Thursday, 29 November 2007

"JO SOARES: UM GORDO MUITO IMBECIL"

O titulo nao e' meu! E' deste blog, onde tambem se diz isto:

"Hoje, por coincidência, a segunda entrevista foi com Marcelo Paixão, que falou sobre “multiculturalismo e a situação do negro no Brasil“. Algo que somente piorou a situação, um remendo pior que o soneto, algo arranjado. A impressão que se tem, é que pegaram o primeiro “entendido” do assunto para botar panos quentes sobre as atrocidades que se falou e culpar, na verdade, a sociedade sobre os preconceitos de nossa cultura.Com frases do tipo “eu não opero por uma ótica relativista absoluta” e vários “a nível de“, “aportes“, “qüestões” (sic) Marcelo Paixão falou muito em tolerância, diálogo e compreensão. Jô, teceu vários elogios à eloqüência do entrevistado e sua facilidade de falar, ao que atribui um dom natural. Provas de que foi algo arranjado? Dos dois livros escritos pelo Marcelo, nenhum deles era lançamento. Ao fim da entrevista, Soares errou o nome da faculdade em que ele leciona - era UFRJ e ele falou em UERJ. Para finalizar, somente uma pessoa puxou o aahhh, típico de finais de entrevistas interessantes.
Sr. José Eugênio Soares, pede para sair! Pede para sair!"


Mas ha' quem tenha feito uma 'leitura' diferente, e.g.: "o Prof. Marcelo Paixão da UFRJ, e coordenador do observatório Afro-Brasileiro foi entrevistado pelo Jô. Vale a pena assistir ao vídeo, pois, além de ser uma verdadeira aula sobre a questão do preconceito, mostra o quão o Jô está alienado sobre estas questões (se mostrou um verdadeiro babaca). É cômico ver a cara do Jô sem saber o que questionar ou comentar sobre as exposições do Prof., de tão atrapalhado e embasbacado, ele até quebrou seus óculos. Este foi um verdadeiro "cala-a-boca" no gordinho. Vale a pena assistir e divulgar." Comentario daqui, onde tambem se fica a saber que o Jo ja' apresentou ontem uma "desculpa esfarrapada"... 'a Lusa.

Entretanto, a Embaixada de Angola no Brasil parece ter-se decidido a dizer qualquer coisa... 'a Lusa (aqui).

[Clique na imagem para aceder ao video]
O titulo nao e' meu! E' deste blog, onde tambem se diz isto:

"Hoje, por coincidência, a segunda entrevista foi com Marcelo Paixão, que falou sobre “multiculturalismo e a situação do negro no Brasil“. Algo que somente piorou a situação, um remendo pior que o soneto, algo arranjado. A impressão que se tem, é que pegaram o primeiro “entendido” do assunto para botar panos quentes sobre as atrocidades que se falou e culpar, na verdade, a sociedade sobre os preconceitos de nossa cultura.Com frases do tipo “eu não opero por uma ótica relativista absoluta” e vários “a nível de“, “aportes“, “qüestões” (sic) Marcelo Paixão falou muito em tolerância, diálogo e compreensão. Jô, teceu vários elogios à eloqüência do entrevistado e sua facilidade de falar, ao que atribui um dom natural. Provas de que foi algo arranjado? Dos dois livros escritos pelo Marcelo, nenhum deles era lançamento. Ao fim da entrevista, Soares errou o nome da faculdade em que ele leciona - era UFRJ e ele falou em UERJ. Para finalizar, somente uma pessoa puxou o aahhh, típico de finais de entrevistas interessantes.
Sr. José Eugênio Soares, pede para sair! Pede para sair!"


Mas ha' quem tenha feito uma 'leitura' diferente, e.g.: "o Prof. Marcelo Paixão da UFRJ, e coordenador do observatório Afro-Brasileiro foi entrevistado pelo Jô. Vale a pena assistir ao vídeo, pois, além de ser uma verdadeira aula sobre a questão do preconceito, mostra o quão o Jô está alienado sobre estas questões (se mostrou um verdadeiro babaca). É cômico ver a cara do Jô sem saber o que questionar ou comentar sobre as exposições do Prof., de tão atrapalhado e embasbacado, ele até quebrou seus óculos. Este foi um verdadeiro "cala-a-boca" no gordinho. Vale a pena assistir e divulgar." Comentario daqui, onde tambem se fica a saber que o Jo ja' apresentou ontem uma "desculpa esfarrapada"... 'a Lusa.

Entretanto, a Embaixada de Angola no Brasil parece ter-se decidido a dizer qualquer coisa... 'a Lusa (aqui).

[Clique na imagem para aceder ao video]

1 comment:

VDV said...

Coitado do Jô!
Digo bem – coitado, porque só ele é que mete pena no meio dessa estória toda. As nossas Mumuílas continuam na maior. De cabeça erguida. Como sempre!