vontade politica do Governo Angolano, a única saida foi acusar a CMJSPL de estar a cometer crimes que lesa com a segurança do Estado ou de criação de algum exercito paralelo, depois de terem passado mais de 24 meses da vigência do Manifesto Reivindicativo e a sua publicação. Na realidade não existe nenhum crime contra a segurança do Estado Angolano, o que existe é a falta do cumprimento do documento do Protectorado Lunda-Tchokwes por parte do Governo do MPLA, o que tem levado os povos do Leste de Angola a se manifestarem pacificamente contra a atitude anti-democrática e autoritária do Governo JES. Todo mundo sabe da existência deste documento, (o Protectorado Lunda-Tchokwe). Portanto, a permanência até agora dos membros da CMJSPLT na cadeia viola a Nova Constituição da República. Segundo o Artigo 47º, ponto 1 desta Constituição “É garantida a todos os cidadãos a liberdade de reunião e de manifestação pacífica e sem armas, sem necessidade de qualquer autorização e nos termos da lei”. E no Artigo 40º, ponto 1 desta mesma Constituição expressa que “Todos têm o direito de exprimir, divulgar e compartilhar livremente os seus pensamentos, as suas ideias e opiniões, pela palavra, imagem ou qualquer outro meio, bem como o direito e a liberdade de informar, de se informar e de ser informado, sem impedimentos nem discriminações”. Infelizmente, é desta forma que o nosso país vem sendo governado com autoritarismo e ditadura, falta liberdade de expressão e de manifestação. Antes de finalizar, a minha pergunta é: quem está a violar as leis do país é o CMJSPLT que luta por uma causa justa, respeitando a Constituição de Angola ou o Governo do MPLA que sempre nunca cumpriu com os seus deveres e obrigações, e vive violando as leis do país? Devido a esta atitude que violam os princípios democráticos, o povo angolano e a Comunidade Internacional exorta o Regime do MPLA a fim de libertar os 37 Ativistas Políticos da CMJSPLT que se encontram presos desde 2007, nas cadeias de Angola. Pois, esta acção do Governo Angolano, só vai é perpetuar este povo a coragem de lutar pacificamente até o alcance do seu objectivo, atráves de instrumentos internacionalmente aceites. Por isso, apelo a todos os povos do Leste de Angola a se juntarem a fim de manifestar contra o governo do MPLA e JES em prol da vossa independência administrativa e financeira. A luta continua, a independência é certa.

Publicado aqui


Texto anexo a este post, 'respigado' hoje a proposito desta materia.




O CASO DO PROTECTORADO DOS LUNDA-TCHOKWES. Os Lundas-Tchokwe desde 2007, vêm reivindicando a autodeterminação do seu território que abrange Lunda-Norte, Lunda-Sul, Moxico e Kuando-Kubango. Neste vai vem o Governo do MPLA prendeu cerca de 37 membros que fazem parte da Comissão do Manifesto Jurídico Sociológico do Protectorado da Lunda Tchokwe (CMJSPLT), tendo os mesmos acusados de crime contra segurança do Estado, por ter apresentado no dia 3 de Agosto de 2007, um Manifesto de Reivindicação da Autonomia Administrativa e Financeira efectiva da Lunda pelo facto de serem Independentes desde 24 de Março de 1894 e por força jurídica dos tratados de Protectorado de 1885-1887 celebrados entre Portugal e os Soberanos Lunda Tchokwes e Portugal ter produzido a Lei nº 8904/1955. Angola Independente, não justificou a razão da presença dele na Lunda desde 1975. Por falta da vontade politica do Governo Angolano, a única saida foi acusar a CMJSPL de estar a cometer crimes que lesa com a segurança do Estado ou de criação de algum exercito paralelo, depois de terem passado mais de 24 meses da vigência do Manifesto Reivindicativo e a sua publicação. Na realidade não existe nenhum crime contra a segurança do Estado Angolano, o que existe é a falta do cumprimento do documento do Protectorado Lunda-Tchokwes por parte do Governo do MPLA, o que tem levado os povos do Leste de Angola a se manifestarem pacificamente contra a atitude anti-democrática e autoritária do Governo JES. Todo mundo sabe da existência deste documento, (o Protectorado Lunda-Tchokwe). Portanto, a permanência até agora dos membros da CMJSPLT na cadeia viola a Nova Constituição da República. Segundo o Artigo 47º, ponto 1 desta Constituição “É garantida a todos os cidadãos a liberdade de reunião e de manifestação pacífica e sem armas, sem necessidade de qualquer autorização e nos termos da lei”. E no Artigo 40º, ponto 1 desta mesma Constituição expressa que “Todos têm o direito de exprimir, divulgar e compartilhar livremente os seus pensamentos, as suas ideias e opiniões, pela palavra, imagem ou qualquer outro meio, bem como o direito e a liberdade de informar, de se informar e de ser informado, sem impedimentos nem discriminações”. Infelizmente, é desta forma que o nosso país vem sendo governado com autoritarismo e ditadura, falta liberdade de expressão e de manifestação. Antes de finalizar, a minha pergunta é: quem está a violar as leis do país é o CMJSPLT que luta por uma causa justa, respeitando a Constituição de Angola ou o Governo do MPLA que sempre nunca cumpriu com os seus deveres e obrigações, e vive violando as leis do país? Devido a esta atitude que violam os princípios democráticos, o povo angolano e a Comunidade Internacional exorta o Regime do MPLA a fim de libertar os 37 Ativistas Políticos da CMJSPLT que se encontram presos desde 2007, nas cadeias de Angola. Pois, esta acção do Governo Angolano, só vai é perpetuar este povo a coragem de lutar pacificamente até o alcance do seu objectivo, atráves de instrumentos internacionalmente aceites. Por isso, apelo a todos os povos do Leste de Angola a se juntarem a fim de manifestar contra o governo do MPLA e JES em prol da vossa independência administrativa e financeira. A luta continua, a independência é certa.

Publicado aqui


Texto anexo a este post, 'respigado' hoje a proposito desta materia.

Thursday, 20 January 2011

A Tarefa de Substituir JES (I) [R]**





** [Postado inicialmente a 18/01/10; "repostado" a 28/08/10 e "re-repostado" hoje a proposito da materia a que podera' aceder clickando na imagem acima]


Por entre as euforias e desapontamentos do CAN, o ‘calcanhar de Aquiles’ de Cabinda, ou a tensao com os dois Congos, a (inevitavel, embora talvez insustentavel para alguns) tarefa nacional de substituir o Presidente Jose' Eduardo dos Santos parece estar na mente de muitos (senao todos) angolanos.

E nao e’ tarefa facil.

Desde logo porque o corrente embroglio politico-constitucional (aparentemente de sua inteira criacao) a torna mais complexa do que ja’ o seria por natureza. Mas, qualquer que seja o seu desfecho – aparentemente previsivel segundo as linhas da ja’ famigerada (consagrada?) 'proposta C' [*] – a tarefa apresenta-se incontornavel: JES nao pode, nem deve, perpectuar-se na Presidencia do pais Angola. Nao pode, simplesmente porque, tanto as leis da vida, quanto a ingente democratizacao da sociedade a todos os niveis, assim o exigem. Nao deve, claramente porque a preservacao do que havera’ de defensavel no seu longo mandato de tres decadas assim o reclama.

Tomemos, entao, “substituir JES” como uma tarefa a colocar na agenda nacional (tanto quanto possivel de consenso) para execucao num horizonte temporal curto, medio ou longo, mas previsivel e inevitavel. Tal agendamento passara’ necessariamente por pelo menos tres passos:

A. Uma tao rigorosa quanto possivel escrutinizacao do seu exercicio;
B. A consideracao das possiveis alternativas;
C. A avaliacao de tais alternativas contra o pano de fundo do pulsar politico, economico, social e cultural do pais real.

Porque, manifestamente, nao e’ tarefa facil, restringir-me-ei nesta abordagem inicial ao enunciado primeiro passo.

A. O Bom, o Mau e o Feio

Escrutinizar o mandato de JES, mesmo porque ele encompassa tres decadas marcadas por profundas mudancas no tecido socio-economico e politico do pais e no seu posicionamento estrategico internacional, nao pode ser, assim o exige um minimo de rigor analitico, um exercicio unidimensional.

Havera’, por conseguinte, que colocar na balanca os varios vectores da sua prestacao que, para facilidade de equacionamento e exposicao, sintetizaria nas populares (e reconheco que algo redutoras e caricaturizantes, sem contudo deixarem de ser uteis) categorias de “bom, mau e feio” (em Ingles, "the good, the bad and the ugly").

'O Bom'

Tenho para mim que, no balanco final, JES emergira’ na historia angolana do pos-independencia como um bom gestor de conflitos macro-sociais e, consequentemente, politicos.
Efectivamente, e apenas para mencionar o exemplo mais eloquoente, dificilmente se lhe retirara’ o merito de ter conseguido manter sob contencao e ate’ de o ter distendido quase ao ponto de esvaziamento, o barril de polvora socio-politico e racial herdado do 27 de Maio de 1977.
Igual merito lhe cabera’ na integracao politico-institucional e na acomodacao etnico-tribal do pos-guerra, bem como na gestao dos processos de pacificacao e de transicao democratica do pais.
Meritos, obviamente nao exclusivos nem totais (e alguns dos excluidos e rejeitados desses processos - certamente por nao terem qualquer vocacao para lamber botas de quem quer que seja... - aqui estao para o confirmar !), mas meritos de qualquer modo.

'O Mau'

Tendo sido, aparentemente, um bom gestor de conflitos ao nivel “macro”, JES tera’ sido, talvez em igual medida, um mau gestor de conflitos ao nivel “micro”. Nesta categoria inserem-se os conflitos de caracter particular e pessoal gerados pela sua gestao, como “chefe incontestavel”, de virtualmente todos os orgaos de decisao politico-institucional, do aparelho governativo e dos seus servidores e da regulacao do partido maioritario que dirige. E’ esta vertente do exercicio do seu poder que tende a atrair as cada vez mais insistentes e generalizadas acusacoes de “lambebotismo” e outros “ismos” menos abonatorios para a sua imagem. Mas, por entre tais acusacoes, talvez nao seja completamente despropositado colocar as seguintes questoes:

i) Seria de esperar outro comportamento numa sociedade ainda em transicao para uma democracia plena (tanto em termos representativos quanto participativos) e gerida durante quase todo o seu pos-independencia (antecedido, nunca sera’ demais lembra-lo, de um regime colonial-fascista de longa duracao) sob um sistema mono-partidario? E, nisso, por um partido unico gerido por um “centralismo democratico” que se consubstanciou num mecanismo de tomada de decisoes por um restrito “comite’ central” e um ainda mais restrito “bureau politico” sob o estrito comando do “chefe”, cabendo aos militantes intermedios e de base apenas a prerrogativa de votarem com a mao no ar (ou, mais recentemente, por “voto discreto”) nos seus espacados conclaves aos mais diversos niveis?

ii) Seria de esperar outro comportamento por entre um substracto ideologico balizado por “lideres imortais, intocaveis e incontestaveis”, nao apenas a nivel nacional, como a todos os outros niveis, sectores e instituicoes, incluindo o governo e os partidos politicos, passando pelos mundos empresarial, dos midia, das artes e das letras e pela propria academia?

iii) Seria de esperar outro comportamento no seio de uma cultura politica e de uma praxis social que ainda “nao se dao muito bem”, para dizer o minimo, com conceitos como "competicao honesta", “meritocracia” e “cultura do debate”?

Serao as possiveis respostas logicas a essas questoes ilibadoras da ma’ prestacao de JES nesse dominio? Nao necessariamente. Mas creio que poderao contribuir para uma melhor contextualizacao dessa mesma prestacao no espaco e tempo historico-politicos em que se desempenhou e para uma mais ampla, objectiva, realista e criteriosa avaliacao das alternativas possiveis.

'O Feio'

Nepotismo.
Enriquecimento ilicito.
Falta de transparencia governativa e de responsabilizacao e punicao dos (maus) gestores publicos.
Delapidacao praticamente generalizada do erario publico.
Hostilizacao, depauperamento, marginalizacao economica e exclusao social da maioria da populacao.

Assim se resumira’ essa vertente mais danosa do exercicio de JES, para a qual se poderao igualmente encontrar raizes culturais e sistemicas - mesmo que nao lhe possam ser inteira ou exclusivamente imputadas - mas que, inexoravelmente, tende a eclipsar completamente os seus lados mais defensaveis. E e’ essa vertente que exige que ele abandone o poder mais cedo do que tarde – iniciativas de ”tolerancia zero” [**], pecando por tardias para travar tal inevitabilidade, nao obstante.

=====

[*] Aparentemente, dois dias depois de isto escrito, o dito embroglio tera' sido assim resolvido.


[**] Dias depois, no seu acto de posse como Presidente da Terceira Republica resultante da "resolucao do embroglio constitucional", JES viria a 'acrescentar alguma carne ao esqueleto' da sua "tolerancia zero".




Posts relacionados:


Resultados das Legislativas...

"Esquerda Democratica"?


E Assim Comeca o Annus Angolensis

E Se Os Paises Africanos Fossem Os EUA?

A Tarefa de Substituir JES (II)








** [Postado inicialmente a 18/01/10; "repostado" a 28/08/10 e "re-repostado" hoje a proposito da materia a que podera' aceder clickando na imagem acima]


Por entre as euforias e desapontamentos do CAN, o ‘calcanhar de Aquiles’ de Cabinda, ou a tensao com os dois Congos, a (inevitavel, embora talvez insustentavel para alguns) tarefa nacional de substituir o Presidente Jose' Eduardo dos Santos parece estar na mente de muitos (senao todos) angolanos.

E nao e’ tarefa facil.

Desde logo porque o corrente embroglio politico-constitucional (aparentemente de sua inteira criacao) a torna mais complexa do que ja’ o seria por natureza. Mas, qualquer que seja o seu desfecho – aparentemente previsivel segundo as linhas da ja’ famigerada (consagrada?) 'proposta C' [*] – a tarefa apresenta-se incontornavel: JES nao pode, nem deve, perpectuar-se na Presidencia do pais Angola. Nao pode, simplesmente porque, tanto as leis da vida, quanto a ingente democratizacao da sociedade a todos os niveis, assim o exigem. Nao deve, claramente porque a preservacao do que havera’ de defensavel no seu longo mandato de tres decadas assim o reclama.

Tomemos, entao, “substituir JES” como uma tarefa a colocar na agenda nacional (tanto quanto possivel de consenso) para execucao num horizonte temporal curto, medio ou longo, mas previsivel e inevitavel. Tal agendamento passara’ necessariamente por pelo menos tres passos:

A. Uma tao rigorosa quanto possivel escrutinizacao do seu exercicio;
B. A consideracao das possiveis alternativas;
C. A avaliacao de tais alternativas contra o pano de fundo do pulsar politico, economico, social e cultural do pais real.

Porque, manifestamente, nao e’ tarefa facil, restringir-me-ei nesta abordagem inicial ao enunciado primeiro passo.

A. O Bom, o Mau e o Feio

Escrutinizar o mandato de JES, mesmo porque ele encompassa tres decadas marcadas por profundas mudancas no tecido socio-economico e politico do pais e no seu posicionamento estrategico internacional, nao pode ser, assim o exige um minimo de rigor analitico, um exercicio unidimensional.

Havera’, por conseguinte, que colocar na balanca os varios vectores da sua prestacao que, para facilidade de equacionamento e exposicao, sintetizaria nas populares (e reconheco que algo redutoras e caricaturizantes, sem contudo deixarem de ser uteis) categorias de “bom, mau e feio” (em Ingles, "the good, the bad and the ugly").

'O Bom'

Tenho para mim que, no balanco final, JES emergira’ na historia angolana do pos-independencia como um bom gestor de conflitos macro-sociais e, consequentemente, politicos.
Efectivamente, e apenas para mencionar o exemplo mais eloquoente, dificilmente se lhe retirara’ o merito de ter conseguido manter sob contencao e ate’ de o ter distendido quase ao ponto de esvaziamento, o barril de polvora socio-politico e racial herdado do 27 de Maio de 1977.
Igual merito lhe cabera’ na integracao politico-institucional e na acomodacao etnico-tribal do pos-guerra, bem como na gestao dos processos de pacificacao e de transicao democratica do pais.
Meritos, obviamente nao exclusivos nem totais (e alguns dos excluidos e rejeitados desses processos - certamente por nao terem qualquer vocacao para lamber botas de quem quer que seja... - aqui estao para o confirmar !), mas meritos de qualquer modo.

'O Mau'

Tendo sido, aparentemente, um bom gestor de conflitos ao nivel “macro”, JES tera’ sido, talvez em igual medida, um mau gestor de conflitos ao nivel “micro”. Nesta categoria inserem-se os conflitos de caracter particular e pessoal gerados pela sua gestao, como “chefe incontestavel”, de virtualmente todos os orgaos de decisao politico-institucional, do aparelho governativo e dos seus servidores e da regulacao do partido maioritario que dirige. E’ esta vertente do exercicio do seu poder que tende a atrair as cada vez mais insistentes e generalizadas acusacoes de “lambebotismo” e outros “ismos” menos abonatorios para a sua imagem. Mas, por entre tais acusacoes, talvez nao seja completamente despropositado colocar as seguintes questoes:

i) Seria de esperar outro comportamento numa sociedade ainda em transicao para uma democracia plena (tanto em termos representativos quanto participativos) e gerida durante quase todo o seu pos-independencia (antecedido, nunca sera’ demais lembra-lo, de um regime colonial-fascista de longa duracao) sob um sistema mono-partidario? E, nisso, por um partido unico gerido por um “centralismo democratico” que se consubstanciou num mecanismo de tomada de decisoes por um restrito “comite’ central” e um ainda mais restrito “bureau politico” sob o estrito comando do “chefe”, cabendo aos militantes intermedios e de base apenas a prerrogativa de votarem com a mao no ar (ou, mais recentemente, por “voto discreto”) nos seus espacados conclaves aos mais diversos niveis?

ii) Seria de esperar outro comportamento por entre um substracto ideologico balizado por “lideres imortais, intocaveis e incontestaveis”, nao apenas a nivel nacional, como a todos os outros niveis, sectores e instituicoes, incluindo o governo e os partidos politicos, passando pelos mundos empresarial, dos midia, das artes e das letras e pela propria academia?

iii) Seria de esperar outro comportamento no seio de uma cultura politica e de uma praxis social que ainda “nao se dao muito bem”, para dizer o minimo, com conceitos como "competicao honesta", “meritocracia” e “cultura do debate”?

Serao as possiveis respostas logicas a essas questoes ilibadoras da ma’ prestacao de JES nesse dominio? Nao necessariamente. Mas creio que poderao contribuir para uma melhor contextualizacao dessa mesma prestacao no espaco e tempo historico-politicos em que se desempenhou e para uma mais ampla, objectiva, realista e criteriosa avaliacao das alternativas possiveis.

'O Feio'

Nepotismo.
Enriquecimento ilicito.
Falta de transparencia governativa e de responsabilizacao e punicao dos (maus) gestores publicos.
Delapidacao praticamente generalizada do erario publico.
Hostilizacao, depauperamento, marginalizacao economica e exclusao social da maioria da populacao.

Assim se resumira’ essa vertente mais danosa do exercicio de JES, para a qual se poderao igualmente encontrar raizes culturais e sistemicas - mesmo que nao lhe possam ser inteira ou exclusivamente imputadas - mas que, inexoravelmente, tende a eclipsar completamente os seus lados mais defensaveis. E e’ essa vertente que exige que ele abandone o poder mais cedo do que tarde – iniciativas de ”tolerancia zero” [**], pecando por tardias para travar tal inevitabilidade, nao obstante.

=====

[*] Aparentemente, dois dias depois de isto escrito, o dito embroglio tera' sido assim resolvido.


[**] Dias depois, no seu acto de posse como Presidente da Terceira Republica resultante da "resolucao do embroglio constitucional", JES viria a 'acrescentar alguma carne ao esqueleto' da sua "tolerancia zero".




Posts relacionados:


Resultados das Legislativas...

"Esquerda Democratica"?


E Assim Comeca o Annus Angolensis

E Se Os Paises Africanos Fossem Os EUA?

A Tarefa de Substituir JES (II)




Sunday, 16 January 2011

"A (radio)(bio) logi(c)a de uma (outra) Kampanha..." [Actualizado]



"O grande inimigo da verdade, muitas vezes não é a mentira - deliberada, compulsiva e desonesta - , mas o mito - persistente, persuasivo e irrealista. Acreditar em mitos dá o conforto da opinião sem o desconforto do pensamento." John F. Kennedy

e...


"Quando alguem expoe a visibilidade do mito acha-se ao servico de pretextos..."
Herberto Helder


"O problema nao e' fantasiar; o problema e' quando se comeca a acreditar na propria fantasia... e a agir em funcao dela." A.S.


"We cannot trample upon the humanity of others without devaluing our own. The Igbo, always practical, put it concretely in their proverb Onye ji onye n'ani ji onwe ya: "He who will hold another down in the mud must stay in the mud to keep him down."

[Chinua Achebe]

Ou, alternativamente, em Portugues: Yanick Ngombo, a.k.a. Afroman, membro da etnia Bakongo (tal como os Igbo, igualmente com um sentido bastante pratico das coisas mundanas, para que lhes sobre tempo suficiente para as coisas do espirito, como a metafisica ou a filosofia), diz numa das suas cancoes algo como isto: "... e' como o porco que arrasta o javali para uma luta na lama: os dois vao se sujar, mas o porco gosta porque assim ganha fama!



***


(...) "A 'chileshe' ke nao era a Ophra"



[imagem daqui]


"Kwale Ophra?"




"A 'barata' ke (nao) p(h)odia kompra um kubiko aki!"



"ou aki"



"Ai, e o kubiko dela aki" ke le kassumbularam kum ele 'atraves' do "koitado"? ... Ja' pra nao falar no outro no predio da Novembro/Sociborda k'ela perdeu kwando lhe raptaram no "inkrivel svengali"?..."





"Oh... (d)eskece! Isso seria fazer 'muito esforco', 'muito esforco mesmo', pra pobre e insignificante kriatura rejeitada (v)ir tirar 'a nossa prata da kaza o ke nao lhe pertence!...



... Ate' porke nao lhe recebeu de heranca dos seus ancestrais!"





... Ela ke venha maze' aki pra lhe p(h)odermos nos todos juntos mais o nosso Gugas e a nossa diva da pornografia nacional ate' lhe matarmos e lhe engolirmos no nosso multiplo orgasmo lugubre me'! Ke' pra num fika ai so' a sobra atoa nas Europas toda fresca a ver assim a sua odisseia mundiana encurtada em troca de efemeros prazeres e de alguns trocados, porke afinal prake ke servem os genitais e o utero?!..."




"e o resto..."




"e' estoria..."



"muito mal kontada!"


"(...)"

***


"O que custa nao e' cometer um erro, o que custa e' admiti-lo e corrigi-lo."

"Amigo do meu inimigo meu inimigo e' e com amigos como estes nao preciso de inimigos."


***
[Obs: Algumas - de facto, a maior parte - das imagens deste post foram "garimpadas" aqui.]



"O grande inimigo da verdade, muitas vezes não é a mentira - deliberada, compulsiva e desonesta - , mas o mito - persistente, persuasivo e irrealista. Acreditar em mitos dá o conforto da opinião sem o desconforto do pensamento." John F. Kennedy

e...


"Quando alguem expoe a visibilidade do mito acha-se ao servico de pretextos..."
Herberto Helder


"O problema nao e' fantasiar; o problema e' quando se comeca a acreditar na propria fantasia... e a agir em funcao dela." A.S.


"We cannot trample upon the humanity of others without devaluing our own. The Igbo, always practical, put it concretely in their proverb Onye ji onye n'ani ji onwe ya: "He who will hold another down in the mud must stay in the mud to keep him down."

[Chinua Achebe]

Ou, alternativamente, em Portugues: Yanick Ngombo, a.k.a. Afroman, membro da etnia Bakongo (tal como os Igbo, igualmente com um sentido bastante pratico das coisas mundanas, para que lhes sobre tempo suficiente para as coisas do espirito, como a metafisica ou a filosofia), diz numa das suas cancoes algo como isto: "... e' como o porco que arrasta o javali para uma luta na lama: os dois vao se sujar, mas o porco gosta porque assim ganha fama!



***


(...) "A 'chileshe' ke nao era a Ophra"



[imagem daqui]


"Kwale Ophra?"




"A 'barata' ke (nao) p(h)odia kompra um kubiko aki!"



"ou aki"



"Ai, e o kubiko dela aki" ke le kassumbularam kum ele 'atraves' do "koitado"? ... Ja' pra nao falar no outro no predio da Novembro/Sociborda k'ela perdeu kwando lhe raptaram no "inkrivel svengali"?..."





"Oh... (d)eskece! Isso seria fazer 'muito esforco', 'muito esforco mesmo', pra pobre e insignificante kriatura rejeitada (v)ir tirar 'a nossa prata da kaza o ke nao lhe pertence!...



... Ate' porke nao lhe recebeu de heranca dos seus ancestrais!"





... Ela ke venha maze' aki pra lhe p(h)odermos nos todos juntos mais o nosso Gugas e a nossa diva da pornografia nacional ate' lhe matarmos e lhe engolirmos no nosso multiplo orgasmo lugubre me'! Ke' pra num fika ai so' a sobra atoa nas Europas toda fresca a ver assim a sua odisseia mundiana encurtada em troca de efemeros prazeres e de alguns trocados, porke afinal prake ke servem os genitais e o utero?!..."




"e o resto..."




"e' estoria..."



"muito mal kontada!"


"(...)"

***


"O que custa nao e' cometer um erro, o que custa e' admiti-lo e corrigi-lo."

"Amigo do meu inimigo meu inimigo e' e com amigos como estes nao preciso de inimigos."


***
[Obs: Algumas - de facto, a maior parte - das imagens deste post foram "garimpadas" aqui.]

Saturday, 15 January 2011

Olhares Diversos (XXIII)




Sobre a Cultura Nacional

Angola: "Um só povo, uma só nação"?

O dia Nacional da Cultura é festejado, oficialmente, no Dundo, Lunda-Norte,[*] com diversas actividades culturais. No entanto, a alegria e o ânimo gerados com as festividades não se reflectem no debate quando se discute o que é a cultura angolana, unidade cultural ou até mesmo a identidade cultural angolana.

As controvérsias acontecem porque Angola é um país dividido, separado e diferente nas suas linhas culturais. E essas assimetrias expressam a sua multiplicidade étnica, racial e linguística.

São cerca de 16 milhões de habitantes que se comunicam em português (como língua nacional), e regionalmente em sete línguas diferentes, mais de 20 dialectos, e sete grupos etnolinguísticos. Todos eles diferentes nos hábitos e costumes, mas unidos pela história, pelo território e pelo pais que a todos se liga.

O padre Muanamossi Matumona é um jornalista e sociólogo que muitas vezes escreveu sobre cultura angolana. Um dos mais controversos que publicou foi sobre Unidade Cultural Angolana no ano de 1993. Um ano difícil para o país que continuava a lutar de armas na mão, depois de eleições problematicas. Uma guerra que para muitos era fruto até da intolerância cultural que se atribuía a umbundus (representados pela UNITA) e quimbundus ( do lado governamental, principalmente o MPLA.

Mas o filósofo Almerindo Jaka Jamba chama atenção a ideia que se tenta transmitir com o slogan “um povo e uma só nação”. O estudioso e professor universitário vai mais longe dizendo mesmo que apesar da independência politica e económica, o angolano precisa ainda de se encontrar como africano e a isso, diz o académico, corresponde uma dimensão estratégica.


[Continue lendo aqui]



* No entanto, de acordo com esta noticia, entre varias outras, o acto central teve lugar no Uige



Posts relacionados:

"Conferencia Internacional sobre Cultura Cokwe"

Festival Mondial des Arts Negres

E por falar em "Representacoes"




Sobre a Cultura Nacional

Angola: "Um só povo, uma só nação"?

O dia Nacional da Cultura é festejado, oficialmente, no Dundo, Lunda-Norte,[*] com diversas actividades culturais. No entanto, a alegria e o ânimo gerados com as festividades não se reflectem no debate quando se discute o que é a cultura angolana, unidade cultural ou até mesmo a identidade cultural angolana.

As controvérsias acontecem porque Angola é um país dividido, separado e diferente nas suas linhas culturais. E essas assimetrias expressam a sua multiplicidade étnica, racial e linguística.

São cerca de 16 milhões de habitantes que se comunicam em português (como língua nacional), e regionalmente em sete línguas diferentes, mais de 20 dialectos, e sete grupos etnolinguísticos. Todos eles diferentes nos hábitos e costumes, mas unidos pela história, pelo território e pelo pais que a todos se liga.

O padre Muanamossi Matumona é um jornalista e sociólogo que muitas vezes escreveu sobre cultura angolana. Um dos mais controversos que publicou foi sobre Unidade Cultural Angolana no ano de 1993. Um ano difícil para o país que continuava a lutar de armas na mão, depois de eleições problematicas. Uma guerra que para muitos era fruto até da intolerância cultural que se atribuía a umbundus (representados pela UNITA) e quimbundus ( do lado governamental, principalmente o MPLA.

Mas o filósofo Almerindo Jaka Jamba chama atenção a ideia que se tenta transmitir com o slogan “um povo e uma só nação”. O estudioso e professor universitário vai mais longe dizendo mesmo que apesar da independência politica e económica, o angolano precisa ainda de se encontrar como africano e a isso, diz o académico, corresponde uma dimensão estratégica.


[Continue lendo aqui]



* No entanto, de acordo com esta noticia, entre varias outras, o acto central teve lugar no Uige



Posts relacionados:

"Conferencia Internacional sobre Cultura Cokwe"

Festival Mondial des Arts Negres

E por falar em "Representacoes"

Friday, 14 January 2011

Uma outra (red) accao




[Ou, a karapussa ke me serve...]


Com a Wiki, o jornalismo deixou o quarto (dopoder) para passar a ocupar a sala de visitas do mundo.

Quer se goste quer não do Julian Assanje, ele já entrou para a história contemporânea e vai lá ficar por mérito próprio com o seu "jornalismo científico".

{d'aki}


[Fasso minhas essas palavras... ressalvando "as aparencias que iludem... ou as iludencias que aparudem", of course...]

Thursday, 13 January 2011

Desculpe...


...Mas...


Os primeiros portugueses estabeleceram-se em Luanda, de fonte segura e indesmentível, em meados (Junho ou Julho) de 1576. Mas chegaram à Ilha do Cabo no dia 11 de Fevereiro de 1575. Esta deve ser a data que marca a transformação da pequena aldeia já existente, com algumas dezenas de habitantes, numa das mais belas cidades da costa ocidental de África.
O almirante Paulo Dias de Novais saiu de Lisboa meio ano antes, com a incumbência de fundar uma grande cidade na costa marítima, já que existiam relações diplomáticas privilegiadas com o Reino do Congo, no interior.
Paulo Dias de Novais aportou à Ilha de Luanda porque o rei do Congo se dizia proprietário desses domínios. Os Dembos, séculos mais tarde, provaram que essa "posse" não era pacífica e muito menos aceite. Mas vamos falar de Luanda, desde o seu nascimento como cidade, até aos anos 50 do século passado.

[Extracto daqui]


... apenas duas observacoes:


i. "Os primeiros portugueses estabeleceram-se em Luanda, de fonte segura e indesmentível, em meados (Junho ou Julho) de 1576." Se se trata de "fonte segura e indesmentivel" porque nao cita-la? E mesmo que nao o fosse, fontes, especialmente em Historia, devem sempre (que possivel) ser citadas e/ou referenciadas;

ii. "Paulo Dias de Novais aportou à Ilha de Luanda porque o rei do Congo se dizia proprietário desses domínios. Os Dembos, séculos mais tarde, provaram que essa "posse" não era pacífica e muito menos aceite." - "Seculos mais tarde"? Quando? Como? Porque? Creio que bastaria uma breve citacao ou referencia para se consubstanciar tal afirmacao sem ter que se sair, ou deixar de falar, de Luanda...

...Mas...


Os primeiros portugueses estabeleceram-se em Luanda, de fonte segura e indesmentível, em meados (Junho ou Julho) de 1576. Mas chegaram à Ilha do Cabo no dia 11 de Fevereiro de 1575. Esta deve ser a data que marca a transformação da pequena aldeia já existente, com algumas dezenas de habitantes, numa das mais belas cidades da costa ocidental de África.
O almirante Paulo Dias de Novais saiu de Lisboa meio ano antes, com a incumbência de fundar uma grande cidade na costa marítima, já que existiam relações diplomáticas privilegiadas com o Reino do Congo, no interior.
Paulo Dias de Novais aportou à Ilha de Luanda porque o rei do Congo se dizia proprietário desses domínios. Os Dembos, séculos mais tarde, provaram que essa "posse" não era pacífica e muito menos aceite. Mas vamos falar de Luanda, desde o seu nascimento como cidade, até aos anos 50 do século passado.

[Extracto
daqui]


... apenas duas observacoes:


i. "Os primeiros portugueses estabeleceram-se em Luanda, de fonte segura e indesmentível, em meados (Junho ou Julho) de 1576." Se se trata de "fonte segura e indesmentivel" porque nao cita-la? E mesmo que nao o fosse, fontes, especialmente em Historia, devem sempre (que possivel) ser citadas e/ou referenciadas;

ii. "Paulo Dias de Novais aportou à Ilha de Luanda porque o rei do Congo se dizia proprietário desses domínios. Os Dembos, séculos mais tarde, provaram que essa "posse" não era pacífica e muito menos aceite." - "Seculos mais tarde"? Quando? Como? Porque? Creio que bastaria uma breve citacao ou referencia para se consubstanciar tal afirmacao sem ter que se sair, ou deixar de falar, de Luanda...