Wednesday, 31 January 2007

DANÇA TRADICIONAL ANGOLANA

N.B.: O texto aqui inicialmente postado foi retirado pela autora do blog por alegada incorrecta atribuicao da sua autoria. Aos interessados sugere-se que o procurem atraves de outras fontes e nomeadamente nas indicadas aquando da sua postagem original, como se segue:

"Fonte: Jornal de Angola (30/01/07) e excertos de "A Danca em Angola" por Amador Afonso"

4 comments:

Salucombo_Jr. said...

e se nao se fizer nada urgentemente poderemos estar a caminhar para um "deletar" do que realmente 'e nosso, ou seja a geracao de amanha podera desconhecer o que 'e um mukixi por exemplo.

Koluki said...

E' verdade, meu irmao. Mas, como indica a noticia, alguma coisa ja vai sendo feita, mesmo que apenas no plano das intencoes. Mas, para la' das iniciativas institucionais, acredito na profunda capacidade de regeneracao cultural das areas rurais. Nem todas foram afectadas na mesma medida pela guerra e nem tudo tera' sido irremediavelmente perdido. Claro que perdemos muitas bibliotecas vivas com a morte e/ou incapacitacao fisica de muitos dos nossos mais velhos e mais velhas que ao longo dos seculos venhem assegurando a passagem das tradicoes de geracao em geracao. Mas e' possivel que em cada aldeia, ou no que sobra delas, pelo menos alguns mais velhos, ou menos velhos mas igualmente conhecedores das tradicoes, terao sobrevivido. Ainda ha muitos deslocados e refugiados, ou nas cidades do pais, ou nos paises vizinhos e esses ja vao regressando as suas terras de origem e recomecando as suas vidas - com elas, estou em crer, regressara' tambem a tradicao.
Agora, quanto ao mukixi, isso ja antes da guerra (isto e', desta ultima longa guerra) era dificil encontrar-se alguem nado e criado nas cidades que o conhecesse... e assim, infelizmente, continuara’ a ser.
Eu, felizmente, tive a sorte de passar varias temporadas na minha infancia com os meus avos na Damba (Uige), ou com o meu pai, quando ele trabalhava como "enfermeiro itinerante" nas rocas de cafe do interior do pais (devido a uma historia que tambem tem a sua relevancia, mas que fica para outra ocasiao). E ai, desde muito cedo, bebi das fontes... Nas rocas de cafe, por exemplo, havia dancas de akixi todos os fins de semana e, se durante a semana nos criancas nos tivessemos "portado mal", os pais tentavam amedrontar-nos dizendo que o mukixi ia nos levar da proxima vez que viesse dancar... Mal eles sabiam, ou se calhar ate sabiam bem, que nos esperavamos ansiosamente pelo fim de semana precisamente para dancarmos com os akixi e o resto da aldeia que se juntava toda a volta da fogueira... Essa e fazermos “escorrega” nos montes de café quando saia das maquinas de descascar eram as nossas maiores diversoes de infancia.

Maria Muadié said...

Koluki, que bacana o que escreveu aqui.Dançar é maravilhoso.
Um beijo,
Martha

Koluki said...

Bacana... que palavra bonita. Ha tanto tempo nao a lia/ouvia!
Beijo pra voce tambem Martha.
(E continuemos dancando porque musica por ai e' o que nao falta...)