Saturday, 19 April 2008

AIME' CESAIRE (R.I.P.)

O poeta, dramaturgo e politico Aime' Cesaire, faleceu anteontem, aos 94 anos de idade, em Fort-de-France, cidade capital do seu pais natal, a Martinica, da qual foi sucessivamente eleito governador durante mais de cinco decadas.


Cesaire foi, com Senghor, um dos pais do Movimento da Negritude. Pensar em qualquer deles significa, para mim, associa-los a Mario Pinto de Andrade, que com eles participou activamente naquele movimento, como editor da Revista Presence Africaine e, enquanto estudante da Sorbonne, organizador do Primeiro Congresso Internacional de Escritores e Artistas Negros, que teve lugar naquela Universidade Parisiense, em 1956.

Tendo contado com o apoio de intelectuais de renome internacional, tais como André Gide, Jean-Paul Sartre, Albert Camus, Théodore Monod, Roger Bastide, Basil Davidson, Michel Leiris, George Padmore e Pablo Picasso (que desenhou o seu poster), 'aquele Congresso seminal participaram dezenas de escritores e artistas provenientes de Africa, Americas e Caraibas, entre os quais, para alem de Mario, Cesaire e Senghor, Richard Wright, René Depestre, Cheik Anta Diop, Abdoulaye Wade e Frantz Fanon.

E', pois, a memoria do tambem ja' falecido Mario Pinto de Andrade que recorro para lembrar Cesaire, a sua poesia e o seu legado politico-cultural:

"Ao abordarmos a epoca contemporanea, surge-nos o canto mais profundo que um poeta nascido na noite colonial jamais produziu: trata-se do Cahier d’un retour au pays natal de Aime’ Cesaire. Na sua palavra poetica “bela como o oxigenio nascente”, como escreveu Andre’ Breton, reside a fonte moderna da poesia africana de combate. A partir dela, comeca a leitura verdadeiramente poetica da opressao e do universo de todos os oprimidos.

Africa
nao receies – o combate e’ novo
a torrente viva do teu sangue elabora sem descanso
uma nova estacao; a noite e’ hoje no fundo dos mares
o enorme e instavel dorso de um astro meio adormecido
prossegue o teu combate – ainda que tenhas para conjurar
[o espaco]
o espaco apenas do teu nome irritado pelas secas


Ao longo da accao de um dos primeiros movimentos politicos unitarios fundados em Africa depois da Segunda Guerra Mundial, em 1946, em Bamako (Mali) referimo-nos ao Rassemblement Democratique Africain – a poesia traz o testemunho vivo desse combate. Os poemas publicados no orgao do RDA, Le Reveil (O Despertar), elucidam as batalhas em curso e abrem horizontes ao futuro em criacao.

Esses poetas cantam uma realidade que em breve sera’ ultrapassada pela propria evolucao do combate politico. Raros sao aqueles que reencontram a inspiracao, a conviccao ou o talento necessarios para exaltar o conteudo da independencia nacional conquistada pelos seus paises. Mas entre os poetas que se revelam depois da geracao do RDA, o nome de David Diop, tragicamente desaparecido em 1960, retem a nossa atencao. Embora a sua obra esteja limitada a um so’ livro de poemas (Coups de Pilon), ela exerce ainda hoje uma profunda influencia a escala do continente.

Tomando posicao desde a primeira hora, pela reabilitacao cultural dos valores africanos, David Diop, inscreve a sua poesia no contexto do combate geral pela independencia africana. Assume-se como vitima entre as vitimas do massacre de Dimbokro na Costa do Marfim ou do campo de concentracao de Poulo Condor no Vietname. David Diop, que reune talento poetico e generosidade militante, e’, para as geracoes das 'independencias africanas', o anunciador da 'primavera que tomara’ corpo sobre os nossos passos de claridade'."

in “Antologia Tematica de Poesia Africana (2) – O Canto Armado”
(segunda edicao, 1980)
Instituto Caboverdeano do Livro
© Mario de Andrade/ Sa’ da Costa Editora

O poeta, dramaturgo e politico Aime' Cesaire, faleceu anteontem, aos 94 anos de idade, em Fort-de-France, cidade capital do seu pais natal, a Martinica, da qual foi sucessivamente eleito governador durante mais de cinco decadas.


Cesaire foi, com Senghor, um dos pais do Movimento da Negritude. Pensar em qualquer deles significa, para mim, associa-los a Mario Pinto de Andrade, que com eles participou activamente naquele movimento, como editor da Revista Presence Africaine e, enquanto estudante da Sorbonne, organizador do Primeiro Congresso Internacional de Escritores e Artistas Negros, que teve lugar naquela Universidade Parisiense, em 1956.

Tendo contado com o apoio de intelectuais de renome internacional, tais como André Gide, Jean-Paul Sartre, Albert Camus, Théodore Monod, Roger Bastide, Basil Davidson, Michel Leiris, George Padmore e Pablo Picasso (que desenhou o seu poster), 'aquele Congresso seminal participaram dezenas de escritores e artistas provenientes de Africa, Americas e Caraibas, entre os quais, para alem de Mario, Cesaire e Senghor, Richard Wright, René Depestre, Cheik Anta Diop, Abdoulaye Wade e Frantz Fanon.

E', pois, a memoria do tambem ja' falecido Mario Pinto de Andrade que recorro para lembrar Cesaire, a sua poesia e o seu legado politico-cultural:

"Ao abordarmos a epoca contemporanea, surge-nos o canto mais profundo que um poeta nascido na noite colonial jamais produziu: trata-se do Cahier d’un retour au pays natal de Aime’ Cesaire. Na sua palavra poetica “bela como o oxigenio nascente”, como escreveu Andre’ Breton, reside a fonte moderna da poesia africana de combate. A partir dela, comeca a leitura verdadeiramente poetica da opressao e do universo de todos os oprimidos.

Africa
nao receies – o combate e’ novo
a torrente viva do teu sangue elabora sem descanso
uma nova estacao; a noite e’ hoje no fundo dos mares
o enorme e instavel dorso de um astro meio adormecido
prossegue o teu combate – ainda que tenhas para conjurar
[o espaco]
o espaco apenas do teu nome irritado pelas secas


Ao longo da accao de um dos primeiros movimentos politicos unitarios fundados em Africa depois da Segunda Guerra Mundial, em 1946, em Bamako (Mali) referimo-nos ao Rassemblement Democratique Africain – a poesia traz o testemunho vivo desse combate. Os poemas publicados no orgao do RDA, Le Reveil (O Despertar), elucidam as batalhas em curso e abrem horizontes ao futuro em criacao.

Esses poetas cantam uma realidade que em breve sera’ ultrapassada pela propria evolucao do combate politico. Raros sao aqueles que reencontram a inspiracao, a conviccao ou o talento necessarios para exaltar o conteudo da independencia nacional conquistada pelos seus paises. Mas entre os poetas que se revelam depois da geracao do RDA, o nome de David Diop, tragicamente desaparecido em 1960, retem a nossa atencao. Embora a sua obra esteja limitada a um so’ livro de poemas (Coups de Pilon), ela exerce ainda hoje uma profunda influencia a escala do continente.

Tomando posicao desde a primeira hora, pela reabilitacao cultural dos valores africanos, David Diop, inscreve a sua poesia no contexto do combate geral pela independencia africana. Assume-se como vitima entre as vitimas do massacre de Dimbokro na Costa do Marfim ou do campo de concentracao de Poulo Condor no Vietname. David Diop, que reune talento poetico e generosidade militante, e’, para as geracoes das 'independencias africanas', o anunciador da 'primavera que tomara’ corpo sobre os nossos passos de claridade'."

in “Antologia Tematica de Poesia Africana (2) – O Canto Armado”
(segunda edicao, 1980)
Instituto Caboverdeano do Livro
© Mario de Andrade/ Sa’ da Costa Editora

2 comments:

Denudado said...


Partir.
Comme il y a des hommes-hyènes et des hommes-panthères,
je serais un homme-juif
un homme-cafre
un homme-hindou-de-Calcutta
un homme-de-Harlem-qui-ne-vote-pas

l'homme-famine, l'homme-insulte, l'homme-torture
on pouvait à n'importe quel moment le saisir
le rouer de coups,
le tuer - parfaitement le tuer - sans avoir
de compte à rendre à personne
sans avoir d'excuses à présenter à personne
un homme-juif
un homme-pogrom
un chiot
un mendigot

mais est-ce qu'on tue le Remords, beau comme la
face de stupeur d'une dame anglaise qui trouverait dans sa soupière un crâne de Hottentot?


Aimé Césaire, in Cahier d'un retour au pays natal

Koluki said...

No, that cannot be killed!

(... quem me dera sentir-me agora mais a vontade com o meu Frances...)

Muito obrigada pela oportuna contribuicao, Denudado.